A SUA LINHA DE NOTÍCIAS

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

TWITTER

FACEBOOK

Premier League Brasil

Siga-nos nas redes sociais

Popular Posts

Quem sou eu

CLASSIFICAÇÃO

domingo, 10 de abril de 2016

Cruzeiro vence o Boa Esporte e conquista sua nona vitória

Líder e soberano do Campeonato Mineiro, na tarde de domingo a Raposa conquistou mais uma vitória e dessa vez foi contra o Boa Esporte por 3 a 2, os gols cruzeirenses foram marcados por Douglas Coutinho que deixou seu tento duas vezes e Allano e Rodrigo Mucuri e Leonardo Gomes fizeram para o Boa.

Liderando com 29 pontos e com diferença de nove para o segundo colocado, com nove vitórias e dois empates, a Raposa obteve um aproveitamento de 87,9%, totalmente invicto na competição.
                                  
O próximo compromisso do Cruzeiro será contra o América-MG, partida já valida pelas semifinais, tudo indica que o jogo acontecerá no final de semana, porém as informações básicas como horário e local e dia será confirmado pela FMF (Federação Mineira de Futebol).

Sobre o jogo:

O Cruzeiro fez aquele famoso jogo somente para cumprir tabela, pois já estava garantido nas semifinais e líder isolado nos estaduais, porém perder não estava incluso na lista celeste.

Fazendo um reconhecimento do campo do mandante, a Raposa trocava passes e tentava achar uma brecha na marcação do Boa Esporte, com quase 15’ de bola rolando, nenhuma finalização com perigo tinha sido realizada.

Aos 18’, Douglas Coutinho oportunista aproveitou a falha da zaga da equipe mandante, Rafael Vitor com a bola dominada, recuou para Rodolfo, a jogada não deu muito certo, Douglas soube aproveitar as oportunidades que a vida dá, antecipou o lance e só teve o trabalho de mandar para o fundo da rede.


A resposta do time de Varginha veio aos 25’, Roberto Jacaré recebeu e acertou um ótimo chute de canhota. No minuto seguinte, o Cruzeiro aumentou o resultado, o zagueiro Léo que fez um lançamento para Bruno Nazário que driblou o marcador e mandou na medida para Douglas Coutinho marcar novamente.

Aos 29’, o time do Boa Esporte encontrou um gol com Leonardo Gomes que pegou sobra da cobrança de falta e chutou com frieza, diminuindo a vantagem construída até então pela Raposa.

Segundo tempo:

Para a etapa final, o Cruzeiro continuou com sua postura ofensiva e aos 06’, Pisano fez lançamento e Douglas Coutinho na entrada da área, dominou no peito e tentou finalizar de bicicleta, porém Rodolfo fez boa defesa.

A Raposa farejava o terceiro gol e manteve sua superioridade no confronto, aos 10’, em cobrança de falta, Bruno Ramires mandou para Marciel e o mesmo soltou uma bomba e Rodolfo espalmou para escanteio. As jogadas de perigo do Boa Esporte se resumiam em Silas, Roberto Jacaré e Leonardo Gomes, mas, param nas boas defesas do goleiro Rafael.
             

Aos 30’, Mayke roubou a bola pelo lado direito e cruzou para Allano, subiu e cabeceou com frieza, fazendo o terceiro gol do Cruzeiro no jogo.

Já nos minutos finais, o time comandado por Nedo Xavier fez seu segundo gol, aos 43’, Rodrigo Mucuri realizou boa jogada pela direita, foi para o meio e chutou rasteiro, concretizando o resultado final.

@Paulinha_CEC

BOA ESPORTE 2 X 3 CRUZEIRO

Motivo: 11ª rodada do Campeonato Mineiro
Data: 10/04/2016 (domingo)
Local: Estádio Dilzon Melo, em Varginha-MG
Árbitro: Ronei Cândido Alves (CBF)
Assistentes: Pablo Almeida Costa e Felipe Ramos Santana
Cartões amarelos: Bruno Felipe e Romário (Boa Esporte); Bruno Viana e Rafael (Cruzeiro)

Gols:
Douglas Coutinho, aos 18’ e aos 26’, e Leonardo Gomes, aos 29 minutos do primeiro tempo; Allano, aos 33’ e Rodrigo Mucuri, aos 43 minutos do segundo tempo

Boa Esporte: Rodolfo; Leonardo Gomes, Junior Lopes, Rafael Vitor e Bruno Felipe; Léo Baiano, Régis (Sillas) e Matheus Queiroz; Renato (Rodrigo Mucuri), Daniel Cruz e Roberto Jacaré (Romário). Técnico: Nedo Xavier

Cruzeiro: Rafael; Mayke, Léo (Fabrício Bruno), Bruno Viana e Fabrício; Bruno Ramires, Federico Gino, Marciel, Bruno Nazário (Allano) e Matías Pisano (Alex); Douglas Coutinho. Técnico: Deivid

Oeste e XV empatam e caem abraçados para a A2

Tropeço do Oeste, Pênalti perdido e empate no final do jogo, resume o que aconteceu hoje nos Amaros.

