A SUA LINHA DE NOTÍCIAS

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

TWITTER

FACEBOOK

Premier League Brasil

Siga-nos nas redes sociais

Popular Posts

Quem sou eu

CLASSIFICAÇÃO

quarta-feira, 1 de junho de 2016

Flamengo de Guarulhos comemora aniversário com lançamento da Corvopédia

Aniversários são marcos importantes na vida de cada pessoa. É o momento de comemoração, de saudar o presente, projetar um futuro ainda melhor e, claro, não se esquecer de olhar para o passado que, afinal, é de onde vem à bagagem que permite a evolução. Para um time de futebol esse passado é ainda mais importante: é nele que estão as marcas e conquistas que permitem que o clube siga sonhando com dias melhores e fortalecem a sua tradição.

É nesse pensamento que se inspira a Associação Atlética Flamengo, time paulista que neste dia primeiro de junho completa mais um ano e sabe da importância de valorizar e trabalhar o resgate da sua rica história. O aniversário é do Corvo, como é carinhosamente conhecido o clube, mas o presente é para a sua torcida (e para todos que gostam de futebol): uma enciclopédia virtual com detalhes de todo passado do clube.

Capa da Corvopédia
A Corvopédia, como foi batizado o site, foi desenvolvida pelos estudantes de jornalismo Marcos Vieira Ribeiro (idealizador) e Gabriel Pitor Oliveira (produtor e diretor administrativo) e traz os detalhes dos 62 anos de história do clube que nasceu através de Guiomar Pereira Xavier, torcedora fanática do Flamengo carioca e que fundou o clube paulista em 1954.

O fácil acesso às funcionalidades da Corvopédia aliado a um layout interativo permite rápidas consultas e ajudam a resgatar detalhes de um passado que muitas vezes acaba esquecido, como as conquistas dos tempos de amadorismo do clube, com direito a um hepta do campeonato amador municipal de Guarulhos ou a primeira tentativa profissional do clube, em 1979, pouco conhecida pelo público em geral.

Um dos grandes orgulhos do Flamengo é seu estádio Antônio Soares de Oliveira, construído em 1980 e apelidado carinhosamente de Ninho do Corvo. Ele se tornou grande trunfo na segunda etapa de profissionalização do clube, desta vez definitiva, que ocorreu na década de 1990.

Foi na virada do século que o clube chegou aos anos dourados: Conquistou os títulos da Segunda Divisão Paulista-B2 (quinta divisão estadual) em 1999 e, no ano seguinte, já venceu também o título da Segunda Divisão Paulista (quarta divisão estadual). Em 2001 um novo acesso, para a A2 (segunda divisão estadual) quando quase chegou à elite do futebol paulista.

flamengo corvopedia marcos vieira ribeiro gabriel pitor
Os idealizadores do site seguram taça conquistada pelo Flamengo. Clube teve parceria com Empório dos Bottons, estampando banner de apresentação do site.
O clube atingiu a fama internacional quando fez um jogo amistoso em 2003 no Líbano, vencendo os donos da casa, e em 2005, participando de um campeonato internacional em homenagem à Copa do Mundo de 2002. A nova queda para a A3 não desanimou o Corvo que conquistou em 2008 seu maior título até hoje: campeão paulista da A3 (terceira divisão estadual).

Toda essa história é preservada com a criação da Corvopédia e com grande riqueza de detalhes. É possível ver todos os jogos do time rubro-negro, com todo histórico de vitórias, empates e derrotas e até uma análise por cores (retrospecto contra tricolores, alviverdes, alvirrubros e outras combinações possíveis), gols marcados e uma série de detalhes, incluindo diferenciação de retrospecto para jogos em casa e fora e nos diversos campeonatos que disputou. Tudo isso pode ser consultado e até baixado em diversos PDFs pelos visitantes do site.

Marcos Ribeiro, idealizador do site, define como “um trabalho completo e minucioso, que, além de essencial suporte à imprensa, serve para situar o clube temporalmente da devida forma”, defendendo a importância da valorização sobre a história do clube. O site também conta com matérias que acompanham o clube nos dias mais modernos através das redes sociais do clube.

Independente da simpatia ou não pelo Flamengo vale a pena entrar e conhecer a Corvopédia e desfrutar desse mar de informações e curiosidades. É possível, inclusive, que alguns passem a acompanhar e torcer pelo sucesso do time rubro-negro para que esses números continuem a crescer.

Com melhoras notáveis, Oeste consegue empate com o Vasco

Jogando em Barueri, Rubrão empatou com o embalado Vasco da Gama.


