A SUA LINHA DE NOTÍCIAS

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

TWITTER

FACEBOOK

Premier League Brasil

Siga-nos nas redes sociais

Popular Posts

Quem sou eu

CLASSIFICAÇÃO

sábado, 25 de junho de 2016

A frente argentina

A Argentina está classificada para a segunda final consecutiva de Copa América, porém, melhor do que classificação é o ótimo desemprenho do time Portenho dentro das quatro linhas. O belo trabalho que Tata Martino está fazendo com o grupo argentino somado as vitórias de goleada deixaram a Albiceleste a um passo de escrever o nome desta geração na história e findar o jejum de títulos da seleção principal.


Foto: globoesporte.com
Fase de grupos:

A seleção mostrou uma qualidade técnica excelente, a maioria dos jogos foram de boas apresentações da equipe e de envolventes partidas de Lionel Messi. A Argentina se classificou para a segunda fase da Copa América 2016 contra o Panamá, partida a qual os Hermanos jogaram em ritmo de treino e conseguiram bater os adversários por 5 a 0. Messi em apenas 30 minutos marcou três gols e demonstrou o por que ele é o melhor jogador do mundo.

Quartas de final:

A Albiceleste  seguiu para o enfrentamento contra a Venezuela, em que dominaram as ações ofensivas, mas encontraram um adversário muito combativo, no entanto, novamente quem teve que fazer a máquina Portenha funcionar foi Messi, que serviu de garçom para Higuaín e mostrou para Tatá que pode exercer uma função mais recuada, sendo o homem de qualidade na transição da bola.



Foto: globoesporte.com


Semifinal: 

Já na última rodada os EUA foram a vítima de quatro gols, um sendo uma bela pintura de Messi, ao bater uma falta com perfeição e assim confirmar o seu time para a segunda final consecutiva da Copa América e a chance de vingar o título perdido nas penalidades no ano passado, para o próprio Chile, seleção que  a Argentina estreou e ganhou por 2 a 1 sem a presença do craque Lionel Messi.


Foto: footyheadlines
A grande final:

Nesta final, Tata não poderá contar com Augusto Fernández e Lavezzi, lesionados na semifinal contra o Estados Unidos. Parece improvável, mas existe grande possibilidade dos então titulares, mas quase cortados, Biglia e Di María jogarem contra o Chile no domingo. As recuperações dos jogadores foram tratadas como algo impressionante, pelo tempo e dedicação utilizados. Mas, claro, as dificuldades não terminariam por aí. No treino, Marcos Rojo também iniciou as atividades de recuperação, arrastando dores musculares da semifinal em Houston. Se Rojo não estiver 100%, Funes Mori poderá ser o lateral esquerdo, abrindo vaga para Cuesta ou Maidana. A ideia inicial para domingo é que os titulares sejam: Romero, Mercado, Otamendi, Funes Mori, Rojo, Biglia, Mascherano, Banega, Messi, Higuaín e Di María, 7 dos 11 titulares que estiveram em Santiago, na final de 2015. 


Ismael Schonardie | @Ismahsantos
Site Linha de Fundo | @SiteLF


Fé no pai que o porco cai

Aos poucos, o Maior de Minas vem reencontrando o seu caminho de vitórias, não resta dúvida que essa semana foi maravilhosa para a torcida do Cruzeiro, por onde começar? Cruzeiro goleou no último jogo, anunciou duas contratações e quando parecia que não poderia ficar melhor, a Raposa venceu o líder do Brasileirão com dois gols do Willian Bigode.

@Mineirão
Há quanto tempo, não víamos a Raposa jogar com tanta intensidade, raça e sangue dos olhos, é assim que o povo gosta. O Cruzeiro cumpriu o seu papel de mandante e foi superior praticamente o confronto todo e como de rotina perdeu mais gols do que seria permitido e assim o time estrelado conquistou sua primeira vitoria na Toca III.

Paulo Milagreiro Bento, parabéns ao técnico português que apostou em um time que não poderia dar literalmente nada em troca, para ter a oportunidade de criar um time ambicioso, não importa o que a imprensa mineira diz, o seu trabalho vem sendo reconhecido por nós, cruzeirenses.

Com esse resultado, a equipe azul e branca subiu para o 9° lugar, com 14 pontos e conta com o tropeço dos adversários para se manter nessa posição. Liguem os secadores.

O próximo compromisso do Cruzeiro é contra a Chapecoense fora de casa, o confronto acontecerá na quarta-feira (29) às 21h.

Sobre o jogo:

A partida entre Cruzeiro e Palmeiras começou eletrizante e já era de se esperar um jogo emocionante, com apenas 2’ de jogo, a Raposa já assustou o time paulista e por pouco não abriu o placar.

As jogadas da Raposa se resumiam com Alisson e Arrascaeta que eram os responsáveis por criar e administrar o jogo, agora, imaginem um Cruzeiro com Rafael Sóbis, Ábila, Arrascaeta e Alisson, sim, mal posso esperar para ver.

