A SUA LINHA DE NOTÍCIAS

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

TWITTER

FACEBOOK

Premier League Brasil

Siga-nos nas redes sociais

Popular Posts

Quem sou eu

CLASSIFICAÇÃO

sábado, 30 de abril de 2016

Papão vence Galo e avança na Copa do Brasil

(Foto: Fernando Torres/ASCOM Paysandu)
Num dia atípico para a Copa do Brasil, Paysandu e Independente se enfrentaram na Curuzu, no segundo jogo da primeira fase da disputa. O alviazul tinha consigo uma vantagem, já que venceu o primeiro jogo por 2x1 e podia até perder por 1x0 que se classificaria. Mas mais uma vez, o Papão venceu e aumentou sua invencibilidade.

O JOGO

O primeiro tempo foi meio morno, sem muitas chances para ambas as equipes, tanto é que a melhor oportunidade só saiu aos dezoito minutos, quando o cruzamento de Alexandre, teve desvio perigoso na área e por pouco não entrou no gol. O Paysandu tentava atacar, mas acabava se perdendo nas jogadas e parando na zaga do Galo Elétrico. Aos 36’ Cearense chegou com perigo após triangulação com Lucas e Recife, mas sua finalização passou a direita de Baú. Dois minutos depois, Cearense perdeu nova chance, Celsinho roubou a bola e deixou para o centroavante bicolor finalizar, mas ele acabou chutando por cima do gol.

Celsinho comemorando o gol (Foto: Fernando Torres/ASCOM Paysandu)
No segundo tempo, o Paysandu pareceu ter “acordado”, logo no começo da etapa com Gilvan cabeceou para o gol, após sobra de bola na área, mas a bola acabou indo para fora. Aos 7’ Raí foi derrubado na área e o juiz marcou o pênalti para o alviazul, Celsinho cobrou, a bola bateu na trave e entrou, abrindo o placar na Curuzu. O Independente tentou correr atrás do prejuízo, agora precisava de dois gols para levar a partida aos pênaltis e de três para se classificar. Com 23’ a zaga do Papão vacilou e Monga teve grande oportunidade de empatar o jogo, porém seu chute foi para cima. Aos 32’ o Lobo jogou um balde de água fria das esperanças do Galo Életrico, Celsinho avançou e chutou de bico, Baú espalmou nos pés de Raphael Luz que só fez empurrar para o gol, ampliando a vantagem bicolor. Nove minutos depois, o mandante teve outra chance de aumentar o placar, quando Wanderson deixou o marcador para trás e chutou no gol, para defesa de Alencar Baú.

Nas entrevistas depois do jogo, os atletas mal conseguiam falar do jogo de hoje e demonstraram que o foco total está na Copa Verde:

Fizemos um bom jogo e conseguimos a classificação, mas terça-feira o ‘bicho vai pegar’ no Mangueirão. A gente sabe que o adversário é qualificado, assistimos a última partida, mas estamos preparados e creio que será difícil ganhar da gente dentro de casa. Vamos com tudo para não escapar esse título novamente” – disse Ricardo Capanema.

Palavra da colunista: Hoje tivemos alguns destaques negativos, algumas menções honrosas positivamente, mas nenhum jogador conseguiu estar acima da média. Celsinho se saiu bem, fez um gol e participou do segundo, mas ainda não está 100%. Cearense aproveitou que não havia ninguém para substituí-lo e pouco se esforçou. A verdade é que hoje, precisamos muito falar sobre Wanderson e entender porque um atleta que já se destacou em outros times, simplesmente não consegue jogar bem aqui... Mais uma vez, teve uma atuação um tanto quanto desastrosa. Pouco fez e deixou a torcida muito irritada. Quanto a Roniery na lateral, é impressionante a facilidade que os jogadores têm de passar por ele, hoje ele até conseguiu se “fechar” mais, mas ainda assim, têm muito que melhorar.

Próximo jogo: Primeiro jogo da final da Copa Verde é na terça-feira (03), às 20h30, no Mangueirão. O clube paraense enfrenta o Gama-DF.

Próximo adversário da Copa do Brasil: Operário-PR

Com Griezmann em campo, Atlético é quase imbatível

Griezmann precisou de 42 segundos para deixar seu gol. Foto: www.amrca.com
Não foi uma partida brilhante, mas foi o suficiente para seguir na cola do líder Barcelona. O único gol do jogo foi feito por Antoine Griezmann, que entrou no segundo tempo e precisou apenas de 42 segundos para abrir o placar e dar a vitória ao time colchonero. Com essa vitória, o Atlético continua com 85 pontos, assim como o Barça.

