A SUA LINHA DE NOTÍCIAS

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

TWITTER

FACEBOOK

Premier League Brasil

Siga-nos nas redes sociais

Popular Posts

Quem sou eu

CLASSIFICAÇÃO

sábado, 6 de fevereiro de 2016

Lusa vence a primeira em busca da 1ª divisão Paulista

Bruno Nunes fez o primeiro gol da Lusa na vitória sobre o Paulista. (Foto:Divulgação/Portuguesa)

A Portuguesa conquistou neste sábado sua primeira vitória na Série A2 do Campeonato Paulista, no estádio Jayme Cintra, em Jundiaí. A Lusa venceu os donos da casa pelo placar de 2 a 1, com gols de Bruno Nunes e Diego Gonçalves, e Rodrigo Arroz marcou pelos mandantes. O jogo foi marcado pela forte chuva que caiu no interior paulista. O time de Jundiaí, somou a segunda derrota dentro de seus domínios.

Após a demissão do técnico Estevam Soares e de resultados que não foram a vitória nas primeiras partidas, a Portuguesa foi até Jundiaí com um único objetivo: conquistar os três pontos. E conseguiu, sob o comando do interino Felipe Lucena. A Lusa se mostrou um time muito mais criativo e muito mais atento na marcação, jogando também com mais volume do que nos dois primeiros compromissos. ( 0x0 Barretos; 0x1 Juventus)

As entradas de Bruno Nunes, finalmente regularizado, no lugar de Dominic, barrado para este jogo devido às críticas da torcida, além de Diego Gonçalves no lugar de Boquita, surtiram efeito. A Portuguesa conseguia construir jogadas que levavam real perigo ao gol adversário e finalmente vimos em Bruno Nunes o que não pudemos ver em Dominic, um centro-avante que conseguia dominar a bola e finalizar com precisão. Já Diego Gonçalves pelos flancos do campo, conseguia levar o jogo para a linha de fundo, realizar jogadas individuais e chamar a marcação para si, diferente da insistência de Estevam, com Boquita, que fora de forma, mal conseguia correr. Tanto é, que as duas novidades no onze inicial lusitano foram os responsáveis pelos dois gols rubro-verdes na partida.

O JOGO

O jogo começou bem equilibrado, ambos os times buscavam o ataque. O Paulista quase chegou bem em duas investidas de Alan Bahia e Branquinho, mas ambas foram fora do alvo. A Portuguesa então teve sua chance e não desperdiçou, aos 16 minutos da etapa inicial Digão fez a jogada pela direita na linha de fundo, cruzou para Bruno Nunes amortecer no peito e bater na saída do goleiro Ian. 1 a 0 Lusa.

Após o gol, uma forte tempestade caiu na cidade de Jundiaí, o campo ficou pesado, raios caíam ao redor do estádio. Mesmo assim, Paulista e Portuguesa continuavam o embate, agora a Lusa em vantagem segurava o jogo, ficava com a posse e aproveitava a hora certa de matar o jogo. E assim foi até o fim do primeiro tempo, o time de Jundiaí com mais posse, porém sem conseguir executar finalizações e a Lusa cozinhando o jogo.

No segundo tempo, a Portuguesa voltou ainda com mais vontade de vencer, logo aos seis minutos, Moacir lançou Diego Gonçalves na esquerda, o atacante livre apenas teve o trabalho de escolher o canto e bater na saída do goleiro. 2 a 0 Portuguesa.

A Portuguesa em vantagem, foi segurar o placar porém o Paulista não conseguia dar sustos. A Lusa apresentava uma defesa compacta e conseguiu segurar até o fim, aos 48 minutos da etapa final quando o árbitro viu pênalti, que para mim não existiu de Luan Peres em Erik Mamadeira. Rodrigo Arroz cobrou e converteu, mas já não havia tempo pra mais nada.

