A SUA LINHA DE NOTÍCIAS

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

TWITTER

FACEBOOK

Premier League Brasil

Siga-nos nas redes sociais

Popular Posts

Quem sou eu

CLASSIFICAÇÃO

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Com lesão, lateral Romário desfalca Atlético-GO por mais de um mês

A segunda-feira (27) não começou com boas notícias para o atleta rubro-negro. Após passar por exames mais detalhados foi diagnosticada uma lesão no quinto metatarso do pé direto e o lateral-esquerdo Romário terá que passar por cirurgia e deve desfalcar o Atlético-GO por 45 dias.

A lesão aconteceu aos 39’ do 1º tempo na partida contra o Avaí, na Ressacada, válida pela 11ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. Após uma disputa aérea com o volante Braga, Romário caiu de mau jeito e teve que deixar o gramado sentindo fortes dores no tornozelo.

- Foi uma infelicidade. Em uma disputa de bola com o jogador adversário, eu cai e logo senti o tornozelo. A princípio parecia apenas uma entorse, mas após ser submetido a mais exames, infelizmente, veio a notícia dessa lesão um pouco mais complicada, lamenta Romário.

Titular absoluto na equipe rubro-negra, Romário vinha se destacando a cada rodada.

- Fiquei muito triste, estava com a esperança de já poder jogar no próximo sábado e receber essa notícia foi muito difícil. Eu estava fazendo bons jogos e a cada rodada eu me sentia mais confiante, mas Deus sabe de todas as coisas, se foi para ser assim, eu vou procurar entender. Agora é fazer a cirurgia para se recuperar e voltar o mais rápido possível, finaliza.

Foto: Assessoria de Comunicação / Atlético-GO

Tá com Griezmann, tá favorável

No último domingo (26), a França recebeu a Irlanda no Stade des Lumières, em Lyon, pelas oitavas de final da Eurocopa 2016, que está sendo realizada no país da Torre Eiffel. Os donos da casa tinham todo o favoritismo para essa partida e a Irlanda, tinha tranquilidade e não tinha o "peso nas costas" para se classificar. Tudo ajudava para os visitantes surpreenderem e serem mais uma zebra nessa Eurocopa, que, convenhamos, está um espetáculo para quem gosta de ver um futebol bonito e bem jogado.

Foto: Paul Mohan/Getty Images

França: mesmo com susto, o dever de casa foi feito

O jogo tinha tudo para ser uma partida tranquila para os Les Bleus, mas quando o assunto é futebol, tudo pode acontecer. Pressão sobre os donos da casa, por jogarem diante da sua torcida, os visitantes não tinham a "obrigação" de vencer e teriam a vitória como um lucro e muitos outros fatores, que tornariam o cenário perfeito para mais uma zebra nessa Eurocopa.

A França, que estava invicta e melhor primeira colocada na competição, enfrentava a Irlanda, que era a segunda melhor terceira colocada, diante de seus torcedores em Lyon. Já no minuto inicial de jogo, Pogba atropelou Shane Long dentro da grande área e o árbitro marcou pênalti. Brady colocou a bola na marca da cal e, com requintes de crueldade, marcou o primeiro gol após a bola bater no pé da trave e entrar. A zebra ia se instalando em solo francês e fez os anfitriões sentirem o golpe em todo o primeiro tempo de jogo.

Já no intervalo de jogo, Didier Deschamps não poderia deixar o jogo do jeito que estava e mexeu na equipe, tirando Kanté e lançando o jovem Coman. O time voltou completamente diferente do intervalo, com sangue nos olhos e muita vontade de reverter o placar, atitude que deu certo. O técnico Deschamps foi premiado pela sua atitude e pelo brilho de Antoine Griezmann, que já se tornou indispensável para os Les Bleus. Aos 12 minutos da etapa complementar, a jovem estrela francesa cabeceou como um centroavante no cruzamento de Sagna e empatou a partida.

Griezmann cabeceou a bola e empatou para a França
(Foto: Jean-Phillipe Ksiazek/AFP)

"Tá com Griezmann, tá favorável". O craque francês justificou essa frase quando marcou o seu segundo gol na partida, aos 16 minutos do segundo tempo, aproveitando a ajeitada de Giroud para invadir a área sem dificuldades, tocar no canto do goleiro e ir correr pro abraço. O gol de virada, que classificaria o seu país. Griezmann, inclusive, comemorou o seu gol fazendo o "sinal do Ronaldinho", provando mais uma vez que "Tá com Griezmann, tá favorável".

Griezmann comemorando o seu segundo gol no jogo com o "sinal do Ronaldinho", tranquilo e favorável

Irlanda: fez o que podia e saiu de cabeça erguida

A Irlanda já fazia história. Nunca havia chegado tão longe em uma Euro. O país já estava em festa e jogar contra os donos da casa poderia ser até uma boa, uma vez que a pressão toda fica em cima dos franceses. O técnico Martin O'Neill resolveu ousar no comportamento da equipe colocando Murphy e Long no ataque, sabendo da deficiência defensiva da França. Esse 4-4-2, no entanto não significava ataque sem se preocupar com a defesa, pois o próprio Long ficava encarregado de fechar um dos lados do campo quando a seleção segurava a ofensiva dos comandados de Deschamps.

