A SUA LINHA DE NOTÍCIAS

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

TWITTER

FACEBOOK

Premier League Brasil

Siga-nos nas redes sociais

Popular Posts

Quem sou eu

CLASSIFICAÇÃO

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Figueirense perde partida e técnico

Na noite deste domingo, o Figueirense recebeu a equipe do Cruzeiro para mais uma rodada da Série A do Brasileirão. E jogando mal, o Figueira foi mais uma vez derrotado. Agora, pelo placar de 2x1, e que culminou com o pedido de demissão do técnico Argel Fucks.


Numa noite fria e com até previsão de chuva, a torcida do Figueira levou um banho de água fria logo no início de partida. Mais precisamente aos 3 minutos. Robinho cobrou falta na área alvinegra, o zagueiro Marquinhos desviou e Henrique aproveitou para abrir o placar. Aos 12', o Figueirense quase empatou quando Dodô levantou bola na área e Rafael Moura cabeceou na trave de Lucas França. Aos 31', Lucas arrematou para o gol e Thiago Rodrigues fez boa defesa. Aos 37', Cruzeiro cruzou bola na área, ninguém desviou e ela explodiu no travessão do goleiro alvinegro. A partir daí, até o final de primeiro tempo, só deu o time mineiro e em algumas vezes por pouco não ampliou o marcador.

Na segunda etapa, praticamente um "revival" do primeiro tempo. Aos 2 minutos, bate rebate na área, bola na trave alvinegra, e Ramón Ábila completou para o gol e aumentou a vantagem cruzeirense. De tudo quanto é jeito, o Figueirense tentava ir atrás do placar. Porém o nervosismo somente atrapalhava, e aos 17' mais um empecilho para o Figueira. Carlos Alberto impediu com falta a saída rápida do ataque mineiro, recebeu segundo cartão amarelo e foi expulso. Nada dava certo para os catarinenses. Os mineiros administravam a partida com certa tranquilidade. Aos 43', a zaga do Cruzeiro falhou, Ferrugem roubou a bola e bateu na saída de Lucas França. Com parte da torcida empurrando o time para o taque, o Figueira pressionou durante os últimos, mas sem sucesso. E assim terminou a partida.

Além de perder a partida, com essa derrota por 2x1, o Figueirense também perdeu a sua invencibilidade jogando dentro de casa nesse Brasileirão. E viu seu técnico, Argel Fucks, pedir demissão. Em busca de um novo treinador, o Figueirense voltará a campo já na quarta-feira, contra o Flamengo, pela estreia da Copa Sul-Americana. O caminho é longo para o Figueira até o fim da temporada, e a famigerada luz no fim do túnel não está à vista. Torcedor alvinegro, se você sabe rezar, reze. Reze muito.

Ficha Técnica - Figueirense 1x2 Cruzeiro

Data: Domingo, 21 de agosto de 2016
Horário: 18h30 (horário de Brasília)
Local: Estádio Orlando Scarpelli, Florianópolis, SC
Público e renda: 2.900 presentes; 2.578 pagantes; renda de R$ 29.655,00
Arbitragem: João Batista de Arruda (RJ); Michael Correia (RJ), João Luiz Coelho de Albuquerque
Cartões amarelos: Carlos Alberto, Ferrugem e Marquinhos (FIG); Edimar, Henrique, De Arrascaeta, Robinho e Lucas (CRU)
Cartão vermelho: Carlos Alberto (FIG)
Gols: Ferrugem (FIG); Henrique e Ramón Ábila (CRU)

Figueirense: Thiago Rodrigues; Ayrton (Lins), Marquinhos, Bruno Alves, Pará; Jackson Caucaia, Ferrugem, Dodô (Élvis), Yago (Jefferson), Carlos Alberto; Rafael Moura | Técnico: Argel Fucks

Cruzeiro: Lucas França; Lucas, Manoel, Bruno Rodrigo, Edimar; Henrique, Lucas Romero, Robinho (Marcos Vinícius); De Arrascaeta (Rafinha), Rafael Sóbis, Ramón Ábila (William) | Técnico: Mano Menezes

Patrick Floriani Silva | @figueiradepre

Benfica só empata com o Vitória de Setúbal

Raul Jiménez fez o gol benfiquista no jogo (Foto: Correio da Manhã)
O Benfica perdeu os primeiros pontos no campeonato nacional ao empatar por um gol com o Vitória de Setúbal em jogo válido pela segunda rodada da Liga NOS. Frederico Venâncio abriu o marcador para os visitantes logo no início do segundo tempo, enquanto Raúl Jiménez de pênalti igualou a partida, um resultado muito comemorado pelos sadinos e péssimo para o Glorioso, que já desperdiça os primeiros pontos logo na segunda jornada.