FICHA TÉCNICA

PAULISTA:

Ian; Branquinho (Felipe Piovesan), Rodrigo Arroz, Rafael Fefo e Cléber;
Alan Bahia, Ramalho, Arthur e Erik Mamadeira; Tony (Muller) e Jader (Edinho).
Téc.: Beto Cavalcante

PORTUGUESA

Douglas; Digão, Talis, Ferdinando e Luan Peres; Renan, Milton Jr., Matheus (Caíque) e Moacir (Natan); Diego Gonçalves e Bruno Nunes (Marcelo Labarthe).
Téc.: Felipe Lucena

A superação colchonera

Festa completa no Vicente Calderón. A vitória por 3 a 1 no Eibar, foi o que time precisava pra voltar a ter àquela confiança de antes. Giménez, Saúl e Fernando Torres foram os autores dos gols do Atlético, Keko fez o único gol da equipe Vasca.

Saúl da a volta por cima contra Eibar
Foto: www.marca.com
O jogo:

Sem dúvida os torcedores colchoneros esperavam uma vitória, mas foram ao estádio com intenção de incentivar e apoiar o time. A fase não era tão boa, a eliminação na Copa del Rey pro Celta e a derrota para o Barcelona no Campeonato Espanhol acendeu uma pequena desconfiança no trabalho de Simeone. 

A partida não foi tão fácil assim, no primeiro tempo o Atlético dominou a maior parte, mas não conseguia chutar a gol. Já pelo outro lado, o Eibar se defendia muito bem e tentava jogar no erro do Atlético de Madrid. O tempo passava e a ansiedade batia nos jogadores, erros de passes fáceis começaram aparecer com mais frequência, e o pesadelo começou no primeiro minuto do segundo tempo, depois de um erro gravíssimo do jogador Saúl. O erro individual colocou preocupação no treinador que logo depois do gol mandou dois jogadores para o aquecimento Vietto e Óliver Torres.

Mesmo depois do golpe, a torcida colchonera não decepcionou e cantou mais alto, apoiando o time até o final. Diego Simeone viu que tinha que fazer alguma mudança e colocou Óliver Torres ao 59 minutos e Vietto aos 60 minutos. 

Com as entradas dos dois jogadores, o jogo mudaria por completo, Óliver Torres fez uma das melhores atuações no profissional. O empate só veio aos 56 minutos com Giménez depois de uma bela cabeciada sem chance para o goleiro.

Logo após o gol de empate, o Atlético foi pra cima do Eibar como se não existisse o amanhã, chutes de todos os lados, uma pressão foi imposta pela torcida do Atlético e a recompensa disso tudo chegou aos sete minutos depois do empate. A torcida foi ao delírio com o gol de Saúl, foi como um pedido de desculpa do jogador para a torcida colchonera pelo o erro gravíssimo no gol do Eibar.

Gol da virada do Atlético de Madrid
Foto: www.marca.com

O segundo gol do Atlético não só representou uma simples virada, mas sim representou uma luta e um desabafo por tudo que se estava vivendo o time nas últimas semanas, primeiro a eliminação na Copa, a queda de rendimento no Campeonato Espanhol e a derrota no clássico contra o Barcelona.

A festa ficou para o final. Fernando Torres entrou nos minutos finais para se consagrar. Aos 91 minutos, Torres conseguiu os 100º gol pelo Atlético. A alegria estava no ar! Há mais de três meses tentava completar a marca.

A vitória de hoje, sem dúvida, foi uma superação. O time estava mal por tudo, principalmente, pelas coisas ditas por muita gente nas últimas semanas. O próximo jogo do Atlético de Madrid será domingo (14), contra o Getafe.

Ficha Técnica:

Atlético de Madrid 3 x 1 Eibar
Gols: Keko(46 min), Giménez(56 min), Saúl(63 min), Fernando Torres(91 min)

Escalação:

Atlético de Madrid:
Oblak; Gámez, Giménez, Saúl, Lucas; Thomas (Óliver Torres), Gabi, Koke, Carrasco (Fernando Torres); Griezmann,Correa (Vietto).
Treinador: Diego Pablo Simeone.

Eibar:
Riesgo; Juncá, Dos Santos, Lillo, Capa; Dani García; Jota, Adrián (Radosevic), Escalante (Inui), Keko (Saúl Berjón); Sergi Enrich.
Treinador: José Luis Mendilibar.

Texto escrito por Alzemir Neto, colunista do Atlético de Madrid.

