A SUA LINHA DE NOTÍCIAS

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

TWITTER

FACEBOOK

Premier League Brasil

Siga-nos nas redes sociais

Popular Posts

Quem sou eu

CLASSIFICAÇÃO

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

O que esperar do Atlético de Madrid diante do Leganés

Em busca da sua primeira vitória na La Liga, Atlético visita o Leganés.
Dia 27, o Atlético de Madrid irá visitar a equipe do Leganés, jogo válido pela segunda rodada da La Liga. A partida terá inicio às 17h15 (horário de Brasília).

O Atlético não teve uma boa estreia na La Liga, apenas empatou com o Alavés, em casa, por 1-1, em uma partida onde o time teve várias chances, mas não aproveitou. Ao contrário dos Colchoneros, o Leganés fez uma boa estreia, vencendo o Celta de Vigo fora de casa, por 1-0.

O Atlético de Madrid sofreu muito com erros de finalizações no jogo contra o Alavés. Isso tem que ser corrigido, ou mais uma vez será um jogo ruim para equipe. Com a possível volta de Griezmann, isso deve ser resolvido.

O francês ficou fora da estreia do Atlético de Madrid na liga Espanhola por ter acumulado cinco cartões amarelos no fim do último campeonato. Mas, na partida contra o Leganés, o atacante, provavelmente, já estará em campo.

Griezmann no treinamento. O atacante deve ser titular contra o Leganés.
Foto: Twitter oficial do Atlético.

Apesar do mau desempenho, a equipe ganhou elogio do técnico Diego Simeone: "A equipe teve atitude e intensidade. Tentou ganhar o jogo de todas as formas".

Números do Atlético na partida contra o Alavés. Os Colchoneros foram bem melhores no jogo. Porém, não converteu
em gol.
O lateral brasileiro Filipe Luís, também comentou o empate: "Nós dominamos o jogo. Agora temos que ganhar a próxima."

No papel, o Atlético é favorito para o jogo. Mas, vale lembrar, que contra o Alavés, o clube também era favorito e acabou decepcionando. Boa sorte aos Colchoneros e que vença o melhor.

DecepcioRomou

ROMA 0 x 3 porto

Decepcionante. Vergonhoso. Humilhante. Essas são algumas palavras que descrevem o ‘jogo da temporada’ da Roma. A falta de prudência dos jogadores Romanista nos levou de ‘caçadores a caça’. Três expulsões em dois jogos e o sonho da Champions indo por água a baixo. O que levou o time da goleada no sábado a ser goleado na terça? Não há respostas para o ocorrido... Resta-nos dizer: obrigado Vermaelen, De Rossi e Emerson Palmieri...

(foto: asroma.com)
A agonia começou cedo. Os visitantes abriram o placar antes dos 10’, com Felipe, desta vez para o lado certo (infelizmente). Mesmo atrás do placar, o fato de jogar em casa favorecia a equipe Giallorossa, que não podia nem pensar na possibilidade de perder a vaga. O tempo passava e o gol não saia. No final da primeira etapa, eis que Daniele De Rossi jogou fora toda a sua experiência e liderança sobre o time, fez falta dura e levou o cartão vermelho, aumentando o drama Romanista.

Mesmo em desvantagem no placar e com um homem a menos, o sentimento que ainda dava persistia. Era fazer um gol e levar pros pênaltis ou, na melhor das hipóteses, virar a partida. Todo esse sentimento foi duramente abalado logo aos 5’ da etapa complementar, quando Emerson Palmieri também chegou firme e foi expulsou. Com dois homens a menos e em desvantagem no placar, o time virou alvo fácil: Layún e Corona fecharam o placar, a esperança e o caixão Romanista.

O foco do time agora se vira todo para a Série A, além da Copa da Itália, que deverá começar em dezembro para a equipe da capital, e da Europa League. Pela liga nacional a equipe volta a campo no domingo (28/08) contra o Cagliri, na Sardenha. Os rossoblu estrearam com derrota e estão entre os últimos colocados, já a Roma lidera pelo saldo de gols.

Fellipe Vicentini || @_FellipeS

Com gol no último minuto, o Vasco tem chances de permanecer na Copa do Brasil

No jogo de ida das oitavas da Copa do Brasil, o Vasco enfrentou o Santos na Vila Belmiro e quase tomou um chocolate, mas deu um respirada no final e segue acreditando.

Foto: GE
O primeiro tempo foi de muita marcação vascaína e pouco ataque, já o Santos já começou colocando pressão e atacando com mais eficiência. Aos dois minutos o time da casa levou perigo à área vascaína, com Lucas Lima, se não fosse por Martín o Gol teria saído logo no início do jogo. 

Mas se não teve no início, teve no meio e no final da primeira etapa, aos 29 minutos saiu o primeiro, Lucas Lima cruzou para Renato que subiu sozinho e marcou. A dificuldade ofensiva da equipe carioca refletia no placar e no estilo de jogo, o Vasco só ficou na marcação, fazendo mais faltas e assim saiu o segundo gol.

Aos 36’ Diguinho fez falta em cima do Thiago Maia, falta perigosa, do jeito que Ricardo Oliveira gosta. Ele pediu pra bater e marcou mais um para o Santos, golaço, sem chance para Martín Silva. 2x0 para o time da casa.

