A SUA LINHA DE NOTÍCIAS

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

TWITTER

FACEBOOK

Premier League Brasil

Siga-nos nas redes sociais

Popular Posts

Quem sou eu

CLASSIFICAÇÃO

quarta-feira, 9 de março de 2016

Ozéia fala sobre a adaptação ao futebol asiático: “Até que não foi tão difícil”

Zagueiro Ozéia no Bahrein
Campeão Gaúcho pelo Grêmio em 2010, Ozéia atualmente veste a camisa do Busaiteen Club do Bahrain. Mas a primeira experiência na Ásia foi em 2013, quando defendeu o Al Hilal da Arábia Saudita, e desde então o atleta de 34 anos coleciona algumas histórias curiosas.

Com experiência em grandes clubes brasileiros e em Portugal, o zagueiro conta que não enfrentou muita dificuldade para se adaptar: "Apesar de ser um país desconhecido para mim, até que não foi tão difícil, pois o clube me deu toda assistência e suporte na minha chegada. Até compras no supermercado eles me ajudaram a fazer no início".

O atleta ainda lembra que muitos torcedores foram recepcioná-lo no aeroporto: "Foi uma confusão e eu não consegui entender muita coisa, principalmente por causa do idioma. Depois que cheguei ao hotel fiquei imaginando como iria ser minha vida por lá, pois a cultura, os costumes são completamente diferentes dos nossos".

No clube ele foi bem recebido pelos demais companheiros e comemorou por ter mais um brasileiro na equipe, o que facilitou sua adaptação. E, além de tudo, tinha dois jogadores árabes que falavam português: "Quando cheguei encontrei o Wesley Lopes, que já conhecia de vista da época que jogava em Portugal e também o colombiano Gustavo Bolivar. Nós sempre ficávamos juntos e com o tradutor, pois nem o inglês é falado por todos lá, mas o que me deixou mais surpreso foram dois jogadores árabes que sabiam falar a nossa língua de tanto que gostavam do Brasil, claro que não era fluente, mas dava para conversar bem. E vale ressaltar que em Árabe a gente só aprende os xingamentos. Você tem que aprender a xingar e saber quando eles estão te xingando para se defender", brinca o jogador.

Mesmo não tendo tantas dificuldades, como normalmente acontece com os brasileiros por lá, Ozéia passou por algumas situações inusitadas, como o dia em que foi barrado em um shopping por causa das tatuagens de um amigo: "Uma vez fomos a um shopping, eu, o tradutor e o Wesley ele tem muitas tatuagens e estava com uma camiseta regata. Logo que entramos veio um segurança pedir para ele cobrir as tatuagens ou sair do local... Tivemos que ir embora [risos]", explica ele.

São fatos como esse que mostram as diferenças culturais e de comportamentos nos países árabes. Ozéia lembra que o dia a dia na Arábia Saudita é bem complicado, pois eles são bem severos e seguem rigorosamente suas crenças religiosas: "Nós também precisamos seguir o que é imposto por eles. O que mais me espanta é o poder que eles têm sobre as mulheres, elas são submissas ao extremo e não podem fazer nada, é tipo uma escrava", observa o jogador.

Morando agora no Bahrein, pequeno país da região do Golfo Pérsico, Ozéia conta que por lá as mulheres são mais livres, podem vestir o que quiser, podem dirigir, ir aos estádios: "No Bahrein é muito bom de morar, é mais livre, inclusive foi construída uma ponte de 25 km que cruza o Golfo Pérsico e liga a Arábia Saudita com o Reino do Bahrein. Durante os finais da semana e feriados a população do Bahrein quase duplica, pois eles saem da Arábia em busca de mais liberdade, principalmente as mulheres".

Grande Prêmio de Fórmula 1 do Bahrein
Já o futebol não é tão competitivo, mas está em ascensão. Ozéia conta que os treinos acontecem somente no período noturno: "Normalmente treinamos apenas a noite por causa do calor. No auge do verão, nos meses de junho e julho, as temperaturas ficam em torno de 40ºC, 45ºC e é praticamente impossível treinar durante o dia, mesmo às 22h, no horário do treino, ainda é muito quente".

