A SUA LINHA DE NOTÍCIAS

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

TWITTER

FACEBOOK

Premier League Brasil

Siga-nos nas redes sociais

Popular Posts

Quem sou eu

CLASSIFICAÇÃO

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Temos a liderança, a classificação e o Ciro


No ultimo domingo, 21, o Remo venceu o Cametá por 2 a 1 no Parque do Bacurau. O jogo foi bastante difícil para as duas equipes devido o calor que fez na tarde de ontem e por conta do gramado que é pesado. O Remo com essa vitória garantiu vaga na semifinal do Parazão e enfrentará o Independente para decidir quem avança para a final.

No primeiro tempo, o Cametá começou indo para o ataque e pressionando o Remo. O sol forte e o gramado pesado não ajudava o Leão Azul com as posses de bola. Mas na primeira chegada ao ataque, Marco Goiano abriu o placar para o Remão.

No segundo tempo, logo aos 8 minutos, o Cametá conseguiu chegar ao empate com Jailson. O gol preocupou a equipe do Remo que passou a explorar jogadas de contra-ataques. Aos 32 minutos, Ciro dominou na área e marcou um golaço, o quinto dele na competição. O Remo garantiu a vitória por 2 a 1 e se classificou em primeiro do grupo A1.

Ciro foi novamente o destaque da partida marcando o gol da vitória e o seu quinto gol no campeonato
PROXIMO JOGO
No sábado, 27, Remo e Independente se enfrentarão no Estádio Olimpico do Pará. Vale vaga para a final.

REMO
Fernando Henrique; Murilo, Ítalo, Max e Levy; Michel, Alisson, Eduardo Ramos e Marco Goiano; Léo Paraíba e Ciro.
SUPLENTES
Douglas Borges, Igor João, Henrique, Arthur, Edicleber, Yuri, Silvio, João Victor, Welthon

CAMETÁ
Evandro; Leandro Alves, Tonhão, Preto Barcarena e Luís Cametá; Jadão, Frank e Robinho; Marcelo Maciel, Jailson e Tony Love.
SUPLENTES
Paulo Roberto, Renan, Américo, Rafa, Fabrício, Elson, Cleson Rodrigo, Kenia, Hallyson, Cametazinho, Mayco

Vitória joga o suficiente para vencer o Jacobina no Barradão

Foto: Jacobinanoticia
Não foi dessa vez que o Vitória atuou da forma que o torcedor espera, mas fez seu dever de casa e voltando a vencer no Baianão 2016 o Leão foi aos sete pontos ganhos e retornou à liderança do Grupo.

O JOGO

O Vitória abriu o placar com um gol relâmpago. Aos 50 segundos, Tiago Real cobrou falta para Maicon Silva, que cruzou na área para Ramon, de cabeça, fazer o primeiro.

Ainda com ímpeto, o Leão chegou novamente ao ataque aos 26 minutos. Marinho fez jogada individual na ponta da área e foi derrubado. O árbitro marcou pênalti. Na cobrança, Diego Renan deslocou o goleiro e aumentou o placar no Barradão.

Aos 36 minutos. João Neto recebeu passe na área, girou o corpo em cima do zagueiro e acertou o ângulo de Fernando Miguem com um chute forte de canhota.

Segundo Tempo

A segunda etapa começou com um jogo ainda mais equilibrado. A partida parecia encardida. Aos 23’, William Henrique lançou bola na área, Tiago Real desviou e Chitão fez boa defesa.

Aos 37’, o Leão finalmente conseguiu matar o jogo. Diego Renan desarmou tocando para Real que serviu rapidamente Alípio o meia fez bela jogada na área e deixou Nickson para só mandar ás redes.

RESUMO

Continua cedo para cravar se o sistema de jogo de Mancini 4-2-4 vai emplacar ou não nesse primeiro semestre de 2016, até porque esse limão ainda não foi espremido até a casca, falta testar Robert e Leandro Domingues e assim o treinador esgotará todas as chances do 4-2-4 da certo com esses atletas. Por outro lado, já deu para tirar uma conclusão, que existe uma confusão de entendimento dos atletas, tanto quando tem a posse para tentar propor o jogo e quando necessita efetuar uma transição ofensiva. E por não está bem definido, acontece precipitação de inversão de bola, como também muitos atletas delegando muito a pelota e abusando da jogada pessoal. O time às vezes cria superioridade numérica nos flancos e consegue chegar ao fundo, mas falta jogador na área para definir o lance e quando tem é um contra três defensores adversários no mínimo. Com isso, esse estilo de jogo ainda não deu liga, o chamado padrão de jogo ainda não aconteceu. Como é uma forma de jogar e pensar completamente diferente do que foi visto em 2015, entendo que é muito cedo para taxar até atletas de baixo rendimento e depois ver esses mesmos jogadores em outros clubes arrebentando. O Vitória de ontem jogou para o gasto, jogadores dispersos, sem aplicação na proposta de jogo, outros fazendo funções que estava na cara que não se sentem bem em fazer, situação que só leva queimar jogadores para com o torcedor exigente e que jamais vai levar em consideração o que aqui mencionei. Mancini deve continuar insistindo e repetindo o time, é uma boa arma, mas sabendo que agora só tem mais duas cartas da manga.