No retorno à Luz, casa do tricampeão nacional, após uma enorme ausência, os jogadores encarnados encontraram uma atmosfera magnífica com mais de 60.000 torcedores fazendo uma linda festa criando o ambiente perfeito para um início com vitória em casa. Houveram-se poucas mudanças do time da primeira rodada que venceu o Tondela, para o de ontem, apenas a entrada de Lisandro López na vaga de Luisão e de Salvio na vez de Gonçalo Guedes, como o capitão Luisão estava ausente, Salvio herdou a braçadeira para o jogo.

Mesmo com um ambiente intimidador nas arquibancadas, o Vitória de Setúbal apresentou-se muito organizado no setor defensivo e jogava com as linhas muito recuadas. Não dava oportunidades para Mitroglou, único atacante de ofício no jogo fazer absolutamente nada. Cervi também não conseguia desenvolver seu jogo, as melhores jogadas foram tramadas por Horta, Salvio e Pizzi, Neste momento damos conta da ausência importante que é Jonas para o time benfiquista. O intervalo veio e o placar seguia o mesmo 0-0.

Ao intervalo, o nulo no marcador era reflexo do bom posicionamento dos jogadores de José Couceiro, enquanto que do lado do Benfica a forte pressão com que terminou a primeira parte era um bom indicador para o segundo tempo.

No arranque da etapa final, Rui Vitória lançou em jogo Raúl Jiménez e retirou Franco Cervi. O mexicano agitou o jogo, com dois atacantes e Raúl tentando fazer a função que Jonas faz em campo. Ele foi bem, o placar parecia que seria aberto há qualquer momento.

E foi, mas quem abriu foram os sadinos, e num lance de bola parada, o Vitória de Setúbal. Frederico Venâncio após cruzamento na direita de Nuno Pinto. A bola bem colocada para o coração da área parece receber um leve desvio do capitão sadino e acabou no fundo das redes de Júlio César, que nada pode fazer. 1 a 0 Vitória.

Com a necessidade de somar três pontos em casa e com a derrota parcial, Rui Vitória fez entrar Carrillo e tirou Pizzi, logo na primeira oportunidade o peruano perdeu uma chance incrível de inaugurar o marcador. Daí em diante o Vitória tentava administrar a vantagem, mas o Benfica ainda conseguiria uma penalidade pra cobrar, em meio a tamanhos absurdos de faltas não assinaladas pelo juiz fiquei até surpreso com a marcação. Raúl Jiménez cobrou e empatou o jogo aos 82 minutos, 1-1. O Benfica ainda pressionou, mas a selvageria de faltas continuava, e nada assinalado. No fim de jogo um empate amargo para o Benfica e com gosto de vitória para o Vitória de Setúbal.

E para quem possa achar que é o fim do mundo, não é. O Benfica na última época estava oito pontos atrás, era o terceiro colocado também, havia perdido pontos no começo do campeonato e no fim o Marquês se pintou de vermelho. Que venha a próxima batalha.

Na modesta Trier, Dortmund se classifica

No pequenino Moselstadion, com capacidade para mais de 10 mil torcedores. O Dortmund foi enfrentar o Eintracht Trier, clube da quarta divisão do futebol alemão que não se encontra bem no campeonato, ocupando as últimas posições.

Lá, em Trier. O clube auri-negro venceu a partida com gols marcados no primeiro tempo. Sendo assim, se classificando para a próxima fase da Copa da Alemanha.

Foto: Squawka Football
Jogo

Com um elenco pouco alterado, em relação à última partida, o Dortmund foi avante. Weidenfeller, Schürrle foram as novidades no onze inicial de Thomas Tüchel. Dembele ficou no lado direito do ataque, já que o time teve a entrada do camisa 9 da seleção alemã. Schmelzer, assim como o jogo contra o Bayern, foi o capitão da equipe preto e amarela.

Em tentativa de contra-ataque do clube da casa, que acabou mal sucedida. O Dortmund aproveitou a bola e iniciou um ataque rápido. Kagawa tocou a bola para Schürrle na esquerda, que cruzou para a área. Aubameyang de forma inteligente passou de volta para Kagawa, que dominou e marcou na saída do goleiro: 1 a 0 Dortmund aos 8' minutos.

