A SUA LINHA DE NOTÍCIAS

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

TWITTER

FACEBOOK

Premier League Brasil

Siga-nos nas redes sociais

Popular Posts

Quem sou eu

CLASSIFICAÇÃO

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

Chances desperdiçadas e primeira derrota no ano: o 100º jogo do Grêmio na Arena

Foto: André Ávila/Agência RBS
O duelo entre Grêmio e São José, ocorrido nesta sexta-feira (12/02), pela 4ª rodada do Gauchão, até pareceu apenas mais um jogo comum de início de temporada. Contudo, a partida teve um peso especial para o Tricolor: às 19h30min, o Grêmio pisou no gramado pela 100ª vez para disputar um jogo na Arena.

O novo estádio, inaugurado em 8 de dezembro de 2012, já recebeu, ao todo, 2.433.969 torcedores, com renda total de R$ 84.616.742 – média em torno de 25 mil pessoas por partida. Embora a Arena tenha sido vista com certo receio, inicialmente, pelos torcedores, já que a mudança abrupta de um estádio que todos estavam acostumados a frequentar para uma construção totalmente diferente e moderna deixou os torcedores com certa desconfiança e tornou extremamente dolorosa a despedida do lendário Olímpico Monumental, os números comprovam que a torcida gremista abraçou a sua nova casa.

O aproveitamento do Tricolor como mandante, nessa nova era, é bastante favorável. Foram 63 vitórias, 21 empates e 16 derrotas; 144 gols marcados e 63 sofridos. O artilheiro do estádio é o argentino Hernán Barcos, com 28 gols, seguido por Luan, com 15 gols.

Apesar de relativamente pouco tempo de Arena, já foram vividos tantos minutos intensos, sem arrependimentos. Batalhas emblemáticas. Vitórias e derrotas inesquecíveis – ou preferíveis de esquecer, mas que insistem em permanecer na memória. Além de abraços em desconhecidos (eternos amigos de dois minutos), gargalhadas, gritos, aplausos, lágrimas e cânticos.

Foto: Lauro Alves/Agência RBS
Para ter condições de viajar tranquilamente para o México, onde fará a sua estreia na Libertadores da América, o Tricolor abriu a rodada do Gauchão com um dia de antecedência. Com 100% de aproveitamento, o Grêmio entrou determinado a manter a campanha perfeita, além de utilizar a partida como um teste para o jogo contra o Toluca. Já o Zequinha, que também figura na ponta da tabela, entrou decidido a tirar pontos do líder e para isso seu principal trunfo era o goleador Heliardo.

Quis o destino que a primeira derrota gremista no ano fosse justamente uma data festiva: o 100º jogo na Arena. Além disso, quem também esteve comemorando antes da partida foi o goleiro Marcelo Grohe, que chegou a incrível marca de 250 jogos disputados com o manto Tricolor – vale lembrar que, recentemente, o atleta estendeu seu contrato com o Grêmio até 2020. No entanto, o São José, que não tem nada a ver com isso, decidiu colocar água no chope gremista e, com gols de Heliardo e Guilherme Augusto, venceu pelo placar de 2 a 0.

A primeira chance de gol da partida foi do São José, em um chute de Fred, de fora da área. Entretanto, depois disso, o Grêmio passou a dominar a partida e empilhar oportunidades de gol desperdiçadas.  Aos 12 minutos, chegou com perigo três vezes, em sequência. No primeiro lance, Maicon teve duas chances para abrir o placar; em seguida, Marcelo Oliveira cobrou escanteio e a bola passou, caprichosamente, por todos dentro da área; depois, foi a vez de Kadu cabecear para fora. Aos 19’, foi Pedro Rocha, na cara do gol, quem deixou de estufar a rede. Everton, Luan e Maicon também tentaram, contudo, foi o São José que levou a vantagem para o intervalo, com gol de Heliardo, aos 47 minutos. Quem não faz, leva. 