Twitter;

Alzemir Neto: @NeetoMoraes96
Linha de Fundo: @SiteLF





  


Criciúma vence Joinville e continua na segunda posição da tabela

Neste sábado o time do Criciúma enfrentou o Joinville pela terceira rodada do Campeonato Catarinense. O jogo aconteceu em Criciúma, onde a torcida compareceu e empurrou o Tigre para mais uma vitória.

O duelo das equipes é muito destacado no estado todo, durante anos houve um tabu de que o Criciúma nunca vencia o JEC, até que em 2013 o Tigre venceu o JEC por 3 a 0 e desde então o jogo virou, literalmente. Pelo Campeonato Catarinense, foram 148 confrontos sendo 49 vitórias carvoeiras, 52 empates e 47 vitórias do Joinville.
Ezequiel durante o jogo. (Fonte: Criciúma E.C)
O jogo iniciou com um Criciúma determinado e com garra. O Tigre possuia maior posse de bola e um bom domínio, porém as finalizações dos ataques eram mal sucedidas, problema que já vem sendo falado a muito tempo. O JEC aproveitava as falhas e investia em contra-ataques que acabavam sempre com a bola nas mãos do goleiro tricolor Luiz. Aos 32 minutos, em cobrança de escanteio, a bola desviou e sobrou para o atacante Bruno Lopes, que livre aproveitou para empurrar para dentro do gol. Após o gol, o time do Joinville começou a arriscar mais, porém a bola se negava a entrar e o primeiro tempo terminou com Criciúma 1x0 JEC.

No segundo tempo ambos os times jogaram com raça. O time do Criciúma pecou muito nas finalizações. Assim como no primeiro tempo, o Tigre possuia a maior posse de bola e melhor desempenho, porém não marcava e como quem não faz leva, aos 27 minutos o time do Joinville sofreu uma falta. Na cobrança da falta a bola foi para Bruno Aguiar que estava sem marcação e aproveitou para cabecear para o fundo do gol. Após tal lance, o time do Joinville começou a fazer corpo mole, paralisando várias vezes o jogo, fazendo com que pudessem segurar o empate. Foram tantas paralisações que o juiz deu seis minutos de acréscimo, o que favoreceu ao time da casa. Aos 52 minutos, faltando um minuto para o término da partida, Ezequiel, que teve um ótimo desempenho durante a partida, entrou pela direita na área e tentou cruzar, porém, a bola desviou no braço do zagueiro do JEC. Pênalti para o Tigre. Tal lance gerou muita polêmica e discussão, porém o juiz não voltou atrás. Élvis foi para a cobrança, bateu no lado direito e marcou para o alívio dos torcedores. Assim terminou o jogo, Criciúma 2x1 Joinville.
Élvis comemora segundo gol do Tigre. (Fonte: Criciúma E.C)

A torcida carvoeira se mostrou presente como em todo jogo e fez algumas provocações ao clube do JEC. Com um caixão nas cores preta e vermelha e uma boneca vestida de bailarina a torcida entrou cantando e provocando o adversário, que também compareceu ao jogo.

Torcida provoca rival. (Fonte: Rádio Difusora AM)
O próximo jogo do Tigre será nessa quarta-feira (10) em Lages, onde o Tigre enfrenta o Inter de Lages pela quarta rodada do Campeonato Catarinense. No momento o Tigre continua na segunda posição da tabela, atrás apenas da Chapecoense.

FICHA TÉCNICA PARA CRICIÚMA 2X1 JOINVILLE

Local: Estádio Heriberto Hulse. Criciúma, SC
Hora e data: 06/02 às 17h.
Público: 3.223
Arbitragem: Sandro Meira Ricci auxiliado por Nadine Schramm Camara e Alex Dos Santos.
  • Cartões amarelos: Raphael Silva e Douglas Moreira (Criciúma), Rafael Donato (Joinville).
  • Gols:  Bruno Lopes aos 32' e Élvis aos 52' (Criciúma), Bruno Aguiar aos 27' (Joinville).

Criciúma (2): Luiz, Ezequiel, Raphael Silva, Giaretta, Barreto, Marlon, Alex Santana (Jefferson), Douglas Moreira, Bruno Lopes (Gustavo), Élvis, W. Saci (Ricardinho).
Técnico do Tigre:  Roberto Cavalo.

