A SUA LINHA DE NOTÍCIAS

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

TWITTER

FACEBOOK

Premier League Brasil

Siga-nos nas redes sociais

Popular Posts

Quem sou eu

CLASSIFICAÇÃO

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Com um a menos, Chapecoense cede empate no final e leva vantagem parajogo da volta

Camilo marcando o único gol do Verdão na partida. (Fonte: GE)

Em meio a turbulenta fase da Chapecoense no Campeonato Brasileiro, a equipe entrou em campo nesta quinta-feira (24), para escrever mais uma bela página em sua história. A equipe jogou no Estádio Nicolás Leoz, em Assunção no Paraguai, em sua primeira partida Internacional oficial. E, após sair na frente, e com um homem a menos, o castigo no final da partida e o empate em 1x1 no placar.

A delegação que viajou até o Paraguai e teve que enfrentar mais de 11 horas de ônibus. Pensando na partida do próximo domingo diante do Sport na Ilha do Retiro, Guto Ferreira deixou quase todos titulares treinando em Chapecó, a única exceção foi o goleiro Danilo, que seguiu na equipe titular.

O JOGO

Jogando em casa, a equipe Paraguaia partiu para cima no inicio da primeira etapa. Logo no primeiro minuto de partida, González chutou forte de dentro da área, obrigando Danilo a fazer grande defesa. Aos 5 minutos foi a vez da Chapecoense assustar, Camilo dominou no peito dentro da área e arriscou de bicicleta, passando por cima da meta Paraguaia. A Chape seguia melhor na partida, aos 17 minutos a defesa falhou e a bola sobrou nos pés de Camilo, que avançou pela direita e bateu cruzado no canto do goleiro Muñoz, marcando o primeiro gol da história da Chapecoense em uma partida Internacional.

Aos 30 minutos Moreira arriscou chute de fora da área, passando perto e assustando o goleiro Danilo. Aos 37, Maranhão subiu na bicicleta, pedalou e deixou o marcador para trás, cruzando no segundo pau, na cabeça de Tiago Luis, que jogou para fora. No fim da primeira etapa o Libertad até tentou chegar, mas a forte marcação do Verdão neutralizou e foi para o intervalo em vantagem no placar.

As equipes voltaram para o segundo tempo sem alterações. Com bola rolando, no primeiro minuto João Afonso caiu no gramado com fortes dores no joelho, dando lugar ao jovem zagueiro Igor, que logo aos 4 minutos fez falta em Ortiz, sendo injustamente expulso pela arbitragem. Com um a menos em campo, a Chapecoense teve que segurar a pressão dos Paraguaios. Aos 6 minutos, Recalde cobrou falta com efeito, obrigando Danilo fazer grande defesa. Aos 9, foi a vez de López dividir com Danilo após cruzamento, sendo afastado por Wanderson. Aos 12 minutos, após cruzamento, López acertou bela cabeçada no travessão de Danilo.

A Chapecoense tentava cadenciar a partida, mas a pressão era inevitável. Nos minutos finais da partida, o Libertad foi todo para o ataque. Recalde cobrou falta aos 43 minutos, obrigando Danilo a fazer bela defesa. A Chape teve a chance de matar a partida aos 45 minutos, quando Cleber Santana saiu livre na frente do gol, mas desperdiçou tocando por cima de Muñoz. A pressão da equipe Paraguaia surtiu efeito aos 47 minutos, após cobrança de escanteio, Cleber Santana desviou e a bola sobrou para López, deixar tudo igual no Nicolás Leoz. No último lance da partida quase a virada, novamente López soltou a bomba de perto da pequena área, mas o goleiro Danilo fez grande defesa garantindo o 1x1 no placar.

As equipes voltam a se enfrentar na próxima quinta-feira (1), às 21hr na Arena Condá em Chapecó. Com o gol fora de casa, o empate em 0x0 classifica o Verdão para as quartas de finais da Copa Sul-Americana. Antes do confronto, a Chapecoense volta a focar no Campeonato Brasileiro, quando viaja para enfrentar o Sport na Ilha do Retiro, às 18h30, no próximo domingo (27).