Pelo começo da partida, era de se esperar que fosse mais um jogo bem difícil para o Oeste, pra deixar mais confuso com o time de Itápolis, o Vasco abriu o placar logo aos 23' segundos do primeiro tempo, na saída de bola.

O objetivo deles eram deixar nosso time perdido em campo, desesperado por ter tomado gol logo no início. E conseguiram, foram os primeiros minutos de jogo frustrante para o torcedor oestino, o time errava vários passes, não conseguia controlar o jogo. Mas a história do jogo no primeiro tempo foi se tornando diferente, o Rubrão começou a crescer no jogo, trabalhando mais a bola, arriscando e depois de várias chances perdidas do estreante Marcus Vinícius, acabou sobrando para Francisco Alex empatar a partida arriscando de fora da área, sem chances para o goleiro Cruz-maltino.

No segundo tempo já foi bem mais truncado para os dois lados, ambos queriam o gol da vitória, e o Oeste também começou a gostar do jogo, teve várias chances, inclusive teve mais posse de bola, frustrando o adversário.

Aos poucos o time vai se acostumando com essa nova forma de jogar, é questão de tempo, não pode vacilar. Uma coisa que percebi na partida de ontem, foi os jogadores do Oeste fazendo faltas bobas, tomando cartão de graça, poderia ter prejudicado o time, como foi na rodada passada.

O Oeste vem melhorando seu jeito de jogar é notável isso, apenas alguns erros precisam ser corrigidos, esse time que jogou contra o Vasco, acredito que seja o ideal, Francisco Alex mais uma vez fazendo uma partida muito boa, eu como torcedor não acreditava na contratação dele, mas vem honrando a camisa nos últimos jogos, esperemos que continue assim. Léo Arthur também se percebe que ele vem evoluindo no decorrer dos jogos, entre outros jogadores que estão indo bem e alguns que precisa melhorar.

O próximo jogo do Oeste será no próximo sábado, pela 6ª rodada, aonde enfrentará o Criciúma-SC às 16h na Arena Barueri, em Barueri-SP.

Ficha Técnica:
Oeste 1 x 1 Vasco

Local: Arena Barueri, Barueri-SP.
Público: 3.187 pagantes
Renda: R$ 55.690,00
Cartões Amarelos: Velicka, Rafael Rocha, Renan Mota e Maurinho para o Oeste. E Yago Pikachu e Luan para o Vasco da Gama.

Oeste: Felipe Alves, Felipe Rodrigues, Francis (Maurício) e Velicka; Renan Mota (Betinho), Danielzinho, Francisco Alex e Mazinho; Maurinho, Marcus Vinícius (Rafael Rocha) e Léo Arthur. Técnico: Fernando Diniz

Vasco: Jordi, Yago Pikachu, Luan, Rodrigo e Júlio César; Marcelo Mattos, Júlio dos Santos (Willian) e Nenê; Éder Luís, Jorge Henrique e Thalles (Caio Monteiro). Técnico: Jorginho

VAMOS OESTE!

Césare Boralli || @borallicesare
Linha de Fundo || @SiteLF

Artilheiro desencanta, mas Galo perde mais uma

Em busca da recuperação, o Galo Carijó entrou em campo nesta terça-feira (31), pela 5ª rodada da Série B. Com o mesmo número de pontos, Tupi e Joinville precisavam de um resultado positivo, para se afastarem da parte de baixo da tabela. O time de Juiz de Fora tinha uma responsabilidade maior, já que estava jogando em casa e enfrentaria uma equipe bastante irregular – os catarinenses ainda não haviam vencido na competição.

Tupi e Joinville se enfrentaram no Estádio Radialista Mário Helênio (Foto: Felipe Couri/tupifc.esp.br)
Com os desfalques de Rafael Jataí (suspenso), Gabriel Sacilotto e Thiaguinho (lesionados), pelo quinto jogo consecutivo Ricardo Drubscky não pôde repetir a escalação da equipe, que foi alinhada no 4-3-1-2 (Glaysson; Henrique, Heitor, Rodolfo Mol e Bruno Costa; Filipe Alves, Marcos Serratto e Recife; Jonathan; Thiago Silvy e Giancarlo).

O jogo

A partida começou em um ritmo alucinante, com as duas equipes demonstrando muita vontade, as primeiras chances não demoram a surgir. Logo aos 8 minutos, Jonathan tentou surpreender em um chute de fora da área, mas mandou por cima do travessão. Na sequência, os principais lances de perigo, vieram nas bolas paradas. Aos 12', Bruno Aguiar cobrou falta e a bola foi na rede, mas por cima do gol de Glaysson. Dois minutos depois, Jonathan cobrou escanteio na cabeça de Heitor, que por pouco não abriu o placar.