Treinos noturnos
Agora se o assunto for alimentação, Ozéia se lembra de um fato engraçado que aconteceu logo que chegou ao Bahrein: "Fiquei sabendo que existia uma churrascaria por perto, e como bom gaúcho, louco por uma carne, um bom churrasco, quis conhecer. Fui com o jogador Rodrigo Possebon, também gaúcho. Quando chegamos lá fomos recebidos por dois indianos de bombacha e bota e aí na hora de servir a carne, eles chegaram com camarão no espeto. Foi muito engraçado", lembra aos risos.

Apesar das diferentes culturas, do calor, de ficar longe dos familiares e amigos, Ozéia garante que vale a pena: "Claro que o lado financeiro pesa muito para um jogador quando decide viver longe do seu país, não é fácil, mas pode garantir um futuro melhor para gente e para a nossa família. Só que além do dinheiro, nós temos a oportunidade de adquirir e conhecer novas culturas, lugares, que se não fosse pelo futebol não teríamos essa oportunidade".

Comemoração Al Hilal

Grêmio, favor não apequenar o clássico

O Grenal foi exatamente o Grenal. Jogo monótono, com poucas chances de gol e sem qualidade técnica alguma. A grande maioria dos Grenais são assim. O empate foi mais que justo, nenhum dos times fizeram jus para vencer o jogo, porém ao término do jogo o que mais se fala até os dias de hoje é o "caso Bolaños". Os dirigentes do tricolor não param de falar e pedir uma punição para o lateral Willian, concordo que ele entrou muito forte na jogada e que ele corria o risco de ser expulso, mas o que me deixa intrigado é como ninguém foi ver o Bolaños, ninguém foi perguntar como ele estava, nem a arbitragem. 

Rodrigo Dourado recebeu forte entrada de Maicon e não houve fortes reclamações.
Não quero entrar no mérito de falar sobre o caso "Maicon vs. Dourado" pois seria colocar mais lenha na fogueiro sobre esse jogo, então prefiro trazer um jogador que não está mais aqui na aldeia, D'alessandro, o senhor Grenal, ele vez após vez era caçado em campo, cansou de apanhar durante anos, quantas vezes a diretoria do Inter fez um escândalo e disse que levaria o caso para a delegacia?

Alô torcedor gremista e direção, favor prestar atenção na tabela, hoje vocês jogam pela Libertadores e o jogo é muito importante, a lesão do Bolaños está sendo tão comentada que todo mundo acabou esquecendo que o Inter se classificou na Primeira Liga e que o coirmão precisa torcer para o Flamengo e para o Criciúma para poder passar de fase.

William tem 55 jogos pela camisa do Inter e nunca foi expulso.
Grêmio, eu estou pedindo, quase implorando, vamos ter mais dignidade e saber aceitar os resultados, Daranco foi muito mal no Grenal e foi por culpa da sua direção, nossa arbitragem se esforça dia após dia para chegar ao topo dos campeonatos, dai vem um dirigente que mal sabe dividir uma bola de futebol dizer que ele não pode apitar o maior clássico da aldeia. Direção tricolor, foca na Libertadores, esquece o Willian e amargurem a péssima escolha que fizeram em usar titulares no Grenal.
E como diria nosso saudoso Jarel, Grenal é Grenal e vice-versa.

Ismael Schonardie|@Ismahsantos

Vitória para dar confiança

Santa Cruz venceu o Confiança por um placar de 3 a 1, e segue vivo na busca pela classificação as quartas de finais da Copa do Nordeste.

Foto: André Nery/JC Imagem
Primeira Vitória em casa pelo Nordestão / imagem: JC imagem
Em jogo válido pela quinta rodada da Copa do Nordeste, o Santa Cruz conseguiu uma vitória importante diante da equipe Sergipana nesta terça 08/03. Além de marcar a primeira vitória do tricolor em casa na competição, a equipe chegou aos 10 pontos e ainda almeja chances de classificação.

O time bem que se esforçou para complicar um jogo fácil, o Confiança já não tinha chances de classificação, e jogou com apenas três titulares, e mesmo assim o Santa cedeu um empate, (EM UMA FALHA DEFENSIVA, PARA NÃO VARIAR) aos oito minutos do segundo tempo, em uma falha de marcação boba do Tiago Costa, que tinha marcado o primeiro gol do jogo aos dez do primeiro tempo. Mais aí, com todo um clima de pressão da torcida no Arruda, aparece o Kenodowski, ele mesmo, o atacante Keno, (JOGADOR MAIS REGULAR NESSE INICIO DE TEMPORADA) aos 25 minutos do segundo tempo, para fazer 2 à 1 Santa, que chegou ao terceiro gol com o atacante Bruno Moraes (General), aos 27 minutos da segunda etapa, com uma ótima assistência do Keno.