O primeiro tempo não poderia ter começado melhor. Logo com um minuto, Pogba derrubou Long na área e o juiz Nicola Rizzoli marcou a penalidade máxima. Brady, o heroi da classificação, se prontificou para a cobrança e fez 1-0. A França claramente não esperava por um resultado negativo tão rápido e isso influenciou na atuação deles durante os 44 minutos restantes. A Irlanda quase não tomou sustos e a dupla de zaga ficou encarregada apenas de cortar passes precipitados dos meias da seleção de azul.

A bola ainda bateu na trave antes de entrar
Foto: uefaeuro.com

A segunda etapa veio e com ela uma mudança de postura total do time da casa. A entrada de Coman mexeu na forma dos franceses jogarem e os Boys in Green não estavam preparados para isso. A França começou a jogar pelos lados e ocupar melhor o meio do campo, deixando os irlandeses perdidos na marcação. Prova disso foi o primeiro gol de Griezmann, quando dois marcadores foram disputar a bola de cabeça com Giroud e deixaram o atacante do Atlético de Madrid sozinho para empatar.

Nem deu tempo de pensar direito no empate e a Irlanda tomou a virada quatro minutos depois. De novo Griezmann e de novo sozinho. Ali já era de se imaginar que não daria mais. No entanto, nada é tão ruim que não possa piorar. Griezmann etrava sozinho pela terceira vez em oito minutos e Duffy se viu obrigado a derrubá-lo antes que mais um gol saísse. Expulsão justa e o resto do jogo serviu apenas para a Eurocopa aproveitar os últimos momentos com a contagiante torcida irlandesa.



LEO FERNANDES || @leo_fernandes_9
MATHEUS GARZON || @MatheusGarzon
LINHA DE FUNDO || @SiteLF

Itália é guerreira e elimina a abalada Espanha

Um momento glorioso para os italianos na Eurocopa aconteceu nos gramados de Paris, que conseguiu superar todas as adversidades e venceu a Espanha, conseguindo uma classificação heroica para as quartas de final. Os gols foram marcados por Chiellini e Pellé, um no começo do jogo e outro no final, fazendo a festa da torcida italiana e a decepção da espanhola, que volta para casa e com o sonho do tricampeonato adiado.

Itália comemora primeiro gol da partida
Foto: globoesporte.com
Itália: Guerreira e cada vez mais forte

O termo "guerreira" é o que mais pode caracterizar a seleção italiana depois da partida de hoje. Após aquela derrota para a Irlanda na fase de grupos, algumas suspeitas se levantaram à ponto dos italianos conseguirem desbancar a seleção da Espanha, uma das favoritas ao título, porém, se esqueceu que eles também estavam abalados com a segunda posição do grupo após uma derrota inesperada para a Croácia. 

A mídia e os que analisam futebol esquecem de um fator que ainda pesa muito: em clássicos, nunca se sabe quem vai ganhar. É fato que a seleção espanhola tem mais elenco que a Itália na geração de hoje, mas não importou. A motivação é outra. Era um jogo que qualquer erro, poderia fazer a diferença e o jogo mais inteligente, venceria.

A Itália fez praticamente o mesmo jogo contra a Bélgica. Procurou marcar o primeiro gol o quanto antes, para quando tivesse a oportunidade, matar o jogo. Pellé, principal atacante da seleção, mais uma vez fez esse papel e está sendo fundamental para o bom desempenho dos italianos, assim como Éder e é claro, a defesa.

Para as quartas de final, vem a Alemanha para cima da Itália. Favoritos? Eu creio que não, porém, se a Itália entrar com o mesmo desempenho e garra que entrou hoje, com total foco, podemos ter mais coisas surpreendentes nessa Eurocopa cheia de surpresas. 

Pellé define classificação da Itália com gol no final
Foto: globoesporte.com
Espanha: O passado não se repete

A Espanha enfrentou a Itália novamente após o massacre na final da Eurocopa de 2012, em que a Fúria se sagrou a campeã com méritos, mas desta vez seria diferente e o final não seria feliz para a seleção espanhola.

A seleção espanhola entrava em campo com um elenco de certa forma mais forte do que o da seleção italiana, porém elenco não ganha jogo e quem propusesse melhor sua forma de jogo levaria aquele duelo. A Azzurri fez isso melhor que a Fúria e venceu o duelo por 2 a 0.


Apesar dos milagres do goleiro De Gea e as oportunidades da seleção espanhola, o primeiro gol sofrido iria fazer um papel fundamental na partida, em qual a Fúria sentiria e em alguns momentos da partida e até do próprio veneno provou, quando a seleção italiana comandou a partida e liderou na posse de bola em alguns momentos da partida. Com a limitação nas saídas curtas, a Itália já começava a vencer a partida barrando a Espanha desta maneira, fazendo com que a seleção espanhola não conseguisse propor o seu jogo.



Fica a expectativa para a seleção espanhola para saber se Vicente Del Bosque continuará a frente da seleção ou não. A federação vai decidir se deve continuar a atuar desta forma ou se mudará o comando para que a Fúria possa ter um novo estilo de jogo.


Mesmo com uniforme diferente, Espanha se dá mal contra a Itália
Foto: globoesporte.com
Wagner Oliveira || @wagneroliveiraf
Thomaz Gomes || @thomazgomes_
Linha de Fundo || @SiteLF

Craque do Alagoano: Jean Cléber de saída do CSA

Foi anunciado pela diretoria do CSA na noite desta segunda-feira, 27, a saída do jogador Jean Cléber para o futebol Europeu,o meia irá defender o Marítimo (time da primeira divisão do Campeonato Português).


