A SUA LINHA DE NOTÍCIAS

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

TWITTER

FACEBOOK

Premier League Brasil

Siga-nos nas redes sociais

Popular Posts

Quem sou eu

CLASSIFICAÇÃO

domingo, 15 de maio de 2016

Botafogo retorna à Série A com derrota

Desfalcado, o Botafogo recebeu o time reserva do São Paulo na manhã deste domingo (15), em Volta Redonda, no Estádio Raulino de Oliveira. O jogo era válido pela 1ª rodada do Brasileirão. O Glorioso foi surpreendido e saiu derrotado por 1 a 0. Com o resultado, o Alvinegro ocupa a 15ª posição na tabela de classificação. O Botafogo agora volta suas atenções para a Copa do Brasil, já que, na próxima quinta (19), o time enfrenta o Juazeirense (BA) e pode até empatar para avançar de fase por ter vencido o jogo de ida por 2 a 1. 

O JOGO

O Botafogo começou melhor. Aos 4 minutos, Luis Ricardo recebeu nas costas de Matheus Reis e cruzou, mas o goleiro Renan Ribeiro defendeu. No minuto seguinte, Fernandes desarmou e tocou para Ribamar, que finalizou e viu o goleiro salvar. Aos 17', pela esquerda, Ribamar novamente finalizou e Renan Ribeiro novamente defendeu. Aos 21', Renan Fonseca cometeu falta desnecessária em Alan Kardec e o jovem Lucas Fernandes, com categoria, abriu o placar na cobrança na primeira chance do São Paulo no jogo. Helton Leite falhou, foi atrasado no lance. 


Helton Leite foi atrasado na jogada (Foto: André Durão)
Aos 23 minutos, o São Paulo quase ampliou com Lucas Fernandes, que roubou a bola no ataque e cruzou com perigo para Alan Kardec, que errou o tempo da bola. Aos 27', Centurión cruzou e Alan Kardec cabeceou, mas a bola passou por cima do gol. Aos 42', o Glorioso teve a chance de empatar o jogo quando Ribamar apareceu bem pela esquerda e chutou forte, porém Renan Ribeiro fez a defesa. E foi só. Aos 49', o primeiro tempo chegou ao fim. 

O Alvinegro voltou modificado para a etapa final já que Neilton foi substituído por Sassá. O São Paulo marcava mais adiantado. Aos 10 minutos, Bruno Silva arriscou, o goleiro Renan Ribeiro deu rebote e, na sequência, Leandrinho desperdiçou boa chance de empatar. Aos 14', Ricardo Gomes fez a segunda alteração no Botafogo, colocando Salgueiro no lugar de Bruno Silva. Aos 25', Anderson Aquino substituiu Leandrinho.

No minuto seguinte, o Botafogo poderia ter feito o gol quando Sassá desarmou Lyanco, ganhou a jogada e finalizou na rede pelo lado de fora. Aos 29 minutos, Centurión soltou uma bomba na entrada da área, obrigando Helton Leite a defender. Aos 46', Luis Ricardo cruzou, Renan Ribeiro soltou a bola e, no rebote, Ribamar tentou aproveitar, mas não deu em nada. Aos 48 minutos, o São Paulo foi prejudicado, já que Centurión, em posição legal, fez o gol anulado após marcação de impedimento inexistente. Aos 50', o jogo terminou. São Paulo 1 a 0.

OBSERVAÇÕES

O elenco do Botafogo é LIMITADO. Com vários jogadores lesionados, os substitutos não dão conta do recado.  

O time que entrou em campo hoje NÃO é o time titular. Isso traz um certo alívio. Jefferson, Joel Carli, Diogo Barbosa, Airton e Gegê são desfalques atualmente. No entanto, TODOS são titulares. Voltando, a equipe melhora. Pelo menos espero. Pensando também nos atletas que ainda chegarão, creio que o Botafogo tem capacidade de fazer um Brasileiro digno, melhor do que o de 2014, quando foi rebaixado. 

Ribamar não sabe finalizar, se posicionar e ainda por cima é EXTREMAMENTE individualista, fominha mesmo. E é o titular. Daí a importância de um goleador, um experiente, um cara matador no elenco. O ataque é SOFRÍVEL. É disparado o setor mais problemático.

Botafogo anunciou, na sexta (13), a volta de Rodrigo Pimpão. É uma ÓTIMA notícia. Pimpão será uma excelente opção. Mas sabemos que não é a solução...

No lance do gol, Renan Fonseca cometeu falta completamente DESNECESSÁRIA. E Helton Leite falhou. Foi atrasado. 

FICHA DO JOGO

Botafogo 0 
Helton Leite, Luis Ricardo, Emerson Silva, Renan Fonseca, Victor Luis; Rodrigo Lindoso, Bruno Silva (Salgueiro), Fernandes, Leandrinho (Anderson Aquino); Neilton (Sassá), Ribamar. Técnico: Ricardo Gomes. 

