A SUA LINHA DE NOTÍCIAS

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

TWITTER

FACEBOOK

Premier League Brasil

Siga-nos nas redes sociais

Popular Posts

Quem sou eu

CLASSIFICAÇÃO

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Chile vence Peru e fica próximo de titulo inédito.

Chile derruba os Peruanos em Santiago.
(Foto: Pablo Vera Lisperguer/ Agif/Gazeta Press)

Arsenal contrata o goleiro Petr Cech

Petr Cech assinando com o Arsenal
Foto: arsenal.com
O Arsenal anunciou a contratação do goleiro tcheco Petr Cech, de 33 anos, vindo do rival Chelsea. Os números da negociação não foram revelados pelo Arsenal, mas acredita-se que tenha girado em £10.9M com um salário de £100mil por semana.

Demorou, mas chegou!

Em um jogo de desesperados, o Vasco conseguiu a sua primeira vitória, depois de oito rodadas na espera. Contra o Flamengo e com gol do Riascos, o time Cruzmaltino ganha mais três pontos e subiu uma posição na tabela.

Vasco consegue sua primeira vitória no campeonato.

O tabu feminino no futebol – Parte IV


Durante esse especial, retratei histórias sobre a dificuldade feminina de vários pontos de vista. O objetivo sempre foi mostrar ao público do Linha de Fundo os vários campos do preconceito e suas formas, coisa que, quem sabe, pode abrir a mente de muitos que ainda acham que futebol não é coisa de mulher. A quarta parte desta “viagem” falará do lado que poucos conhecem, mas com toda certeza deveriam.

Não é difícil achar campos de futebol pelo Rio de Janeiro. Passe pelas zonas norte e oeste principalmente e você encontrará todo tipo de local com duas traves e um espaço para jogar bola. Os cariocas vivem o esporte. Nas comunidades da Cidade Maravilhosa, meninos e meninas sonham com o futuro como jogadores e esperam que um dia essa realidade fique mais próxima.

O Padre Miguel FC reúne alguns desses jovens e luta para que o sonho deles possa se tornar real. Treinando no Cruzeiro, clube em Realengo que sediou a Copa TIM Zona Oeste – comentamos sobre ela aqui, o projeto tenta ultrapassar todas as barreiras para manter-se vivo. No meio de tantos talentos, 70 meninas colocam a chuteiras e driblam o preconceito todos os dias.

LEIA MAIS: O tabu feminino no futebol




O projeto do futebol feminino começou em 2012. Como a escolhinha já funcionava desde 2011, muitas meninas iam aos treinos para jogar e acabavam formando um time misto com os garotos. Visando a Taça das Favelas daquele ano, André, um dos treinadores, inscreveu o time ainda inexistente na competição e assim surgiu a equipe só de mulheres.

Em três anos, as garotas disputaram competições como Taças das Favelas, Liga Iguaçuana e Copa Carioca. Para o técnico Luciano, os melhores desempenhos de suas comandadas foram na vitória por 3x1 contra o Botafogo, quando o time ainda não era conhecido, e a segunda partida contra a Seleção Brasileira Sub15, quando elas perderam por 6x5, mas chegaram a estar na frente do placar com 3x5.

Luciano me contou que a grande dificuldade é justamente a falta de investimento, tanto nos times quanto nas competições. A ausência de ajuda financeira impede que o projeto tenha todos os materiais necessários, o auxílio no custo das passagens para os treinos e uma boa alimentação para elas. Outro obstáculo vem com os problemas para bancar as competições. O treinador falou sobre o Campeonato Carioca, que é inviável para eles já que o dinheiro de cada partida deve sair do próprio bolso. Sem patrocinadores, graças ao pouco reconhecimento e a baixa visibilidade, as meninas fazem o que podem para continuar.

O alto custo dos campeonatos, do registro das meninas na federação e o baixo número de torneios grandes no Rio de Janeiro acabam tornando tudo mais difícil e, com isso, algumas garotas escolhem deixar o estado para ir atrás de chances melhores. O time já perdeu ótimas jogadoras graças a isso, mas o destaque das meninas para “fora” não é ruim.


O Padre Miguel FC colhe os frutos da luta pelo projeto não só com a evolução das meninas, mas também com o reconhecimento externo. A conquista mais recente foi à convocação de Thalita para a Seleção Brasileira Sub15. A lateral chamou atenção no amistoso entre as equipes e acabou sendo chamada. “Não tem dinheiro que pague a convocação dela. A gente abre as portas e elas têm que abraçar as oportunidades, que são poucas. É muito difícil trabalhar com futebol feminino. Elas têm que abrir o coração pra isso, tem horas que da vontade de desistir. Nunca ganhei dinheiro com futebol, o maior dinheiro que ganhei na vida foi ela (Thalita) ter sido convocada. Isso ninguém vai tirar de mim, foi a minha mega-sena. A maior satisfação que eu tenho trabalhando com futebol é essa. Essa foi a maior vitória. Posso ser campeão de qualquer campeonato, mas não vai valer a convocação dela. Um projeto que não tem muita visibilidade, não tem apoio nenhum, ter uma menina nossa convocada? Eu posso morrer hoje que morro satisfeito. A maior vitória que tivemos aqui”, disse Luciano com lágrimas nos olhos e orgulho na voz.

