A SUA LINHA DE NOTÍCIAS

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

TWITTER

FACEBOOK

Premier League Brasil

Siga-nos nas redes sociais

Popular Posts

Quem sou eu

CLASSIFICAÇÃO

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

PARA SEMPRE ROGÉRIO CENI

      Rogério Ceni é um dos maiores vencedores do futebol mundial
O texto de hoje é algo diferente do tradicional que vocês leitores do Linha do Fundo estão acostumados a lerem. É difícil falar da figura que foi o profissional Rogério Ceni. Um atleta dedicado, vencedor, líder e convicto em todas às coisas que realizou. Uma carreira recheada de títulos, vitórias e conquistas individuais.

Rogério Ceni foi o atleta que talvez todos os times do mundo sonhem um dia em ter. Um profissional que faz da camisa sua segunda pele. Um profissional que joga em campo junto com a torcida, que motiva, que cobra, que erra, que perdoa... É Rogério Ceni, talvez a pior falha de sua carreira tenha sido ser bom demais com aquilo que sempre fez. Às criticas não construtivas, às crises e a falta de sorte não abala a trajetória que foi a desta lenda que deixa a história do futebol brasileiro e mundial hoje.

Como esquecer o dia 27 de Março de 2011? O bendito dia do teu centésimo gol? Lembro-me muito daquela tarde. O então glorioso Majestoso seria palco de um recorde que entraria de vez para a história do futebol, onde talvez não veremos este episodio acontecer outra vez.


131 gols para um goleiro... É uma marca espetacular e única! Mas pobre de quem pensa que o que marcou o caminho de Rogério Ceni até o topo do mundo foi apenas os belos gols. Ceni foi um profissional de extrema agilidade em baixo das duas traves, colecionador de defesas extraordinárias.


Como esquecer a belíssima falta cobrada por Steven Gerrard, na época o então melhor batedor de faltas do mundo, na qual o MITO foi gigante e espalmou? Às incríveis defesas na trajetória do São Paulo ao Hexa Brasileiro?!

E então... Como esquecer a atuação na Sul Americana de 2013, onde então já desacreditado, fez uma das maiores apresentações contra a Universidad Católica de sua carreira? Como dizia o narrador “ROGÉRIO CENI PEGOU, UM MONSTRO! UM MONSTRO!” Naquela noite o tão já criticado “velho” exibia uma atuação de gala e de encher os olhos.

É Rogério Ceni, o torcedor São Paulino tem muito a agradecer por todos os seus feitos e conquistas em prol dessa camisa. Que nesta noite, que simboliza a sua ultima partida com o manto, você possa olhar para aquelas arquibancadas lotadas de apaixonados por este time e enxergar mais uma vez que você é uma lenda viva.

É uma honra para mim um dia dizer que vi você marcar o seu centésimo gol... É indescritível, é irracional, isto é PAIXÃO. Mais uma vez, obrigado Rogério Ceni! Por ter sido o atleta e ídolo que o São Paulo mereceu. Suas glórias jamais poderiam ser descritas e relatadas passo a passo nesta simples declaração.

O futebol brasileiro e mundial se despede hoje de um exemplo de amor ao time e amor à camisa, contudo todos nós gritamos PARA SEMPRE ROGÉRIO CENI!

O 2015 do Coritiba


Foto do último treino Coxa-branca da temporada de 2015
(Coritiba/Divulgação)
A temporada de 2015 chegou ao fim, após um ano de muito sofrimento para a torcida Alviverde, aonde conseguimos escapar do rebaixamento no Campeonato Brasileiro pelo 4º ano consecutivo. Essa que foi a pior temporada dentre as últimas quatro disputadas. É claro que foi um desempenho pífio por parte dos jogadores Alviverdes. Quando o Coritiba voltou para a elite do futebol brasileiro dava indícios de que poderia se firmar após chegar por dois anos seguidos à final da Copa do Brasil. Porém a perda do estadual para o Operário, demonstrava o tamanho do vexame que seria o ano de 2015.