Foto: Squawka Football
Riedel, jogador do Trier, recebeu cartão amarelo após entrada perigosa em Schürrle aos 18'. O auri-negro aos 21' pareceu "revidar" a entrada perigosa em Riedel, e também recebeu cartão amarelo. Com tanta posse de bola do Dortmund, não demorou muito para o segundo gol sair.

E o gol veio novamente Kagawa. Castro começa jogada pelo meio, tenta o passe com Schürrle, que não domina. A bola sobra para Shinij sozinho, que nem precisou dominar, foi chutando para o gol livre de esquerda. Dortmund 2 a 0, aos 33 minutos.

No último minuto da primeira etapa, Schürrle que havia participado dos dois outros gols, marcou o seu. O primeiro dele com a camisa do Dortmund. Dembelé levou a bola pelo meio, deu passe em profundidade na área para Aubameyang, que vai ao fundo e cruza na segunda trave para Schürrle, o atacante bateu de direita, o goleiro ainda toca nela, mas a bola morre no fundo do gol. Dortmund 3 a 0 aos 45' minutos.

Na segunda etapa, Schürrle deixou o campo com 92% de acerto em seus passes. Saiu aos 55' para a entrada de Ramos. Rode deu lugar a Mor aos 68'. Guerreiro fez sua estreia pelo Dortmund. O defensor substituiu Dembelé no minuto 69'.

Após as três substituições, o Dortmund continuou arriscando. Ramos tentava mostrar certo entrosamento com Aubameyang, mas não conseguiam marcar o gol. Mor fez boa jogada individual aos 82', mostrando que pode ter um bom futuro e fazer uma ótima temporada pelo Dortmund. Já no final, aos 87', Mor passou por cinco marcadores e serviu Aubameyang, que finalizou para fora.

Próxima fase

O adversário na próxima fase será conhecido na sexta-feira, quando os confrontos serão sorteados. Agora o Dortmund volta às atenções para o início da caminhada no Campeonato Alemão. A estreia acontecerá no sábado, dentro de casa, contra o Mainz.

Público presente na partida: 10.805 (fornecido por kicker.de)

Ceará é derrotado fora de casa, mas segue no G4

Na volta do Campeonato Brasileiro da Série B, após a parada inexplicável por conta das Olimpíadas, o Vozão voltou a atuar e foi derrotado pelo Paysandu por 2x0. Derrota que felizmente para o torcedor alvinegro não fez com que o Ceará perdesse posições e prossiga na 2ª colocação, mas infelizmente fez com que a diferença para o líder Vasco subisse para mais um ponto. Outro ponto negativo foi ver a diferença para o 5ª colocado diminuir, pois o mesmo venceu e agora a diferença é de apenas dois pontos.

(Foto: Fernando Torres/ Paysandu)
O Ceará tem um péssimo histórico quando acontecem as paradas nos campeonatos em que está disputando, vale redobrar à torcida para que esse fator não venha atrapalhar a equipe esse ano, em que o clube está bastante forte e confiante com o acesso. Vale lembrar também que o Ceará pouco contratou jogadores para reforçar o elenco e que está faltando um meio campista para assim fechar de vez o elenco, já que problemas de contusão tem atingido o alvinegro de Porangabuçu.

A partida foi bastante disputada, não se pode crucificar o elenco alvinegro pela derrota, o Papão começou pressionando mais e ao longo da partida soube melhor aproveitar as oportunidades, que foram os dois gols de bola parada do zagueiro Gilvan. O Vovô começou o segundo tempo muito bem, não soube aproveitar disso e os donos da casa que aos 21 minutos já venciam de 2x0 souberam administrar a partida e venceram a partida.

Vale lembrar que bola parada não é lá um problema do Ceará, então pode ser dito que o mérito é do jogador da equipe bicolor. Destaque deve ser dado também aos goleiros que fizeram uma boa partida. Infelizmente não se pode dizer o mesmo do atacante Ciel que reestreou no Vozão, após ser considerado rei do mundo Árabe, não jogou nem um tempo inteiro e acabou recebendo um cartão amarelo, mas pode se esperar muito desse jogador, já que a contratação do mesmo só aconteceu pela vontade do mesmo em retornar a o Ceará.