É isso aí galera!

Por @AdsonPiedade

FICHA TÉCNICA

Vitória 3x1 Jacobina
Campeonato Baiano – 3ª rodada
Local: Barradão, em Salvador
Data: 21/02/2016
Horário: 17h
Árbitro: Emerson Ricardo de Almeida Andrade (BA)
Assistentes: Adailton José Jesus da Silva (BA) e Marcos Welb Rocha de Amorim (BA)
Cartões amarelos: Marinho, William Henrique, Vinicius e Tiago Real (Vitória);
Caíque (Jacobina)
Gols: Ramon, Diego Renan e Nickson (Vitória); João Neto (Jacobina)

Vitória: Fernando Miguel; Maicon Silva (José Welison), Vinícius, Ramon e Diego Renan; Amaral, Willian Farias, Tiago Real e William Henrique (Nickson); Vander (Alípio) e Marinho. Técnico: Vagner Mancini.

Jacobina: Chitão, Diogo, Edi, Allyson e Caique; Ricardo, Wagner, Ananias (Fernando Hulk) e Vitinho; Toni e João Neto. Técnico: Paulo Sales.

Milan segura Napoli fora de casa e segue na briga para a Europa League

O Milan foi ao San Paolo visitar o Napoli pela 26ª Rodada do Campeonato Italiano

Os 10 primeiros minutos foram corridos, os Napolitanos começaram nervosos, errando muitos passes, enquanto os rossoneri tentavam se aproveitar em contra-ataques. Após o nervosismo inicial, o Napoli tomou controle do jogo, mas parava na falta de criação e em faltas que a equipe de Milão fazia. Até que aos 35 minutos do primeiro tempo, Lorenzo Insigne chutou de longe, sem muita força, mas chute contou com desvio em Kucka e em Montolivo, que matou Donnarumma, que nada pode fazer. 1-0 Para os anfitriões. Dez minutos depois, em jogada bem trabalhada, Honda fez levantamento para Bacca, Koulibaly afastou mal e Bonaventura, sozinho na pequena área empatou o jogo para o Milan.

No segundo tempo, o Napoli começou melhor, pressionando a saída de bola do Milan, que era conduzida por Zapata, que era obrigado a sair com ligações diretas com Bacca e Niang. Aos 65 minutos, Kucka fez falta em Callejon, que saiu substituído por Mertens, e então o jogo mudou. Aos 67’, o belga que acabara de entrar acertou a trave esquerda de Donnarumma, e em seguida, em um escanteio fez o levantamento que resultou em finalização perigosa de Higuain. Em seguida, Maurizio Sarri, treinador do Napoli foi expulso por reclamação.

Aos 71 minutos, Mihajlovic tirou Bacca para colocar Menèz, voltando ao seu 4-3-1-2. O Milan empatou o jogo no meio campo, impedindo o domínio Napolitano do jogo. Na última bola perigosa do jogo, Higuain chutou forte rasteiro, Donnarumma espalmou e El Kaddouri finalizou novamente sobre o jovem goleiro do Milan. Ainda nos minutos finais, Mihajlovic colocou Mario Balotelli, que nada pode fazer para mudar o resultado de 1-1.



O Milan ainda briga por vaga na Europa League enfrenta o Torino no próximo sábado (27), já o Napoli, visita a Fiorentina na segunda-feira (29).

Napoli (4-3-3): Reina; Hysaj, Albiol, Koulibaly, Ghoulam; Allan (Gabbiadini), Jorginho, Hamsik; Callejon (Mertens), Higuain, Insigne (El Kaddouri). TEC: Maurizio Sarri.

Milan (4-4-2): Donnarumma; Abate, Alex, Zapata, Antonelli; Kucka, Montolivo (Bertolacci), Bonaventura, Honda; Niang (Balotelli), Bacca (Menez). TEC: Sinisa Mihajlovic.

