A SUA LINHA DE NOTÍCIAS

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

TWITTER

FACEBOOK

Premier League Brasil

Siga-nos nas redes sociais

Popular Posts

Quem sou eu

CLASSIFICAÇÃO

sexta-feira, 13 de maio de 2016

Oeste estreia mal na Série B jogando em campo neutro

Jogando em Catanduva, Oeste levou a pior contra o Atlético-GO.

O Rubrão por conta da indefinição sobre o estádio, acabou mandando o jogo hoje contra o Dragão em Catanduva-SP, que é próxima de Itápolis-SP. Para os que não acreditavam, existe sim a possibilidade de o Oeste mandar seus jogos em Itápolis, falta alguns detalhes burocráticos a serem acertados, caso tudo de certo, há uma previsão que o Rubrão mande seu primeiro jogo nos Amaros contra o Criciúma, na sexta rodada, mas ainda não existe nada concretizado, acreditamos que ao longo dessa semana saia alguma decisão final, que tomara que seja positiva, jogar aqui em Itápolis.

O Oeste até que começou melhor na partida, logo no início pressionando o adversário, até teve algumas chances com o estreante Clébson e com Mazinho, mas não foram concluídas em gols. Depois pareceu que o time todo apagou, não conseguia manter a bola no pé, erravam passes, um atrás do outro.

O Atlético percebendo que o Oeste estava todo confuso em campo, aproveitou e abriu placar com Júnior Viçosa aos 20 minutos do primeiro tempo. Logo após o gol, o Rubrão tentou reagir de forma rápida com troca de passes, mas a Zaga do Atlético conseguia afastar, claramente até aquele momento o Dragão era melhor em campo mesmo sendo visitante.

Já no segundo tempo o Rubrão atuou de forma diferente, conseguia controlar mais a posse de bola, não dava sossego para o adversário, até que o autor do primeiro gol que estava sumido em campo, por pouco não amplia o marcador, o jogo se encaminhava pro fim, e o Oeste não queria estrear com uma imagem negativa, infelizmente não teve como, o Atlético se superou  e saiu com os três pontos fora de casa.

É evidente, que para uma primeira rodada, não dá para tirar conclusões, tem muita coisa para acontecer, o campeonato começou agora, e sabemos que a mídia nos põe como candidatos fortíssimos para rebaixamento. O que nos resta então, é mostrar uma postura diferente pra eles, tem que ter umas mudanças no time titular para o próximo jogo, Renan Mota entrou bem no segundo tempo, enquanto Clebson não teve uma atuação boa como esperávamos, tudo isso é questão de tempo e entrosamento.

O próximo compromisso do Oeste já tem data marcada, e é em Belém do Pará, contra o Paysandu, no sábado (21) às 16h.

Césare Boralli || @borallicesare
Linha de Fundo || @SiteLF

CSA estreia fora de casa pela Série D

Foorte Abrç Nação Azulina!!!
A Confederação Brasileira de Futebol divulgou na noite desta sexta-feira(13) a tabela detalhada da Série D do Campeonato Brasileiro. O CSA estreia contra o Parnahyba no dia 12 de junho, às 17h, no Estádio Mão Santa, no Piauí. O Azulão está no Grupo A6, ao lado de Parnahyba, Guarani-CE e Central-PE.

Foto: Deive Pazos
O CSA estreia em casa diante do Guarani-CE no dia 19 de junho, às 16h30, no Estádio Rei Pelé. A terceira rodada é contra o Central-PE, também em Maceió, no dia 26 de junho, às 16h. O returno da primeira fase começa com o CSA enfrentando o Central em Caruaru, dia 3 de julho, às 16h, no Estádio Luiz Lacerda. O Azulão visita o Guarani-CE dia 10 de julho, às 19h, no Mauro Sampaio. A última rodada é contra o Parnahyba no dia 17 de julho, às 18h, no Estádio Rei Pelé.

Criasse então uma expectativa no torcedor Azulino, depois de uma excelente campanha no Estadual (mesmo sem ter ganho o título) será que a equipe vai demonstrar o mesmo futebol em uma competição nacional como a Série D? Mostrar a mesma garra e bom futebol que teve no Campeonato Alagoano e que encheu os olhos do torcedor Azulino? E além disso, será que o Azulão irá conseguir se firmar em outra competição tirando o Alagoano e ter uma boa sequência de jogos no ano?
Só o tempo e o futebol apresentado pelo CSA dirá ao certo!