São Paulo 1 
Renan Ribeiro, Auro, Lugano, Lyanco, Matheus Reis; Lucão, Banguelê (Thiago Mendes), Lucas Fernandes (Rogério); Wilder (Kelvin), Alan Kardec, Centurión. Técnico: Edgardo Bauza. 

Estádio: Raulino de Oliveira (Volta Redonda/RJ). 
Árbitro: Braulio da Silva Machado (SC). 
Assistentes: Neuza Ines Back (SC) e Helton Nunes (SC). 
Gol: Lucas Fernandes (21' do 1º T). 
Cartões amarelos: Leandrinho (Botafogo); Matheus Reis, Banguelê, Thiago Mendes, Lucas Fernandes e Wilder (São Paulo). 
Público: 5.465. 
Renda: R$ 148.790,00. 

Por: Gabriel De Luca (@biel_dluca)

O primeiro passo de uma longa caminhada

Estrear com triunfo é tão desejável quanto anormal para o Bahia. Em Campeonatos Brasileiros não tem sido o resultado recorrente nos últimos anos – a última doce lembrança foi justamente no ano de maior êxito recente, especificamente no dia 07/05/2010 contra o América-RN no Estádio de Pituaçu, com gol solitário de Rodrigo Gral. Naquele ano o Bahia conquistou o acesso para a Série A, mesmo objetivo da atual temporada.

Desta forma, o placar magro do jogo contra o Avaí, disputado em um agradável sábado à noite, cumpriu o seu dever de não apenas iniciar bem a arrancada deste ano, mas de encher de esperança o coração de sua supersticiosa torcida.

O elenco tricolor é considerado um dos mais fortes da competição, mas a verdade é que até a última partida do Campeonato Baiano não havia confiança nem sintonia entre a massa que apoia o esquadrão e a equipe de Doriva. Uma boa repaginada na forma de atuar da equipe, que repetiu o padrão na quarta passada contra o América-MG pela Copa do Brasil, trouxe de volta a simbiose entre time e torcida. A torcida não compareceu em grande número, mas foi para apoiar.

Bahia repetiu o 4-4-2 com Danilo e João Paulo Gomes abertos na segunda linha e Thiago Ribeiro e Zé Roberto no ataque – Hernane e Edigar Junio foram vetados para a partida. Entre os onze iniciais tinha a estreia do zagueiro  Jackson, comprado em definitivo junto ao Internacional na última semana.

A equipe iniciou a partida com boa disposição em campo e desperdiçou ótima oportunidade com Thiago Ribeiro logo no início do jogo. O Bahia manteve a posse de bola no campo ofensivo, mas com o tempo  foi arrefecendo e dando espaço ao Avaí. Esse é um dos defeitos da equipe de Doriva: Excesso de apego ao jogo reativo, marcação que não pressiona o homem que tem a bola, nem força o erro adversário. Estratégia que irrita a torcida, mas que é recorrente com o treinador. Não marcar pressão também significa se expor menos e correr menos riscos, mesmo que para isso abdique do controle da partida.

Bahia que venceu o Avaí no sábado à noite: Sistema variava para 4-4-1-1 com Thiago Ribeiro buscando a entrelinha
Foi nesse contexto que aconteceu o lance que mudou o rumo da partida. Golpe de MMA de Alemão em Paulo Roberto, expulsão direta do jogador do time catarinense e paralisação de seis minutos até a remoção do volante tricolor pela ambulância do estádio. Momento de apreensão, porém o jogador passa bem e já teve alta. Juninho substituiu Paulo Roberto. Com um jogador a mais, o Bahia partiu para o abafa; os laterais faziam muitas ultrapassagens em combinações com os meias abertos e com aproximação dos volantes. Apesar disso, o gol não saía, o juiz ignorou duas penalidades claras e a igualdade no placar só foi desfeita após um cruzamento perfeito de Moisés e conclusão de almanaque de Zé Roberto após cabeceio indefensável do contestado atacante reserva.

A vantagem numérica e no placar permitiu a Doriva imprimir outro ritmo a partida, e o Bahia rodou bastante, usando inversões e viradas de jogo, a maioria com a bola no chão. Isso acabou refletindo no número de passes trocados [545], o maior da primeira rodada, com um índice de acerto de 93%.

O time obteve um bom volume de jogo, mas pecou bastante no último terço do campo com apenas 9 das 26 finalizações indo no gol, um problema que já havia se repetido nos dois últimos jogos e que foi abordado por Doriva na coletiva pós-jogo. Contra um adversário mais qualificado esse baixo índice de eficiência pode custar caro.

Bahia com muita presença no campo ofensivo e explorando as laterais do campo - a tônica da partida
O Bahia seguiu insistindo nas jogadas laterais por motivos diversos, incluindo pela falta de um armador capaz de centralizar o jogo e para usar a amplitude dos laterais para fugir da retranca adversária. Dessa forma chegou ao segundo tento, com Tinga encontrando o iluminado Zé Roberto, que finalizou o cruzamento da direita com um belíssimo toque de letra.

