A SUA LINHA DE NOTÍCIAS

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

TWITTER

FACEBOOK

Premier League Brasil

Siga-nos nas redes sociais

Popular Posts

Quem sou eu

CLASSIFICAÇÃO

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Invicto e classificado

   Contabilizando seis meses sem derrota, o Vasco venceu mais uma e, desta vez, com time misto. Nesta quarta-feira (27), a equipe bateu o Remo por 2 a 1 e avançou para a segunda fase da Copa do Brasil.

Foto: Carlos Gregório Jr./Vasco
   Melhor em campo e mostrando muito domínio, o Vasco teve boas chances no primeiro tempo com Riascos, após cruzamento feito por Nenê, Eder Luis mandando uma bomba para Fernando Henrique fazer uma linda defesa, e mais uma com o atacante Eder Luis depois do passe de Pikachu. O Remo criou menos e fez algumas boas jogadas, mas nenhuma delas passou por Martín Silva.

Foto: Site oficial do Vasco
   A segunda etapa foi mais movimentada e bem mais animada. Logo no início, o técnico Jorginho, do Vasco, substituiu Eder Luis por Caio Monteiro e deu certo. Aos 19 minutos saiu o primeiro gol do time carioca quando Evander tocou para Nenê, que deixou livre para Caio no meio do gol e ele não desperdiçou, 1x0 para o Cruzmaltino.

   O segundo gol dos donos da casa veio logo depois, aos 24 minutos, com Rafael Vaz de cabeça após o escanteio cobrado por Evander. O Remo ainda descontou com gol de Max também de cabeça depois do escanteio de Eduardo Ramos, mas não foi o suficiente.

   Com o placar de 2x1 para o Vasco da Gama, o Remo foi eliminado, enquanto o time da casa está classificado para a próxima fase e ainda colocou mais uma vitória na conta. Já são seis meses sem derrotas e 23 jogos de invencibilidade.

   O próximo jogo do Vasco será no domingo (1), às 16h, no Maracanã, pelo primeiro duelo da final do Campeonato Carioca, contra o Botafogo.
                                   
   
Ana Clara Soares (@AnaClaraSoares1)

Ficha Técnica:

Árbitro: Flávio Rodrigues de Souza (SP)
Cartões amarelos: Diguinho

Vasco
Martín Silva, Yago Pikachu, Rafael Vaz, Luan e Henrique; Marcelo Mattos, Diguinho, Evander (Andrey) e Nenê; Eder Luis (Caio Monteiro) e Riascos (Thalles)
Técnico: Jorginho

Remo
Fernando Henrique; Levy, Henrique, Max e Fabiano; Lucas Garcia, Chicão (João Vitor), Alisson (Welthon) e Marco Goiano; Eduardo Ramos e Ciro
Técnico: Marcelo Veiga

Leão vence na Copa do Brasil e agora pega a Lusa

Foto: ECVitória / Divulgação

Rubro Negro voltou a vencer o Náutico de Roraima e avançou a segunda fase da Copa do Brasil 2016. Leão não teve trabalho para fazer 3x1 na Arena Fonte Nova.

O JOGO

Aos 9 minutos, Marinho cobrou falta e contou com a barreira do Náutico que abriu, a bola foi sem chances para o goleiro.

Aos  23 minutos Marinho ampliou a vantagem do Vitória após bom lançamento de Victor Ramos para Euller, o lateral avançou e serviu o atacante, hoje artilheiro da Copa do Brasil 2016.

Na sequência, o Náutico diminuiu com Bruninho, que encobriu Caíque, Euller teve chances de tirar, mas acabou mandando pro fundo das redes do goleiro rubro negro.

Segundo Tempo

Logo nos instantes iniciais da segunda etapa, o bom Marcelo perdeu boa oportunidade de ampliar.

Aos 23, Alípio recebeu na área e tocou para Willian Farias. Sem marcação o volante chutou em cima do goleiro e na volta da bola, Fárias não teve forças para marcar.

O Náutico na segunda etapa não ameaçou hora nenhuma a defensiva do Vitória, e viu Alípio ampliar no final e sacramentar a classificação.

RESUMO

Em meio a ansiedade de dois clássicos para decidir o campeonato baiano de 2016, o Vitória enfrentou o Náutico de Roraima na Fonte Nova. Mancini optou por poupar alguns atletas e dar ritmo a outros. É difícil analisar desempenho num jogo sem muita exigência técnica e tática como o de ontem, com todo respeito ao time de Roraima. Por outro lado, foi bom rever o Lateral Norberto atuar, depois de meses de inatividade por conta de uma lesão complicada e jogar de forma satisfatória, levando em consideração todo esse cenário.