O jogo:

O Atlético entrou em campo sabendo que qualquer resultado que não fosse a vitória significaria perder a disputa do título da Liga Espanhola. Mesmo sabendo que o duelo era decisivo, o treinador Diego Simeone optou por poupar alguns jogadores como Griezmann, Felipe Luís, Savic, Koke e Fernando Torres para a partida de volta da Champions.

No primeiro tempo o que vimos foi um time completamente fora de ritmo tanto na parte física como a parte técnica. Isso é até aceitável pelo fato de ter quatro jogadores em campo que quase nunca entra no time titular ou até mesmo no segundo tempo de alguns jogos. Vietto, Óliver Torres, Gámez e Kranevitter foram os escolhidos para iniciar o jogo. Já a parte física é completamente aceitável pelo o simples fato que o time está num momento de decisões tanto na Liga dos Campeões e na própria Liga Espanhola.

Mas voltando ao jogo, o time não jogou bem sentiu muita as ausências de alguns jogadores. A primeira parte o Atlético até que teve algumas oportunidades de gol, mas não conseguia colocar a bola para dentro do gol. No segundo tempo, o treinador Diego Simeone viu que tinha que mudar e no início do segundo tempo colocou Koke no lugar de Gabi, mas a verdade era que parecia que não tinha feito muita diferença. Quando o treinador percebeu essa dificuldade no jogo não pensou duas vezes e colocou em campo o francês Antoine Griezmann, o jogador precisou de uma bola e de 42 segundos para abrir o placar e dar a vitória para os colchoneros.

O serviço estava feito para o treinador Simeone, a vitória estava na mão, agora era só aguentar a pressão que o Rayo impóis ao Atlético, mas a melhor defesa do campeonato e da Europa conseguiu aguentar com sabedoria. O papel da defesa foi fundamental, mas um jogador pouco badalado vem fazendo um grande trabalho e despertando interesse em algumas potencias do futebol, o nome dele é Oblak e está fazendo uma grande temporada só tomou 16 gols em 35 jogos e hoje foi mais que decisivo foi importantíssimo para o time. Com o goleiro inspirado e o francês decisivo, o Atlético saiu com os três pontos e ainda segue na briga pelo o título Espanhol.

O próximo jogo do Atlético de Madrid será na terça-feira (3) contra o Bayern Munique, esse jogo é válido pela semifinal da UEFA Champions League, o Atlético está com uma pequena vantagem já que ganhou o primeiro jogo em casa por 1 x 0.

Resultado da Liga: 36ª Rodada

Atlético de Madrid 1 x 0 Rayo Vallecano
Betis 0 x 2 FC Barcelona
Real Sociedade 0 x 1 Real Madrid
Granada 3 x 2 Las Palmas

Classificação:          Pontos

1 Barcelona                   85
2 Atlético de Madrid      85
3 Real Madrid                84
4 Villarreal                     61

Texto escrito por Alzemir Neto, colunista do Atlético de Madrid.

Twitter:

Alzemir Neto: @NeetoMoraes96
Linha de Fundo: @SiteLF

I campioni dell'Italia siamo noi

A derrota do Napoli para a Roma na tarde da última segunda-feira fez com que "La Vecchia Signora" comemorasse com três rodadas de antecedência o seu 34º título da série A (32 contabilizados pela FIGC, que anulou dois títulos da Juventus em 2006 depois do escândalo do "calciopoli", mas tanto time quanto torcida consideram 34, pois alegam que foram ganhados em campo, mas isso é tema para outro debate).


A festa pelo 5º título é mais que merecida, pois quem vê esse segundo turno avassalador, quase que perfeito tem que olhar para traz e lembrar que o começo da temporada não foi essas mil maravilhas com o time chegando a ficar em 13º lugar na classificação geral e praticamente todos na "velha bota" davam como certo o título do Napoli.