Foto: André Ávila/Agência RBS
Na volta para o segundo tempo, o Grêmio começou devagar – quase parando –, sem mobilidade e errando muitos passes. Não satisfeito, o técnico Roger mandou a campo o atacante Henrique Almeida, que fez sua estreia, aos 11 minutos e o jovem Lincoln, que vem se destacando, aos 18 minutos. Ainda assim, demorou um pouco para o Tricolor conseguir transpor a defesa adversária e voltar a levar perigo. Aos 27 minutos, o Grêmio até conseguiu balançar a rede, com Luan, que pegou o rebote após chute na trave de Everton, mas o gol foi anulado por impedimento. Com Henrique e Lincoln, os donos da casa seguiram tentando igualar o marcador, mas o goleiro Fábio, que fez excelente partida, evitou o gol. Aos 31, Jô obrigou Marcelo Grohe a efetuar uma grande defesa. Tal e qual na primeira etapa, nos minutos finais, o São José chegou ao gol, com Guilherme Augusto. Estava decretada a primeira derrota do ano.

Espera-se, agora, uma postura totalmente diferente do Grêmio no jogo pela Libertadores. É possível que a proximidade da estreia no torneio mais importante do ano tenha tirado a concentração do time, no entanto, não é admissível que se perca tantos gols, nem que a defesa demonstre tanta fragilidade. O nível técnico da competição continental é muito superior e qualquer erro pode ser fatal. Hoje, até se viu um controle técnico do Grêmio na primeira etapa e em parte da segunda, porém, é preciso conseguir traduzir as chances em gol com eficiência. Ademais, os volantes estiveram muito sobrecarregados e os erros de passes, que não são comuns, foram frequentes.

Foto: Lauro Alves/Agência RBS
Após o jogo, as posições das duas equipes se inverteram na tabela: com a derrota, o Grêmio cai para a 3ª colocação, que era do São José, com nove pontos; já o São José assume, momentaneamente, a liderança, que era do Tricolor antes da partida, com 10 pontos.

O Grêmio joga na próxima quarta-feira, às 23h59min, pela estreia na Libertadores, diante do Toluca, no México. No dia 21, recebe o Novo Hamburgo, na Arena, às 17h, pelo Gauchão. O São José volta a campo no dia 19, sexta-feira, às 20h30min, contra o Ypiranga, no Passo D'Areia.

FICHA TÉCNICA:

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Wallace Oliveira, Pedro Geromel, Kadu e Marcelo Oliveira (Giuliano); Kaio, Maicon e Douglas (Lincoln); Everton, Pedro Rocha (Henrique Almeida) e Luan. Técnico: Roger Machado.

SÃO JOSÉ: Fábio; Bindé, Wágner, Claudinho e David; Alberto (Felipe Guedes), Fred, Clayton (Guilherme Augusto) e Diego Torres (Rafael Molerk); Jô e Heliardo. Técnico: China Balbino.

ARBITRAGEM: Leandro Vuaden;
AUXILIARES: Jorge Eduardo Bernardi e Lúcio Beiersdorf Flor.
GOLS: Heliardo e Guilherme Augusto (SJO).
CARTÕES AMARELOS: nenhum.
PÚBLICO: 11.702 pessoas;
RENDA: R$ 366.828.

Janaína Wille | @janainawille

Náutico vence Salgueiro e dispara na liderança

Na noite desta quarta-feira (10/02/2016), o timbu recebeu na Arena o Salgueiro. O algoz de 2015 nada fez e com gol de Daniel Morais, o Náutico venceu por 1x0 e continua com 100% de aproveitamento. Três jogos, três vitórias e nenhum gol sofrido, o Náutico começou o ano de 2016 bem e promete muitas emoções.

