A SUA LINHA DE NOTÍCIAS

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

TWITTER

FACEBOOK

Premier League Brasil

Siga-nos nas redes sociais

Popular Posts

Quem sou eu

CLASSIFICAÇÃO

terça-feira, 11 de agosto de 2015

XEPA - 18°Rodada do Cartola FC

Fala, Cartoleiros!!

Olha quem voltou? Sim, o mito dos times baratos, o Xepa! Depois de uma rodada desastrosa (16°Rodada), a nossa equipe ficou pressionada com o ruim desempenho, mas se saiu bem na última.

Está sem dinheiro? Descubra como montar um time barato. #VemComOXepa

Avaí joga bem, anula Ronaldinho e vence o Fluminense

Avaí foi a campo na noite desse sábado (08) enfrentar o Fluminense. Com um público de 11.033 torcedores, a equipe Azurra saiu com a vitória por 1 a 0, com gol de André Lima aos 6 minutos do primeiro tempo.

Com essa vitória, o Avaí tinha subido 4 posições e chegou à 12º colocação, mas como os resultados não favoreceram o Leão da Ilha, o Avaí continuou em 16º com 20 pontos - junto com o Figueirense, Flamengo e Santos, e ficando 5 pontos a frente do primeiro time que está no Z4, o Goiás. 

Avaí pega agora a Ponte Preta no Moisés Lucarelli, na quarta feira (12), às 19h30min.

Desabafo de um nacionalino

Primeiramente: O texto reflete a opinião pessoal do colunista, apenas seu desabafo com o péssimo futebol apresentado pelo seu time.

Não é novidade pra ninguém que o futebol amazonense é falido. Ainda que não acreditem, existem sim clubes com história, torcida e importância regional. Pois bem, em uma SEGUNDA FEIRA A NOITE, a torcida ENFIM compareceu. Encheu a Arena da Amazônia para ver um jogo de SÉRIE D. Deve ter sido (fácil) o jogo com maior público no campeonato. Até a torcida visitante compareceu.

Estava tudo lindo, as organizadas se juntaram por um bem maior, torcedores de times da cidade apoiando o Nacional e tempo limpo. Cenário perfeito. Perfeito demais.

O jogo foi um horrível. Eu não tenho palavras pra descrever o quão patética foi à atuação do time amazonense.


O time ATÉ começou bem, no 3-4-1-2, tinha posse de bola e conseguia sempre abrir a defesa adversária pelos pés de Peter. Marcava em bloco alto e forçava o Remo a rifar a bola. Peter finalizou bem e parou por aí. Após o bom início, se via um time com a bola e sem objetividade. Objetividade 0. O Remo, que não tinha nada a ver com isso, marcava bem no 4-1-4-1 e procurava jogar por uma bola que veio no final do jogo.

Considerações finais:

1) Nacional precisava atacar e voltou para o segundo tempo com 3 volantes. Já estava com 3 zagueiros. Precisa falar mais?

2) Sim, precisa. Thiago Verçosa, Thiago Marin, Thiago Floriano, Felipe, Nando e Weverton. Opções ofensivas que não foram utilizadas.

3) Maltrata a torcida mesmo que saiu de casa numa segunda feira pra ver um time totalmente mal montado.

4) Não vai ganhar do Rio Branco jogando essa bolinha.

5) Me perdoa Isa por esse desabafo eu te amo chefe.



@gabrielantony_ || Gabriel Antony 

30 de Setembro de 2007. Um pedido de socorro ignorado a quase 8 anos.


Copa do Mundo Feminina de 2007. Brasil estreou no dia 12 de setembro com uma convincente goleada sobre a Nova Zelândia por 5 a 1. No dia 15, em seu segundo jogo, suas vítimas seriam as Chinesas. Mais uma bela vitória, dessa vez por 4 a 0. No último jogo da fase de grupos, as meninas Brasileiras enceraram sua participação com uma vitória magra por 1 a 0 sobre a Dinamarca, garantindo assim a primeira colocação do seu grupo com 100% de aproveitamento. Nas quartas a vitória veio no sufoco - 3 a 2 sobre as Australianas.