Alguns jogadores continuaram atuar dentro de sua média e outros bem abaixo do esperado. O placar da partida pouco importou para esse colunista analista que vos escreve. A intenção de Mancini que atuou dentro de um 4-2-1-3 foi usar Dagoberto para tipico falso nove. Propondo variação para 4-2-4, e o jogo mostrou detalhes que devem ter feito o treinador cair na real. 

Situação de jogo que já entendemos com conceitos, que não é correto fazer. Me refiro que 4-2-1-3 com falso nove nunca foi usual,  não dá para tentar fazer dar certo essa estrategia, uma vez que, por você já ter um meia central na faixa de campo que Dagoberto iria cair. Com isso, em vários lances os atletas Domingues e Dagol se confundiam, apesar de tentar tabelas inteligentes, pouco jogadas de infiltração na zona do 9 surtiram efeito.

Mesmo contra um adversário fragilizado tecnicamente, mas que não faltou brio pra entrar e correr atrás da pelota, me parece que realmente Marcelo acordou e será muito difícil ao longo do ano não voltar a ser titular do Vitória se mantiver esse nível de jogo. O "Yaya" baiano ditou o ritmo do jogo para o Vitória, desarmou, posicionou, passou a bola sempre com intenção futura, sempre com proposito de criar e ou furar bloqueios e linhas do adversário, fora o controle de bola e valentia para ir buscar nos zagueiros, como também a postura de jogar de cabeça em pé.

Outro que manteve a media la em cima é Marinho. Mas esse vamos deixar para falar numa outra oportunidade.

Agora é ir ao Barradão domingo, respeitar o rival até a bola rolar, e quando ela passear no tapete verde do Barradas, o torcedor terá papel principal de incentivar o time para que possamos fazer a festa, durante e depois do jogo. 


Seja Sócio SMV!

É isso aí galera!

Por @AdsonPiedade

Ficha Técnica

Vitória-BA 3 x 1 Náutico

Local: Arena Fonte Nova (em Salvador);
Árbitro: Eduardo de Santana Nunes (SE);
Assistentes: Eric Nunes Costa (SE) e Rodrigo Guimarães Pereira (SE);
Gols: Marinho aos 9’ e 23’ e Euller (contra) aos 41’ do 1º; Alípio aos 46’ do 2º;
Cartões amarelos: Bernardo, Djair e Ramón (Vitória); Alan Caruaru e Eduardo Magrão (Náutico);

Vitória-BA
Fernando Miguel (Caíque); Norberto, Victor Ramos, Ramón e Euller; Marcelo, Willian Farias e Leandro Domingues (William Henrique); Vander, Marinho e Dagoberto (Alípio). Técnico: Vagner Mancini.

Náutico - RR
Leandro; Djair, Alan Caruaru, Fabinho (Elton) e Vagner; Eduardo Magrão, Dudé, Bernardo (João Paulo) e Bruninho; Robemar e Paulo Macapá (Romário). Técnico: Antonino Moreira.

Sevilla – Raio X



SEVILLA

A TEMPORADA

O Sevilla começou a liga com resultados muito ruins, mas conseguiu se recuperar e atualmente em na sétima posição com 52 pontos em 35 jogos, como sempre Real Madrid, Barcelona e agora Atletico Madrid dominaram a liga e o que resta para o Sevilla e manter uma vaga para Europa League.

TRANSFERENCIAS

Perdas: O time comandado por Unai Emery perdeu jogadores importantes: O atacante Carlos Bacca para o Bacca por 31,5 de milhões de Euros e Aleix Vidal para o Barcelona por 18 milhões de Euros. 


Reforços: O time contratou bons jogadores pra compor o elenco Krohn-Dehli do Celta de Vigo, Llorente da Juventus, Fazio do Spurs, o brasileiro Mariano e o principal Konoplyanka o ponta-esquerda rápido e muito habilidoso, além de outros.


EUROPA LEAGUE

O Sevilla fez uma campanha ruim na fase de grupos da Champions fazendo seis pontos em seis jogos e assim voltou para sua casa a Europa League a sua casa onde tem cinco títulos.



16 AVOS DA FINAL

Um jogo tranquilo para o Sevilla ganhou de 3 a 0 do Molde na ida e depois na volta foi 1x0.

OITAVAS

Mais um jogo fácil e o Sevilla e assim como na ultima partida 3 a 0 mas agora no Basel.