Com o placar em dois a zero e um jogador a mais, era de se esperar um massacre. Ele não veio por absoluta incompetência em traduzir em gols o amplo domínio contra um adversário praticamente na lona. Luisinho, Thiago Ribeiro, Moisés e Blanco desperdiçaram chances cristalinas de ampliar. As entradas de Luisinho e Blanco deram o equilíbrio necessário para expandir o domínio, porém faltou competência para finalizar.

No fim e com o jogo definido, o Bahia conseguiu tomar um gol de contra ataque – com o time exposto os dois laterais avançados e sem cobertura bem posicionada. Erros bobos que impediram que uma estreia até boa fosse traduzida em um triunfo mais convincente.

NOTAS SOBRE ELA [A ESTREIA]

- Jackson estreou bem. Mostrou dificuldades em algumas saídas de bola, mas antecipou bem quando necessário, ganhou todas pelo alto e esteve sempre bem posicionado.

- Lucas Fonseca por outro lado não está bem. Errou muitos botes, deu espaços no seu setor e perdeu vários confrontos individuais. A saída de Éder não se justifica tecnicamente, principalmente pelo jovem zagueiro ter a melhor saída de bola entre os zagueiros do elenco;

- Thiago Ribeiro melhorou bastante sua produção com o novo posicionamento em campo. Voltando pra buscar a bola na entrelinha, partindo da esquerda para o meio, bastante participativo com a bola e puxando a marcação. Abriu o corredor para Moisés várias vezes e tentou muitas finalizações – foi o que mais errou. Falta acertar o pé e o gol;

Mapa de calor comprova que Thiago Ribeiro buscou muito o jo fora da área, principalmente partindo do lado esquerdo
- Moisés é um AZOUGUE. Implacável na marcação, desarmando os adversários como se jogasse no PLAYGROUND contra os primos de dez anos, tomou conta do lado esquerdo. Deu uma assistência e foi o que mais acertou cruzamentos – também foi o que mais errou. Bahia já está em tratativas adiantadas para mantê-lo até o fim da temporada. Será muito importante pro time;

- Qual a posição de Danilo Pires? Volante, meia, ponta... Difícil definir. É um DÍNAMO em campo e ocupa todos os espaços em campo. A entrega é absurda e isso tem cobrado um preço alto do ponto de vista físico – geralmente a produção cai na parte final das partidas. Precisa também ser mais assertivo nas decisões técnicas, tem errado mais que o habitual para alguém da qualidade dele.

- Zé Roberto entrou em campo com todo o peso do mundo nas costas. Sabia que na prática seria sua última chance após os gols perdidos quarta passada e com todo histórico de implicância da torcida. Após o primeiro gol voltou para a segunda etapa com a confiança em alta. Fez um GOLAÇO e quase marcou outro de bicicleta, saiu bem da área, aproximou-se bem para triangulações e confundiu a defesa do Avaí com sua movimentação do meio para a direita. Mostrou que pode ajudar nessa Série B.

- Modelo de Doriva tem sido mais eficiente fora de casa o que costuma ser FUNDAMENTAL na série B. Com a consolidação do 4-4-2/4-4-1-1 como sistema de jogo/transição ofensiva será interessante ver onde ele encaixará Cajá no esquema – provavelmente no lugar de João Paulo. Ótimo problema a resolver, time ganha em alternativas e formas de atuar.

Dados: Footstats

Alex Rolim - @rolimpato - #BBMP

Danilo brilha e freguesia continua em Porto Alegre


Danilo brilha e garante empate para o Verdão em Porto Alegre. (Foto: Pedro H. Tesch/Agência Eleven/Gazeta Press)
Neste domingo (15), Internacional e Chapecoense fecharam a primeira rodada do Campeonato Brasileiro 2016 no duelo de campeões estaduais. Em um jogo de muita marcação e poucas oportunidades, quem tentou aparecer foi o árbitro Nielson Nogueira Dias, quando marcou de forma incorreta penalidade máxima para os colorados, mas o goleiro Danilo fez sua estrela brilhar na cobrança e garantiu o 0x0 no placar.



Para o duelo, Guto Ferreira não pôde contar com o zagueiro Neto, que passará por cirurgia e ficará fora por três meses. Na sexta-feira, o treinador ainda perdeu o atacante Maranhão, que negocia sua saída para o Fluminense.



Com a bola rolando, o campeão gaúcho, que jogava em seus domínios, partiu para cima dos catarinenses, jogando em velocidade pelos lados do campo e buscando furar a forte marcação Chapecoense. Enquanto isso o Verdão aguardava um erro do Internacional para sair em contra-ataque, e foi assim que aos 4 minutos, quando Ananias avançou e encontrou Lucas Gomes na ponta direita, o meia avançou e chutou forte para fora.



Porém, quem esteve próximo de abrir o placar foram os donos da casa aos 7 minutos, quando Arthur cruzou na cabeça de Aylon, que sozinho desviou para fora. O jogo seguia morno até que, aos 15', Lucas Gomes recebeu de Marcelo, dominou e chutou forte cruzado na entrada da área, obrigando Alisson espalmar em escanteio.