Milan (4-4-2)

Donnarumma: 10
O melhor jogador da partida defendeu até ventos hoje. Teve a infelicidade de tomar o gol sendo que a bola desviou em Kucka e matou nosso goleiro sem chances de defesa.

Abate: 8
Abate como todo o sistema defensivo do Milan foi muito bem, não teve apoio nenhum no ataque até porque o estilo de jogo de hoje foi segurar o Napoli.

Alex: 8
Outra partida excelente do Alex, ganhou todos as jogadas defensivamente e junto com ZAPATA não deixou o artilheiro do campeonato Higuain e cia jogar.

Zapata: 9
Confesso que fiquei com medo, quando olhei a escalação e vi que Zapata iria substituir Romagnoli (com febre ficou apenas como opção no banco). O Colombiano junto com Donnarumma foi o melhor jogador da partida e colocou Higuain no bolso esperarmos que mantenha o mesmo rendimento nos próximos jogos.

Antonelli: 7
O mesmo de Abate muito bem na marcação, e apoiou pouco pelo o sistema adotado no jogo de hoje.

Kucka: 7
Esse é o cão de guarda do time, marcou muito um guerreiro em campo. Merece ter uma sequência no time!

Montolivo: 6
O nosso capitão hoje foi muito abaixo do time, errou muitos passes bobos que ofereceu grandes jogadas de perigo ao Napoli.

Honda: 7
E não é que o Japonês foi bem de novo? Honda criou a jogada do gol de empate de Bonaventura e foi muito bem na partida, segurou a bola lá na frente e se esforçou muito na marcação.

Bonaventura: 9
O nosso melhor jogador da temporada, chamou mais uma vez a responsabilidade e fez o gol de empate e foi o jogador que levou mais perigo no ataque.

Bacca: 6
Nosso artilheiro hoje fez uma partida regular ele está lá para dar o toque final e jogando defensivamente à bola pouco chegou.

Niang: 5
Mal, hoje o francês não jogou o que foi nos últimos jogos e não voltava para fazer a marcação se começar a jogar desse jeito vamos dar uma chance para Balotelli que tem muito mais talento.

Menez: 5
Entrou no lugar de Bacca, mas ainda sem ritmo de jogo. Defendeu mais do que atacou!

Bertolacci: 6
Entrou no lugar de Montolivo e fez o feijão com arroz.

Balotelli: 5
Balotelli hoje entrou com no finalzinho da partida, mais hoje teve muita vontade de jogo. A indireta de Sinisa serviu mesmo para o Italiano e em poucos lances fez muito mais que Niang a partida inteira.

PÓS-JOGO

Lamentavelmente antes e depois da cerca de 200 torcedores do Napoli xingou muito Mario Balotelli que respondeu com vários gestos obscenos.

Segundo o jornal italiano "Gazzetta dello Sport", os torcedores fizeram muito barulho para atrapalhar o sono dos jogadores do Milan e ofenderam Balotelli, que apareceu na janela do quarto onde estava e respondeu com gestos obcenos com as mãos.

Os torcedores passaram a insultar o atacante rossonero com mais força e só deixaram o local após a polícia chegar. Ainda de acordo com o jornal, o presidente do Napoli, Aurelio De Laurentiis, também estava no hotel, que fica de frente para o Golfo de Nápoles.

FORZA MILAN!

Por: @bielmoretti e @acm_vinicius

Como dar jeito no Fluminense?

O jogo contra o Flamengo tinha tudo para coroar um dia muito bacana para a torcida do Fluminense. Por morar em Brasília, pude ir ao evento que o clube organizou na primeira, e por enquanto única, loja oficial do Flu fora do Rio. Fora a confraternização entre os torcedores, ainda estiveram presentes o presidente Peter Siemsen, Pedro Antônio (o responsável pela construção do nosso CT) e Paulo Victor, goleiro campeão em 1984. Todos foram muito solícitos a conversas e responderam as perguntas de todos. Houve também a venda dos três últimos livros oficiais lançados pelo clube além de, é claro, a possibilidade de se associar. Excelente festa.

Fui para o estádio animado achando que poderíamos repetir a atuação ofensiva contra o Cruzeiro e arrumar a defesa. No entanto, o que se viu foi à mesma atuação defensiva contra o time mineiro e o ataque nada produziu. Eu fiquei na arquibancada superior atrás de um dos gols e era a melhor posição para se ver o posicionamento do time com e sem a bola. Movimentações que só se vê quando se está no estádio quando você olha para onde quiser e não apenas para a bola.