QUARTAS

Um jogo muito difícil 2 a 1 para o Sevilla na Ida, na volta o Atlethic virou o jogo e fez 2 a 1, nos pênaltis o Sevilla conseguiu 5 a 3.

SEMIFINAL

E mais uma vez os Blanquirrojos conseguem chegar a uma semifinal e esta muito perto de chegar ao 6º titulo da Europa League. Agora a partida contra o Shakhtar Donetsk, com certeza Sevilla é o favorito e pode passar, o jogo acontecera no dia 28/05, na Arena Lviv.

O Grêmio colheu o que plantou

Não existe uma maneira diferente para definir a postura Gremista na noite de ontem do que um time de covardes. O que o Rosário Central fez na Arena foi algo preocupante, claro que o Grêmio tem o melhor time do Brasil e que demonstra força e qualidade técnica, mas na noite de ontem era impossível ver o Tricolor fazer três passes bons, o time foi encaixotado, amedrontado, apavorado e chacoteado pelos argentinos. Mas existe o maior culpado por isso tudo, o grande ladrão do Grêmio foi todo seu aglomerado dentro do estádio.

Foto: André Alves
É algo inadmissível ver o que os dirigentes do Grêmio fizeram com o time nesses últimos dias, Romildo Bolzan apostou em Fred e Bressan e não teve capacidade de verificar que o time não tinha peças de qualidade para repor o Xerifão Geromel. Outro capitulo emocionante para o time é algo que beira o amadorismo, no momento em que o primeiro caso de caxumba foi descoberto dentro do vestiário do Grêmio o médico do clube não fez absolutamente nada deixou cinco atletas serem infectados pelo vírus e nem sequer se prestou a vacinar o elenco.

Nas quatros linhas outras coisas se pode notar. É extremamente estranho ver um time que foi muito bem na primeira fase da Libertadores e agora entrar despreparado para jogar sob pressão. Quando todos imaginavam que o Grêmio iria sufocar o Rosário, assim como fez com Juventude e LDU, mas que foi sufocado foi o tricolor. Os jogadores se sentiram tão pressionados, mesmo jogando em casa, que se desesperaram e depois que o time levou o gol, já nem tentavam mais acertar alguma jogada, era só chutão. Virou um time acuado. Um time que não soube se impor.

Foto: Lauro Alves
O baile tático foi enorme, o time inteiro estava desnorteado. No entanto, tem outra coisa que este elenco carece, além de um zagueiro para o lugar de Bressan, é de um líder. Falta ao Grêmio uma liderança dentro das quatro linhas. O que ele não tem é uma personalidade capaz de estabilizar o próprio time. E o jogador que tem a braçadeira de capitão demonstra desequilíbrio emocional, tanto que foi substituído. E o homem que merecidamente deveria usar a faixa de capitão estava fora de campo por causa da Caxumba.

Faltou ao Grêmio o básico, competência. Principalmente da comissão técnica e da direção, lógico que tentaremos reverter na Argentina, e confesso que ainda vejo o Grêmio como um time que pode demonstrar muito mais do que esse ultimo jogo, mas o que preocupa é que o resultado é difícil. Rui Costa é um profissional que precisa prestar contas com a torcida, pois seus discursos nos microfones são pífios e o presidente Bolzan esqueceu que um time vive de títulos.

Ismael Schonardie | @Ismahsantos

Liverpool – Raio X


Faz tempo que a UEFA Europa League vem sendo uma competição disputada e, até mesmo, complicada, com grandes jogos e, até mesmo, partidas de tirar o fôlego de qualquer amante de futebol. A competição continental está e continuará na sombra do campeonato de clubes mais importante da Europa, que é a UEFA Champions League, não há o que contestar, mas mesmo assim, isso não significa que seja uma competição com nível baixo. Muito pelo contrário. Até aqui, grandes jogos têm acontecido, principalmente se tratando de Liverpool, que é um clube que sempre garante emoção até o último apito do jogo. Nessa matéria, iremos relembrar toda a trajetória dos Reds até o jogo de hoje.