NOTA OFICIAL
O Centro Sportivo Alagoano, representado pelo presidente executivo do clube, Rafael Tenório, e pelo presidente do Conselho Deliberativo, Raimundo Tavares, vem a público comunicar sobre a situação do atleta Jean Cléber.
Ao final do Campeonato Alagoano, o jogador que tinha contrato até maio, renovou com o clube até o final do presente ano. Porém, como acordado em cláusula contratual, uma proposta de Séries A e B do futebol brasileiro ou de clubes do exterior, o atleta seria liberado.
O volante, escolhido como craque do Alagoano 2016, recebeu uma proposta do Marítimo, clube da primeira divisão de Portugal. O atleta aceitou a proposta e será desvinculado do CSA, respeitando assim o contrato. A pedido dos nossos presidentes citados, visando a classificação à próxima fase da Série D, o jogador ainda entrará em campo no próximo domingo e fará seu jogo de despedida com a camisa azulina.
Informamos que nenhum jogador para a posição deverá ser contratado, lembrando que no próprio elenco ainda possuímos cinco jogadores para a posição: Panda, Everton Heleno, Walfrido, Marcos Antônio e Elizeu. Com isso, entendemos que não há necessidade, no momento, da contratação de mais um volante. A busca atual do CSA no mercado é de um meio-campista mais ofensivo.
Agradecemos ao atleta Jean Cléber pelos serviços prestados, pelo seu profissionalismo e por ter defendido com tanta entrega a camisa do maior clube de Alagoas, ao tempo que desejamos muito sucesso em sua carreira. As portas do Azulão estarão sempre abertas para você, Jean. Obrigado e boa sorte!’.

Palavras da diretoria Maruja ao atleta que irá se despedir do clube na próxima partida do CSA pela Série D.

Lucas André || @luc4s_andre
Linha de Fundo|| @SiteLF

O sonho de gelo continua e que Deus salve a Seleção Inglesa

Na tarde desta segunda-feira (27), a Islândia seguiu fazendo história na edição de 2016 da Eurocopa. Depois de fazer uma bela fase de grupos e se classificar em segundo lugar, agora foi à vez de despachar a tradicionalíssima Inglaterra da competição. Por outro lado o English Team voltou a decepcionar em uma competição oficial, na história da Euro, os ingleses nunca venceram um jogo de mata-mata.

Os Islandeses em festa após a classificação. (Foto: Reuters)
INGLATERRA

Os Three Lions entraram em campo em Nice para quebrar um tabu histórico, vencer um jogo de mata-mata na Eurocopa. A única vez que os ingleses avançaram nesse tipo de confronto foi nos pênaltis, após um empate em 0 a 0 contra a Espanha, nas quartas de final da edição de 1996, jogando em casa.

Para superar essa marca negativa e incômoda, Roy Hodgson escalou um time bem parecido com a equipe das duas primeiras rodadas. A única mudança foi a entrada de Sturridge no lugar de Lallana, completando o trio de ataque com Sterling e Harry Kane. No meio, Rooney voltou a atuar livre como um autêntico 10 e Dier e Dele Alli protegeram a defesa.

Rooney deixou o campo aos 40' da etapa final. (Foto: Reuters)
O gol de Rooney, cobrando pênalti logo aos 4 minutos de jogo, poderia ter facilitado às coisas paras os ingleses. Entretando, antes dos 20 minutos, a Islândia já tinha virado o jogo. Precisando a qualquer custo buscar o empate, a Inglaterra manteve a posse de bola e finalizou 11 vezes, mas sem levar nenhum perigo claro ao gol Halldórsson.

Na etapa complementar, Hodgson apostou primeiro em Jack Wilshere, logo na volta do intervalo e depois em Jamie Vardy, já com 15 minutos. Os Three Lions pareciam sentir a pressão da marca negativa histórica e nem a entrada Rashford, nos minutos finais, fez a pressão de finalmente triunfar em uma competição oficial diminuir.

A saída da Inglaterra da Eurocopa teve consequências rapidamente, horas depois do jogo, Roy Hodsgon renunciou ao cargo de técnico. Os inventores do futebol vão precisar se reerguer para a disputa das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018, que começam em setembro de 2016.

ISLÂNDIA

A Islândia veio para as oitavas de final dessa Euro bastante confiante. Após conseguir um surpreendente segundo lugar, ficando a frente de Portugal, no grupo F, a intenção era continuar surpreendendo e passar pela Inglaterra. O time escalado por Lars Lagerback era o mesmo que venceu a Áustria por 2 x 1 no jogo anterior.

O começo da partida foi bem tenso para os islandeses. Logo aos 3’ o goleiro Halldórsson derrubou Sterling na área e o árbitro marcou: pênalti para a Inglaterra. Na cobrança Rooney não desperdiçou e abriu o placar para o English Team. Não deu nem tempo de se abalar com o gol, porque aos 5’ Gunnarsson cobrou lateral na área, Árnason desviou e Ragnar Sigurdsson completou para o fundo das redes, empatando a partida.

