A SUA LINHA DE NOTÍCIAS

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

TWITTER

FACEBOOK

Premier League Brasil

Siga-nos nas redes sociais

Popular Posts

Quem sou eu

CLASSIFICAÇÃO

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Os novos mantos esmeraldinos

Foram dias angustiantes de espera da torcida esmeraldina pelas novas camisas do clube para essa temporada que promete ser sensacional, mas nessa sexta-feira (29), em um evento particular organizado pela diretoria do clube, foram apresentados os novos mantos produzidos pela Dry World, marca canadense que chegou recentemente no futebol brasileiro.

Goiás lança seus novos uniformes para 2016.
Foto: goiasec.com,br
Depois de um ano desastroso com a Kappa, hoje podemos ver um uniforme com a cara do time: incrível. A Dry World parece ter mostrado que irá se empenhar com os clubes que fornecer no Brasil, e essa camisa do Goiás tem tudo para ser uma das mais épicas da história do clube.

Achei a camisa principal (verde) muito bem detalhada e com um ótimo estilo "dégradé", além de ter mostrado a simplicidade na camisa. Sem invenções de desenhos esquisitos. As mangas também mostraram detalhes agradáveis. Já a segunda camisa (branca) não me deixou muito contente por conta da faixa "cinza morto", porém, a gola ficou muito bonita e achei que lembrou muito os uniformes da torcida organizada, o que pode chamar a atenção.

O que me chateou, porém, alguns gostaram, foi à retirada das duas estrelas das camisas que representam os dois títulos do Brasileirão Série B (1999/2012) conquistados pelo Goiás. Aquilo tinha uma significância para os torcedores que viveram esses anos gloriosos do Verdão, e por mais que seja um título de segunda divisão, ainda era um título e com certeza, foram grandes temporadas. Não vejo outro motivo para tirar aquelas duas estrelas há não ser que ganhemos um título maior, como a Copa do Brasil, por exemplo.

Parabéns pela Dry World pela dedicação e respeito nas camisas do Goiás e esperamos que o clube seja muito feliz nesse ano. E que ano que vem, tenhamos camisas para disputar a Série A do Brasileirão.

Wagner Oliveira || @wagneroliveiraf
Linha de Fundo || @linhadefuundo

Guia do Pernambucano 2016: O campeonato mais animado do Brasil

O Campeonato Pernambucano 2016 começou no dia 10 de Janeiro e ele não oferece risco de rebaixamento a Sport, Santa Cruz e Salgueiro (representantes do estado na Copa do Nordeste), além do Náutico. Bizarrices à parte, a entrada do ‘trio de ferro’, mais o Salgueiro, marca o início desta competição de fato.

Antes, oito clubes do interior jogaram entre si por duas vagas. América e Central, os dois classificados, se juntam ao quarteto para a disputa do hexagonal do título. Mesmo fora da Copa do Nordeste, o Náutico foi ‘dispensado’ do primeiro turno do campeonato devido ao curto intervalo entre o fim da Série B e o início do estadual. Os seis clubes que não conseguiram uma vaga no hexagonal do título vão jogar o hexagonal do rebaixamento, sendo os dois últimos caindo para a Série A2 do Pernambucano.

Voltando a falar do hexagonal do título, já de cara teremos um clássico na primeira rodada (fato que se repete desde o ano passado quando ocorreu Santa Cruz x Sport). E graças a Federação Pernambucana teremos Náutico x Santa Cruz numa segunda-feira (01) às 20h30min na Arena Pernambuco (clássico estava marcado para o dia 31 e mudança desagradou a todos). Além do clássico Salgueiro recebe o Sport no estádio Cornélio de Barros às 16h (horário local) no dia 31. Completando a rodada, o América joga em casa no estádio Ademir Cunha contra o Central às 16h também na segunda-feira.

Bora lá conhecer os postulantes ao título do Pernambucano 2016!