Foto: ESPN
O time sem a bola se posiciona em duas linhas de quatro que, apesar de deixarem pouco espaço entre elas, não tem capacidade de ocupar as laterais do jeito correto. Parece que os jogadores marcam apenas a bola e se esquecem dos adversários. Vários foram os lances em que o Flamengo tinha a posse e o lateral deles subia sem nenhuma companhia. Essa falha na marcação vira uma bola de neve e o lateral tenta fazer a marcação largando o meia que está pelo lado, o zagueiro tem que cobrir esse buraco e os volantes ficam perdidos não sabendo se vão para a área ou se vão atrás de quem está com a bola. Fred e Diego Souza mal voltam para marcar. Até entendo o porquê do nosso camisa 9 não voltar mas o Diego Souza deveria sempre estar voltando para ajudar. Ficar lá na frente para puxar o contra-ataque com uma velocidade que ele não tem, não vai adiantar.

Quando temos a bola o time parece cansado. Apenas Scarpa e Marcos Junior correm enquanto Cícero, Diego Souza e Fred ficam esperando a bola no pé. A falta de mobilidade no ataque tricolor faria até Iniesta ter dificuldade em achar algum jogador nosso. Com isso, o Flu rodava a bola de um lado para o outro e acabou cruzando da intermediária. Nem na linha de fundo consegue chegar em várias vezes. Os nossos laterais são limitados e não é colocando o Gustavo na esquerda que as coisas vão melhorar.

Bom, é muito fácil ficar criticando. Pensei bastante numa escalação que conseguiria resolver os problemas defensivos e ofensivos. Um esquema atual, mas sem improvisações como Cícero de segundo volante ou coisas do tipo. Cada um em sua respectiva posição.



Cavalieri no gol, obviamente. Embora tenha falhado no primeiro gol dos rubro-negros e contra o Cruzeiro, nosso goleiro ainda é muito confiável e não há motivos para tirá-lo.

Wellington Silva na lateral-direita. É o que temos. Se Eduardo não quer dar chance para o Jhonatan, não dá para ficar pensando em esquemas com três zagueiros ou qualquer outra coisa, pois se os lados do campo já ficam abertos com laterais, imagina sem.

Marlon e Henrique na zaga. São os mais confiáveis no momento. Pensei até em colocar o Henrique de volante, mas para entrar Gum, é melhor deixar do jeito como está.

Léo na lateral-esquerda. Apesar de jovem, não dá para aturar Giovanni. Posição com urgência para contratação.

Edson de volante. Pierre pode até ser raçudo, mas não tem técnica nenhuma. Não sabemos o que aconteceu com entre Edson e Eduardo, mas o fato é que o volante que veio do Atlético-MG já deu o que tinha que dar na titularidade. Ou contratamos outro ou coloca o Edson.

Scarpa e Cícero no meio. Estou aqui pensando num diamante para o nosso meio de campo. Os dois fazem as arestas laterais do diamante podendo abrir mais pelos lados ou buscando o jogo pelo meio. O entrosamento nesse setor é fundamental para subidas e tabelas. Treino neles.

Diego Souza de armador. Fazendo a ponta de cima do diamante, ele será o encarregado de colocar os dois atacantes na cara do gol.

Marcos Junior e Fred no ataque. Nosso capitão precisa de um jogador rápido e o único que se encaixa nesse perfil é Marcos Junior. Osvaldo não mostrou ao que veio. Richarlison talvez possa ser usado, mas o vejo mais como um reserva para o Fred.

Saudações Tricolores

Matheus Garzon

Figueirense praticamente não entra em campo e é derrotado pela Chapecoense

Na tarde deste domingo (22), o Figueirense foi até Chapecó enfrentar o time da Chapecoense em mais uma sofrida - pelo menos para os alvinegros - rodada do Campeonato Catarinense. E após cerca de três anos de invencibilidade contra o time do oeste catarinense, o Figueirense foi derrotado pelo placar de 1x0.

Pelo amor de Deus, como diria o bom manezinho da Ilha, "que côza horrorosa" esse jogo, esse time, tudo! Não sabemos mais o que reclamar desse time feio, pois já reclamamos de todas as coisas possíveis. Mas vamos aos lances da Chapecoense nesse jogo. Sim, só o time de Chapecó atacou. Mas vamos colocar uns lances do Figueirense para não ficar feio.