Não só foi um campeonato de recuperação, mas como de remontagem do elenco que sofreu muitas mudanças em relação ao time que foi vice-campeão da Europa. Com as saídas de Pirlo, Vidal e Tevez como seus principais jogares e do técnico-bandeira-ídolo, Antônio Conte que foi dirigir a seleção italiana, o time do Piemonte teve que se reformular bastante e para isso trouxe reforços como Mandzukic, Quadrado e possivelmente o mais importante de todos Dybala que junto com os remanescentes Claudio Marchisio e Paul Pogba fizeram com que o meio campo bianconero não perdesse a qualidade do setor que era um dos pontos fortes da equipe nos últimos anos.

Esse título também é um presente para o técnico Massimiliano Allegri, que nunca foi unanimidade entre os torcedores e que foi muito contestado após a eliminação da Champions para o Bayern, responsabilizado por fazer alterações equivocadas no jogo e com isso fez o time perder a força e acabar levando a virada do time da Baviera.

Superada a eliminação no torneio continental a Juventus seguiu derrubando seus adversários que vinham pela frente e de quebra com um time praticamente reserva foi passando de fases na Copa da Itália e em uma semifinal que poderia ser roteiro de filme, eliminou a tradicional rival Inter dentro do San Siro - Giuzeppe Meaza em Milão, se classificando para a final contra o Milan que será disputada no estádio Olímpico em Roma no próximo dia 21 de maio.

De uma temporada que parecia perdida a uma temporada com o goleiro que ficou mais tempos sem levar gols pela Série A, foram 973 minutos sem que conseguissem vazar o experiente Gigi Buffon, chegando as quartas de final da UCL, classificando-se para a final da copa nacional com o time reserva e podendo levantar a taça pela 11ª vez e sendo fechado com chave de ouro com a conquista do Scudetto.

Para a próxima temporada fica o desafio de voltar a ser grande no cenário europeu porque no cenário nacional está cada vez mais gigante.

#FinoAllaFine
#ForzaJuve

Raphael  Prado || @raphael__prado

Inter, sejamos humildes

O time do Inter sempre quieto, lotado de crises, jogando menos que a bola estava pedindo para ser eliminado para o São José. Algumas coisas ainda não mudaram, seguimos jogando pouquíssimo, mas muitos diziam que não chegaríamos nem na semifinal, que dirá na final. E os mais otimistas diziam que se chegasse, seria uma final de Copa do Mundo, pois o Grêmio era o "grande time do campeonato". Todo o mar azul estava feliz da vida, ostentando a camisa tricolor pelas ruas, gritando pelas ruas "Dá-lhe tricolor!" e ao ligar a televisão só se olhava louros para o Grêmio e que a taça era deles. E o revés veio a galope, foram quatro dias e tudo mudou, eles perderam de salto alto contra o Juventude em Caxias e contra o Rosário Central fizeram a uma péssima partida, os argentinos jogaram com vontade, já o Grêmio jogou acovardado, pressionado e, desculpe a palavra, totalmente cagados.

Foco, Força e Humildade.
Mas, e daí que o rival não vai levantar o Gaúcho? E daí que ele tomou gols dentro de casa na Libertadores? E se for eliminado, e daí? Não me importo que eles vão completar mais um ano sem tirar a poeira da sala de troféus. Eu não me abalo muito com isso por que o que acontece com eles reflete diretamente dentro do Beira-Rio. A diretoria não vê o seu principal adversário como amedrontador, visto que "ninguém ganha nada por aqui mesmo". Não quero saber dos fracassos do lado de lá, me interesso no sucesso do lado de cá. Estou com saudade de sorrir com o meu time, quero saber dos reforços que precisavam chegar e nem sequer foram anunciados, quero saber da próxima eleição e do que a oposição pode oferecer. Quero saber como podemos transformar essa seca horrível para evoluir e elevar o nosso patamar para o ano que vem.

Embora, claro, eu não vá ser hipócrita com vocês e dizer que eu não dou aquela risadinha e aquela cornetada básica. Não sou de ferro. Mas e agora, contra a velha touca, continuamos freguês?

Sinceramente, somos a zebra do campeonato, por incrível que pareça. Lá em Caxias é ruim de jogar, eles vão dar a vida, estamos indo para a fogueira. Mas o que conforta é que o segundo jogo é dentro do Gigante. Temos que chegar lá na serra humildes como em todos os jogos. O jogo se ganha no campo, no escanteio, na dividida, na bola e na catimba também. Não precisa ser 8 a 1 que nem última vez pode ser 1 a 0 levando a bola para linha de escanteio e matando tempo. Não vamos ser orgulhosos, na era Argel 1 a 0 é goleada.

