A SUA LINHA DE NOTÍCIAS

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

TWITTER

FACEBOOK

Premier League Brasil

Siga-nos nas redes sociais

Popular Posts

Quem sou eu

CLASSIFICAÇÃO

sábado, 11 de junho de 2016

Empate foi vitória para os russos e decepção para os ingleses

A Inglaterra entrou na Eurocopa de 2016 para apagar uma imagem de fracasso criada ao longo dos anos pelos maus resultados nas competições oficiais. Tentando mudar esse estereótipo, o técnico Roy Hodgson decidiu apostar em um 4-3-3 bastante ofensivo, com Rooney atuando como um clássico camisa 10.

Dier abriu o placar para a Inglaterra. Foto: @England
Para o duelo de estreia contra a Rússia, Dier e Dele Alli formaram o meio de campo com Rooney. Sterling e Lallana pelas pontas com Kane centralizado formaram o ataque. O esquema funcionou muito bem no primeiro tempo, o camisa 10 do United e da Seleção distribuiu muito bem o jogo apostando em passes longos para abrir a defesa russa.

Mesmo controlando as ações da partida, os Three Lions não conseguiram abrir o placar nos primeiros 45 minutos. E no segundo tempo, a Rússia voltou mais bem organizada e equilibrou o jogo, os ingleses acharam o gol em uma bela cobrança de falta de Dier, com quase 30 minutos da etapa final.

A vitória parecia garantida, mas o castigo veio já nos acréscimos, a Rússia conseguiu um improvável gol e decepcionou os ingleses no Estádio Velodrome. Sem os três pontos da estreia, a pressão fica ainda maior para os Three Lions conquistarem um bom resultado no clássico contra o País de Gales, na próxima quinta-feira (16), às 10h.

No lado russo, o 4-3-3 também foi o esquema utilizado, porém o técnico Leonid Slutsky preferiu compor a escalação com dois volantes defensivos ao invés de meio-campistas, perdendo assim, a possibilidade de dominar ofensivamente a partida.

O esquema conservador fez com que a Rússia fosse dominada pelos ingleses na primeira metade do jogo. Na etapa final, os russos voltaram melhores e chagaram a envolver os ingleses no seu jogo. Mas sem conseguir vencer Joe Hart, acabou saindo atrás no placar, obrigando o comandante a usar o elenco e modificar o time.

Quando todos pensavam que a partida acabaria com a vitória inglesa, a Rússia chegou ao ataque aos 47 minutos do segundo tempo. Quando Schennikov cruzou para dentro da área e o zagueiro Berezutski cabeceou com precisão, encobrindo Hart para empatar a partida.

Fato Curioso da Partida: No cabeceio de Berezutski a bola encobriu o goleiro Joe Hart e caiu dentro da pequena área; Glushakov aproveitou a sobra e tocou para o fundo do gol, mas o árbitro entendeu que a bola já havia ultrapassado a linha e deu o gol para Berezutski na súmula. A Rússia volta a campo na próxima quarta-feira (15), quando enfrenta a Eslováquia, às 10h.

Lucas Felipe (@lsouza73)
Mateus Segur (@segurmateus)

Náutico não toma conhecimento do Paraná e atropela dentro de casa

Um dia antes do Dia dos Namorados, com promoção pros casais, ingressos baratos e o melhor público da Série B deste ano, o Náutico aplicou uma goleada de 5x1 nos paranaenses. Com um futebol vistoso, bela marcação, muitas roubadas de bola e jogadas bem trabalhadas, o Timbu deixou a comissão técnica e todos os torcedores orgulhosos. Já são cinco partidas invictas e 15 gols marcados nessas partidas, com 18 gols no total é o melhor ataque da competição no fim da 8ª rodada. Os gols que mantiveram o Náutico no G4 foram marcados por Renan Oliveira, Bergson, Jefferson Nem e Taiberson (2).

Taiberson depois de fazer um de seus gols. Foto: Marlon Costa
O primeiro tempo começou a mil como no último jogo, o elenco alvirrubro está bastante focado na filosofia do treinador e buscando o resultado. Logo nos primeiros minutos o Timbu já buscava o primeiro gol, apertando a marcação e o time do Paraná tava quase entregando o ouro. Com bastante jogadas logo no inicio, o Timbu conseguiu até fazer o gol, mas o bandeirinha anulou e estava errado no lance, pois a zaga dava condições. O que não foi problema, logo depois o volante Pitty recebeu e não viu a chegada de Eurico que roubou a bola e tocou pro Renan Oliveira, chutou na saída do goleiro e GOL. O jogo ficou mais tranquilo depois do gol, o Paraná não conseguia passes longos porque a maioria das bolas eram cortadas pelos alvirrubros e quando conseguiam Júlio César estava lá para defender com tranquilidade. O jogo ia passando e o Náutico já mandando na partida, até que teve boa jogada na esquerda, a bola sobrou para Renan Oliveira que chutou errado mal tocando na bola, o zagueiro João Paulo não conseguiu cortar e deixou livre para Bergson fazer o GOOL, só fez girar o corpo e chutar forte sem defesa para o goleiro. Um time taticamente perfeito e tecnicamente bem treinado estava dando gosto de ver o Náutico jogando hoje, um time com garra, toque de bola bom e sem desperdiçar as oportunidades que apareceram.


