A SUA LINHA DE NOTÍCIAS

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

TWITTER

FACEBOOK

Premier League Brasil

Siga-nos nas redes sociais

Popular Posts

Quem sou eu

CLASSIFICAÇÃO

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

O ano do Galo - Mineiro, Copa do Brasil e Libertadores

Campeonato Mineiro - 2015

O sempre enfadonho campeonato estadual terminou em 2015, como esperado. Atlético campeão!

Depois de terminar a fase de classificação em terceiro lugar, quis o destino que a semifinal fosse contra aquele time que veste azul e que um dia já foi rival. O Cruzeiro fechou a primeira fase em segundo e por este motivo, tinha a vantagem de dois resultados iguais.

Fonte: goal.com.br

NFL: Grandes jogos e derrotas amargas


A semana 12 certamente foi uma das mais interessantes da temporada. Depois da rodadatriplano Thanksgiving, a NFL voltou arrasadora e trouxe vários jogos importantes. Washington Redskins está na liderança de sua divisão (sim), Oakland Raiders com chances reais de playoffs, quarterbacks reservas surpreendendo, recordes sendo batidos e, SIM, mais um invicto caiu. O New England Patriots não resistiu e caiu na neve de Denver.

Se o SNF foi, sem dúvida, um dos melhores da temporada, o MNF foi o mais doido. O Baltimore Ravens fez milagre, conquistou uma virada sensacional, maravilhosa e inacreditável em cima do Browns e fez seu torcedor gritar em plena madrugada brasileira.

Dois times entraram na Week 12 invictos. Apenas o Carolina Panthers continua. #KeepPounding.

Minnesota Vikings 20@10 Atlanta Falcons

O Vikings estão com a vaga nos playoffs bem encaminhada e espera não ter problemas para segurá-la. Já o Falcons começou bem o ano, mas está em uma terrível sequência de derrotas e não consegue parar de errar. A partida foi bem fraquinha e só ficou realmente interessante no último quarto, mas já era tarde demais para a franquia de Atlanta.

St. Louis Rams 07@31 Cincinnati Bengals

Com objetivos distintos, o Rams já começa a pensar na próxima temporada, enquanto o Bengals ainda sonha com o título da divisão. Depois de duas derrotas seguidas após perder a invencibilidade, a franquia de Cincinnati atropelou o St. Louis em casa; conseguiu três interceptações e voltou a se impor na Liga.

New Orleans Saints 06@24 Houston Texans

O Texans não teve dificuldade para vencer o fraco Saints e já terminou o primeiro quarto com 0x14 no placar. A franquia de New Orleans tentou reagir no segundo quarto e marcaram seus seis pontos, mas parou por ai. A partida terminou já no terceiro quarto com os últimos pontos de Houston.
                                                                                                           
Uma marca que, para a tristeza dos torcedores do Saints, foi quebrada foi que o QB Drew Brees não lançou pelo menos um TD depois de uma sequência de 45 jogos – foram 99 de 101 partidas com no mínimo um touchdown. Triste fim de temporada em New Orleans.

Tampa Bay Buccaneers 12@25 Indianapolis Colts

Levando em conta o início da partida, tudo indicava que o quarterback Matt Hasselback sofreria a sua primeira derrota na liderança do ataque de Indianápolis. No entanto, os Colts, que no primeiro tempo conseguiram apenas dois FGs e pareciam querer evitar a fadiga, voltaram para a segunda metade do jogo mais inspirados e garantiram a vitória com 19 pontos seguidos. Hasselback teve um desempenho muito bom e completou 26 de 42 passes (61,9%) para 315 jardas, dois touchdowns e nenhuma interceptação.

San Diego Chargers 31@25 Jacksonville Jaguars

A franquia de Jacksonville sempre tenta dar aquela típica abalada em nossas convicções de que eles são fracos, mas dessa vez não deu. O Jaguars começou na frente, mas o time apostou demais em field goals e perdeu a chance de disputar a vitória.