Aos 10 minutos, o primeiro lance de perigo maior. Após cruzamento, Ananias cabeceou e o obrigou Gatito Fernández a fazer uma boa defesa. Aos 18’, nova chegada da Chapecoense. Bruno Rangel chutou e Gatito interviu. Aos 22’, cruzamento de Gil para Bruno Rangel cabecear de costas, mas Gatito defendeu tranquilamente. Aos 28’, o primeiro chute do Figueirense, mas todo errado. Nem teve perigo. Aos 40’, o melhor lance do Figueirense no jogo. Jackson Caucaia recebeu o seu terceiro cartão amarelo e está fora do clássico. Aos 42’, Dener cruzou para a subida de Ananias que assustou o arqueiro alvinegro. Aos 45’, Lucas Gomes cruzou dentro da área e Ananias chutou por cima do gol.

Já na segunda etapa, aos 3 minutos, veja só você... Uma chance pro Figueirense. Jefferson arrancou que nem um maluco do campo de defesa e na hora de chutar... A bola escapou. Aos 12’, Gatito lançou Everton Santos, mas o atacante finalizou totalmente errado. Aos 28’, uma coisa ridícula aconteceu e não foi finalização do Figueirense. Rodrigo Biro estava no chão e precisou do atendimento médico. O carro-maca veio normal, parou, legal. Mas o maqueiro com toda a sua gentileza e carinho, pegou Rodrigo Biro pelos braços, o levantou e o jogou na maca de qualquer jeito. Maluco? Não. Pra quem não lembra, o lateral jogou lá na Chapecoense, e na sua apresentação como jogador do Figueira, ele disse que o Figueirense é muito maior que o clube do Oeste catarinense e que não tem nem comparação. Mas seguindo com o jogo... Aos 40 minutos, o caos. Bruno Dybal mostrou toda sua falta de habilidade ao chutar o chão. A bola ficou com Gil da Chapecoense, ele deu uma caneta desconcertante em Jefferson e chutou alto sem chances para Gatito Fernández. Pelo o que o Figueirense jogou, até que esse gol demorou a sair.

O próximo jogo do Figueirense é quinta-feira, às 21h30, na Ressacada, contra o Avaí, no único clássico de Santa Catarina. Será a reestreia de Vinícius Eutrópio como treinador do Figueirense. Essa é a hora de separar os meninos dos homens. Se na qualidade não vai, então que vá na raça e com o famoso sangue nos olhos que virou lema dos times do Figueira nos últimos anos. Honra essa camisa, porque o torcedor não merece esse time morto.

Ficha Técnica - Chapecoense 1x0 Figueirense

Data: Domingo, 21 de fevereiro de 2016
Horário: 17h (horário de Brasília)
Local: Arena Condá, Chapecó, SC
Público e renda: 5.924 presentes; renda de R$ 67.520,00
Arbitragem: Sandro Meira Ricci (SC); Eder Alexandre (SC); Clair Dapper (SC)
Gol: Gil (CHA)

Chapecoense: Danilo, Gil, Neto, Thiego, Dener; Josimar, Cleber Santana, Lucas Gomes (Nenén); Maranhão, Ananias (Silvinho), Bruno Rangel (Kempes) | Técnico: Guto Ferreira

Figueirense: Gatito Fernández, Henrique, Marquinhos, Bruno Alves, Rodrigo Biro (Marquinhos Pedroso); Jackson Caucaia (Dudu), Jefferson, Yago (Dener), Bruno Dybal; Everton Santos, Guilherme Queiroz | Técnico: Tuca Guimarães - interino

Patrick Silva | @figueiradepre

Já acabou, Flamengo?


Depois devencer o América-MG jogando muito mal, o Flamengo voltou ao Campeonato Carioca sabendo que não podia continuar com atuações terríveis na competição. No segundo clássico seguido, Muricy entregou à torcida um time diferente e, para a alegria geral, com mudanças que fizeram a diferença.

A surpresa já começou quando a escalação oficial saiu. O impossível se tornou possível e Márcio Araújo, finalmente, foi para o banco. Os volantes foram Willian Arão e Cuéllar, que, juntos a Mancuello mais recuado – diferente do último jogo –, fizeram uma grande partida. Na zaga, Wallace e Cesar Martins, que entrou no lugar do poupado Juan, repetiram a dupla que não dava certo ano passado. Mas dessa vez deu.

O Flamengo entrou com: Paulo Victor, Rodinei, Wallace, César Martins, Jorge; Cuéllar, Willian Arão, Mancuello; Marcelo Cirino, Emerson e Guerrero. E a escalação, que está, para mim, próxima do ideal, mudou e muito o desempenho em campo. Dominante durante a maior parte do jogo, o Mais Querido conseguiu fazer exatamente o que não fez nas últimas partidas, jogando bem, forte e com intensidade.