Ismael Schonardie || @Ismahsantos

Sevilla: Empate copeiro rumo ao pentacampeonato

Gameiro e Carriço comemorando o gol de empate
Nesta quinta-feira, Shakhtar e Sevilla realizaram um grande jogo pela semifinal da UEFA Europa League, em Lviv, válida pela primeira partida. O jogo em si foi marcado por algumas possibilidades reais de gol, mas também por muita estratégia envolvendo as duas equipes. Melhor para os espanhóis, que saíram com um empate e continuam mostrando a cada competição o seu poder copeiro que o torna cada vez mais o time mais respeitado e temido no torneio.

O que se percebeu na partida foi um time, como o Sevilla, bem postado em campo e consciente do que almejava para a partida. A estratégia de jogo armada pelo seu treinador Unai Emery foi bem ousada e equilibrada e buscou explorar melhor as qualidades de sua equipe, que era o trabalho com a bola entre o meio campo e ataque, mesmo jogando com três volantes.

Banega exerceu um excelente papel de transição de jogo e foi um dos grandes responsáveis pelo toque de qualidade essencial para a movimentação de sua equipe. O meia argentino comandava as ações da meia cancha e era o responsável tanto pela marcação mais em cima do meia atacante Kovalenko quanto pela infiltração central com sua movimentação e qualidade no passe

Já no tridente de ataque, se percebia um destaque muito grande do centroavante Gameiro que infernizava a vida dos zagueiros com sua intensa movimentação e sua capacidade de abrir os espaços para a entrada em diagonal dos outros atacantes e jogadores de outros setores de campo. Era incrível perceber como o francês conseguia envolver de uma maneira tão fácil o miolo de zaga ucraniano fazendo com que a equipe espanhola pudesse obter maior êxito em suas jogadas. Por outro lado, o ucraniano Konoplyanka fazia uma partida bastante discreta e não conseguia obter êxito para cima dos seus marcadores, hora o lateral brasileiro Ismailly e hora o seu conterrâneo Stepanenko. Com isso, a efetividade do ataque do Sevilla só não foi ainda maior porque o meia atacante não estava no seu melhor dia e ainda foi substituído no segundo tempo pelo dinamarquês Krohn-Deli (que, pouco tempo depois saiu com uma lesão no joelho, para a entrada de Coke). Por fim, Vitolo teve uma atuação de pouca participação, mas de muito poder de decisão pela sua equipe, conseguindo se movimentar muito bem, tanto pela direita e pela esquerda, além de ajudar na recomposição defensiva.

O ponto negativo esteve na marcação pelos lados do campo. Tanto Escudero e Carrizo (pela esquerda) quanto N’zonzi e Mariano (pela direita) encontraram muitas dificuldades para parar as investidas do meia atacante Marlos, que desequilibrava pelo time ucraniano e foi o responsável pelas melhores jogadas do time adversário. Os centrais da equipe, Rami e Krychowiak, tinham certa dificuldade com o argentino Ferreyra devido a sua movimentação intensa na partida, mas ambos não deram muita chance para o centroavante realizar alguma finalização mais clara contra o gol de Sória.

Comemoração do gol de Vitolo, que abriu o placar para o Sevilla
O Sevilla começou a partida impondo o seu melhor futebol e logo com 6 minutos de partida, o argentino Banega iniciou a jogada pelo meio, foi avançando e tocou para Gameiro enfiar um belo passe para Vitolo limpar com categoria o zagueiro Rakistkiy e finalizar no canto direito de Piatov, marcando um belo gol para o time da Andaluz. Mas o gol de empate saiu aos 23 minutos após a desatenção mencionada no meio campo, onde um lançamento do zagueiro Rakistkiy encontrou Marlos, entre Escudero e o zagueiro Krychowiak, que avançou com sua velocidade e com extrema categoria tocou no canto direito de Soria.

Ainda no primeiro tempo, o time ucraniano cresceu no jogo e conseguiu envolver ainda mais o time espanhol. Marlos desequilibrava na partida e, numa jogada de ponta esquerda, deu um belo corte em Mariano e acertou um magnífico cruzamento para Stepanenko cabecear como um chute e marcar outro belo gol da partida. O jogo deu uma efervescência ainda maior e o time ucraniano continuou dominando o primeiro tempo, tendo chances para aumentar o placar antes do fim dos primeiros 45 minutos.