O jogo foi especial para Phillip Rivers, mas não apenas pela vitória. O QB do Chargers virou o quarto mais rápido de sua posição a chegar a 40,000 jardas passadas. Apenas Drew Brees (152 jogos), Dan Marino (153) e Peyton Manning (154) têm menos partidas. Mais importante ainda foi à segunda marca atingida: Rivers igualou e passou Joe Montana em mais passes para TD da história. Com a lenda do 49ers tendo 273 no total, o jogador de San Diego chegou a 275 e agora está junto Vinny Testaverde na 11ª posição.

Buffalo Bills 22@30 Kansas City Chiefs

Se a temporada regular terminasse hoje, o Brasil teria seu primeiro representante nos playoffs na história da NFL. O Chiefs está batendo todos os seus adversários nas últimas semanas e segue muito vivo na disputa pela vaga. A franquia de Cairo Santos conquistou mais uma vitória e, mesmo que o brasileiro tenha errado um FG de mais de 50 jardas – que seria o mais longo de sua carreira –, o Kansas City superou as investidas do Bills e está com 6-5 na Liga. O Buffalo começou bem a partida e abriu 10-0, mas não soube manter o ritmo.

Miami Dolphins 20@38 New York Jets

Sem dificuldades, o New York Jets venceu seu rival de divisão, o Dolphins, e ainda sonha com a classificação para os playoffs. Ryan Fitzpatrick voltou a fazer uma partida consistente, lançando quatro touchdowns, dois deles para, Brandon Marshall, e nenhuma interceptação. Já pelo outro lado, mais uma vez, a equipe de Miami não faz uma boa temporada e nessa partida sofreu com os mesmos problemas de sempre: o ataque terrestre não funcionou, conseguindo apenas 12 jardas (sim, pasmem) e a defesa deixou que os adversários conquistassem um caminhão de jardas.

Oakland Raiders 24@21 Tennessee Titans

E o surpreendente Raiders segue sua luta para conquistar a inesperada vaga nos playoffs. O Titans até tentou com um TD no primeiro quarto, mas o adversário também marcou. A partida foi apertada, mas o Oakland conseguiu se segurar na frente, e Tennessee tentou investir em Marcus Mariota, mas não foi suficiente. O time da casa até virou no fim, mas o péssimo retrospecto em seus domínios pesou novamente, o Raiders virou e interceptou Mariota logo depois.

New York Giants 14@20 Washington Redskins

Com um começo arrasador e sufoco no final, os Redskins venceram seus rivais de divisão, os Giants, que além do jogo, perderam a liderança da NFC Leste para a franquia de Washington. A partida que parecia estar ganha – visto que até o último quarto, os Redskins aplicavam um sonoro 20-00 sobre a equipe de Nova York – adquiriu contornos dramáticos nos últimos minutos, após os visitantes diminuírem a diferença no placar para apenas seis pontos. Mas, sem timeouts e com apenas 30 segundos, a reação não foi completa e o milagre não se concretizou.

Arizona Cardinals 19@13 San Francisco 49ers

Arizona encontrou dificuldades para bater o 49ers fora de casa. Em um jogo fraco, os dois times ficaram na base dos FGs no primeiro tempo e pouco fizeram para melhorar isso. O terceiro quarto começou melhor e o Cardinals chegou ao TD, sendo seguido pelos niners, que também marcaram. Em outra campanha, San Francisco conseguiu empatar, mas o QB Carson Palmer fez questão de tirar as esperanças do time da casa e correr ele mesmo para marcar um TD no fim da partida.

Pittsburgh Steelers 30@39 Seattle Seahawks

Essa também foi uma das melhores partidas da rodada. Com as duas equipes brigando forte por playoffs, o Seahawks venceu nos detalhes e fez o Steelers voltar para a casa com uma derrota amarga na mala. O jogo foi muito disputado, com os ataques funcionando muito bem, as defesas dando trabalho e muitos lances interessantes. O Pittsburgh pecou em jogadas chave e acabou entregando o resultado nas mãos dos adversários.