FICHA TÉCNICA

Local: Estádio Nicolás Leoz, em Assunção, no Paraguai.
Cartões Amarelos: Moreira, Román, Lucena e Recalde (LIB) Caramelo, Tiago Costa, Maranhão (CHA).
Cartão Vermelho: Igor (CHA).
Arbitragem: Roberto Tobar, auxiliado por Christian Schiemann e Claudio Ríos, trio Chileno.
Gols: Camilo, aos 17 do primeiro tempo (CHA) e López, aos 47 do segundo tempo (LIB)

LIBERTAD (1)
Muñoz; Moreira, Román, Benítez, Mencia; Aquino, Lucena, Ortiz, González (Burgueño); Valiente (Recalde), López. Técnico: Ever Almeida

CHAPECOENSE (1)

Danilo; Caramelo, Wanderson, Neto, Tiago Costa, João Afonso (Igor), Maylson, Cleber Santana, Camilo; Maranhão (Wagner), Tulio de Melo (Tiago Luis). Técnico: Guto Ferreira.

Marcelo Weber || @acfmarcelo

Mulher e o futebol? Sim ou claro?

Vivemos em um mundo bastante machista, onde aquela mulher que gosta e entende do futebol é julgada pelo simples fato de ser diferente.

A mulher que entende de futebol provavelmente já ouviu umas dessas frases: “Você sabe a regra do impedimento?”, “Você gosta de futebol por causa de homem?“, “Caramba, você conhece futebol melhor que muito homem por aí“, “Para de drama,é só futebol“ .

A verdade é que não é só “futebol” como a maioria das pessoas acham, para ser realista é um esporte com um poder inacreditável de mover milhões de pessoas ao mesmo tempo, somente o futebol tem a capacidade de nos fazer chorar e se alegrar na mesma hora, apenas quem vive esse constante e emocionante prazer vai entender.

Geralmente quando uma mulher fala “eu amo futebol”, logo vem aquele pensamento: “Com certeza deve conhecer o Neymar, Robinho, Kaká ou o Messi”. Agora tente falar o que achou do jogo passado, ou mencionar a Champions League, nesse exato momento terá várias pessoas pasmas com seu comentário, mas é claro eles esperavam ouvir o seguinte argumento “Você viu a perna daquele jogador, meu Deus, que gato”. Qualquer coisa que você fale que não se baseia nisso será totalmente fora de questão.

Experimente falar de uma nova contração que você não concordou, ou falar que não vai sair com as amigas porque tem jogão no sábado, ou tente ver um VT de um jogo perto de um parente ou os amigos do seu irmão ou de seu pai, pode ter certeza que a primeira observação será a seguinte: “Ei, você gosta de futebol? Estranho“. A melhor experiência que você poderá ter é chegar a uma roda de homens e falar sobre a final de um campeonato como: Copa do Brasil, Libertadores, Sul-Americana ou quem é o líder e o último colocado da tabela do Brasileirão, nos encaram como se tivéssemos ganhado um prêmio Nobel ou algo do tipo.

Pensou que era só isso? Na verdade não eles ainda perguntam: “Qual estádio do seu time?”, “Quando foi oficializado o campeonato brasileiro?”, “Você sabe a escalação do seu time?”; (começou mal amigo), essa só não chega a ser tão ofensiva como quem pergunta sobre o pênalti e impedimento, é mesma coisa de perguntar: batom passa na boca ou no olho?

E não podemos esquecer-nos da tradicional frase “Você só fala de futebol” (se reclamar eu falo mais) ou “Torcedor (a) de verdade vai sempre ao estádio“, isso é uma opinião bastante irrelevante, a verdade é que se você vai ao estádio ou fica em casa, no bar, não te faz menos torcedor e a diferença está naquela pessoa que apoia incondicionalmente, independente se a fase é boa ou ruim.

É um fato que hoje em dia o futebol é bem representado pelas mulheres, é simples comecem a observar os programas esportivos, há sempre uma mulher para comprovar que sabemos além daquilo que esperam e quando o assunto é esporte podemos discutir sem se envergonhar por entender do assunto, a questão é ter orgulho da sua personalidade, a sociedade que nos aceite, pois quanto mais criticam a probabilidade de servir como incentivo é maior, a mudança só depende de cada um.