Foto: André Nery/JC Imagem
Bruno Moraes comemorando seu gol junto à torcida / imagem: JC imagem
Caso ocorra um tropeço da equipe do Bahia na sua próxima partida (muito improvável), as duas equipes se enfrentam na ultima rodada pela vaga direta como primeiro colocado, caso o Bahia confirme seu favoritismo diante da Juazeirense, o Santa Cruz tentará se encaixar como um dos melhores segundos colocados, que no caso serão três, a atual situação dos segundos colocados é a seguinte:

1- Santa Cruz - 10 pontos (5 jogos);
2- Sampaio Corrêa - 07 pontos, +2 de saldo (4 jogos);
3 - Coruripe - 07 pontos +1 de saldo (4 jogos);
4- River PI - 05 pontos (4 jogos);
5- Salgueiro - 04 (4 jogos).

Confira os melhores momentos da partida:

FICHA DA PARTIDA – SANTA CRUZ 3X1 CONFIANÇA

Santa Cruz: Tiago Cardoso; Everton Sena, Alemão, Leonardo e Tiago Costa; Wellington Cézar, João Paulo e Leandrinho (Raniel); Wallyson (Bruno Moraes), Keno e Arthur (Daniel Costa). Técnico: Marcelo Martelotte.

Confiança: Henrique, Caíque (Bibi), Carlinhos, Lucas Rocha (Luis Henrique) e Pedrinho; Nei, Wallace, Raulino e João Guilherme; Warley e Diego Ceará (Danilo Bala). Técnico: Betinho.

Nordestão (Grupo C).
Local: Arruda, Recife (PE).
Árbitro: Italo Medeiros de Azevedo (RN).
Assistentes: Flavio Gomes (RN) e Márcio Lopes (PB).
Gols: Tiago Costa (SC) aos 11 minutos do primeiro tempo. Keno (SC) aos 26 e Bruno Moraes (SC) aos 28 do segundo.
Amarelos: Alemão (SC), Ney Maruim (C), Caíque (C), Keno (SC) e Bruno Moraes (SC).
Público: 7.133.
Renda: R$ 70.130.
Por: Bocão // @_SiilvaSCFC
#VAMOSANTA

Cem vezes Olívio

Neste próximo domingo (13), Olívio fará sua partida de número 100 pelo Regatas. É um jogo especial, uma marca muito importante para qualquer atleta. Na matéria a seguir, veremos quem é este jogador tão especial, que em dois anos de CRB já é um dos capitães da equipe e apontado por alguns como ídolo.


Olívio Aparecido Costa, 28 anos, natural de Presidente Epitácio em São Paulo, chegou ao CRB em 2013 já se preparando para a temporada de 2014. Antes de jogar pelo Galo, Olívio tinha já passagens pelo Anapolina-GO, Boa Esporte-MG e Red Bull Brasil-SP. Pelo Boa Esporte, o jogador atuou por quatro temporadas, sendo emprestado em 2013 para o Red Bull Brasil para a disputa do Campeonato Paulista, voltou para o Boa para a disputa da Série B, na qual foi sua última pelo time Mineiro.


Olívio (BRA)

Anunciado como novo reforço do CRB em outubro de 2013, Olívio era desconhecido pela torcida. No dia 9 de dezembro, o volante já começava a pré-temporada de 2014 junto a seus companheiros e nem sabia o quanto de emoções ele viveria nos três anos seguintes.

Fez sua estreia pelo CRB contra o Ceará na Copa do Nordeste de 2014, entrou no segundo tempo quando o jogo já estava 4 a 0 pro adversário. Desde então, Olívio é titular absoluto da equipe. Ainda em 2014, a mídia alagoana o apontava como melhor jogador do estadual daquele ano, mas acabou se tornando "apenas" o melhor volante do Campeonato, fato que se repetiu em 2015.

Regularidade nas partidas e apoio das arquibancadas

A regularidade nas partidas faz com que Olívio seja considerado "xodó" da torcida, já que sempre é o favorito dos torcedores em campo. Olívio tem retrospectos favoráveis quando atua no Rei Pelé, pois foram apenas cinco derrotas em toda sua passagem pelo CRB, fora de casa não se pode dizer o mesmo.