Joinville (1): Jhonatan, E.Ratinho, B.Aguiar, Rafael Donato (Trípodi) e Diego, Danrlei, Anselmo, D.Felipe e Gustavo Sauer, Felipe Alves (Mário Sérgio) e Welinton Junior (Ítalo).
Técnico do JEC: PC Gusmão.


''A ÚNICA TORCIDA QUE APOIA É A BANDA DO SUL''


Letícia Figueredo
Linha de Fundo || @SiteLF




Pelo Paulistão e com show de Calleri, São Paulo goleia o Água Santa.

PRÉ-JOGO

Após o empate no Peru, na última quarta-feira, em jogo válido pela fase da pré-Libertadores, o São Paulo retornou a capital para se preparar para o primeiro jogo como mandante pelo Paulistão.

O técnico Edgardo Bauza optou durante o restante da semana uma mistura entre os titulares e reserva já como planejamento e formação do time para a próxima partida.

O jogo deste sábado marcou a primeira de uma série de partidas que o São Paulo exibirá no Pacaembu, visto que o Morumbi ainda não está com suas obras finalizadas.

Na foto: Hudson, Kieza, Wilder e Calleri.  
PARTIDA:

Sem cinco titulares, o professor Bauza definiu um esquema aberto e deu oportunidade para os laterais e meias avançarem. A partida também foi marcada pela a formação entre os novos contratados atacantes do clube Paulista: Kieza e Calleri.

O São Paulo ditou o ritmo nos primeiros minutos e possuiu domínio total dentro do seu campo, avançando sempre pelas alas e visando o cruzamento. Porém foi do Água Santa a primeira boa oportunidade. Aos 20 minutos Sérgio Manoel recebeu livre e chutou no ângulo, mas parou em Denis que cobriu o canto perfeitamente.

Já após o susto, o Tricolor buscou a reação e continuou insistindo na jogada aérea. Até que aos 31 minutos, em jogada pela ponta direita, Wilder cruzou de bico na área e o argentino Calleri finalizou para o fundo das redes. Sem chance para o goleirão.

Com o jogo controlado, a equipe do Morumbi buscava a definição, que ficaria para a segunda etapa. Na saída do gramado, Rodrigo Caio aproveitou para elogiar o novato Calleri.

“A gente fica feliz pelo gol. Acredito que vai nos ajudar bastante. Pena que são seis meses só.” - finalizou o zagueiro, ressaltando o tempo de contrato do argentino com o clube.

Sem alterações, o São Paulo voltou para o segundo tempo com uma pegada diferente. O trabalho tático e coletivo permitiu a equipe um bom avanço na área adversária, que resistiu da maneira que pode.

Não conseguindo furar o bloqueio, o técnico Bauza optou pela entrada dos titulares Michel Bastos e Ganso na partida, que mudaram completamente o ritmo do jogo.

Foi então que aos 26 minutos da segunda etapa, Caramelo fez uma boa jogada e cruzou para Calleri, que novamente, completou de cabeça para o gol. Foi o terceiro gol do atacante com apenas 122 minutos em campo com a camisa Tricolor.

O São Paulo continuou insistindo e já fragilizado, o Água Santa não resistiu à pressão e cedeu o terceiro gol, que veio dos pés de Thiago Mendes, que aproveitou o rebote após a confusão na área e meteu um chutão no ângulo do lado esquerdo.

Já no fim do jogo, Calleri, mais uma vez, fez uma boa jogada e lançou para Michel Bastos, que sozinho aplicou uma bela finalização. Com o placar de 4x0, o Tricolor Paulista assumiu a liderança do grupo C. O Soberano joga na quarta-feira pela pré-Libertadores, no jogo de volta, novamente no Pacaembu. A expectativa é de casa cheia.

Calleri chegou com belos cartões de visita. 


FICHA TÉCNICA:

Local: Pacaembu, São Paulo.
Público: não divulgado.
Renda: não divulgado.
Arbitragem: Vinicius Furlan, Daniel Paulo Ziolli e Risser Jarussi Corrêa.

ÁGUA SANTA:
Roberto; Jonathan, Cléber, Eli Sabiá e Tarracha; André Rocha, Sérgio Manoel, Russo e Éder; Everaldo e Francisco Alex. Técnico; Márcio Ribeiro.

