A SUA LINHA DE NOTÍCIAS

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

TWITTER

FACEBOOK

Premier League Brasil

Siga-nos nas redes sociais

Popular Posts

Quem sou eu

CLASSIFICAÇÃO

domingo, 22 de novembro de 2015

GreNal 408: Inter foi mais que o Gigante

Uma baita apresentação colorada, para encher os olhos de todos que estavam vendo, foi espetacular, mesmo temendo o pior, pensando em um novo fiasco, desacreditando, o Inter foi lá e venceu e muito bem vencido.

A união de um grupo que suplantou o adversário.
(Foto: Deive Pazos)
Dentro de campo, não foi nada bonito o jogo. Vencemos a partida em vontade, em gritos, brigas, carrinhos, balão pra tudo quanto é lado e a cada lance defensivo a massa ia ao delírio, a marcação constante era o combustível para os torcedores. E os torcedores, deu gosto de ouvir e sentir o Gigante brandir novamente, os gritos foram tão fortes que até os que vestiam azuis ficaram com medo. Fora de campo jogamos juntos e também vencemos o coirmão.

Agora vamos focar dentro das quatro linhas, o que foi a partida do gênio Rodrigo Dourado, ele não é um jogador parecido a Falcão, ele é melhor, tanto como primeiro quanto segundo, no meio campo ele domina tudo. Ela protagonizou a cena uma das cenas mais lindas do Grenal, apontando para o gramando e sacudindo as mãos mostrando que dentro do Beira-Rio gremista não se cria. O Inter não lembrava nem de perto aquele time apático que enfrentou a Chapecoense. Chegamos muitas vezes ao gol do Grohe. Vitinho fez o gol e mais duas jogadas que por pouco não aumentaram o placar. Anderson lembrou a época de Andershow e mostrou por que é jogador contratado a peso de ouro. A vitoria nos mantém focados na busca da Libertadores, que a cada dia está mais próximo, as duas próximas rodadas serão de muita emoção. 

Ídolo, mestre, gênio. O homem Grenal protagonizou a foto da rodada
(Foto: Deive Pazos)
O melhor do confronto foi no final, após a partida nosso maestro D'alessandro foi até a torcida pra comemorar da sua maneira pouco irreverente. O gringo pegou um caixão, com as cores do tricolor e a letra B estampada, e em cima da mureta ficou mostrando para todos verem que existe dono aqui na província. Ele machuca aos torcedores, ele provoca jogadores, ele é dono do time, ele é o Homem Grenal!

Ismael Schonardie @Ismahsantos

No silêncio das arquibancadas, Sport empata em casa contra Atlético-PR

Campeonato vai encerrando e o sonho do Sport de disputar mais uma Taça Libertadores da América vai ficando distante, isso porque o Leão empatou na "calada" Ilha do Retiro contra o Furacão em uma noite do goleiro Weverton que fez grandes e importantes defesas durante a partida.


Mesmo com o 0x0 no placar, Sport x Atlético-PR fizeram um jogo bastante movimentado na etapa inicial. O Atlético ficava fechadinho lá atrás, esperando os contra-ataques, enquanto o Sport vinha com o propósito de ir com tudo com velocidade e vontade para abrir o marcador com vários erros de passes e finalizações principalmente do atacante Hernane que deixou muito a desejar nessa partida, mostrando o real motivo dele ser banco do André.

Os únicos lances que posso destacar no primeiro tempo, foi um aos 19 minutos quando Durval fez um grande lançamento para Diego Souza que dominou, mas foi desarmado na hora que ia arrematar para o gol e aos 25’ quando o volante Wendel recebeu passe de Hernane e mandou cruzado pra fora. O Atlético só teve um lance de perigo foi aos 31 minutos quando o lateral Eduardo cruzou rasteiro para Walter dominar e chutar para fora.


No segundo tempo se viu um Sport agredindo mais, só que viu o goleiro adversário fazer grandes defesas e contar com ajuda da sorte, ou melhor, dizer com a trave para a bola não entrar. O Sport até marcou aos 7 minutos quando Elber recebeu livre pela direita, tocou para Hernane e mandou para as redes, mas o árbitro assinalou um contestado impedimento. Aos 11’, novamente Hernane recebeu ótima bola e escorou para fora. O Furacão se fechou na defesa e a partida ficou praticamente de ataque contra defesa.