Foto: Cesare Boralli

O Oeste conseguiu hoje mais uma vez tropeçar dentro de casa, desta vez empatou contra o XV de Piracicaba. O Rubrão já tinha sido rebaixado desde o sábado passado (02/04) perdendo pro Tricolor do Morumbi, diferentemente do XV que ainda lutava pra escapar do rebaixamento.

O jogo começou melhor para o time de Itápolis, boas chances de gols que acabaram sendo perdidas. Como aos 14' minutos do primeiro tempo, com Marcelinho Paraíba cobrando escanteio e Daniel Gigante desviando de cabeça e mandando para a linha de fundo. O Rubrão continuou pressionando o XV, até que Mazinho em uma bela jogada pelo lado direito, ele arriscou na entrada da área chutando fraco, mas pra sua felicidade o Bruno Brígido acabou falhando e  levando um frango, abrindo o placar para o Oeste, aos 21 minutos do primeiro tempo.

O Rubro-negro de Itápolis depois do gol teve chances de ampliar o resultado, aos 45' do primeiro tempo por pouco não fez o segundo, Marcelinho e Maurinho fizeram boa jogada, Maurinho finalizou, porém Bruno Brígido conseguiu fazer a defesa. Já no segundo tempo o jogo foi um pouco diferente, o Nhô Quim foi pra cima, e por pouco não empata a partida.

A partida já se encaminhava para o fim, ambos tiverem chances claras de mandar a bola na rede, mas sempre mandavam pra fora, ou parava no goleiro. Até que aos 28' minutos o time de Piracicaba acabou sofrendo um pênalti em um lance infantil, cometido pelo zagueiro Brinner que tomou o segundo cartão amarelo e foi expulso. Tensão máxima na cobrança de pênalti, o XV precisava do resultado, mas o Fábio em uma tarde inspirada conseguiu defender a penalidade na cobrança de Rivaldinho que bateu mal. A torcida oestina comemorou a defesa como se fosse um gol, que alias mesmo cumprindo tabela, queria terminar o campeonato de uma forma honrosa.

Após o pênalti perdido, o Oeste tentou responder com o Marcelinho Paraíba que por sinal, foi um dos melhores do jogo, mas acabou chutando mal. Estava se aproximando do final de jogo, o Rubrão tentava aproveitar seus últimos minutos na elite do futebol paulista, e o XV desesperado corria atrás do empate, até que conseguiu dar uma reagida aos 50' minutos com o gol do Oswaldo, mas já era tarde demais, final de jogo com empate, e dois times tradicionais do futebol paulista, caíram abraçados para a segunda divisão paulista de 2017, mais conhecida como Série A2, que por sinal não é nada fácil a A2, tem muitos times fortes de bastante tradição, chega até ser mais interessante que alguns estaduais de elite no Brasil.

A próxima missão do Oeste é no segundo semestre, vem aí a Série B do Brasileiro e não é nada fácil, mas temos que lutar pra que não seja pior para o Oeste como foi esse primeiro semestre. Mudanças terão que ser feitas. Na próxima reunião já vai ser meio que decidido os jogadores que irão permanecer, os que vão embora, os que vão vir e quem será o novo treinador da equipe do Oeste, ou se vão acabar mantendo o Serjão no comando da equipe. Só nos resta aguardar qual será o futuro do Oeste.

Rubrão estreia na Série B de 2016 no dia 13/05 ou 14/05 contra o Atlético-GO no Estádio dos Amaros, em Itápolis-SP (horário e data a definir).

Ficha Técnica: Oeste 1 x 1 XV de Piracicaba

Oeste: Fábio; Léo Príncipe, Brinner, Daniel Gigante e Fernandinho; Elivelton (Leandro Mello), Renan Mota, Betinho (Dionísio) e Marcelinho Paraíba; Mazinho (Guilherme Amorim) e Maurinho. Técnico: Serjão.