AMÉRICA


Mequinha querido segundo time de qualquer torcedor pernambucano, o dono de seis títulos do estado vai disputar a taça novamente junto com o trio de ferro, a Patativa e o Carará, além disso, teremos o Todo Poderoso Mequinha no Brasileirão Série D (tá bom pra você? Pra mim está ótimo). E para você meu caro leitor que não sabe, mas o América quase perdeu a sua sede no início do ano passado. Sim o patrimônio do clube foi a leilão por causa de dividas trabalhista, mas os deuses do futebol não deixaram isso acontecer e o Mequinha retomou o que era seu por direito.

A base do elenco é formada pela equipe vice-campeão do Pernambucano Sub20. Até o momento, o técnico Charles Muniz, campeão estadual pelo Náutico em 89 e pelo Santa em 93, conta com 21 jogadores, a maioria deles desconhecidos do grande público, tirando um nome. O dono da frase: “A mesma mão que aplaude, é a mesma mão que vaia”, é o trunfo do Periquito pernambucano, não sabe de quem é o dono dessa frase mitológica? O dono dessa frase é nada mais nada menos que Carlinhos Bala, sim ele mesmo que já passou pelo trio de ferro, já conquistou a Copa do Brasil pelo Sport e teve uma passagem pelo Cruzeiro é o grande nome do clube para esse hexagonal do título.

Time base: Delone, Ricardinho, Danilo Cirqueira, Yuri, Jair; Gláuber, Danyel, Jean, Alex Gaibú; Jackson, Carlinhos Bala.

Peça-chave: Considerado “Rei de Pernambuco” por faturar títulos com Sport e Santa além de acessos com o trio de ferro, o atacante Carlinhos Bala dispensa comentários seja em campo ou fora dele. É figura na certa.

CENTRAL


A quinta força do estado chega para mais um hexagonal do título, no Pernambucano do ano passado o clube terminou o campeonato na 4° colocação e quase se classificou para a Copa do Nordeste 2016, mas nem tudo foi tristeza já que a meta da Patativa era o Brasileirão Série D, mas infelizmente o clube foi eliminado para o Lajeadense/RS.

Esse ano o Central acertou a contratação do experiente atacante Araújo, de 38 anos, ex-Goiás, Fluminense, Cruzeiro, entre outras equipes, e que é natural de Caruaru. Nome de peso também tem o novo lateral-direito: José Wilker, que estava no Queimadense-PB. O técnico será Flavio Barros, mais conhecido no futebol alagoano, em que foi campeão estadual por ASA, CSA e Coruripe.

E surtiu efeito, a experiência do atacante Araújo classificou o time na primeira colocação do Grupo A para o hexagonal do título e consequentemente para a Série D do Brasileirão deste ano. Jogador inclusive anotou três dos oito gols marcados pelo clube nessa primeira fase do Pernambucano.

Time base: Juninho, Gustavo, Márcio, Vinícius, Sadrak; Charles Vagner, Moisés, Daniel, Candinho; Índio, Araújo.

Peça-chave: Acho que dispensa apresentação o atacante Araújo, hoje capitão da Patativa, o atacante de 38 anos é a esperança de gols junto com o meia-atacante Candinho que no Pernambucano 2015 fez um bom campeonato.

NÁUTICO


O Timbu chega para esse campeonato com o grande peso de não conquistar um título pernambucano desde 2004, é isso mesmo, 11 anos sem levantar um troféu. O ano de 2015 para o torcedor alvirrubro foi para esquecer principalmente no estadual na última colocação do hexagonal do título, ficando atrás até do modesto Serra Talhada (quem diria!?) e consequentemente o clube não se classificou para o Nordestão desse ano. Na Série B, o time chegou a liderar a competição só que o gás foi acabando e bateu na trave terminando na 5° colocação a dois pontos do último que conseguiu o acesso para a elite, América/MG.

Ano de 2015 foi terrível, mas o grande trunfo do Náutico foi à manutenção da defesa que foi sólida durante toda a Série B de 2015. A trinca de zagueiros Ronaldo Alves, Fabiano Eller e Rafael Pereira - este último improvisado na lateral direita - não foi vazada nos amistosos contra o Botafogo-PB. Na referência do ataque, Thiago Santana (ex-Figueirense) tem sido preferido com relação a Daniel Morais. O grande desafio fica no meio de campo. Nesta primeira fase de testes, Elicarlos (ex-Chapecoense, retornando de empréstimo), Eduardinho, Roni (ex-Cruzeiro), Renan Oliveira (ex-Atlético/MG) e Bérgson têm montado um esquema no 4-1-4-1, que deve ser usado no clássico contra o Santa Cruz - no qual o Timbu não conta com Júlio César, suspenso.