Suas atuações brilhantes, geram elogios de comentaristas Alagoanos, já que muitos o apontam como o melhor jogador que atua no meio-campo no estado. Uma das atuações marcantes de Olívio pelo CRB talvez seja na derrota para o Sampaio Corrêa pela Série B de 2015 no Maranhão, quando ele anulou o principal jogador da equipe adversária e foi apontado como o melhor da partida, mas infelizmente o Regatas saiu derrotado com o placar de 1 a 0.

Sobre sua melhor atuação pelo CRB nesse período, ele apontou o jogo contra o Asa, quando o Galo saiu vitorioso com um placar de 3 a 1; e ele marcou o terceiro gol da partida. Neste dia, foi mostrada mais uma vez a sua espetacular regularidade com a camisa desse time. Desarmes precisos e controle da posse de bola fizeram com que o meia se sentisse mais a vontade na partida, e ele chegou a subir para o ataque tentando fazer jogadas. Em uma delas foi feliz.

Perguntado sobre a sua relação com o Regatas, se ele se sente seguro em estar no clube e, se hoje ele encontrou sua verdadeira casa, o meia disse: "E então, serei grato eternamente pelo Clube de Regatas Brasil, aqui eu me sinto seguro e respeitado por todos. Sim, essa é minha casa".


A quem Olívio representa?



Um dos grandes, um dos poucos. Olívio chegou ao CRB como mais um e foi desta forma que agradou a quem lhe viu. Peça chave do elenco, xodó máximo da torcida, se perguntar a cada torcedor quem é seu ídolo em campo, onze em cada dez dirão que é o jogador loiro da camisa 5. Atuações impecáveis, nunca mais se viu um atleta honrar tanto a camisa como ele. São dois anos e cinco meses como jogador do Regatas e já é quem tenta ser. Ídolo? Não vejo motivo para discordar, já que a camisa 5 sem ele não é a mesma. Hoje no CRB, se não tivermos o nosso galego em campo, sabemos que será um jogo difícil. Se tivermos, já ficamos calmos por saber que teremos mais um ou o mais confiante por ali.

Nunca esquecerei de CRB e Boa Esporte. Era um confronto válido pelo primeiro turno da Série B de 2015, Olívio jogava contra seu ex-clube. Foi uma atuação espetacular, desarmes precisos como de rotina, sem errar passe algum e ainda tentou uma finalização, mas infelizmente foi no travessão.

Lembro-me que neste dia um amigo meu foi ao Rei Pelé ver o CRB jogar pela primeira vez em sua vida. Eu falei sobre o volante do Galo e ele aguardava ansioso a bola rolar para ver realmente se o que eu dizia era verdade. Foi um dos jogos mais incríveis de Olívio vestindo a camisa do Regatas, mas infelizmente, já nos acréscimos quando tudo estava ganho, ele cometeu um pênalti e o batedor converteu. Era decepção de alguns, tristeza de outros, mas pra mim era algo pior, era ver o grande jogador do time cometer seu primeiro erro pelo clube. Dizem que ele saiu aos prantos do campo, mas pouco importou, quem viu o que ele fez no resto da competição sabe que ele mereceu.

Jogos realizados

Confira abaixo, todas as partidas de Olívio pelo CRB:

Ao todo, foram 99 jogos, 46 vitórias, 24 empates, 29 derrotas

Copa do Nordeste - 16 jogos realizados



Copa do Brasil - 7 jogos realizados



Série C - 20 jogos realizados



Série B - 25 jogos realizados



Campeonato Alagoano - 31 jogos realizados

19/02/2014 - Csa 1-1 CRB (empate)
23/02/2014 - CRB 3-0 Penedense (vitória) - Olívio marcou um gol
08/03/2014 - Coruripe 1-1 CRB (empate)
17/03/2014 - CRB 2-0 Murici (vitória)
20/03/2014 - Ceo 0-3 CRB (vitória)
23/03/2014 - CRB 1-0 Ceo (vitória)
26/03/2014 - Murici 0-1 CRB (vitória)
30/03/2014 - CRB 0-1 Coruripe (derrota)
05/04/2014 - Penedense 2-2 CRB (empate)
13/04/2014 - CRB 1-0 Csa (vitória)
16/04/2014 - Asa 0-2 CRB (vitória)
26/04/2014 - Coruripe 2-1 CRB (derrota)
30/04/2014 - CRB 0-0 Coruripe (empate)