XV de Piracicaba: Bruno Brígido; Daniel Damião, Oswaldo, Heitor e Thiago Carleto (Julinho); Clayton, Adriano Ferreira (Celsinho), Henrique Santoso e Diney;
Fabinho e Rodrigo Silva (Rivaldinho). Técnico: Luiz Carlos Ferreira.

Gols: Mazinho aos 22' minutos do primeiro tempo para o Oeste e Oswaldo aos 50' minutos para o XV de Piracicaba.
Cartões amarelos: Renan Mota (Oeste) ; Daniel (XV de Piracicaba)
Cartões vermelhos: Brinner (Oeste) Carleto, Celsinho e Henrique Santos (XV de Piracicaba)
Local: Estádio dos Amaros, Itápolis - SP.

Césare Boralli || @cesareboralli
Linha de Fundo || @SiteLF

Com gol nos acréscimos, Botafogo garante classificação à semifinal

Botafogo e Bangu enfrentaram-se na noite deste domingo (10), em São Januário, em jogo válido pela penúltima rodada da Taça Guanabara. A vitória, que veio nos acréscimos, com gol de Rodrigo Lindoso, garantiu a classificação do Glorioso à semifinal. O Alvinegro voltará a jogar no próximo domingo (17), quando enfrentará o Boavista.

O JOGO

Com algumas ausências, o Botafogo encontrou dificuldade no jogo. Aos 3 minutos, Emerson Silva cabeceou e mandou a bola por cima do gol. Aos 5', Giovanni recebeu bom passe pela direita e chutou cruzado. A bola não entraria no gol, mas Jefferson, por precaução, mandou para escanteio. No minuto seguinte, Almir, após a cobrança do escanteio, cabeceou nas mãos do melhor goleiro do Brasil. Aos 16 minutos, Ribamar recebeu pela esquerda e cruzou rasteiro. A bola, no entanto, passou por toda a pequena área sem ninguém para fazer o gol. Aos 19', Luis Ricardo, em linda bicicleta, tocou para o meio da área. Emerson Silva, sozinho, conseguiu cabecear para fora. Grande chance do Glorioso.

Aos 23 minutos, Ricardo Gomes foi obrigado a mexer no Botafogo. Fernandes sentiu e foi substituído por Dierson. O nível da partida caiu bastante. Nem Botafogo e nem Bangu levavam perigo. Apenas aos 42' o Glorioso conseguiu assustar novamente. Em boa jogada, Diogo Barbosa cruzou rasteiro para Gegê, que bateu de primeira. A bola foi caprichosamente para fora. Seria o gol do Alvinegro. Aos 45 minutos, Salgueiro soltou uma bomba. A bola raspou o travessão. Aos 47', o primeiro tempo acabou.

Se o primeiro tempo foi ruim, o segundo foi pior ainda. Bom, para a etapa final, o Botafogo voltou com outra modificação: o péssimo Octavio foi substituído por Luis Henrique. E logo aos 5 minutos, após ótimo lançamento de Salgueiro, o jovem atacante, que estava indo na direção do gol, foi derrubado, fora da área. A arbitragem não assinalou a falta, que foi claríssima. Instantes depois, Magnum, do Bangu, arriscou de fora da área. Jefferson defendeu. Aos 8', Luis Henrique carimbou a trave. Salgueiro, no rebote, desperdiçou. Aos 19 minutos, o Botafogo fez excelente jogada. Ribamar chegou a empurrar a bola para o fundo da rede, porém, a arbitragem já havia marcado o impedimento de Gegê no lance. Aos 29', Rafael Henriques subiu sozinho e raspou de cabeça. A bola foi para fora, mas levou perigo. Aos 33 minutos, terceira e última alteração no Botafogo: Gegê saiu para a entrada de Neilton. Aos 35', Luis Henrique finalizou, mas o goleiro Célio Gabriel fez a defesa.

Aos 45 minutos, em pênalti claro, Luis Henrique foi derrubado dentro da área. Rodrigo Lindoso converteu e deu a vitória suada ao Botafogo, isso aos 47'. E foi só.

Time comemora classificação suada (Foto: Vitor Silva/ SS Press/ Botafogo)
OBSERVAÇÕES

Octavio ter chances no Botafogo em pleno 2016 é um ABSURDO. Ele é patético como jogador de futebol. Élvis, muito melhor, mas muito melhor mesmo, foi dispensado. Hoje ele é destaque no Criciúma.

Rodrigo Lindoso virou o cobrador oficial de pênaltis do Botafogo. É uma responsabilidade grande.

Dierson, aos 21 minutos, chutou de forma BIZARRA em bola limpa rolada para ele. Lance sofrível.