A semifinal foi digna de Seleção Campeã: 4 a 0 nas fortíssimas Americanas, um deles antológico feito pela Rainha Marta, com uma narração que ultrapassou os limites da emoção, feita pelo inesquecível Luciano do Valle (o braço direito do futebol feminino no Brasil). A final seria contra mais uma potência do Futebol Feminino. As meninas não foram páreo para a Alemanha, amargando um 2 a 0 e o segundo lugar. Aquela Copa que a Rainha Marta, eleita a melhor jogadora do Mundo por cinco vezes (consecutivas), foi artilheira com sete gols. (Link daquele antológico contra os Estados Unidos logo abaixo).

Um pedido de socorro foi aclamado no final daquele jogo. Um cartaz que as meninas mal conseguiam segurar, arrasadas depois da final, dizendo o seguinte: "Brasil, precisamos de apoio".

Quase oitos anos se passaram e o apoio segue mar adentro, perdido há anos, sem saber aonde chegar e quando chegará. Talvez vindo de lentas braçadas, enquanto as outras seguem em certos caminhos, fortes, abrindo longa vantagem, não parando no tempo e sendo treinadas para longas maratonas desde os 7 anos. Como diz o ditado: “A Esperança é a última que morre”... Há esperança? O problema é visível, um texto gigante aqui não é a intenção. Existem vários em ótimos meios de comunicação, basta pesquisar. Uma simples e tocante foto é o bastante. 

Liga Nacional de Handebol Feminino terá apenas 6 equipes

Isso poderia até ser um texto cômico, mas o Campeonato Nacional do Handebol atual campeão mundial, com a melhor jogadora do planeta em 2014 (Duda Amorim) e 2012 (Alexandra) e com um dos melhores técnicos do mundo (Morten Soubak) terá apenas SEIS equipes que disputarão a competição entre o final de Agosto até o início de novembro.

São menos de 100 atletas na Liga Nacional, sendo que 16 em cada equipe. A Seleção Brasileira de Handebol Feminino é uma das favoritas ao pódio no Rio 2016, jogando em casa e com a geração que para muitos, é o melhor da história. Conquistando o inédito mundial. Além de Duda e Ale, outros destaques da Seleção Brasileira atuam fora do País, em times considerados como potências em regiões como a Europa.

A Liga Nacional do ano passado era composta por 10 equipes. Um número que já era considerado baixo. O tradicional Blumenau foi uma das equipes que abriu mão da competição nacional por dificuldades financeiras.

O Campeonato Nacional de Handebol Feminino de 2015 terá as seguintes equipes: São José dos Campos, Pinheiros, Caxias do Sul (RS), Concórdia (SC, atual vice-campeã), Vasco/FAB (RJ) e a Metodista/São Bernardo (SP, oito vezes campeã).

O bom ídolo a casa torna!


O Santa Cruz deu uma de Santa Cruz e encantou o Brasil inteiro no dia 08 de agosto, dia que marcou a volta do artilheiro Grafitte ao Arruda, a torcida compareceu, e o atacante não desapontou, estreou da melhor maneira possível e fez a alegria dos mais de 44.000 torcedores presentes no estádio do Arruda. E a vinda de Grafitte representou bem mais de um simples reforço pro ataque coral, à diretoria fez o dever de casa e aproveitou a força do nome do atacante, após sua regularização foi dada uma meta: até o dia da estreia, o Santa Cruz teria 10 mil sócios, onde antes só havia pouco mais de 2 mil, muitos duvidaram que essa meta seria batida, pois é, foi. No dia da estreia 10.003 torcedores estavam associados ao clube, o Santa lançou seu uniforme número 3, e camisa comemorativas a volta de Grafitte, o Santa deu um passo de anos em apenas 2 meses, um marco na história do clube.

Não bastasse, a torcida Coral colocou o Santa como maior público na série B, e desbancou estreias do Brocador no Sport, e ninguém mais ninguém menos que RONALDINHO GAÚCHO pelo Fluminense em pleno Maracanã, e é o segundo maior público de Pernambuco no ano, ficando atrás apenas da final do Pernambucano entre Santa Cruz e Salgueiro no Arruda, com pouco mais de 46 mil torcedores. A torcida do Santa deu um show, e foi reconhecido por todo Brasil, e é incrivelmente perceptível o quanto a equipe tricolor é diferente com o apoio dessa torcida, considerada por muitos, a mais apaixonada do Brasil!


