A SUA LINHA DE NOTÍCIAS

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

TWITTER

FACEBOOK

Premier League Brasil

Siga-nos nas redes sociais

Popular Posts

Quem sou eu

CLASSIFICAÇÃO

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Há 10 anos, a América conheceu o Goiás Esporte Clube

É até difícil falar do time atual do Goiás em tempos como esse. Não temos mais jogadores que vestem a camisa com amor; dirigentes com ambição de querer ser grande; torcida com orgulho de vestir a camisa e que acordava cedo só pra ir até as bilheterias do velho Serrinha comprar o seu ingresso para o jogo. Bons tempos aqueles! Imagina pra quem viveu momentos como em 2005, e assistiu Souza, Romerito, Paulo Baier e entre outros craques, levarem pela primeira vez o Goiás à Copa Libertadores da América.

Há 10 anos, o Goiás fazia história no Brasileirão.
Foto: Gazeta Press
Naquele ano, o Goiás superou grandes clubes do Brasileirão e mostrou que não é preciso ser do eixo para conquistar grandes feitos. Ao fim daquele campeonato, no dia 4 de dezembro de 2005, o torcedor esmeraldino saia feliz de campo. A festa podia ser do Corinthians, que conquistou o título nacional no nosso estádio depois de muitas polêmicas, mas a torcida esmeraldina saia com orgulho do estádio e sabendo que aquela tinha sido a melhor campanha da história do Goiás no Brasileirão.

Imagem aérea do estádio Serra Dourada para Goiás x Corinthians.
Foto: UOL
O Serra Dourada estava lotado e as duas torcidas festejavam com suas bandeiras, faixas gritos e cantos, quando o futebol ainda era futebol, e dava pra sentir a emoção de torcer. O Verdão entrou em campo com a vaga carimbada na Libertadores, mas isso era o de menos, pois a torcida entrou no estádio junto com o time e a vitória veio. Foi de longe, um dos jogos mais emocionantes da história do Goiás.

Nos primeiros minutos de jogo, o Corinthians atacava mais e levava mais perigo principalmente com Carlito Tévez, astro argentino daquele ano e principal jogador da equipe, mas foi o Goiás que saiu na frente depois que Paulo Baier, um dos nossos ídolos, abriu o placar.

Paulo Baier, ídolo esmeraldino, marcou o primeiro gol do jogo.
Foto: Reprodução/Youtube
O Corinthians voltou para o segundo tempo mais empenhado e conseguiu empatar com Tévez. O jogo pegou um clima bem tenso e as duas equipes queriam pular na frente do placar, e foi quando Coelho bateu uma falta no canto de Harlei e colocou os paulistas na frente e bem mais perto do título. Naquele momento, o silêncio tomava conta de um dos lados das arquibancadas.

Mas aquele Goiás era bravo, era guerreiro, e vestia a camisa com amor. Aquele Goiás não desistia e não queria fazer feio diante de sua torcida. Depois de uma bola desviada, ela caiu nos pés do artilheiro Souza, que mesmo embolado com a pelota, conseguiu bater debaixo das pernas de Fábio Costa e empatar. 

Souza comemora gol de empate já na metade do segundo tempo.
Foto: Reprodução/Youtube
O final do jogo era tenso e quando Romerito desviou de cabeça para o gol, colocando o Verdão na frente do placar, a festa voltou a ser nossa. O Corinthians parecia abatido em campo e tinha medo de uma possível virada do Internacional contra a equipe do Coritiba, que jogavam no mesmo horário. Com o jogo no Sul encerrado antes do jogo em Goiânia, os minutos finais foram calmos para os dois lados, o Goiás administrava a vitória e o Corinthians preparava a comemoração.

Romerito comemora gol da virada e da vitória esmeraldina.
Foto: Reprodução/Youtube
Por mais que muitos digam que a festa foi Corintiana, aquele jogo mostrou o que era um time guerreiro dentro de campo, que não temeu diante do líder da competição, jogou com todas as suas forças, e após o encerramento daquele campeonato, poderiam olhar para a torcida e ver que fizeram história na vida de cada um naquela arquibancada do dia 4 de dezembro de 2005. Que saudades desse Verdão!

Naquele ano, a América conhecia um time novo, que não era tão falado pela mídia, não tinha tanto dinheiro como os outros e nem muitos títulos, mas aquele era um esboço da grandeza que seria o Goiás Esporte Clube. Espero que um dia possamos viver o sonho de jogar a maior competição da América Latina novamente e representar o estado goiano.


Dalhé alegria, alegria de coração...
Daria a vida inteira pra ser campeão...
A Taça Libertadores é obsessão...
Mas tem que jogar com a alma e o coração, olê olê...

Wagner Oliveira || @wagneroliveiraf
Linha de Fundo || @linhadefuundo

←  Anterior Proxima  → Inicio

Inscreva-se no canal LFTV

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Mais lidas da semana