Claro que o Fluminense não passou os 45 minutos iniciais sem arriscar. Apesar da boa atuação, a zaga não é a melhor possível e deu abertura para algumas chances adversárias, mas o tricolor finalizou mal ou parou em Paulo Victor em todas elas. E o Flamengo foi para cima com uma vontade de vencer que é até difícil lembrar quando vimos pela última vez.

Aos 13 minutos da primeira etapa, Mancuello cobrou escanteio fechado, Cavallieri falhou e a bola parou em Willian Arão, que agiu rápido e chutou forte para o fundo das redes. O Fluminense, já perdendo, sofreu e sofreu muito. Foram chances de Guerrero, Cirino, Sheik, pela direita com Rodinei, que melhora a cada jogo, pela esquerda com Jorge, que está tentando voltar a atuar bem, ou pelo meio com Mancuello e Arão. Cuéllar fechou a defesa e fez tudo sem comprometer. Foi tudo muito bom.

No segundo tempo, logo aos dois minutos, Guerrero recebeu um cruzamento certeiro de Rodinei, pulou, cabeceou e deixou Henrique assistindo seu gol no chão. Até aí tudo foi ótimo, mas não tinha nada resolvido. Aos 6’, Cuéllar cometeu falta e retardou a cobrança, Pierre chegou empurrando o volante por trás e Marcos Júnior resolveu bater no colombiano também, que ficou muito irritado e foi controlado pelos companheiros. O juiz chegou atrasado no lance e acabou expulsando o rubro-negro e Marcos Junior.

E aí começou o sufoco. Muricy tirou Mancuello e colocou – ele – Márcio Araújo. A partir dessa mudança o Fluminense partiu para cima, mas a zaga conseguiu segurar o resultado. O ritmo diminuiu por conta do cansaço e da chuva, mas o Fla tentou uns chutes e também viu o adversário ter algumas chances de gol. Aos 37’ eles conseguiram quando Wallace cometeu falta na entrada da área, Gustavo Scarpa bateu por cima da barreira e Paulo Victor, pulando atrasado, não conseguiu defender. Para completar o difícil fim de jogo, o zagueiro capitão acabou expulso com o segundo amarelo por chutar a bola para longe depois de uma falta.


Como disse Diego Souza depois do fim do primeiro tempo, “Graças a Deus acabou”.

Na próxima partida já teremos mudanças. Contra a Cabofriense, quarta-feira, Muricy Ramalho não poderá contar com Wallace e Cuéllar, suspensos, e Guerrero, que levou o terceiro amarelo por comemorar com a torcida e está fora. Para substituí-los, o treinador deve voltar Juan e Márcio Araújo para os titulares e testar Felipe Vizeu no ataque.

Mariana Sá || @imastargirl 
Fotos: Flamengo

Quartas de final da Copa da Inglaterra definidas

Na tarde do ultimo domingo (21), a FA sorteou os confrontos da sexta rodada da Copa da Inglaterra. Mesmo com dois confrontos ainda por definir, os clubes já conhecem seus adversários na próxima fase da competição.


Arsenal e Hull não saíram do 0 a 0 no primeiro confronto das oitavas de final e vão precisar de um jogo replay no KC Stadium, casa dos Tigers, a partida decisiva está previamente marcada para o dia 08/03. O outro confronto ainda indefinido é entre Shrewsbury Town e Manchester United, os dois entram em campo ainda pelo primeiro jogo nesta segunda-feira (22), às 16h45.

Dos já classificados, o Reading é o único sobrevivente de fora da Premier League. Os Royals disputam a Championship – Segunda Divisão Inglesa – e vão enfrentar o Crystal Palace, no Madejski Stadium, nas quartas de final do torneio.

No confronto mais interessante da 6ª rodada, o Everton vai receber o Chelsea no Goodison Park, em Liverpool. A Copa da Inglaterra deve ser a última chance de título na temporada doméstica para as duas equipes. O Chelsea ainda segue vivo na Liga dos Campeões da Europa.

Watford e West Ham ainda esperam os vencedores dos confrontos indefinidos e vão ter que jogar na casa do adversário. O vencedor de Arsenal e Hull enfrenta o Watford, enquanto o vencedor de Shrewsbury e Manchester United enfrenta o West Ham.

Os jogos das quartas de final da Copa da Inglaterra estão marcados para o fim de semana entre 11 e 14 de março. A decisão é em jogo único, em caso de empate, é marcado um jogo replay com mando de campo invertido. A partir das semifinais, todos os jogos serão no Estádio de Wembley.