Só que a melhor chance do Galo Carijó foi com outro defensor. Aos 19', Henrique dominou pela direita, cruzou bem e a defesa do JEC afastou mal a bola, que sobrou para Bruno Costa de frente para o gol e o camisa 6 perdeu a melhor chance até então. A partir disso, o time da casa dominou amplamente a partida, enquanto os visitantes usufruíram da velocidade e jogaram no erro do adversário.

O Joinville pouco chegou ao primeiro tempo, mas quando chegou, conseguiu levar perigo. Em um chute rasteiro de fora da área, Paulinho Dias quase marcou, aos 32 minutos. Aos 38', Juninho fez jogada pela esquerda e cruzou para Fernando Viana, que abriu o placar. No fim do primeiro tempo, o Tupi teve mais uma chance, novamente em um cabeceio de Heitor e Oliveira conseguiu espalmar no susto.

No intervalo, Ricardo Drubscky mexeu duas vezes, colocando Ygor e Michel Henrique nos lugares de Marcos Serratto e Jonathan. As alterações foram ofensivas e o time da casa voltou pressionando bastante. Porém, atacando de forma desordenada e deixando espaços, o jogo ficou aberto.

O segundo tempo estava desenhado: o Tupi ficando com a bola na maior parte do tempo e o Joinville contra-atacando com perigo. No entanto, nos primeiros 10 minutos, nenhuma das equipes conseguia exercer suas propostas com contundência. Neste momento, a torcida já estava com os nervos à flor da pele, a grande maioria sentada e cabisbaixa.

Giancarlo marcou o seu primeiro gol com a camisa do alvinegra (Foto: Felipe Couri/tupifc.esp.br)
Eis que a sorte apareceu para premiar o time que buscava mais o jogo: o zagueiro Victor Oliveira não conseguiu cortar o cruzamento da direita, o goleiro Oliveira falhou ao não segurar a bola, que caiu nos pés de Giancarlo. O centroavante fez o que um matador deve fazer: acreditou no lance e não titubeou.

O gol incendiou a torcida e, consequentemente, o time em campo. O momento era todo do alvinegro, que era melhor e continuava em cima. Porém, os minutos foram passando juntamente ao bom momento da equipe, que cometeu vários erros de passes. Em um deles, aos 18 minutos, proporcionou um contra-ataque perigoso do tricolor e Juninho teve uma grande oportunidade, mas Glaysson salvou.

Na metade da etapa final, Ricardo Drubscky sacou Thiago Silvy, colocando Vinícius Kiss. A alteração fez o time ganhar mais volume pelo flanco direito, onde concentrou praticamente todas as suas jogadas, porém, a saída do jogador que mais buscava o jogo pela esquerda, matou a criação por este lado. Com isso, poucas chances foram criadas, exceto um chute fraco de Recife da entrada da área.

O clima hostil tomou conta do estádio, com torcedores e jogadores nervosos, parecia que o empate permaneceria no placar. Contudo, as coisas ainda ficariam piores, quando o árbitro deu mais 4 minutos de acréscimos. No minuto 48, o Joinville ainda conseguiu um último contra-ataque, Pereira tocou para Murilo, que dominou e bateu forte, para decretar mais um revés do time alvinegro.

Com a derrota, o Tupi permaneceu com apenas três pontos, entrando na zona de rebaixamento. Na próxima partida, o time de Juiz de Fora viaja para o Paraná, onde enfrenta o Londrina. 

PS. 1 – Bruno Costa fez um primeiro tempo quase perfeito, indo bem defensivamente e chegando ao ataque algumas vezes, só que perdeu um gol que não poderia ter perdido. No segundo tempo caiu bastante, principalmente depois da saída de Thiago Silvy, que atua pelo mesmo lado do campo do camisa 6. Por outro lado, Henrique sentiu a pressão da torcida e fez uma partida para esquecer, não conseguindo acertar os cruzamentos e levando bolas nas costas.

PS. 2 – A atuação não foi tão ruim quanto na partida contra o Bragantino. Porém, a paciência da torcida chegou ao limite, não adianta só jogar melhor durante 90 minutos e o resultado não vir. Apesar de o elenco ser limitado (coloca na conta da diretoria), a equipe deveria estar em outro estágio, evoluiu muito pouco nessas cinco rodadas. Ricardo Drubscky está pressionado e apenas vitórias garantirão sua permanência.  

Por: Marcelo Júnior || Twitter: @marcelinjrr

Ceará vence, mas não convence

Em jogo com diversas falhas, o Ceará venceu o Goiás por 2x1.