Além dos reforços citados acima (Thiago Santana, Eduardinho, Roni, Renan Oliveira), o Náutico contratou os volantes Fernando Pires (ex-Central), Rodrigo Souza (ex-Cruzeiro), Rafael Ratão (ex-Ponte Preta), Walber (ex-América/MG) e Esquerdinha (ex-Coritiba).

Time base: Júlio César, Rafael Pereira, Ronaldo Alves, Fabiano Eller, Gáston Filgueira; Rodrigo Souza, Elicarlos, Roni, Renan Oliveira; Bérgson, Thiago Santana.


Peças-chave: Desde que chegou ao Náutico em 2014, o ex-goleiro do Corinthians, Júlio César se tornou ídolo pela torcida do Náutico com suas defesas e a torcida alvirrubra espera que o mesmo continue com seus grandes feitos. O que falar sobre Elicarlos que desde 2006 defende as cores do Náutico, e mesmo tendo uma passagem pelo Cruzeiro e Chapecoense, o volante de 30 anos voltou para “sua casa” para defender o Timbu em mais uma temporada. Chegou durante a Série B do ano passado, mas já mostrou para a torcida que gosta de fazer gols e é com o atacante Bérgson a esperança de gols da torcida do Náutico.

SALGUEIRO


No Pernambucano 2015, o Salgueiro conseguiu a marca histórica de conseguir o vice-campeonato quando perdeu a final para o Santa Cruz por 1x0; Fato que não abalou muito o Carcará do Sertão, que chegou para a disputa da Série C mostrando que é cabra macho só que infelizmente terminou a primeira fase a um passo da Série D quando terminou na 8° colocação com 19 pontos.

Mas nada como um ano novo para renovar as esperanças do torcedor, Salgueiro que além do Pernambucano vai disputar a Copa do Nordeste trouxe de volta o técnico Sérgio China, além disso, o lateral-esquerdo Marlon que estava emprestado para o Santa Cruz e o volante Clebinho que estava no Palmeiras também retornam para o Carcará. E perdeu o zagueiro Joadson para o Campinense/PB e os meias Anderson Paraíba para o Novo Hamburgo/RS e Fagner para o Mirassol/SP. Quem permanece no Salgueiro, mas pode desfalcar o time no início da temporada é o volante Vitor Caicó, além do atacante Anderson Lessa.

Clube também se movimentou e trouxe reforços como os volantes Matheus Rosa (revelado pelo Sport e estava na base do Atlético/MG), Jaildo (ex-ASA) e Nilson (revelado pelo Náutico), o zagueiro Maurício (ex-América/PE e Icasa), o atacante John (também revelado pelo Náutico) e o lateral-esquerdo Lucas Piauí, que é cria da base do Náutico.

Time base: Luciano, Marcos Tamandaré, Ranieri, Rogério, Marlon; Rodolfo Potiguar, Moreilândia, Cássio Ortega, Piauí; Anderson Lessa, Jeferson Berguer.


Peças-chave: Desde 2005 no clube, o goleiro Luciano chega a sua 11° temporada pelo clube sertanejo. O arqueiro de 32 anos é o jogador mais antigo no clube para essa temporada 2016 e foi considerado o melhor goleiro do campeonato 2015. Cão de guarda do Salgueiro, o volante Vitor Caicó é outra peça fundamental do clube só que infelizmente ele não participará do Pernambucano 2016 por conta que o jogador rompeu os ligamentos do joelho esquerdo e só retornará aos gramados no Brasileirão da Série C, mesmo assim fica a menção honrosa para esse bom volante. Esperança do gol Carcará o atacante Anderson Lessa, que teve passagens pelo Náutico e Cruzeiro, chegou ao Salgueiro no ano passado marcando nove gols em 26 jogos.