A primeira vez que o Palmeiras tentou uma finalização, Gabriel Jesus, sem perdão abriu o placar no Gigante da Pampulha. Obrigada ao zagueiro Bruno Rodrigo por falhar mais uma vez.

Por sorte a reação da equipe estrelada veio mais rápido do que o esperado, enquanto os torcedores palmeirenses ainda comemoravam o gol feito por Jesus, Willian empatou o duelo, a jogada se iniciou com Bryan que cruzou para Arrascaeta passar para o Bigode marcar.

@Cruzeiro
O empate não satisfazia o grupo mandante, que não se intimidou com a proposta de jogo do Palmeiras e a todo vapor o Time do Povo, teve várias chances desperdiçadas de ir com ampla vantagem para o intervalo, o coletivo da Raposa está impressionante, os erros que aconteceram na partida foram falhas individuais. Quase no fim da etapa inicial, as equipes diminuíram o ritmo de jogo e apenas controlavam o resultado.

O objetivo para segundo tempo era a virada celeste, o Cruzeiro merecia ganhar pela postura dentro de campo e uma vitória aumentaria a confiança dos jogadores, então esse foi o foco cruzeirense para a etapa complementar.

Sem frescura, o Cruzeiro virou a partida aos 2’ e adivinha quem foi o herói do confronto? Se sua resposta foi Willian Bigode, você acertou, "respeita o moço", ele mesmo se encarregou de fazer o segundo gol celeste, para fazer de vez as pazes com a nação azul.

Tinha de tudo para ser outra goleada mineira, mas seria uma pena se a Raposa tivesse um velho hábito de perder “milhões” de gols em uma só partida.

Alguém viu o Palmeiras? A equipe paulista não conseguiu criar muito no duelo e era óbvio que o time visitante parou na marcação estrelada, fico pensando como está a cabeça de Gabriel Jesus, que mesmo com o nome de “Jesus” não fez nenhum milagre.

E para a infelicidade de muitos, a sorte estava lado a lado com o Cruzeiro que conseguiu sua segunda vitória consecutiva no Brasileirão.

Paula Fernandes - @Paulinha_CEC

Chile: o insuperável

Não há dúvidas de que a seleção chilena é uma das principais equipes sul-americanas hoje no cenário futebolístico. Com o Brasil perdendo o seu espaço, vemos um time recheado de craques como Vidal, Sanchéz, Vargas, Bravo, entre outros, fazendo história e nesta Copa América que está sendo realizada nos Estados Unidos, não está sendo diferente. Os chilenos foram com tudo até mais uma final da competição e brigam por mais um título. Saiba agora como o Chile conseguiu chegar até a decisão, conhecendo as suas dificuldades, os jogos, os gols e tudo de mais um pouco.

Fonte: globoesporte.com
Fase de grupos:

O começo da fase de grupos para o Chile talvez tenha sido a etapa em que eles mais passaram por dificuldades. Logo na estreia, pegaram uma difícil Argentina, que mesmo sem o Messi em campo, ainda tinha Banega e Dí Maria, que marcaram os gols da vitória dos Hermanos. Estava bem visível que os chilenos poderiam sofrer mais com o aperto em que foi no jogo contra a Argentina, mas os próximos adversários seriam teoricamente mais fáceis.

No jogo contra a Bolívia, veio a primeira vitória, porém, com polêmicas. O Chile errou uma série de gols e isso foi determinante para que a equipe passasse por dificuldades durante a partida e só conseguisse os três pontos com um pênalti mal marcado no final. Vidal foi essencial nesse jogo, pois fez os dois gols, algo que os atacantes não conseguiram fazer.

Fonte: globoesporte.com

Era visível que ainda precisavam de melhoras em campo, a vitória em cima do Panamá foi convincente, porém, o aperto veio da mesma forma, tanto que os panamenhos saíram na frente aproveitando as falhas feias do goleiro Bravo. Era a hora dos atacantes agirem e finalmente vimos isso com Alexis Sanchéz e Vargas marcando dois gols cada e garantindo a classificação chilena.

Quartas de final:

As quartas de final deram um novo ânimo para os chilenos, que simplesmente não tomaram conhecimento do México e aplicaram um massacre. Praticamente, apenas uma equipe entrou em campo naquela noite na Califórnia e foi um jogo para ficar na história.

Vargas teve uma atuação excepcional e marcou quatro gols em Ochoa. Pudemos ver que no primeiro tempo, o México mal atacava e o resultado de 2 a 0 era justo até aquele momento, porém, ninguém imaginou que o segundo tempo seria tão vexatório para os mexicanos que tomaram mais cinco gols e voltaram pra casa de uma forma que ninguém gosta de ver, mas, nós brasileiros aprendemos isso muito bem com os alemães.