SÃO PAULO:
Denis; Caramelo, Rodrigo Caio, Lucão e Carlinhos; Hudson e Wesley; Wilder e Rogério; Kieza e Calleri. Técnico; Edgardo Bauza.

Em jogo morno, Santos vence no sufoco


Em partida válida pela terceira rodada do Paulistão, o Peixe recebeu o Ituano na Vila Belmiro, confronto que marcava a reedição na final de 2013. E mais uma vez dentro de casa, o Peixe mostrou pouco futebol, mas ao contrário da estreia, saiu de campo com os 3 pontos.
O técnico Dorival Jr repetiu a escalação pela terceira vez consecutiva, mas o time mais uma vez rendeu a baixo do esperado, com atuações individuais fracas, até mesmo de Lucas Lima no meio de campo.



APARIÇÃO ILUSTRE!
O funkeiro do momento, MC Bin Laden marcou presença na Vila Belmiro para acompanhar a equipe santista. O cantor do hit do momento: "tá tranquilo, tá favorável", inspirou a comemoração de Gabriel em seu último gol contra Ponte, na quarta-feira.

O MC postou em seu Instagram que estaria indo para Vila mais famosa do mundo, por sua vez a conta do Peixe fez questão de registrar e entrar na brincadeira que contagiou as redes sociais nos últimos dias.



O JOGO
O primeiro tempo começou morno, com poucas chances de gols mas com uma única certeza: toda e qualquer jogada de Gabriel seria parada com falta. O garoto apanhou durante quase toda primeira etapa e acumulou diversos cartões amarelos na defesa adversária.
E quando já se dava certo o empate, em cobrança de escanteio aos 48 minutos, Lucas Lima colocou a bola na cabeça de Gustavo Henrique. O zagueiro santista deixou seu primeiro tento na temporada, comprovando ainda mais a boa fase.



Já na segunda etapa, um pouco mais de movimentação por parte dos santistas e uma certa iniciativa por conta dos visitantes. Porém, assim como, na primeira etapa, chances claras de gol mesmo, foram pouquíssimas.
O treinador santista aproveitou para promover duas estreias durante o jogo. Primeiro foi a de Ronaldo Mendes, garoto que estava no sub-23 e entrou no lugar do mais uma vez apagado Paulinho, e depois, foi a vez de Elano substituir Gabriel.
POLÊMICA!
Aos 34 minutos, em lance confuso dentro da área, o Ituano chegou ao gol de empate, porém o assistente anotou impedimento na jogada. Causando revolta nos jogadores da equipe do interior paulista.
Mas, a revolta logo passaria, pois dois minutos depois, em mais uma jogada aérea, o capitão Naylhor subiu sozinho e cabeceou para os fundos das redes, empatando a partida e deixando a torcida da casa em silêncio.
Dorival Jr sacou o volante Renato e colocou Vitor Bueno em campo. E deu resultado! No apagar das luzes, já aos 51 minutos, o Peixe trabalhou bem a bola na entrada da área e o atacante que havia entrado minutos antes, sofreu pênalti claríssimo, sem margens para discussão. Ricardo Oliveira converteu sem problemas e deu a vitória ao Santos.
O Santos manteve a liderança de seu grupo e agora volta à campo apenas no próximo sábado às 21h (Brasília) contra o Novorizontino, em Novo Horizonte. Por sua vez, o Ituano recebe o Oste, no mesmo dia.

FICHA TÉCNICA
SANTOS 2 x 1 SÃO BERNARDO

Local: Vila Belmiro, em Santos-SP
Data: 6 de fevereiro de 2016, sábado
Horário: 11h (horário de Brasília)
Público: 5.501 pagantes
Renda: R$ 215.590,00
Árbitro: Douglas Marques das Flores
Assistentes: Marcelo Carvalho Van Gasse e Miguel Cataneo Ribeiro da Costa
Cartões Amarelos: Elano (SAN); Raúl Prata, Luiz Felipe, Claudinho e Peri (ITU)
GOLSSANTOS: Gustavo Henrique, aos 47 minutos do primeiro tempo, e Ricardo Oliveira, aos 50 minutos do segundo tempo.
ITUANO: Naylhor, aos 37 minutos do segundo tempo.