O "PONTAPÉ INICIAL":

O Liverpool disputaria quatro títulos nessa temporada - Barclays Premier League, Copa Capital One, FA Cup e UEFA Europa League. Mesmo com essas quatro taças em jogo, o Liverpool era um time sem muitas ambições com o, até então treinador dos Reds, Brendan Rodgers, que acumulou três anos e cinco meses (de maio de 2012 a outubro de 2015) no cargo sem vencer um título sequer e muitas apostas. Dentre essas apostas, nomes como Fabio Borini, Kuyt, Charlie Adam e Andy Carroll e Balotelli, que custaram caro e não vingaram, além de ter negociado jogadores relevantes como os experientes Stewart Downing, Pepe Reina, ver o ídolo Carragher se aposentar e vender, sem aprovação da torcida, Luis Suárez e ter, praticamente, mandado o Gerrard, um dos maiores - se não o maior - ídolos do clube embora ao dizer que ele seria sacado da equipe, mesmo com o alto rendimento do camisa 8.


Com a demissão do comandante após o clássico contra o Everton, que terminou empatado com um 0x0 no placar, o Liverpool começaria a buscar novas opções no mercado para levar o clube ao seu auge novamente, entrando em todas as competições para ser campeão. A temporada 2015/2016 já tinha se iniciado e o Liverpool não conseguia convencer, permanecendo pela 10ª colocação na Premier League e com dois empates em dois jogos pela UEFA Europa League. A lista de nomes que começava a ser estudada pelo clube, tinha os treinadores livres, Jürgen Klopp e Carlo Ancelotti.

A ERA KLOPP:

O alemão chegou badalado no clube, com apoio e confiança da torcida de que seria o nome ideal para levar o Liverpool aos seus dias de glória, após ter realizado um ótimo trabalho no Borussia Dortmund. Jürgen Klopp mudou o clima do Anfield. Inicialmente sem muitas expectativas, com a chegada do novo treinador, o Liverpool passou a ter como ambição a UEFA Europa League, ambição que havia sido traçada pelo próprio treinador. Klopp desempenhou um papel de "pai" importante no vestiário do clube, recuperando ou, até mesmo, despertando o futebol de jogadores criticados como Alberto Moreno, Lovren, Mignolet e Skrtel.


Em pouco menos de sete meses no comando dos Reds, Klopp devolveu a dignidade e o respeito ao clube, arrancou na Premier League, ocupando agora a 7ª colocação com 55 pontos - nove pontos atrás do 4º colocado - e com quatro jogos a serem disputados, o que pode colocar a equipe, até mesmo, na Champions League, para os mais otimistas. Em seu 3º mês de clube, Klopp disputou a final da Copa Capital One e arrancou na UEFA Europa League, sua principal ambição para a temporada, que pode levar o clube à Champions.

FASE DE GRUPOS E SEGUNDA FASE:

Invicto na fase de grupos, o Liverpool terminou na liderança com 10 pontos, tendo empatado quatro jogos (Bordeaux (F), Sion (C), Rubin Kazan (C) e Sion (F) novamente) e vencido dois jogos (Rubin Kazan (F) e Bordeaux (C)), tendo superado a campanha do Sion, que ficou na 2ª colocação com nove pontos. Na 2ª fase, logo após a fase de grupos, o Liverpool teve o Augsburg sendo colocado em seu caminho. Os Reds empataram em 0x0 na Alemanha, terra de Klopp e vencido por 1x0 na Inglaterra.

OITAVAS DE FINAL:

Após ter passado pelo Augsburg, o ainda invicto Liverpool foi sorteado para confrontar o Manchester United. Um derby na UEFA Europa League, que, com certeza, seria difícil em dois grandes jogos. Jürgen Klopp já tinha o elenco nas mãos e vinha embalado pelo trabalho que estava construindo. No jogo de ida, o Liverpool venceu no Anfield por 2x0, com gols de Sturridge e Roberto Firmino.


No jogo de volta, no Old Trafford, o Liverpool poderia até perder o jogo por um gol de diferença que se classificaria, mas não foi necessário. O Manchester United abriu o placar com Martial aos 32' de jogo, mas aos 45', Philippe Coutinho igualou o marcador e ficou por isso mesmo. Liverpool avançou para as quartas de finais sem se preocupar.

QUARTAS DE FINAL:

Quiseram os deuses do futebol que o Liverpool encontrasse o Borussia Dortmund, ex-clube de Jürgen Klopp, em um confronto com vários ingredientes especiais. No jogo de ida, realizado na Alemanha, o Liverpool abriu o placar com Origi aos 36', o que deixaria os torcedores do clube muito confiantes. Aos 48' de jogo, Hummels, de cabeça, anotou para os donos da casa após um escanteio. Mesmo com o placar final de 1x1, o Liverpool poderia até empatar por 0x0. Mas não era isso que queria o destino, ainda tinha muita emoção reservada para o jogo da volta.