SANTA CRUZ


Atual campeão Pernambucano e recentemente conseguiu acesso para a Série A do Brasileirão, o Santa Cruz manteve a base do vice-campeonato da Série B 2015. Prova disso é que todo o time que começou jogando nos amistosos esteve presente na temporada passada ou para alguns no meio da temporada (Campeonato Brasileiro Série B). O único setor que sofreu mudanças foi o ataque, isso porque o atacante Luisinho trocou o Tricolor Pernambucano para o Tricolor Baiano (Bahia) e reforçou com os atacantes Keno (ex-Ponte Preta, mas já passou pelo Santa), Wallyson (ex-Cruzeiro, ABC), Arthur (ex-Atlétigo/GO) e Ítalo (veio da base do Coritiba). Ambos vão disputar uma vaga no time para ser o companheiro do experiente Grafite. Além disso, o Santinha renovou com o ‘coringa’ do time Bruno Moraes.

O 'grande reforço' do setor de criação foram as renovações dos meias Daniel Costa e João Paulo, já que são considerados peças fundamentais do Tricolor e ainda assim trouxe o volante Dedé (ex-Chapecoense e ABC, que igualmente a Keno já passou pelo Arruda) e o meia Pedrinho Botelho (ex-Operário/PR).

Para o setor defensivo a cobra coral se reforçou com o goleiro Edson Kölln (ex-Luverdense), os laterais Lucas Ramon (ex-Grêmio) e Tiago Costa, que vai para sua terceira passagem pelo Tricolor do Arruda. E com todos esses reforços a grande ‘dor de cabeça’ do técnico Marcelo Martelotte deve ficar na defesa, que sofreu durante a Série B e como viram ainda não teve grandes reforços e segue com Vitor, Alemão, Danny Morais e Allan Vieira.

Time base: Tiago Cardoso, Vitor, Alemão, Danny Morais, Allan Vieira; Wellington Cézar, Daniel Costa, João Paulo; Lelê, Wallyson, Grafite.


Peças-chave: No clube desde 2011, o goleiro de 31 anos, Tiago Cardoso é chave no setor defensivo do Tricolor pernambucano. Arqueiro participou de todos os acessos do clube desde a Série D até a Série A, chega a sua sexta temporada vestindo a camisa 1. No setor de criação um clube precisa de um camisa 10 para armar as jogadas para culminar em gols e foi isso que o meia João Paulo fez em sua primeira temporada vestindo a camisa tricolor, agradando dirigentes, técnico e a torcida. Contratado pelo clube em 2001, o atacante Edinaldo Batista mais conhecido como Grafite é a esperança de gols do Santinha. Jogador que passou por clubes como São Paulo, Wolfsburg e Al Ahli (Emirados Árabes), o atacante retornou ao Arruda da temporada passada após 13 anos e em 15 jogos pela Série B marcou 7 gols e olhe que ele já marcou em 2016 num amistoso contra o Flamengo.

SPORT


Terceiro colocado no Campeonato Pernambucano 2015, a torcida do Sport que é acostumada a ser campeão não teve muito que vibrar no primeiro semestre do ano passado, já foi eliminado na Copa do Nordeste para o Bahia e nas semifinais do Pernambucano para o Salgueiro. Esperanças renovadas após fazer uma boa Série A ao terminar na 6° colocação se juntando ao Vitória como melhor Nordestino na elite do futebol nacional.

O Leão da Ilha perdeu peças fundamentais daquele time como os meias Diego Souza (que foi para o Fluminense) e Marlone (Corinthians), o atacante André (retornou para o Atlético/MG); E nomes que a torcida esperava contar para essa temporada como o volante Wendel (Goiás), Hernane (Bahia) e o meia Régis (emprestado para o Palmeiras), além disso o lateral Danilo retornou para o América/MG, o volante Ferrugem retornou para a Ponte Preta e os atacantes Mike e Samuel também retornaram para seus respectivos clubes (Inter e Fluminense).