SANTOS: Vanderlei, Victor Ferraz, Gustavo Henrique, Lucas Veríssimo e Zeca; Renato (Vitor Bueno), Thiago Maia e Lucas Lima; Paulinho (Ronaldo Mendes), Gabriel (Elano) e Ricardo Oliveira Técnico: Dorival Júnior

ITUANO: Diego Neto; Raul Prata, Naylhor, Luiz Felipe e Peri; Jonathan Lima, Welington Simião e Marcelinho (Fernando Viana); Claudinho, Ruan (Igor) e Edinho (Marcão) Técnico: Tarcísio Pugliese


Pedro Henrique  |  @peeedrito17

Vitória com seca de gols na Serrinha

A torcida esmeraldina levantou na manhã de sábado, vestiu a camisa e foi ao estádio Hailé Pinheiro novamente para acompanhar mais uma partida do Verdão. A expectativa era de uma nova vitória e ela veio, mas talvez não do jeito que esperávamos. O placar foi magro novamente e o pensamento de que precisamos de mais atacantes cresceu bastante, principalmente com a expulsão injusta do Rafhael Lucas.

Goiás vence a terceira seguida e segue 100%
Foto: Globo Esporte.
Nos primeiros minutos da partida, tudo indicava que seria uma partida tranquila, pois o Goiás dominava todas as ações do jogo. Daniel Carvalho como sempre, sendo o principal jogador da equipe no meio de campo armando todas as jogadas, assim como o garoto Carlos, que está tendo um desenvolvimento surpreendente no Goiás. Hoje, o jogador foi titular no lugar de Wagner e provou que merecia isso, participando de quase todos os lances de perigo no jogo e chegou até a marcar gol, mas foi anulado. Se continuar assim, irá ganhar um fã.

A postura de William e da defesa esmeraldina foi mais uma vez muito elogiada. O volante tem mostrado muita qualidade na marcação e também no desarme. A dupla de zaga formada por Wesley Matos e Deivid Duarte até agora está invicta juntamente do goleiro Renan, que não sofreu nenhum gol. Perfeito, não? Nem tanto. O número de gols marcados não é tão alto e vem sendo uma preocupação dos torcedores e a pressão pode começar a cair em cima de Rafhael Lucas, que perdeu muitas oportunidades no jogo.

Daniel Carvalho ao menos é ótimo na assistência, mas quando teve a oportunidade de balançar as redes, acabou não fazendo. A obrigação acabou caindo nos pés de Juninho, que fez um belo gol no primeiro tempo e garantiu a vitória nossa, em outra ótima exibição de seu futebol e a equipe ao todo perdeu muitas oportunidades. Suelinton não agradou hoje como nos jogos passados. 

O problema maior foi o árbitro. A raiva da torcida foi contida pois o time já estava na frente do placar, senão, poderia acontecer de tudo. Uma arbitragem completamente ridícula de Breno Souza, que expulsou Rafhael Lucas injustamente após o mesmo ter levado um tapa no rosto. Agora, para a próxima partida, teremos que apostar no garoto Édson Júnior. Arriscado e fora de hora, mas terá o nosso apoio.

Torcida novamente comparece em peso na Serrinha.
Foto: Notícias do Goiás.
Em compensação, pude vivenciar de novo como a torcida está abraçando o time e como a nossa Serrinha esteve novamente lotada. Todos cantando e de verde e branco, saindo aliviado e já ansiosos para a próxima partida. Parabéns à maior do Centro-Oeste!


Wagner Oliveira || @wagneroliveiraf
Linha de Fundo || @SiteLF

O elenco do Clube de Regatas Brasil

Esta é uma apresentação especial do atual elenco do CRB. De torcedor para torcedor.

Falta Luigi e Douglas, mas dificilmente vão receber oportunidades nesse time.

Hoje, iremos para nossa sexta partida da temporada. É evidente o desconforto da torcida com alguns atletas. Marcos Barbosa pediu quatro mil sócios para poder anunciar mais alguém, porém este é um processo lento.

Nesse time, se alguém for dispensado, provavelmente, os laterais Marcelo e Gleidson serão os primeiros. O jogador Marcelo é a terceira opção para posição, ele perdeu a vaga para o Rafinha no amistoso contra o Itabaiana. Mas, para fazer conjunto ao Mazola, o lateral Marcelo pode se adaptar melhor ao seu estilo de jogo. Como o jogador Gleidson não está muito bem com a torcida, pode-se acrescentar os jogadores Bocão e Marcos disputando as vagas das laterais do campo. O lateral Bocão é querido por toda a torcida e tem uma característica mais ofensiva, enquanto o Marcos é melhor defensivamente.