O Inter seguia com maior posse de bola, enquanto o Verdão continuava com uma forte marcação e assustando nos contra golpes. Na última chance do primeiro tempo, quem chegou com perigo foram os gaúchos, quando, em jogada em velocidade, Sasha recebeu e chutou cruzado, Danilo fez boa defesa, mas espalmou para o meio da área e no rebote Gil afastou em escanteio. E foi assim que terminou a primeira etapa, com o Internacional com maior posse de bola (61% x 39%), mas em um jogo equilibrado, com poucas chances claras de gol.



As equipes voltaram para o segundo tempo sem alterações. Com a bola em jogo, o colorado começou pressionando, Winck vacilou e Arthur acertou belo cruzamento, mas Aylon não conseguiu finalizar para o gol de Danilo, passando por todo mundo.



Entretanto, foi aos 18 minutos que um lance polêmico colocou fogo na partida. Andrigo dominou na entrada da área e dividiu com Ananias, o árbitro vergonhosamente caiu na conversa do meia colorado, que encenou bastante, e assinalou pênalti para os donos da casa. Na cobrança, Paulão finalizou no canto esquerdo de Danilo, que pulou e fez grande defesa, no rebote a bola sobrou para os gaúchos, que chutaram para nova grande defesa do goleiro.


Danilo no momento em que defendeu a cobrança de Paulão. (Foto: Roberto Vinícius/Gazeta Press)

A vida Chapecoense se complicou após a expulsão de Thiego aos 34', quando o zagueiro saiu na frente de Marquinhos, mas acabou acertando uma cotovelada no atacante e o árbitro mostrou amarelo, como já havia recebido no primeiro tempo, acabou indo para o chuveiro mais cedo. Foi então que Rafael Lima entrou na vaga de Bruno Rangel e com muita raça o Verdão conseguiu segurar a pressão e assegurar o 0x0 no placar, e garantindo o quarto jogo seguido sem derrota para o Internacional.



Na próxima rodada o Verdão recebe na Arena Condá o América/MG, domingo (22), às 16h. No mesmo dia e horário, o Internacional viaja a São Paulo para enfrentar o Tricolor Paulista no Pacaembu, já que o Morumbi deve estar interditado por conta da grade que caiu no último jogo da Libertadores.



FICHA TÉCNICA:



Local: Estádio Beira Rio, Porto Alegre (RS).

Público: 12.092 torcedores.

Renda: R$ 350.215,00

Arbitragem: Nielson Nogueira Dias, auxiliado por Bruno Boschilia e Clovis Amaral da Silva.

Cartões Amarelos: William, Andrigo e Vitinho (INT) Thiego, Josimar, Cleber Santana e Gil (CHA).

Cartão Vermelho: Thiego (CHA).



INTERNACIONAL (0)

Alisson; William, Paulão, Ernando, Arthur (Gustavo Ferrareis), Fernando Bob, Fabinho, Andrigo (Alisson Farias); Eduardo Sasha, Vitinho, Aylon (Marquinhos). Técnico Aposentado: Argel Fucks.



CHAPECOENSE (0)

Danilo; Cláudio Winck, Marcelo, Thiego, Dener; Josimar, Gil, Cleber Santana, Lucas Gomes (Silvinho); Ananias (Lourency), Bruno Rangel (Rafael Lima). Técnico: Guto Ferreira.



Marcelo Weber || @acfmarcelo

Guia da Eurocopa 2016 - Grupo B

Prometendo ser um grupo bastante competitivo e bom de se ver na Eurocopa desse ano, o Grupo B da competição terá as seleções da Inglaterra, Rússia, País de Gales e Eslováquia lutando por uma vaga na próxima fase do torneio. É hora de conhecer um pouco mais sobre essas quatro seleções e como elas estão indo para a disputa. 

Conheça agora um pouco das seleções do Grupo B.
Foto: Wagner Oliveira / Linha de Fundo.
INGLATERRA:

As Eliminatórias da Eurocopa da França foram perfeitas para a Inglaterra, dez jogos e dez vitórias, 100% de aproveitamento, marcaram 31 gols e sofreram apenas 3. A campanha irrepreensível dos Three Lions colocaria os inventores do futebol como um dos principais candidatos ao tão sonhado título europeu.

Colocaria, não fosse o histórico em competições oficiais, os ingleses são a única seleção campeã do mundo que ainda não conquistou uma Eurocopa. A Inglaterra nem mesmo conseguiu chegar a uma final, seus melhores resultados foram as semifinais em 1968, na Itália, e em 1996, quando organizou a competição.