Com isso, o rubro-negro pernambucano foi para o mercado e contratou de primeira o lateral Christiano (ex-Vasco), volante Serginho (ex-Vasco), zagueiro Luis Gustavo (ex-Bragantino) e o atacante Túlio de Melo (ex-Chapecoense), pacote esse que não agradou a tão exigente torcida leonina. Em seguida vieram os pacotes que animaram a torcida como o lateral-direito Maicon (ex-Livorno/ITA), o zagueiro Oswaldo Henríquez (ex-Milonários), o meia chileno Mark González (ex-Liverpool e Universidad Católica), o meia-atacante colombiano Reinaldo Lenis (ex-Argentinos Jrs) e o atacante Jhonathan Goiano (ex-Daegu/KOR), além de contar com o retorno de empréstimo do prata da casa Everton Felipe. Além dos contratados, a permanência do lateral-esquerdo Renê e do volante Rithely que foram alvos de clubes como Cruzeiro, São Paulo, Palmeiras e Fluminense foi considerado como grandes reforços.

E os novos contratados animaram a torcida, principalmente os meias Everton Felipe e Reinaldo Lenis, além do atacante Túlio de Melo, no amistoso no qual o Sport bateu o Argentinos Juniors por 2x0 faturando a taça Ariano Suassuana.

Time base: Danilo Fernandes, Samuel Xavier, Matheus Ferraz, Durval, Renê; Serginho, Rithely, Mark González, Everton Felipe, Reinaldo Lenis; Túlio de Melo.


Peças-chave: Substituir o maior ídolo rubro-negro Magrão, não é coisa fácil, mas Danilo Fernandes está fazendo como se fosse. Desde a lesão do camisa 1 rubro-negro na 3° rodada do campeonato brasileiro, o camisa 12 entrou e entrou muito bem no gol do Sport com grandes defesas durante toda a Série A que despertou desejos de clubes do sul. Mas felizmente para a torcida rubro-negra, o ‘Tim Howard’ da Ilha segue no reduto rubro-negro e agora disputa vaga com o goleiro Magrão. Outro nome importante desse elenco do Sport é o volante Rithely (quem diria!?), volante esse que chegou ao Sport em 2011 não agradou muito a torcida e como tem aquele ditado: “O mundo dá voltas”, pois é o mundo deu voltas e hoje o volante de 25 anos é peça crucial do Leão e esteve prestes a sair desde o ano passado quando os chineses (sempre eles) queriam levar o camisa 21, ele ficou e esse ano o Sport viu os olhos do Palmeiras e Fluminense se abrirem querendo o volante; Tudo em vão e Rithely continua na Ilha. A esperança de gols para essa temporada fica com o atacante Túlio de Melo que chega para substituir o atacante André que passou pelo Sport e já está deixando saudades, qualidade o centroavante 30 anos tem e já mostrou isso no amistoso marcando no amistoso contra o Argentinos Juniors.


Apresentados os clubes que vão disputar o Pernambucano 2016, agora façam suas apostas de quem vai faturar e que comece campeonato mais animado do Brasil!

Por || Fernando Junior ||

América-MG 1x0 Figueirense: Mais do mesmo de 2015

Fraco, chato, irritante. Assim foi a primeira partida do Figueirense em 2016, válida pela estreia da Primeira Liga, e que terminou com o placar de 1x0 para o América-MG.


O Figueirense já vinha com vários desfalques para esse jogo por conta de jogadores lesionados e ainda não regularizados. Se o time é bem mais ou menos quando está completo, imagina quando não está. O América-MG começou bem melhor na partida e essa foi à tônica dos noventa minutos, já que a equipe foi levando perigo ao gol de Junior Oliveira e envolvendo o Figueira no toque de bola.

O único lance interessante da partida foi o gol. Após cruzamento de Rafael Bastos, a famigerada 'lei do ex' bateu literalmente na trave. No rebote, Sávio só teve o trabalho de pôr a bola pra dentro.

Foi um tanto quanto vergonhoso ver o Figueirense jogando um futebol tão abaixo do nível esperado, mesmo tendo mantido uma base do time de 2015. Junior Oliveira me pareceu nervoso, mas não comprometeu; a zaga foi tranquila; no meio, Jackson Caucaia desaparecido, França idem e Yago tentou, mas nada conseguiu; no ataque não tenho nada a dizer porque a bola não chegou, mas o Elias não dá mais.