Dia 14 de abril de 2016, com certeza será uma data que ficará na memória de todos os Reds como "O Milagre de Liverpool". Sem dúvidas, o jogo mais marcante após "O Milagre de Istambul". A bola rolou na Inglaterra e logo aos 5', Mkhitaryan abriu o placar, que seria ampliado aos 9' por Aubameyang. 2x0 para o Borussia no Anfield. Muitos já davam a classificação como certa naquela altura do jogo e apostavam em goleada, mas se esqueceram de que o Liverpool nunca andará só ("You'll Never Walk Alone", como diz a torcida do clube).


Aos 48' de partida, Origi diminuiu a diferença. Seria o Liverpool voltando ao jogo? Não. Marco Reus, aos 57' aumentou a diferença novamente para os aurinegros, 3x1 para o Borussia e foi aí que começou a reação histórica. Aos 66', Philippe Coutinho, como sempre, fez a diferença e colocou o Liverpool na disputa novamente. Só a vitória interessaria para os Reds e faltavam dois gols ainda.


Aos 77' de partida, Sakho cabeceou a bola e empatou tudo, para desespero dos Alemães e alegria misturada à euforia para os ingleses. O milagre era cada vez mais real. Em um jogo que já era perdido, a vitória era só questão de tempo. A fé no 4º gol já tomava conta de todo o estádio, que cantava e vibrava sem parar. Aos 91' (ou 46' do 2º tempo), o Liverpool tinha uma falta pelo lado direito de ataque, sofrida por Clyne. O jogo iria até os 94' (49' da etapa final). James Milner foi pra cobrança da falta, levantou à bola na área, ela atravessou toda a extensão da grande área e o jogador mais improvável encontrou a redonda. Quem seria esse jogador? Dejan Lovren, um dos zagueiros mais criticados do elenco, cabeceou a bola no canto inferior esquerdo, sem chances para o goleiro e selou a classificação do Liverpool para as semifinais. Liverpool 4x3 Borussia Dortmund.


SEMIFINAL:

Hoje, no El Madrigal, a história continuará sendo escrita por um time que nunca andou e nunca andará sozinho. O Liverpool que tem um empate e quatro vitórias nos últimos cinco jogos, enfrentará o Villareal que tem um empate, duas derrotas e duas vitórias nos últimos cinco jogos. Mais uma vez, o Liverpool de Jürgen Klopp poderá fazer história, e, mais que isso, chegar à sua 2ª final em menos de um ano sob o comando do alemão.

LEO FERNANDES || @leo_fernandes_9
LINHA DE FUNDO || @SiteLF

Shakhtar Donetsk – Raio X


As reviravoltas de uma temporada promissora

A temporada 2015/2016 para o Shakhtar Donetsk foi completamente recheada de conquistas e perdas significativas ao longo de todo este período. Desde o título dramático da Supercopa da Ucrânia até a eliminação fatídica e cruel da UEFA Champions League, a equipe contou alguns fatos marcantes desta temporada e que culminou de forma direta em sua campanha Vejamos por aqui nesta análise através de cada competição disputada.

Ukranian Super Cup

 Darijo Srna comemorando o seu gol contra o Dinamo de Kiev na Supercopa
Como foi a última campeã da anterior edição de sua copa nacional, o time de Donetsky teve a oportunidade de decidir contra o seu tradicional rival da cidade de Kiev, o Dynamo, em Odessa. A partida foi marcada por um intenso equilíbrio e muita disputa tática de ambos os lados. Tudo parecia que poderia se encaminhar para um 0X0 com a decisão indo à prorrogação, mas os minutos finais iria decidir este confronto, lembrando aos mais fanáticos por futebol daquele Alemanha 0X2 Itália da Copa de 2006. Tudo começa com um pênalti aos 47 minutos da etapa final, convertido pelo capitão Srna e que colocou o time de Donetsky na frente do placar. No último minuto, após um contragolpe mortal, o ex-atleticano Bernard foi o responsável por sacramentar o placar e garantir o título ao Shakhtar.

Ukranian Cup

Bernard comemorando seus gols contra o Ternopil.
Na competição nacional, a equipe do Shakhtar entrou na fase 16º avos de finais e, em partida única, eliminou o Arsenal de Kiev, fora de casa, por 3X0. Nas oitavas de finais, em jogos de ida e volta, a vítima da vez foi à equipe do Ternopil, com um agregado de 9X0 (vitória de 5X0 fora de casa e 4X0 na Dombass Arena). Já nas quartas de finais o adversário foi o Vorskla Poltava e o confronto já foi decidido na primeira partida, com uma vitória por 4X0 na casa do adversário. A partida de volta foi mais para rodar o elenco e a derrota em casa por 2X1 marcou o 1º jogo com derrota e com gols sofridos na competição.