Jogadores comemorando o primeiro gol da partida.(Foto:Christian Alekson/CearaSC.com)
Em partida válida pela 5ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série B, o Ceará voltou a vencer depois da desastrosa derrota em Santa Catarina diante do Avaí. A vitória que veio por falhas do adversário e que apesar do bom começo da equipe alvinegra, aonde pressionava e buscava marcar o primeiro gol da partida, o Vozão não soube balançar a rede nas primeiras tentativas que teve na partida, em um momento que o Goiás deu a entender que iria se aproveitar dos contra-ataques ao longo da partida.

A partida parecia estar totalmente favorável à equipe do Ceará e foi aos 19 minutos de jogo em falha bizarra do zagueiro esmeraldino, o meia da equipe alvinegra Felipe que não tinha nada a ver com isso partiu em direção ao gol sozinho e marcou o primeiro da equipe cearense para o alívio da torcida que via várias oportunidades serem desperdiçadas. Parecia que seria uma partida fácil, mas não foi, não só a zaga do time do Goiás iria falhar naquela partida, mas a do Ceará também falhou em diversas vezes, sorte da torcida alvinegra que o esmeraldino não soube aproveitar em gol, e que aos 36 minutos um presente foi dado, um gol contra aumentou o placar para 2x0 para a equipe Cearense e levando uma boa vantagem para a segunda metade da partida.

O segundo tempo foi intenso das duas equipes, o Ceará não atacou tanto como no primeiro, e a equipe do Goiás continuava se aproveitando das falhas defensivas do alvinegro. E mesmo em segundo tempo mais morno, a equipe Cearense foi mais efetiva no ataque, porém não balançou a rede do goleiro Renan mais nenhuma vez, ao contrário da equipe esmeraldina que arriscou um chutaço e marcou aos 31 do segundo tempo e que assustou a torcida e o elenco alvinegro fazendo com que o time se fechasse mais. Os minutos finais foram de pressão da equipe do Goiás e de queda técnica na partida das duas equipes, mas foi isso o Vozão venceu a partida por 2x1 e garantiu os três pontos e fez o dever de casa.

Mesmo fazendo o dever de casa, a equipe do Ceará mostrou que precisa melhorar bastante para não sofrer as mesmas dificuldades, a defesa do Ceará precisa se entender rapidamente, pois em falhas bobas podem surgir gols que decretem uma possível derrota da equipe. Mesmo com os sustos os pontos vieram em uma hora fundamental para dar motivação ao clube e até mesmo para a torcida que compareceu em um número pequeno, e com melhores atuações e vitórias a resposta do público será a altura, na próxima rodada o Ceará vai enfrentar o time do Sampaio Correa que é lanterna do campeonato fora de casa e um resultado favorável seria fundamental para a busca pelo real objetivo que é o acesso à elite do Campeonato Brasileiro.

Ficha Técnica:

Ceará: Éverson; Tiago Cametá (Thalysson), Sandro, Antônio Carlos e Eduardo; Richardson, Baraka, Felipe (Marino) e Tomas Bastos (Alex Amado); Rafael Costa e Bill. Técnico: Sérgio Soares

Goiás: Renan; Johnatan, Wesley Matos, Alex Alves e Jefferson; Willian (John Cley), Wendel (Thalles), Ramires e Léo Sena; Rossi (Cassiano) e Rafhael Lucas. Técnico: Enderson Moreira

Árbitro: Bráulio da Silva Machado/SC
Cartões amarelos: Ceará: Felipe, Tomas Bastos, Baraka e Bill
Goiás: Jhonatan e John Cley
Público pagante: 4.949/ Não pagantes: 327
Renda: R$24.391,00

Invicto, mas não convencido

No jogo que marcou os sete meses de um Vasco invicto, o time sofreu para segurar o empate com o Oeste.

Foto: GE
A partida foi marcada pelo gol relâmpago de Nenê, que aos 23 segundos abriu o placar na Arena Barueri. Pikachu mandou o passe perfeito para Nenê, que de fora da área marcou. Mais um em sua conta, já são oito na Série B, o que o torna o artilheiro isolado da competição.

Contudo, se todos achavam que seria um jogo fácil, um chocolate vascaíno, nos enganamos. O Oeste se manteve vivo no jogo, fazendo pressão, assustando com Velicka, Felipe Rodrigues e fazendo o seu aos 29’, com Alex, no cantinho de Jordi. Antes de terminar a primeira etapa, Nenê desperdiçou a chance de matar o jogo, chutando por cima do gol.