No Clássico das Multidões, a freguesia aumenta


"Salve! Ó terra dos altos coqueiros de belezas soberbo estendal. Nova Roma de bravos guerreiros é o Sport imortal".

Chegamos em 2016 e um dos maiores dérbis do cenário brasileiro - clássico das multidões - chega ao seu centenário e o primeiro capítulo de Sport x Santa Cruz foi escrito nesse domingo (21) na Ilha do Retiro. De um lado a força do Leão do outro a Cobra Coral, ambos querendo dar o bote na "jaula leonina".

Nas arquibancadas era só festa, tanto de rubro-negros quanto dos tricolores que fizeram uma bela festa na Ilha. O jogo começou e quem começou assustando foi o Santa após Wallyson tentar sair da marcação, Grafite bateu para a defesa do goleiro Danilo Fernandes.

Em mais um ataque do Santa, aos 6 minutos, Wallyson encarou a marcação de Durval, mas bateu pra fora. O Sport respondeu aos 7 minutos com o estreante Gabriel Xavier que fez a proteção e bateu para o gol para a boa defesa do goleiro Tiago Cardoso.

E como muitos dizem que na terceira tentativa a pessoa acerta, pois é isso rolou também no clássico. Aos 9 minutos depois do cruzamento, o zagueiro Matheus Ferraz bobeou, ai foi travado para todo lado até que sobrou para Lelê cruzar para Grafite marcar o primeiro gol do clássico das multidões. Santa 1x0.


Após o gol, o Santa teve mais uma grande chance quando João Paulo lançou para Wallyson que chutou e parou em Danilo Fernandes. Depois desse lance, o Sport acordou pra vida. Aos 25 minutos, Luiz Antônio livre soltou a bomba para mais uma boa defesa de Tiago Cardoso.

E ai o Sport deu uma de Palmeiras e empolgou na partida, agora com Reinaldo Lenis que recebeu de Serginho e bateu colocado só que a bola foi para fora. Aos 33 minutos, na cobrança de Luiz Antônio, a bola sobrou para Durval que rolou para Reinaldo Lenis bater para mais outra defesa de Tiago Cardoso. E a disputa entre Lenis x Tiago Cardoso não parava, após troca de passes entre o colombiano e Renê, o meia-atacante soltou a perna e mais uma vez parou em Tiago Cardoso.

Sim o clássico foi como a maioria deles, movimentado e cheio de chances. E antes de terminar os 45 minutos iniciais deu tempo para Luiz Antônio soltar mais uma bomba que desviou em Danny Morais e ele, sim Tiago Cardoso fez uma grande defesa.

A torcida rubro-negra estava entalada para gritar o seu grito de gol e num é que ela veio. Aos 6 minutos, Reinaldo Lenis cruzou rasteiro a bola passou pela pequena área, ninguém tirou e Luiz Antônio (na terceira tentativa, lembra!?) fuzilou o gol de Tiago Cardoso que não pode fazer nada além de lamentar. Sport 1x1 Santa Cruz.


Depois do gol de empate, a zaga rubro-negra falhou e deixou Grafite sozinho que bateu para fora, assuntando o goleiro Danilo Fernandes e a torcida rubro-negra. E pensou que parou por aqui? Nada. Após lateral cobrado, Grafite fez falta em Durval, mas a arbitragem deixou o jogo rolar (só rola falta se matar um), o atacante tricolor avançou e bateu para boa defesa de Danilo Fernandes.

Após o Santa se animar, o Sport controlou o jogo e foi pra cima e de tanto ir pra cima, marcou. Aos 34 minutos, Matheus Ferraz venceu no alto, a bola sobrou para o jovem Everton Felipe que avançou, cruzou e de carrinho, na raça Túlio de Melo virou o jogo para o Sport fazendo a Ilha do Retiro explodir em alegria.


E se no gol de Grafite a torcida do Santa Cruz provocou a torcida rubro-negra cantando: "Ei? Aqui Oh", após o gol de Túlio, a torcida leonina retrucou a provocação na mesma.

Depois da virada rubro-negra, o Santa Cruz até que tentou, Bruno Moraes que disse antes do jogo começar que iria marcar um no Sport também tentou e até agora estou esperando o gol dele. Mas o Sport controlou o jogo, e aos gritos de "Olé", Sebastião Rufino Filho encerrou mais um Clássico das Multidões com a freguesia aumentando. Sport 2x1 Santa Cruz.

Com o resultado positivo, o Sport entrou no G4 do hexagonal do título, o rubro-negro está na 4° colocação com seis pontos e na próxima partida enfrenta o River (PI), quarta-feira no estádio Albertão às 21h45m pela Copa do Nordeste. Já o Santa Cruz caiu para o 5° lugar e receberá o Juazeirense (BA) no estádio do Arruda também na quarta-feira às 21h45m pelo Nordestão.