Entre as edições de 1980 até 1992, os ingleses não conseguiram avançar da fase de grupos, sendo que na edição de 1984, não conseguiu nem se classificar para o torneio. O fato se repetiu na edição de 2000, mais uma vez ficando na fase de grupos e em 2008, quando um desempenho abaixo das expectativas deixou os Three Lions fora de mais uma Euro. Em 1996, jogando a Eurocopa em casa, os Three Lions encontraram a Alemanha nas semifinais e deu adeus a competição depois de uma eliminação nas penalidades máximas. A queda em 96 foi à primeira de uma sequência de cinco eliminações seguidas em torneios oficiais (Copas do Mundo de 1998 e 2002 e Eurocopas de 2004 e 2012), todas nos pênaltis.

Os soldados da Terra da Rainha buscam finalmente conquistar o sonho europeu na edição de 2016, na França. Para alcançar o objetivo, os ingleses vão precisar melhorar muito seu desempenho nas fases eliminatórias. Na história da Euro, a Inglaterra só venceu uma vez um jogo de eliminação, foi nas oitavas de final de 96, diante da Espanha, justamente em cobrança de pênaltis, depois de um 0 a 0 em Wembley.

Principal jogador da Inglaterra:


O principal jogador da seleção inglesa para essa Eurocopa será Jamie Vardy, o novo camisa 10 e o astro do atual campeão da Premier League, o Leicester. Não tem muito tempo que Vardy vestiu a camisa da Inglaterra pela primeira vez, porém, já vem mostrando que merece um grande destaque pelas suas grandes atuações.

Expectativa para a Inglaterra

A edição de 2016 será a primeira Eurocopa com 24 seleções na fase principal, com a classificação dos quatro melhores terceiros colocados para as oitavas de final, a Inglaterra não deve ter dificuldades para passar de fase dessa vez. Sorteada para o Grupo B do torneio, os ingleses terão duelos com a Rússia, Eslováquia e o confronto britânico contra o País de Gales.  Com uma geração longe de ser a das melhores, chegar novamente a uma semifinal seria um grande feito, embora ninguém esconda que a conquista do título é a maior obsessão dos Three Lions.

RÚSSIA:

Ao pensar em futebol clássico, sempre lembramos da poderosa seleção da União Soviética que hoje corresponde a Rússia, Ucrânia e outros países menos expressivos.

A seleção nacional jogou pela primeira vez representando a Rússia para disputar a Eurocopa de 1992, onde já estava classificada como URSS. Atualmente os russos não conseguem repetir suas grandes atuações do passado: foram eliminados na primeira fase nas edições de Copa do Mundo de 1994, 2002 e 2014, e não se classificaram para nenhuma Olimpíada desde então.

A seleção Sub-17 russa é bicampeã da Eurocopa Sub-17 (2006 e 2013). Na Copa do Mundo de 1966, a União Soviética terminou em quarto lugar, sendo eliminada pela Alemanha Ocidental na semifinal e perdendo para Portugal na disputa pelo terceiro lugar.


Em Eurocopas a União Soviética é tri-vice-campeã, perdendo a final de 1964 para a Espanha, em 1972 para a Alemanha e em 1988 para a Holanda. O grande feito da seleção da União Soviética foi vencer as Olimpíadas de 1988, vencendo o Brasil (de Romário e Bebeto) de virada.

Principal jogador da Rússia:


O grande destaque da Rússia é o goleiro Igor Akinfeev, ídolo do CSKA Moscou, mas além dele, a seleção também conta com jogadores como Alan Dzagoev (meio campista), Aleksandr Kokorin (atacante) e Artem Dzyuba (atacante).

Comandados por Leonid Slutsky, 4 vezes campeão russo com o clube CSKA Moscou, a seleção se classificou em segundo lugar em seu grupo nas eliminatórias da Euro, perdendo a liderança para a Áustria e ficando na frente da Suécia. A boa campanha da equipe russa (6 vitórias, 2 empates e apenas 2 derrotas). Mesmo sem grandes atuações, a seleção russa e conhecida por ser um adversário frio, assim, como o clima do país.



Expectativa para a Rússia: 



A expectativa é que consigam se classificar para a segunda fase da competição, provavelmente em segundo lugar em seu grupo, pois a primeira colocação deve ser da Inglaterra.

PAÍS DE GALES:

Desde 1958, quando participou da Copa do Mundo e foi eliminada nas quartas, a Seleção Galesa não disputa um grande campeonato. Esta é a primeira vez que o País de Gales se classifica para a Eurocopa e para chegar até esta competição, a seleção de Chris Coleman fez uma campanha digna nas Eliminatórias, foram 6V 3E e 1D que levaram a segunda colocação o grupo B.


Na última convocação do País de Gales, feita na segunda-feira (09), Chris chamou 29 atletas para os cinco dias de treinamento que ocorrerão entre os dias 24 e 29 de maio, em Portugal. Confira a lista:

Goleiros: Wayne Hennessy (Crystal Palace/ING), Daniel Ward (Liverpool/ING) e Owain Fôn Williams (Inverness/ESC).

Defensores: Ashley Williams (Swansea/ING), Neil Taylor (Swansea/ING), James Chester (West Bromwich/ING), Ben Davies (Tottenham/ING), James Collins (West Ham/ING), Chris Gunter (Reading/ING), Adam Matthews (Sunderland/ING), Adam Henley (Blackburn/ING), Paul Dummett (Newcastle/ING) e Ashley Richards (Fulham/ING).