Foto: Uol
No segundo tempo o Oeste continuou com tudo, dominando o jogo e fazendo pressão com passes curtos, o time da casa chegou a ter 63% da posse de bola. Mas não foi o suficiente para virar o jogo, o Vasco conseguiu segurar o resultado de 1x1 e se manter no topo da tabela.

Mesmo não convencendo o torcedor e perdendo seu aproveitamento de 100% na Série B, o time carioca mantém sua invencibilidade, a última derrota do Gigante da Colina foi em novembro do ano passado contra o Fluminense, já são 32 jogos sem perder.

As duas equipes jogam no próximo sábado, o Vasco receberá o Goiás, em São Januário e o Oeste enfrenta o Criciúma, no Prefeito José Liberatti.

Ana Clara Soares (@AnaClaraSoares1)

Ficha Técnica:

OESTE: Felipe Alves; Felipe Rodrigues, Francis (Mauricio) e Velicka; Renan Mota (Betinho), Danielzinho, Francisco Alex e Mazinho; Maurinho, Marcus Vinícius (Matheus Vargas) e Léo Artur. Técnico: Fernando Diniz

VASCO: Jordi, Yago Pikachu, Luan, Rodrigo e Julio Cesar; Marcelo Mattos (Henrique), Julio dos Santos (William) e Nenê; Eder Luis, Jorge Henrique e Thalles (Caio Monteiro). Técnico: Jorginho

Árbitro: Diego Almeida Real (RS)
Cartões amarelos: Renan Mota, Maurinho, Velicka (OES); Luan, Yago Pikachu (VAS)

Bragantino consegue seu primeiro ponto fora de casa


Sampaio Corrêa 0 x 0 Bragantino - Pode até parecer um resultado ruim para o Bragantino, já que o adversário foi o lanterna da competição, mas esse ponto fora de casa é muito importante para o Braga, já que foi seu primeiro ponto fora de casa na competição. Em cinco partidas, três derrotas, uma vitória e esse empate, quatro pontos no total e a apenas um de deixar a zona do rebaixamento; enfim, vamos à resenha da partida.

No primeiro tempo, logo aos 8 minutos de bola rolando, o Sampaio assustou a defesa bragantina; Pimentinha cruzou e Carlos Alberto chutou no canto direito baixo do goleiro Felipe, para fora.

O Bragantino teve seu primeiro lance de perigo em cobrança de falta de Léo Jaime, que cobrou o tiro livre por cima da barreira, que desviou a bola para fora, porém, muito próxima do goleiro Jean.

O restante do primeiro tempo foi calmo e sem chances reais de gol para as duas equipes, mas logo ao recomeçar, o Bragantino levou perigo com cruzamento de Bruno Pacheco para Léo Jaime, que com apenas 1,60 m de altura, conseguiu cabecear dentro da área.

Pimentinha recebeu bom passe, tentou cortou para a esquerda, mas a finalização foi ruim. Substituições no Bragantino, saiu o meia Watson para a entrada do lateral estreante Guilherme Andrade, que veio do Corinthians nessa temporada, o meia Erick saiu para a entrada do meia-atacante Jobinho e o atacante Léo Jaime saiu para que o tão criticado Elder Santana entrasse.

As substituições não surtiram tanto efeito, porém o time ganhou mais velocidade. Foi o suficiente para criar oportunidades, mas a bola acabou não entrando.

Rafael Estevam fez falta feia em Elder Santana e acabou levando cartão vermelho, deixando o Bragantino com um jogador a mais. Porém, a expulsão acabou aconteceu aos 48 minutos do segundo tempo, e o árbitro preferiu encerrar a partida naquele momento.


Nessa boa fase de resultados, o Bragantino volta a jogar diante do Atlético Goianiense que é o vice-líder da competição. A partida será no sábado, dia 4 de maio às 21h00, no Estádio Serra Dourada; um empate está de bom tamanho para o Braga, que fora de casa, não vem demonstrando bom futebol.  

Mateus Segur || @SegurMateus
Linha de Fundo || @SiteLF
(As fotos são do site oficial do Sampaio Corrêa)

Lino revive 2014, mas Dragão perde a invencibilidade

Saudações Rubro-Negras!

Infelizmente o nosso Dragão querido não conseguiu manter os 100% e sucumbiu à Luverdense pela quinta rodada da Série B. Apesar da derrota, o time mostrou garra em campo e se impôs dentro da casa do adversário, lutou até o fim do jogo mesmo faltando pouco tempo e com dois gols de diferença a favor do time mato-grossense.