@Paulinha_CEC

Focar em qual?

    Fala, Turma da Fuzarca!

          O Vasco foi ao Morumbi, palco do título Brasileiro de 89, enfrentar o São Paulo, pela Copa do Brasil. O time Paulista "resolveu" o confronto ao vencer por 3a0, com um gol do Luís Fabiano - o que não é novidade contra o Vasco - e dois do Pato. O jogo da volta, semana que vem, será realizado em São Januário. 

Serginho  (5) ainda acredita numa classificação. (Fonte: GE)

            O Cruz-Maltino na tentativa de recuperação no Brasileiro, aposta suas fichas na Copa do Brasil, também, mas a maior preocupação tem que ser com o clássico, no Domingo, principalmente por ser pelo Campeonato Nacional. 

LEIA MAIS: Análise Paulista entre o jogo entre São Paulo x Vasco

             A derrota de ontem (23) não pode interferir na sequência de jogos importantes do Brasileiro. Obviamente seria uma grande conquista a Copa do Brasil, entretanto, o Vasco, infelizmente, não tem condições de dividir atenção nesse momento. Jorginho deve mostrar os erros - que não foram poucos - para não repeti-los. Lances bizarros, falhas defensivas e ataque nulo definem o que foi o Vasco, na partida.


         Domingo teremos uma verdadeira batalha; Clássico. Apenas isso já deveria motivar e causar uma importância maior aos demais jogos. Com o campeonato chegando na reta final, essa partida se torna mais relevante. A vitória, fundamental. 

        Torcida, apoie. Não há nada perdido no Brasileiro. Vá, torça, ajude o Vasco! É hora de esquecer a Copa do Brasil, mesmo com chances de classificação. É focar apenas neles, os que não devem ser nomeados. 

Ah, o Clássico dos Milhões... 

#EuEscolhiAcreditar

        abçs, Galera,

          Matheus Freitas @_MFreitas9_  // @linhadefuundo

Na estreia de Falcão, Sport empata e deixa escapar a vantagem.

  
Falcão faz seu primeiro jogo a frente do Sport
(foto: Ricardo Fernandes/DP/D.A.PRESS) 
Na estreia de Paulo Roberto Falcão a frente do comando do Sport, o Rubro-Negro Pernambucano apenas empatou nessa quarta-feira (24) com o time argentino, Huracán em partida valida pelas oitavas da Copa Sul-Americana. 


 O time brasileiro saiu na frente do placar com André, mas sofreu o empate aos 28 minutos numa cobrança de pênalti de Bogado. Para o jogo da volta, que acontecerá na próxima quarta-feira na Argentina, ao Sport interessa apenas a vitória para classificar-se para as quartas de finais da competição. Por ter anotado um gol na Ilha do Retiro o time Argentino entra com a vantagem de poder empatar o jogo em 0 x 0, caso o jogo termine em 1 a 1 a decisão irá para os pênaltis.



 O jogo 

 Sport iniciou o jogo com pressa, postado um pouco mais ofensivo os leoninos tentavam pressionar a equipe Argentina, mas faltou velocidade nas jogadas. Logo nos minutos iniciais o Huracán deixou claro que veio a Recife para levar o empate para a Argentina, demorando nas reposições de jogas e segurando a bola na linha de defesa. 
 O Sport buscava a jogoda, mas falhava sempre na última bola. Maikon Leite mais uma vez não mostrou um bom futebol e estava abaixo dos seus companheiros. Por outro lado, Marlone fez uma bela partida. Jogando mais centralizado pelo meio, foi dele a primeira boa chance do time. Aos 35, após cruzamento de Maikon Leite, o meia meteu a cabeça na bola, para a defesa tranquila do goleiro Díaz.