Aos 27’, Hernane roubou a bola do adversário, ficou de frente para Weverton e tocou na saída do goleiro. A bola sutilmente foi para a linha de fundo. Dois minutos depois, Hernane mais uma vez acertou a trave, para desespero do time e da torcida. O momento era pressão total do Sport. Aos 34’, foi à vez de Hernane servir Régis e Weverton fez grande defesa.

O empate não foi nada bom para o Sport que ainda sonha com o G4. O Leão segue na sétima posição com 53 pontos, três pontos abaixo do São Paulo, equipe que fecha o G4. E na próxima rodada receberá o atual campeão Corinthians, domingo na Arena Pernambuco. Somente a vitória aliada a uma combinação de resultados manterá o time vivo para a última rodada do Brasileiro.

Por: Fernando Junior

Goleada que representa um ano de inconstância Tricolor

"Não precisamos de Lugano", Ganso dependência, goleada é resultado de um São Paulo conturbado, sem meio e zaga.


Em um ano de crise política, São Paulo "termina" o ano com uma derrota bem amarga. Uma goleada do, já campeão, Corinthians por 6 a 1. Um resultado assustador para clássico, mas claramente entendido quando se assiste à partida.

Antes da partida, Milton perdeu o meia Ganso, por fadiga no músculo adutor da coxa. Foi onde as coisas começaram a preocupar. Sem PH Ganso, o Tricolor não tem nenhum outro meia de armação tal como ele. No banco há opções de Michel, Wesley e o qual a torcida pediu: Daniel. Entretanto, esse último, voltou de lesão e jogou apenas 30 minutos. Entrar titular em um clássico seria missão difícil. Assim o técnico interino optou por colocar Wesley de meia armador e Michel como "ponta" ou atacante. O ataque não foi tão preocupante, entretanto Milton Cruz preferiu deixar Luis Fabiano no banco e apostar em Kardec e Rogério - além de Michel -.

No decorrer da partida, vimos um São Paulo querendo atacar, mas sem êxito, sem conseguir chegar ao gol. Wesley, que ficou com a responsabilidade de armar jogadas, não conseguia passar a bola uma única vez sem intercepção de um jogador corintiano. Logo, a bola não chegava aos atacantes. Carlinhos e Bruno desciam muito pelas laterais, não conseguindo voltar a tempo de impedir um contra-ataque mortal do Corinthians. Os três primeiros gols do Alvinegro foram todos de lances de jogadas aéreas. Com erro individual de marcação do Lucão. São Paulo não conseguia concluir, seu único gol foi com jogada de Kardec com Carlinhos, onde o lateral conseguiu diminuir. Entretanto houve até gol contra de Hudson e pênalti perdido por Kardec. Não o condenando, pois na situação em que o time se encontrava, perdendo de 6 a 1 para o rival, nenhum dos cobradores teriam emocional o bastante para não perder esse pênalti.

Para nós, torcedores são-paulinos, esse foi um resultado não esperado, porém que representa o que foi o ano Tricolor. Com socos, renuncias, brigas, entra e sai de técnicos, inconstância nas partidas. Foi um resultado para colocar Leco para pensar. Já que no começo de ano, Lugano e Ricardo Oliveira foram oferecidos para Aidar e ele recusou dizendo que eram velhos - até disse que tinha um zagueiro com o mesmo tipo de Lugano, se referindo ao Lucão -. Hoje, Lugano está no Cerro Porteño do Paraguai e desde que o zagueiro chegou lá o número de gols sofridos do clube paraguaio diminuiu consideravelmente. Já sobre Ricardo Oliveira, não precisamos nem citar, né? O "velho" atacante é artilheiro do campeonato brasileiro com 20 gols. Enquanto o artilheiro do São Paulo é Pato com apenas 10 gols.

Mesmo com a goleada e com tanta reviravolta, São Paulo FC ainda luta por uma vaga no G4. Mesmo com um ano horrível, o Tricolor está na parte de cima da tabela. Bem à frente do Palmeiras, que foi até uns tempos atrás tido como um dos favoritos ao título. Assim, o São Paulo recebe sábado (28/11) às 17h o Figueirense que ainda está correndo riscos de rebaixamento. Na última rodada, o Tricolor vai ao Serra Dourada visitar o Goiás, já rebaixado, domingo (6/12) às 17h.