O atacante Mazola chuta bem com a perna esquerda. O jogador Flavinho atuou todas as partidas pela meia esquerda, logo, o Mazola pode jogar pela direita. Assim, o time do CRB poderia aproveitar os chutes de longa distância, uma vez que já conseguiu marcar gols dessa maneira em outras partidas. 

Ao olhar o mercado da bola, esses seguintes jogadores serão interessantes para acrescentar ao elenco que forma o CRB deste ano.

Morais - Há a necessidade de meias armadores para o time. Um jogador de qualidade que veio do América-RN, ano passado. Emprestado, pode retornar este ano e buscar mais oportunidade de jogo ao lado do Mazola.

Gérson Magrão - Caso os dois meias do time não funcionem com o esquema tático, o Magrão pode se adaptar bem ao time para a disputa da Série B.

Clebinho - Flavinho é uma incógnita ainda, pouco apareceu, mas é o titular. A negociação do Clebinho é um pouco complica, devido a questão salarial com a equipe do Fortaleza.

Pery - Este é uma ótima peça para o time. Teve uma boa passagem, lateral de qualidade e teria espaço no time titular.

Por: Felipe Calheiros

O que esperar do Super Bowl 50


“Ataques ganham jogos, defesas vencem campeonatos”. Esta missiva – comprovada inúmeras vezes – é o ponto de partida para que o Denver Broncos consiga superar o favoritismo do Carolina Panthers e levar o troféu Vince Lombardi do Super Bowl 50 para o Colorado. Difícil imaginar o time liderado por Peyton Manning como zebra na decisão de domingo? Quem acompanhou a temporada da NFL entende os motivos – eles são muitos e bastantes convincentes.

Denver venceu a AFC esta temporada graças a uma defesa espetacular comandada por Von Miller com o suporte de ótimos jogadores como Derek Wolf e DeMarcus Ware. Essa defesa precisará atingir seu máximo de desempenho para segurar o explosivo ataque de Carolina – o melhor em pontos e jardas totais por partida [5º em jardas aéreas e 1º em jardas corridas] e precisará de um plano de jogo diferente do usado contra a equipe de New England. Isso porque o time de Cam Newton não é tão unidimensional como o de Tom Brady, tem um repertório ofensivo com opções mais variadas que podem ser letais tanto correndo com a bola, com Jonathan Stewart, Tolbert ou com o próprio Cam, como lançando para Ted Ginn Jr e Greg Olsen, os principais alvos do quarterback que fatalmente será o MVP da temporada.


Além de pressionar Newton no pocket, será necessário parar o eficiente jogo corrido para criar situações de terceiras descidas longas, fazendo com que Cam tenha que lançar contra a ótima secundária capitaneada por Aqib Talib. Da mesma forma, o Special Teams de Denver precisa colocar o ataque adversário em situações desfavoráveis de saída de jogo – precisando percorrer 70/80 jardas por drive. O ataque do Panthers é o mais eficiente na redzone de toda a Liga nesta temporada. Esse trabalho combinado é essencial para que o Broncos consiga reverter o prognóstico mais comum nas bolsas de aposta de Las Vegas, que é o triunfo de Carolina por seis ou mais pontos.

Claro que favoritismo em SB está longe de ser garantia de título: Nas últimas oito edições, apenas em três o favorito foi campeão – incluindo aí o próprio Denver Broncos de Peyton no SB XLVIII, que acabou com uma lavada do Seattle Seahawks. Se por um lado a chave para surpreender na decisão de domingo é dominar o jogo nas trincheiras, não dá para desprezar a capacidade de Manning, um dos maiores quarterbacks da história da NFL. Mesmo com uma das piores temporadas de sua carreira, por contusões e problemas físicos, existem muitas razões para acreditar que e Manning vai superar o seu chefe John Elway e poderá se tornar o QB mais velho a vencer um Super Bowl: Capacidade mental de ler e controlar o jogo, motivação para talvez encerrar seu ciclo em alta [Manning ainda não revelou publicamente se pretende continuar jogando], experiência e talento que compensam a falta de agilidade e vigor atlético perdidos com o passar dos anos. Um signal caller desse calibre pode superar a pouca efetividade do ataque de Denver – apenas o 19º da liga em pontos por jogo na temporada.


