A SUA LINHA DE NOTÍCIAS

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

TWITTER

FACEBOOK

Premier League Brasil

Siga-nos nas redes sociais

Popular Posts

Quem sou eu

CLASSIFICAÇÃO

sábado, 5 de setembro de 2015

Bragantino vira contra o América-MG e começa a sonhar com acesso

Jobinho e Chico, jogadores do Bragantino em ação pela Série B
Jobinho comemora o gol da virada do Bragantino (Foto: ESPN)
Após uma vitória épica nos acréscimos contra o Vitória, o Bragantino foi até Minas Gerais encarar o bom time do América-MG. Mais do que os três pontos, era hora de dizer o que o time paulista quer no campeonato: a vitória aproximaria a equipe do G4, a derrota decretaria mais um ano ficando no meio da tabela.

Mesmo jogando fora de Casa, o Braga conquistou uma vitória importante por 2x1 e já está apenas quatro pontos atrás do Vitória, quarto colocado. O Coelho chegou ao quinto jogo sem vitória e perdeu a chance de encostar nos líderes, mas continua na briga.

Na próxima rodada o Bragantino recebe o ABC, em Bragança Paulista, precisando vencer para confirmar sua arrancada e entrar de vez na briga pelo acesso. O América-MG tem um grande desafio para se recuperar da derrota: enfrenta o Sampaio Corrêa, fora de casa.

O JOGO

Jogando em casa e contando com apoio da sua torcida, o Coelho começou pressionando o time paulista e não demorou a achar seu gol. Em falha da zaga, Felipe Amorim abriu o placar logo aos 7 minutos: 1x0.

Com o gol, o Bragantino precisou abrir mão da sua proposta defensiva e igualou o jogo. As chances de gol diminuíram e o duelo ficou mais marcado. Isso até os 20 minutos, quando a boa jogada de Jobinho encontrou a cabeça de Lincom para empatar o jogo.

Após igualar a partida, o Braga voltou a recuar e esperar um contra-ataque para definir o jogo. O Coelho ficou com mais posse de bola, mas tinha dificuldades em criar jogadas de perigo.

O segundo tempo começou da mesma maneira que terminou o tempo anterior: América com a bola e tentando furar a retranca do visitante; O Bragantino marcando forte e esperando uma falha do rival para virar o jogo.

Com muita dificuldade em entrar na zaga do Bragantino, restou ao Coelho tentar chutes de fora da área. Primeiro com Raul, batendo falta perigosa. Depois com Marcelo Toscano que parou em Douglas.

O Bragantino não conseguia armar os contra-ataques e parecia sufocado quando, aos 30, conseguiu a virada. Alan Mineiro chutou bloqueado pela zaga do Coelho. No rebote a bola se ofereceu para ele mesmo cruzar e encontrar Jobinho sozinho na segunda trave. 2x1.

Os últimos quinze minutos foram de pressão do América, mas uma pressão muita desorganizada que não levou grandes perigos ao gol de Douglas. O Braga que quase fez o terceiro em mais um contra-ataque, mas também foi barrado pelo goleiro João Ricardo.

Em noite de Rogérios e com time "remendado", São Paulo vence o Inter

Ceni recebendo homenagem, Ganso acordado, Michel voltando as antigas e Rogério marcando gol na estréia. Assim foi, São Paulo 2 x 0 Internacional.


São Paulo recebeu o Internacional em dia de estréia e de homenagem de diferentes Rogérios. Apesar dos inúmeros desfalques, o Tricolor bateu o time gaúcho por 2 a 0 e com gol do estreante.

Rogério Ceni completa 25 anos de São Paulo na próxima segunda-feira (07/09), em homenagem a isso, Under lançou a camisa com #M1TO25 que foi usada pelos jogadores. Houve também a escultura, feita de aço, da defesa mais lembrada de Rogério Ceni, do Mundial de 2005, contra o Liverpool, de uma falta cobrada pelo Gerrard, que foi entregue para o M1TO pelo Aidar. Além de uma escultura do Morumbi que foi entregue por um sócio-torcedor.