Ribamar e Luis Henrique são bons jogadores, mas pecam em um quesito: são individualistas ao extremo. Já mataram várias jogadas por isso.

A atuação deixou clara que o elenco é fraco, ainda mais agora, com as várias lesões (Airton e Fernandes). Para o Carioca, ok. Para o Brasileiro não.

FICHA DO JOGO

Botafogo 1
Jefferson, Luis Ricardo, Joel Carli, Emerson Silva, Diogo Barbosa; Rodrigo Lindoso, Fernandes (Dierson), Octavio (Luis Henrique), Gegê (Neilton), Salgueiro; Ribamar. Técnico: Ricardo Gomes.

Bangu 0
Célio Gabriel, Paulo Barrach, Rafael Henriques, Arthur Sanches (Anderson Penna), Guilherme; Mauro Silva, Júnior, Giovanni Carioca (William Amendoim), Almir, Magnum; Igor Goulart (Carlinhos). Técnico: Mário Marques.

Estádio: São Januário (RJ).
Árbitro: Grazianni Maciel Rocha (RJ).                           
Assistentes: Eduardo de Souza Couto (RJ) e Thiago Gomes Magalhães (RJ).
Gol: Rodrigo Lindoso (47').
Cartões amarelos: Joel Carli, Rodrigo Lindoso e Luis Henrique (Botafogo); Anderson Penna, Guilherme, Mauro Silva e Júnior (Bangu).
Público: 1.791.
Renda: R$ 20.045,00.

Por: Gabriel De Luca (@biel_dluca). 

Vexame no Horto - Eu não queria ser Diego Aguirre

Hoje foi dia de Atlético e Tricordiano no Horto. Time classificado, escalação reserva, adversário fraco. O blogueiro que aqui vos escreve estava preparando um texto a respeito dos números do Galo nessa primeira fase de campeonato: Jogadores que entraram em campo, gols marcados, de qual posição do campo saíram mais tentos (se de cabeça, se de fora da área, se em infiltrações), quem acertou mais passes, quem errou, quem foi o maior ladrão de bolas, qual a maior fragilidade da defesa e etc.

Confesso que tais planos foram por água abaixo a medida que o jogo de hoje (ou a pelada, porque estava difícil de assistir) se desenvolvia, principalmente após os gols seguidos do Tricordiano na segunda etapa. 

Fonte: Túlio Kaizer /Superesportes
Sinceramente eu não esperava uma vitória fácil, uma goleada. Mas estava tranquilo que chegaria um resultado positivo. Se contra o Cruzeiro a derrota foi ocasional; contra o Del Vale os desfalques e as condições do gramado prejudicaram; mas contra o Tricordiano não tem desculpa, foi um vexame maiúsculo. Este 4x2 no Horto é um resultado inadmissível (mesmo se o jogo fosse disputado com o Sub-12 ou com o time de Masters). 

Ao dar uma corrida de olho nas redes sociais, vejo que este é o momento de maior turbulência enfrentado Atlético na temporada e principalmente pelo técnico Diego Aguirre. Sua cabeça para o torcedor está a prêmio, como naquelas fotos de velho Oeste – Wanted Dead or Alive. Ou como naquele seriado do Chris Rock: Todo mundo odeia o Aguirre.

Ou seja, um jogo que não valia nada, por pura displicência dos 11 jogadores que perderam vergonhosamente para o “potente” Tricordiano, pode transformar o Mineirão em um barril de pólvora prestes a ser incendiado caso haja um revés na quinta pela Libertadores.

E digo mais amigo atleticano, não me assustaria se no furor da torcida, Daniel Nepumuceno encerrasse o ciclo do Uruguaio. Fato este que o tornaria uma espécie de Paulo Autuori versão 2016, colocando a Libertadores e o próprio resto de ano a prova com vários sinais de interrogação.

Eu sinceramente espero que o time dê a volta por cima, vença bem o Club Melgar e faça uma grande semi-final contra a URT. Espero também que o trabalho tenha prosseguimento. É importante ressaltar que a evolução em campo sempre foi e sempre será um processo gradativo. Algo que vem com treinos, repetição, exaustão. E um trabalho encerrado tão precocemente poderá ter efeitos devastadores. Quero o melhor para o meu time, quero acima de tudo tranquilidade.

Ao mesmo tempo Diego Aguirre também precisa se ajudar, jogar com simplicidade, trazer de volta a torcida para o seu lado. O técnico precisa ter a consciência que é momento de decisão. É hora de sacrifício. Passaram-se os testes, o laboratório, o rodízio. O mesmo tem que escalar o que de melhor estiver à disposição, ou seja, o General na “volância” (a partir das semi-finais contra a URT, visto que o mesmo está suspenso para o jogo contra o Melgar), e o losango com Luan, Robinho, Cazares e Pratto – sem improvisos.