Por fim, nas semifinais, jogou a primeira partida, fora de casa, contra o Oleksandria, em Odessa. O jogo terminou empatado em 1X1, fazendo com que a equipe decida em casa por uma vitória simples ou um empate sem gols, no dia 10/05, para chegar a final. Um possível adversário poderá ser a equipe sensação do futebol ucraniano nos últimos anos, o time do Dnipro Dnipropetrovski. A mesma equipe é a atual algoz do Shakhtar, pois foi a mesma que impôs as únicas duas derrotas da equipe dentro das competições locais.  O destaque da equipe na competição vem sendo o meia Bernard, que balançou a rede por três vezes e é o artilheiro do time.

Ukrayne Premiere League

Eduardo da Silva marca o gol que fechou a goleada por 4 a 1 sobre o Volyn Lutsk
No campeonato nacional, de pontos corridos, a equipe já se encontra atrás do Dinamo de Kiev e não alcançará mais o seu rival na briga pelo título. Numa competição composta por 14 times, o baixo nível técnico fez com que a briga pelo titulo fosse polarizada entre estas duas forças e que os poucos pontos perdidos na competição poderiam ser os fatores determinantes para a conquista do campeonato.

O Dinamo de Kiev já conquistou 64 pontos em 23 partidas (aproveitamento de 92,75%), com apenas um empate e uma derrota no confronto direto fazendo 51 gols e sofrendo apenas sete (média de 0,30 g/p) sendo que somente em cinco partidas sofreu algum gol. Já o Shakhtar Donetsk, mesmo sendo responsável pelo único revés ao seu rival direto obteve três empates fora de casa contra equipes menores (2X2 contra o Vorskla Poltava [4ª], 3X3 contra o Stal Dniprodzerzhynsk [21ª] e 1X1 contra o Chornomorets Odessa [23ª]). Além disso, a equipe colecionou suas únicas duas derrotas contra o Dnipro Dnipropetrovski (2X0 em Donetsk [5ª] e 4X1 em Dnipro [18ª]). Vale ressaltar que a equipe do Shakhtar obteve 12 vitórias seguidas até nova derrota para a equipe do Dnipro Dnipropetrovski.

Mesmo com nove pontos ainda em jogo, as chances matemáticas do Shakhtar de briga pelo título estão zeradas por conta da desclassificação do Metalurh Zaporizhya que enfrentaria o Dinamo na penúltima rodada, fazendo com que o time de Kiev já garantisse mais três pontos na conta. Sendo assim, a equipe de Donetsk deverá ratificar o vice-campeonato e irá disputar a fase pré-eliminatória da UEFA Champions League 2016/2017, caso não vença a UEFA Europa League. A equipe ainda terá mais três compromissos até o final do campeonato. Jogará o clássico contra o Dinamo de Kiev na Dombass Arena, no próximo final de semana, o Karpaty Lviv, no dia 08/05 na Lviv Arena e o Zoria Luhansk em casa no dia 15/05 para encerrar a temporada. O atual destaque vem sendo o Eduardo da Silva, que marcou 10 gols na competição e vem fazendo às vezes de artilheiro da equipe nesta fase final de competição.

UEFA Champions League



Melhores Momentos: Shakhtar Donetsk 4-0 Malmo

Na maior competição de clubes do continente, a equipe do Shakhtar entrou na mesma chave do Paris Saint German (campeão francês 2014/15), Real Madrid (vice-campeão espanhol) e o Malmo (atual campeão sueco) após eliminar a equipe do Fenerbahce da Turquia (0X0 em Istambul e vitória por 3X0 em Lviv) e o Rapid Wien da Áustria (vitória por 1X0 em Viena e empate por 2X2 em Lviv). Mas a sua participação foi bastante discreta e, juntamente com o time sueco, não foram páreos para os atuais gigantes do futebol europeu. Foram somente uma vitória e cinco derrotas, sendo duas por goleadas:

Real Madrid 4X0 Shakhtar Donetsk – Santiago Bernabeu
Shakhtar Donetsk 0X3 Paris Saint German – Lviv Arena
Malmo 1X0 Shakhtar Donetsk – Swedbank Stadion
Shakhtar Donetsk 4X0 Malmo – Lviv Arena
Paris Saint German 2X0 Shakhtar Donetsk – Parc de Princes
Shakhtar Donetsk 3X4 Real Madrid – Lviv Arena

Durante a participação nesta edição da Champions, a equipe novamente foi preterida de mandar os seus jogos em casa por conta dos constantes conflitos vividos no país, em especial na cidade de Donetsk. Então, por motivos de segurança, todos os jogos foram transferidos para Lviv. O seu destaque durante esta fase de grupos ficou para o atacante brasileiro, o ex-vascaíno Alex Teixeira marcou três gols e foi o artilheiro da equipe nesta fase.