Para esse jogo, Rogério Ceni treinou bastante para tentar estar em campo no dia de sua homenagem, entretanto, não foi possível. Ele, Breno, Luis Fabiano, Lucão, Carlinhos e Luiz Eduardo foram todos desfalques por problemas físicos, além de Rodrigo Caio que está na Seleção Olímpica e Pato, Wesley e Thiago Mendes que estavam suspensos pelo terceiro amarelo.

Assim, Osório apostou no estreante Rogério, Wilder e Centurión como atacantes, Michel e Hudson caindo pela lateral e o Ganso no centro.


1º tempo foi sem muitas emoções, entretanto foi um jogo bem movimentado. Internacional tentava manter a posse de bola no campo de ataque do São Paulo, esse apostava na velocidade do estreante e do argentino. O time gaúcho estava disposto a jogar nos erros do Tricolor, pressionava a saída de bola, onde conseguia roubá-la e tentava ir para o ataque, todavia a perdia.

Diferentemente da 1ª etapa, o 2º tempo já começou com mudança no placar. Aos 3' Ganso fez ótima jogada e lançou Wilder, esse cruzou para Rogério que mergulhou e marcou. O Tricolor voltou ligado na 2ª etapa, principalmente Ganso e Michel, essa dupla, foi responsável pelo último gol do jogo. Ganso ajeitou a bola para Michel, que chutou no canto direito, Muriel tocou na bola, mas não evitou a explosão dela nas redes. Tricolor não deixou espaço para o Internacional, assim esse, não conseguiu chegar com perigo. Ao final de jogo, São Paulo tocava a bola esperando o apito final, enquanto a torcida invadia o Morumbi com gritos de "olé", após um lance mais ousado de Matheus Reis, D'Alessandro se irritou e o árbitro preferiu terminar logo o jogo. Curiosamente, essa partida não teve nenhum cartão amarelo, nem para o São Paulo e nem para o visitante, Internacional.

Com esse resultado, São Paulo vai para 38 pontos e entra de vez no G4, não podendo ser ultrapassado por ninguém nessa rodada. Próximo jogo, Tricolor vai para Vila Belmiro enfrentar o rival, Santos, quarta-feira (09/09), ás 22h.

FICHA TÉCNICA

Local: Cícero Pompeu de Toledo, Morumbi - São Paulo
Gols: Rogério e Michel Bastos (São Paulo)
Cartões amarelos: 0
Posse de bola: 60% do São Paulo e 40% do Internacional
Finalizações: 14 do São Paulo e 5 do Internacional
Arbitragem: Wilton Pereira Sampaio (GO), auxiliado por Fabrício Vilarinho da Silva (GO) e Bruno Raphael Pires (GO).

SÃO PAULO:
Renan Ribeiro, Bruno (Auro), Lyanco, Edson Silva, Reinaldo; Hudson, Michel Bastos, Ganso; Centurión, Wilder (Matheus Reis) e Rogério (João Schmidt). Técnico: Juan Carlos Osório

INTERNACIONAL:
Muriel, William, Paulão, Ernando, Geferson (Artur); D'Alessandro, Nilton, R. Dourado e E. Sasha (Anderson); Lisandro (Taiberson) e Valdívia. Ténico: Argel Fucks

Ainda há esperança?

   A torcida que escolheu acreditar continua a sofrer! Será que ainda há salvação para o Vasco no campeonato?


   Mais uma partida, mais uma chance de vencer e se reerguer, esse era o pensamento do vascaíno, mas não foi bem assim que o jogo começou. O Atlético não fazia sua melhor partida, e o time carioca jogava em casa, tinha a torcida a seu favor, era o que precisava. Começou tendo bons lances, aos 17 minutos um lançamento deixou a zaga atleticana surpresa e Rodrigo aproveitou para se antecipar, mas mandou a bola para fora. Só que o Vasco é Vasco e precisa errar, então aos 21’ Rodrigo foi driblado e deu um carrinho em Lucas Pratto dentro da área, pênalti marcado, batido fortemente pelo próprio Lucas, gol do Galo, 1x0 para o time visitante.