Lino reviveu 2014
Na primeira metade da partida a Luverdense começou para cima, mas a defesa do Atlético foi bem segura impedindo com que a equipe da casa chegasse com tanto perigo ao gol. Mas todo o sistema eficiente atleticano não foi suficiente para evitar que Júnior Viçosa bloqueasse a bola como um verdadeiro praticante de Vôlei dentro da área, o bandeira viu a infração e marcou pênalti para a equipe da casa, este foi convertido por Alfredo, que abriu o placar no Passo das Emas.

Pelo chão o Atlético não chegava com tanto perigo, mas três minutos após Alfredo inaugurar o placar o Dragão chegou ao empate em jogada de bola parada. Lino foi para a área do clube mato-grossense e se viu em um filme de 2014, indo para a cobrança de escanteio contra um clube alviverde, e se viu na obrigação de testar a bola para o fundo do gol. Após o empate, ambas as equipes continuaram buscando o gol, porém sem sucesso.

O segundo tempo começou com a Luverdense em cima do até então invicto Dragão e logo aos 3 minutos Ricardo quase desempatou a partida em favor dos mandantes, logo depois Romário fez uma boa jogada e cruzou para Júnior Viçosa, que mandou a bola tão alto que fechou o espaço aéreo do Aeroporto de Cuiabá.

Um castigo para um goleiro promissor veio aos 13 minutos quando Jean chutou a média distância e Marcos acabou por espalmar para dentro do gol, que ele não desanime, é um ótimo substituto para o goleiro Márcio quando o mesmo está ausente. Com o segundo gol da Luverdense, o Atlético se lançou ao ataque e esbarrava na forte marcação da equipe mato-grossense.


Da Matta entrou na partida para definir, o ex-jogador do futebol goiano aproveitou uma falha geral da defesa rubro-negra e fez 3x1 para a Luverdense faltando apenas cinco minutos para acabar o tempo regulamentar, mas o Atlético não desistiu. Aos 43’, em cruzamento certeiro de Júnior Viçosa o zagueiro Lino conferiu seu segundo gol na partida e dando esperanças aos atleticanos. O jogo seguiu até os 49 minutos em uma pressão absurda do Dragão, mas o placar final ficou em 3x2 para a Luverdense em seus domínios.

O Atlético lutou até o fim e não merecia ser derrotado, mas foi uma derrota para manter os pés no chão. O Dragão continua em segundo com 12 pontos, um atrás do líder Vasco da Gama. Já a Luverdense conseguiu sua primeira vitória dentro de casa em três jogos, a segunda no campeonato, e pulou para a sexta colocação com oito pontos e viaja até Pelotas-RS para enfrentar o Brasil, sexta, 20h30.

FICHA TÉCNICA

LUVERDENSE 3X2 ATLÉTICO

Local: Passo das Emas, em Lucas do Rio Verde (MT)
Data: 31/05/2016 Hora: 21h30
Árbitro: Gilberto Rodrigues Júnior
Assistentes: José Araújo Sabino e Daniel Henrique Andrade
GOLS: Luverdense - Alfredo 25' 1T, Jean Patrick 13'2T e Da Matta 41'2T. Atlético - Lino 28'1T / 43'2T.

Luverdense: Gabriel Leite; Raul Prata, Luiz Otavio, Everton, Paulinho; Ricardo (Hugo), Muralha, Régis (Erik), Sérgio Mota (Da Matta), Jean Patrick; Alfredo. Técnico: Júnior Rocha

Atlético: Marcos; Matheus Ribeiro (Caion), Marllon, Lino, Romário; Michel (Caíque), Pedro Bambu, Magno Cruz, Luiz Fernando; Luís Soares (Willian Schuster), Jr. Viçosa. Técnico: Marcelo Cabo

Finalmente! O Sampaio consegue seu primeiro ponto na Série B

(Foto: Biaman Prado / O Estado do Maranhão)
Na noite de ontem, o Sampaio enfrentou o Bragantino, no Estádio Castelão. Partida válida pela 5ª rodada do Campeonato Brasileiro Série B. O jogo marcava o confronto de dois times que frequentam a zona de rebaixamento e tinha tudo para ser um grande duelo, com as duas equipes precisando do resultado positivo para dar um alívio ao torcedor e tentar sair da situação incômoda atual. Mas essa expectativa foi contrariada com um jogo morno e sem criatividade.