Fonte: Túlio Kaizer /Superesportes e Roger Dias /Estado de Minas
O torcedor – Diego Aguirre - não quer saber se uma nova filosofia está sendo implantada, se o trabalho no dia-a-dia é bem feito. Torcedor não admite perder, principalmente em seus domínios. 

E sinceramente, não queria ser você nesse final de domingo, não queria ser Diego Aguirre. Trabalho questionado, a cabeça deve estar pesada com algumas decisões mal tomadas, e a orelha queimando com tanta insatisfação por parte do torcedor alvinegro. Noite para  você, treinador, botar a cabeça no travesseiro e refletir sobre tudo que vem acontecendo em Belo Horizonte.
 
OBS 1 – Gols do Atlético: Cazares (27 minutos da primeira etapa) e Robinho (48 minutos da segunda etapa); Gols do Tricordiano: Marquinhos (32 minutos da primeira etapa), Juninho (1 minuto da segunda etapa), Marcinho (10 minutos da segunda etapa) e Arnold (50 minutos da segunda etapa)

OBS 2 – Opiniões jogador a jogador  - O Atlético foi ao jogo com Victor – Amém pois voltou de contusão, já que a batata do Uilson já estava assada. Mas falhou no terceiro gol do time de Três Corações; Carlos Cesar – fez o seu feijão com arroz de sempre, não comprometeu mas também pouco ajudou; Tiago –  é bom zagueiro, porém precisa de um parceiro mais rápido, tem muitas dificuldades no 1x1; Edcarlos – Bateu cabeça como em todas as vezes que entrou no ano de 2016, não é nem sobra do zagueiro razoável de 2014 e de 2015; Mansur – uma mistura de Pedro Botelho com Emerson Conceição. Como diria José Luiz Gontijo, velho jornalista da crônica mineira: “Péssimo dos Péssimos”; Leandro Donizete – é notório que a reserva não está fazendo bem ao General. Esse foi dos piores jogos do camisa 8 com a camisa do Galo. Estava disperso, alheio ao que estava acontecendo, erros bobos de passes e de botes; Lucas Cândido – Defensivamente deixou a desejar como todo time, figura indiferente; Eduardo – Peça mais lúcida do meio de campo, teve ao seus pés duas grandes chances de gol. É um menino para ser observado, grande volante; Cazares – Atuação apagada, mas é importante ressaltar que o jogo do equatoriano foi extremamente prejudicado pela apatia do time. Cazares sozinho é presa fácil aos marcadores, necessita da aproximação dos seus companheiros, coisa que não aconteceu; Pablo – Figura nula, famoso ponta ciscador. Zero Objetividade; Clayton – Tá certo que a função de centro avante não é a ideal para seu jogo, mas hoje o atacante poderia pelo menos ter “dado um sanguinho”. Robinho e Capixaba – Muita movimentação, clarividência e habilidade no caso do experiente atacante; força, vitalidade e velocidade no caso para a promessa alvinegra. Ambos não foram mal, mas como disse anteriormente a apatia dos demais não os deixou ajudar mais do que ajudaram.

Van Gaal peca e United perde para os Spurs

Tottenham e Manchester United, dois nomes de peso no Futebol Inglês!

O Tottenham foi a campo após um empate no Clássico contra o Liverpool, as equipes empataram por 1x1. Precisando da vitória para seguir vivo na briga pelo título Inglês, já que o Líder Leicester havia vencido na mesma rodada, os Spurs queriam a vitória a todo custo.

Já os Red Devils destemidos a acabar com os planos do rival vieram de uma vitória contra o Everton em Old Trafford por 1x0.

O JOGO:

(Fonte:ESPN BRASIL)
A partida se encaminhava para um morno empate em White Hart Lane neste domingo pela 33ª rodada do Campeonato Inglês. O Tottenham já começava a lamentar o distanciamento do líder Leicester na tabela quando um "furacão" passou pelo estádio. Em seis minutos, os Spurs aplicaram 3 a 0 no Manchester United e poderiam ter feito mais. Alli, Alderweireld e Lamela asseguraram o marcador aos 24’, 28’ e 30 minutos diante de um adversário passivo em campo.