   Depois do gol a torcida vascaína esfriou, enquanto a atleticana gritava com todo o fôlego que tinha. O time Cruz-Maltino ainda tinha boas chances, Nenê servido pelo passe de Diguinho errou a finalização, um escanteio nas mãos de Victor, goleiro atleticano, Jorge Henrique arriscou de longe, porém nada disso funcionou. Mas o galo, diferentemente do Vasco, não deixava a oportunidade passar! Dátolo recebeu a bola na entrada da área e bateu no ângulo, sem chances de defesa para Jordi, 2x0 para o Galo.

   Assim acabou o primeiro tempo, 2x0 para o Atlético-MG, que não fazia nenhum esforço, ganhava tranquilamente do time da casa, já o Vasco, que tentava muito, não conseguia nem sequer um gol.

Após 725 minutos, finalmente o Vasco sai do jejum e marca um gol
   A segunda etapa começou do mesmo jeito, Vasco trocava passes, mas não tinha muita eficiência. As oportunidades não eram aproveitadas e os erros de passe começaram a aparecer. A torcida vascaína começava a se irritar! Mas aos 27’ houve a alegria que há muito tempo o vascaíno não presenciava, Bruno Ferreira recebeu o lançamento e foi derrubado por Dátolo, pênalti para o Vasco. Nenê bateu no canto esquerdo e marcou, 2x1. Depois de um jejum de 725 minutos, finalmente o gol saiu!

   Depois do gol marcado, o Vasco se animou e resolveu atacar, mas o Galo se defendia bem e não cedia à pressão vascaína. Faltando apenas dois minutos para o fim do jogo, Rafael Silva tomou seu segundo cartão amarelo e foi expulso, após reclamar com a arbitragem.

   E assim acabou a partida, 2x1 para o time visitante, que continua perseguindo o líder Corinthians na competição. Enquanto isso, o Vasco continua afundando na lanterna do campeonato, cada vez mais distante da parte superior da tabela, o time carioca sofre com a seguinte pergunta: Ainda há esperança para fugir do rebaixamento?
                                 
                                                                                        Ana Clara Soares (@AnaClaraSoares1)

Ficha Técnica:

Vasco: Jordi, Bruno Ferreira, Rodrigo, Luan, Christianno, Diguinho, Lucas (Seymour), Julio dos Santos (Andrezinho), Nenê, Jorge Henrique (Rafael Silva), Leandrão

Atlético-MG: Victor, Patric, Leonardo Silva, Edcarlos, Pedro Botelho, Leandro Donizete, Rafael Carioca, Giovanni Augusto (Dodô), Dátolo, Thiago Ribeiro (Cárdenas), Lucas Pratto

Árbitro: Elmo Alves Resende Cunha (GO)
Cartões Amarelos: Jorge Henrique, Lucas, Rafael Silva (Vasco), Dátolo, Cárdenas (Atlético-MG)
Cartão Vermelho: Rafael Silva (Vasco)

Com gol de Sassá aos 49', Botafogo vence e se isola na liderança

Botafogo e Vitória se enfrentaram na tarde deste sábado, dia 4, em um jogo que valia a liderança da Série B. Com retrospecto nada favorável jogando no Barradão, o Glorioso foi valente e derrotou o rubro-negro baiano com gol aos 49' do segundo tempo. Com o triunfo, o Alvinegro se manteve em primeiro, agora de forma isolada, com 42 pontos. O próximo jogo do Botafogo é na terça, dia 8, às 19h, no Nilton Santos, contra o Paraná.  


Sassá comemora o gol da vitória (Foto: Twitter Bahia Já)
O JOGO

A partida começou morna, apesar do forte calor em Salvador. A primeira boa chegada aconteceu aos 18 minutos, e foi do Vitória. Após cruzamento na esquerda, Robert subiu muito e cabeceou, mas a bola foi pela linha de fundo. Aos 20', o Vitória novamente assustou. Diego Renan, de fora da área, chutou e a bomba saiu à direita do gol de Helton Leite. 