Bergson comemorou muito o seu gol. Foto: Marlon Costa
Se o Náutico tava bem no jogo? Bem é pouco para falar o quanto estava, no segundo tempo começou a mais mil ainda, mesmo com o placar ao seu favor não queria deixar o time adversário jogar. Maylson logo no inicio, deu um belo drible na lateral do campo, foi até a linha de fundo, tocou no meio da área e GOOOL, Jefferson Nem apareceu feito um foguete e só teve o trabalho de empurrar para fazer seu quinto gol e ser o artilheiro no Timbu na competição. O jogo ficou calmo, mas com o Náutico tocando bola sem deixar o Paraná gostar do jogo, o zagueiro Ronaldo Alves enfim voltou de lesão, entrou pra ganhar ritmo de jogo e foi bastante aplaudido pelos torcedores presentes. O Timbu estava com tudo mesmo parecendo já satisfeito, Júlio César lançou para Renan Oliveira que rapidamente tocou por cima e deixou Jefferson Nem livre pra correr até a área, chegou e parou na frente do marcador, botou na frente e o deixou para trás, chegando à linha de fundo, tocou pro meio e GOOOOL de Taiberson chegando primeiro que a zaga e empurrando pra dentro do gol. E acha que parou por ai? Jefferson Nem evitou a saída da bola, tocou para Henrique que chegou à linha de fundo novamente, tocou para trás e GOOOOOL do Taiberson, o atacante apareceu livre na marca do pênalti e de canhota chutou forte no canto do goleiro. Depois de cinco gols e grande volume de jogo a Náutico recuou e “parou” de jogar, mas estava difícil para o time do Paraná furar a defesa alvirrubra. Até que na falta de atenção do time alvirrubro, Henrique reestreando pelo time paranaense pegou a bola, saiu cortando e ficou de frente pro Júlio César onde fez o gol de honra dos visitantes.

Os companheiros de Nem os parabeniza pelo seu gol. 
As laterais foram a ponte da vitória alvirrubra na Arena, com dois pontas rápidos e em grande tarde, eles fizeram a diferença e todos os atacantes fizeram gols nessa partida mostrando o motivo de ser o melhor ataque na competição e não a dependência de um homem só. Agora o Náutico vai enfrentar o atual líder, o Vasco, no Rio de Janeiro na terça (14/06) às 19h15 no horário de Brasília.

Escalação:

Náutico: Júlio César; Joazi (Ronaldo Alves), Rafael Pereira, Eduardo, Henrique; Eurico, Maylson (Gustavo Henrique), Renan Oliveira; Taiberson, Bergson (Tiago Adan) e Jefferson Nem. Técnico: Alexandre Gallo

Paraná: Marcos; Leandro Silva, Pitty, João Paulo, Fernandes; Basso (Diego Tavares), Uchoa, Marcelinho (Henrique), Válber; Lúcio Flávio, Robson. Técnico: Claudinei Oliveira

Árbitro: Flávio Rodrigues de Souza.
Assistentes: Ricardo Pavanelli Lanutto e Aílton Farias da Silva.
Público pagante: 9.289
Renda: R$ 144.375

“Tua força e tua garra fascina e seduz”

Marcus Lamenha // @LamenhaMarcus

Em duelo de estreantes, Gales leva a melhor sobre a Eslováquia

Na primeira rodada, Eslováquia e País de Gales abriram o Grupo B. A Seleção Galesa abriu o placar, viu os eslovacos empatarem, porém conseguiu sair do Stade de Bordeaux com a vitória.

(Foto: +UEFA Euro 2016)
Eslováquia: Na Euro falta de pontaria custa três pontos.

Classificada em segundo lugar para a Eurocopa, a Seleção Eslovaca veio à competição com expectativa de chegar até as oitavas. Mas não começou a sua campanha em busca disso da melhor forma.

A Eslováquia começou bem a partida e quase abriu o placar antes dos cinco minutos, mas Hamsik acabou desperdiçando sua chance após bela jogada. E como quem não faz, leva, a Seleção Eslovaca acabou sofrendo um duro golpe. Bale abriu o placar de falta, mesmo com o momento sendo favorável para os eslovacos.

