A SUA LINHA DE NOTÍCIAS

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

TWITTER

FACEBOOK

Premier League Brasil

Siga-nos nas redes sociais

Popular Posts

Quem sou eu

CLASSIFICAÇÃO

sexta-feira, 12 de junho de 2015

A Copa das Copas


Há um ano o pontapé inicial foi dado. O dia 12 de junho ficará marcado como o começo de algo inexplicável em vários sentidos, algo único. A desconfiança, o impasse e o "imagina da Copa" foram substituídos por um festival de boa organização, amor e muito, mas muito futebol. A Copa do Mundo do Brasil foi, sem dúvidas, a melhor da história.

Unanimidades: 7ª rodada #CartolaFC

Fala cartoleiros!

É, amigos, rodada passada não foi a rodada perfeita, mas com fé vamos nos recuperar nessa. Na última, Valdívia pontuou razoavelmente bem e Walter deu uma assistência, tornando Fred nossa maior decepção. Para nossa redenção, vamos com:

Renato Cajá: O maior destaque do Campeonato Brasileiro até aqui pode estar fazendo uma de suas últimas partidas pela Ponte Preta. O meia da Macaca tem várias propostas e nessa rodada enfrentará um Goiás desmotivado por duas derrotas. Ótima chance de fazer mais um gol ou deixar sua marca com outra assistência.

5 motivos para ir ao Serra Dourada


E o dragão cuspidor de fogo tem tudo pra voltar à ativa. Novidades que agitaram o CCT Urias Magalhães prometem revirar o ano do Atlético e a reação pode começar já neste sábado contra o vice-líder Náutico no estádio Serra Dourada. Mas pra que o entusiasmo, sendo que o time vem fazendo uma campanha pífia na série B e vem jogando mal? Ora, caro torcedor, se liga nas novidades do Atlético e depois me diga se não tem motivos de sobra para acreditar em um bom resultado. Preparei cinco motivos para você, torcedor, ir ao estádio:

O tabu feminino no futebol – Parte III


Por muitos anos, se tornou comum achar que mulheres iam aos estádios apenas para acompanhar o marido. É possível dizer que aquelas que não estavam lá por isso não eram bem vistas ou bem tratadas nesses locais. Hoje, mesmo com o aumento do público feminino dentro de campo, nas televisões, nos clubes e, principalmente, nas arquibancadas, situações preconceituosas ainda são banalizadas por muitos.

No Linha de Fundo, somos ao todo quatorze mulheres, sendo cada uma de um lugar diferente, com histórias diferentes, vidas diferentes e um amor em comum: o futebol. Nós frequentamos estádios, discutimos sobre esse universo, escrevemos vários textos por semana dando nossas opiniões e enfrentamos de cabeça erguida à discriminação, seja ela pessoalmente ou virtualmente. Para a terceira parte deste especial, convidei mais seis colunistas para discutir e colocar na mesa o nosso ponto de vista sobre tudo isso.


A relação com o futebol começou cedo. Para a maioria, o interesse veio do lado paterno. Letícia, Luisa e Thais contam que os pais as ensinaram a gostar do esporte e que a paixão partiu do incentivo deles. Já para Cássia e Luiza, o caminho foi trilhado pelas mães. Todas frequentadoras assíduas de estádios, assim como Isabela, que começou seu amor sozinha assim como muitas outras garotas pelo mundo. Ela explica que encontrou no futebol a força que precisava e, mesmo sem ter uma família ligada a isso, o fanatismo não é diferente.

Um dos principais problemas de quem vive futebol são as opiniões contrárias familiares. Isabela mostrou o quão difícil foi pra ela começar a seguir essa paixão “No começo não foi nada fácil. Eu mulher, nova e do interior? O primeiro impacto com o preconceito veio dentro de minha própria casa”. As outras também sofrem resistência mesmo quando alguém apoia essa “loucura”.

É consenso nesse grupo que as mulheres devem, obrigatoriamente, mostrar saber o dobro para que consigam ter uma boa conversa sobre o esporte. Sem recuar, as meninas do Linha de Fundo sabem que, infelizmente, ainda devemos mostrar nosso conhecimento mesmo tento certeza do que é dito. “Sempre me incomodei com o fato de contrariar a opinião de algum homem e ele dizer "tinha que ser mulher", "mulher não entende mesmo" ou coisas do tipo, mas quando é outro homem falando é só alguém de opinião contrária.”, disse Cássia.