O Vitória explorava as laterais do campo para tentar abrir o placar. Aos 22 minutos, o jogo foi interrompido para hidratação dos jogadores. Havia muita dificuldade para criação das jogadas, de ambos os lados. Mas a partir dos 32 minutos, o Botafogo cresceu no jogo. Lulinha e Fernandes fizeram boa tabela. O volante cruzou, porém, o goleiro Gatito Fernández ficou com a bola. Tomas estava pronto para só empurrar para o gol. No minuto seguinte, Lulinha perdeu gol feito. Ele recebeu cruzamento em velocidade e aproveitou falha da marcação para ajeitar e chutar para o gol, mas em cima do goleiro, que mandou para escanteio. A zaga do Vitória cedia muito espaço ao Botafogo. 

Aos 39', Pereira cobrou falta na entrada da área, levando perigo ao goleiro Helton Leite. Aos 44', Luis Ricardo, de fora da área, experimentou. A bola foi pela linha de fundo. Aos 48', o primeiro tempo acabou. 

O Botafogo não fazia uma partida ruim. O principal erro da equipe era na hora de finalizar. Faltou capricho. 

Bom, o segundo tempo foi melhor. Aos 30 segundos, Helton Leite, de soco, afastou cruzamento venenoso. Aos 3 minutos, Helton Leite fez bela defesa. Rhayner cruzou e ninguém desviou. A bola tinha endereço certo: o gol. O Botafogo respondeu logo depois, aos 4 minutos, com um chute de Willian Arão, de fora da área, que assustou o goleiro Gatito Fernández. 

Aos 11', após cobrança de falta de Escudero, Robert apareceu sozinho na segunda trave e desperdiçou ótima chance ao cabecear para fora. 

A primeira substituição do Botafogo aconteceu aos 17 minutos. Lulinha saiu para dar lugar a Elvis. Aos 28', pouco tempo após a parada técnica, o Alvinegro abriu o placar. Elvis recebeu cruzamento da esquerda e escorou para Navarro, que de voleio, fez um golaço. Botafogo 1 a 0.

Aos 32', Ricardo Gomes fez a segunda alteração no Glorioso: Navarro, o autor do gol saiu para a entrada de Sassá. Aos 35', o treinador promoveu a terceira e última alteração na equipe. Camacho substituiu Fernandes. 

A emoção estava guardada para o final da partida, já nos acréscimos. Satisfeito com a vitória, o Botafogo aguardava o apito final. Mas o juiz assinalou 5' de acréscimo, tempo suficiente para que o rubro-negro empatasse o jogo. E aos 47', foi exatamente isso que aconteceu. Guilherme Mattis aproveitou falha do goleiro Helton Leite, que saiu sem achar nada após cobrança de escanteio e cabeceou para igualar o placar. Mas no último minuto, Camacho, no campo de defesa, deu um chutão. A bola sobrou para Sassá, que na corrida, venceu Guilherme Mattis, autor do gol do Vitória. O atacante tirou do goleiro e guardou, sacramentando a vitória maiúscula do Botafogo. 


Festa do elenco alvinegro após a vitória (Foto: Botafogo)

OBSERVAÇÕES

Ricardo Gomes, hoje, foi bem ao promover as alterações. Elvis entrou e participou do gol do Navarro. E Sassá foi o autor do gol da vitória. 

Mais uma vez o Botafogo aproveitou a rodada favorável. A vitória foi importantíssima. O time agora é líder isolado e abriu considerável distância. Sampaio Corrêa e Náutico empataram. Santa Cruz também empatou. Bahia e América-MG perderam. Rodada excelente, que só não foi 100% por causa do Paysandu, que também venceu. 

Navarro: 7 jogos, 6 gols e 1 assistência. O gol que fez hoje foi de voleio. O uruguaio mostrou que repertório é o que não falta. 