O gol não desanimou a equipe e ela continuou buscando o resultado, tornando-se superior em campo. A principal dificuldade era justamente a finalização, que não saia da forma que os atletas esperavam. Perigo de verdade não houve nenhum, faltava acertar o pé e, às vezes, o último passe.

Duda comemorando o gol empate. (Foto: +UEFA Euro 2016)
Na segunda etapa, a Eslováquia conseguiu o que tanto buscava. Duda, que havia acabado de entrar, recebeu o passe de Mak, após grande jogada do atleta e finalizou de esquerda para empatar.

O dia não era dos eslovacos. Apesar de permanecer buscando jogo e correndo atrás da virada, viram novamente a Seleção de Gales ficar na frente, com gol de Kanu. Nos minutos finais, o time se lançou ao ataque, porém sem êxito e acabou ficando mais vulnerável aos ataques galeses, que por pouco não ampliou o resultado final.

No próximo confronto da fase, a Eslováquia pega a Rússia, buscando seus primeiros pontos na Euro. Apesar da derrota, a equipe deve ter uma vida mais tranquila nesse próximo jogo.

País de Gales: Bale faz o primeiro gol da história de Gales na Euro, mas é Kanu quem decide.

Estreante e coadjuvante? Esse não é o caso da Seleção Galesa na Eurocopa. Depois de alguns amistosos com resultados negativos, Gales foi a Eurocopa tentando escrever um novo capítulo na sua história.

No começo da partida, a Seleção Galesa enfrentava dificuldades e via o adversário mais próximo do gol. Apesar disso, quem saiu na frente foi o País de Gales. Gareth Bale, recém-campeão da Champions pelo Real Madrid, cobrou falta com categoria e o goleiro eslovaco falhou, resultando num golaço dos dragões. O primeiro da Seleção na história da Eurocopa.

O jogo estava muito equilibrado após o gol e parecia até que o placar ainda estava em 0x0. Só que isso durou pouco, logo os eslovacos passaram a ser superiores em campo e chegavam mais ao gol, fazendo a Seleção Galesa ficar mais defensiva. Entretanto, nenhuma finalização levava real perigo. Faltava objetividade.

Kanu decidiu (Foto:  +UEFA Euro 2016)
Na etapa final, a Eslováquia finalmente conseguiu "acertar o pé". Mak fez grande jogada pelo lado direito e deu o passe para Duda, que havia acabado de entrar, o eslovaco mandou de pé esquerdo para o gol, empatando o jogo.

Entretanto, não seria o suficiente para tirar o brilho da estreia Galesa. Robson Kanu entrou para mudar a história do jogo. E treze minutos antes do fim da partida, ele pegou a sobra de bola de Ramsey e chutou para o gol.

A vitória deu confiança para a próxima rodada, onde o País de Gales enfrenta a Inglaterra, buscando a classificação antecipada.

Por: @_cassiagouvea

Sai fora, urucubaca! Sampaio vence a primeira na Série B


O Sampaio Corrêa recebeu na noite desta sexta-feira, no Estádio Castelão, em São Luís, a equipe do Criciúma pela 8ª rodada do Campeonato Brasileiro. Para tentar dar início a uma reação contra um possível rebaixamento o time sampaíno precisava vencer em casa um grande adversário que vem fazendo uma boa campanha, mas fora de casa conta com alguns tropeços.

Para esse jogo o técnico Wagner Lopes contou com os retornos de Luiz Otávio e Edgar. Além desses retornos, o treinador promoveu a estreia do lateral direito Éder Sciola, que trabalhou com o técnico no ano passado no Atlético-GO.

O jogo teve um início um tanto morno. Até quase metade do primeiro tempo os dois times não produziram chances de gol. O Sampaio tocava a bola, chegava até próximo da área do time catarinense, mas não arriscava chutes e nem mesmo colocava algum dos seus atacantes em condição de finalizar. O Criciúma encontrava a resistência do Tricolor de Aço, com sua forte marcação formada pelo tridente Renan Ribeiro, Diego Lorenzi e Léo Gago. Daniel Barros também auxiliava o trio de volantes e estava responsável pela armação do time. O time catarinense, mesmo com seu jogador principal de meio de campo, Elvis, muito bem marcado, foi quem criou mais oportunidades de gol. Aos 26 minutos, o lateral esquerdo improvisado Niltinho chutou forte de fora da área com grande perigo, dando um susto no goleiro do Sampaio. Em outra oportunidade, Junhinho recebeu passe dentro da área e finalizou contra o gol de Rodrigo Ramos, que espalmou a bola e afastou o perigo.