O alvinegro receberá o CRB na próxima rodada da Série B, a partida será na Arena Castelão, sexta-feira, às 21h30. A torcida está convocada para lotar e fazer uma festa tão linda quanto na última partida em casa, e também matar a saudade do alvinegro. 

FICHA TÉCNICA:

Data: 20 de agosto, sábado
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS)
Assistentes: Jorge Eduardo Bernardi e Lucio Beiersdorf Flor (RS)
Gols: Gilvan, aos seis minutos do primeiro tempo e aos 21 minutos do segundo tempo.

PAYSANDU: Emerson; Roniery, Fernando Lombardi, Gilvan (Gualberto) e João Lucas; Ricardo Capanema, Augusto Recife, Lucas e Celsinho (Jhonnatan); Tiago Luís e Mailson (Leandro Cearense). Técnico: Dado Cavalcanti

CEARÁ: Éverson; Eduardo (Tiago Cametá), Valdo, Charles e Thallyson; Baraka, Diego Felipe, Felipe (Rafael Costa) e Wescley; William Henrique (Ciel) e Bill. Técnico: Sérgio Soares

Agüero e Nolito decidem e colocam City no topo

Mais uma vez brilhou o oportunismo de Nolito (MirrorUk)
O jogo foi meio maluco. Pênaltis muito mal marcados, placar mentiroso e oportunismo marcaram mais uma vitória Citizen no campeonato. O resultado até pode mostrar que a partida acabou parecendo tranquila após os dois gols no fim de Nolito, mas a história não foi muito bem assim. O 4 a 1 a favor do City foi mentiroso.

City abriu o placar logo no meio da primeira etapa em um pênalti bem duvidoso marcado em cima do xerifão Otamendi. Pênalti cobrado por El Kun Agüero, que tinha perdido dois no meio de semana pela Liga dos campeões, mas dessa vez o pai do Benjamim converteu e colocou o Citão na frente.

Cinco minutos depois, o maior argentino da história da Premier League fez mais um, e esse foi histórico, Agüero ultrapassou um dos grandes artilheiros da era recente do campeonato inglês, Didier Drogba, Kun fez seu gol de número 104 na competição, passando à frente do marfinense que tem 103. Com o gol, Agüero já assume a artilharia empatada com um irrelevante atacante do lado mal de Manchester.

A segunda etapa começou com o pênalti mais absurdo marcado que vi em toda minha vida de torcedor, não consigo explicar, já que não há explicação, só posso dizer que Bojan converteu o penal para o Stoke e colocou fogo no jogo, tá, nem tanto, mas até que os potters pressionaram um pouco, principalmente depois que o City começou a cansar. Guardiola percebeu isso e fez mudanças, Nolito entrou no lugar do atleta de 100 metros rasos, Jesus Navas. E Iheanacho entrou no lugar do já sonolento Agüero.

City conseguiu vitória sobre a chata equipe do Stoke (MirrorUk)
As alterações surtiram muito efeito, e o gol tranquilizador veio através dos dois, Iheanacho fez bela tabela com Silva e cruzou pra Nolito, que sem goleiro só teve o trabalho de escorar e garantir a vitória azul. Mas ainda tinha mais, em outro contra-ataque, Sterling partiu sozinho e escorou pra Nolito, mais uma vez bem posicionado, fechar o caixão do clube de coração da eterna lenda do boxe Sugar Ray Leonard.

Fim de papo, Guardiola com aproveitamento 100% até agora em terras inglesas. O grande teste do Catalão será contra o rival da cidade que não vou citar o nome. O clássico acontecerá no dia 10 de Setembro. ALÔ MOURINHO, TÔ CHEGANDO HEIN!!!

Rio2016: O futebol dos sonhos que se realizam e dos que se adiam

Nesta Olimpíada, torcedores do país do futebol puderam experimentar sensações únicas e opostas. Se numa categoria tínhamos a felicidade de um sonho realizado, na outra a frustração de um sonho que será adiado novamente.

Seleção Feminina: Começo dourado para um fim amargo 
(Foto: @CBF_Futebol)
Durante a fase de grupos, a excelente campanha da Seleção Brasileira Feminina, com duas grandes vitórias e um empate, acabou contrastando com a do Masculino. Fazendo com que as nossas representantes se sentissem ainda mais abraçadas por uma torcida que se demonstrou conscientes e que não deixou de apoiá-las nem nos maus momentos.