Lucas André ||@luc4s_andre
Linha de Fundo ||@SiteLF

XEPA LF FC - Rodada #1

   Fala, Cartoleiros!



                                               Senhoras e Senhores, voltamos.

      Não teve golpe. A equipe do Linha de Fundo continuará com as dicas sobre o Cartola FC. Além do Xepa, vamos contar com o Chuck Norris, Unanimidades e o nosso caçula, o Patrão Cartoleiro.






Unanimidades - #1 Rodada

Salve cartoleiros;




Neste sábado (14), 20 equipes entram em campo na disputa pelo título do Campeonato Brasileiro 2016. Porém, como todos os anos, a competição não fica apenas dentro das quatro linhas, pois está de volta o Cartola FC e com várias novidades. Além da mudança no layout do site e do aplicativo, este ano o game vem com a opção Cartola Pro, escolhendo está opção o cartoleiro pagará R$ 39,90 ao ano e concorrerá a prêmios a cada rodada, e ainda personalização exclusiva de seu time e ligas. Mas a principal novidade fica por conta das ligas mata-mata, que vem para deixar ainda mais acirrado.



E, assim como foi em 2015, o Linha de Fundo vem com posts exclusivos com as principais dicas para ajudar na escalação das equipes. Nas Unanimidades, serão escolhidos três jogadores que não podem faltar na sua equipe. Para está primeira rodada o nosso time está escalado com:



ANDRÉ: Destaque do Sport e do Cartola na temporada passada, o atacante foi contratado pelo Corinthians para suprir a saída de Vagner Love, que seguiu para o Mônaco da França. Com a camisa alvinegra, André marcou cinco gols e vem como aposta da rodada por ser a referência do ataque no Corinthians, que na estreia enfrenta o Grêmio e conta com o apoio de seu torcedor.

Nome: André

Time: Corinthians

Posição: Atacante

Preço: C$ 17,00


GABRIEL: Mais conhecido como Gabigol, a joia santista é uma das apostas da rodada. Com muita qualidade técnica e velocidade, o jogador é a principal peça do ataque do Peixe, já que Ricardo Oliveira e Lucas Lima devem ser poupados por sentirem dores. Nesta primeira rodada, o alvinegro praiano viaja até Minas Gerais para enfrentar um Atlético-MG com equipe reserva, poupando seus titulares para o confronto da próxima quarta-feira, na partida pela Libertadores da América.

Nome: Gabriel

Time: Santos

Posição: Atacante

Preço: C$ 16,00

GRAFITE: Como diz a canção de Sérgio Reis, “panela velha é que faz comida boa”. É contando com toda sua experiência que o jogador de 37 anos, veste a camisa das Unanimidades nesta primeira rodada. Depois de ser destaque no Brasileiro da Série B, o atacante renovou seu contrato com o Santa Cruz. Em 2016 foi destaque do Campeonato Pernambucano, sendo o craque da competição, e erguendo já duas taças (Pernambucano e Copa do Nordeste). Com o apoio da sua torcida apaixonada, o Santinha recebe o Vitória.


Nome: Grafite

Time: Santa Cruz

Posição: Atacante

Preço: C$ 15,00



É com a força de todos os santos, vamos em busca da mitada perfeita, uma boa sorte a todos!



Marcelo Weber || @acfmarcelo

Botafogo vence mas não elimina jogo de volta na Copa do Brasil

Na noite desta quinta-feira (12), o Botafogo enfrentou a equipe do Juazeirense, em jogo válido pela segunda fase da Copa do Brasil. O Glorioso venceu por 2 a 1 e, por isso, não evitou a partida de volta, marcada para a próxima quinta-feira (19), em Xerém, no Rio de Janeiro. Antes, o Alvinegro encara o São Paulo na estreia do Brasileirão, domingo (15), às 11h da manhã.  

O JOGO

O Botafogo tinha a posse de bola desde o início do jogo e dominava as ações, especificamente pelo meio de campo. O zagueiro Emerson Silva, aos 5 minutos, teve a oportunidade de abrir o placar em uma cabeçada. O goleiro Tigre defendeu. Aos 9 minutos, Neilton abriu o placar. Sassá desarmou, Leandrinho avançou, dividiu com a zaga e na sobra, o atacante guardou. Botafogo 1 a 0. 