O preconceito, no entanto, é comum em diversos lugares. Letícia, por exemplo, sofreu discriminação num colégio, lugar que tem como objetivo, na teoria, formar seres pensantes: “Todas as minhas coisas eram do Criciúma e nas aulas de português, quando tinha que escrever sobre algo, sempre puxava para o futebol ou algo relacionado ao Criciúma. Um dia minha professora me chamou de anti-feminina, insinuou que eu era lésbica e que eu nunca iria namorar/casar por causa disso”. Outras situações desconfortáveis são ainda mais frequentes dentro dos estádios. “No final da série C, passei por umas situações bem chatas. Um rapaz tirou fotos da minha bunda, outro tentou me puxar pela cintura. Já ouvi muito "estás no lugar errado", "mulher vem para o estádio arrumar homem"...”, contou Cássia. Isabela completou “Esse tipo de comentário ocorre principalmente em jogos de maior risco, onde somos aconselhadas a não ir, mas sempre acabo indo. Lembro também de um protesto onde um rapaz foi pra cima de uma amiga porque estávamos protestando contra o ex-presidente Andres Sanchez. Ele era a favor e quis partir para violência.”.

A presença crescente de mulheres, seja ela em qualquer campo do esporte, representa um grande avanço. Como dito na parte dois, mesmo com todas as barreiras ainda enfrentadas, cada vez mais as histórias delas vem ganhando espaço. “É uma conquista no que se refere à igualdade refletida pela sociedade. A mulher ser tratada como igual dentro de um campo de futebol é reflexo dos direitos conquistados e dos preconceitos afastados durante gerações de lutas por isonomia. O futebol era totalmente dominado por homens em todos os campos e a chegada das mulheres nesse meio me orgulha porque significa um crescimento gigantesco e uma quebra de um tabu construído por séculos”, Luisa comentou. Isabela completou dizendo que “é um avanço e mostra que mulheres possuem paixão sim pelo futebol e entendem sobre o assunto, podendo ter um conhecimento igual a qualquer homem.”.

A sociedade ainda tem dificuldade de aceitar essa presença das mulheres e muito se deve ao costume e ao condicionamento para pensar por conta do lado cultural. Mesmo com o passar dos anos e com a mudança do mundo, ainda é difícil para muitos enxergar o cenário diferente. “Os homens dominaram por muito tempo e a tendência agora é totalmente o contrário. Mulheres mandando em empresas, em casa e por aí vai. Creio que role um receio deles se virem dominados pelo universo feminino. E, no caso das próprias mulheres que não aceitam outras no futebol, isso se dá pela cultura machista”, disse Luisa.

As frequentes discussões sobre o machismo na sociedade em geral podem estar começando a mudar algumas visões populares, mas quanto falta para essa mudança chegar ao futebol? Quando o povo e os dirigentes conseguirem enxergar além do preconceito, esse será o momento exato em que veremos a transformação acontecer. O mesmo serve para a mídia, que pouco faz para incentivar a igualdade.

É inegável que a imprensa, principalmente a televisão, é responsável pela formação de opinião das pessoas. Isso não é totalmente ruim, considerando que a mídia pode sim ser um importante veículo de circulação de informações. Tendo esse poder todo, não seria mais inteligente utilizar essas ferramentas para o bem? Porque não incentivar o futebol feminino e mostrar como as mulheres são muito mais importantes para esse meio do que as pessoas deixam transparecer?


Para nós, é fato que a sociedade já evoluiu, mas é evidente que ainda falta muito para o lugar ideal. “Evoluiu, mas ainda não chegou ao ideal. O fato de ter melhorado não significa que está bom, que estamos satisfeitas, ainda há muito que mudar. Qualquer uma que "se meta" nesse meio esportivo ainda tem que lidar com muitas coisas, dificuldades que homens não passam” Cássia concluiu e Isabela completou: “Um passo grande são as mulheres que hoje trabalham na mídia com futebol, mas tem que dominar o assunto, se não um erro e você já é recriminada. Vale lembrar o quanto a Ana Paula sofreu para ser bandeirinha de futebol por conta de toda a discriminação e ela venceu isso. Acredito que nós, mulheres e torcedoras, já vencemos um pouco com essa evolução, mas ainda temos que vencer até que não exista nenhuma brincadeira maldosa, porque isso irrita qualquer mulher que realmente vai ao estádio entendendo sobre o esporte e amando seu time do coração”.

Por Mariana Sá || @imastargirl - Flamengo

Participações: 
Cássia Gouvêa (@_cassiagouvea) - Paysandu;
Isabela Macedo (@ismacedo_) - Corinthians;
Letícia Figueredo (@_lefiguereedo) - Criciúma;
Luisa Duarte (@LuisafDuarte) - Atlético Mineiro;
Luiza Sá (@luizasaribeiro) - Flamengo
Thais Oliveira (@thaaisoliveirac) - Ceará.

Em jogo equilibrado, Chile vence Equador na abertura da Copa América 2015

Vidal abriu caminho da vitória Chilena na estreia da Copa América. (Foto: EFE)
Na noite desta quinta-feira (11), as seleções Chilena e Equatoriana fizeram a partida de estreia da 44° edição da Copa América, realizada em Santiago no Chile. Ambas as equipes vão à busca do primeiro título.
←  Anterior Proxima  → Inicio

Inscreva-se no canal LFTV

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Mais lidas da semana