Foi a melhor partida do Chile no comando do treinador Juan Antonio Pizzi, que estava com dificuldades para dar o mesmo estilo de jogo que Sampaoli estava dando para a forte seleção chilena da Copa América de 2015. O resultado deixou a equipe empolgada para o restante da competição.

Fonte: globoesporte.com

Semifinal:

Na semifinal, uma outra vitória importante de uma seleção empolgada e que parece estar amadurecendo. A partida contra os colombianos não tinha como ser uma babada como foi nas quartas de final e os chilenos tiveram que mostrar sua força e jogar de igual para igual. Parar James Rodriguez era o principal objetivo da defesa do Chile.

O astro colombiano deu muito trabalho para Bravo e obrigou o goleiro à fazer muitas defesas durante todo o jogo, mas o Chile conseguiu garantir a vitória logo nos primeiros minutos com Aránguiz e Fuenzalida. Bela partida dos atletas chilenos, que conseguiram pela segunda vez, levar a seleção para a decisão da Copa América.

Fonte: globoesporte.com

A grande final:

A final da Copa América em Nova Jersey será considerada como a decisão da "revanche". Os chilenos tem a chance de se vingar da derrota na estreia da Copa América e os argentinos terão a chance de vingar o título perdido na competição do ano passado, disputada no próprio Chile. 

Teremos um espetáculo de futebol que será proporcionado por Messi, Vargas, Dí Maria, Vidal, Romero, Bravo e vários outros atletas profissionais que o mundo todo gosta de ver com as bolas nos pés. É provável que teremos um jogo equilibrado, mas tudo pode acontecer durante os 90 minutos em que a bola vai correr.

Provavelmente, muitos dos brasileiros irão torcer para que o Chile consiga pela primeira vez em sua história, um bicampeonato da Copa América. 

Wagner Oliveira || @wagneroliveiraf
Linha de Fundo || @SiteLF

Criciúma mais conhecido como Robin Hood

Bem vindo, leitor a mais uma saga do Robin Hood ou para os mais íntimos: Criciúma. Bom agora falando sério mais uma vez o tricolor deu uma "mãozinha" para um time do Z4, teve a proeza de empatar com o Bragantino por 1 a 1 dentro de casa, mais uma vez.

Jheimy sendo descivo mais uma vez

Um jogo que o torcedor já começou com um pé atrás, pois cavalo começou com dois centroavantes de oficio, Hélio Paraíba e "Gustagol". A partida começou muito fácil para o Tigre com várias chances de gol forçando muito com bolas alçadas na área e lançamentos de longe, até conseguiram montar algumas jogadas trabalhadas, porém errou na finalização.


O segundo tempo veio com o Bragantino tendo mais liberdade para criar chances jogando no contra-ataque e dando trabalho tanto para a defesa quanto para o goleiro Luiz que fez grande partida mesmo tomando um gol. Ele foi muito infeliz em chute de fora da área que desviou no zagueiro e o matou, quando finalmente a proposta carvoeira no jogo de certo, serviu só para empatar. Jheimy salvando mais uma vez o time, sendo decisivo e cabeceando para o gol, o jogo acabou assim.


Nathan se envolveu em ums  briga e foi expulso

A derrota só não veio para o Tigre por causa dos erros de finalizações do time adversário, que no segundo tempo teve as melhores chances de gols da partida. Falhas houveram em ambos os times e quase o tempo todo, jogo feio para quem assistia de fora, porém mesmo com tal situação a torcida não deixou de apoiar. O que se espera é que o time aperfeiçoe os passes e principalmente as finalizações. 


Hoje pode ter ocorrido erros na escalação? Claro, porém quem quer mudanças precisa arriscar coisas novas. Um time que perdeu 4 pontos fáceis em dois jogos dentro de casa precisa de ajustes. O empate com o Tupi-MG na 10ª rodada já foi um alerta para o clube catarinense e agora mais um empate em casa acaba deixando os torcedores mais apreensivos em relação ao time. 

O próximo jogo do Criciúma é contra o Atlético-GO no Serra Dourada segunda-feira (27) à noite. A esperança de uma vitória ainda existe dentro do coração tricolor e que venha um Tigre com mais amor, alma, garra e coração 

Ficha Técnica para Criciúma 1 x 1 Bragantino

Estádio Heriberto Hulse (SC)
Publico/Renda: Não divulgado

Arbrito: João Batista Arruda (RJ)

Cartão Amarelo: Marlon, Barreto, Dodi (Criciúma) Gabriel Dias, Rodrigo San (Bragantino)  

Vermelho: Natan (Criciúma) Edson Sitta e Eder Lima

Criciúma: Luiz, Ezequiel, Raphael Silva, Natan, Marlon (Gabriel Leite), Barreto, Dodi, Elvis (Jheimy), Hélio Paraíba (Alex Maranhão), Gustavo e Niltinho

Bragantino: Felipe; Guilherme Andrade, Rodrigo Sam, Éder Lima e Bruno Pacheco; Gabriel Dias, Edson Sitta, Daniel Pereira e Erique (Tartá); Watson (Alemão) e Claudinho.