O Juazeirense cresceu na partida e passou a incomodar. Aos 25 minutos, Alex Travassos cobrou escanteio, Nino Guerreiro subiu e cabeçeou à direita do gol. Aos 36 minutos, Sassá, na área, chutou forte, mas para fora. Aos 38 minutos, o time baiano quase empatou. Alex Travassos bateu colocado, encobriu a barreira e mandou a bola por cima do travessão. O Juazeirense apertava a marcação. Aos 45 minutos, Sassá recebeu na entrada da área e chutou forte. Tigre defendeu. O primeiro tempo chegou ao fim. 


Time comemora o primeiro gol (Foto: Ivan Cruz/ Futura Press)
O Alvinegro voltou o mesmo para o segundo tempo. E logo aos 4 minutos ampliou o placar. Salgueiro cobrou falta na área, Rodrigo Lindoso desviou e Emerson Silva, de cabeça, fez. Botafogo 2 a 0. 

Aos 6 minutos, Jefferson salvou o Botafogo. Everlan, na entrada da área, arriscou e mandou a bola no canto direito. O melhor goleiro do Brasil buscou. No rebote, Sassá tentou finalizar mas Jefferson também defendeu. A arbitragem marcou impedimento no lance. O mito sentiu dores no braço após as defesas e precisou de atendimento. Aos 10 minutos, ele foi substituído por Helton Leite. 

Aos 21 minutos, o Juazeirense acertou o travessão. Tony Galego recebeu na entrada da área, girou e finalizou. Foi um aviso de que o gol estava próximo. E estava mesmo. No minuto seguinte a equipe de Juazeiro enfim marcou. Alex Travassos bateu falta e mandou a bola fechada. Helton Leite aceitou. Aos 24 minutos, Salgueiro foi substituído por Marquinho, um dos estreantes da noite. Aos 38 minutos, Ricardo Gomes fez a terceira e última alteração no Alvinegro: Luis Henrique entrou no lugar de Sassá. Aos 39 minutos, Helton Leite se redimiu. Alex Travassos soltou uma bomba de longe e o goleiro espalmou por cima do gol. No minuto seguinte, Alex Travassos cruzou e a bola atravessou a área. Ela sobrou para Tony Galego, que de canhota, chutou. Helton Leite novamente espalmou. Aos 44, o Botafogo teve a chance de matar o jogo. Diego cruzou e achou Luis Henrique livre na área. O atacante cabeceou e Tigre, no reflexo, evitou o gol da classificação. Fim de jogo aos 48'. Teremos jogo de volta. 

FICHA DO JOGO

Juazeirense (BA)
Tigre, Alex Travassos, Emerson, Ricardo Braz, Deca; Capone, Diego Teles (Tony Galego), Everlan, Wanderson (Gian Lucas); Sassá, Nino Guerreiro (Ebinho). Técnico: Evandro Guimarães. 

Botafogo
Jefferson (Helton Leite), Diego, Renan Fonseca, Emerson Silva, Victor Luis; Rodrigo Lindoso, Fernandes, Leandrinho, Salgueiro (Marquinho); Sassá (Luis Henrique), Neilton. Técnico: Ricardo Gomes. 

Estádio: Adauto Moraes (BA). 
Árbitro: Claudio Francisco Lima e Silva (SE). 
Assistentes: Nailton Junior de Sousa Oliveira (CE) e Arnaldo Rodrigo de Souza (CE). 
Gols: Neilton (9' do 1º T), Emerson Silva (4' do 2º T), Alex Travassos (22' do 2º T). 
Cartões amarelos: Alex Travassos, Deca, Sassá e Nino Guerreiro (Juazeirense); Emerson Silva e Rodrigo Lindoso (Botafogo). 
Público: 2.930. 
Renda: R$ 130.800,00. 

Por: Gabriel De Luca (@biel_dluca). 