Atlético ultrapassa Real Madrid no Campeonato Espanhol

Koke marca o único gol da partida
Foto: www.marca.com
A vitória de hoje contra o Real Betis foi importantíssima para os colchoneros que além dos três pontos o Atlético não deixou escapar muito o Barcelona que é o líder do Campeonato Espanhol. A partida terminou com um placar magro, mas foi o suficiente para colocar a equipe do Atlético de Madrid na segunda posição.

O jogo:

A partida prometia muita emoção do início ao final, as duas equipes querendo muito a vitória, o Atlético para ultrapassar o Real Madrid e não deixar o Barcelona escapar muito e já o Betis precisava do triunfo para tentar alcançar a parte de cima da tabela. O jogo foi muito controlado pelo Atlético de Madrid que não demorou muito para abrir o placar. Aos 7 minutos de jogo o Atlético abriu o placar com Koke que se aproveitou de um rebode do goleiro Adán.

A verdade que não foi uma partida tão difícil pro Atlético, mas novamente o mesmo problema voltou a perturbar o técnico Diego Simeone a falta de pontaria, foram 11 chutes e só quatro vezes foram ao gol muito pouco para um time que está em segundo na liga Espanhola. Porém o Atlético de Madrid ganhou e jogou bem, uma boa movimentação dos meias, Torres esteve bem, Griezmann mesmo errando gols jogou muito como sempre.

Com muita garra, Atlético ultrapassa Real Madrid no Espanhol
Foto: www.marca.com
O segundo tempo o Atlético comandava o jogo, mas não conseguia ampliar o placar e por conta disso sofreu um pouco no final do jogo. Faltando 15 minutos para o final o Real Betis pressionou mais e o goleiro Oblak precisou trabalhar um pouco mais. O sistema defensivo voltou a mostrar um bom futebol. A equipe esta de parabéns pelo triunfo e pela segunda posição no Campeonato Espanhol, agora é só tentar se manter e quem sabe conseguir o título.

Próximo jogo dos Colchoneros é quarta-feira 25/11 contra o Galatasaray pela UEF Champions League, esse jogo é importantíssimo para alcançar a vaga pra próxima fase da competição e será em casa.

Ficha técnica:
Real Betis 0 x 1 Atlético de Madrid

Escalação:

Real Betis: Adán; Valera, Piccini, Bruno; Westermann, Àlvaro Cejudo, N´Diaye, Xavi Torres, Joaquín, Digard; Rubén Castro.

Atlético de Madrid: Oblak; Savic, Godín, Jesús Gámez, Felipe Luís; Carrasco (Óliver), Gabi, Tiago, koke (Saúl), Fernando Torres (Vietto), Griezmann.

Twitter:
Alzemir Neto: @NeetoMoraes96
Linha de Fundo: @linhadefuundo

Cruzeiro empata fora de casa e vê libertadores distante

Nesta reta final do Campeonato Brasileiro, a Raposa visitou o Palmeiras e obteve um resultado diferente do que todos esperavam, apesar do empate de 1x1, o Cruzeiro manteve sua invencibilidade de 12 jogos e conquistou o sétimo lugar na tabela somando 52 pontos.

A equipe mineira poderia ter resolvido a partida ainda no primeiro tempo, onde fazia um jogo superior do que a equipe paulista, porém com algumas chances desperdiçadas e uma segunda etapa mediana, o time de Marcelo Oliveira achou um empate com Lucas Barrios.


O time do povo faz seu ultimo jogo no Mineirão desde ano, contra o Joinville, no domingo ás 17hrs com o apoio incondicional de sua torcida, ainda há seis pontos para serem disputados e o sonho da Libertadores ainda vive e caso o contrário aconteça o Cruzeiro irá terminar a competição de cabeça erguida.

Sobre o jogo:

A fase inicial se iniciou com pressão paulistana e por consequência a primeira oportunidade de gol foi palmeirense, aos 6 minutos depois de roubada de bola da defesa cruzeirense, Allione se aventurou de fora da área, à bola passou pela direita do gol defendido por Fábio.

