A SUA LINHA DE NOTÍCIAS

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

TWITTER

FACEBOOK

Premier League Brasil

Siga-nos nas redes sociais

Popular Posts

Quem sou eu

CLASSIFICAÇÃO

terça-feira, 13 de outubro de 2015

XEPA - 30ª Rodada do #CartolaFC

    Fala, Cartoleiro!


   Graças! Amém! O Cartola está de volta nesta Quarta-Feira (14), após os jogos da seleção Brasileira (?)

   E não bastava ter pausa para os amistosos, tinha que deixar o Cartoleiro em dúvida sobre quem escalar.

Isso era SELEÇÃO!

   Apesar da pífia atuação rodada passada, o Xepa segue firme na busca pelos dois mil pontos. Com 26.25 pontos e uma desvalorização de 0.45, o time buscou repensar em estratégias para um melhor empenho da equipe.

   Nesse intuito de buscar o bom desempenho do primeiro turno, o Xepa vai a campo custando 110.55 Cartoletas




Com esses jogadores, com esses mitos, o XEPA VAI MITAR!


  abçs, Galera!
     Matheus Freitas    @_MFreitas9_   // @linhadefuundo

COLABORAÇÃO: @rolimpato , @acfmarcelo , @peeedrito17

O problema é a safra?

Devido ao atual momento da seleção, muito se tem discutido sobre o verdadeiro problema da seleção brasileira. Bagunça na CBF? Safra ruim? Treinador ruim? É preciso ir mais longe na análise para não se tirar conclusões imediatistas e discursos cheios de emoção. O ponto é que, após três copas fracassadas (2006, 2010 e 2014), falou-se em renovação de jogadores, ideias e dentro da própria CBF.

Já que é muito falado na renovação de jogadores, o post abordará o destino dos jogadores que disputaram mundiais Sub 20, começando pela seleção de 2007. A falta de oportunidade para jovens jogadores foi um problema sentido na seleção. Mesmo revelando, alguns jogadores não eram aproveitados, atestando a falta de continuidade no trabalho.

Seleção U20 de 2007:
No mundial realizado no Canadá, a seleção chegou como campeã Sul-Americana mesmo não jogando tão bem. Classificou-se para as oitavas-de-final apenas como última melhor terceira colocada e acabou ficando nas oitavas para a Espanha de Javi García, Piqué, Juan Mata e Adrian López. Ainda assim, é possível ver vários nomes conhecidos no cenário nacional e internacional. Vários vingaram e chegaram a seleção.

Seleção do Sulamericano.

Goleiros:
Cássio (Grêmio): Após passagem fracassada na Europa, assumiu a titularidade do Corinthians.
Muriel (Internacional): Nunca saiu do clube.
Felipe (Santos): Teve algum sucesso, participando do Santos de Neymar e Robinho. Depois rodou por vários clubes e atualmente joga na Portuguesa.

Brasil x Coréia do Sul. Mundial.
Laterais:
Amaral (Pameiras): Rodou por diversos clubes, sem sucesso, e atualmente joga pelo Ferroviária. 
Eduardo Ratinho (Corinthians): Rodou por diversos clubes, sem sucesso, e atualmente joga no Operário.
Marcelo (Fluminense/Real Madrid): Transferiu-se para o Real Madrid cedo, chegando a seleção principal.
Carlão (Coritiba): Rodou por diversos clubes, sem sucesso, e atualmente joga no Foz do Iguaçu.

Zagueiros:
David Marinho (Vitória/Benfica): O famoso David Luiz. Após o Benfica, transferiu-se para Chelsea e PSG posteriormente. Chegou a seleção principal.
Edson (Figueirense): Rodou por diversos clubes, sem sucesso, e atualmente se firmou no Slaven da Croácia.
Luizão (Cruzeiro): Rodou por diversos clubes, sem sucesso, e atualmente joga no ABC.
David Braz (Palmeiras): Rodou por clubes nacionais importantes com algum sucesso e atualmente joga no Santos.