Foto: André Nery //  JC Imagem
No primeiro tempo, o jogo começou truncado e forte, logo aos 7' Gastón da uma carrinho forte e perigoso por trás e recebeu seu primeiro amarelo no ano, demorou mas chegou. O primeiro time que assustou foram os visitantes, Rodolfo Potiguar chutou de fora da área, à bola desceu de forma inesperada, mas Júlio César estava atento e mandou para escanteio. Os donos da casa não perdoaram e no lance seguinte também assustou, Bergson cruzou em cobrança de falta na cabeça de Rodrigo Souza que cabeceou forte passando muito perto do gol. O timbu começou a tomar conta do meio campo e da partida, mas o Carcará estava bem fechado. Aos 33', GOOOL do timbu, Bergson cruzou em cobrança de escanteio e Daniel Morais desencantou e abriu o placar na Arena.

Elenco comemora o gol de Daniel Morais
No segundo tempo, o timbu teve várias chances de ampliar o placar, mas quem começou assustando foi o Salgueiro em um chute na rede pelo lado de fora de Cássio. Por volta dos 10', o zagueiro Rogério fez um crime contra o menino Roni, o defensor chutou a bola para fora e deixou a perna para bater nas costelas do atacante alvirrubro e depois por cima agrediu com o braço, o time alvirrubro e a torcida reclamaram muito, o juiz só deu lateral em um lance para expulsão. Aos 15', Ronaldo Alves cometeu pênalti para o time visitante, Rogério Paraíba cobrou e Júlio César caiu no canto esquerdo e fez belíssima defesa salvando o timbu na partida e de ainda não ter sofrido gols na temporada. Roni bagunçou a zaga do Carcará, fazendo belíssimos dribles e na velocidade pela ponta. O timbu teve algumas oportunidades para ampliar o placar e confirmar a vitória, a que mais se destaca foi aos 36', quando Roni foi até a linha de fundo e cruzou, a bola passou pelo goleiro adversário e sobrou para Rafael Ratão e Eduardinho na segunda trave, os dois furaram e fez a torcida quase ter um infarto.

Time alvirrubro comemora feito gol a defesa de Júlio César
O Náutico vai ter 12 dias de folga, o motivo é o início da Copa do Nordeste e como o timbu não conseguiu a classificação ano passado, está de fora. Com isso, dois dias de folga para o elenco e 10 dias de trabalho duro para o jogo contra o América-PE no dia 22/02. Bergson, um dos destaques do timbu, sofreu pequenas fraturas em dois ossos no meio do pé esquerdo e está de fora por cerca de 40 dias.

Escalação:

Náutico: Júlio César; Rafael Pereira, Ronaldo Alves, Fabiano Eller e Gastón Filgueira; Rodrigo Souza, Elicarlos, Roni, Caíque Valdívia e Bergson; Daniel Morais. Técnico: Gilmar Del Pozzo

Salgueiro: Mondragon; Marcos Tamanddaré, Ranieri, Rogério e Daniel; Rodolfo Potiguar, Moreilândia, Alexson, Cássio e Piauí; Jefferson Berger. Técnico: Sergio China

Público: 2.893
Renda: R$ 56.775,00
Árbitro: Sebastião Rufino Filho
Assistentes: Bruno César Chaves Vieira e Cleberson Nascimento Leite

#FechadoComONáutico #JogandoJunto

“Até a minha morte, sempre irei torcer, vibrar e cantar por ti Náutico”

Marcus Lamenha // @LamenhaMarcus

Ressaca Momesca: Bahia vence, mas não agrada

A primeira vez a gente nunca esquece”. O velho adágio – usado inúmeras vezes na publicidade, deve ser ignorado em relação ao confronto entre Bahia e Flamengo de Guanambi ontem. O primeiro embate entre as equipes pelo Campeonato Baiano profissional esteve bem longe de ser inesquecível – em que pese os belos gols de Hernane Brocador e Fábio Azevedo. Os campeões da primeira e segunda divisão de 2015 fizeram um jogo modorrento a maior parte do tempo, com poucos lampejos durante os noventa minutos.