Um dos erros repetidos que o Sampaio vem cometendo neste início de Série B é a lentidão na recomposição do sistema defensivo. Foram vários gols sofridos e oportunidades dadas aos seus adversários em lances assim. Aos 34 minutos, em contra-ataque, o atacante Gustavo recebeu passe na esquerda e chutou colocado da entrada da área, mas a bola sai pela linha de fundo, com certo perigo. No minuto seguinte, a estrela do atacante Edgar brilhou. Ele recebeu a bola na esquerda, cortou para dentro e chutou colocado de direita do biquinho da área. O goleiro Luiz estava um pouco adiantado e ainda tocou de leve na bola antes dela encontrar as redes e registrar o gol da Bolívia Querida. Foi o primeiro gol do atacante nesta Série B. Após o gol, o desafio do tricolor maranhense era manter o resultado ou ampliar o placar. Já era terceiro jogo seguido que o Sampaio saía na frente do placar. Nos outros dois, o time maranhense sofreu a virada e consequentemente a derrota. O primeiro tempo terminou sem mais emoções. O Sampaio conseguiu tocar bem a bola, mas sem criar jogada que pudessem levar a uma conclusão a gol. A marcação foi um tanto eficiente em certos momentos, mas deixou alguns espaços para o Criciúma finalizar e oferecer perigo.

No intervalo, o técnico Roberto Cavalo, do time catarinense, fez a sua primeira alteração. Juninho saiu para a entrada do meia Alex Maranhão, que esteve por aqui em duas épocas, sendo uma no ano passado, mas teve poucas chances e nas oportunidades que teve não demonstrou o seu valor. Logo no início do segundo tempo, o Criciúma teve a chance de empatar a partida. Gustavo recebeu cruzamento da direita, cabeceou, mas Rodrigo Ramos fez uma linda e difícil defesa. Aos 8 minutos, após cobrança de escanteio, o zagueiro Natan subiu sozinho para cabecear, mas ele não acertou a bola como queria e perdeu a chance de igualar o marcador. Alex Maranhão, em cobrança de falta, também levou perigo, mas a bola passou bem perto a trave direita do gol boliviano. Aos 18 minutos, Wagner Lopes fez a sua primeira substituição ao sacar Daniel Barros, visivelmente cansado, e colocar Pimentinha em seu lugar. Com essa alteração, o Sampaio, em tese, passaria a jogar mais no campo adversário, mesmo sem o seu principal responsável pela armação do time, e explorar a velocidade do atacante nos contra-ataques. Dois minutos depois, a troca quase surtiu efeito. Pimentinha recebeu bom passe de Éder Sciola e enfiou para Max, que diante do goleiro deu um leve toque na bola e arrancou o grito de gol da torcida boliviana, mas ela bateu na rede pelo lado de fora. Aos 28 minutos, o atacante Max deixou o campo e deu lugar a Willian Paulista. O centroavante maranhense ainda não conseguiu fazer uma grande partida pelo clube, muito em razão da deficiência no setor de criação do time, e tem apenas um gol com a camisa tricolor. O seu substituto imediato nesses últimos dois jogos se movimenta mais e tem um pouco mais de velocidade. Edgar, muito cansado, também deixou o campo para a entrada de Léo Rodrigues. Com os dois times cansados, o jogo ficou morno, com toques de bola sem objetividade e sem clareza. Somente aos 39, o Criciúma voltou a assustar. Roberto cruzou da direita e Hélio Paraíba, que havia acabado de entrar no lugar de Niltinho, cabeceou entre os zagueiros para a grande defesa de Rodrigo Ramos.

O jogo terminou e a primeira vitória do esquadrão tricolor trouxe um alívio para a torcida boliviana e tirou um peso das costas dos jogadores. Foi uma vitória suada, com a cara da Bolívia Querida, um resultado da superação dos jogadores que lutaram muito nesses últimos jogos. Destaque para a estreia de Eder Sciola na lateral direita, que deu muita consistência a defesa. O zagueiro Wágner Fogolari também passou muita segurança e formou uma boa dupla com Luiz Otávio. O Criciúma tentou muito e mesmo com superioridade nas chances de gol, o time catarinense encontrou muita dificuldade no meio de campo, principalmente pela anulação do seu “pensador”, e saiu derrotado, mas segue na luta para entrar no G4. O Sampaio agora depende de uma derrota do Tupi para o Brasil de Pelotas, em Pelotas, para deixar a lanterna do campeonato.

Essa primeira vitória dá um novo ânimo ao time e mesmo com todas as dificuldades podemos acreditar em uma reação. É assim que pensa o torcedor boliviano: se não dá para superar os adversários na qualidade, então que haja garra e vontade de vencer. Quem tem sangue tricolor nunca deixa de acreditar!