Cabeçada de Stepanenko após bela jogada de Marlos
No segundo tempo a equipe espanhola voltou melhor e muito bem postada em campo fazendo com que o time ucraniano sentisse ainda mais o peso de uma decisão contra uma equipe que conhece bem os atalhos da competição e o domínio espanhol foi aumentando ao longo da partida. Mesmo com a saída de Konoplyanka para a entrada de Krohn-Deli que ficou poucos minutos em campo a equipe ainda manteve a sua qualidade de jogo e o atacante Gameiro se mostrou ainda mais decisivo na partida. Mesmo com um gol mal anulado, sofreu um pênalti mal marcado aos 37 minutos e converteu no meio do gol, colocando o confronto a feição para os espanhóis para o jogo da volta. A equipe também contou com a inoperância do técnico adversário que foi realizar uma substituição somente nos minutos finais da partida, quando Bernard, Wellington Nem e Eduardo da Silva entraram nos lugares de Marlos, Taison e Ferreyra, respectivamente aos 45 minutos do segundo tempo.

A próxima partida será na quinta-feira seguinte, dia 05 de maio, no Sanchez Pizjuán, na Andaluzia. O time espanhol poderá jogar por um empate em 0X0 ou 1X1, ou então, por até uma vitória simples para classificar a mais uma final de UEFA Europa League. No final de semana, o Sevilla volta a jogar o campeonato local contra o Espanyol, no Cornélia Du Prat, em Barcelona.

Plano tático: Shakhtar Donetsk 2x2 Sevilla 

Escalações: Shakhtar Donetsk 2x2 Sevilla
Por Marcos Paulo Fernandes Alves

sexta-feira, 29 de abril de 2016

O que aconteceu, Criciúma?

Criciúma vacilou e empatou com o Operário dentro e perdeu a vaga para a próxima fase.


O JOGO

Com a bola rolando, o jogo começou muito bem com o criciúma indo para o ataque, logo aos 9 minutos Elvis recebeu um belo cruzamento de Roberto e faz 1x0 para o tigre catarinense, depois disso o tricolor ainda teve quatro chances para ampliar. No segundo tempo o time voltou o mesmo e retrancou muito o time, o treinador Roberto Cavalo cometeu muitos erros e assim aos 30 minutos Perovic empatou para os fantasmas, com esse gol o Operário se classificou para a próxima fase da Copa do Brasil.

UMA CRITICA A ROBERTO CAVALO

Até quando vamos fazer gol e retrancar? O time SEMPRE faz isso e acaba tomando empate ou até tomando a virada, por que o Cavalo insiste nisso? Cansamos, queremos mudanças.

FICHA TÉCNICA PARA CRICIÚMA 1x1 OPERARIO

Local: Estádio Heriberto Hulse, SC
Data e horário: 28/04 às 19h15
Arbitragem: Rodrigo Carvalhaes de Miranda (RJ), com auxílio de Bruno Salgado Rizo (SP) e Gustavo Rodrigues de Oliveira (SP). 
Cartões amarelos: Gustavo; Danilo; Washington (Criciúma)
Cartões vermelhos: Danilo Baía (Operário)

Operário: Juninho; Danilo Báia, Douglas Mendes, Sosa e Peixoto; Chicão, Lucas, Serginho Paulista e Washington; Rafinha e Lucas Batatinha. Técnico: Gerson Gusmão.

Criciúma: Luiz, Ezequiel, Raphael Silva, Diego Giaretta, Marlon (Jeferson), Barreto, Douglas Moreira, Alex Maranhão, Elvis, Roberto (Andrew), Gustavo. Técnico: Roberto Cavalo.

Twitter: @Um_Carvoeiro || @SiteLF 

Shakhtar Donetsk: Pecado capital que poderá resultar em um mortal

Lance de jogo entre Stepanenko (SHK) e Krychowiak (SEV)
Ucranianos e espanhóis fizeram a partida inicial que classificará uma das equipes a jogar a grande final no St. Jakob’s Park, na Basiléia (Suíça) no próximo dia 18 de maio, e o que se viu durante o jogo foi uma verdadeira partida de xadrez, com muitas estratégias e propostas interessantes apresentadas nos primeiros 90 minutos.

A equipe do Shakhtar utilizou basicamente a sua escalação do jogo da classificação contra a equipe portuguesa do Braga há duas semanas na Arena Lviv (mesmo local da partida de ontem) e teve como objetivo praticar o seu melhor futebol apresentado na temporada em busca do segundo título da competição e da classificação direta para a UEFA Champions League.