Queria também deixar registrado aqui a falta de coragem do técnico Hudson Coutinho. Com todo respeito ao adversário, mas não se pode jogar contra o América-MG com três volantes e um meia que a função nunca foi armar jogada. Está bem, não tinha opções pro meio. Então que tire um volante e coloque outro atacante. Contra time menor, tem que jogar pra frente. Se contra os times menores é assim, tenho medo de como vai ser quando jogarmos com os times maiores.

Ficha Técnica - América-MG 1x0 Figueirense

Data: 28 de janeiro de 2016 (quinta-feira)
Horário: 19h30 (horário de Brasília)
Local: Arena Independência
Arbitragem: Arilson Bispo da Anunciação (BA); Julio Cesar Rodrigues (ES); Julio Cesar Espinosa (ES)
Gol: Sávio

América-MG: João Ricardo, Jonas, Alisson, Sueliton, Danilo (Bryan); Claudinei, Leandro Guerreiro (Ernandes), Rafael Bastos; Toni, Osman, Sávio (Maranhão) | Técnico: Givanildo Oliveira

Figueirense: Junior Oliveira, Leandro Silva, Marquinhos, Bruno Alves, Marquinhos Pedroso; Dener (Bruno Dybal), Jackson Caucaia, França (Gustavo Ermel), Yago (Elias); Clayton, Dudu | Técnico: Hudson Coutinho

Patrick Silva | @figueiradepre

Reservas, pênalti perdido e gosto amargo: a estreia do Grêmio na Primeira Liga

Estreando na Primeira Liga, Avaí e Grêmio duelaram em Chapecó e saíram de campo com um empate pelo placar de 2 a 2, que, pelas circunstâncias do jogo, teve gostinho de derrota para os tricolores. Edinho e Bressan marcaram pelo Grêmio e deixaram o time, por duas vezes, em vantagem. Contudo, erros grotescos dos gaúchos em lances decisivos marcaram o confronto e, como diz o ditado: quem não faz leva. Willian e Gabriel balançaram a rede pelo Leão e, em dois momentos, empataram o jogo.

Foto: Márcio Cunha
O Avaí reformulou o grupo de jogadores após o rebaixamento para a segunda divisão e, atualmente, passa por uma séria crise financeira, estando jogadores e demais funcionais com salários atrasados. Essa semana, inclusive, parte dos funcionários paralisou suas atividades e protestou contra a direção da equipe. Os jogadores, no entanto, fazem o possível para fugir das preocupações financeiras e vêm mantendo o foco somente na partida.

Já o Grêmio, um dos clubes mais engajados na luta para que a Primeira Liga saísse do papel, foi a campo com o time reserva – com exceção do goleiro Marcelo Grohe – mesclando experiência e juventude. Com isso, o técnico Roger Machado visa dar ritmo de jogo a todos os atletas do plantel e, assim, observar sua desenvoltura, já que o calendário gremista nesse início de ano está repleto de compromissos: Primeira Liga, Gauchão e Libertadores.

Apesar do mando de campo ser do Avaí, quem contou com o apoio maciço da torcida foi o tricolor gaúcho, isso porque o estádio do Leão passa por reformas e este optou por realizar a partida na Arena Condá – estádio da Chapecoense – no oeste de Santa Catarina, região onde a torcida gremista é extremamente numerosa. E o torcedor, já no primeiro minuto de jogo, pôde comemorar. Edinho, após assistência de Pedro Rocha, chutou forte e abriu o placar. Aos 12 minutos, o Grêmio quase ampliou com Lincolm, em cobrança de falta. Aos 18’, a primeira chance dos mandantes, em arremate de Rômulo.

Como fez o gol muito cedo, o Grêmio não se preocupou em impor um ritmo intenso de jogo e viu o adversário chegar, por diversas vezes, na primeira etapa. Contudo, não chegou a trazer perigo a meta defendida por Grohe, devido a evidente falta de qualidade. Assim, mesmo sem suas características habituais e abusando de lançamentos longos, os comandados de Roger só tiveram o trabalho de controlar a partida até o intervalo.