Tendo a primeira oportunidade de atuar em um estádio ‘de Copa do Mundo’ a equipe de Guanambi definiu uma estratégia de jogo bastante previsível e modesta: Agrupou-se no campo de defesa, aproximou suas linhas procurando negar espaços ao tricolor e dificultou as ações ofensivas do time da casa. Com o desfalque de Luisinho – que perdeu o pai durante a semana – coube a Zé Roberto ocupar o lado direito extremo da segunda linha do usual 4-1-4-1 de Doriva nesse início de temporada.

A repetição do sistema de jogo e dos jogadores parece ser uma preocupação do técnico tricolor: Dar padrão e entrosamento o mais rápido possível à equipe.

Sem esses elementos, o gol surgiu em uma ótima jogada de Zé Roberto que avançou da ponta para o meio e, com ótima visão, enxergou Hayner avançando pelo espaço deixado por ele na ponta e executou ótimo passe. O lateral até se atrapalhou um pouco no domínio, mas conseguiu ludibriar a zaga e ajeitou o corpo para concluir à queima roupa contra o goleiro Léo: Bahia 1 X 0 e primeiro gol profissional do garoto que veio do Rio Branco do Espírito Santo ano passado, subiu dos juniores e é um dos destaques desse início de temporada.

O gol deu um ânimo novo à partida e o Beija-Flor do Sertão acusou o golpe. Na sequência uma boa passagem de João Paulo pela esquerda resultou em cruzamento para Hernane pegar de primeira, num lance plasticamente bonito: Terceiro gol do artilheiro do Baianão, quinto dele com a camisa do esquadrão. Início promissor.

Jogadores homenagearam Luisinho - que não jogou devido falecimento do pai esta semana. Foto: Felipe Oliveira
A partir de então o ritmo do jogo arrefeceu até que um erro de Danilo na saída de jogo gerou um lateral que, cobrado rapidamente, pegou a defesa do Bahia desatenta. Bola caiu nos pés de Fábio Azevedo que ‘chapou’ a pelota lindamente, estufando o véu de noiva da baliza da Fonte das Pedras. Flamengo diminuía o placar e voltava a sonhar com um bom resultado na sua viagem à capital do estado. Poderia ter alcançado a igualdade em uma finalização perigosa ou em uma bela cobrança de falta de Josy. Na primeira a bola raspou a trave, na segunda Lomba fez bela intervenção. Bahia também ameaçou com Gustavo e Edigar Junio desperdiçando grande oportunidade criada por Hayner.

Na volta da segunda etapa Rômulo substituiu Paulo Roberto que sentiu um incômodo na coxa. A mudança reconfigurou o sistema de jogo da equipe com Juninho e Danilo jogando atrás da linha de meias para suprir a saída de Paulo Roberto. Nesse 4-2-3-1 com Rômulo centralizado o Bahia criou ótimas chances com o próprio Rômulo e Zé Roberto. Mas não alterou o placar.

Com pouca intensidade, lentidão nas transições, e pouco apetite para recuperar a bola e exercer uma marcação mais firme, a apatia do time passou a irritar a pequena torcida que compareceu – e protestou antes do jogo – contra os abusivos preços de ingressos e produtos vendidos na Arena. Doriva tentou mudar o panorama colocando novidades no jogo: Jeam e depois Cristiano, destaque do time Sub18 na Copa São Paulo. Um pouco mais de velocidade, algumas chances desperdiçadas, mas nada muito substancial. A equipe interiorana tentou, dentro de suas limitações, ameaçar. Não conseguiu. Jogo terminou com mais um triunfo tricolor que lidera o Baianão e agora passa a focar a Copa Nordeste, onde estreará contra o Santa Cruz no próximo domingo, no mundão do Arruda.