New England Patriots 24@30 Denver Broncos




Em um dos melhores Sunday Night Footballs da temporada, o Denver Broncos derrotou os até então invictos Patriots na prorrogação. Ambas as equipes tiveram um desempenho realmente muito bom, o que proporcionou aos fãs da NFL um espetáculo de alto nível. Mesmo jogando fora de casa, o Pats por muito pouco não saiu vitorioso. Entretanto, o estado do elenco com tantas lesões, bem como vários erros, tanto da equipe quanto da arbitragem, não permitiram que o time segurasse os Broncos em Denver. Pelo lado da franquia do Colorado, Brock Osweiler teve bom jogo, terminando com 1 TD, 1 INT e 270 jardas. Seu TD foi anotado no último minuto de jogo, virando o placar para o time da casa. O WR Emmanuel Sanders foi outro que se destacou com suas seis recepções para 113 jardas. O ataque terrestre foi importante, com C.J Anderson correndo para 2 TDs e 115 jardas.

Os visitantes, apesar de começarem a partida muito bem, poderiam ter saído vitoriosos caso Harper não tivesse cometido um erro grotesco em um retorno de punt, que colocou os donos da casa novamente no jogo. Tom Brady foi bem, terminando com 3 TDs, 280 jardas e ainda conseguiu marcar 24 pontos na forte defesa adversária. O TE Rob Gronkowski também foi bem com 88 jardas e 1 TD, no entanto, o principal recebedor dos Patriots, saiu de campo lesionado. Imediatamente veio à mente dos torcedores a lesão sofrida por Gronk em 2013, que o deixou de fora de boa parte da temporada e dos playoffs. Felizmente, desta vez a perna do TE não estava fixa no chão e, ao que tudo indica, a lesão não foi tão grave quando pareceu e o jogador deverá retornar ao time dentro de poucas semanas. Vale lembrar que, além de Gronk, três dos principais recebedores de New England também estão machucados: Dion Lewis (fora da temporada por romper o ligamento anterior), Julian Edelman (fora da temporada regular fratura no pé) e Danny Amendola (com problema no joelho).

Baltimore Ravens 33@27 Cleveland Browns

John Harbaugh, pela primeira vez desde que chegou ao Ravens, teve que montar seu time sem Joe Flacco. A lesão do QB na semana passada – que também levou Justin Forsett – deixou os torcedores dos corvos mais desesperados do que nunca. Matt Schaub, que começou um jogo pela primeira vez desde 2013, teve a difícil missão de colocar o Baltimore no lugar e até teve bons momentos, mas obviamente estava sem entrosamento.

Depois de um punt do Browns, o Ravens saiu na frente quando Kaelin Clay pegou a bola e retornou 82 jardas direto para a enzone. Cleveland cometeu um erro infantil e jogou o kickoff para a lateral, fazendo a vida do Baltimore ficar fácil na conquista do segundo TD com passe de Schaub para Buck Allen. As duas defesas erraram muito. O time da casa não conseguiu bloquear os corredores do adversário, enquanto os corvos deram muito tempo para o QB Josh McCown pensar antes de passar. Tiveram muitos punts e chances desperdiçadas. A franquia de Ohio retornou uma interceptação para TD, virando a partida com 17x19 e Schaub é hoje o único jogador na história da NFL a ser interceptado em quatro jogos seguidos. Demorou mais uns minutos, mas os visitantes fizeram outro TD e viraram novamente o placar.

McCown sentiu contusão no ombro e teve que ser substituído por Austin Davis já no terceiro quarto. Com poucos minutos no relógio, o Browns chegou ao TD e conseguiu interceptar Schaub novamente a 50 segundos do fim. Entretanto, o MNF ainda reservava surpresas. Com um FG de 51 jardas a TRÊS segundos do fim, Brent Urban bloqueou, a bola parou nas mãos de Will Hill III e o defensor correu sem parar até a endzone, conquistando o TD e a vitória para Baltimore. Simplesmente sensacional.


Por Janaína Wille (@janainawille) e Mariana Sá (@imastargirl).