"Ganhas ou percas te apoiarei" 

Gabriel Frello
Letícia Figueredo 



O que vale são os 3 pontos

PARANÁ 1 x 0 JOINVILLE


Mais um jogo em que os dois times entraram em campo pelo Paraná Clube. Ao contrário do que aconteceu contra a Luverdense, hoje foi o primeiro tempo que beirou ao ridículo. Eram só chutões e passes errados, não só do Tricolor, mas dos dois times. No segundo tempo passamos para um modesto aceitável, não comprometemos, mas também não fizemos grande coisa.

Foto: Giuliano Gomes/PRPress
Os primeiros 20 minutos do jogo foram talvez os piores que vi na vida. O time não criava nada, ninguém jogava, era só gente despachando a bola para não se complicar. Os 25’ restantes foram menos piores, a equipe conseguiu criar alguma coisa e até abrir o placar. A primeira boa oportunidade veio com Murilo Rangel, que recebeu boa bola na entrada da área, mas bateu mal e praticamente recuou para o goleiro. Na segunda, Robson abriu o placar. Já no apagar das luzes, Lucio Flavio recebeu lançamento, ganhou do zagueiro, caiu, levantou e rolou pro camisa 8 dominar e fuzilar a rede adversária.

No segundo tempo, o time deu uma melhorada considerável, pecou na criação, mas foi seguro para garantir o placar. Murilo Rangel "entrou no jogo" e deu mais dinâmica ao meio campo Paranista. Apesar de ter mais administrado do que jogado, as oportunidades também apareceram na etapa complementar. Lucio Flavio rolou para Murilo na grande área e este exigiu bela defesa do goleiro. Depois foi a vez de Henrique arrancar pela direita, driblar o goleiro e tentar cavar um pênalti sem sucesso. Com a vitória, o Tricolor se reaproximou do G4 e agora está na 10ª colocação, a 4 pontos da zona de classificação.

Sobre o jogo: mais uma vez Valber foi horroroso; Alisson e Pitty foram seguros atrás; Tavares ficou muito preso e quase não levou perigo no ataque; Basso bem; Murilo acordou só no segundo tempo e se destacou, como nos últimos jogos; e Robson novamente tentou muito e errou mais ainda, mas conseguiu fazer o gol da vitória.

Público mais uma vez foi bastante baixo na Vila Capanema
Foto: Geraldo Bubniak
O próximo confronto Tricolor é nada menos do que o líder da competição fora de casa. Martelotte deve contar com a volta de Rafael Carioca na lateral esquerda, mas por outro lado perde Pitty, suspenso. Poderá o irregular Paraná surpreender e derrotar o Vasco em São Januário? Arrancar o empate não seria a pior das hipóteses na atual situação...

Fellipe Soares || @_FellipeS

Com gol salvador, Vila Nova empata o clássico no finalzinho




Na tarde deste sábado (25), o primeiro clássico entre Vila Nova e Goiás pela Série B 2016 não saiu do empate em 1 a 1, com gols de Rossi e Vandinho. No jogo em que polêmica não faltou, o Tigrão foi superior no primeiro tempo e ameaçou mais o rival. Já no segundo, só deu Goiás, tanto é que saíram na frente do placar. Após jogada de Léo Sena, que deu uma bela caneta em Douglas Assis, ele cruzou a bola, passeou pela área do Vila, a zaga mais morta que tudo, e deu para Rossi marcar.

Não sou de elogiar muito rival, mas Rossi e Léo Sena são bons jogadores, merecem um time melhor para jogar. Mas enfim, voltamos ao Tigre. O Vila Nova entrou no jogo pressionando e não deixou o Goiás sair ao ataque. Pouco criaram no primeiro tempo.

Não seria justo a derrota na partida, já que o Vila Nova dominou praticamente todo o primeiro tempo. Tivemos lances polêmicos e isso é normal no mundo do futebol, mas dizem eles que tiveram um pênalti que o senhor juiz não deu e um impedimento mal marcado. Não sei se houve mesmo, mas só estão provando do seu próprio veneno. O Vila não foi e nunca será beneficiado pela arbitragem, e nem queremos. É bem mais bonito ganhar por méritos de seus jogadores. 

O jogo em si foi bastante equilibrado, com um tempo bom para cada lado. O Vila soube aproveitar o erro do rival na primeira etapa para chegar ao gol adversário, assim como o Goiás fez na segunda. Foi um resultado justo, cada equipe jogou seu "melhor" e é fato que ambas as equipes precisam melhorar. No máximo são times para se manter na Série B. O Vila Nova precisa correr e muito se realmente quiser permanecer na segunda divisão, já que o time é limitado e, com a chegada de Guilherme Alves, tem muito o que melhorar.