Willian pelo sulamericano.
Meias:
Roberto (CAP): Rodou por diversos clubes, sem sucesso, e atualmente joga no São Bento.
Marcone (Bahia): Rodou por diversos clubes, sem tanto sucesso, e atualmente joga no Icasa.
Ji Paraná (Internacional): Rodou por diversos clubes, sem tanto sucesso, e foi para o mundo árabe. Atualmente joga no Al-Minaa.
Willian (Corinthians): Transferiu-se para o Shakhtar e está atualmente Chelsea, chegando a seleção.
Renato Augusto (Flamengo): Após a passagem inconstante pelo Bayer, voltou ao Corinthians e se firmou. Começou a ser convocado.
Carlos Eduardo (Grêmio): Após boa passagem pelo Hoffenheim, conviveu com lesões e atualmente defende o Ludogorets. Fez 6 jogos pela seleção principal.
Leandro Lima (São Caetano): Transferiu-se para o Porto, mas se envolveu em polêmicas com documentação falsa e nunca estourou. Atualmente joga na Coréia do Sul.

Pato vs Piqué. Mundial.
Atacantes:
Alexandre Pato (Internacional): Após estourar pelo Milan, conviveu com lesões e nunca mais foi o mesmo. Após passagem apagada pelo Corinthians, recuperou seu bom futebol no São Paulo. Chegou a seleção principal.
Luiz Adriano (Internacional): Transferiu-se para o Shakhtar, teve sucesso e agora defende o Milan. Chegou a seleção principal.
Jô (CSKA): Rodou por clubes europeus, sem sucesso, e alguns brasileiros. Estourou no Atlético MG e chegou a seleção principal.

Gabriel Antony || @gabrielantony_

La Tri vence Bolívia e chuva

A Bolívia era um adversário engasgado depois da derrota pela Copa América. Na oportunidade, os bolivianos fizeram 3x0 no primeiro tempo e levaram dois na etapa final (o resultado foi determinante para a eliminação precoce), mas historicamente um freguês. Nos últimos onze jogos foram nove vitórias equatorianas contra apenas uma derrota – justamente esta na Copa América.

Fazer qualquer análise tática de um jogo cujo gramado estava mais para a prática de polo aquático do que futebol seria muito cruel. Gramado, aliás, que foi o grande adversário da noite para o Equador contra a fraca Bolívia em um jogo que deveria ter sido adiado – estamos falando de um torneio que vai definir os participantes da maior competição de futebol do mundo.

HOME - Equador x Bolívia - Eliminatórias Sul-Americanas - Christian Noboa e Alejandro Leonel Morales
La Tri teve muita dificuldade para driblar a grande quantidade de água diante da Bolívia. (Foto: Terra)
O histórico favorável e uma vitória memorável contra a Argentina fora de casa, construíram um cenário positivo que foi confirmado com a vitória por 2x0, ainda que o placar demonstre uma tranquilidade que não se viu, com os dois gols saindo após os 35 minutos.

A partida, mesmo com condições péssimas para o jogo durante os primeiros 45 minutos, esteve longe de ser ruim. O Equador teve muita vontade e pressionou o tempo todo em busca do gol, mesmo demorando a sair.

A insistência em bolas aéreas sequer pode ser colocada como crítica, mas sim como a oportunidade encontrada para enfrentar a grande quantidade de água. No segundo tempo foi possível ver um melhor toque de bola e utilização da velocidade pelos lados do campo.

O saldo das duas rodadas foi ótimo para La Tri: poucas seleções vão vencer a Argentina fora de casa (muitas não vão conseguir fazer isto mesmo dentro de seus domínios). São daqueles três pontos que devem fazer a diferença lá na frente. Depois, mesmo com um gramado impraticável durante boa parte do jogo, nova vitória e mantendo o aproveitamento em 100%.

Paredes disputa jogada: Equador precisou suar para bater a Bolívia, mas segue 100%. (Foto: Lance!)
O torcedor equatoriano tem motivos para empolgação. A seleção começa quebrando um tabu importante de nunca ter vencido a Argentina fora de casa, início arrasador com seis pontos em dois jogos (não havia conquistado essa marca mesmo em outras edições em que conseguiu a classificação) e ainda sem Enner Valencia contundido até 2016.