Elenco reformulado e muitas dúvidas: Tupi ainda é uma grande incógnita

O Galo Carijó tenta se recuperar na temporada (Foto: Leonardo Costa/tupifc.esp.br)
Após a decepcionante campanha no estadual, o Tupi já se mostra bastante mudado em relação ao que enfrentou a Caldense, na última rodada do Campeonato Mineiro. E não poderia ser diferente depois das chegadas do mais novo ''homem-forte'' para cuidar do futebol do clube, Gustavo Mendes, e do técnico, Ricardo Drubscky, que não fizeram parte da montagem do elenco no início do ano. Nesse sentido, vários jogadores deixaram o clube e outros chegaram para o time, que em breve disputará a sua principal competição do ano, o Brasileirão da Série B.  

Dispensas

Com mais tempo de clube, entre os que foram saíram, Fabrício Soares e Osmar foram as dispensas que mais chamaram a atenção. Não que a primeira tenha sido surpreendente, já que o zagueiro quase não renovou no início do ano, ainda quando Cloves Santos cuidava do futebol do Tupi. Porém, o ''chefe'', como é conhecido o defensor, foi um jogador que teve a sua saída sentida pelo torcedor, que tem enorme gratidão pelos serviços prestados. Já em relação à Osmar, pode ser considerada sim surpreendente, o lateral era o capitão e foi um dos destaques do time que conseguiu o acesso em 2015. Ao todo, foram oito dispensas: George, Pirão, Willian Kozlowski, Ramon e Michel Douglas e Romário, completam a lista.

Contratações

Se o time teve muitas perdas, houve também chegadas de jogadores para compor o elenco, que nitidamente precisaria de reforços. Com um orçamento limitado, a diretoria trabalhou com a política do "bom e barato", nenhum grande nome foi apresentado. Porém, diversos jogadores são experientes e disputaram a Série B, alguns até já trabalharam com o treinador em outros clubes.

Apesar do bom desempenho de Glaysson na meta do Tupi, a comissão técnica entendeu que o time precisaria de um goleiro à altura do titular, que possa até brigar por posição: Rafael Santos (ex-Madureira) foi o nome escolhido e talvez seja o mais conhecido entre os que chegaram, ele foi revelado no Corinthians, onde chegou a disputar a Libertadores. 

A dupla de zagueiros titular na Série C e no Mineiro não atuará na Série B: Fabrício Soares deixou o clube e Sidimar, lesionado, provavelmente só voltará no ano que vem. As únicas opções que restaram, foram Helder e Euller, que permaneceram. Contudo, os novos reforços, Heitor (ex-XV de Piracicaba), Bruno Costa (ex-Mogi Mirim) e Rodolfo Mol (ex-Uberlândia) também devem brigar por duas vagas entre os onze titulares. 

Ainda na defesa, o lateral-direito Filippe Formiga (ex-Volta Redonda) e o velho conhecido do torcedor Carijó, Henrique (ex-Figueirense), chegaram e disputarão posição com Wesley Douglas, que já estava no elenco do estadual. Do outro lado, não houve nenhum reforço e a equipe só conta com Thiaguinho como lateral-esquerdo de ofício.

No meio de campo, as mudanças foram menores, já que a maioria dos jogadores que foram titulares no estadual permaneceram. No entanto, alguns reforços pontuais foram feitos, são eles: Gabriel Sacilotto (ex-Robur Siena), Marcos Serrato (ex-Ponte Preta), Raphael Augusto e Sávio (aprovados na peneira) e Jonathan (ex-Guarani). 

Desde a saída de Daniel Morais, em 2015, o time sofre com a ineficiência em seu ataque. Esse foi um dos maiores problemas do Tupi no estadual, Michel Henrique e Rubens, que eram, até então, os centroavantes da equipe, ainda não se firmaram. Porém, Giancarlo (ex-Paraná), foi contratado e chega com status de titular, o jogador é um dos mais experientes em disputar a Série B. Além do centroavante, Thiago Silvy (ex-Villa Nova) foi outro reforço no ataque, mas faz uma função diferente e deve atuar pelo lado do campo.