O Tigre precisa mostrar suas garras e voltar a vencer o rival. São quatro anos sem esse feito, a última vitória foi ainda em 2012 quando o atacante Patric marcou os três gols do Vila no jogo. Vai ano, vem ano e só ouvimos 1,2,3... Chega. Isso cansa. O Vila Nova vai em busca dos três pontos agora diante do Avaí, em Florianópolis, na terça-feira (28).

Paysandu 0x0 Atlético-GO - Empate bom ou ruim?

Essa é a pergunta que todo torcedor bicolor se fez após o jogo de ontem, já que a partida foi em Belém, onde o Paysandu tem a obrigação de conquistar os três pontos, porém, seu adversário era o visitante mais perigoso da Série B. Entretanto, o Papão jogou 52 minutos com um jogador a mais em campo após a expulsão de Gilsinho. Apesar disso, o Atlético tem a melhor defesa do campeonato, com apenas três gols sofridos em 11 jogos. Estes fatores vieram a valorizar o empate e ao mesmo tempo gerar a dúvida de que a vitória poderia vir.

Volante Lucas marcando o gol anulado. (Fonte: Futura Press)
O jogo:

Os mais de oito mil torcedores que foram à Curuzu na sexta-feira (24), mesmo depois de uma forte chuva na cidade, estavam dispostos a apoiar o bicolor a sua quarta vitória seguida e o quinto jogo sem perder desde o início da era Dal Pozzo. O que viram foi um Paysandu iniciando o jogo em cima do Dragão e chegando logo no primeiro minuto com um chute perigo de Rafael Costa. Em seguida, em cobrança de escanteio, Lucas subiu alto e cabeceou a bola, que foi por cima do goleiro Marcio. Em outro escanteio, Rafael Costa cobrou com perigo e o goleiro afastou.

O time goiano claramente esperava em seu campo para sair em contra-ataque com Gilsinho e o perigoso Júnior Viçosa. Aos sete minutos, outra chegada perigosa com Rafael Costa de bicicleta, mas ele mandou para fora. O bicolor paraense continuava pressionando e o dragão nada conseguia fazer, até que aos 12 minutos saiu o gol bicolor quando, após sobra de bola na área, o volante artilheiro empurrou para as redes, porém ele estava impedido e o gol foi anulado. 

Após isso, o time de suíço começou a pressionar menos e ter mais a posse de bola do jogo, tocando e tentando furar a defesa goiana. Assim o jogo se equilibrou mais e o Atlético chegou com perigo pela primeira vez em contra-ataque com Caíque, que tocou para Pedro Bambu lançar Viçosa, mas este furou e desperdiçou a melhor chance do jogo. O bicolor logo respondeu com Leandro Cearense cruzando rasteiro para Rafael Costa, que foi cortado.

A partida ficou aberta a partir daí, os dois time saíram para o jogo e o Atlético chegou novamente com perigo com Magno Cruz, que tocou mal para Caíque e chutou para fora, desperdiçando outra grande chance. Aos 43', Gilsinho, após sofrer falta não marcada, xingou o árbitro e foi expulso de campo, o Dragão ficou com dez jogadores no fim da primeira e toda segunda etapa.

Rafael costa um dos destaques do jogo. (Fonte: Fernando Torre/ ASCOM Paysandu)
No segundo tempo, o jogo começou como a primeira etapa, com o Paysandu pressionando sem sucesso. Com isso, o time começou a manter a posse da bola e tentar jogadas aéreas pelas laterais, e assim chegou com perigo aos 16 minutos pela esquerda com Lucas, que cruzou e Lino quase fez contra. O técnico bicolor colocou Betinho no lugar de Augusto Recife e Raphael Luz no lugar de Fabinho Alves, mandando a equipe para cima.

O Papão chegou com perigo aos 20 minutos com a bola desviando em Leandro Cearense e obrigando Marcos fazer boa defesa. O goleiro do time goiano foi um dos destaques da partida com grandes defesas, uma delas em cobrança de falta de Rafael Costa no canto, quando o goleiro deu o rebote para Leandro Cearense chutar para ele fazer outra grande defesa. O Paysandu continuava pressionando o acuado Dragão, que apenas esperava o fim do jogo se defendendo de toda forma, Foi o que aconteceu, fim de jogo: Paysandu 0x0 Atlético Goianiense.

Paysandu: Emerson; Edson Ratinho, Fernando Lombardi, Gilvan e Lucas; Augusto Recife, Ricardo Capanema, Jhonnatan e Rafael Costa; Fabinho Alves e Leandro Cearense.