O futebol apresentado também mostra variações: soube pressionar um time mais fraco quando jogou em casa e, ao mesmo tempo, fez boa partida jogando recuado diante de uma seleção mais forte. O grande desafio será manter a força em casa como diferencial: na última participação foram sete vitórias e um empate.

Em novembro a La Tricolor volta ao estádio Olímpico para receber o Uruguai e sai contra a Venezuela buscando pelo menos mais três pontos para confirmar o bom início.

Unanimidades: 30ª rodada do #CartolaFC

Salve cartoleiros! 

A pior das melhores gerações


Muito tem se discutido sobre o talento e a qualidade dos jogadores brasileiros nesses últimos anos, mas será mesmo que nos falta talento? Será que nossa seleção joga um futebol pífio por conta dos jogadores que tem? 

Não, não temos uma geração tão vencedora quanto a de 60-70, tão pouco genial quanto a de 80, e provavelmente não será tão marcante quanto a de 2002. Mas há um radicalismo em dizer que a geração atual é ruim, ou que apenas Neymar tem um futuro brilhante pela frente. Você caro leitor, consegue citar quantas seleções (nome à nome) que são melhores que a brasileira? Duas, talvez três. 

A questão é: Por que jogadores como Oscar, William, Elias, Firmino e Douglas Costa, não conseguem render nem mesmo um terço do que rendem em seus times? Exatamente, em seus TIMES. A seleção brasileira se tornou um amontoado de ótimos jogadores, que não conseguem se encaixar sem sua principal estrela e quando a tem, espera que ela resolva os jogos sozinha.

Nós não temos um time e muito menos um treinador. Dunga simplesmente não consegue reproduzir os talentos individuais que tem em mãos, num conjunto. Nós não deixamos de produzir bons jogadores em nossas categorias de base, prova disso, são nossos jogadores de idade Olímpica.


A geração Olímpica está recheada de talentos. Gabriel Jesus, Luan, Gabigol, Valdívia, Rodrigo Caio, Lucas Silva, Dória, jogadores que são destaques em seus clubes no Brasil e alguns que já chamaram atenção e atuam na Europa.

Por que o Real Madrid consegue garimpar Casemiro em má fase no São Paulo, emprestá-lo e em seguida, consegue recuperar o jogador, que vem se destacando neste início de temporada mas sequer é lembrado na convocação para seleção principal? Por que o Shakhtar garimpa Douglas Costa e anos depois, revende para o Bayern de Munique e o jogador estoura de sucesso em pouquíssimos jogos. Será mesmo que nos falta talento?

A seleção brasileira pode não encantar, nem cativar o seu torcedor como há algumas décadas, mas culpar apenas os jogadores e se esquecer das raízes do verdadeiro problema é tapar o sol com a peneira. Talento não nos falta, mas se nossa entidade máxima, não consegue organizar nem o futebol dentro do país, é de se esperar que o técnico escolhido para gerir a seleção, também não consiga.


Pedro Henrique  |  @peeedrito17

Uruguai x Colômbia: Destaques da partida


O Uruguai recebe hoje (13), às 20h (de Brasília), no Estádio Centenário, em Montevidéu, a Seleção da Colômbia pela 2ª rodada das Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo da Rússia em 2018.

Brasil x Venezuela: Confira tudo sobre o jogo de hoje

Luiz Gustavo, Hulk, Willian, Elias e Oscar devem formar o meio-campo brasileiro em busca da reabilitação.
 Hoje é dia de Seleção Brasileira! O Brasil, em casa, vai a campo enfrentar a Venezuela às 22h no Castelão (Fortaleza-CE) em busca da reabilitação nas Eliminatórias para a Copa do Mundo. A equipe selecionada pelo técnico Dunga não empolgou e foi derrotada na estreia contra o Chile pelo placar de 2 a 0. A equipe Linha de Fundo traz todas as informações da partida para você que nos acompanha. Confira!