Ragnar Sigthorsson empatou o jogo aos 6' e teve bela atuação. (Foto: Reuters)
O empate rápido deu uma acalmada no ímpeto inglês e aumentou a moral islandesa, devagar a seleção começava a controlar o jogo. Tudo ficou mais fácil quando aos 17’ Bodvarsson ajeitou para Sigthorsson tirar da marcação e bater no canto de Hart, virando a partida. Foi o primeiro gol do camisa 9 na Euro. No restante da primeira etapa vimos uma Islândia muito organizada, não só se defendendo bem, mas como também chegando ao ataque, diferente das outras partidas.

O segundo tempo serviu para consagrar o belo esquema tático de Lars Lagerback e evidenciar a falta de repertório ofensivo dos ingleses. 2 x 1 Islândia no final dos 90’ em Nice. A história islandesa segue sendo escrita nessa Euro, a estreante agora vai encarar a dona da casa França nas quartas de final. O confronto está marcado para domingo (03/07), às 16h, no Stade de France, em Saint-Denis. Quem ganhar encara o vencedor de Alemanha x Itália nas semis. Aonde vai parar a Islândia de Lagerback?

Lucas Felipe || @lsouza73
Fellipe Soares || @_FellipeS
Linha de Fundo || @SiteLF

Cairo Santos atende fãs em shopping no Rio

Na tarde desta segunda feira (27), o brasileiro Cairo Santos - kicker do Kansas City Chiefs - atendeu a fãs no Rio de Janeiro com fotos. O encontro reuniu centenas de apaixonados pela NFL que formaram grandes filas para garantirem uma foto com o primeiro brasileiro jogador de uma franquia da NFL.

À tarde de autógrafos faz parte do Tour que Cairo Santos está fazendo por Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília (cidade natal) e é a comemoração da nomeação do brasileiro como embaixador da NFL no Brasil. A ação conta com visitas do jogador em shoppings, escolas e encontros com outros atletas, e tem como maiores intenções a aproximação dos fãs do ídolo e também atrair novos amantes da bola oval, esporte que cresce cada vez mais no país (o Brasil já é 3° na lista de número de expectadores).

Cairo discursa para os fãs no "Cairo Camp" em São Paulo. Foto: Facebook 
Cairo Santos, mais conhecido como "Cairão da massa" entre os amantes da bola oval virou ídolo dos brasileiros após assinar com o Kansas City Chiefs e vir a se tornar o primeiro brasileiro a jogar uma partida da NFL. Já são duas temporadas e ele já possui recordes importantes na franquia: maior field goals convertidos em uma partida (7) e o field goal mais longo da história dos Chiefs em Pós-Temporadas da NFL (49 jardas). Também é o primeiro brasileiro a disputar uma partida de playoff da liga.

Em entrevista, Cairo disse que está animado com a crescente da NFL no país e espera que os Chiefs vão mais longe ainda nesta próxima temporada: "O futebol americano está em uma crescente no Brasil. É muito legal ver isso no nosso país de origem. A tendência é crescer mais e mais", disse Cairo.

Mais um frustrante empate e a permanência no Z-4

No último sábado (25), Tupi e Avaí se enfrentaram, em um dos jogos que fecharam a 12ª rodada da Série B. Com uma vitória, o time de Juiz de Fora ultrapassaria Bragantino, Joinville e, inclusive, o Avaí, subindo para a 16ª colocação. Porém, o empate foi frustrante para o time Alvinegro, que terminou mais uma rodada na zona de rebaixamento.

Pela primeira vez desde quando assumiu o comando técnico, Estevam Soares pôde repetir o onze inicial da partida anterior, que tinha Rafael Santos; Henrique, Rodolfo Mol, Bruno Costa e Wesley Douglas; Rafael Jataí, Filipe Alves e Marcos Serrato; Vinícius Kiss e Hiroshi; Rubens. O objetivo era dar mais entrosamento aos jogadores.

Contudo, o início do jogo foi desastroso para o time mineiro e dois jogadores saíram lesionados com menos de 15 minutos de jogo, mudando os planos do treinador. Ambas as baixas comprometeram a atuação da equipe: tecnicamente  Hiroshi por ser um jogador fundamental  e taticamente  a saída de Henrique fez com que Vinícius Kiss fosse improvisado na lateral-direita e a equipe perdeu a sua válvula de escape.


Jonathan marcou um belo gol e abriu o placar (Foto: Felipe Couri/tupifc.esp.br)
O Galo Carijó ainda conseguiu abrir o placar com participação dos dois jogadores que entraram. Aos 21', Thiago Silvy aproveitou o rebote de Renan e cruzou para Jonathan, que acertou um chute de rara felicidade. Após o gol, o Leão respondeu e três minutos depois, Willian teve uma chance clara, mas mandou por cima. O restante do primeiro tempo foi bastante equilibrado e com poucas chances de gol para as duas equipes. 

Na volta do intervalo, o Tupi adotou uma postura perigosa, abdicando de atacar e cedendo seu campo defensivo ao adversário. O Avaí, por sua vez, teve a posse de bola, mas pouco incomodou o gol de Rafael Santos. Até os 15 minutos, quando Jajá encontrou espaço na defesa carijó e deu um belo passe para Rômulo, que deixou tudo igual. 

Com o empate, o time catarinense se mostrou bastante satisfeito, enquanto o mineiro acordou e foi quem buscou mais o gol. Aos 21', Estevam Soares deu a última cartada, colocando Gabriel Sacilotto no lugar de Filipe Alves, mas a alteração não surtiu o efeito desejado. 