Atlético Goianiense: Marcos; Matheus Ribeiro, Marllon, Lino e Michel; Bruno Barra, Pedro Bambu, Magno Cruz, Caíque e Gilsinho; Júnior Viçosa

Público e renda:
2.834 pagantes
1.624 não pagantes
4.412 sócios
8.870 presentes
Renda: R$ 92.343,00

Eduardo Maya
@edumaya7

Sem aproveitar as chances, CRB perde para o Vasco

Primeiro tempo

Começo de jogo arrumado do Regatas, marcando a equipe carioca em cima, pressionando a saída de bola. O Vasco mostrava dififuldades em criar o jogo e chegar à área do CRB. Em cobranças de falta, as equipes foram fazendo as primeiras finalizações na partida.

Pressionando a saída de bola do Vasco, aos 27' Júlio Cesar recuou errado para Aislan, e Lúcio Maranhão recebeu livre na área. Tranquilo, o centroavante do Galo deu um toquinho na saída de Martín Silva. CRB 1 a 0.




Logo depois, Luidy recuperou a bola em ataque do Vasco, mas saiu de forma errada, Leandrão ganhou na força de Bocão e Boaventura e bateu no cantinho do goleiro do CRB, empate da equipe Cruz-Maltina. 1 a 1.

O jogo foi se estendendo e ficando equilibrado. As equipes tentavam criar, o CRB tinha mais sorte na criação das jogadas, porém, errava muito mais na hora de finalizar. O Galo começou a partida com muito mais intensidade e fome de gol do que o Vasco. Marcou avançado e jogou muito em cima de Aislan.


Segundo tempo

Diego bem utilizado na partida junto de Olívio e Galdezani pelo meio, foram criando as jogadas mais perigosas do Galo na partida, uma pena que nenhuma delas resultou em gol. Já a equipe carioca trabalhava a bola com uma dificuldade, a marcação do CRB fechava o Vasco e apimentava a partida.

Aos 12' do segundo tempo em escanteio para a equipe do Vasco, Andrezinho enche a bola de efeito, tirando do goleiro Juliano e ela morre no gol do CRB. Uma verdadeira pintura o lance do meia do Vasco.  Pagou ingresso de quem esteve presente no estádio. Vasco 2 a 1.


Ao decorrer da segunda etapa, o Galo foi tentando se reerguer, mas não conseguia finalizar. A falta que o torcedor tem de Zé Carlos é imensa, quando algum jogador mostra dificuldades no domínio da bola ou finalização dentro da área, a primeira imagem que vem na cabeça do torcedor é de Zé Carlos sendo o artilheiro da Série B marcando várias e várias vezes no Estádio Rei Pelé, recebendo a bola na entrada da área, usando seu corpo e finalizando.


A atuação de Martín Silva foi espetacular. O Galo chegava várias vezes ao gol do Vasco em passes entre o meio da defesa Cruz-Maltina, quando os jogadores conseguiam a posse da bola para o chute, lá estava o goleiro vascaíno para executar a defesa.


Aos 43' Galdezani cai na área do Vasco, árbitro manda seguir e depois da marcação do assistente, é apontado o pênalti à favor do Regatas. Depois de alguns minutos, Diego bate mal, no canto esquerdo, e Martín Silva faz a defesa. O goleiro do Vasco em dia inspirado decretou a vitória vascaína sem merecimentos na tarde/noite deste sábado.


Próximo compromisso

O Regatas agora descansa e se prepara para mais um viagem na segunda-feira, direto para Joinville/SC, onde irá enfrentar o clube com mesmo nome da cidade, podendo ser a partida de estreia de Zé Carlos. O Joinville se encontra na 17ª posição com apenas 11 pontos e duas vitórias, nenhuma de suas vitórias foram conquistadas em seus domínios. Uma contra o Tupi, em Juíz de Fora por 2 a 1. E uma contra o Avaí, em Florianópolis por 1 a 0. O Tricolor catarinense tem cinco jogos em casa, quatro empates e uma derrota, estatísticas que podem talvez animar o Galo.


Vila e seu apito amigo

Na ida para o estádio Serra Dourada hoje, esperava ver um clássico goiano pela Série B sentado na arquibancada e comendo aquela velha pipoca, porém, parecia um jogo de Campeonato Goiano. Só isso para justificar o assalto que a arbitragem fez em cima do Goiás hoje e nos tirou os três pontos na cara dura. Simplesmente, um absurdo o que Marielson Alves Silva fez hoje.

O passe sai da linha de defesa do Goiás, portanto, não existe o impedimento.
Foto: globoesporte.com
O gol que sofremos no final foi claramente por erros nossos. Deixamos eles pressionarem demais e estava bem nítido que as chances de isso acontecer eram boas, porém, não justifica os erros grotescos da arbitragem no jogo de hoje, pois a estratégia de Léo Condé era clara no segundo tempo: matar o jogo no contra-ataque. Poderíamos ter feito isso, mas o jogador do Vila que estava de camisa amarela fez de tudo para impedir.