Resultados positivos, entre muitas outras coisas, levavam a crer que seria o momento de ver a nossa tão esforçada Seleção tornar-se campeã olímpica. Porém, mais uma vez, as nossas meninas, que chegaram ali com seus próprios pés, viram o sonho do ouro se desfazer.

Desta vez, a Suécia foi algoz da não realização. As suecas aprenderam que o melhor modo de lidar com grandes seleções, era justamente evitar que as grandes jogadoras pudessem finalizar com facilidade. Elas fizeram uma linha de defesa que dificultou muito a vida das brasileiras, impedindo-as de finalizar com êxito.

Nos pênaltis, a eliminação começou a ser “pintada” com os pés de Cristiane, que não conseguiram enganar a goleira. Bárbara tentou, mais uma vez, impedir a morte do sonho. Mas, Andressinha acabou perdendo o pênalti que culminou no fim da esperança de ir para disputa do ouro.

O bronze foi, então, disputado contra o Canadá, que é um dos países que mais valoriza a categoria feminina do esporte, tendo quatro divisões de campeonato feminino. As meninas lutaram, entretanto o que parecia o “óbvio” acabou se concretizando e o Brasil encerrou sua participação na Olimpíada no quarto lugar.

Formiga: foram seis Olimpíadas e duas medalhas de prata
Ao final da disputa pelo terceiro lugar, Formiga afirmou o que já era esperado, a "nossa garota" de 38 anos, se despediu da Seleção em Jogos Olímpicos e fez um pedido especial ao torcedor "Não desistam da gente, porque a gente não vai desistir".

Não foi dessa vez que o ouro veio, Formiga. Mas ninguém aqui vai desistir. O nosso país abriu o olho e torcemos para que não volte a fechar, que não deixem de apoiar o Futebol Feminino, que tem tudo para crescer. É hora de fazer a nossa parte, de apoiar até os pequenos campeonatos, de não se acomodar e não “deixar estar”. É hora de começar um novo ciclo, de dar condições a essas meninas, para que finalmente elas possam vibrar o ouro. E quando isso acontecer, Formiga, vai ser por você.

Seleção Masculina: Redenção que vale ouro

O Futebol Masculino teve de dar início a sua Olimpíada sem a confiança da torcida. Dois empates em 0 a 0 seguidos deram aos torcedores mais motivos para criticar o futebol jogado pelos nossos rapazes.

(Foto: Divulgação)
Mas a redenção estaria por vir e foi na Bahia que ela começou. Com um gigantesco 4 a 0 nos dinamarqueses, a Seleção Brasileira garantiu a classificação e começou a dar esperança ao torcedor brasileiro.

Nem tudo seria tão fácil, apesar dos jogos da quartas de final e da semifinal terem dado essa dimensão, a final do Futebol Masculino trazia não só um adversário difícil, porém o último algoz da Seleção Brasileira na Copa do Mundo, a Alemanha.

Na disputa nos pênaltis, Weverton defendeu o quinto pênalti e Neymar só precisava balançar as redes para reconquistar a torcida. Ele fez e foi ao choro, junto de todos os outros atletas que fizeram o Brasil conquistar a tão sonhada medalha de ouro na Olimpíada. Fazendo da nossa Seleção, a maior do mundo, tendo sido campeão em todos os campeonatos que disputou.

Ao final da partida, o melhor jogador brasileiro falou para todos nós "vão ter que me engolir". E nós respondemos com todo gosto, que teremos muita felicidade em fazer isso. Um agradecimento especial a esses rapazes que renovaram o nosso orgulho e fizeram a nossa esperança se recuperar. O nosso futebol aos poucos vai se recuperando e logo trará novas alegrias.

(Fotos: @CBF_Futebol)

Rio 2016: Atletismo, a consagração de Bolt e o ouro solitário de Thiago Braz

A Rio 2016 acabou e o que ficou foi a saudade. O esporte mais nobre da Olimpíada deixou muita história pra contar. No atletismo, foram sete recordes olímpicos quebrados e mais três recordes mundiais superados. Destaque para os 6,03m que Thiago Braz saltou, ultrapassando a marca olímpica e conquistando o ouro para o Brasil.