Foto: Sirli Freitas
Por muito pouco, a segunda etapa não começou da mesma maneira que a primeira. Não fosse a indecisão de Bobô, que preferiu recuar a bola a tentar o arremate, o Tricolor teria ampliado a vantagem já no primeiro minuto da etapa complementar. Cinco minutos mais tarde, veio o castigo. Willian Batoré finalizou, sem chances para o goleiro Marcelo Grohe, e empatou a partida. Aos oito minutos, mais uma preocupação: o volante Ramiro torceu o tornozelo e precisou ser substituído, gerando grande apreensão no torcedor.

O talento de Lincolm e o oportunismo de Bressan colocaram o Grêmio novamente na frente do marcador aos 16 minutos. Após cruzamento do garoto, o zagueiro apareceu livre para marcar. Pedro Rocha, que pareceu não admitir que Bobô fosse o único a perder um gol feito, resolveu imitar o companheiro de ataque e, aos 22 minutos, cara a cara com o goleiro, deixou de liquidar a partida. A partir de então, o Avaí cresceu na partida e passou tentar o empate através de chutes de fora da área. Entretanto, aos 38 minutos, o Grêmio esteve, mais uma vez, muito próximo de dar números finais ao jogo. Lincolm sofreu pênalti e o incumbido da cobrança foi Bobô, que cobrou no canto esquerdo, para defesa fácil do goleiro Renan. Tal e qual o primeiro lance da etapa complementar, o Avaí castigou. Aos 42 minutos, veio o empate catarinense com o zagueiro Gabriel. Avaí 2 a 2 Grêmio.


Foto: Sirli Freitas
Para quem vê o resultado da partida, sem saber como ela realmente foi, pode considerar um empate fora de casa, conquistado pelo time reserva, um grande resultado. Porém, quem acompanhou o jogo sabe que as circunstâncias permitiam mais. Desde o primeiro minuto, o único trabalho que a equipe gremista precisou fazer foi administrar o jogo e não conseguiu cumprir a tarefa. Teve, ainda, três chances claríssimas de matar de vez a partida e foi ineficiente. Não é nada alarmante, pelo contrário, não se pode exigir um futebol primoroso do time reserva. O confronto serviu para que o treinador Roger pudesse observar melhor suas peças de reposição e, pelo que foi visto, a chegada de mais um atacante é necessária, já que Pedro Rocha e Bobô – a rigor, os dois reservas imediatos –, não conseguiram fazer o que se esperava deles em lances capitais.

Nem tudo, porém, foi negativo. O jovem meia Lincolm teve ótima partida e mostrou uma técnica incrível, além de bola parada com extrema qualidade, como foi no cruzamento para o gol de Bressan, onde parecia que o jogador conduziu a bola com as mãos.


Foto: Sirli Freitas
Segue tudo igual no grupo B da Primeira Liga. Assim como Avaí e Grêmio, Coritiba e Internacional, que duelaram na quarta-feira, também terminaram empatados e conquistaram um ponto, coma diferença de que não marcaram nenhum gol, o que dá vantagem para o Leão e o Tricolor.

O Grêmio volta a campo no domingo, às 17h, contra o Brasil de Pelotas, no estádio Centenário, em partida válida pelo Gauchão. O próximo compromisso do Tricolor pela Primeira Liga será no dia 7 de fevereiro, na Arena, contra o Coritiba. Já o Avaí encara o Criciúma, jogando pelo Catarinense, também no domingo às 17h. Pela Primeira Liga, o próximo duelo do Leão será contra o Internacional, no dia 17 de fevereiro, no Beira-Rio.

FICHA TÉCNICA:
AVAÍ: Renan; Renato, Henrique, Gabriel e Paulinho; João Filipe (Braga), Caio César (Lucas Chapecó), Diego Jardel e Rômulo; Lucas Fernandes (Tauã) e William. Técnico: Raul Cabral.

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Wesley, Rafael Thyere, Bressan e Marcelo Hermes; Edinho, Moisés, Ramiro (Fernandinho) e Lincoln; Pedro Rocha (Tilica) e Bobô. Técnico: Roger Machado.