JANEIRO

O Coritiba iniciava a temporada com uma nova diretoria. No ano de 2014, o Coritiba se salvou do rebaixamento apenas na 37ª rodada, após a vitória fora de casa sobre o Atlético-MG, tivemos também a despedida do craque Alex dos gramados. Foi feita uma grande reformulação no elenco Coxa-branca. 16 jogadores saíram do Coritiba (entre eles, o goleiro Vanderlei que foi para o Santos e Robinho que acertou com o Palmeiras). Outros 15 atletas chegaram ao Coritiba no início da temporada, nomes como Negueba, João Paulo (que veio diretamente do maior rival Alviverde, o Atlético-PR) e Pedro Ken, que após seis anos voltava a vestir a camisa do Coritiba. A grande aposta da temporada de 2015 seria Rafhael Lucas, atleta formado na base Coxa-branca. O atacante de apenas 22 anos, que já havia sido lançado na temporada de 2013, mas logo no 1º jogo como profissional rompeu o ligamento cruzado do joelho direito, e que retornava após empréstimo para o Atlético Sorocaba. O técnico Marquinhos Santos que livrou o time da queda na temporada anterior, e que quase acertou com o Vasco no início da temporada de 2015, iniciava a temporada no cargo de treinador Alviverde. Na primeira partida oficial da temporada, vitória por 2x1 sobre o Nacional, fora de casa.

FEVEREIRO

O centroavante Wellington Paulista chegou do Internacional, e foi integrado ao elenco Coxa-branca. Na primeira partida em casa no ano, vitória Coxa-branca por 3x1 sobre o Maringá. Na rodada seguinte mais uma vitória agora sobre o Operário pelo placar de 2x1. Com a saída do goleiro Vanderlei para o Santos, a comissão técnica Alviverde resolveu apostar no jovem goleiro Vaná, porém o mesmo nunca passou grande confiança e prova disso foi o jogo contra o Foz do Iguaçu, aonde o Coritiba sofreu o 1º revés do ano, com falhas do goleiro nos dois gols da equipe do Oeste paranaense. No primeiro clássico, vitória Coxa-branca contra o Atlético-PR pelo placar de 2x0.

MARÇO

O Coritiba iniciou o mês empatando fora de casa com o Prudentópolis. Três dias após, deu-se início a Copa do Brasil para o Coritiba. Com uma vitória de 3x0 fora de casa sobre o Villa Nova - MG, o Coritiba acabou eliminando o jogo da volta, focando apenas na disputa do Campeonato Paranaense. Quatro vitórias seguidas sobre Londrina, Rio Branco, JMalucelli e Cascavel, respectivamente, davam ainda mais tranquilidade à equipe Alviverde no estadual, dando indícios de que a equipe poderia sobrar na disputa. Na última rodada, empate fora de casa contra a equipe do Paraná.

ABRIL

Mês aonde iniciou a fase mata-mata do Campeonato Paranaense. Nas quartas de final, vitórias nos dois confrontos contra o Cascavel, primeiramente por 3x1 fora de casa e pelo placar de 2x0 no Estádio Couto Pereira. Nas semifinais confrontos contra o Londrina. No primeiro jogo 1x0 para os londrinenses em seus domínios e no jogo da volta vitória do Coritiba por 3x0 e vaga garantida na final do Paranaense. Chegamos como grande favorito ao título, até pela campanha que havia sido feita nas fases anteriores. Porém no jogo de ida, em Ponta Grossa, o Operário ganhou de 2x0 e ficou mais próximo do título.

MAIO

Iniciamos o mês de maio perdendo o título do Paranaense de forma vexatória para o Operário, após perdemos o segundo jogo da final em casa pelo placar de 3x0. Já entramos no Brasileirão como fortes candidatos a rebaixamento. Antes da estreia no Campeonato Brasileiro, fizemos o primeiro jogo contra o Fortaleza pela fase seguinte da Copa do Brasil, no primeiro jogo derrota fora de casa pelo placar de 2x1. Logo na estreia da Série A de 2015, derrota para Chapecoense fora de casa, por 2x1. Antes do jogo contra o Grêmio, tivemos a segunda partida contra o Fortaleza, dessa vez vitória Coxa-branca pelo mesmo 2x1 da 1ª partida, placar que levou a decisão da vaga para os pênaltis, e após a cobrança de 22 pênaltis, garantiu a vaga para a próxima fase da Copa do Brasil. A primeira vitória Coxa-branca veio contra o Grêmio na 2ª rodada da competição. Na 3ª rodada, derrota para o Sport fora de casa por 1x0. Ainda no mês de maio, iniciou-se a 3ª fase da Copa do Brasil, no primeiro jogo vitória Coxa-branca em casa contra a Ponte Preta por 2x1, resultado que dava mais tranquilidade para o Coritiba trabalhar. Porém no jogo seguinte, derrota para o Avaí em casa.