O próximo jogo do Tricolor de São Pantaleão será na terça-feira, 14 de Junho, contra o Vila Nova, em Goiânia. “Vumbora”, Sampaio!

FICHA TÉCNICA:
SAMPAIO CORRÊA 1 X 0 CRICIÚMA

Local: Estádio Castelão, em São Luís (MA)
Data: 10 de junho de 2016, sexta-feira
Horário: 20h30 (de Brasília)
Cartões Amarelos: Léo, Renan, Pimentinha, Edgar, William Paulista (Sampaio); Ezequiel, Nathan, Gabriel Leite e João Afoso (Criciúma)
Gol: Edgar, aos 35 minutos do primeiro tempo (Sampaio)

SAMPAIO CORRÊA: Rodrigo Ramos; Eder Sciola, Wagner, Luiz Otávio e Rafael Estevam (Guilherme Santos); Léo Gago, Renan, Daniel Barros (Pimentinha) e Diego Lorenzi; Edgar e William Paulista (Max). Técnico: Wagner Lopes

CRICIÚMA: Luiz; Ezequiel, Raphael Silva, Nathan e Niltinho (Hélio Paraíba); João Afonso, Ricardinho (Carlos Eduardo), Juninho e Elvis; Roberto e Gustavo. Técnico: Roberto Cavalo

Marcos Fernandes || Twitter: @poetafernandes
Linha de Fundo || @SiteLF

Oeste reage na segunda etapa e empata com o Goiás no Serra Dourada

Fora de casa, Rubrão saiu atrás do marcador, mas conseguiu empate contra o Esmeraldino.


Jogando em Goiânia, fora de casa o Oeste conseguiu o empate bom contra o Goiás no Gigante Serra Dourada. O jogo começou bem truncado, o Oeste teve chances como o adversário também teve, porém no vacilo da zaga rubro-negra o Oeste acabou tomando o gol no finalzinho do primeiro tempo, infelizmente tirando do ângulo do goleiro, que não teve como reagir.

No segundo tempo o que se esperava do Oeste era de que ia manter o ritmo de jogo, mais posse de bola, mas não foi isso que aconteceu, o time não conseguia concluir os passes, sempre acabava sendo desarmado. Porém o time mudou, começou a crescer no jogo, o Rubrão conseguia controlar mais a bola, começou a arriscar mais, e mais uma vez apareceu o artilheiro, Léo Arthur aos 19' minutos empatou a partida depois de uma boa troca de passes.

Não faltou oportunidades de o Oeste até virar o jogo, o time queria mais, queria os três pontos, que ainda mais fora de casa seria ótimo porque embalaria a terceira vitória seguida na competição e ficaria mais próximo do G-4, mas infelizmente as chances não foram concluídas em gols.

Não tem do que reclamar dessa partida, o time foi guerreiro, foi atrás do resultado, e além do mais fora de casa, foi um resultado bom, Oeste tem tudo pra crescer na competição.

Mesmo não estando jogando em Itápolis o Rubrão sempre entra nas competições como o "Patinho Feio" o candidato a ser rebaixado, mas ultimamente a gente está provando ao contrário, só ainda não demonstramos isso com tanto êxito na Série B, acredito que esse ano pode ser diferente, não digo que meu time é principal candidato a subir, não é isso, eu só quero meu Oeste de volta pra sua casa que é no simples Estádio dos Amaros em Itápolis-SP.

O Rubrão voltará a campo na próxima terça-feira diante da equipe do Londrina-PR, às 19h15 na Arena Barueri, em Barueri-SP. Pelo menos isso o que está marcado, não estou entendendo mais nada, joga em Osasco, depois em Barueri, está bem confuso.

VAMOS OESTE!

Césare Boralli || @cesareboralli
Linha de Fundo || @SiteLF

Desabafo de um torcedor iludido


Pois é, o torcedor carvoeiro mais uma vez viu o tigre nos decepcionar, mas afinal o que esta acontecendo com o time fora de casa? É sempre assim, vence e convence em casa, mas e fora? Parece um time covarde nem parece um time que leva o peso de uma taça de copa do Brasil, até quando aguentaremos isso? Queremos vitorias, queremos aquele time que por mais de suas limitações, luta com garra, que honra a camisa que veste, temos qualidade falta vontade...

Bom, vamos falar do jogo, como eu disse vimos um time covarde que atacava pouco tomava pressão do lanterna do campeonato, sem desmerecer o time do Sampaio mas o nosso time não entrou em campo, destaque aqui para o golaço de Edgar Can, um chute colocado que acabou indo no angulo, o jogo acabou assim e o Criciúma perdeu mais um jogo fora de casa e o Sampaio reencontra o caminho da vitoria.