Mircéa Lucescu, ao propor a manutenção da mesma equipe que havia vencido os portugueses pelas quartas, sabia muito bem dos riscos que poderia correr contra uma equipe totalmente matreira e que conhece, como ninguém, os atalhos de se conquistar esta competição. Para isso, o treinador pensou numa proposta que fosse perfeita e que pudesse minimizar durante o jogo todos os perigos que poderia sofrer do seu adversário jogando em casa, já que o regulamento nesta fase é propício à equipe local a fazer uma partida em que, pelo menos, não pudesse sofrer gols em casa para conseguir marcar fora e complicar ainda mais o seu adversário direto.

A equipe do Shakhtar foi escalada no 4-2-3-1, onde Fred era o principal desfalque já há certo tempo e o escolhido para lhe substituir nesta função de primeiro volante era o zagueiro improvisado Maksim Malyshev que foi o grande responsável por anular as investidas do meia-atacante Yevhen Konoplyanka (jogou pelo Dnipro Dnipropetrovsk). No restante da sua formação contava com a dupla de zagueiros Kucher e Rakitskiy, com a experiência e perícia do croata Darijo Srna pela direita, com passes e arremates de fora da área, com a velocidade de Ismailly tanto para o apoio quanto para a marcação no setor esquerdo, com a velocidade e habilidade dos brasileiros Taison e Marlos para envolver a defesa adversária e com a mobilidade dos atacantes Kovalenko e Ferreyra para dificultar a marcação entre os homens centrais da defesa e os responsáveis pela marcação no meio campo.

Jogada individual de Marlos antes de finalizar com categoria para o gol de empate
Mas, no inicio do jogo, a marcação do time ucraniano não estava bem encaixada, e o argentino Ever Banega se encontrava livre para pensar o jogo e avançar com qualidade para propiciar as jogadas de ataque da equipe espanhola. E foi numa jogada iniciada por ele, pela meia direita, que o mesmo acertou um belo passe para o francês Kevin Gameiro dar um belo tapa na bola e deixar o espanhol Vitolo pegar cara a cara com o Pyatov e tocar na sua saída para abrir o placar da partida e cumprir com o primeiro objetivo dos visitantes, aos 6 minutos do 1º tempo.

Daí aparece à estrela do ex-meia de São Paulo e Coritiba. Marlos resolveu aparecer efetivamente no jogo e ser o principal responsável pelas investidas nas pontas e pelo poder de penetração na defesa adversária vindo pela diagonal. Primeiro, o jogador recebeu um passe espetacular do zagueiro Rakistkiy, entre o zagueiro francês Rami e o lateral esquerdo espanhol Sérgio Escudeiro, invadiu a área e tocou com uma categoria absurda no canto direito do goleiro Soria, empatando a partida aos 23 minutos. Já aos 35 minutos, após batida de escanteio, Marlos fez uma jogada espetacular pra cima do lateral brasileiro Mariano e acertou um belo cruzamento para o volante Stepanenko mandar um tijolo de cabeça na gaveta, sem chances para o goleiro espanhol. A partida ficaria a caráter para os ucranianos que passaram a criar mais chances, até pelo contragolpe, para matar a partida e ficar mais tranquilo para o jogo da volta, já que só o 2X1 dava a oportunidade do Sevilla de classificar com 1X0 apenas. A partida seguia movimentada, mas as chances de gol pouco apareciam de ambos os lados devido aos erros de passes dos homens de meio e da boa marcação compactada de ambos os lados.

Taras Stepanenko acerta uma cabeçada forte para virar a partida
No segundo tempo, a equipe espanhola voltou melhor e com uma proposta de avançar ainda mais suas linhas de marcação para roubar a bola no ataque e ficar mais próximo do seu gol de empate. Já a equipe do Shakhtar resolveu apostar mais na compactação das linhas e as investidas em contragolpe com a velocidade de Taison e Marlos. O que se viu foi que o time espanhol conseguia obter êxito em sua proposta e passava a dominar as ações da partida. Com o passar do tempo e com o desgaste físico dos principais jogadores era necessário pensar numa mexida para quebrar o domínio espanhol e propor alternativas de se matar a partida no jogo de ida. Mas o que se viu durante os 30 minutos finais foi que o técnico romeno se mostrou um tanto quanto apático e demorou a perceber o que era necessário, cometendo assim um pecado capital gigante e que poderá resultar na eliminação no Sanches Pizjuán, na próxima semana. A demora em fazer as substituições fez com que sua equipe se sucumbisse fisicamente e dava o domínio da partida ao time espanhol. E com as maiores investidas pelo setor do brasileiro Ismailly, percebia que o empate poderia sair com o tempo.