Sassá, sempre cornetado, foi inteligente no momento do gol. Não ficou em posição de impedimento e teve calma e frieza. Sassalvador. 

FICHA DO JOGO

Vitória 1
Roberto Fernández, Diogo Mateus, Guilherme Mattis, Ramon, Diego Renan; Amaral (David), Marcelo Mattos, Pereira (Vander), Escudero; Rhayner, Robert (Rafaelson). Técnico: Vagner Mancini. 

Botafogo 2
Helton Leite, Luis Ricardo, Renan Fonseca, Roger Carvalho, Diego Giaretta; Serginho, Fernandes (Camacho), Willian Arão, Lulinha (Elvis), Tomas; Álvaro Navarro (Sassá). Técnico: Ricardo Gomes. 

Estádio: Barradão (BA). 
Árbitro: Anderson Daronco (RS).
Assistentes: Rafael da Silva Alves (RS) e Jorge Eduardo Bernardi (RS). 
Gols: Álvaro Navarro (28' do 2º T), Guilherme Mattis (47' do 2º T), Sassá (49' do 2º T). 
Cartões amarelos: Guilherme Mattis, Marcelo Mattos (Vitória); Luis Ricardo, Fernandes e Camacho (Botafogo). 
Público: 16.270.
Renda: R$ 373.290,00. 

Por: Gabriel De Luca (@biel_dluca). 

Aquino perde pênalti e Santa perde chance de vencer fora


Gostaria começar o texto pedindo desculpas por não postar o pós jogo da vitória do Santa Cruz em cima do América na última rodada, foi um jogo cheio de dúvidas como o time tricolor sem seus principais atacantes, não voltará a acontecer. Dito isso, vamos ao pós dessa decepcionante apresentação tricolor fora de casa contra o ABC de natal.

O Santa vinha mostrando um certo embalo no campeonato, jogando bem nas últimas rodadas, e o único fator que deixa o Santa fora do G4 é as vitórias fora de casa, que não vem, jogo a jogo, mesmo com todas as chances, esse fator vem deixando torcedores de cabeça quente, e os jogadores parecem não aprender com os erros, sempre abrindo o placar mas recuando e chamando o adversário pra dentro de seu campo. Enquanto o Santa vai perdendo esses pontos importantes, vai se afastando cada vez mais do sonho do acesso, cada vez mais perto do fim do campeonato os times vão se embolando para só sobrarem 4 nas primeiras posições, e se as vitórias fora de casa não virem, o Santa não chega nem nesse "embolamento", e consequentemente a série A em 2016.

Outro ponto que pode ajudar o Santa é a volta da jovem joia Raniel, especulações sobre sua ida ao São Paulo por volta de 2,5 Milhões de Reais, a sua permanência na equipe é de tamanha importância que o Santa fez uma nota de esclarecimento sobre a proposta, e o presidente tricolor veio a rede social afirmando "Raniel não sai, nem por 2,5 M, nem por 20!".
Raniel recebeu o prêmio de Revelação do Estadual, e é dito como titular absoluto pela direção do Santa e sua torcida!




                                                                     O JOGO

O Santa foi a campo com a seguinte equipe: Tiago Cardoso, Vitor, Danny, Alemão, Wellington, Moradei, Renatinho, João Paulo, Luisinho e Grafite. Téc: Martelotte

Depois do jogo contra o América, Grafite e Aquino voltaram a equipe tricolor, com os dois de volta para o jogo contra o ABC, o treinador tricolor sacou o artilheiro do time para colocar Renatinho pelo lado esquerdo, dando assim mais liberdade e espaço no ataque para Grafite, que até o jogo ainda não tinha marcado fora de casa. Néris também foi sacado para a volta de Alemão, o santa foi com uma formação diferente, mais aberta e buscando mais velocidade, e foi certo, visto que seu adversário ainda não tinha vencido dentro de casa na Série B.