Pouco criativo, o Tupi teve dificuldades para envolver a defesa adversária e, consequentemente, poucas chances foram criadas para que o placar fosse alterado mais uma vez. A melhor delas nos acréscimos, em um chute a queima-roupa de Jonathan e um milagre de Renan, que espalmou e a bola ainda tocou na trave.

Com o resultado, o Tupi chegou à quatro jogos de invencibilidade e aos nove pontos, mas permanece na 19ª colocação. Sem tempo para lamentar o time mineiro embarca para o Maranhão, onde enfrenta o Sampaio Corrêa na próxima terça-feira (28), em um jogo que só a vitória interessa.

Por: Marcelo Júnior || Twitter: @marcelinjrr

Draxler faz chover e Alemanha passa sem dificuldades pela Eslováquia

Nada de anormal na tarde de ontem, domingo(26) em Lille, os alemães tinham pela frente os já conhecidos eslovacos. No penúltimo amistoso antes da Eurocopa, a Alemanha não se deu bem e perdeu da Eslováquia na cidade de Augsburg por 3 a 1. Hoje, a Die Mannschaft saiu vitoriosa com o placar de 3 a 0.


Seleçõ es perfiladas para o hino
Créditos: Twitter DFB Team

Em jogo chato com Oeste, Sampaio perde mais uma

Triste de quem assistiu ao jogo entre Oeste e Sampaio Corrêa, pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série B. Foi uma partida morna, chata de se ver, muito além do esperado. O time paulista vinha de uma sequência de quatro jogos sem vitória, enquanto a equipe maranhense vinha de um empate suado com a Luverdense. O time de Itápolis teve o maior percentual de posse de bola na partida, mas conseguiu convertê-la em apenas um gol.


                                                                                                                                 (Foto: Renato Silvestre)

O técnico Wagner Lopes promoveu a estreia de Lucas Sotero, encarregado de municiar o ataque. A proposta do Sampaio era clara, defender-se e explorar os contra-ataques (a intenção do time em quase todos os jogos desta competição).

Até o minuto 30 do primeiro tempo não havia acontecido nada que chamasse a atenção dos dois lados. A Bolívia Querida marcava muito forte, na formação 4-1-4-1, alternando em alguns momentos para duas linhas de quatro jogadores da defesa ao meio-campo, com Elias e Jean Carlos tentando fazer alguma pressão a defesa adversária. Ricardo Bueno foi quem teve a primeira chance de abrir o placar. Após passe errado de Wágner no campo de defesa tricolor, a bola ficou com o atacante, que invadiu a área e finalizou com perigo a meta de Rodrigo Ramos. Quase no fim da primeira etapa, Mazinho recebeu passe dentro da área e sob a marcação adversária chutou colocado, mas a bola saiu por cima do gol. O time maranhense ainda conseguiu levar perigo em dois contra-ataques. Em um deles, Jean Carlos, na entrada da área, tinha a opção de tocar para Elias que chegava livre, mas preferiu a finalização equivocada.

O segundo tempo começou mais movimentado e logo aos 4 minutos, o Sampaio criou uma ótima oportunidade. Rafael Estevam roubou a bola na lateral esquerda e tocou para Elias. O atacante passou para Diego Lorenzi com liberdade em contra-ataque. Ele tocou para Lucas Sotero, que finalizou para a defesa de Felipe Alves. Logo depois, o Oeste conseguiu encontrar espaço para arriscar novamente de fora da área. Após troca de passes, Léo Arthur finalizou no canto direito, mas o arqueiro tricolor estava bem posicionado e defendeu em dois tempos.

O tempo se arrastou e os dois times não conseguiam produzir nada que oferece grande perigo aos goleiros. Somente aos 36 o Oeste voltou a dar trabalho. Ricardo Bueno chutou da entrada da área, a bola desviou na defesa e Rodrigo Ramos defendeu.
Aos 41 minutos, aconteceu o lance capital para o desfecho do jogo. Após receber o segundo cartão amarelo, o volante Diego Lorenzi foi expulso. Um minuto depois, com o time boliviano desgastado e com um a menos, equipe do Oeste encontrou o espaço que precisava para inaugurar o placar. Marcus Vinicius recebeu passe em infiltração na defesa e tocou por cima de Rodrigo Ramos. A bola ainda resvalou em Wágner antes de tocar as redes. O técnico Wagner Lopes ainda tentou lançar o time ao ataque, na tentativa de um empate, colocando Paulo Marcelo no lugar de Léo Gago. Mas de nada adiantou.

O jogo foi bastante morno. As duas equipes não criaram muitas oportunidades de gol. O Oeste tocou muito a bola, com os seus jogadores sem guardar posição, marca do trabalho do técnico Fernando Diniz. É uma estratégia ousada e confunde um pouco a marcação adversária, que não foi o que ocorreu nesse jogo, mas é uma bagunça, na minha humilde opinião. O time paulista não conseguia infiltrar-se na defesa fechada do Sampaio, apesar de ter a bola quase o jogo inteiro. Esbarrando na forte marcação da equipe tricolor, os jogadores do Oeste tiveram que arriscar alguns chutes de fora da área para tentar vazar a defesa adversária.