Após o gol mal anulado de Gameiro, devido a um impedimento marcado de forma equivocada, já que o mesmo se encontrava atrás da linha de onde se encontrava o lateral Srna, o time da Andaluzia cresceu de vez na partida e passou a ameaçar ainda mais o gol de Piatov. Para compensar o gol mal anulado por impedimento, o juiz polonês Szymon Marciniak inventou um pênalti totalmente absurdo do brasileiro Ismailly em cima de Gameiro, após um belo corte dentro da área e uma simulação fajuta de toque na sua perna direita.  O juiz não teve dúvidas sobre a marcação e apontou para a marca da cal. O mesmo Gameiro não perdeu a oportunidade e bateu colocado no meio do gol, deslocando o goleiro Piatov para o seu canto esquerdo que ainda tentou com o pé direito fazer a defesa, empatando o jogo aos 37 minutos do 2º tempo e dando uma vantagem ainda maior para os visitantes que faziam no momento dois gols fora de casa.

A necessidade de buscar a vitória era ainda maior, mas a morosidade do técnico romeno era de se assustar. O mesmo não teve uma reação anterior para propor as mudanças na equipe e, somente aos 45 minutos do segundo tempo, que ele resolve fazer as substituições que era pra ter feito durante o jogo. E o pior, trocou somente seis por meia dúzia para jogar os quatro minutos finais da partida e não conseguiu ter a efetividade para mudar a partida. Com isso, o empate no final se tornou um resultado ruim e fará com que a equipe tome uma proposta ainda mais ousada para o jogo da volta e tentar reverter à boa vantagem dos espanhóis que já tem experiência neste tipo de competição e podem almejar o tricampeonato consecutivo.

Melhores momentos: Shakhtar 2X2 Sevilla

A próxima partida acontecerá na quinta-feira, dia 5 de maio em Sevilla e cabe o time do Shakhtar jogar com uma ousadia ainda maior para reverter o placar da ida. Próxima partida do time ucraniano será o clássico contra o Dynamo de Kiev, na Dombass Arena, em Donetsk, válida pelo campeonato nacional. Veremos na próxima semana o que técnico Lucescu será capaz de fazer para reverter o confronto ao seu favor e jogar a final na Suíça no próximo dia 18 de maio.





Por Marcos Paulo Fernandes Alves

Sassá volta, faz gol e garante classificação do Botafogo na Copa do Brasil

Em jogo de volta válido pela primeira fase da Copa do Brasil, o Botafogo recebeu o Coruripe (AL) na noite desta quinta (28), em Xerém. O Alvinegro, que tinha a vantagem do empate por ter vencido o primeiro jogo por 1 a 0, entrou em campo com time reserva e fez valer o regulamento. Com muito sofrimento, a equipe garantiu a classificação ao empatar por 1 a 1. O próximo adversário na competição será o Juazeirense (BA). O Glorioso agora volta suas atenções para a primeira partida da final do Campeonato Carioca, que acontecerá no domingo (1), diante do Vasco, no Maracanã.

O JOGO

A partida foi muito ruim. Bem sofrível mesmo.

O Coruripe foi superior. Aos 8 minutos, o time alagoense obrigou Helton Leite a fazer boa defesa. João Paulo cruzou, Júnior Chicão dominou na área e chutou em cima do goleiro. O Botafogo explorava mais o lado esquerdo do campo, sem sucesso. Com time reserva, desentrosado, eram muitos erros de passe e criatividade nenhuma. Apesar de não ser brilhante em campo, o Coruripe explorava o gramado com mais facilidade, levando certo perigo, ao contrário do Botafogo. Aos 26 minutos, o Coruripe teve um pênalti bem marcado a seu favor. Jean derrubou Ivan na área. João Paulo, aos 28', bateu bem e abriu o placar. Com esse resultado, a classificação seria decidida nos pênaltis. Aos 45 minutos, João Paulo bateu cruzado, por baixo e Helton Leite espalmou para escanteio. A primeira chance clara do Botafogo ocorreu somente aos 47', no último lance do primeiro tempo. Gervasio Nuñez cruzou da esquerda para Lizio, que bateu de primeira e tirou tinta da trave. A bola passou muito perto do gol. Seria o empate.