Com o resultado, o time comandado por Pochettino mantém a esperança de alcançar o líder Leicester na disputa pelo título da Premier League. A equipe de Londres soma 65 pontos, sete a menos do que os donos da primeira colocação. O grupo de Louis Van Gaal se afasta um pouco mais da briga por uma vaga na próxima Champions. Confira aqui a classificação e os próximos jogos da competição.

DESTAQUES:

(Jogadores do Tottenham na Comemoração do Gol/Fonte:Globoesporte.com)
O Tottenham teve uma figura decisiva em campo neste domingo. As movimentações pela esquerda de Danny Rose incomodaram a defesa do United. Com um ritmo frenético de chegadas ao ataque, o lateral aparecia a todo o momento e variava as opções no ataque. Foi dele o passe para o último gol do jogo, marcado por Lamela aos 30 minutos do segundo tempo.

Pode-se dizer que Louis Van Gaal contribuiu um pouco em uma alteração para que o Tottenham crescesse no jogo. Logo no começo do segundo tempo, colocou Ashley Young na vaga de Rashford. O atleta acabou aparecendo como atacante centralizado em algumas oportunidades e com prejuízo na marcação. O esquema abriu espaço para as combinações de Kane, Lamela e Alli na frente e a consequente goleada.

A partida ainda reservou um momento de tensão. Com o 3 a 0 no placar, o Manchester United ficou com a cabeça quente em campo. Depay acabou se estranhando com Walker. Os dois precisaram ser separados para que não partissem para a briga.

Com o resultado, os Spurs seguem na briga para tentar alcançar o líder Leicester com 65 pontos na vice-liderança e enfrentam o Stoke City dia 18/04 fora de casa.

Com a derrota, os Red Devils ficam na 5° Colocação com 53 pontos e enfrentam na próxima Rodada o Aston Villa dia 16/04 no Old Trafford.

Lucas André || @luc4s_andre
Linha de Fundo || @SiteLF

Reservas decepcionam e Tricolor será visitante nas quartas

São Paulo fecha a 1ª fase do Paulista sem ganhar fora de casa e decidirá as quartas, fora de casa.

Com decisão na Libertadores na próxima quarta, São Paulo enfrentou nesse domingo, o São Bento em Sorocaba, valendo a chance de decidir o jogo das quartas de final do Paulista no Morumbi. Entretanto, com o time reserva, o Tricolor foi batido por 1 a 0, mas mesmo assim, está classificado para próxima fase.

Pensando no jogo contra o River Plate, Bauza poupou diversos jogadores, entre eles: Ganso, Maicon, Rodrigo Caio, Hudson, esses não foram nem para o banco na partida. Calleri (suspenso) e Carlinhos (estiramento no posterior da coxa esquerda) também não foram ao jogo. Já João Schmidt e Kelvin foram ao banco, porém não foram utilizados. Assim, Patón apostou em um esquema com Thiago, Daniel (saiu lesionado logo no 1º tempo, entrou Bastos em seu lugar), Lucas Fernandes e Wesley pelo meio e Centurión pela lateral. Apenas Kardec na frente.

A 1ª etapa foi desesperadora para os torcedores são-paulinos. Não, não foi desesperadora por pressão do São Bento e sim por ineficiência do ataque tricolor. Kardec teve chance de abrir o placar três vezes seguidas e em ambas, chutou para fora. Lucas Fernandes também teve suas chances, mas a bola parou no goleiro Henal. Além deles, até Lugano tentou. Porém o gol do São Paulo ficou no quase. Já na 2ª etapa, São Bento voltou ligado. Logo no início o mandante chegou com perigo, fazendo Denis trabalhar. Aos 10' saiu o único gol da partida. Após Lucão tirar de cabeça, a bola sobrou para Michel Bastos, esse não conseguiu o domínio, assim São Bento retomou com a bola, Régis driblou Lucão e fez o gol. Mesmo atrás do placar, São Paulo não demonstrava mudança no comportamento, pelo contrário, chegou apenas uma vez - com Kardec para fora, novamente. Com essa escalação, o problema encontrado pelo Tricolor foi o mesmo que em outras partidas com a mesma, a falta de um armador no meio de campo. Sem Paulo Henrique Ganso, São Paulo utilizava dos "chutões" da zaga para o ataque sem transitar a bola pelo meio, quando isso acontecia, era desarmado com facilidade.

Com esse placar, São Paulo fica em 2º no Grupo C com 22 pontos, e enfrentará o Audax fora de casa. A data e o local será definido nessa segunda (11/04) em congresso técnico na sede da FPF. Pela tão esperada, Libertadores, Tricolor recebe o River Plate, quarta-feira (13/04), às 21h45, no Morumbi.