Não gostei do primeiro tempo do Goiás. Foi patético. O Vila trabalhava mais a bola no ataque, mas era ruim e a defesa esmeraldina estava cuidando disso com facilidade. Renan só teve que trabalhar de verdade em um chute de falta no primeiro tempo e o Verde atacava pouco. Rafhael Lucas, mais uma vez, não tenho nem o que falar. Ele deveria se chamar Ivan ou "Ivansível". Também não me agradou as atuações dos laterais esmeraldinos.

Tivemos também aquele famoso pênalti não marcado em cima do Rossi. Pra variar, o juiz colorado mandou o jogo seguir e nem falei da quantidade de faltas que esse cidadão adorava apitar à favor do Vila Nova. A partida era nossa, mesmo com eles pressionando atrás de um erro. Quando conseguiram, comemoram como se fosse um título. Coisa de torcida de time pequeno mesmo. 

Mas no final da partida, fiquei pensando em uma coisa que o meu professor de História disse: "O vermelho é a cor da revolução. A cor dos socialistas". Então, o Vila é um time bem socialista, porque adora dizer que é o "time do povo" (mesmo sabendo que a torcida deles é bem medíocre), rouba pra caramba, fica feliz com pouca coisa. Típico de um time pobre e inferior. Típico do socialismo e dos abobados que acreditam nele, quando todo mundo sabe que é fadado ao fracasso.

Eu fiquei chateado com o gol que tomamos no final, mas não me abalou. Sei que não vencemos por injustiças e que ainda podemos subir mais na tabela. Na terça-feira, estarei no Serra Dourada contra o Paysandu e torcendo para fazermos nossa parte dentro de campo.

Rossi faz uma outra boa partida e marcou o gol do Verdão.
Foto: globoesporte.com
Wagner Oliveira || @wagneroliveiraf
Linha de Fundo || @SiteLF

Um estressante Vasco

  Fala, Turma da Fuzarca!

Não me levem a mal, esse texto contém bastante "cornetagem".

Mais uma vitória na falida Série B e liderança com cinco pontos de vantagem para o segundo colocado não é mais do que obrigação.

FOTO: Vasco Oficial
A rotina dos jogos chatos continua, somente em apenas dois jogos o Vasco venceu sem sustos (Sampaio Corrêa e Joinville). Diante do “poderoso” CRB, o Gigante começou perdendo, porém, Leandrão e Andrezinho fizeram os gols, que quase não foram o suficiente para sair com os três pontos. No último minuto, o Martín Silva (QUE HOMBRE!) defendeu o pênalti.

Confesso, não vibrei com o gol do Leandrão, porque ainda estava tentando entender o que o Aislan tinha feito no gol do CRB. Vibrei com o GOLAÇO OLÍMPICO do Andrezinho à pouco mais de 40 dias da Olimpíada.

No fim, consegui relaxar com a vitória garantida.

Sinceramente não estou animado com os últimos jogos do Vasco. Alguns jogadores aparentam cansaço misturado com ruindade ou desestímulo de estar jogando uma divisão inferior. O torcedor, principalmente carioca, também apresenta esse sinal de descontentamento por estar pela terceira em uma série B, vide os públicos de São Januário. Essa discussão sobre o público daria outro texto bastante polêmico.

A verdade é que precisamos de um elenco melhor para podermos realizar um rodízio entre os jogadores e, consequentemente, um time mais forte. Alguns atletas não servem para esquentar o banco de São Januário. Tomara que na Copa do Brasil, o Vasco possa ter um futebol mais vistoso. Caso contrário, o ano acaba, já que mesmo jogando mal, o Vasco vai subir.

Martín Silva e Andrezinho, eu amo vocês e irei os guardar. “Se o Ronaldinho viesse, ele que teria o prazer de jogar com o Andrezinho”, ele disse...

Abçs, Galera,

   Matheus Feitas @_MFreitas9_


    Linha de Fundo  @SiteLF

Luverdense bate Londrina e encosta no G4

(Foto: Globo Esporte)
De olho no G4, o Luverdense recebeu o Londrina nesta noite de sexta-feira (24) e se deu bem. A vitória por 2x1 colocou o time próximo dos primeiros colocados, mas foi longe de ser tranquila mesmo com domínio em boa parte da partida. Com muita pressão no final e dois gols anulados, quase escamparam dois pontos.

O jogo começou animado e logo aos 4’, Hugo saiu na cara do gol. A chance clara, porém, foi desperdiçada e o placar não se alterou. Não seria o único gol perdido pelo atacante ao longo do jogo já que no segundo tempo outra chance ainda mais clara (pegando rebote do goleiro) foi perdida.

O lance não abateu o Verdão do Norte que seguiu melhor e abriu o placar ainda no primeiro tempo. Régis foi lançado e deu um bonito toque na bola antes da chegada do goleiro e fez a festa dos pouco mais de mil presentes no estádio Passo das Emas. Ainda na primeira etapa o Luver poderia ter ampliado o placar em cobrança de falta perigosa.