Elenco


O "novo" elenco tentará fazer um bom papel na Série B (Foto: Leonardo Costa/tupifc.esp.br)
Goleiros: Glaysson, Gonçalves e Rafael Santos;

Laterais: Wesley Douglas, Felippe Formiga, Henrique e Thiaguinho; 

Zagueiros: Hélder, Heitor, Euller, Bruno Costa e Rodolfo Mol;

Volantes: Filipe Alves, Rafael Jataí, Recife, Gabriel Sacilotto e Vinícius Kiss;

Meias: Hiroshi, Renato Silva, Jonathan, Sávio e Raphael Augusto;

Atacantes: Ygor, Thiago Silvy, Michel Henrique, Rubens e Giancarlo;

* Sidimar se lesionou e deve voltar apenas em 2017.

Estreia

A partida de estreia será em Juiz de Fora e a torcida está empolgada, porém com receio depois do estadual. Apesar da preocupação ser justificável, os torcedores podem esperar um time diferente, com a ''cara'' de Ricardo Drubscky, que é ídolo e tem plena confiança dos carijós, só que ainda é uma grande incógnita se essas diferenças serão positivas ou negativas. 

Nesta sexta-feira (14), às 21h30, o Tupi enfrentará um dos postulantes ao acesso: o Goiás no Estádio Radialista Mário Helênio. Para a estreia, o técnico ainda não devem contar com todos os reforços, alguns ainda não estão regularizados no BID da CBF e outros ainda buscam a melhor força física. Entre os jogadores que disputaram o estadual e permaneceram no elenco, quase todos estão à disposição, exceto Hiroshi com uma luxação no ombro direito.

Por: Marcelo Júnior || Twitter: @marcelinjrr

69 anos de uma paixão incondicional

Dia 13 de maio de 1947. Um dia muito especial para alguns habitantes de Santa Catarina. Neste dia, através de um grupo de trabalhadores, nascia o Comerciário Esporte Clube.

Com as cores azul e branca, o Comerciário jogou pela primeira vez dia 15/05/47 contra o São Paulo F.C da Vila Operária, porém obteve um resultado negativo, perdendo por 4x0. Três semanas depois, sobre o mesmo time, a equipe conquistou sua primeira vitória.

Os primeiros títulos do clube vieram na época amadorística, sendo cinco vezes campeão da Liga Atlética da Região Mineira (LARM). A primeira conquista profissional veio em 1968, quando foi campeão estadual.

Em 2 de abril de 1978, o Comerciário mudou seu nome para Criciúma Esporte Clube. O time chegou a dezenove finais do Campeonato Catarinense (sendo uma como Comerciário) e conquistou dez taças, sendo a mais recente em 2013, em que o Criciúma se consagrou campeão em cima da Chapecoense.

Em 1984, sob a presidência de Antenor Angeloni, o Criciúma concluiu o processo de unificação do futebol da cidade, adotando novo símbolo e as cores preta, amarela e branca.


Títulos

O maior título já conquistado pelo Criciúma aconteceu em 1991, quando, sob o comando de Felipão, o clube se consagrou campeão da Copa do Brasil invicto. Durante essa disputa, o Criciúma ficou conhecido como o Peñarol brasileiro e disputou a final contra o Grêmio, vencendo o primeiro jogo por 1x1 e empatando o jogo de volta em 0x0.


Após o título da Copa do Brasil, o time catarinense disputou a Libertadores, um sonho que ainda existe dentro dos carvoeiros, porém o clube foi eliminado nas quartas de final pelo São Paulo.

Em 2002, o clube foi campeão brasileiro da Série B, consequentemente conquistando um acesso para a elite do futebol nacional. Na final, o clube enfrentou o Fortaleza, o primeiro jogo aconteceu na capital cearense e o time catarinense perdeu por 2x0. Porém, no jogo de volta o clube venceu por 4x1 com três gols do maestro Paulo Baier.

Campeonato da série B de 2002
Após o acesso, o clube se manteve na Série A durante um ano, e em 2004 foi rebaixado para a Série B, indo, em 2005, para a Série C. Em 2006 a maré de coisas ruins passou e o Criciúma conseguiu se consagrar campeão da terceira divisão daquele ano e desde então vem passando por altos e baixos.

Textos com a história dos clubes são tradicionais, porém, desta vez planejamos algo diferente. Porque não contar a história da torcida? Afinal, se não fossem os torcedores não haveria o clube.