Florida Cup e janela de transferências

Alex Teixeira se transferiu em fevereiro deste ano para o futebol chinês.
Durante o inicio do ano, a equipe ucraniana foi convidada para participar da Flórida Cup, nos Estados Unidos e realizou dois jogos amistosos contra duas equipes brasileiras. O empate em 1X1 com o Fluminense em Boca Ratón e a derrota por 3X2 para o Corinthians em Orlando marcou esta campanha amistosa. O torneio, além de servir como aprimoramento tático e físico para o restante da temporada, também significou uma relação cada vez mais estrita com o futebol brasileiro, onde a equipe costuma contratar boa parte dos seus jogadores.

O ponto chave e negativo da temporada para o Shakhtar foi à venda de Alex Teixeira, por 50 milhões de euros ao Jiangsu Suning. O jogador era o grande artilheiro da temporada da equipe ucraniana, com 21 gols no campeonato ucraniano era a principal esperança de gols para a sequência da temporada em busca dos principais títulos. Com isso, coube a Eduardo da Silva esta missão e o atacante Marlos começou a aparecer como um dos grandes jogadores da temporada.

UEFA Europa League


Melhores Momentos: Shakhtar Donetsk 4-0 Braga

Com a 3ª colocação em seu grupo na Champions League, a equipe ucraniana entraria na fase de mata-mata da segunda maior competição europeia. Com isso, o sorteio colocou logo de cara, outra equipe proveniente da fase de grupos da Champions League. O Schalke 04 foi o seu adversário da fase 16º avos. Na primeira partida, em Lviv, o time da casa não saiu do 0X0, tendo que decidir fora a sua classificação. Mas uma partida memorável foi a grande responsável para a classificação da equipe em plena Gelsenkirchen. A vitória por 3X0 serviu como um marco importantíssimo e de evolução do futebol atual do time de Kiev.

Nas oitavas de finais, o adversário da vez foi o Anderlecht da Bélgica, e o mesmo não foi páreo para a equipe ucraniana. Na primeira partida, em Lviv, o Shakhtar conseguiu uma boa vitória, ao bater os belgas por 3X1. Já em Bruxelas, após uma partida sob o controle, o time ucraniano ainda conseguiu vencer por 1X0. Já na fase quartas de finais, o adversário da vez foi o time português do Braga, que já tinha feito boas campanhas em edições anteriores. Mas nada que impedisse a confirmação do favoritismo ucraniano. A vitória fora de casa, por 2X1 na cidade de Braga, deu uma tranquilidade muito grande para o confronto da volta em Lviv, onde o time da casa não tomou conhecimento de fase e do adversário, o goleou de maneira sonora, por 4X0, garantindo a vaga a semifinal.

Com estes resultados, a expectativa é de que a equipe ucraniana possa fazer um grande duelo contra o time do Sevilla, embora o favoritismo maior pertença à equipe espanhola, por conta de ser a atual bicampeã do torneio e por adquirir recentemente ótimos resultados contra equipes de respeito nas últimas edições das competições. Por outro lado, por apresentarem mais jogadores do futebol sul-americano, o time do Shakhtar pode ter um acréscimo maior para este confronto, fazendo-o ficar como o mais equilibrado entre os demais. O destaque do Shakhtar nesta Europa League tem sido os atacantes Facundo Ferreyra e o Eduardo da Silva, com dois gols cada.

Esquema tático e expectativa de jogo


Para o duelo destas semifinais da Europa League, a equipe do técnico Mircéa Lucescu deverá ser escalada com um time de muita mobilidade técnica e intensa velocidade para explorar os lados do campo e aproveitar o jogo de área do argentino Facundo Ferreyra. Para isso, o treinador contará com os melhores brasileiros para fazerem as funções de lado de campo para tentar fazer um ótimo resultado na primeira partida e, depois, explorar o contragolpe no Sanchez Pizjuan, em Sevilla. A maior preocupação do treinador se encontrará no seu sistema defensivo, já que encontrará um ataque muito forte e decisivo do outro lado, para isso, contará com a presença de Fred entre os volantes para que se tenha uma maior efetividade no roubo de bola, aliado sua ótima saída de jogo, assim como os meias abertos, Taison e Marlos que podem ajudar e muito na recomposição defensiva.