O Santa começou ofensivo, passando pelo menos 10 minutos sem sair do campo de ataque, mas logo o jogo se estabilizou, o ABC teve um grande chance, mas o lateral tricolor tirou a bola em cima da linha, frustrando a equipe alvinegra, Moradei também tentou um chute, que passou ao lado do gol, mas aos 24 minutos, Luisinho. chegou pela direita e cruzou, o goleiro rebateu pra dentro da área, e Moradei chegou como elemento surpresa e marcou. 1x0 para o Santa Cruz.
Como já era esperado (infelizmente), o Santa recuou e chamou o ABC pra seu campo, infeliz erro, porque o ABC veio, menos de 20 minutos depois, o ABC chegou com Fábio Bahia, que deu um excelente passe para Rafael Oliveira que bateu de canhota, e a bola passou pelo goleiro tricolor, era o empate do ABC na partida. Depois disso só deu tempo do juiz apitar e encerrar o primeiro tempo.

o Segundo tempo começou, e em 5 minutos o ABC teve três chances de virar o jogo, o Santa se segurou bem, e o jogo esfriou após a pressão do ABC, o time alvinegro continuou com mais posse de bola e volume de jogo, mas do mesmo jeito que o Santa não ataca, não deixou o ABC atacar. Aos 25 minutos Aquino entrou em campo, mal sabia ele, mas ia ser o nome mais falado da boca dos tricolores, e não de um modo muito bom, aos 41 o Santa teve um pênalti marcado, Grafite estava em campo, mas Aquino é o batedor oficial, o Santa poderia estar a 1 ponto do G4, voltar a vencer fora de casa, passar seu rival Náutico na classificação, mas não, Aquino bateu mal e perdeu o pênalti, fim de jogo, o Santa perdeu sua melhor chance, e volta com 1 ponto pra casa, ou menos 2, se preferir!



O Santa agora se encontra na oitava posição, 4 pontos do G4, e com uma missão que vai ficando mais difícil rodada a rodada, e a única solução todos já sabem, continuar com as exibições dentro de casa e mudar completamente as exibições fora, a missão não é tão complicada, mas quem decide se será fácil ou não são os jogadores, que tem qualidade suficiente para não ter tantas complicações.

Continuaremos na torcida, tricolor doente como sou, espero ano que vem fazer textos de jogos contra times da série A, e que o Santa volte a estar onde merece, entre os melhores do Brasil!

Continue por dentro pelo twitter: @HigorCarvalho.

Vergonha! Náutico empata em casa e fica longe do G4

Bom tarde Alvirrubros! Ontem o Náutico recebeu o Sampaio Corrêa pela 23ª rodada da série B e deixou a desejar, vindo de derrota para o Criciúma era a chance de vencer em casa e colar no G4, porém a missão ficou difícil depois do empate com um rival direto. Os gols foram marcados por Patrick Vieira (Náutico) e Diones (Sampaio).

Náutico x Sampaio Corrêa

Pela festa nas arquibancadas!

De uns anos pra cá, o futebol vem sofrendo mudanças que às vezes são decepcionantes.
Um dos espetáculos mais lindos do mundo está sendo acabado. Trocaram alambrados por cadeiras; gritos por simples aplausos. Querem transformar a festa das arquibancadas em algo formal. A paixão de muitos está se esfriando, corações que antes pulsavam por sede de gol, hoje apenas assistem e até mesmo em casa. Pés que antes pulavam de alegria, hoje ficam em cima de um sofá.

CHUCK NORRIS - 23ª RODADA DO #Cartolafc



Salve nação cartoleira do nosso Linha de Fundo!