O Ano do Galo | Campeonato Brasileiro - Parte I

Foto: Daniel Teobaldo | Blog SoulGalo |
O Galo No Brasileirão 2015

O ano do Galo começou muito bem. Desde as primeiras rodadas lutando pela parte de cima da tabela. O aproveitamento foi muito bom no primeiro turno, mas deixou a desejar no segundo e nos confrontos diretos com os principais adversários pelo título. Vamos aos dados específicos do Galo no Campeonato Brasileiro 2015:

Foram por partida:
·         1.68 Gols feitos
·         1.24 Gols sofridos
·         5.34 Finalizações certas
·         7.51 Finalizações erradas
·         2.14 Cartões amarelos
·         0.11 Cartões vermelhos
·         3.70 Defesas

As taxas de Finalizações, Desarmes, Lançamentos e Passes foram acima da média do Campeonato enquanto Dribles e Cruzamentos foram abaixo.

Gols: 82% dos nossos gols foram marcados de dentro da área. O que significa que o time não arrisca de longe e consequentemente precisa acionar os atacantes e ainda por consequência acertar cruzamentos, que não foram a melhor característica do time esse ano. Apenas 6% dos gols foram marcados de fora da área. Agora o destaque negativo, o Galo até o momento tomou 47 gols (QUARENTA E SETE!) durante o Campeonato. Marca essa que alguns times já rebaixados (ou encaminhados) não possuem. A defesa deixou a desejar e infelizmente o que sempre foi à arma, acabou sendo a fraqueza. O líder Corinthians tomou apenas 30 e marcou 70, mantendo um saldo de 40 gols, enquanto o Galo marcou 62 e acabou com o famigerado número absurdo de gols tomados e saldo de 15.

Pontos: No primeiro turno o Galo conseguiu 11 vitórias, 3 empates e 5 derrotas, bons números para quem quer se manter na liderança. Porem os pontos perdidos nesse turno foram cruciais, já que contemplavam times que lutavam pela liderança. No primeiro turno o Galo perdeu para Corinthians e Grêmio. Entregando 3 pontos aos rivais. A principal arma de 2012, qual seja, o Horto, perdeu um pouco da mística. Apesar do time de 2015 ser melhor nos jogos fora de casa.

No segundo turno (até a atual 18ª rodada) foram 9 vitórias, 3 empates e 6 derrotas. Incluindo três jogos em que o Galo tomou 4 gols. A pergunta é, como um time que quer ser campeão tem uma das defesas mais vazadas do campeonato e toma 3 goleadas absurdas!? Falta de tática? De preparo físico? De vontade? Bom, alguma razão existe. E com a saída de Levir descobriremos a origem dela.

O Galo não tirou nenhum ponto do Corinthians, Grêmio e Atlético Paranaense. Perdendo os dois jogos e nessa soma básica 9 pontos contando apenas os jogos em casa (que em 2012 eram dados como certos).

Empatou as duas com o Goiás (Goiás que luta para não cair). E venceu as duas diante de Fluminense, Vasco, Avaí, Flamengo, Coxa, Inter, Ponte Preta e Figueirense.

Estáticas dos Jogadores:
·         Mais passes certos: Rafael Carioca e Douglas Santos
·         Mais passes errados: Lucas Pratto e Giovanni Augusto
·         Assistências: Giovanni Augusto (8)
·         Finalizações certas: Lucas Pratto (52)
·         Finalizações erradas: Lucas Pratto (50)

Esse ponto de finalizações merece destaque. Lucas Pratto é um bom jogador, o fato de ele finalizar significa que ele está bem posicionado. Mas convenhamos, foram muitas finalizações erradas e necessárias muitas tentativas até se conseguir o gol. Seguimos.

·         Desarmes certos: Douglas Santos
·         Desarmes errados: Marcos Rocha

Outro ponto de destaque, Marcos Rocha. O lateral direito que foi arma do Galo nos outros campeonatos virou dor de cabeça. Se analisarmos os dados técnicos do jogador nos últimos anos ficaremos impressionados com a eficiência, mas esse não é o ano do Rocha. Infelizmente seus destaques foram negativos.