Onde esta o problema?


A relação de Roberto Cavalo com a torcida do Criciúma é uma gangorra, uma hora ta lá em cima outra hora ta lá em baixo, ele claramente se esforça, mas não consegue colocar as peças em todas as posições, não temos um substituto à altura para lateral esquerda e assim Cavalo colocou Niltinho improvisado, ele até faz um bom trabalho, só que ele claramente joga melhor na ponta esquerda, e bem pelo lado canhoto temos Juninho que joga muito pelo meio e dificilmente abre no jogo, ele é meia e não consegue cobrir o lado esquerdo deixando o lado de Niltinho enfraquecido.

ÁRBITRO - Léo Simão Holanda (CE).
RENDA - Não disponível.
PÚBLICO - 2.726 pagantes (3.633 no total).
LOCAL - Estádio Castelão, em São Luís (MA).
GOL - Edgar, aos 35 minutos do primeiro tempo.

CARTÕES AMARELOS - Renan, Léo Gago, Edgar, William Paulista e Pimentinha (Sampaio Corrêa); Nathan, João Afonso, Gabriel Leite e Ezequiel (Criciúma).

SAMPAIO CORRÊA - Rodrigo Ramos; Eder Sciola, Fogolari, Luiz Otávio e Rafael Estevam; Renan, Diego Lorenzi, Daniel Barros (Pimentinha) e Léo Gago; Max (William Paulista) e Edgar (Léo Rodrigues). Técnico: Wagner Lopes.

CRICIÚMA - Luiz; Ezequiel, Raphael Silva, Nathan e Niltinho (Hélio Paraíba); João Afonso, Ricardinho e Élvis (Gabriel Leite); Roberto, Gustavo e Juninho (Alex Maranhão). Técnico: Roberto Cavalo.

Payet garante a festa da Anfitriã França

A espera finalmente acabou, a UEFA Euro 2016 começou na França: No primeiro jogo da competição França e Romênia se enfrentaram no Stade de France com um show a parte, tanto dentro como fora de campo.

CERIMONIA DE ABERTURA:


A festa de abertura foi um espetáculo. Recriando um jardim francês no gramado, com um carrossel no centro, os anfitriões apresentaram algumas de suas músicas mais tradicionais num mix moderno, enquanto bailarinas, dançarinas de cancan e outros participantes fantasiados davam o movimento em volta. O DJ David Guetta surgiu para oferecer um ritmo mais contemporâneo à torcida, mas nem a entrada da bela cantora sueca Zara Larsson, tampouco a canção oficial da Euro contagiaram.  Ao fim, encanto pelas cores e sincronia. Foram exibidas as bandeiras dos 24 países participantes num mosaico montado nas arquibancadas e erguido pelos torcedores, subiu uma reprodução da Torre Eiffel e passaram sobre o Stade de France caças deixando fumaça nas cores da bandeira da França.

O JOGO:

A França venceu a Romênia por 2 a 1 na noite desta sexta-feira no jogo de abertura da Eurocopa 2016, disputado no Stade de France, em Paris. Os anfitriões saíram na frente do placar com o atacante Olivier Giroud, mas os romenos chegaram ao empate em um pênalti convertido por Bogdan Stancu. Quase nos acréscimos, Payet definiu a vitória.

A Romênia surpreendeu a muitos na estreia da Euro, para quem achava que seria um "massacre" Francês, foi na verdade um jogo muito pegado e em certos momentos equilibrado, mesmo com a posse de bola sendo totalmente Francesa em praticamente toda a partida, a Romênia conseguiu mostrar um bom futebol e ser considerada como favorita a Classificação no Grupo A ao lado da própria França.

1°TEMPO:

A Romênia começou assustando e testando a desfalcada zaga francesa. Rami chegou a bater cabeça com Koscielny e mostrou certa insegurança, mas depois se acertou. Em dois escanteios cedidos seguidos, a seleção do Leste Europeu quase abriu o placar. Em um deles, Stancu apareceu na segunda trave sozinho e chutou de dentro da pequena área, mas o goleiro francês Hugo Lloris fez um milagre, evitando que os visitantes saíssem na frente logo de cara.

Mas logo a França passou a controlar o jogo e teve quatro chances claras para marcar, perdidas por Giroud e Griezmann. O artilheiro do Atlético de Madrid chegou a acertar a trave, e o camisa 9 errou cabeçadas em boas condições.

2°TEMPO:

Após o susto, aos poucos o nervosismo foi passando e a França rapidamente equilibrou a partida, até começar a impor sua superioridade.