Pergunto ao time se o futebol feminino pode ganhar mais visibilidade depois das Olimpíadas, já que o nosso país receberá a competição e a mídia terá que falar das partidas. As respostas são opostas, assim como o sentimento em todos nós. A expectativa é que esse seja o momento certo para que a modalidade tenha o destaque que merece, mas é impossível prever o futuro.

Questionada sobre o que mudou em sua vida depois da entrada do futebol, Rayssa disse: “Me deu mais clareza para acreditar que eu posso conseguir”. Quando perguntei o que o esporte significa na vida delas, a resposta foi unânime: tudo. Todas sonham em serem profissionais e sabem que devem estar unidas atrás desse objetivo. Elas completam dizendo que, pra uma menina querer ser jogadora de futebol, ela não pode só gostar, tem que amar. “Mesmo que não nos tornemos jogadoras, seremos seres humanos melhores, já que passamos por muitas coisas”, disse uma delas.

Todas afirmam que sofrem preconceito constantemente por praticarem o esporte e ele não vem só da rua. Dentro de casa, muitas famílias ainda não aceitam ou não entendem a opção das filhas. Muito se deve a questão da homossexualidade, já que alguns relacionam isso com as mulheres em um esporte dito como masculino. Além disso, elas reconhecem que não há apoio nem o devido valor a quem está começando por parte das entidades responsáveis, o que atrasa o desenvolvimento do futebol.

Muitas garotas desistem por falta de foco ou de opção. A maioria não tem estrutura física pra aguentar, já que grande parte dos times não têm condições de pagar pelos equipamentos ou treinamentos adequados. O RJ, local tão tradicional no futebol, não tem nenhum investimento da federação. Mesmo com um atraso gigante, outros estados como São Paulo, Minas Gerais e Brasília tem uma estrutura melhor de apoio às meninas. Ainda assim é pouco para a grande necessidade das nossas mulheres.


Assim como Marta, que passou por um pequeno clube de Nova Iguaçu, muitas outras poderiam seguir seu caminho. Infelizmente ainda falta muito para que nossas meninas tenham as oportunidades que merecem.

Mariana Sá || @imastargirl

Coxa volta a vencer no Brasileirão

Jogadores comemorando o gol marcado por Rafhael Lucas
(Coritiba/Divulgação)
Na tarde de ontem o Verdão recebeu a equipe do Cruzeiro no estádio Couto Pereira, e conquistou a 2ª vitória no Brasileirão assim chegando as 7 pontos dentro da competição. Em uma jogada feita por pratas-da-casa que terminou com gol de Rafael Lucas, o Coxa venceu o atual bicampeão Brasileiro pelo placar de 1 a 0.

O Verdão já retorna a campo na quarta-feira em Belo Horizonte, em confronto contra o Atlético-MG.

Líder, mas sem convencer

Vencemos uma das batalhas mais difíceis na Série C. Enfrentar o Salgueiro no estádio Cornélio de Barros não é simples, isso é fato, mas não justifica o pífio futebol apresentado pelo nosso time, principalmente durante a segunda etapa da partida. A vitória veio sem brilho.

Somos líderes isolados na principal competição da temporada. O foco é o acesso à Série B, sem dúvidas. Temos uma equipe superior a quase todos os nossos adversários, mas o time não pode vacilar. Como diz o conhecido provérbio, “camarão que dorme a onda leva”.

Agora, o Leão chegou aos 13 pontos na competição. O Vila Nova, segundo colocado, que foi derrotado em casa pelo nosso próximo adversário, tem apenas 9. Enfrentaremos o América-RN no sábado (4), às 20h, na Arena Castelão. A antecipação da partida prejudica um pouco, mas precisamos ir ao estádio para apoiar nossa equipe.

Razoável

Inicio minha análise sobre o primeiro tempo classificando o mesmo. Aos 3 minutos, Uilliam, em sua estreia como titular, aproveitou um recuo mal efetuado e quase marcou. Na dividida com o goleiro, o jogador sofreu uma entorse no joelho. Tiago Azulão, meio-campo, entrou na sua vaga.

Pouco tempo depois, enquanto o time da casa tentava chegar por jogadas aéreas, o Leão aproveitou a chance de ataque. Maranhão fez ótima jogada pelo lado esquerdo, invadiu a área e tocou para o meio. Pio, que entrava em diagonal, concluiu para o gol e abriu o placar para o Fortaleza.

Pio marcou o gol da vitória do Tricolor de Aço (Foto: O POVO)
←  Anterior Proxima  → Inicio

Inscreva-se no canal LFTV

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Mais lidas da semana