FICHA TÉCNICA

Bahia x Flamengo de Guanambi
Campeonato Baiano – 2ª rodada
Local: Arena Fonte Nova, em Salvador
Data: 11/02/2016
Horário: 20h30
Árbitro: Gleidson Santos Oliveira
Assistentes: Elicarlos Franco de Oliveira e Paulo de Tarso Bregalda Gussen
Cartões amarelos: Jefferson, Marcelo Pano (Flamengo de Guanambi)
Cartões vermelhos:
Gols: Hayner, Hernane (Bahia) / Fábio (Flamengo de Guanambi)

Bahia: Marcelo Lomba; Hayner, Éder, Gustavo e João Paulo; Paulo Roberto (Rômulo); Danilo Pires, Juninho, Zé Roberto (Jeam) e Edigar Junio (Cristiano); Hernane. Técnico: Doriva

Flamengo de Guanambi: Léo, Edvan (Rafael), Jefferson, Victor e Xande (Jean); Lismar, Sidney (Oliveira) e Marcelo Pano; Jose, Fábio e Peixoto. Técnico: Mazola

ANÁLISE: O Bahia não atuou bem. À exceção de alguns lances esporádicos, o comportamento coletivo da equipe ficou abaixo do esperado. Contra um adversário que pouco tinha a oferecer na parte técnica, a proposta excessivamente reativa de Doriva não conseguiu produzir muito. A entrada de Éder na defesa foi positiva, ainda que não tenha sido muito exigido. Hayner e João Paulo foram muito bem na partida, especialmente nas ultrapassagens e transições ofensivas. A equipe novamente cometeu erros bobos, perdendo bolas nas saídas pelo meio e mostrando-se dispersa em alguns lances, como na cobrança lateral que resultou em gol do Flamengo. Juninho melhorou sua produção e foi especialmente bem na segunda etapa quando jogou um pouco mais recuado – após a entrada de Rômulo. Algo que precisa ser melhorado é o comportamento sem a bola. Jogar com a linha de defesa adiantada é quase uma necessidade dentro da proposta de jogo de Doriva, mas para isso é necessário ter uma marcação mais apertada, pressionando especialmente o jogador adversário que tiver a bola e diminuindo os espaços e linhas de passe. É de se imaginar que em um contexto que exija mais competitividade o time adote tal postura. Hernane segue sendo a principal peça ofensiva, não apenas pelos gols, mas pela inteligência na movimentação e na exploração de espaços na defesa adversária. Edigar Junio ainda oscila e Zé Roberto esteve bem até pedir para sair do jogo. Domingo o desafio é bem maior e espera-se que o time de Doriva esteja mais concentrado e focado na peleja.

Alex Rolim -  @rolimpato #BBMP

Em Tubarão, Chapecoense vence Avaí e se isola na liderança do Catarinense

Foto: Flickr Chapecoense
Na noite desta quinta-feira, a Chapecoense viajou até Tubarão, aonde enfrentou o Avaí, em partida válida pela 4° rodada do Campeonato Catarinense. E em noite inspirada de Danilo, Cleber Santana e Bruno Rangel marcaram os gols do Verdão, garantindo a vitória pelo placar de 2x1.

Depois de empatar contra o Guarani de Palhoça por 1x1 no último sábado, na Arena Condá, Guto Ferreira teve problemas para escalar a equipe diante do Leão, Neto após reclamar do árbitro acabou expulso, e Gimenez entregue ao departamento médico, deram lugares a Rafael Lima na zaga, e o estreante da noite Josimar, com isso o volante Gil acabou sendo deslocado para a lateral direita.

O JOGO

Com a bola rolando na primeira etapa, quem partiu para cima foi o Leão, que logo aos 4 minutos, após belo lançamento de Diego Jardel para Rômulo, que ganhou em velocidade da zaga, driblou Rafael Lima e chutou para grande defesa de Danilo. A resposta do Verdão não durou muito, aos 10 minutos Ananias cruzou para Bruno Rangel, que desviou, mas a bola passou rente a trave, assustando o goleiro Renan.