O técnico Wagner Lopes, do Sampaio, resolveu fazer algumas modificações na equipe titular, uma delas bem radical. Descontente com as constantes falhas dos goleiros Rafael e Ruan, utilizados ultimamente, ele devolveu o posto na meta tricolor para Jean, que não vinha sendo mais relacionado para as partidas e sequer relacionou Rafael, titular na última partida contra o Náutico. Gedeilson, titular nos últimos jogos, não agradou o comandante e foi sacado do onze inicial para dar lugar a Guilherme Lucena. Outra modificação foi na lateral esquerda. Rafael Estevam fez a sua estreia com a camisa boliviana entrando na vaga de Guilherme Santos, desgastado pela intensa maratona de jogos. Pimentinha ganhou seu espaço no lugar de Edgar, com indicação de alto cansaço muscular. Carlos Alberto também voltou ao ataque e Max foi para o banco de reservas. Outro que voltou ao time foi o meia Pedrinho. Já o volante Léo Gago fez a sua estreia como titular.

O Sampaio, jogando com três volantes novamente, tinha a intenção de marcar maior presença no meio de campo, ocupar melhor os espaços e neutralizar as ações do time paulista. Léo Gago e Daniel Amora tinham liberdade para avançar e auxiliar Pedrinho na criação de espaços e atacar com melhor qualidade e maior quantidade. O Bragantino veio com uma postura bastante defensiva, marcando atrás da linha de meio de campo e esperando as oportunidades certas para contra-atacar.

Logo aos 7 minutos, a torcida boliviana quase soltou o grito de gol no Castelão. Em jogada pela direita, Guilherme Lucena cruzou, Carlos Alberto chutou, mas a bola bateu na rede pelo lado de fora, dando um susto no goleiro Felipe. Somente aos 15 minutos, o jogo voltou a ter algum perigo de gol. Em cobrança de falta de Léo Jaime, a bola desviou na barreira e enganou o goleiro Jean, mas saiu pela linha de fundo. Por pouco o Bragantino não abriu a contagem no marcador. A defesa boliviana estava demorando a dar um susto em sua torcida. Em cobrança de escanteio, o Bragantino quase marcou, mas o zagueiro Jesiel, completamente livre de marcação, cabeceou por cima do gol. O posicionamento errado da defesa quase custou à abertura do placar para o adversário. No minuto seguinte, Guilherme Lucena entrou na área na diagonal pela direita e chutou forte, mas Felipe desviou levemente para a linha de fundo.

O segundo tempo começou com um susto para a torcida mandante. Logo aos 2 minutos, cruzamento de Bruno Pacheco pela esquerda e o baixinho Léo Jaime cabeceou por cima do gol, mas com perigo. Minutos depois, o Sampaio tentou responder com Pimentinha, que recebeu lançamento longo de Léo Gago. Ele dominou a bola na entrada da área, livrou-se da marcação, e com espaço chutou colocado, mas a bola passou ao lado da trave. Aos 10 minutos, insatisfeito com o resultado parcial, o técnico Wagner Lopes promoveu a primeira mudança. Tirou Daniel Amora e colocou Edgar em seu lugar. Cinco minutos depois, o técnico Toninho Cecílio também fez uma alteração em sua equipe. Saiu Watson para a entrada de Guilherme Andrade, estreando no time. Um minuto depois, a defesa tricolor cometeu mais um erro de posicionamento. Após cobrança de falta, a bola passou por todo mundo e chegou ao zagueiro Jesiel, que desequilibrado, chutou por cima do gol. Logo depois, o Sampaio fez mais uma alteração. Pedrinho deixou o gramado e Gustavo Marmentini assumiu a sua função.

Aos 27 minutos, Pimentinha fez boa jogada na entrada da área, a defesa do Bragantino interceptou, mas a bola sobrou para Guilherme Lucena. O lateral tricolor finalizou no centro do gol para a tranquila defesa de Felipe. Aos 35, Élder Santana, que entrou no lugar do cansado Léo Jaime, arriscou de fora da área. A bola desviou na defesa boliviana e saiu com perigo pela linha de fundo. Logo depois, Carlos Alberto deu lugar a Max no comando de ataque do Sampaio. Aos 42 minutos, a esperança da primeira vitória da equipe maranhense voltou. Falta perto da área adversária. Posicionado para a cobrança estava Léo Gago, especialista no fundamento. Ele chutou muito forte, mas a bola não tomou a direção desejada e o goleiro do time paulista defendeu com segurança. Nos acréscimos, no minuto final, Rafael Estevam usou de força desproporcional para dar um carrinho em Edson Sitta e foi expulso de forma direta pelo árbitro do jogo. Esse lance decretou o final da partida.