Vale ressaltar também o apoio dos laterais. O capitão Srna sempre se destaca por ser o homem da bola parada na equipe, além da sua ótima qualidade de passe que faz com que a equipe tenha opções diversificadas para atacar os adversários, e se destaca pela sua boa força de marcação. Seu ponto fraco seria a condição física, já que é um dos jogadores mais velhos do elenco e atua em uma posição onde é necessário muito vigor fisco para aguentar o jogo inteiro. A esperança de gols ficará com o argentino Ferreyra e o ucraniano Kovalenko, que sempre se destaca pela seleção de seu país nos jogos oficiais.

A partida entre ucranianos e espanhóis acontecerão nestas próximas quintas-feiras e decidirá uma das vagas para a final em Basel, no dia 17/05, para enfrentar o vencedor do confronto entre Liverpool e Villareal. Lembrando que o campeão assegura vaga direta à próxima edição da UEFA Champions League além de disputar a UEFA Super Cup contra o vencedor da principal competição de clubes no planeta. O horário de todas as partidas será realizado às 16h05min (horário de Brasília) e terão transmissão dos canais Fox Sports, ESPN Brasil e Esporte Interativo (todos pela TV a Cabo).

Por Marcos Paulo Fernandes Alves

Nacional é eliminado na Copa do Brasil

Na noite desta quarta-feira (28), o Nacional foi a campo tentar um milagre, reverter um placar para poder se classificar, após ter perdido de 2x0 no Mato Grosso. Mesmo com um bom público, mais de três mil torcedores comparecendo, o time apenas empatou e deu adeus a competição mais importante do semestre. Fica a lição para diretoria corrigir o que está errado e se preparar corretamente para série D.


O JOGO:

O Nacional começou o jogo bem. Marcando a partir do seu campo, não sofria quando estava sem a bola, mas com a bola tinha dificuldades na construção de jogadas ofensivas. Até que Hugo acertou a trave, empolgando o time, a partir as movimentações começaram a sair e o toque de começa de bola a fluir. No lance seguinte, após outro escanteio, Roberto Dias cabeceou para a bela defesa do goleiro adversário, quase em cima da linha. Após partir para o ataque, o Nacional começou a deixar o meio campo espaçado e levar contra-ataques. O Dom Bosco aproveitou e num contra-ataque, conseguiu o pênalti. E converteu. O time então se desesperou e não criou absolutamente mais nada, com a imagem de jogadores andando, o primeiro tempo terminou.

À volta para o segundo tempo, Heriberto voltou com Rodrigo Dantas no lugar de Verçosa, visto que o amazonense não conseguia fazer o pivô pra segurar a bola no ataque. O time continuava a tocar a bola, mas sem objetividade, sem conseguir penetrar na área adversária, que se defendia bem. O tempo passava e o time não conseguia criar chances. A bola parada era pouco efetiva e os espaços no campo de ataque não surgiam. Heriberto então lançou Hayllan no time no lugar de Rafael Silva. A substituição deu certo, o time ganhou em velocidade dribles pela esquerda no 1x1 e começou a criar mais. Quando as chances surgiam, o time parava nas defesas do goleiro adversário. Rodrigo Dantas cabeceou a queima roupa e ele defendeu. No fim, Roberto Dias chutou forte e conseguiu empatar o jogo. 1x1 que eliminou o clube na Copa do Brasil.

NACIONAL: Thiago Régis, Osvaldir, Édson Rocha, Roberto Dias, Radar, Hugo (Sandrinho), Cal, Rafael Silva (Hayllan), Álvaro, Leandro Chaves e Verçosa (Rodrigo Dantas).

Foto: Gabriel Mansur.
OPINIÃO DO COLUNISTA:

O time no todo não é ruim, como dito em posts anteriores, tem sim grandes individualidades. O problema é que são mal treinados, os jogadores ganham no duelo 1x1 e ninguém aparece pra ajudar na construção do jogo. Fora que o time é todo espaçado. A demissão do treinador Heriberto da Cunha é questão de tempo. Vamos acordar pra série, D!
←  Anterior Proxima  → Inicio

Inscreva-se no canal LFTV

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Mais lidas da semana