Usain Bolt se tornou tri-campeão Olímpico nos 100m, 200, e revezamento 4x100m. Foto: Reprodução Oficial Twitter
Os grandes vencedores do Atletismo nos Jogos foram os Estados Unidos, com um total de 32 medalhas, sendo 13 de ouro, 10 de prata e nove de bronze. Destaque para os 100m com barreiras feminino, em que as americanas dominaram o pódio, ouro com Brianna Rollins, prata com Nia Ali e bronze com Kristi Castlin.  As meninas também foram ouro nos revezamentos 4x100m e 4x400m. Dentre os homens, menção honrosa a Galen Rupp, bronze na maratona.

O segundo lugar no quadro de medalhas do Atletismo ficou para o Quênia com 13 medalhas, seis ouros, seis pratas e um bronze. Sempre se destacando nas provas de resistência, não podia dar outro país se não eles nas maratonas. A prova mais nobre dos Jogos teve Jemima Jelagat Sumgong como vencedora no feminino e Eliud Kipchoge foi ouro no masculino. Vivian Cheruiyot também foi destaque com o ouro nos 5000m e ainda alcançando o recorde olímpico, além da prata nos 10.000m.

As provas de velocidade foram dominadas pela Jamaica, terceira colocada no quadro de medalhas com seis ouros, três pratas e dois bronzes. E ai vale uma citação especial a Usain Bolt, se ele já era um ídolo do esporte, agora se tornou uma lenda. Bolt deixa o Rio como tricampeão olímpico nos 100m, 200m e revezamento 4x100m com a equipe jamaicana. As meninas não ficaram para trás, Elaine Thompson também levou o ouro para seu país nos 100m e 200m, além da prata no revezamento 4x100m.

Thiago Braz conquistou o ouro e recorde olímpico no salto com vara. Foto: Reprodução Oficial Twitter
E o Brasil? Ah, o Brasil, conquistamos uma única medalha no Atletismo. Mas uma medalha gigante para um país sem investimento e sem base. Foi o ouro de Thiago Braz no salto com vara e com direito a recorde olímpico ao alcançar a marca de 6,03m. A medalha solitária de Thiago Braz deve ser exaltada, mas também tem que servir de alerta, uma única conquista, isso mostra que precisamos evoluir e muito nessa modalidade.

Thiago virou um herói nacional pela sua conquista, fica para a história, mas que não seja lembrado só daqui a quatro anos em Tóquio. Que sua vitória abra os olhos da nação para o esporte, não só para o Atletismo, mas o esporte uma forma geral.

Depois de um breve desabafo, segue a lista dos recordes alcançados no Atletismo da Rio 2016:

Recordes Olímpicos

10.000m rasos feminino: AYANA Almaz (Eitópia) 29:17.45;
400m rasos masculino: VAN NIEKERK Wayde (África do Sul) 43.03s;
Lançamento do martelo feminino: WLODARCZYK Anita (Polônia) 82.29m;
Salto com vara masculino: DA SILVA Thiago Braz (Brasil) 6.03m;
3.000m com obstáculos masculino: KIPRUTO Conseslus (Quênia) 8:03.28;
Decatlo masculino: EATON Ashton (Estados Unidos) 8893 pontos;
5.000m rasos feminino: CHERUIYOT Vivian Jepkemoi (Quênia) 14:26.17.

Recordes Mundiais

10.000m rasos feminino: AYANA Almaz (Etiópia) 29:17.45;
400m rasos masculino: VAN NIEKERK Wayde (África do Sul) 43.03s;
Lançamento do martelo feminino: WLODARCZYK Anita (Polônia) 82.29m.

Lucas Felipe (@lsouza73)

Coritiba vence de virada

Jogadores Alviverdes comemorando o golaço marcado por Iago
(Coritiba/Divulgação)
Na estreia da nova camisa Jogadeira, o Verdão recebeu a equipe do Santos na noite de ontem (21/08) no Estádio Couto Pereira. A equipe Alviverde saiu atrás do placar, mas com Kléber na raça e Iago Dias com um golaço, o Coritiba virou e somou três pontos na competição.

1º tempo muito equilibrado e de poucas chances claras

Para o jogo de ontem, o técnico Carpegiani não pode contar com Kazim, que foi vetado pelo DM. Mas em compensação teve a volta à equipe de Kléber e de João Paulo. Assim, o Coritiba foi para campo com: Wilson, Dodô, Luccas Claro, Juninho, Cesar Benitez, Edinho, João Paulo, Raphael Veiga, Juan, Neto Berola e Kleber.

O Coritiba entrou em campo já sabendo que teria uma missão difícil: bater o Santos que está brigando no topo da tabela. Com o apito inicial, o time alviverde iniciou buscando ofensividade.