O Sampaio continua sem vencer fora de casa, amarga mais uma derrota e segue na lanterna da Série B. Seu próximo embate será contra o Tupi, em seus domínios, no Estádio Castelão, na terça-feira (28), às 20h30. Esse confronto será de grande importância, pois os dois times são os últimos da tabela de classificação, com uma diferença de três pontos de um para o outro. O Sampaio precisa vencer, mas mesmo assim não sairá da lanterna, pois o saldo de gol do time mineiro é muito superior, mesmo negativo.

FICHA DO JOGO:
OESTE 1 x 0 SAMPAIO CORRÊA
Local: Barueri (SP), Arena Barueri
Data/Horário: 25 de Junho, 21h00
OESTE: Felipe Alves; Velicka, Bruno Silva e Wellington; André Castro, Danielzinho (Francisco Alex), Mazinho (Betinho) e Matheus Vargas; Crysan (Marcus Vinicius), Ricardo Bueno e Léo Arthur.
Técnico: Fernando Diniz
SAMPAIO CORRÊA: Rodrigo Ramos; Eder Sciola, Wágner Fogolari, Luiz Otávio e Rafael Estevam; Renan Ribeiro, Diego Lorenzi, Léo Gago e Lucas Sotero; Jean Carlos e Elias.
Técnico: Wagner Lopes
Cartões amarelos: Marcus Vinicius (Oeste); Diego Lorenzi e Léo Gago (Sampaio)
Cartões vermelhos: Diego Lorenzi (Sampaio)
Árbitro: Bruno Arleu de Araújo (RJ)
Assistentes: João Luiz Coelho de Albuquerque (RJ) e Gabriel Conti Viana (RJ)
Público: 1.120


Marcos Fernandes || Twitter: @poetafernandes
Linha de Fundo || @SiteLF

Furacão passeia em campo e cola no G-4

André Lima e Vinicius correm para comemoração do gol que fechou o placar (foto: Paraná Online)
Talvez não seja nenhum exagero começar o texto dizendo que o Atlético fez ontem na Arena, sua melhor apresentação da temporada 2016. O time comandando pelo técnico Paulo Autuori, dominou a equipe do Grêmio por praticamente toda a partida e na segunda etapa, com duas "pauladas" de fora da área, somou mais três pontos e se aproximou do pelotão dianteiro da competição.

Um início de jogo marcado, mais uma vez, por protestos da torcida contra a diretoria, que insiste em proibir a festa dentro do caldeirão, o jogo caminhou por 15 minutos de equilíbrio, mas aos poucos os protestos e "homenagens" a diretoria foram dando lugar aos cantos de incentivo e o time passou a corresponder dentro das quatro linhas. O time rubro-negro já dominando a partida, chegou a comemorar um gol corretamente anulado pelo juiz aos 24', quando Pablo recebeu na banheira e guardou, o assistente chegou a correr para o centro do gramado, mas o juiz invalidou a jogada.

Após confusão, o time da casa continuava envolvendo o meio campo gaúcho, Nikão que voltava de contusão atraiu muita marcação, fazendo que com isso os volantes Otávio e Hernani jogassem com liberdade. Criando mais e sem tomar sustos, o primeiro tempo chegou ao fim.

Na volta do intervalo, o Atlético manteve a pegada e logo aos 8', o inconstante Hernani (que ontem fez uma grande partida) acertou um belo chute rasteiro no canto do arqueiro gremista para abrir o marcador. Com o placar aberto, a expectativa era que o Grêmio fosse ser mais agudo, mas as substituições de Roger não surtiram efeito e o time da casa continuou encurralando. André Lima teve duas oportunidades na sequência, em um belo cruzamento, o atacante subiu sozinho para cabeçada mas Marcelo Grohe buscou no pé da trave e em um giro, acabou finalizando para fora. Mas aos 22', após Vinicius ajeitar a bola, André Lima acertou a segunda "paulada" da tarde sem qualquer chance dessa vez para o goleiro da seleção brasileira, a bola ainda tocou no travessão antes de morrer no fundo das redes.

O rubro-negro ainda teve algumas chances de aumentar o placar, mas Marcelo Grohe ainda fez mais algumas defesas enquanto Wéverton não teve trabalho algum durante toda a partida.

O Furacão agora mais próximos dos líderes da competição, tem uma sequência na teoria mais "fácil" que o pelotão da frente, pois pega os dois últimos em sequência. Mas na prática estamos falando de um Atlétiba dentro dos domínios alviverde, mesmo chegando em um momento bem mais favorável que seu rival, o Atletiba desta quarta-feira (29) será uma partida complicada, visto que o time do Alto da Glória vem engasgado após ver o Atlético ser campeão dentro do Couto.

Doutrinação infernal: seleção belga arrasa magiares de forma impiedosa

Comemoração belga após o gol de Alderweireld

Fonte: zerozero.pt

Na melhor atuação dos diabos vermelhos nesta UEFA EURO 2016 e, talvez, a melhor atuação de uma seleção em uma partida na mesma competição. O jogo de hoje mostrou uma Bélgica com um apetite voraz e intenso no ataque e doutrinador em seu meio campo. Destaque também para algumas grandes defesas de Thibaut Courtois que, quando foi exigido, trabalhou de forma espetacular e mostrou o porquê é um dos melhores goleiros do mundo.