ARBITRAGEM: Erick Giovanni Fernandes;
AUXILIARES: Marcyano Pires de Lima e Leandro Salvador Silva.
GOLS: Willian e Gabriel (AVA); Edinho e Bressan (GRE).
CARTÕES AMARELOS: Henrique e Paulinho (AVA); Bobô e Moisés (GRE).
PÚBLICO: 2704 pessoas.

Janaína Wille | @janainawille

O Zidane das Alagoas

Matheus Galdezani, de 23 anos, joga de segundo volante chegou para ser uma opção para o concorrido meio-campo do Galo. Chegou ao CRB através do Sport, em apenas duas partidas no Campeonato Alagoano, mostrou ser um volante com boa qualidade na saída de bola para o ataque.

Ao lado de Olívio, é uma das grandes apostas para o meio de campo do CRB no ano de 2016, contra o Murici no Rei Pelé, jogou como um falso meia armador, mas voltando para marcar muito bem. Contra o ASA, ajudou na vitória com duas assistências para Luiz Fernando e Lúcio Maranhão.


Ele tem agora a maior chance de sua carreira profissional. Não foi bem aproveitado no Sport, e agora pode jogar uma Série B pelo CRB. As expectativas para Galdezani ou "Galzidane", são ótimas, ganhou até apelido de jogador famoso francês. Mas para ser titular no Galo, precisa concorrer diretamente com Rivaldo, Somália e Glaydson Almeida, os dos últimos fizeram uma temporada bem regular pelo CRB em 2015.

Segue abaixo a ficha técnica do atleta:

Nome: Matheus Galdezani
Naturalidade: Limeira - São Paulo
Data de nascimento: 13/02/1992 (23 anos)
preferencial: Destro
Peso: 73kg
Posição: Meia (Volante)

Clubes:
Desportiva Brasil-SP (2010-2011)
Paulista-SP (2012-2013-2014)
Juventude (2014)
Rio Claro-SP (2015)
Sport Recife (2015)
CRB (2016-)

Com gol chorado de Valderrama, Sampaio vence a segunda

As mudanças foram muitas desde o término da Série B, mas a falta de entrosamento não tem sido empecilho para o Sampaio Corrêa neste começo de estadual. Nesta quarta, o Tubarão venceu o São José por 1x0 e manteve o 100% de aproveitamento no ano.

O time do interior ajudou bastante no jogo desta quarta: limitando-se a uma forte retranca e muito chutão nos primeiros quarenta e cinco minutos, o jogo virou um verdadeiro treino de ataque contra a defesa para a Bolívia Querida.

É verdade que o São José armou uma boa retranca: foram poucas chances de gol no primeiro tempo com muitas faltas e disputas no meio-campo. Quem tentou algo foi o meia Fernando Santos com chutes de fora da área. Edgar teve boa chance no final da etapa inicial, mas acabou desperdiçando.

Valderrama marcou o gol da vitória Tricolor (Foto: Elias Auê)
Valderrama marcou o único gol do jogo.
(Foto: Sampaio Corrêa)
Depois do intervalo o Sampaio intensificou a marcação no campo de ataque e não demorou a furar o bloqueio rival. Aos sete minutos, Fernando Santos bateu falta com perigo e o goleiro rebateu nos pés de Valderrama. O cabeludo meia tricolor não perdeu e fez o único gol do jogo.

Mesmo atrás no placar, o São José continuou atrás esperando uma falha para empatar. O Tubarão manteve posse de bola, mas seguiu com dificuldades para marcar o segundo mesmo com algumas chances boas. Ainda deu tempo para um abafa do time visitante, mas sem levar perigo ao gol de Jean.

Se não foram dois grandes jogos, as partidas serviram para mostrar que Fernando Santos tem boa condição de substituir Nadson ao longo desse ano. A defesa tem sido sólida, mas ainda não teve um grande teste. O clássico contra o Moto Club na próxima rodada pode ser uma boa oportunidade para confirmar a solidez defensiva.
←  Anterior Proxima  → Inicio

Inscreva-se no canal LFTV

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Mais lidas da semana