Lucas Lima recebeu na esquerda, mas a bola foi para fora. Assim criando a primeira chance para os visitantes. O Coritiba respondeu aos 14', com Raphael Veiga sem sucesso na conclusão.  Na sequência, o prata da casa aplicou um chapéu sobre Lucas Lima e sofreu a falta. Juan bateu e depois da confusão na área, o árbitro assinalou falta de ataque.

O jogo seguiu sem grandes chances para as duas equipes, até que aos 30', Wilson fez boa defesa no chute de Ricardo Oliveira. Do outro lado, Vanderlei salvou o que seria o gol do Coritiba, com Kléber se esticando todo para alcançar a bola.

2ª etapa de definição da partida

Para 2º tempo, o Coxa voltou sem nenhuma alteração. O jogo, no entanto, começou mais movimentado. Aos 4', o Santos chegou com Vitor Bueno, a bola desviou em Juninho e foi pela linha de fundo.

Aos 14', o Santos abriu o placar. João Paulo recuou a bola de forma bisonha, Ricardo Oliveira aproveitou e mandou para as redes. Carpegiani então promoveu a entrada de Evandro no lugar de Cesar Benitez.

O Coxa seguia atrás do empate e ele veio aos 27'. Raphael Veiga cruzou para a área após o lateral ter sido cobrado rapidamente. Evandro se esticou, Vanderlei deu o rebote e Kléber mandou para dentro do gol.

Após o empate Alviverde, o técnico Carpegiani colocou Iago Dias no lugar de Neto Berola. Iago passou na medida para Evandro que mandou uma bomba. Mas a trave atrapalhou os planos do Verdão e a bola voltou para o jogo. Mas ainda tinha jogo.

Aos 38', Wilson fez uma bela defesa no cabeceio de Gustavo Henrique. Dois minutos depois, saiu a virada Coxa-branca. Iago Dias ajeitou, olhou com carinho e mandou um petardo. A bola morreu no ângulo esquerdo de Vanderlei e a torcida coxa-branca comemorou muito. Coritiba 2x1 Santos. A última substituição do Coxa foi a entrada de Thiago Lopes no lugar de Raphael Veiga.

Com a vitória de virada sobre o Santos, o Coritiba pula para a 14ª posição. O próximo compromisso Alviverde já é na quarta-feira contra o Vitória na 1ª partida da Copa Sul-Americana 2016 no Estádio Barradão. Pelo Brasileirão o Coritiba irá domingo visitar a equipe do São Paulo.

É evidente a mudança de postura dos jogadores Alviverdes em campo após a contratação de Carpegiani para o comando técnico. Esse que foi o grande problema Coxa-branca no 1º turno, partidas em que estivemos ganhando e levamos o empate e consequentemente perdíamos. Aparentemente isso mudou com Carpegiani, o jogo virou para o Coritiba. Pachequinho salvou a equipe ano passado do rebaixamento, porém todos sabiam que ele ainda não está preparado para assumir de vez o Coritiba, jogamos a maioria do primeiro turno inteiro fora.

Valeu Coxa!!!
Valeu Carpegiani!!!

Texto feito por: @Andreysuldovski

Sampaio faz bom jogo, mas fica no empate com o Vasco

O Sampaio Corrêa foi a Cariacica-ES enfrentar o Vasco, neste último sábado (20). O confronto de extremos na tabela foi bem dividido, com o “time da casa” fazendo um bom primeiro tempo e os visitantes mandando no segundo. O líder do campeonato ainda precisou de uma ajudinha da arbitragem para evitar a derrota em seu aniversário. O resultado em 1 x 1 não foi bom para o tricolor, que precisa desesperadamente de vitórias.

Foto: Carlos Gregório Jr. (vasco.com.br)


Somente aos 14 minutos, a primeira chance de gol foi criada. Nenê lançou para Ederson dentro da área, a defesa do Sampaio não interceptou o passe e o atacante finalizou no centro do gol para a tranquila defesa de Rodrigo Ramos. Aos 23’, o Vasco voltou a levar perigo. Nenê recebeu de Madson na área e chutou colocado com muito perigo.

O gol do time cruzmaltino saiu após pênalti assinalado de Luiz Otávio em Madson. O zagueiro tricolor levantou a perna na altura do peito do lateral e recebeu o cartão amarelo. Nenê fez a cobrança e converteu em gol, aos 30’. Dois minutos depois, o time da casa quase amplia o placar.