22/03/2015 - Ceo 1-0 CRB (derrota)
25/03/2015 - CRB 3-0 Ipanema (vitória)
05/04/2015 - CRB 2-1 Csa (vitória)
08/04/2015 - Csa 0-1 CRB (vitória)
13/04/2015 - CRB 2-1 Coruripe (vitória)
16/04/2015 - Ipanema 1-0 CRB (derrota)
19/04/2015 - CRB 5-0 Ceo (vitória)
22/04/2015 - Coruripe 1-2 CRB (vitória)
26/04/2015 - CRB 2-0 Asa (vitória)
29/04/2015 - Asa 2-1 CRB (derrota)
03/04/2015 - Coruripe 1-1 CRB (empate)
06/04/2015 - CRB 2-0 Coruripe (vitória) - CAMPEÃO!

24/01/2016 - CRB 5-1 Murici (vitória)
10/02/2016 - CRB 1-0 Cse (vitória)
21/02/2016 - Csa 1-1 CRB (empate)
28/02/2016 - CRB 3-1 Asa (vitória) - Olívio marcou um gol
06/03/2016 - Sete de Setembro 1-4 CRB (vitória)

Dados fornecidos por ogol.com

Aquecimento Olímpico: Os dois lados do basquete brasileiro


O basquete é um dos esportes que mais conquistou admiradores ao redor do mundo nos últimos anos. Com o aumento das transmissões da NBA no Brasil e o desenvolvimento do NBB, é comum que a modalidade seja assunto cada vez mais frenquente por aqui. Recentemente o país tem tido um aumento considerável no investimento na liga nacional, o que ajuda e muito a melhora na qualidade das partidas. Porém, um velho problema ainda assombra as atletas profissionais.

É indiscutível que o esporte hoje não é apenas mais um no quadro de medalhas de competições internacionais. Graças a criação da Liga Nacional de Basquete em 2008, o Novo Basquete Brasil assumiu o posto de Campeonato Brasileiro do esporte e hoje é um grande sucesso. Antes do início do torneio, grandes nomes que atualmente estão na NBA, como Anderson Varejão, Tiago Splitter, Nenê e Marcelinho Huertas, deixaram o país exatamente pela falta de uma liga realmente profissional.

Entretanto, os últimos anos têm sido gloriosos para o basquete, já que o NBB atrai torcedores, patrocinadores, renda e grandes partidas. Além de ótimas equipes e ótimos jogadores sendo revelados a cada ano, a liga já conseguiu alcançar um patamar importante graças a organização do campeonato. Com isso, além de participações na Liga das Américas, levando dois títulos, os times conseguiram inclusive chamar atenção da NBA, quem vem realizando jogos no Brasil e fazendo "intercâmbios" fora daqui nos últimos dois anos.



Assim como em outras modalidades, o esporte feminino é o que mais sofre. Se por um lado o basquete masculino só cresce e tende a ficar cada vez mais popular, as mulheres continuam reféns de uma briga interminável entre a Liga de Basquete Feminino com a Confederação Brasileira de Basquete. Rivais não diretamente declaradas, as duas entidades não conseguem entrar em acordo sobre diversas questões envolvendo o desenvolvimento do campeonato nacional e a seleção, o que deixa as jogadoras no meio do fogo cruzado.

Para exemplificar o caos que se encontra o basquete feminino, a seleção fez um torneio amistoso como evento-teste para a Olimpíada nos últimos dias, mas antes mesmo dos treinamentos começarem sete atletas pediram dispensa alegando "motivos pessoais", mas isso tudo com apoio e até incentivo dos clubes e das próprias jogadoras, que se recusam a aceitar que a CBB controle a equipe.

Enquanto a NBB conta com quinze times que podem disputar jogos em alto nível e conseguem bons patrocinadores, a Liga feminina tem apenas seis clubes que ainda tentam se consolidar. O futuro do basquete masculino é promissor, já o do feminino é muito assustador.



Até o início da Olimpíada de 2016, muitas novidades serão ditas sobre o esporte. Boas ou ruins, é evidente que o basquete terá destaque pelo menos pelos próximos meses, já que é uma das modalidades com maior demanda de ingressos nos jogos. Esperamos que o Brasil nos surpreenda e deixe o tão esperado ouro em casa.

Mariana Sá || @imastargirl 

LEIA: AQUECIMENTO OLÍMPICO: BASQUETE
←  Anterior Proxima  → Inicio

Inscreva-se no canal LFTV

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Mais lidas da semana