CURIOSIDADES:

  • Brasil e Venezuela já se enfrentaram 7 vezes.
  • A Seleção Brasileira NUNCA perdeu para a Venezuela. Em 7 jogos, o Brasil ganhou 6 e empatou 1.
  • Na história do confronto, o Brasil marcou mais gols. São 27 gols marcados pela Seleção Canarinho e apenas 2 gols sofridos.
  • Os resultados dos jogos anteriores foram:
Brasil 4x0 Venezuela (30/07/1975); Brasil 6x0 Venezuela (13/08/1975); Brasil 5x0 Venezuela (28/06/1987); Brasil 3x1 Venezuela (01/07/1989); Brasil 7x0 Venezuela (30/06/1999);
Brasil 0x0 Venezuela (03/07/2011) e Brasil 2x1 Venezuela (21/06/2015).

EQUIPE DE ARBITRAGEM:
Teremos um trio uruguaio para o jogo de hoje. Dario Ubriaco é o dono do apito no jogo de hoje. Carlos Pastorino e Nicolas Taran  serão os auxiliares.

TABELA DE CLASSIFICAÇÃO:
  • BRASIL: A Seleção é a penúltima colocada da tabela com 1 jogo, 1 derrota e 2 gols negativos de saldo.
  • VENEZUELA: A Venezuela é a 6ª colocada com 1 jogo, 1 derrota e 1 gol negativo de saldo.
ESCALAÇÕES:
  • A provável escalação do Brasil, comandado pelo técnico Dunga, terá:
Jefferson, Daniel Alves, Miranda, Marquinhos e Filipe Luís; Luiz Gustavo, Elias, Oscar (Lucas Lima), Willian e Douglas Costa; Ricardo Oliveira (Hulk).
  • A Venezuela de Noel Sanvicente deve ir a campo com:
Baroja, Rosales, Vizcarrondo, Amorebieta e Cichero; Rincón, González e Seijas; Falcón, Jeffrén e Rondón.

Week 5 da NFL: Prorrogação, Hail Mary e muita emoção


Em uma semana com jogos muito bons – e outros nem tanto – mais uma vez, não faltou emoção na NFL. Na tarde de domingo, dos oito jogos do primeiro horário, três foram decididos na prorrogação: Falcons, Bengals e Browns saíram com a vitória.

Após o término da quinta semana, o Lions continua como o único time que ainda não conseguiu encontrar o caminho da vitória. Ademais, seis equipes continuam invictas: Patriots, Bengals e Broncos pela AFC e Packers, Falcons e Panthers pela NFC. Destaque para a NFC Sul, que em 2014 foi disparada a pior divisão e na atual temporada conta com dois times ainda invictos.

Carolina Panthers, Miami Dolphins, Minnesota Vikings e New York Jets, na bye week, não entraram em campo. Confira a seguir os destaques de todos os jogos:

Indianapolis Colts 27@20 Houston Texans
HAIL MARY!!! Sim amigos. Hoyer, o QB reserva dos Texans, obteve exito com uma Hail Mary espetacular no final do segundo quarto, mas  nem mesmo com os anjos abençoando, os Texans conseguiram vencer os Colts. Com Andrew Luck machucado os Colts contaram com um excelente jogo do experiente Matt Hasselbeck que conduziu a equipe de Indianapolis à vitoria. Os Texans que em alguns momentos até jogaram melhor, cometeram erros crassos que acabaram por comprometer o resultado da partida. Houston teve mais de 100 jardas cedidas por falta que comprometeu as campanhas do time.

Hoyer, que até então era o QB reserva, foi o destaque de Houston ele que foi entrando aos poucos durante a partida conduziu boas campanhas de ataque. Ao termino da partida foi anunciado que Hoyer será o QB titular da equipe até o fim da temporada. 
 