Depois de um primeiro tempo surpreendente a Romênia mais uma vez a começou assustando com chute de Stancu aos dois minutos que passou perto do gol de Lloris. Mas aos 12 minutos, quem finalmente balançou as redes foi à França. Em mais um cruzamento para a área, Giroud ganhou do goleiro no alto e, de cabeça, fez 1 a 0.


A alegria da torcida Francesa no Stade de France, porém, durou pouco. Logo aos 19’, a arbitragem marcou pênalti em choque de Stanciu com Evra na área. Na cobrança, Stancu bateu com firmeza e empatou o jogo: 1x1 no placar para desespero dos Blues.


Nos minutos finais, as duas equipes tiveram dificuldade para acertar os passes finais e finalizações. Somente aos 43 minutos Payet acertou lindo chute de fora da área, acertando o ângulo e definindo o placar em 2 a 1 para os Bleus. Foi o gol de quem tinha dado o toque decisivo para o primeiro gol da Euro. Autor do passe do primeiro gol e de outros dos melhores da partida, Payet decidiu num chutaço no ângulo, aos 42’ e definiu a primeira vitória da França na Euro 2016.



Com o resultado, a França larga na frente na liderança do Grupo A, com três pontos, e volta a jogar na próxima quarta-feira, contra a Albânia, de novo às 16h (de Brasília), no estádio Velódrome, em Marselha. Seu próximo adversário estreia neste sábado, diante da Suíça, às 10h (de Brasília), em Lens. Os romenos continuam em Paris para tentarem a recuperação, diante dos suíços, também na quarta, só que no Parque dos Príncipes, às 13h (de Brasília).

Lucas André ||@luc4s_andre
Linha de Fundo || @SiteLF

O 5 a 0 que marcou a classificação Argentina diante do Panamá

A vitória de 5 a 0 da noite desta sexta-feira fez a Argentina garantir a classificação para a próxima fase da Copa América Centenário. A Albiceleste lidera o Grupo D com seis pontos conquistados em dois jogos. Os panamenhos estão com três e disputam outra vaga com os chilenos, em confronto direto na última rodada. E a cidade de Chicago foi à escolha para o desfile de gala, os panamenhos começaram ligados na partida, mas viram os argentinos abrirem o escore logo muito cedo, o que não deteve o ímpeto panamenho. Porém a Argentina tratou de justificar o seu favoritismo contra o Panamá e na segunda etapa ampliou o placar e fez de um jogo truncado, um passeio.

Um Hat-Trick e uma assistência majestosa são os temperos de Messi. (Foto: Deive Pazos)
Argentina: Muito mais que um líder, muito mais que um craque, Messi é um jogador impar. Depois de sofrer uma forte pancada nas costas no amistoso contra Honduras, Messi entrou e destruiu um jogo que estava complicado. Com o suporte de Mascherano e Banega na retaguarda e Lamela junto a Gaitán com velocidade pelos lados. Messi se manteve centralizado e próximo do gol, foi o matador e garçom ao mesmo tempo. Ele é bola de segurança da Argentina, alvo incansável da marcação, enquanto os demais companheiros desfrutam os espaços que sobram. Ele não precisa de gritos e entrevistas polêmicas para mostrar sua liderança, suas silenciosas partidas geniais mostram que ele grita e lidera com os pés. Uma única ressalva para a partida de ontem foi que Banega e Augusto Fernandez batem cabeça dentro de campo e não podem dividir a meia cancha, deixa a seleção lenta e não consegue ser enganches de qualidade.

Panamá: Ainda existe muita expectativa com o desempenho da seleção nacional na Copa América. É o torneio mais importante do qual participam e onde se competirá com as melhores seleções do continente americano. Evidentemente que o seu grupo está muito complicado, pois confrontar Chile para garantir uma vaga é uma tarefa difícil. Mas o que o Panamá demonstrou durante todo o primeiro tempo foi, de certa forma, de se encher o olhos, pois diante de uma seleção mais que qualificada conseguiu jogar de igual para igual, somente perdeu as estribeiras quando Messi entrou em campo e aproveitou a superioridade numérica. Sem o Camisa 10 e antes do cartão vermelho, o Panamá mostrou que pode e vai enfrentar grandes seleções com igualdade. Acredito que é possível algum resultado melhor contra o Chile, a vantagem dos panamenhos é a falta de obrigação e trabalhar sem pressão facilita a tarefa. 

Alzemir Neto |@NeetoMoraes96
Ismael Schonardie @Ismahsantos

Golaços e polêmicas marcam Chile e Bolívia

Na noite dessa sexta-feira (10), em Foxborough, o Chile derrotou a Bolívia com o volante Vidal dando os três pontos ao marcar dois gols e manter com chances de classificação para a próxima fase. Com a segunda derrota, a Bolívia está eliminada da Copa América Centenária.