Como se não bastasse o ataque espetacular que tem, as outras unidades de Carolina não decepcionam: A defesa tem o LB Luke Kuechly como um dos principais defensores da NFL na atualidade; o polêmico CB Josh Norman, que conseguiu anular os principais WR’s da Liga durante a temporada; e um front seven muito eficiente. A OL protege bem o QB e tem Michel Oher em busca do seu segundo anel de SB, já que venceu com o Ravens algumas temporadas atrás. É, sem dúvida, um dos times mais competitivos e eficaz dos últimos tempos – não é à toa que pode ser campeão com apenas uma derrota na temporada. Pode sentir a falta de não ter pela primeira vez na pós-temporada a vantagem do mando – tudo indica o Levi’s Stadium dividido ou até com pequena maioria torcendo por Denver, mas isso não deve influenciar na forma enérgica e vibrante que atua.


No domingo todos os olhos do mundo estarão voltados para San Francisco. Todos estarão observando a possível despedida da lenda Peyton Manning. Mas a verdade é que o confronto que deve definir o destino da taça é Cam Newton X Von Miller. As duas primeiras escolhas de um mesmo Draft [2013] se enfrentarão pela primeira vez em um Super Bowl. A NFL é assim: Uma constelação de estrelas em constante renovação.

Em noite de três pênaltis, Sampaio falha nas cobranças, mas se garante com bola rolando

Se fosse um jogo de video-game o campeonato maranhense estaria no modo fácil para o Sampaio Corrêa. Sem fazer grande esforço, o Tricolor venceu o Araioses por 3x0 em jogo marcado por três penalidades marcadas para o time da casa. A vitória garantiu a Bolívia Querida na próxima fase com duas rodadas de antecedência.

O placar pode até levar a imaginar que foram três gols de pênalti, mas dois deles acabaram sendo defendidos pelo goleiro Laert. O placar poderia ter sido ainda mais elástico se não fosse a sua interferência ao longo do jogo.

O primeiro tempo foi inteiro do Sampaio. Buscando o gol desde o começo, as jogadas fluíram bem pelas laterias do campo, principalmente com Edgar. O atacante vem sendo o principal jogador da equipe juntamente com Fernando Santos.

Sampaio venceu com autoridade (Foto: Elias Auê)
Fernando Santos vem sendo um dos destaques do Tubarão neste começo de ano.
(Foto: Sampaio Corrêa)
Foi o meia, aliás, quem abriu o placar no estádio Castelão. Precisando de duas penalidade, Fernando perdeu a primeira cobrança em pênalti sofrido por ele mesmo. O juiz não mandou voltar: poucos minutos depois nova penalidade e, dessa vez, foi convertida. 1x0.

No segundo tempo o time visitante conseguiu assustar com uma bola na trave que fez o torcedor do Tubarão lembrar de bons jogos da série B que acabaram em tropeços por conta de pequenos descuidos. Dessa vez, porém, foi apenas um susto.

Sampaio e Araioses jogam pelo Maranhense 2016 no Castelão (Foto: Bruno Alves/Globoesporte.com)
Os poucos torcedores que compareceram ao Castelão viram o time perder dois pênaltis, mas vencer com sobras.
(Foto: Globo Esporte)

Depois da bola na trave restou à Bolívia Querida responder o quanto antes. Após uma sequência de bons ataques, Edgar conseguiu deixar o seu aos onze minutos. Ele aproveitou o bom cruzamento de Guilherme Santos para marcar.

Laert voltou a aparecer bem no segundo tempo e salvou pelo menos duas boas chances do ataque tricolor, até que Henrique conseguiu vazá-lo novamente já nos acréscimos. 3x0. Ainda deu tempo para mais uma penalidade para o Sampaio. Quem cobrou dessa vez foi Guilherme Santos, mas novamente acabou defendida por Laert.
←  Anterior Proxima  → Inicio

Inscreva-se no canal LFTV

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Mais lidas da semana