Meio-campistas: Joe Ledley (Crystal Palace/ING), Jonathan Williams (Crystal Palace/ING), Joe Allen (Liverpool/ING), David Vaughan (Nottingham Forest/ING), Emyr Huws (Wigan/ING), David Edwards (Wolverhampton/ING), George Williams (Fulham/ING), Aaron Ramsey (Arsenal/ING) e Andy King (Leicester/ING).

Atacantes: David Cotterill (Birmingham/ING), Hal Rob -Kanu (Reading/ING), Tom Lawrence (Leicester/ING), Simon Church (MK Dons/ING), Sam Vokes (Burnley/ING), Wes Burns (Bristol City/ING) e Tom Bradshaw (Walsall/ING).

Principal jogador do País de Gales: 


Gareth Bale, que não está entre os 29, mas certamente estará entre os 23, é o grande nome da seleção para a Euro. O ponta e meia do Real Madrid, já demonstrou isso durante as Eliminatórias, quando fez 7 dos 11 gols da equipe e apareceu na seleção da competição da UEFA.

Expectativa para o País de Gales:

Apesar de ser a primeira vez dos galeses, a expectativa não é parar na fase de grupos. O País de Gales poderá se classificar para uma próxima etapa, até porque o novo formato da Euro facilita isso. Mesmo se não for o segundo colocado do grupo, poderá ser um dos quatro melhores terceiros. 

ESLOVÁQUIA:


Eslováquia, um pequeno país da Europa central que vem disposto a fazer história novamente, e surpreender em sua primeira participação na Eurocopa. Em 2010 o país de 5,4 milhões de habitantes surpreendeu o mundo ao eliminar a toda poderosa Itália de seu grupo na copa do mundo, chegando as oitavas de de final da competição onde foi eliminada pela Holanda. Empurrada por seu ídolo, Marek Hansik, a Eslováquia vem disposta a mostrar sua força para toda Europa, e chegar as oitavas de finais, o time eslovaco irá jogar no grupo B da competição com Inglaterra, País de Gales e Russia.


Em sua primeira participação na Euro, a seleção obteve sua vaga após uma grande campanha nas eliminatórias da Euro, onde deixou a tradicional Ucrânia na repescagem, sendo classificada junto a Espanha. Na pré convocação, a grande surpresa foi a ausência do atacante Robert Vittek, maior artilheiro da história da seleção por lesão. O treinador Jan Kozak tem até o dia 31 de Maio para convocar os 23 jogadores que em sua maioria atuam fora do país.

Principal jogador da Eslováquia:



Marek Hamsik, ala de 27 anos, considerado por muitos o principal jogador da historia da seleção eslovaca, é o grande destaque do time para surpreender em sua primeira Euro, o jogador do Napoli da Itália é o capitão, e fez história quando conduziu sua seleção a uma inédita oitavas de final da copa do mundo de 2010, quando eliminou a atual campeã Itália.

Expectativa para a Eslováquia:

A expectativa dos eslovacos é brigar por uma das vagas na classificação do grupo, até por ser a primeira participação do país na Eurocopa e por ter caído em um grupo com seleções relativamente do mesmo nível que ela, com exceção da Inglaterra.

Jogos do Grupo B:

1ª rodada:

País de Gales x Eslováquia - Stade de Bourdeaux -  (11/06) - 14h
Inglaterra x Rússia - Velódrome - (11/06) - 17h

2ª rodada:

Rússia x Eslováquia - Pierre-Mauroy - (15/06) - 11h
Inglaterra x País de Gales - Stade Felix Bollaert - (16/06) - 11h

3ª rodada: 

Eslováquia x Inglaterra - Geoffroy Guichard - (20/06) - 17h
Rússia x País de Gales - Municipal de Toulouse - (20/06) - 17h

Produzido pelos colunistas:

Lucas Felipe || @lsouza73 || INGLATERRA
Mateus Segur || @SegurMateus || RÚSSIA
Cássia Gouvêa || @cassiagouvea_ || PAÍS DE GALES
Eduardo Maya || @EduMaya7 || ESLOVÁQUIA

Goleada para marcar o retorno à Série A

Com dois gols de Grafite, um de Fernando Gabriel e outro de Keno, o Santa Cruz atropelou o Vitória por 4 a 1 e largou com o pé direito na elite do futebol brasileiro após dez anos de saudade.
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Grafite deu início a goleada / JC Imagem 
O jogo começou tenso, marcado por bastante equilíbrio e o Santa com a mesma dificuldade de sempre no domínio de bola. Com isso, o Vitória conseguia trocar um número maior de passes e a primeira chance de gol no jogo foi para o lado do rubro-negro baiano. Aos 18 minutos, após jogada confusa na área, a bola acabou sobrando para o meia Leandro Domingues, que, ao invés de finalizar de primeira, tentou o domino e perdeu grande oportunidade frente a frente com Tiago Cardoso na pequena área.