FICHA TÉCNICA

Local: Estádio Walter Ribeiro - Sorocaba/SP
Cartões amarelos: Pitty e Rennan Oliveira (SBN); Lucas Fernandes, Lucão, Thiago Mendes e Michel Bastos (SAO)
Gols: Régis Souza (SBN)
Arbitragem: Rodrigo Guarizo Ferreira do Amaral, auxiliado por Paulo de Souza Amaral e Diogo Correia do Santos

SÃO BENTO:
Henal; Régis Souza, Pitty, João Paulo e Marcelo Cordeiro; Fábio Bahia, Alê (Hygor), Serginho Catarinense e Rennan Oliveira (Everton Sena); Anderson Cavalo e Edno. Técnico: Paulo Roberto Santos

SÃO PAULO:
Denis; Caramelo, Lugano, Lucão e Mena (Bruno); Wesley, Thiago Mendes, Centurión, Lucas Fernandes (Rogério) e Daniel (Michel Bastos); Kardec. Técnico: Edgardo Bauza

Por @pqmillen

Tetracampeão, o vôlei masculino é mineiro

O campeão de tudo desta temporada de 2015/16 não deixou escapar a conquista da Superliga Masculina de Vôlei. Na manhã deste domingo (10), no Ginásio Nilson Nelson, em Brasília, o Cruzeiro virou sobre o Campinas e levantou a taça do quarto título, terceiro consecutivo.

Cruzeiro, tetracampeão da Superliga (Divulgação/CBV)
A primeira final do Campinas faz a equipe paulista se orgulhar do jogo. Em uma partida disputadíssima, os mineiros reagiram no segundo set e fecharam a final em 3 a 1 (23/25, 25/23, 25/15 e 30/28). 

O jogo desta manhã reeditou a final de janeiro da Copa do Brasil, em que o Cruzeiro venceu pelo mesmo placar. O Campinas, por sua vez, não se intimidou, saiu na frente com a vontade de quem chegava a um lugar nunca antes alcançado. Desde 2010, o projeto de vôlei Campinas se apresenta no cenário nacional, porém a equipe nunca havia passado da semifinal e conquistado um terceiro lugar na temporada de 2013/14.

O primeiro ponto e o primeiro set da grande final foram campinenses. A equipe jogava com garra, os ataques eram rápidos e organizados, enquanto os cruzeirenses encontraram pela frente um bloqueio eficiente que foi o diferencial do primeiro set.

De um lado, uma equipe com atletas constantemente convocados para a seleção brasileira, do outro, atletas que não estão fazendo parte do grupo comandado pelo técnico Bernadinho, ultimamente. Mas uma coisa os dois times tinha em comum, os estrangeiros que se destacam. No dia de hoje, a válvula de escape foi o cubano naturalizado brasileiro Leal.

O cruzeirense Leal fez o time respirar. Uma equipe que participava da sua sexta final de Superliga, se mostrava ansiosa. Contudo, foi no segundo set, nos erros do Campinas que o Cruzeiro cresceu. Willian e Eder se encontram em quadra, Wallace e Isac apareceram para o jogo. Foi na segunda parcial que os cruzeirenses devolveram o placar e encaminharam a virada da final.

Enquanto os mineiros eram mais efetivos, os paulistas caíram de rendimento. O ponto franco estava na recepção deles, por outro lado a vontade de conquistar o título era presente na comemoração de cada um dos 15 pontos deste terceiro set. Haja coração para o quarto, que viria a ser, o último set.

O equilíbrio e a emoção do início da partida retornaram ao fim. O Campinas corrigiu os erros, o ponta Lucas Lóh fez a diferença na parcial. Já o Cruzeiro mantinha a confiança no entrosamento de seus jogadores e creditava seus pontos certos ao ponta Leal, o melhor da final. O set point que esteve nas mãos dos campinenses, passou ao match point cruzeirense, ou melhor, no victory point. Foi a parcial mais longa, ponto a ponto até fechar em 30/28.