Para o segundo tempo, o Botafogo voltou modificado. Saiu Luis Henrique para a entrada de Sassá, que estava afastado dos gramados por seis meses. E logo aos 2 minutos, Fernandes levantou para o atacante, na área. Ele tentou de bicicleta e desperdiçou boa chance. Aos 9', Igor bateu com perigo e acertou a rede pelo lado de fora. Aos 13 minutos, Sassá recebeu na área e bateu por baixo. O goleiro Ferreira mandou para escanteio. Aos 15', segunda alteração no Glorioso. Lizio foi substituído por Bruno Silva. Aos 18', Sassá cabeceou para fora após cobrança de escanteio. No minuto seguinte, a arbitragem assinalou pênalti para o Glorioso. Mais um pênalti bem marcado. Fernandes havia chutado dentro da área, mas a bola bateu na mão de Jair. Aos 21 minutos, Sassá cobrou com categoria e empatou o jogo.

Sassá comemora volta com gol salvador (Foto: Vitor Silva/ SS Press/ Botafogo)
Aos 35 minutos, Neilton bateu cruzado e o goleiro do Coruripe, com um toque sutil, afastou o perigo. Sassá estava pronto para virar o jogo. Em seguida, Ricardo Gomes realizou a última alteração no Glorioso: Rodrigo Lindoso substituiu Dierson. Aos 39', Bruno Silva foi expulso. Ele já havia levado um cartão por reclamação. O meia reclamou novamente e acabou levando o vermelho. Com um a mais, o Coruripe foi para cima em busca do gol da classificação. Aos 48 minutos, Candinho achou Roger livre na área. O atacante ajeitou e bateu cruzado. A bola caprichosamente passou bem ao lado do gol de Helton Leite, mas não entrou. Ufa! Sorte a do Botafogo, classificado.

OBSERVAÇÕES

Ricardo Gomes escalou um time reserva, tendo em vista a final do Carioca no domingo. A meu ver, agiu corretamente.

O time titular já não é lá grandes coisas. Porém, mesmo limitado, dá um banho nesse time reserva HORRÍVEL, SOFRÍVEL.

O menino Jean, oriundo da base alvinegra, é fraco. Dierson, idem.

É bom o Sassá estar à disposição. Não é a solução, sabemos, mas ajuda. O ataque botafoguense, tão carente, passa a ter mais uma opção.

Gervasio Nuñez e Damían Lizio não se destacaram. Surpreende que nem diante do poderoso Coruripe os gringos consigam mostrar bom futebol.

E POR ÚLTIMO: DEVERIA SER CRIME CRITICAR A TORCIDA QUE NÃO COMPARECEU EM UM JOGO DESSE. XERÉM, NO MEIO DO NADA, NEM ÔNIBUS TEM ACESSO, 21H30 EM DIA DE SEMANA, TIME RESERVA, CHUVA... Por favor, né!?

FICHA DO JOGO

Botafogo 1
Helton Leite, Diego, Igor Rabello, Joel Carli, Jean; Dierson (Rodrigo Lindoso), Fernandes, Damián Lizio (Bruno Silva), Gervasio Nuñez; Neilton, Luis Henrique (Sassá). Técnico: Ricardo Gomes.

Coruripe 1
Ferreira, Renato (Sadrak), Thiago Papel, Willames José, Igor (Roger); Jair, Mazinho, Tiago Lima; João Paulo, Ivan (Candinho), Júnior Chicão. Técnico: Jaelson Marcelino.

Estádio: Los Larios (Xerém - RJ).
Árbitro: Wanderson Alves de Sousa (MG).
Assistentes: Marconi Hebert Vieira (MG) e Felipe Alan Costa (MG).
Gols: João Paulo (28' do 1º T), Sassá (20' do 2º T).
Cartões amarelos: Jean e Bruno Silva (Botafogo); Ferreira, Mazinho, Tiago Lima e Candinho (Coruripe).
Cartão vermelho: Bruno Silva (Botafogo).
Público: 261.
Renda: R$ 4.640,00.

Por: Gabriel De Luca (@biel_dluca). 
←  Anterior Proxima  → Inicio

Inscreva-se no canal LFTV

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Mais lidas da semana