Seattle Seahawks 24@27 Cincinnati Bengals
Abrindo aos jogos de domingo pela semana 5 da NFL, o Cincinatti Bengals recebeu o Seattle Seahawks no Paul Brown Stadium e logo de cara Andy Dalton lançou seu primeiro touchdown da partida. Mas a partir daí parecia que o jogo pertenceria aos Seahawks. O empate veio logo na sequência, e a defesa dos atuais vice-campeões finalmente parecia ter se encontrado, estabelecendo o primeiro sack de Dalton na temporada, além de conseguirem também a sua primeira interceptação no ano, anotarem um touchdown defensivo e um terrestre. Ao chegar no quarto período de jogo, Seattle vencia por 17 pontos.

Foi então que começou a acontecer o que vem sendo uma característica do Seahawks esse ano, o time simplesmente "desliga" e para de incomodar no ataque, além da defesa ceder jardas e pontos ao adversário, o que não é comum na equipe. Aproveitando-se disso, Andy Dalton, que tem o melhor rating (classificação da qualidade do Quarterback) entre os jogadores da liga, lançou para seu segundo TD no jogo e depois ele mesmo correu para endzone, diminuindo a vantagem para três pontos, que foram tirados a 5 segundos do fim, levando o jogo para a prorrogação.

Na Overtime, o Seahawks parecia o mesmo do último quarto e devolveu a bola para os Bengals duas vezes. Então, com um novo FG, dessa vez de 42 jardas, Ted Nugent garantiu a virada emocionante do time local e ainda manteve a invencibilidade da equipe na temporada, com 5 vitórias em 5 jogos.

Washington Redskins 19@25 Atlanta Falcons
Os Falcons estão impossíveis nessa temporada. A franquia, ao lado de Bengals, Packers, Patriots, Panthers e Broncos, está invicta na temporada e conseguiu mais uma vitória. A partida contra o Redskins foi mais uma com muita emoção no fim. O Atlanta conseguiu um TD quando faltavam trinta segundos no relógio, mas o time de Washington fez um field goal e levou para a prorrogação. Graças a uma escorregada do WR Ryan Grant, o CB Desmond Trufant conseguiu levar a bola até a end zone e anotou o touchdown que deixou o 5-0 na conta dos Falcons.

Cleveland Browns 33@30 Baltimore Ravens

O Baltimore Ravens chegou como favorito para o duelo. Equipe candidata aos playoffs, jogando em casa e vindo de uma vitória importante contra os Steelers. Mas só parecia. Os Browns decidiram por nova troca no quarterback titular, e Johhny Manziel deu espaço ao rodado Josh McCown (ele está no seu décimo time na NFL) e a troca deu resultados.

McCown conseguiu completar 36 de 51 passes tentados, sua maior marca na carreira. Isso tudo lhe rendeu 457 jardas, além dele mesmo ter corrido para outras 12. O QB ainda lançou para 2 TD's e terminou o jogo com um rating de 111.3, uma atuação de MVP.

A boa atuação do lançador rival ainda teve apoio da falha defesa de Baltimore, que cedeu 98 jardas apenas com faltas e mais 505 jardas para o ataque adversário. Para se manter vivo no jogo e chegar até a prorrogação, o time teve Joe Flacco que correu para dois Touchdowns e lançou para outro.

A partida foi decidida pelo kicker dos Browns, Travis Coons, que está perfeito na temporada. O time de Ohio está 2-3 na temporada e está a frente somente do próprio Baltimore, que está 1-4 na temporada e começa a se dificultar para chegar até a pós-temporada

St. Louis Rams 10@24 Green Bay Packers 
Sem grandes dificuldades, os Packers derrotaram a equipe dos Rams e mostraram sua força dentro de casa. Porém, não foi uma partida perfeita. Aaron Rodgers mostrou que também é humano e, pela primeira vez desde 2010, foi interceptado em duas oportunidades no Lambeau Field. Ainda assim, A-Rod praticamente não teve culpa nos turnovers, lançou para 2 TDs e 241 jardas e levou a equipe a quinta vitória na temporada. Esse é o diferencial dos QBs de elite: mesmo em dias ruins, eles são decisivos e conseguem guiar o time à vitória. 