E, como diz o ditado "quem não faz, leva", aos 28 minutos Grafite recebeu um ótimo passe na entrada da área feito por Uillian Correia, invadiu, driblou dois os zagueiros com direita a canete e tudo mais, e finalizou sem chances para o goleiro, um belíssimo gol na estreia.

Com o gol do Santa Cruz, os jogadores tricolores ganharam confiança e passaram a criar mais jogadas ofensivas na partida. O segundo gol saiu aos 43 minutos, com o Grafite novamente, que aproveitou uma falha na marcação após um cruzamento de Keno e entrou sozinho na grande área, ai ele é fatal e acertou uma bela cabeçada, ampliando a vantagem.

O Vitória conseguiu diminuir o placar com Kieza, aos 34 minutos, no momento em que a equipe tricolor deu uma acomodada no jogo e o atacante aproveitou um rebote depois de uma grande defesa de Tiago, fazendo 2 a 1. 
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Grafite e Keno os nomes do jogo / JC Imagem
Cinco minutos pós o golpe, quando a partida parecia ganhar tons de dramaticidade, o estreante Fernando Gabriel fez o seu depois de uma bela jogada de Keno pela esquerda, pegando uma sobra dentro da área e fazendo 3 a 1. Dois minutos depois, Keno voltou a fazer grande jogada, invadindo a área e sofrendo um toque por trás, resultando na penalidade máxima. O próprio chamou a responsabilidade e converteu a cobrança, dando números finais a partida de 4 a 1, uma estreia de tirar o chapéu e mostrar que o time não veio para brincadeira.

O próximo jogo da equipe coral está agendado para o sábado (21), às 18h30, fora de casa, contra o Fluminense.
Gols do Jogo:


Campeonato: Campeonato Brasileiro – 1° rodada
Data: 15/05/2016
Hora: 11:00
Local: Recife (PE)
Estádio: Arruda
Árbitro: Pablo dos Santos Alves
Auxiliares: Fábio Ferreira (TO) e Esdras Mariano de Lima Albuquerque (AL)
Público: 20.038
Renda: R$ 250.150,00
SANTA CRUZ
Escalação: Tiago Cardoso; Vítor, Neris, Danny Moraes e Tiago Costa; Wellington, Uillian Correia e Fernando Gabriel; Arthur (Wallyson), Grafite (Bruno Moraes) e Keno (Alemão).
Técnico: Adriano Teixeira e Edinelson Silva (interinos)
Gols: Grafite (2), Fernando Gabriel e Keno  
Cartões Amarelos: Wellington César, Grafite e Tiago Cardoso
VITÓRIA/BA

Escalação: Fernando Miguel, José Wilson, Victor Ramos, Ramon e Diego Renan; Amaral, Marcelo (Alípio) e Leandro Domingues (David); Tiago Real, Vander (William Henrique) e Kieza.
Técnico: Vagner Mancini
Gols: Kieza

Bocão || @_SiilvaSCFC 

Flu estreia bem e acaba com jejum de 63 anos

Acabou a espera, o Campeonato Brasileiro está de volta. Admito que estou ainda com um pé atrás com relação a nossas chances de uma boa campanha, mas essa vitória foi boa para já começar lá em cima e acabar com esse tabu de 63 anos sem vitória sobre o Coelho. Foi um 1-0 merecido e que poderia ser até mais se, principalmente, Fred e Richarlison tivessem aproveitado melhor as várias chances que tiveram.

América-MG x Fluminense  - 15/05/2016
Mais um gol pro Capita, agora são três em dois jogos
Foto:Nelson Perez/ Fluminense FC
O primeiro tempo foi bem truncado, com o América se defendendo bem mesmo com a movimentação do quarteto de ataque tricolor. Osvaldo e Scarpa trocaram de posição algumas vezes e Fred voltava para o meio campo eventualmente para puxar marcação, rodar a bola e começar o ataque. Numa saída errada do time mineiro, conseguimos o chute de Osvaldo que sobrou para Richarlison tocar para trás e Fred marcar.

Essa formação de 4-2-4 é boa para empurrar o adversário na defesa, mas muito perigosa nos contra-ataques. Uma jogada rápida do América pegava nosso time com cinco, seis lá na frente. Se formos contar que um dos que ficam é o Cícero, que não consegue correr, é uma exposição muito arriscada. Quero ver quando jogarmos contra um time mais difícil, como o Palmeiras na terceira rodada, se o comportamento será o mesmo.