JUNHO

A má fase continuou, derrotas para Fluminense e Internacional pelo mesmo placar de 2x0. Com os maus resultados e não demonstrando nenhuma reação, Marquinhos Santos acabou sendo demitido. Para seu lugar, um velho conhecido da torcida Alviverde: Ney Franco, que logo na estreia perdeu para o Flamengo em casa. A seguir, a equipe esboçou uma reação: empate fora de casa contra o maior rival Atlético-PR por 2x2 e vitória sobre o Cruzeiro por 1x0 no Couto Pereira. Ainda assim, terminamos mais um mês na zona de Rebaixamento.

JULHO

Mais um mês extremamente complicado para o Coritiba. A diretoria Coxa-branca acertou a contratação do goleiro Wilson, que teria grande importância para o resto do brasileiro e estava preenchendo a lacuna deixada desde a saída de Vanderlei. O Coritiba não venceu nenhum jogo disputado. Tivemos quatro empates (contra Joinville, Ponte Preta, Figueirense e Corinthians, respectivamente) e três derrotas. Ao menos uma dessas derrotas trouxe algo positivo: no jogo da volta pela Copa do Brasil, perdemos em Campinas para a Ponte Preta por 2x1, resultado que mais uma vez levou a decisão da vaga para os pênaltis e avançamos para as oitavas da Copa do Brasil graças a um gol de Evandro nos acréscimos. O jovem prata da casa que havia sido chamado as pressas para o jogo da volta contra a Ponte Preta, começava a se tornar o talismã Coxa-branca ao marcar nos acréscimos o gol de empate contra o Corinthians. Porém, a campanha Alviverde continuava sendo pífia e após 15 rodadas, terminamos o mês em 19º no Brasileiro.

AGOSTO

Mês que acabou tornando-se decisivo para o Alviverde. Com a chegada do atacante Henrique Almeida, a equipe ganhou outro nível no ataque e começava a obter vitórias importantes. No início do mês pela 16ª rodada, empate contra o Goiás em casa, com o time Coxa-branca mais uma vez sendo salvo por Evandro. Na rodada seguinte, derrota para o Santos fora de casa pelo placar de 3x0. Com o resultado negativo o Coritiba estava na última colocação com apenas 12 pontos. Após o jogo, muitos "torcedores" já começavam a jogar a toalha e abandonar a equipe. Vitórias contra Palmeiras, Vasco e Chapecoense aliviam a situação e deixam o Coritiba respirar no campeonato. Porém a equipe Coxa-branca precisava definir qual seria o foco para o resto do ano. Na fase 4 da Copa do Brasil, enfrentamos o Grêmio. Dois jogos, duas derrotas. Com isso o Coritiba era eliminado da disputada da Copa do Brasil, focando apenas no Brasileirão.

Jogadores comemorando o gol de H. Almeida
(Coritiba/Divulgação)
SETEMBRO

No primeiro jogo do mês, empate em casa com o Sport. Na rodada seguinte, ao ganhar por 2x0 do Avaí em Florianópolis, com grande atuação de Henrique Almeida, enfim saímos da ZR depois de 18 rodadas. Nas rodadas seguintes, um empate com o Fluminense e mais uma derrota para Internacional em casa. A equipe continuava irregular, porém a situação não era tão desesperadora. A vitória por 2x0 contra o Flamengo fora de casa, com o Mané Garrincha lotado, deu um novo ânimo para o elenco Alviverde. Pois era um jogo aonde a mídia já dava como ganho para o Flamengo. O Coritiba foi e calou mais de 67 mil pessoas. Três dias mais tarde, clássico contra o Atlético-PR. Vitória alviverde, em um momento decisivo e que demonstrava o melhor momento da equipe no Brasileirão. Porém a reação parou por aí, na 28ª rodada, derrota para o Cruzeiro por 2x0. O Coritiba terminou o mês em 14º.

OUTUBRO

Mês aonde tivemos uma parada de 10 dias por conta das eliminatórias, parada viria a fazer mal ao Coritiba. Antes da parada, derrota em casa para o Atlético-MG por 3x0. A equipe voltou ainda pior: três derrotas seguidas para Joinville, Ponte Preta e São Paulo. Nas derrotas para Joinville e Ponte Preta tivemos atuações lamentáveis. Um empate com o Figueirense piorava ainda mais a situação Coxa-branca na competição. A tranquilidade que existia antes da parada foi embora, o Coritiba terminou o mês em 18º, faltando apenas 5 rodadas para acabar o campeonato. A diretoria insistia em manter Ney Franco no comando Alviverde.