Chicago Bears 18@17 Kansas City Chiefs

Os Chiefs voltaram a vacilar em casa e perderam para o Bears por apenas um ponto. Isso mesmo, apenas um. A franquia de Kansas estava ganhando bem por 17x6 até o último quarto, até que o time de Chicago reagiu, anotou um TD e foi forte para a virada, conseguindo reverter o placar com 23 segundos restantes no relógio. O kicker Cairo Santos, que foi destaque indiscutível na semana passada, quase deu a vitória para sua equipe, mas não conseguiu converter o field goal de 66 jardas.

New Orleans Saints 17@39 Philadelphia Eagles

Com o jogo terrestre funcionando muito bem e a defesa dominando o ataque adversário, os Eagles conseguiram uma vitória maiúscula diante dos decadentes Saints. Apesar disso, quem começou na frente foram os visitantes, mas, no segundo quarto, com Sam Bradford errando menos – até então o QB já havia lançado duas interceptações – as Águias tomaram a dianteira no placar. Na segunda etapa, com o jogo corrido dando show, os donos da casa abriram uma grande vantagem e seguem vivos na briga pela NFC East. Pelo outro lado, a vida do Saints torna-se cada vez mais complicada e dificilmente a equipe brigará por algo que não seja a 1st pick nessa temporada. 

Jacksonville Jaguars 31@38 Tampa Bay Buccaneers
O que era para ser a pior partida da semana, mostrou-se um animado duelo. Em Tampa Bay, os Buccs finalmente reencontraram a vitória, após duas derrotas consecutivas. Enquanto o Jaguars, mas uma vez, perdeu o jogo para si mesmo. O grande destaque na partida vai para Doug Martin que conseguiu mais de 150 jardas, além de três touchdowns. O grande desempenho de Martin deu tranquilidade necessária para o calouro Winston passar a bola para mais de 200 jardas e um TD. Pelo outro lado, o QB Blake Bortles também teve um bom jogo, mas não conseguiu evitar a derrota dos Jaguars.

Buffalo Bills 14@13 Tennessee Titans
Em um jogo feio, os Bills conquistaram uma importante e apertada vitória diante dos Titans, que vinham da bye week. No primeiro tempo, o jogo foi resumido em punts e apenas um FG, anotado pela equipe da casa. Na segunda etapa, Tyrod Taylor acordou e compensou o início de jogo lamentável ao correr para um TD e conectar um passe de duas jardas para Chris Hogan. Já pelos Titans, Mariota não fez um bom jogo, ao lançar para 187 jardas e uma INT. 

Arizona Cardinals 42@17 Detroit Lions
Vindo de uma derrota, os Cardinals foram até Detroit e atropelaram os Lions, que já começam a ser atormentados pelo fantasma do 0-16. Carson Palmer, em excelente partida, lançou para 3 TDs, enquanto do outro lado, Matthew Stafford, que lançou 3 interceptações, foi substituído ainda no 3º quarto por Dan Orlovsky (o mesmo QB que faz parte da equipe no fatídico ano de 2008), que também pouco produziu diante da ótima defesa de Arizona. 

New England Patriots 30@6 Dallas Cowboys

Pela primeira vez, Tom Brady visitava o AT&T Stadium para jogar contra os Cowboys. No início, o pass rush dos Cowboys fez 5 sacks, com destaque pro DE Greg Hardy, com 2, que voltava de suspensão e jogava sua primeira partida desde a week 1 de 2014. Mas mesmo enfrentando um dos melhores QB's da história, o ataque de Dallas era nulo, e uma hora isso iria pesar. Brady conectou Julian Edelman para um TD de 59yds, após quebrar vários tackles. O RB Dion Lewis também marcou um TD após quebrar 4 tackles. Já Brandon Weeden... Meu Deus! Jogou mal demais, com 1 interceptação. Cowboys tem a bye week agora, com a posição de QB em aberto, mas com a volta de Dez Bryant e Randy Gregory. Já os Patriots, invictos, fazem o Sunday Night Football contra o Indianapolis Colts. 