Não demorou muito para a reação celeste, no lance seguinte, o Uruguaio lançou para Willians que sem muitas delongas chutou direto para o gol, logo depois Arrascaeta apareceu novamente, viu a movimentação de Marcos Vinicius e fez o lançamento, e Marcos Vinicius finalizou por cima do gol de Fernando Prass.


Aos 15 minutos Ariel e Arrascaeta fizeram uma bela tabela, porém a finalização de Arrascaeta foi abafada por Prass e 5 minutos depois o gol cruzeirense saiu, em um jogada fantástica de Willian que mesmo sendo desarmado, a bola sobrou pra Willians que deu um passe para Marcos Vinicius, o meia driblou o marcador e mandou a bola no canto direito do goleiro palmeirense.

Aos 32 minutos á Raposa teve chance de ampliar o marcador em uma grande jogada de Arrascaeta, o Uruguaio deu uma caneta no jogador do Palmeiras e logo depois serviu o atacante Willian que saiu de frente para Prass, chutou, obrigando o goleiro a fazer uma boa defesa, no rebote o camisa 25 chutou para fora.

Segundo tempo:

A equipe de Mano Menezes procurava a todo o momento aumentar o placar construído na primeira etapa para tranquilizar os jogadores e torcida, e aos 6 minutos surgiu a primeira chance dos mineiros, cruzamento de Fabrício para dentro da área e Arrascaeta bateu de primeira e novamente Prass fez uma ótima defesa e jogou a bola para escanteio.

O gol de empate veio aos 25 minutos, Egidio recebeu pela e cruzou na área, a bola passou por trás de Bruno Rodrigo e Lucas Barrios oportunista cabeceou no ângulo do goleiro Fábio.


Aos 41 minutos, Willian perdeu o que seria o gol da vitória, em lançamento para área, à bola passou pelo zagueiro deixando o camisa 25 sozinho na área, Willian dominou e Fernando Prass defendeu o que seria o gol celeste.

PALMEIRAS 1x1 CRUZEIRO
36ª do Campeonato Brasileiro

Data: 21/1/2015 (sábado)
Local: Allianz Arena, São Paulo-SP
Árbitro: Elmo Alves Resende Cunha
Cartões amarelos: Mouche, Leandro Almeida (Palmeiras), Arrascaeta (Cruzeiro)

Gol: Marcos Vinícius aos 20 minutos do primeiro tempo e Lucas Barrios aos 25 minutos do segundo tempo

Palmeiras: Fernando Prass,João Pedro, Leandro Almeida, Nathan (Vitor Hugo) e Egídio; Arouca, Thiago Santos, Allione (Gabriel Jesus) e Kelvin; Cristaldo (Lucas Barrios) e Mouche
Técnico: Marcelo Oliveira

Cruzeiro: Fábio; Ceará, Bruno Rodrigo, Manoel e Fabrício; Henrique, Willians, Ariel Cabral e De Arrascaeta (Leandro Damião); Marcos Vinicius (Alisson) e Willian (Marquinhos)
Técnico: Mano Menezes

Vitória se impõe no 2º tempo e vai jogar a Série A em 2016

FOTO: Atarde.
O Luverdense jogou melhor no primeiro tempo, utilizou a seu favor a condição de franco atirador, diante de um Vitória visivelmente ansioso, afobado e desorganizado. Mas o LEC na etapa complementar sentiu a reação de perfil do Vitória e sucumbiu diante de uma Fonte Nova lotada.

O JOGO

O jogo iniciou e o Luverdense veio marcando forte e explorando a ansiedade do time Rubro Negro.

O Vitória sentiu a pressão da responsabilidade do jogo, porque o Luverdense fazia por onde isso acontecer, com jogo forte, organizado e vertical. A melhor chance dos 45 minutos iniciais foi do time visitante.

Aos 14 minutos, Lucas Fernandes recebeu na área e chutou no canto. Gatito se esticou e espalmou para evitar o gol do Luverdense.

SEGUNDO TEMPO

O Vitória voltou melhor posicionado e principalmente com a cabeça no lugar, buscando jogar primeiro para depois vencer a partida. As chances foram aparecendo e o gol foi ficando maduro.