O técnico Marc Wilmots resolveu de primeira mão, realizar uma única alteração para potencializar jogo ofensivo. A entrada de Dries Mertens no lugar da revelação Yannick Carrasco para melhorar o poder de fogo no lado direito de ataque. A alteração deu muito certo e a Bélgica começava impor o seu jogo com o maior envolvimento nos lados do campo e o futebol de Eden Hazard e Kevin de Bruyne reapareceu de forma significativa. O meia do Manchester City estava endiabrado em campo e era responsável pelas principais jogadas de ataque no primeiro tempo, desde os chutes de fora área até em jogadas organizadas para a finalização dos companheiros.

Logo aos 10 minutos, Kevin de Bruyne sofreu falta de Ádám Lang próximo a meia esquerda de ataque, o mesmo cobrou com profunda maestria e encontrou Toby Alderweireld que, chegou junto com Romelu Lukaku e testou com muita violência no canto esquerdo alto de Gábor Király. A partir daí o jogo começou a ficar mais a feição dos belgas. Enquanto os húngaros arriscavam mais nos chutes de fora da área com algum perigo, os belgas jogavam numa intensa velocidade e envolviam a defesa húngara de forma apoteótica. Chances eram criadas e o goleiro da Hungria se consagrava como um dos melhores jogadores da equipe na partida, mesmo com seus 41 anos ainda demonstrava uma agilidade monstruosa. Outra grande chance criada pelos belgas foi em uma cobrança de falta espetacular de Kevin de Bruyne que mandou com categoria por cima da barreira no canto alto esquerdo, o goleiro Gábor Király tocou na bola e ela acertou o travessão.

Kevin de Bruyne foi um dos destaques da partida

Fonte: www.squakwa.com

No segundo tempo a seleção húngara voltou mais perigosa e ameaçando mais o gol de Thibaut Courtois. Quem se destacou neste início foi o atacante Ádám Szalai que teve duas chances perigosas em cinco minutos. Estas chances contribuíram para que a seleção magiares tivesse um novo fôlego e deu a partida um caráter mais aberto. Os belgas entravam no segundo tempo com menor posse de bola, mas extremamente perigosos no ataque. O técnico Marc Wilmots promoveu substituições importantes que melhoraram a situação ofensiva dos belgas. Dries Mertens e Romelu Lukaku (que estavam muito bem em campo, mas com um cansaço maior) deram lugar para os jogadores de frente Yannick Carrasco e Michy Batshuayi, que foram extremamente decisivos e ajudaram a golear os húngaros nos 15 minutos finais.

O segundo gol belga veio em uma cobrança de escanteio de Kevin de Bruyne afastada pela zaga húngara. A bola chegou a Eden Hazard que tentou tocar em Axel Witsel, mas o volante inteligentemente deixou passar, já que estava em impedimento, e o meia pegou a frente e cruzou rasteiro na medida para Michy Batshuayi que chapou no canto esquerdo de Gábor Király ampliando o placar aos 32 minutos. Um minuto depois, foi a vez de o meia Eden Hazard receber um passe espetacular de Radja Naingollan. Ele pegou, partiu pra cima da zaga húngara e bateu colocado no canto esquerdo de Gábor Király. Por fim, aos 40 minutos, em outro contragolpe, foi a vez de Radja Naingollan dar um belo passe para Yannick Carrasco que ganhou na velocidade de Richárd Guzmics e tocou por baixo, na saída de Gábor Király sacramentando a maior goleada desta edição.

Eden Hazard decide novamente para equipe e é o grande destaque em campo

Fonte: www.thesun.co.uk

Os belgas se classificaram para as quartas de final e farão um belo jogo contra a sensação, País de Gales, de um dos melhores jogadores do mundo, Gareth Bale. A partida será na sexta-feira (1º), às 16h (horário de Brasília), no estádio Pierre-Mauroy, em Lille. O desfalque ficará por conta do zagueiro do Barcelona Thomas Vermaelen, que tomou o segundo cartão amarelo e não jogará esta partida.

Terra arrasada: Hungria é goleada e dá adeus a UEFA EURO

A seleção da Hungria entrou em campo para este jogo de hoje sabendo do que enfrentaria nestas oitavas de final, o confronto contra uma das melhores seleções deste torneio poderia reservar momentos de glória intensa, como poderia sinalizar um confronto duríssimo e sem muitas expectativas de êxito. Tudo isso foi desenhado durante o jogo e o que se viu em campo foi uma Hungria que tentava nos chutes de fora da área, mas que se esbarrava na sua limitação técnica, enquanto a sua defesa tentava segurar o ímpeto ofensivo da Bélgica, mas sempre levava desvantagem na maioria das vezes.

A partida começa com a seleção húngara sofrendo com os ataques do talentoso time belga e tentando controlar o jogo na posse de bola, só que a mesma não parava no seu setor ofensivo e pouco a pouco era pressionada contra a parede com as investidas belgas. Sobrava a equipe tentar jogar pelos lados do campo e arriscar chutes de longa distância, já que a seleção belga não conta com exímios jogadores nas laterais e tem neste o seu ponto fraco em seu sistema defensivo.