 O Huracán não demorou a responder, Ábila entrou sozinho na área e foi travado por Matheus Ferraz. Apesar da forte movimentação foi um primeiro de poucas emoções para as equipes.
Jogadores leoninos comemorando o gol de André
(foto: Ricardo Fernandes/DP/D.A.PRESS) 
  Falcão não fez nenhuma substituição no time para o segundo tempo, porém o time voltou com uma melhor postura. Logo aos 8, após belíssima jogada de Marlone, Maikon Leite cruzou na cabeça de André que abriu o placar, 1 a 0 Sport. O Huracán esteve muito próximo de empatar a partida, aos 15, Ábila mandou no travessão e no rebote Moreno mandou para fora. 
O Sport ainda teve outras duas chances de ampliar o placar, com Renê e Marlone, mas desperdiçou. E aos 28, Matheus Ferraz comete pênalti em Ábila, Bogado cobrou com categoria e igualou o marcador. O Sport ainda teve um gol anulado, Rithely de cabeça mandou a bola para as redes, mas o juiz marcou falta do valante rubro-negro.  O jogo acabou mesmo 1 a 1, ruim para os Pernambucanos que saíram sobre fortes vaias da torcida presente. 

O que se viu na equipe do Sport foi uma repetição de erros que já vem acontecendo a alguns jogos nessa temporada, principalmente no campeonato Brasileiro. Falcão, que foi apresentado na terça feira, nada pôde fazer. Mas no pouco que mexeu o time mostrou uma leve mudança, ao menos na postura. Escalou Régis de titular ao lado de Diego Souza como vem pedindo a torcida e o camisa 10 não apresentou um futebol elogiável. 
  
 Por outro lado, Marlone jogando pelo meio, mais solto, mostrou um futebol excepcional e foi donos das melhores jogadas do Sport no jogo dessa quarta. Maikon Leite não apresentou um bom futebol como já vem acontecendo a bastante tempo. Élber, que entrou no lugar de Régis também não apresentou um bom futebol. Resta ao treinador trabalhar a equipe para o jogo da volta. 

 No próximo domingo o Sport pega a Chapecoense na Ilha do Retiro, precisando vencer o técnico Falcão já afirmou que não poupará jogadores para a partida. E na próxima quarta o Sport vai a Argentina enfrenta o Huracán pela segunda partida das oitavas da Copa Sul-America.



FICHA TÉCNICA 

SPORT 1 x 1 HURACÁN

Local: Ilha do Retiro, em Recife (PE)

Data: 23 de setembro de 2015, quarta-feira
Horário: 22h (de Brasília)
Árbitro: Adrián Velez (Colômbia)
Assistentes: Alexander Guzman e Wilmar Navarro (ambos da Colômbia)
Público: 7.726 pagantes
Renda: R$ 128.880,00
Cartões amarelos: Wendel e Matheus Ferraz (Sport); Espinoza, Toranzo, Mauro Bogado e Vismara (Huracán)

GOLS: 

SPORT: André, aos seis minutos do segundo tempo
HURACÁN: Mauro Bogado, aos 29 minutos do segundo tempo

SPORT: Danilo Fernandes; Ferrugem, Durval, Matheus Ferraz e Renê; Rithely, Diego Souza (Wendel), Régis (Élber), Marlone e Maikon Leite (Hernane); André

Técnico: Paulo Roberto Falcão

HURACÁN: Marcos Diaz; Balbi, Mancinelli, Nervo e Roman; Vismara, Bogado, Ivan Moreno (Distéfano) e Toranzo (Gallegos); Espinoza (Torassa) e Ábila

Técnico: Eduardo Domínguez




                                       @andersonmviana ll  Anderson Viana
                                        @Linhadefuundo   ll Linha de Fundo 



Com gol de número histórico, São Paulo vence fácil o Vasco

Fim da contagem! Pela Copa do Brasil, Pato faz o gol de número 3000 e 3001, já Luis Fabiano faz o 3002.


São Paulo recebeu o Vasco pelas quartas de final da Copa do Brasil. Após um jogo horrível contra o Avaí - pelo Brasileirão -, o Tricolor mostrou para todos que seu objetivo é conquistar o único título inédito, a Copa do Brasil. E o Soberano deu um passe importante, vencendo o Vasco, no jogo de ida, por 3 a 0.

Osório pôde contar com muitas voltas nesse jogo. Rogério Ceni, Luis Fabiano, Breno, Michel Bastos e Ganso. Porém, não contou com Rogério, pois atuou no torneio pelo Vitória. Então, o técnico apostou no Luis e Pato na frente, Breno e Thiago Mendes como volantes no centro e Ganso e Michel nas laterais.