O jogo foi bastante equilibrado, mas com pouquíssimas chances de gol para os dois lados. O time de Bragança Paulista jogou bem recuado. As suas jogadas mais contundentes e remotas tentativas saíram dos pés do veloz Léo Jaime. A Bolívia Querida ajustou a sua marcação em relação aos outros jogos e saiu de campo sem tomar gol. Ponto positivo para o trabalho de Wagner Lopes. Mesmo com a melhora na marcação, a defesa ainda cometeu dois erros de posicionamento na bola parada que poderia ter custado um resultado negativo. Os volantes do Sampaio não foram efetivos no auxílio ao ataque e o time foi muito lento na transição. O esquadrão tricolor esbarrou na forte marcação do adversário e não conseguiu criar grandes oportunidades de gol. O time ainda precisa de um meia que possibilite a melhor participação dos atacantes. O Bragantino também não assustou tanto. O empate acabou sendo justo pelo que as equipes apresentaram em campo.

O torcedor boliviano agora espera pela primeira vitória na competição diante de um grande e histórico rival, o Ceará, que será o seu próximo adversário, pela 6ª. O clássico nordestino está marcado para o dia 04, próximo Sábado, contra o Ceará, às 16h, no Castelão, em São Luís.

FICHA DO JOGO:

Local/Horário: Estádio Governador João Castelo (Castelão), São Luís (MA), 19h15
Público: 3.024 (pagante) e 4.057 (total)

Sampaio: Jean; Guilherme Lucena, Rodrigo Arroz, Luiz Otávio, Rafael Estevam; Levi, Daniel Amora (Edgar), Léo Gago, Pedrinho (Gustavo Marmentini); Pimentinha e Carlos Alberto (Max). Técnico: Wagner Lopes

Bragantino: Felipe; Rodrigo Sam, Jesiel, Éder Lima, Bruno Pacheco; Serginho, Edson Sitta, Tartá, Watson (Guilherme Andrade); Erik (Jobinho) e Léo Jaime (Élder Santana). Técnico: Toninho Cecílio

Marcos Fernandes || Twitter: @poetafernandes
Linha de Fundo || @SiteLF

Erros e mais erros

Preferia não comentar sobre esse jogo. Fiquei extremamente magoado ontem com mais uma atuação patética do nosso clube, que resultou em mais uma derrota, mas estamos aqui para trabalhar. Após uma série de erros defensivos, passes errados e mais um primeiro tempo mal jogado, o Goiás saiu derrotado no Castelão contra o Ceará, em Fortaleza. A segunda derrota e o quarto jogo sem vitória nessa Série B, que vai abrindo as portas para a zona de rebaixamento. Onde vamos parar, meu Goiás?

Goiás erra demais e perde para o Ceará em Fortaleza.
Foto: globoesporte.com
A partida foi justa pois o Goiás pagou pelos erros que cometeu. Desde o começo estávamos vendo vontade na equipe esmeraldina em jogar seu jogo e tentar atacar mais, tendo até boa participação dos três volantes Wendel, William e Ramires. Léo Sena jogava no meio e o ataque era complementado por Rossi e Rafhael Lucas. Até aí tudo bem. O problema estava na marcação e também nos laterais Jeferson e Jhonatan, que estavam ridículos no jogo. 

No lance do primeiro gol do Ceará, a falha de William realmente foi bisonha e inaceitável, mas só aconteceu porque Jeferson fez uma cobrança de falta extremamente infantil, entregando a bola para os jogadores alvinegros. No segundo gol, mais um erro, dessa vez pela bobagem de Léo Sena, que se recusa a tocar a bola para seus companheiros e essa era para ser sua principal função. No contra-ataque, Ramires acabou mandando para o próprio gol. Tudo dava errado.

Mesmo gostando dos três volantes que entraram em campo, Enderson se recusa a jogar com mais meias, nos deixando enfraquecidos. Ainda me pergunto porque ele mantêm o Thales no banco de reservas, pois na partida contra o Londrina ele era o que mais chutava para o gol, e ontem foi ele que marcou o nosso "gol de honra". Chutaço na gaveta. Gol de jogador experiente, mesmo sendo apenas um garoto.

Os outros jogadores não fizeram diferença no jogo. Jhon Cley até agora não brilhou com a camisa do Goiás e parece não recuperar aquele futebol agradável que haviam nos falado que ele iria apresentar. Cassiano estava mais preocupado em fazer um gol para mandar a torcida do Ceará fechar a boca do que para ajudar o nosso clube. 

Depois de mais uma derrota, Enderson tem o seu cargo ameaçado. Estamos aguardando a reunião dele com Sérgio Rassi para sabermos se ele seguirá ou não. Porém, todos já sabem minha opinião aqui. Treinador que voltou despreparado e tem de sair imediatamente, antes que seja tarde demais.

Wagner Oliveira || @wagneroliveiraf
Linha de Fundo || @SiteLF
←  Anterior Proxima  → Inicio

Inscreva-se no canal LFTV

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Mais lidas da semana