O jogo seguia lá e cá, aos 19’ após cobrança de escanteio de Diego Jardel, a bola sobrou para o zagueiro Gabriel, que emendou um voleio, nas mãos de Danilo, salvando novamente o Verdão. Que respondeu aos 23 minutos, Lucas Gomes cobrou escanteio, Renan falhou e a bola sobrou para Ananias, que testou no pé da trave, quase abrindo o placar no Aníbal Costa. Os minutos finais do primeiro tempo foram de total pressão da Chapecoense, aos 40 minutos Maranhão cobrou escanteio, e na sobra Bruno Rangel finalizou cruzado, Gabriel bem colocado afastou em cima da linha, salvando o Avaí. Quando tudo se encaminhava para o final em 0x0, aos 45 minutos, Ananias foi derrubado na área, e o árbitro marcou pênalti, a torcida viveu o drama do último sábado, quando Bruno Rangel foi para a cobrança e desperdiçou ambas as chances contra o Guarani. Desta vez quem foi para a cobrança foi o capitão Cleber Santana, que bateu firme no centro do gol, abriu o placar e fez valer a lei do ex.

As equipes voltaram para o segundo tempo sem alterações, mas assim como começou o primeiro tempo, quem partiu para cima foi o Avaí, logo com 1 minuto de jogo, Rômulo recebeu nas costas da marcação, girou bonito e chutou em cima de Danilo. A Chape respondeu aos 12 minutos, quando Maranhão tabelou com Gil, e cruzou na cabeça de Bruno Rangel, que sozinho cabeceou bonito, no fundo das redes, ampliando o placar para o Verdão.

O gol fez com que o Avaí partisse todo para o ataque, aos 16 minutos após cruzamento da direita, Rômulo emendou uma linda bicicleta, para grande defesa de Danilo. Com a Chapecoense recuada, o Avaí chegou ao seu gol, aos 32 minutos quando Caio Cesar fez bela jogada e lançou Rômulo, que ganhou da zaga, driblou Danilo e só empurrou no fundo das redes, diminuindo o placar em 2x1. Após o gol do Leão, o Verdão se fechou ainda mais, sem dar chances segurou a pressão e garantiu os três pontos, que deixaram o time isolado na liderança no turno do Campeonato Catarinense com 10 pontos, três a mais que o vice-líder Criciúma com sete, e cinco a mais que o Figueirense que vem em seguida com cinco pontos e um jogo a menos.

Na próxima rodada, o Verdão faz seu segundo jogo seguido longe da torcida, no Estádio Augusto Bauer, contra o Brusque, no domingo (14) às 19h30. Já o Avaí, vai ao norte do estado, quando também no domingo enfrenta o Joinville, às 17h.

FICHA TÉCNICA

Local: Estádio Aníbal Costa, em Tubarão.
Público: 2.291 torcedores.
Renda: R$ 45. 240,00.
Arbitragem: Leandro Messina Perrone, auxiliado por Carlos Berkenbrock e Thiago Americano Labes.
Cartões Amarelos: Renato Júnior, Caio Cesar (AVA); Gil, Cleber Santana, Maranhão, Bruno Rangel (CHA).
Gols: Cleber Santana (CHA), aos 45 minutos do primeiro tempo, Bruno Rangel (CHA), aos 12, e Rômulo (AVA), aos 32 do segundo tempo.

AVAÍ (1)
Renan; Renato, André Santos, Gabriel, Vitor Costa; Braga (Lucas Chapecó), Renato Júnior (Rafinha), Caio Cesar, Diego Jardel; Rômulo, Wilker (Tauã). Técnico: Raul Cabral.

CHAPECOENSE (2)
Danilo; Gil, Rafael Lima, Thiego, Dener; Josimar, Cleber Santana, Lucas Gomes (Neném); Maranhão (Silvinho), Ananias, Bruno Rangel (Kempes). Técnico: Guto Ferreira.

Marcelo Weber || @acfmarcelo
Linha de Fundo || @SiteLF
←  Anterior Proxima  → Inicio

Inscreva-se no canal LFTV

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Mais lidas da semana