Antes de terminar queria terminar com esse tweet do amigo Jonathan Tutim para dizer que isso não é freguesia e sim uma paternidade.





Saudações Leoninas!
Por: || Fernando Junior||

Coritiba goleia na 5ª rodada

Kléber é o artilheiro do Paranaense com 8 gols
(Coritiba/Divulgação)
Foi mais fácil do que se esperava e com V maiúsculo a vitória Alviverde na noite de ontem (21), no Couto Pereira. Com uma boa movimentação, o Coritiba dominou completamente a fraca equipe do Operário e goleou pelo placar de 4 x 0 com gols de Luccas Claro, Kléber (2) e Dudu. O resultado manteve o Verdão em terceiro lugar na competição, agora a um ponto do seu rival A. Paranaense.

Três gols já no primeiro tempo

O Coxa entrou em campo com algumas alterações em relação às primeiras partidas de 2016. Gilson Kleina não pôde contar com Juninho, que foi expulso no último jogo. Ruy, Reginaldo e Alan Santos não foram relacionados para a partida. Já Ceará e Dudu voltaram a aparecer entre os 11. Assim, Wilson, Ceará, Walisson Maia, Luccas Claro, Carlinhos, Amaral, João Paulo, Juan, Dudu, Leandro e Kléber começaram jogando.

O Coritiba iniciou a partida com uma marcação forte e que encurralava o Operário em seu próprio campo de defesa. Entretanto aos 10 minutos, Wallison falhou e o Fantasma só não abriu o placar porque Luccas Claro aliviou o perigo. Aos 13', o primeiro gol Alviverde. Carlinhos cobrou a falta e o goleiro do Operário disputou a bola com Kléber e Luccas Claro, a bola bateu por último no atacante Coxa-branca, porém o árbitro confirmou o gol para Luccas Claro. Depois do gol, o Coritiba diminuiu o ritmo e apenas controlava o adversário até chegar ao 2º gol. E aos 32', Kléber recebeu na entrada da área puxou para a esquerda e bateu para o gol, a bola desviou em Sosa e matou o goleiro Sílvio.

Aos 39', quase o Verdão marcou o 3º. Juan entrou na área com facilidade, mas na hora de finalizar, ficou indeciso e acabou perdendo grande chance. Porém 2 minutos mais tarde, saiu o 3º gol Alviverde. Dudu recebeu a bola na entrada da área, levantou a cabeça e bateu colocado. A bola explodiu no travessão e ultrapassou a linha em poucos centímetros. Golaço no Couto Pereira e uma vantagem extremamente confortável para o Coritiba na partida. Final de primeiro tempo, um 3 x 0 bastante justo para a equipe de Gilson Kleina.

Um golaço para fechar a conta

O Operário voltou para o segundo tempo disposto a reduzir o vexame. Logo aos 8', Rafinha bateu cruzado, a bola desviou em Walisson e quase enganou Wilson. Diferente da 1ª etapa, o Verdão diminuiu bastante o ritmo e esperava apenas um contra-ataque para matar o jogo. E foi o que aconteceu aos 21', Ceará cruzou na área, Kléber vendo que a bola passaria do seu corpo, se ajeitou e mandou uma bonita bicicleta que morreu no fundo do gol. Mais um bonito gol no Couto Pereira, bastante merecido para o melhor jogador em campo.

Aos 25', Perovíc acertou o travessão Coxa-branca. Walisson e Kléber, sentindo lesões, deixaram o gramado para as entradas de Ícaro e Evandro, respectivamente. Aos 35’, Wilson fez uma excelente defesa em bola que bateu em Ícaro e ia tomando o caminho do gol.  Com uma vantagem muito confortável, o Coritiba apenas esperava o final da partida, mas ainda teve duas ótimas chances de aumentar o placar, que pararam na trave. Na 1ª, Evandro tocou para Juan que bateu tirando do goleiro, e caprichosamente a bola foi na trave. No lance seguinte, foi à vez de Leandro acertar a trave. Final de partida, 4 x 0 para o Coritiba.

A equipe Alviverde volta a campo na próxima quinta-feira (25/02), para enfrentar o Rio Branco, pela 6ª rodada do Paranaense, no Estádio Couto Pereira.

Valeu Coxa!!!

Texto feito por: @Andreysuldovski
←  Anterior Proxima  → Inicio

Inscreva-se no canal LFTV

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Mais lidas da semana