São Paulo iniciou a partida já mostrando um comportamento bem ofensivo. Logo aos 11' em um bate rebate na área, Luis bateu em cima dos zagueiros vascaínos, no rebote Pato também bateu em cima, em seguida Ganso tenta por cobertura, entretanto o goleiro vascaíno pegou a bola. Aos 13' Rafael Vaz e Martín Silva salvaram o Vasco, novamente. A defesa do Cruz Maltino estava compactada, Tricolor não tinha muitas boas chances na finalização. Então, aos 26' Pato chutou de longe, e fez um golaço, abrindo o placar e fazendo o gol de n º 3000 do São Paulo no Morumbi. Depois do 1º gol do Tricolor, o Vasco chegou pela primeira vez, mas sem levar muito perigo ao gol de Rogério Ceni. Já que o visitante não aproveitou a chance, o mandante fez mais um, e mais um com Pato. Ganso passou para Luis Fabiano, esse dividiu com Martín Silva e a bola ficou com o goleiro, entretanto o camisa 9 conseguiu tirar a bola e sobrou para Pato que bateu para o gol aberto. Em seguida, quase que Michel Bastos fez o terceiro, todavia o goleiro vascaíno defendeu.

Link permanente da imagem incorporada

No segundo tempo, o Vasco foi em busca de diminuir o placar. Mas sem muito perigo para o Rogério Ceni. São Paulo quase fez o terceiro com Luis Fabiano aos 5', depois com Michel Bastos aos 21'. Entretanto foi o camisa 9 que marcou o 3º. Wilder driblou Madson, a bola passou por Ganso, mas Luis Fabiano não a deixou passar, já que é o "carrasco" do Vasco, e de cabeça, marcou o seu. Após o lance Rogério Ceni teve que trabalhar com perigo, talvez a primeira vez de toda a partida. Thalles bateu e Ceni fez uma belíssima defesa. São Paulo jogou os 10 min finais com 1 a menos. Luis Fabiano caiu em campo, foi retirado de maca e levado diretamente para a ambulância. Na hora da queda, Luis torce o corpo e sente dores fortes no tórax. Foi encaminhado para o hospital. Nos minutos finais, Vasco pressionou, mas sem sucesso. A partida terminou 3 a 0 para o Tricolor Paulista.


Ao final do jogo, o médico Tricolor, Sanches, disse para a imprensa que Luis já estava com menos dores e iria tirar uma tomografia para melhores detalhes. Percebemos que após a saída dele de campo, o time ficou preocupado, mas isso não interferiu no resultado de jogo. Também percebemos como tão "odiado" Ganso, fez falta nesses últimos jogos...

O jogo de volta pela Copa do Brasil é quarta-feira (30/09) ás 22h no São Januário. Pelo Brasileiro, São Paulo enfrenta o Palmeiras, no Morumbi, domingo (26/09), às 16h. 

FICHA TÉCNICA
Local: Cícero Pompeu de Toledo, Morumbi - São Paulo
Arbitragem: Wilton Pereira Sampaio (GO - FIFA), auxiliado por Bruno Raphael Pires e Cristhian Passos Sorence (ambos GO - FIFA)
Cartões Amarelos: Martín Silva e Rodrigo (Vasco)
Gols: Pato [2] e Luis Fabiano (SP)

SÃO PAULO:
Rogério Ceni; Bruno (Wesley), Rodrigo Caio, Lucão e Carlinhos (Reinaldo); Breno, Thiago Mendes, Michel Bastos e PH Ganso; Luis Fabiano e Alexandre Pato (Wilder). Técnico: Juan Carlos Osório

VASCO:
Martín Silva; Madson, Luan, Rodrigo e  Julio César; Rafael Vaz (Julio dos Santos), Serginho, Bruno Gallo (Thalles), Andrezinho e Nenê; Herrera (Riascos). Técnico: Jorginho

Por @pqmillen
←  Anterior Proxima  → Inicio

Inscreva-se no canal LFTV

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Mais lidas da semana