Desde que o Comerciário surgiu, muitas pessoas começaram a acompanhar o time, mesmo amadoristicamente. Com o passar do tempo e conforme a evolução do clube, a torcida se tornou cada vez mais apaixonada. A primeira organizada do Criciúma Esporte Clube foi a Guerrilha Jovem, que nasceu dia 19 de maio de 1991 através de dois amigos que queriam ajudar a equipe de alguma forma e decidiram criar a Guerrilha. O auge deles veio na década de 90, quando eram reconhecidos pelo Brasil todo por sempre inovarem seu jeito de apoiar. Desde então, a torcida vem apoiando o Criciúma dentro do Heriberto Hulse.

Em 2006 surgiu a Barra Os Tigres durante o hexagonal do Campeonato Brasileiro da Série C. Por meio da comunidade do Criciúma E.C. no Orkut, um grupo de torcedores sentiu a necessidade de uma torcida atrás do gol de "Colombo Sales", tendo em vista que do outro lado ficava a Guerrilha Jovem e havia uma carência de outra torcida para motivar o povão que ali se encontrava. Foi combinado um dia para pintura de alguns trapos e, conseguido uma cubana emprestada, ali nascia a OS TIGRES.


A torcida do Criciúma já foi conhecida como uma das maiores e mais apaixonadas de SC, porém, com o passar do tempo e algumas situações do clube, foi diminuindo até chegar nos dias de hoje. Hoje sim podemos ver quem realmente são os torcedores, pois mesmo com a má situação estão lá todo jogo apoiando os 90 minutos e muitas vezes até mais.

Muitos torcedores demonstram sua paixão com tatuagens, mostrando o que realmente sentem pelo clube.

Tatuagens da torcedora Jaqueline
Tatuagem da torcedora Manuela
Além dos antigos torcedores, também existem crianças que alegram as arquibancadas e aprendem desde cedo a amar o clube. Um desses exemplos é o pequeno Davi, o mini barra brava da Os Tigres. Sua mãe, que já era apaixonada pelo tigre muito antes da gravidez, ensinou ao pequeno o melhor que ele poderia aprender: A paixão pelo futebol. Não só esse caso, mas as crianças nos fazem crer que o esporte não irá morrer e também não só os pequenos, como também os mais velhos, são muito importante para o clube, pois eles trazem a história e sabedoria para as arquibancadas.

Todos podem ver que a torcida é apaixonada, porém como os jogadores se sentem dentro do clube? Será que eles realmente acham nossa torcida apaixonada?

Essas perguntas foram feitas para dois atuais jogadores do Criciúma E.C., o goleiro Luiz, que desde que chegou mostrou capacidade e encantou a torcida com suas belas defesas, e o lateral esquerdo Marlon, que chegou no clube e foi crescendo até hoje, quando conquistou a titularidade e também a torcida.

Como os jogadores se sentem no clube?

Luiz: "Quando recebi o convite para vestir a camisa do tigre fiquei muito feliz porque sabia da sua grandeza. Um clube grande e respeitado, tem a melhor estrutura do estado e dá ao atleta todas as condições de trabalho. Hoje me sinto lisonjeado em estar vestindo a camisa do Criciúma e quero fazer história no clube".

Marlon: "Me sinto muito feliz e sempre grato ao Criciúma por tudo que me proporcionou e proporciona. É um clube que investe forte na base e acredita no que vem do CT, onde fazem um excelente trabalho. Agradeço a Deus por essa oportunidade que o clube me deu e está me dando de representar esta grande camisa do futebol brasileiro".

O que eles tem a dizer sobre a torcida?

Luiz: "Vejo uma torcida apaixonada pelo Criciúma, a cidade respira o clube dia a dia. Tenho muito respeito pelo torcedor e é muito bom ver o estádio cheia com a torcida o tempo todo cantando e apoiando o time, isso motiva mais ainda e nas ruas nem se fala, o carinho do torcedor e principalmente o respeito que tem por mim e meu trabalho".

Marlon: "É uma torcida apaixonada, copeira e sempre apoiando a equipe, independente de onde seja. Nos jogos fazem um belíssimo espetáculo nas arquibancadas".

Assim, podemos ver que apoiar não é em vão, pois muitas vezes a torcida é quem impulsiona mais ainda o clube. É sempre bom saber a opinião de quem não está ao nosso lado fisicamente. Isso motiva também o torcedor, pois eles sabem cada vez mais a importância do seu trabalho nas arquibancadas.