Denver Broncos 16@10 Oakland Raiders
O jogo entre Raiders e Broncos, rivais de conferência, foi caracterizado pelas fragilidades dos ataques e foram sustentados pelas defesas. O Denver Broncos que tem a melhor defesa da liga contra contra passes e contra o jogo terrestre, além de o time defensivo ter anotado o mesmo número de touchdowns que o ataque (ambos fizeram 3 TD's), sustentou sua invencibilidade nos cinco jogos disputados até aqui.

Com um Payton Manning bem abaixo do que costuma jogar, e a pior porcentagem de acerto de passes desde 2001, os Broncos se contentou com um TD defensivo e 3 Field Goal anotados por Brandus McManus. O próximo confronto da equipe será em Cleveland, contra os Browns

Já a equipe californiana dos Raiders que cgonta com jogadores novos e que no futuro brilharão na NFL, segue no momento sendo inconstante, não sabendo se manter a frente no placar, além de ainda não ter encontrado o QB titular (o time alterna entre Derek Carr e Matt McGloin). Oakland está 2 - 3 na temporada e ocupa o terceiro lugar da AFC West

San Francisco 49ers 27@30 New York Giants
O domingo da NFL não poderia ter terminado melhor, com campanhas irregulares nem o mais otimista fã do esporte poderia esperar um jogo tão bom. O inicio do jogo parecia uma reprise do que vinhamos acompanhando das duas equipes, os 49ers liderados pelo inseguro Kaepernick abusavam do jogo corrido com Hyde, enquanto os Giants forçavam a conexão Eli Manning - Odell Beckham Jr. e nessa troca de pontos os Giants terminaram a primeira metade do jogo liderando o placar por 13@6. No ultimo lance do segundo quarto Eli foi interceptado na beira da End zone e o que poderia ser alguns pontinhos a mais acabou gerando confiança a equipe de San Francisco. Na volta para o terceiro quarto vimos um jogo totalmente diferente, Kaepernick começou a a acertar suas conexões e logo os 49ers encostaram no placar. O jogo seguiu com ar de dramaticidade, os 49ers enfim ficaram a frente do placar e restavam apenas 1m45s no relógio. A essa altura o FG ja não interessava mais ao New York Giants e foi ai que Eli mostrou porque é um Manning, atravessou o campo com uma campanha de um pouco mais de 1min e completou um passe para TD, levando todo o publico do MetLife stadium ao delírio, garantindo a vitoria do jogo e a liderança da NFC East para os Giants.

Pittsburgh Steelers 24@20 San Diego Charges
O melhor pior jogo da temporada. O jogo era muito ruim e até o final do terceiro quarto o único destaque positivo havia sido a incrível marca alcançada pelo TE Antonio Gates que alcançou a marca de 100 TD, ele é apenas o nono jogador a conseguir alcançar esse feito na historia da NFL. No quarto e ultimo período o jogo ganhou em emoção, Rivers e Michael Vick acordaram na partida e o que vimos foi um grande duelo entre os QB. 

No final do jogo San Diego liderava o placar, mas aquela era a noite de Vick que logo deixou o Steelers em posição de FG que empataria a partida mas em um ato de ousadia e com apenas 5 segundos no relógio a equipe de Pittsburgh abdicou do empate e com Le'Veon Bell no jogo corrido, aos trancos e barrancos conseguiu cruzar o plano de gol com o cronômetro já zerado, garantindo uma vitoria dramática para o Steelers. Aos que resistiram ao jogo monótono dos primeiros quartos foram premiados com um ultimo quarto  sensacional,que valeu pelo jogo inteiro.


Por: Janaína Wille (@janainawille), Rômulo Vieira (@suppervieira), Mariana Sá (@imastargirl), Henrique Charão (@ocharao) e Marcilio Viana (@MarcilioVM).
←  Anterior Proxima  → Inicio

Inscreva-se no canal LFTV

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Mais lidas da semana