América-MG x Fluminense  - 15/05/2016
Levir elogiou a postura de Fred ao engraxar a chuteira de Richarlison: "Liderança positiva"
Foto: Nelson Perez/Fluminense FC
Na segunda etapa, o Flu começou a administrar o resultado. Levir acertou nas substituições e no tempo delas. Já estávamos levando uma certa pressão e nosso técnico tirou Richarlison e colocou Gérson. Com isso, reforçamos o meio campo e tiramos os dois atacantes centrais que não eram mais necessários. Substituir Osvaldo por Marcos Junior foi para puxarmos contra-ataques com sangue novo, e a última foi forçada por mais uma lesão de Jonathan. Joga muito nosso lateral, mas machuca mais ainda. Se não fosse pela lesão, acho que poderíamos ter colocado o Higor Leite para ter mais um ali no meio, pois o América estava com facilidade para trocar alguns passes por ali já no final do jogo.

Se o Campeonato acabasse hoje, estaríamos na Libertadores. Espero que essa nossa passagem pelo G4 não seja relâmpago. O próximo jogo é em casa contra o Santa Cruz e temos tudo para ganhar mais três pontos: Scarpa jogando demais, Fred voltando a marcar e uma intensidade de jogo gigante. Fato negativo foi a atuação do Henrique, que várias vezes entregou bolas tranquilas.

Saudações Tricolores

Matheus Garzon

Avaí erra novamente e Bahia aproveita


Na noite de ontem, o Avaí estreou no Campeonato Brasileiro da Série B ao enfrentar o Bahia na Arena Fonte Nova. O nosso querido Leão da Ilha veio de uma péssima campanha no estadual, lutando mais uma vez para não cair para a segundona do Catarinense, e também de uma eliminação na Copa do Brasil, mas agora aposta todas as suas fichas para fazer uma boa campanha no Brasileirão. O Leão está em formação, trouxe oito novos reforços para incorporar ao elenco, uns com bom desempenho até aqui e outros não. A tentativa é entrosar o time para que alcancemos uma boa colocação ao final da competição.

O Avaí começou o primeiro tempo com muita raça e vontade de vencer, porém, em um lance totalmente infantil, aos 18 minutos do primeiro tempo, Alemão foi expulso. O recém contratado, que ajudou muito no último jogo contra o Bragantino, fez falta forte em Paulo Roberto que levou o jogador ao hospital imediatamente. O Leão, que não está podendo ter esses imprevistos, se viu totalmente despreparado ao ter que enfrentar o time da casa com um jogador a menos.

Confesso que me surpreendi com o time de ontem. Antes da expulsão de Alemão, o Avaí chegou duas vezes ao gol com grande chance de marcar. Após a displicência do lateral, o técnico Silas teve que ajeitar a equipe, tendo que substituir o atacante Willian e colocando o zagueiro Fábio Sanches. Sem muita referência no ataque, o Leão apenas se defendeu. O Bahia, no entanto, não se sobressaiu tanto pois estava com muitos desfalques. Aos 46' do primeiro tempo, Zé Roberto do Bahia abriu o placar.

O segundo tempo não foi muito diferente, Silas fez suas substituições não tão grotescas como tem feito ultimamente e acabou jogando de igual pra igual. O problema do Avaí são os apagões momentâneos, que acabam dando chances claras pro adversário, como aconteceu aos 22 minutos, quando o mesmo Zé Roberto ampliou a vantagem.

A lateral esquerda era uma avenida, todas as bolas na área avaiana vinham dali já que não tínhamos marcação. Ao final do segundo tempo, o Avaí conseguiu descontar o placar com uma correria do Tauã pela meia lateral quando o chute resvalou no goleiro e o atacante Vinicius Pacheco aproveitou o rebote, marcando para o  Leão da Ilha.

A torcida avaiana está muito impaciente com a campanha que o time vem desempenhando. Ainda temos muito para organizar até podermos ser um time que irá brigar pelo acesso. Os nomes de impacto que o presidente anunciou não agradaram muito o torcedor, porém tenho a plena consciência que a expulsão do lateral Alemão no início do primeiro tempo prejudicou um bom jogo que o Avaí faria. Nossa expectativa era realmente o resultado negativo na Fonte Nova, mas vejo que, apesar da derrota, uma equipe muito mais ofensiva e com menos erros que antigamente.

O coração do torcedor azurra está calejado, está triste e sem motivação. Volto a repetir que quero a renúncia do atual presidente do clube. Sei que é o primeiro jogo da Série B, porém o que estamos passando na mão deste senhor é totalmente inadmissível para um time tão grande quanto o Avaí. Quero enxergar uma luz no fim do túnel,  quero voltar à Ressacada para ver um time com raça e vontade, vencer o time adversário. A chance está aí, dia 21 voltamos a campo às 16h para enfrentar o Sampaio Corrêia que vem de derrota também.

Falta muito pro Avaí convencer, falta ajeitar o ataque, o meio de campo e as laterais. Precisamos dispensar alguns jogadores que não acrescentam em nada. Precisamos trazer jogadores de referência. O técnico Silas precisa saber mexer corretamente no time. Mas antes de tudo isso, precisamos voltar a vencer para que a maior torcida do estado possa enfim sorrir.

Manoella Pereira || @ManoellaPer
Linha de Fundo || @SiteLF
←  Anterior Proxima  → Inicio

Inscreva-se no canal LFTV

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Mais lidas da semana