Após falha na saída de bola do Sampaio, o ataque vascaíno fez uma triangulação dentro da área e Ederson finalizou com perigo. Somente no minuto final, o Tricolor de São Pantaleão levou relativo perigo. Pimentinha finalizou da entrada da área. O chute não foi tão forte, mas perigoso. Elias quase chega à bola para desviar.

O segundo tempo reservou maiores emoções para a torcida da Bolívia Querida. Logo aos 4 minutos, Enercino levantou a bola na área em cobrança de falta e Héverton, que havia entrado no intervalo no lugar do lateral esquerdo Renan Luís, desviou de cabeça para empatar a partida.

O tricolor não se intimidou diante de um adversário que vive situação completamente oposta e partiu para o ataque. Pimentinha tabelou com Elias na entrada da área e chutou para a defesa de Martín Silva. Na sobra, o atacante finalizou, mas o goleiro novamente fez a defesa. Aos 23 minutos, o Vasco quase desempata a partida. Yago Pikachu lançou para Ederson dentro da área, que finalizou na trave direita de Rodrigo Ramos.

O Sampaio conseguiu criar mais uma chance após lançamento de Lucas Sotero para Pimentinha. O atacante tricolor entrou na área, driblou o marcador e chutou para a defesa do goleiro vascaíno.

Aos 40 minutos, ocorreu o lance polêmico da partida. Em cobrança de falta, Rayllan levantou a bola na área e Wágner Fogolari testou para o fundo das redes. O árbitro Igor Junio Benevenuto (fiz questão de destacar o nome do sujeito) apontou para o meio de campo, mas o assistente invalidou o lance alegando falta cometida pelo zagueiro do Sampaio no defensor vascaíno, um erro grotesco que custou caro. Já não basta termos convivermos com a falta de pontaria do nosso ataque e com a situação difícil do clube na tabela, ainda temos que lidar com mais um erro ridículo da arbitragem, que nos prejudicou mais uma vez.

O jogo chegou ao fim, com o empate em 1 x 1 persistindo. O Sampaio fez um primeiro tempo ruim, esperando em boa parte apenas em seu campo de defesa e só ameaçou uma vez. O segundo tempo foi totalmente oposto. A entrada de Héverton na lateral deu maior proteção à defesa com as investidas de Madson e o deslocamento de Pimentinha para o lado esquerdo abriu um espaço no sistema defensivo vascaíno, possibilitando a criação de algumas jogadas de perigo. O tricolor teve o controle do meio de campo e da posse de bola.

A situação da Bolívia Querida está cada vez mais complicada, já que não vence e vê seus adversários diretos conquistando vitórias e se distanciando do pelotão de trás. Na próxima rodada o Sampaio volta aos seus domínios para enfrentar o Avaí, no dia 23, terça-feira, às 19h15, no Estádio Castelão, em São Luís. Agora, mais do que nunca, é necessário vencer e seguir vivo na luta. “Vumbora”, Sampaio!

FICHA DO JOGO:
VASCO DA GAMA 1 X 1 SAMPAIO CORRÊA

Local: Estádio Kleber Andrade, Cariacica (ES)
Data/Hora: 20 de Agosto de 2016, às 16h30.
Gols: Nenê, aos 30’ 1ºT (Vasco); Héverton, aos 4’ 2º T (Sampaio)
Cartões amarelos: Andrezinho, Nenê e Diguinho (Vasco); Luiz Otávio, Héverton e Enercino (Sampaio)
Árbitro: Igor Junio Benevenuto (MG)

Vasco: Martín Silva; Madson (Evander), Rafael Marques, Jomar e Henrique; Diguinho, Andrezinho e Nenê; Eder Luís (Yago Pikachu), Éderson e Jorge Henrique (Thalles). Técnico: Jorginho

Sampaio Corrêa: Rodrigo Ramos; Éder Sciola, Wágner Fogolari, Luiz Otávio e Renan Luís (Héverton); Diogo Orlando, Tássio, Rayllan e Enercino (Lucas Sotero); Pimentinha e Elias (Thiago Santos). Técnico: Flávio Araújo

Marcos Fernandes || Twitter: @poetafernandes
Linha de Fundo || @SiteLF
←  Anterior Proxima  → Inicio

Inscreva-se no canal LFTV

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Mais lidas da semana