Resumidamente, a torcida carvoeira pode não ser uma das maiores, porém posso afirmar que dentro do Heriberto Hulse é onde pulsam os corações mais apaixonados, apaixonados pelo CRICIÚMA ESPORTE CLUBE.

Parabéns ao clube que temos orgulho de torcer! 69 anos de um tricolor predestinado.

'' Criciúma, nosso clube de amor, alma, garra e coração'' 

AGRADECIMENTOS

Gostaria de agradecer aos jogadores Marlon e Luiz, que disponibilizaram seu tempo para ajudar nesta matéria. Agradecer as meninas da Os Tigres Feminina Manuela da Silva, Jaque Figueiredo e Susiliana Medeiros, que também se dispuseram a ajudar.

Letícia Figueredo
Gabriel Frello

São gerações e corações fazendo a história



Que sentimento é esse hein que nos faz chorar de alegria, ficar vermelho de raiva e chorar de decepção, e mesmo com tudo isso, o sentimento não acaba? Poderia ser para qualquer coisa, qualquer ser, mas não é. Todo esse sentimento é todo seu, Sport Club do Recife.

O que seria de nós, rubro-negros, sem ouvir, chegando lá na Ilha do Retiro, o cazá cazá ou o até arrepiante 87 é nosso puxado pela Brava Ilha. Ah, seu Guilherme de Aquino, onde quer você esteja, você é um mito por fazer deste clube uma grandeza de vencedores, que com passar do tempo vai atraindo mais adeptos, mais apaixonados e os mais loucos torcedores.

E mais, nesse 13 maio, mais um ano de fundação desse que nasceu para ser o maior do norte e nordeste – e mesmo que outros venham contestar, estamos ali para provar – são 111 anos de puro amor. Até porque, por onde você passar, vai ter sempre um guerreiro de sangue vermelho e preto escorrendo pelas veias e de olhos leoninos pronto para defender com umas e dentes. E dizem que a torcida do Sport é chata, é louca e etc. Então digam mais, pois a cada vez que dizem isso batemos no peito e vamos cantando sempre o nosso grito de guerra, grito esse que nos faz arrepiar, faz jogadores de times adversários tremerem, faz a TV parar só para ouvir a massa fazendo o que sabe de melhor.

Seu Guilherme, hoje eu sei do seu sentimento ai no céu, hoje você sorri, pois sabe que a sua fundação deu certo. Uma paixão que veio lá de Cambridge já com camisas, meiões, chuteiras, e naquele tempo você não poderia saber que essa sua ideia iria se transformar em religião para muitos.

Hoje o que podemos dizer para o Senhor, seu Guilherme? Simplesmente agradecer, que de uma família de tricolores, rubro-negro eu sou e não nego. Já chorei, já sorri, já quebrei tudo após chegar da minha segunda casa depois perder um título, já me decepcionei a cada queda. Só que seu Guilherme, o mais importante de tudo, nunca deixei de amar e seguir essa religião e hoje sei que valeu a pena. Mesmo sendo influenciado pela família a torcer pelo rival, já estava destinado a torcer por um time vencedor. E tenha a certeza que na minha morte esse sentimento tão grande não vai acabar, irei ser enterrado com o manto sagrado grudado em meu corpo com uma bandeira ao lado. Fazer o que né? Dizem que sou louco por ser assim. Mas estou nem ai, pois já diria o saudoso Ariano Suassuna “Eles não sabem o que é felicidade, porque felicidade é torcer para o Sport".

Para terminar, seu Guilherme, a legião te agradece muito por ter nos dado uma razão para viver. Diga para seu Ariano, seu Adelmar, seu Leonardo e outros ícones rubro-negros que estão ai ao seu lado, que tudo o que eles fizeram não foi em vão, não vai ser esquecido até porque no hino do nosso amor maior está: “São gerações e corações fazendo a história. São campeões e emoções tecendo a glória”. E que a nossa padroeira Nossa Senhora de Fátima nos abençoe sempre para não faltar voz para apoiar o Leão.

Seu Guilherme hoje essa é para você PELO SPORT TUDO!
←  Anterior Proxima  → Inicio

Inscreva-se no canal LFTV

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Mais lidas da semana