NOVEMBRO

Porém no início do mês, mais precisamente no dia 3 de novembro. A diretoria Coxa-branca decidiu pela demissão de Ney Franco. Muitos apontavam mais uma vez Tcheco como o nome para salvar o Coritiba do rebaixamento, da mesma forma como foi em 2013. Porém para surpresa de muitos, a aposta é em outro ídolo Coxa-branca, o ex-atacante Pachequinho. Que antes de assumir o comando técnico interinamente, era observador técnico na equipe Coxa-branca. Logo na estreia, nova derrota. Dessa vez para o quase campeão Corinthians, aonde muitos da mídia davam vitória certa para a equipe paulista. Porém o time Alviverde segurou bem a pressão do Corinthians, e estava empatando jogo até aos 40 minutos do 2º tempo. A reação Coxa-branca tardou, mas não falhou. Com três vitórias consecutivas contra Goiás, Santos e Palmeiras, o time deixou o Z-4 e foi para a última rodada na 15ª colocação, precisando apenas de um empate para se garantir na 1ª divisão de 2016.

Pachequinho o Salvador Alviverde
(Coritiba/Divulgação)
DEZEMBRO

Praticamente livre de rebaixamento, a equipe Coxa-branca entrou em campo para a última rodada no Brasileiro em situação bem tranquila. Um empate já garantia a equipe na elite de 2016, e mesmo perdendo o jogo ainda precisaria de uma grande combinação de resultados para cair para a Série B. O Coritiba acabou sendo o algoz dos cariocas, que ao sair do Couto Pereira com um empate por 0x0 acabou rebaixada para a 2ª divisão. A equipe Alviverde passou sufoco em mais um ano no Brasileiro, e acabou sendo salva apenas na 37ª rodada.

CAMPANHA COXA-BRANCA EM 2015:

88 pontos, 62 de jogos, 25 vitórias, 13 empates, 24 derrotas, 66 gols marcados, 65 sofridos, 47,3% de aproveitamento.

Campeonato Paranaense - 2º
Campeonato Brasileiro - 15º
Copa do Brasil - 14º

Artilheiros: Rafhael Lucas (17) e Henrique Almeida (12).
Destaques: Walisson Maia, Henrique Almeida, Wilson e Juninho.
Melhor momento do ano: Coritiba 2 x 0 Atlético-PR (Brasileiro, 20/09/2015)
Pior momento do ano: Coritiba 0 x 3 Operário-PR (Paranaense, 03/05/2015)

O QUE ESPERAR DA TEMPORADA DE 2016

Gilson Kleina sendo apresentado como novo comandante Alviverde
(Coritiba/Divulgação)
Temporada de 2015 encerrada e o Coritiba voltará aos treinos no dia 6 de janeiro de 2016. Para o torcedor Alviverde fica a dúvida de como será o ano de 2016, os vexames voltarão a se repetir? Haverá mudança de postura por parte da diretoria? Bem algumas mudanças já foram anunciadas. Para o comando técnico chega Gilson Kleina, Pachequinho que para a maioria da torcida Alviverde será a partir de agora auxiliar técnico fixo na comissão Alviverde. Pachequinho passará por estágios na Europa, e em uma próxima oportunidade assume o comando técnico. Claro que Kleina precisará de tempo para trabalhar, porém chegou com grande desaprovação por parte da torcida, por conta dos seus últimos trabalhos. E a única forma da torcida começar a deixar o Kleina trabalhar, são os resultados aparecendo. A diretoria já está se mexendo para montar o elenco para 2016, começando pelas renovações de contrato dos pratas da casa Ícaro, Guilherme Parede e Thiago Lopes. O atacante Kléber também negocia a permanência para 2016. A 1º contratação para 2016 é o lateral-direito Ceará que estava no Cruzeiro. Está será a segunda vez que o atleta vestirá a camisa Alviverde, e com isso resolvendo um problema crônico que o Coritiba teve durante a temporada de 2015. A diretoria Alviverde com certeza acertou logo na 1ª contratação para 2016, e que as contratações continuem sendo pensadas e não sendo feitas na loucura.

Que o ano de 2016 seja muito melhor do que 2015 para o torcedor Coxa-branca. Que seja um ano sem sustos e de muitas alegrias para nós Alviverdes.

Valeu Coxa!!!

Andrey Suldovski || @Andreysuldovski
Linha de Fundo || @linhadefuundo

←  Anterior Proxima  → Inicio

Inscreva-se no canal LFTV

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Mais lidas da semana