Precisando continuar jogando no ataque para matar o jogo, o Luverdense pressionou desde o começo da etapa final e não demorou a ser recompensado. No quarto minuto de jogo (o mesmo tempo em que perdera gol na etapa inicial), Hugo se redimiu e ampliou para o time alviverde.

Com um placar favorável, o jogo ficou bastante controlado pelos donos da casa até os 25’, momento em que o Londrina conseguiu exercer uma pressão e, após colocar uma bola na trave, descontou com Rafael Gava. O jogo que parecia ganho ficou completamente aberto e os paranaenses conseguiram marcar duas vezes nos quinze minutos finais, os gols foram anulados pela arbitragem e ameaçaram bastante os três pontos do Luverdense.


Passado o sufoco, festa no Passo das Emas. Vitória garantida e o G4 cada vez mais próximo. A próxima rodada reserva um duelo direto pelas primeiras posições contra o Náutico, fora de casa. 

Stéfano Bozza | @stebozza

Chuck Norris LF Rodada 11: Nada abala

    Não é hora de abaixar a cabeça! Depois de chegarmos ao Top 1000 da Liga Nacional, caímos um pouco mais de trezentas posições, entretanto, viemos com força total para a décima primeira rodada do Cartola.

    A pontuação não foi ruim, porém, tratando-se de Chuck Norris, deixou a desejar. Em quatro escalações passamos da marca dos 80 pontos e a nossa média era de 71. Na rodada passada fizemos 56 pontos, mas nada que abale o time mais ensaboado do Linha de Fundo.


 ATENÇÃO: O Mito, Pai Alex, não pôde fazer o texto nessa rodada, entretanto, conseguiu mandar a escalação da mitagem.







                                                             CHUCK NORRIS LF


Vanderlei [Santos] – Dos menos cotados do Cartola e com uma média razoável, o goleiro do Peixe dificilmente negativa e não faz menos de 5 pontos desde a sexta rodada. Apesar de ter muitas chances de sair sem SG, o nosso salvador pode ter muitas DD’S, diante do São Paulo, na Vila.

Victor Ferraz [Santos] – Depois de zicar o lateral rodada passada gloriando a média e o fato de nunca ter negativado, adivinhem o que aconteceu? Sim, ele negativou.  Porém, nada de desespero, o lateral ataca com eficiência, cobra bolas paradas, faz poucas faltas e participa bem do jogo.

Ernando [Internacional] – O Inter encara um dos piores ataques do Campeonato. O SG é a esperança, entretanto, Ernando consegue chegar bem ao ataque, ou seja, por vezes, quando não sai com SG, pontua muito bem.

Juninho [Coritiba] – O mesmo caso do Victor Hugo, porém, com um requinte a mais: ele quase nunca sai com SG e mesmo assim ainda mita. Vai deixá-lo de fora?

Uendel [Corinthians] – Mesmo no contestado Corinthians, Uendel é ótima opção na lateral. Efetivo na defesa, roubando muitas bolas, consegue chegar ao ataque de maneira surpreendente. Geralmente costuma a fazer uma boa pontuação jogando na Arena.

Giovanni Augusto [Corinthians] – Há duas rodadas quando o escalamos, ele não jogou. Fontes disseram que ele está afim de se redimir perante aqueles que decepcionou. Rege o meio Corintiano participando muito bem nos jogos.

Juan [Coritiba] – “Mas o Chuck Norris LF vai apostar em dois do Coritiba mesmo jogando fora de casa, contra o Figueirense?” SIM, SEM MEDO! Mito das RB’S, ASS, Gols, dono das bolas paradas e ainda contém total confiança do CN.

Cazáres [Atlético Mineiro] – QUE HOMBRE! Balançou as redes em todos os jogos. Lidera o Galão da Massa nessa recuperação no campeonato. Como dissemos rodada passada: “Sim, ele será titular muitas vezes no Chuck Norris.”

Fred [Atlético Mineiro] – Dono dos Clássicos. Fez gol em todos rivais quando jogava no Fluminense. Na estreia pelo Galo marcou contra o Cruzeiro. Ainda não está confiante em escalar o Don Fredón? Ele já jogou no América. Vai contrariar a Lei do ex? Melhor não, né?!

Luan [Grêmio] – Luanel Messi não costuma decepcionar. Tudo bem, ele não foi bem na rodada passada. O CARA não vai magoar a gente novamente. Apenas escale e seja feliz.

Rangel [Chapecoense] – Mesmo jogando fora, Rangel já provou ser decisivo longe da Arena Condá. Artilheiro do campeonato não pode passar dois jogos em branco.

Argel [Internacional] – Um dos melhores técnicos para apostar no Cartola. Sempre costuma a pontuar bem dentro do Beira-Rio.


Boa MITAGEM a todos!

Linha de Fundo     @SiteLF

Alex Rolim @rolimpato


Matheus Freitas   @_MFreitas9_
←  Anterior Proxima  → Inicio

Inscreva-se no canal LFTV

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Mais lidas da semana