O JOGO

O Santa entrou com o seguinte time para o jogo contra o Botafogo:

Tiago Cardoso, Vitor, Danny Morais, Néris, Marlon, Bileu, Wellington César, Lelê, João Paulo, Aquino e Grafitte. Técnico: Martellote

Empurrados pelos torcedores, o Santa começou o jogo agredindo o Botafogo e tomando conta da partida logo no começo, aos 3 minutos, João Paulo levantou a bola na área, Danny Morais cabeceou e a bola passou perto do gol do Botafogo, até os 30 minutos o jogo esfriava, o Santa tinha algumas chances com Lelê, mas nada de perigo real no jogo, mas o Santa comandou como equipe grande jogando dentro de sua casa, o que o time precisava no começo da competição, mas só Martellote conseguiu colocar isso pra funcionar na equipe tricolor.

Aos 37 minutos, talvez o segundo lance mais emocionante da partida, depois do cruzamento de Lelê, Bileu acertou um belo chute de perna esquerda e obrigou Jefferson a praticar um milagre, e o goleiro da seleção não fez feio, uma impressionante defesa, e assim, acabou o primeiro tempo, com um visível domínio tricolor, e com um Grafitte que não estava lá nas suas melhores condições, e não seria nenhuma surpresa não ver o atacante voltar para segunda etapa.

Mas para o azar do Botafogo e para sorte do Santa, inclusive deste tricolor que vos fala, Grafitte voltou para o segundo tempo, e sem nenhuma alteração, a bola voltou a rolar. E não demorou muito pra a torcida Coral soltar o grito da garganta, aos 5 minutos João Paulo cruzou a b... Não, espera, ele deu uma assistência mesmo, a bola foi na cabeça de Grafitte, e ele como o agradecido homem que é, retribuiu a festa dada pela torcida tricolor, e fez na sua reestreia, sem chances para o goleiro Jefferson!


Após o gol, o Santa se fechou e segurou bem o resultado, méritos ao treinador tricolor, que soube tirar o melhor da parte defensiva do Santa, que vinha dando problemas a algum tempo. O Santa agora é mais confiante com sua parte defensiva, e o meio campo tem a liberdade de trabalhar a bola, João Paulo caiu como uma luva nessa equipe, é de longe o melhor jogador do Santa Cruz, e vem mostrando isso desde o campeonato pernambucano, onde foi escolhido o craque da competição!

O time tricolor ainda contou com as entradas de Lúcio no lugar de Marlon, e Moradei no lugar de Vitor, mas foi aos 26 minutos que o estádio do Arruda teve seu momento mais especial, a placa do auxiliar levanto com o número 23 em vermelho, o que sinalizava a saída de Grafitte, e os mais de 44 mil torcedores, de pé, aplaudiram o reestreante da noite, Grafiite marcou seu 18º gol com a camisa do Santa, e foi o da vitória contra o time de maior expressão da Série B, com mais de 44 mil expectadores, e a meta de 10 mil sócios batida, sua reestreia não poderia ser melhor!

Data: 08/08/2015
Público: 44.485 torcedores
Renda: R$ 1.008.815,00
Árbitro: Flávio Rodrigues Guerra (SP)
Assistentes: Vicente Romano Neto (SP) e Carlos Augusto Nogueira Júnior (SP)


Com a vitória o Santa Cruz subiu 4 posições na tabela e chega em oitavo para a próxima rodada, onde o time enfrenta o Mogi Mirim que ocupa a zona de rebaixamento, o jogo terá um gostinho mais especial porque o Santa irá rever Rivaldo, jogador que atuou pelo Santa antes de ganhar o mundo!

O dia 08/08/2015 certamente ficará marcado na história do Santa Cruz, e o que fica pra próxima rodada é um sentimento de obrigação pela vitória, onde o Santa tentará ficar cada vez mais perto do G4, o que é certo, é que com esse reforço no ataque, fica cada vez mais fácil do sonho da séria A em 2016 se concretizar...

←  Anterior Proxima  → Inicio

Inscreva-se no canal LFTV

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Mais lidas da semana