·         Cruzamentos certos: Giovanni Augusto
·         Cruzamentos errados: Douglas Santos
·         Dribles certos: Patric (QUEM É SEU DEUS AGORA!?)
·         Dribles errados: Douglas Santos.

Resumão da história: Os dados nos levam a crer que nossos erros em desarmes e dribles mal feitos foram em sua maioria dos laterais e exatamente nesses lances em que o Galo saia para o contra-ataque ou impedia o contra-ataque adversário. O que justifica parte dos inúmeros gols tomados. A marcação não foi boa, a defesa por diversas vezes bateu cabeça, os recuos para o goleiro Victor faziam atleticanos suarem e a tal da linha de impedimento mais burra que uma porta foi os principais motivos dos 47 gols tomados até então.

Estatísticas dos gols: Nosso artilheiro Lucas Pratto com 13 gols, seguido de Thiago Ribeiro (que vem sendo banco) com 8 gols e Dátolo com 7.  Números que comprovam que as finalizações não foram tão efetivas, apesar de finalizar muito, o time também erra muito. Lembrando ainda que Pratto e Patric são reis dos impedimentos e Pratto da perda da posse de bola.

Bom, esses foram os dados matemáticos. Agora vamos a uma visão geral do time.

O Galo começou bem o campeonato e exatamente na derrota para o Grêmio em casa deixou o atual campeão passar à frente. Nessa época os erros de arbitragem mudaram sim o contexto das partidas. Não só na parte de cima da tabela, mas em toda ela. O campeonato foi marcado por pênaltis não dados, divergências de bola na mão e mão na bola, gols impedidos validados, cartões amarelos por reclamações do tipo “não fui eu”, “desexpulsões” e assim por diante. No final do primeiro turno posições foram dadas e tiradas. Mas qualquer influência externa deixou de ser importante quando o campeão mostrou ter um time constante. O Corinthians foi merecedor do troféu. O Galo não foi competente o suficiente quando deveria ser, principalmente ao final. Lembrando que a vice-liderança ainda balança. E quanto à arbitragem, todos os times tiveram pontos dados e tirados, alguns mais, obviamente, mas o que deve ser apontado aqui é a defasagem desse sistema no Brasil. Talvez não haja reciclagem suficiente para tratar desse ponto e da instituição falida que o controla.

No geral, terminamos o ano com a vaga para a Libertadores 2016, o que é pouco. O time merecia mais e ao mesmo tempo não merecia nada, porque mostrava em campo vontade em um jogo e por razão nenhuma no jogo seguinte demonstrava exatamente o contrário. É necessário urgentemente um banco de reservas digno. O Campeão perdia jogadores por lesão, cartão ou cansaço e substituía à altura, o Galo não. E ainda, precisamos de inteligência tática. Cuca dizia que a defesa se treinava sozinha e aparentemente isso continuou na era Levir. Só que isso não é mais o bastante. Precisamos de inteligência para atacar e defender ao mesmo tempo e acredito que boas coisas estão reservadas para os atleticanos em 2016. Mas antes de qualquer coisa precisamos de um bom técnico. O que ainda aguardamos.

Entre Atleticanos dizemos que nosso ano foi frustrante. Saímos de fato com o Mineiro. Pouco. Vamos pela quarta vez seguida para a Libertadores, cenário que mudamos com a era Kalil. Sinto a falta do nosso comandante às vezes, das verdades ditas na cara e de certa transparência com o torcedor, mesmo com palavras que às vezes doíam. Lógico que Kalil ainda está por trás do Galo, mas a imagem forte do comandante deixa há desejar um pouco com o nosso atual presidente. Falta a franqueza característica do Kalil quando necessário. Mas seguimos apoiando e esperando que apesar de falar pouco, Nepomuceno trabalhe muito.

Saudações Atleticanas


*Fonte: Footstats

←  Anterior Proxima  → Inicio

Inscreva-se no canal LFTV

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Mais lidas da semana