Mas o que parecia ser ruim ficou ainda pior, quando Toby Alderweireld subiu no segundo pau e acertou uma bela cabeçada, vencendo o goleiro Gábor Kiraly, após uma linda cobrança de falta Kevin De Bruyne. A partir daí, os magiares se sentiram na obrigação de sair mais para o ataque e tentar investir nos chutes de fora da área. Durante o primeiro tempo, Balázs Dzsudzsák, Zoltán Gera e Ádám Pintér tentaram surpreender o goleiro Thibaut Courtois, mas o belga realizava defesas seguras e garantia o resultado. Enquanto isso, os belgas eram mais incisivos no ataque e chegavam com mais perigo, obrigando ao goleiro Gábor Kiraly a realizar ótimas defesas.

Gábor Kiraly foi o melhor em campo pela Hungria

Fonte: www. wordpress.com

No segundo tempo, a tentativa húngara de pressionar mais começou a surtir mais efeito e, além dos chutes de fora da área de Ádám Pintér, o centroavante Ádám Szalai começava a incomodar ainda mais a defesa belga. Teve duas chances para tentar empatar o jogo, na primeira ele tabelou com Ádám Nagy e soltou a bomba a esquerda do gol de Thibaut Courtois e na segunda, numa tentativa perigosa, ele chegou a cabecear uma bola cruzada pelo capitão Balázs Dzsudzsák, mas a bola bateu no rosto de Thomas Vermaelen e saiu a escanteio. O lance mais perigoso do time belga foi num chute de fora da área de Ádám Pintér, onde a bola bateu em Axel Witsel e quase encobriu o goleiro Thibaut Courtois, que deu um pulo pra trás para realizar uma bela defesa.

Os quinze minutos finais foram catastróficos para os húngaros. Em um tempo de oito minutos, a seleção levou os três gols da equipe belga e não evitou a goleada dos diabos vermelhos.  Primeiro com Michy Batshuayi que completou o cruzamento de Eden Hazard com perfeição. Depois, no minuto seguinte, foi a vez de Eden Hazard fazer um carnaval na zaga húngara e ampliar a partida. Por fim, em um contragolpe mortal, foi Yannick Carrasco que recebeu de Radja Naingollan e bateu na saída de Gábor Kiraly. A equipe até tentou diminuir numa boa virada de Ádám Szalai que obrigou a Thibaut Courtois a realizar uma outra boa defesa, mas se não fosse o goleiro Gábor Kiraly, a goleada poderia ter sido ainda maior.

Jogadores e torcida da Hungria cantam o hino no final da partida

Fonte: www.sportv.globo.com


Após o fim de jogo, a torcida reconheceu todo o empenho dos jogadores durante a UEFA EURO 2016 e cantaram o hino do país em campo como uma forma de homenageá-los pelo feito depois de 44 anos ausentes do torneio e 34 anos fora de todas as competições oficiais. O que resta a Hungria agora são as eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018, onde estará na mesma chave que Portugal, Suíça, Letônia, Ilhas Faroe e Andorra. Sua estreia será contra as Ilhas Faroe, no dia 6 de setembro, fora de casa.


HUNGRIA
C
G
S

BÉLGICA
C
G
S


1
GK
Gábor Király
8,5
1
GK
Thibaut Courtois
8,5

2
DF
Ádám Lang
3,0

16
DF
Thomas Meunier
6,5

20
DF
Richárd Guzmics
5,0
2
DF
Toby Alderweireld
6,0
1

23
DF
Roland Juhász
6,0
80'
3
DF
Thomas Vermaelen
5,0


4
DF
Tamás Kádár
4,5

5
DF
Jan Vertonghen
6,0

10
MF
Zoltán Gera
5,0
INT
4
MF
Radja Naingollan
7,0

8
MF
Ádám Nagy
5,0
6
MF
Axel Witsel
6,5

16
MF
Ádám Pintér
6,5
74'
14
FW
Dries Mertens
7,0
70'

14
MF
Gergő Lovrencsics
6,0
7
MF
Kevin De Bruyne
9,0

7
FW
Balázs Dzsudzsák ©
7,0
10
MF
Eden Hazard ©
9,0
1
80'

9
FW
Ádám Szalai
6,5

9
FW
Romelu Lukaku
7,5
75'


3
DF
Mihály Korhut

8
MF
Marouane Fellaini
5,0

80'

5
DF
Attila Fiola

11
MF
Yannick Carrasco
7,0
1
70'

6
MF
Ákos Elek
5,0

INT
12
GK
Simon Mignolet


11
FW
Krisztián Németh

13
GK
Jean-Francois Gillet


12
GK
Dénes Dibusz

15
DF
Jason Denayer


13
FW
Dániel Böde
5,0
80'
17
FW
Divock Origi


15
MF
László Kleinheisler

18
DF
Christian Kabasele


17
FW
Nemanja Nikolić
4,5
74'
19
MF
Mousa Dembélé


18
MF
Zoltán Stieber

20
FW
Christian Benteke


19
FW
Tamás Priskin

21
DF
Jordan Lukaku


21
DF
Barnabás Bese

22
MF
Michy Batshuayi
6,5

1
75'

22
GK
Péter Gulácsi

23
DF
Laurent Ciman


-
TR
Bernd Storck
5,5
-
TR
Marc Wilmots
9,0




C
Cartão
C
Cartão


G
Gol
G
Gol


S
Substituição






S
Substituição






Produzido pelos colunistas:

Sérgio Júnior || @fantastico_scr || HUNGRIA
Marcos Paulo || @makavista || BÉLGICA
←  Anterior Proxima  → Inicio

Inscreva-se no canal LFTV

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Mais lidas da semana