Vidal marca dois gols e garante a vitória no final do jogo em pênalti polêmico. Foto: globoesporte.com
Chile: Vitória e alívio

Após perder para a Argentina na estreia, a seleção chilena encarou a Bolívia com a expectativa de conquistar a primeira vitória na competição. A equipe sofreu com as lesões e veio com três modificações para a partida, os lesionados Diaz e Mena deram lugar para Hernandez e Orellana, além de Vargas, que saiu para a entrada de Pinilla. ‘La Roja’ dominou o jogo contra a seleção boliviana do começo ao fim, os 79% demonstram bem isso. Apesar da grande posse de bola, a seleção não levou muito perigo ao gol defendido por Lampe no primeiro tempo. Somente um chute de Sánchez, salvo em cima da linha por Zenteno, assustou a equipe boliviana.

Para a segunda etapa vimos outra postura da equipe de Juan Pizzi e logo aos 30 segundos de jogo, em bela jogada de Vidal e Pinilla, o meio campista do Bayern de Munique abriu o placar para ‘La Roja’. O que parecia se encaminhar para a tranquilidade, ficou dramático, a Bolívia empatou num lindo gol de falta de Campos. A partir disso o Chile era todo ataque e abusava das bolas aéreas. 

Chilenos foram melhores na partida durante todo o jogo. Foto: globoesporte.com
A grande chance veio novamente com Sánchez, agora em cobrança de falta que exigiu grande defesa de Lampe. O jogo aéreo não funcionava e a cada minuto que passava o jogo ficava mais dramático para a seleção chilena, o empate faria com que na última rodada só a vitória interessasse e ainda deixava a Bolivia na briga pela vaga. O alívio chileno só veio nos 8’ de acréscimos assinalados pelo árbitro. Já aos 52’ Sánchez cruzou e a bola bateu no ombro de Gutiérrez, dentro da área, o bandeira assinalou e o árbitro confirmou: pênalti pro Chile. Na cobrança o MOTM (Man of The Match) Arturo Vidal não desperdiçou: bola pra um lado, goleiro pro outro e vitória chilena no Gillette Stadium.

Para a última rodada teremos a decisão entre Chile e Panamá pela 2ª vaga do grupo D, que já tem Argentina classificada e Bolívia eliminada. As duas equipes somam uma vitória nos dois jogos disputados e dividem a segunda colocação com três pontos cada, no entanto a vantagem no saldo é Chilena (0 x -4) e isso faz com que em caso de empate o Chile avance.

Bolívia: Quem não faz, rouba.

Os bolivianos já não haviam tido tanta frequência no ataque na partida contra o Panamá, e se esperava que contra os chilenos a coisa fosse piorar. Bom, até que piorou relativamente, considerando que a Bolívia nem sequer deu trabalho ao goleiro Bravo durante praticamente todo o jogo, com exceção da linda cobrança de Campos. Uma curva com estilo de Roberto Carlos boliviano. Porém, gol bonito não dá vitória.

O que era pra ter dado a vitória ao Chile foi à pressão deles em cima dos bolivianos. O goleiro Lampe estava com uma grande sorte, pois os chilenos mandaram chutes de todas as maneiras e não conseguiam balançar as redes de Lampe. Só Arturo Vidal conseguiu essa proeza, mas ele é volante e finalizava pouco para o gol. Sanchéz e Pinilla faziam os três zagueiros da Bolívia de gato e sapato, mas a bola não entrava mesmo.

O árbitro dando vários minutos de acréscimos aumentou a euforia do Chile e o medo da Bolívia. Ele então resolveu ajudar mais, apitando um pênalti que não existiu quando o jogo já havia passado dos 50 minutos. Os bolivianos ficaram loucos, e não era pra menos. O toque no braço de Gutiérrez foi completamente sem intenção e ele não colocou o braço na jogada. No final das contas, Vidal fez o segundo gol dele e eliminou a Bolívia da Copa América. 

Bolivianos reclamam fortemente da arbitragem. Foto: globoesporte.com
Só resta agora para o pequeno povo boliviano que foi aos Estados Unidos ir assistir a despedida contra a Argentina de Lionel Messi e ficar retratando o gol de falta de Campos, o único bonito momento da Bolívia nessa competição. Porém, nada podia se esperar deles nessa competição, pois a sorte acabou indo para a Venezuela.

Fellipe Soares || @_FellipeS
Wagner Oliveira || @wagneroliveiraf
Linha de Fundo || @SiteLF
←  Anterior Proxima  → Inicio

Inscreva-se no canal LFTV

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Mais lidas da semana