O campeão do ano; Campeonato Mineiro, Supercopa, Mundial, Copa Brasil e Sul-Americano, reforçou sua hegemonia com a Superliga. Na fase classificatória do campeonato nacional, terminou em primeiro lugar. Do outro lado da quadra não estava apenas o terceiro colocado na tabela, mas sim um time corajoso e firme que conquistou o vice-campeonato nacional de vôlei.
Premiações individuais da Superliga 2015/16

MASCULINO
Maior pontuador – Escobar (Minas)
Melhor ataque – Wallace (Cruzeiro)
Melhor bloqueio – Maurício (Campinas)
Melhor levantador – William (Cruzeiro)
Melhor saque – Giovanni (Bento Vôlei)
Melhor recepção – Filipe (Cruzeiro)
Melhor defesa – Serginho (Cruzeiro)

FEMININO
Maior pontuadora – Alix (Praia Clube) 
Melhor ataque – Walewska (Praia Clube)
Melhor bloqueio – Carol (Rio de Janeiro)
Melhor levantadora – Macris (Brasília Vôlei)
Melhor saque – Carol (Rio de Janeiro)
Melhor recepção – Léia (Minas) 
Melhor defesa – Vanessa Janke (Rio do Sul)

Com carinho, Cássia Moura (@cassinha_moura)

Ataque perfeito, defesa imperfeita

O ataque do Verdão fez de tudo para fazer uma boa partida e sair de Trindade com uma vitória que garantiria a primeira colocação geral para o clube: tivemos Cléo desencantando e marcando três gols, Jhon Clay dando duas belas assistências, Cassiano se movimentando muito com Wagner, que conseguiu marcar um gol. O problema foi que a defesa do Verde com Wesley Matos e Alex Alves, fez questão de atrapalhar e dificultar a missão do clube de vencer a fraca equipe lanterna do Trindade, que foi rebaixado após a derrota. O que era pra ser fácil, foi bem desgastante.

A vitória por 5x3 remeteu a um jogo bom e com vários gols. Ótimo pra quem sempre procura uma partida agradável para assistir na televisão. O problema, é que mesmo com a vitória, o torcedor do Goiás, a diretoria e o próprio Enderson Moreira, tende abrir o olho em relação à quantidade de gols bobos que tomamos. Todo jogo fora de casa que jogamos, tomamos pelo menos um gol por erros de posicionamento defensivo. Vergonhoso! Isso porque jogamos contra equipes pequenas, mas imagina na Série B, quando tivermos que topar de frente com um Vasco ou Bahia. 

Cléo faz hat-trick e ajuda Goiás na goleada em cima do Trindade. 
Foto: Globo Esporte
Nossos zagueiros e alguns laterais não estão agradando. Wesley Matos não mostrou a que veio ainda e esse título de "melhor zagueiro da Série B" já começou a me levantar suspeitas de que é mesmo verdadeiro. Nem o gol dele hoje salvou as suas falhas defensivas. Felipe Macedo voltou a cometer "macedices" depois do último jogo. Alex Alves é fraquíssimo. Só o Anderson Salles anda "salvando". Nas laterais, Jhonatan tem jogado bem em algumas partidas, mas por ser novo, é difícil ter uma confiança muito grande sobre muita pressão. Suelinton perdeu tanta moral com suas falhas, que nem titular conseguiu ser hoje. Já é hora de olhar o mercado, Ximenes.

Cléo foi o homem do jogo. Levantou a cabeça sobre muitas críticas, e marcou três gols hoje. Marcar gols contra o Trindade que tem a pior defesa do campeonato não é um parâmetro muito grande, mas espero que isso sirva ele de motivação para continuar fazendo partidas como essas. Ele precisa ainda se movimentar mais, parar de sempre esperar a bola no pé dele, entrar no ritmo do time. Isso seria muito benéfico para ele e também para o próprio Goiás, mas ficam os parabéns aqui (e em dobro, pois a música que o jogador escolheu para o Fantástico foi o hino do Verdão).

Jhon Clay é mais um que deve começar como titular nos próximos jogos. Faria uma ótima dupla com Daniel Carvalho quando ele voltasse, e até que hoje, supriu a falta do nosso camisa 10 dando duas belas assistências para os gols de Wesley e Wagner. Os volantes não foram tão bem. William até teve uma participação efetiva, mas não marcou bem, assim como Wendel, que pra mim é um grande jogador, mas está deixando a desejar.

O torcedor esmeraldino tem que enfiar na cabeça dele que o time não é ruim. O que está pegando é a falta de qualidade na marcação, pois parece que Enderson não está conseguindo resolver esse problema. Isso vai ser preocupante para a Série B. Espero que entremos focados agora para as semifinais do Goianão e sem "salto alto" por ser o Vila Nova o nosso adversário. Precisamos entrar focado e com vontade de vencer. O mesmo serve para o segundo jogo da Copa do Brasil contra o River, pois uma eliminação precoce nessa competição é inaceitável.

Wagner Oliveira || @wagneroliveiraf
Linha de Fundo || @SiteLF
←  Anterior Proxima  → Inicio

Inscreva-se no canal LFTV

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Mais lidas da semana