E aos 16 minutos, a Fonte Nova explodiu, Escudero cobrou falta com perfeição, à bola ainda tocou na trave e morreu no fundo do gol.Dois minutos depois, o Vitória chegou ao segundo. Depois de arrancada do zagueiro Kanu, Rhayner aproveitou o lance e tocou para o zagueiro chutar duas vezes e marcar mais um para o Rubro-Negro.

Já aos 25 minutos, Vander e Escudero fizeram bela jogada pela esquerda, o Argentino chutou no gol e acertou a trave. No rebote, Elton, de voleio, marcou o terceiro e deu números finais ao jogo.

FOTO: zigzagdoesporte
RESUMO

Estamos de volta à elite do Futebol Brasileiro para 2016 e parece até um sonho, pois depois de vários erros e abuso de poder dentro de um clube sem democracia, pessoas que de fato são donos do clube, clube esse que passa o comando apenas nas mãos de quem é parente e ou amigo do grupo. Foram 18 meses perdidos, e nesse período teve rebaixamento e desclassificações vergonhosas e vários outros vexames, com contratações abaixo do ridículo, o bastante parece esse colunista apostar um almoço que o nosso Leão não voltaria a Serie A esse ano, mas, ainda bem que perdi e também pude comemorar essa conquista com a certeza que ajudei bastante, tanto com criticas construtivas, quanto alertas, analise e indicação de atletas. No jogo de ontem alguns afirmam que os jogadores estavam nervosos no primeiro tempo, eu prefiro dizer que estavam, ansiosos, afobados e desorganizados, e quando esses ingredientes estão juntos e presente num time de futebol, quase sempre sofre penalização do adversário e revês, adversário que só não marcou porque novamente Gatito estava em tarde inspirada, lendo o jogo todo, se antecipando a passes, antevendo a jogada e defendendo como nunca. Já o nervosismo no futebol, eu entendo como erros bobos em passes curtos, quando se esquenta a cabeça com o marcador, agressão sem bola, etc... Na segunda etapa já mais tranquilo e sabendo que o torcedor não iria adentrar no gramado para fazer o primeiro gol, e pensando em jogar futebol primeiro para depois vencer, o Vitória com tranquilidade, mas com ímpeto e velocidade e sem pressa, foi construindo seu placar, e o caminho de volta para CASA foi aberto de forma natural e jogada. "Futebol é um esporte de imposição de jogo" no segundo tempo o Leão impôs o seu e foi mais feliz que o Luverdense da primeira etapa. Agora é comemorar, o torcedor que sofreu pode comemorar! A direção do clube, no entanto, tem que começar a trabalhar hoje, ou vai perder oportunidades de mercado que surgi rápido e desaparece mais rápido ainda. Planejar forte e parar de ser apenas coadjuvante na Serie A do Brasileiro.

Que Reviravolta galera! Voltamos ELITE!

É isso ai Galera!

Por @AdsonPiedade

FICHA TÉCNICA:
VITÓRIA-BA 3 x 0 LUVERDENSE –MT

VITÓRIA: Gatito Fernández (Fernando Miguel); Diogo Mateus, Guilherme Mattis, Kanu e Diego Renan; Amaral (Jorge Wagner), Pedro Ken, Rhayner e Escudero; Elton e Vander (Yan). Técnico - Wagner Mancini.
LUVERDENSE: Gabriel Leite; Gabriel Passos, Luiz Otávio, Everton e Paulinho; Muralha (Júlio Terceiro), Alípio (Rafael Silva) e Osman; Diego Rosa, Lucas Fernandes e Assuério (Adriano da Matta). Técnico - Júnior Rocha.

ÁRBITRO: Héber Roberto Lopes (SC).
GOLS: Escudero, de falta, aos 15, Kanu aos 19 e Élton aos 25 minutos do segundo tempo.
CARTÕES AMARELOS: Vander (Vitória); Osman, Luiz Otávio e Everton (Luverdense).
PÚBLICO: 41.348 pagantes.
RENDA: R$ 1.537.956,00.
LOCAL: Arena Fonte Nova, em Salvador (BA).
←  Anterior Proxima  → Inicio

Inscreva-se no canal LFTV

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Mais lidas da semana