É meus amigos, o caos aconteceu com toda nossa defesa na última rodada. Marcos Rocha e Jemerson negativaram, a defesa do Peixe tomou um golzinho da Chape, com o resultado já garantido. Renato Augusto não jogou, Pratto, Giovanni Augusto e Vitinho pouco fizeram, mas Valdívia e nosso Pastor Ricardo Oliveira carregaram o time nas costas e fechamos com 47,53 pontos.
Weverton (Atlético PR)
Patric (Atlético MG)
Eduardo (Atlético PR)
Kadu (Atlético PR)
Leonardo Silva (Atlético MG)
Giuliano (Grêmio)
Jadson (Corinthians)
Cícero (Fluminense)
Walter (Atlético PR)
Pratto (Atlético MG)
Rangel (Chapecoense)
Milton Mendes (Atlético PR)

PREÇO DO TIME: 178, 45
ESQUEMA: 4-3-3

Mesmo dando muito errado na última rodada, o SG continua sendo primordial para nosso time. Vamos apostar em CAP e Galo, que tem tudo para saírem com suas defesas ilesas em ambos os jogos. No meio campo, meias com chegadas ao ataque, dois que atuarão em clássicos e podem ser protagonistas e o ataque, completamente matador.

BANCO DE RESERVAS: Fábio,Bruno Rodrigo, Apodi, Marcelo Oliveira, Nikão, Alan Patrick, Camilo, Marquinhos Gabriel, Ricardo Oliveira, Fred, Léo Gamalho, Levir.

Boa sorte à todos!

Pedro Henrique || @peeedrito17
Colaboradores: @rolimpato @M_Freitas9_ e @afcmarcelo 

Luto pelos nossos meninos

 Na semana em que o futebol nacional entrou em revolta por conta dos erros da arbitragem, o mundo lá fora sofria uma dor maior. Dor maior no que se refere ao senso comum, pois nenhuma dor é menor que outra. Não pude deixar de lamentar a arbitragem, fiquei triste pelo nosso futebol - independente se time A ou B é prejudicado ou beneficiado -, mas ainda assim não tive tempo de sofrer por isso. As redes sociais e mídias se dividiam entre o show de horrores nacional do mundo da bola e o luto mundial pela morte de uma criança Síria, assassinada pelo mundo em uma praia Turca.  E isso de fato me derrubou.

 O cenário mental desse que vos escreve não poderia ser pior, a ponto de perder o sono, a ponto de querer apenas se trancar em seu quarto e esquecer tudo que viu, que leu, ouviu... A criança Síria nada tem com nosso futebol, eu sei. Mas me sinto na obrigação desse desabafo, eu que sou estudante das ciências humanas e sociais e amante do esporte não posso me conter... preciso desabafar e aqui é o melhor lugar para isso.

 Não pude deitar a cabeça e não pensar na desgraça que assola no nosso mundo. Pensei no menino Sírio jogado sem vida e no mesmo instante refleti sobre quem ele poderia ser, o que ele queria ser... tão pequeno e frágil, poderia ser um jogador no futuro, talvez. Não saberemos mais.

 Eis que, no momento de reflexão, penso nos nossos meninos que morrem em qualquer esquina, abandonados e sem nome, sem rostos e sem sonhos. Todos os dias eles são o menino Sírio. Todos os dias eles são mortos por conta do ego dos homens. Seja por fronteiras de arames farpado e cães de guarda ou seja por fronteiras de classe, cor e muros de prédios. Nossos meninos morrem todos os dias.

 Penso que a educação e o esporte seriam a saída. Quem sabe esses meninos não seriam Ronaldo's, Messi's e Cristiano's, quem sabe se o menino Sírio tivesse chegado à praia ainda com vida ele não ergueria o Ballon D'Or um dia. Quem sabe se nós olhássemos para esses meninos com amor e compaixão, ao invés de apenas olharmos para nossos umbigos, não teríamos mais sorrisos do que lamentos?

 O menino Sírio tinha nome. Ele era Aylan Kurdi e esse (imagem abaixo) foi o único registro que vi dele com vida. Ironicamente atrás de uma bola de futebol.


Aylan Kurdi
Apenas lamento por essa vida, apenas lamento pela crueldade do mundo, espero um dia poder ajudar as crianças e que ou futebol seja meu sócio nesse sonho. Que os homens de preto não interfiram no nosso esporte, assim como os homens de farda na Síria estão interferindo na vida.

Anderson Vinicius. || @andersonmviana.
←  Anterior Proxima  → Inicio

Inscreva-se no canal LFTV

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Mais lidas da semana