Foto: Vasco da Gama Oficial
A segunda etapa começou com uma paralisação por causa do gás de pimenta vindo do lado de fora do estádio, graças a uma confusão das torcidas. Três minutos depois tudo voltou ao normal, o Santos chegou com menos pegada, mais lento, dando mais espaço para o time Cruz-maltino. Aos 14 minutos Andrezinho teve uma ótima chance, chutando na trave e no rebote Rodrigo ainda jogou para fora.

Mas quem fez mais um foram os meninos da Vila Belmiro, aos 20’, depois de uma linda jogada, Renato deu de calcanhar para Lucas Lima que chutou de fora da área, mais um golaço na partida. Aos 30’ veio outro para matar os vascaínos do coração. Ricardo Oliveira fez mais um, seria o 300º da carreira, mas estava impedido, para sorte dos cariocas. 

Só que partida não estava acabada, aos 50’ o Vasco descontou com Éder Luis, melhorando a situação dos cariocas. O jogo terminou 3x0 para o time paulista, 3x2 nos acumulados. A situação não está tão ruim, ainda é possível passar, jogando em casa, com apoio da torcida. 

O jogo de volta será no dia 21 de setembro, em São Januário, às 21h45. Mas o Vasco volta a jogar no sábado (27) contra o Tupi, às 16h30.  Já o Santos receberá o Figueirense, às 11h.
                                                
Ana Clara Soares (@AnaClaraSoares1)
  
Ficha Técnica 

Vasco: Martín Silva, Madson (Evander), Rodrigo, Luan, Júlio César, Diguinho,Nenê (Eder Luís), Andrezinho, William Oliveira (Yago Pikachu), Jorge Henrique, Éderson

Santos: Vanderlei, Victor Ferraz, Gustavo Henrique, Luiz Felipe Zeca, Renato, Thiago Maia, Lucas Lima (Léo Cittadini), Vitor Bueno, Ricardo Oliveira, Gabriel (Jonathan Copete) 

Sem deixar a peteca cair: a hegemonia asiática no badminton

Dupla chinesa fatura o ouro no badminton
Pouco difundido no Brasil, o badminton teve, pela primeira vez na história dos Jogos, dois representantes brasileiros: Ytalo Coelho e Lohaynny Vicente, ambos na disputa individual. Semelhante ao tênis, a modalidade fez sua estreia na Olimpíada de 1992, em Barcelona. São disputados torneios masculinos e femininos, individuais e de duplas, além de duplas mistas.

Mesmo não conhecendo o esporte, o público compareceu em peso no Pavilhão 4 do Riocentro para acompanhar os duelos. Das cinco medalhas de ouro disputadas, quatro foram para o continente asiático. A China, contudo, não teve o desempenho esperado. Detentor de 38 medalhas, nas seis participações da modalidade em Jogos anteriores, o país saiu da Rio 2016 com apenas três pódios, sendo dois ouros.

Simples feminino:

Primeira brasileira a competir no badminton em uma Olimpíada, Lohaynny Vicente se despediu da Rio 2016 com duas derrotas: a primeira para a indiana Saina Nehwal e a segunda para a ucraniana Maria Ulitina, ambas por 2 a 0. Lohaynny, ao lado da irmã Luana, já havia representado o Brasil no Pan-Americano de Toronto, em 2015, quando ganhou a prata. Nas duplas mistas, ela havia ficado com o bronze.

Brasileira Lohaynny Vicente em ação na Rio 2016 (Foto: Saulo Cruz/Exemplus/COB)
E não foi só a brasileira que fez história: no lugar mais alto do pódio, uma espanhola. Carolina Marin derrotou a indiana P.V Sindhu e conquistou a primeira medalha olímpica da Espanha no badminton. Foi a única medalha de ouro no badminton dessa edição que não foi para a Ásia. O bronze ficou com Nozomi Okuhara, do Japão, depois da desistência da campeã em 2012, Li Xuerui (China), por lesão.

Simples masculino:

Assim que entrou em quadra, da mesma forma que Lohaynny, Ygor Coelho de Oliveira fez história no badminton: com apenas 19 anos, o jovem se tornou o primeiro homem a representar o Brasil em uma partida olímpica da modalidade. Embora tenha perdido suas duas partidas, o jogador levou o público ao delírio após cada ponto seu e, ainda, conseguiu vencer um de seus sets, contra o irlandês Scott Evans.

No pódio do badminton masculino individual, mais uma surpresa: o bicampeão olímpico – Pequim 2008 e Londres 2012 –  Lin Dan, da China, não conseguiu nenhuma medalha. Dan, que disputou o bronze, perdeu a partida para Viktor Axelsen da Dinamarca por 2 sets a 1, e terminou sua participação em quarto lugar.

Sem Lin Dan na final, tudo caminhava para que Lee Chong Wei, da Malásia, conquistasse sua primeira medalha de ouro, depois de duas pratas consecutivas – tanto em Pequim como em Lodres, o malásio perdeu a final para Lin Dan. Depois de eliminar seu algoz nas semis, o atleta já estava com um pé em cima do lugar mais alto do pódio. Contudo, ele não esperava que outro chinês estragasse os seus planos. Chen Long, segundo melhor colocado no ranking, venceu os dois sets por duplo 21-18 e levou a medalha de ouro. Chong Wei fica com a terceira medalha de prata em Jogos Olímpicos.

Ygor Coelho representou o Brasil no badminton (Foto: Getty Images)
Duplas femininas:

Invicta, a dupla A. Takahashi e M. Matsutomo, do Japão, ficou com o ouro. Mas não sem antes sofrer um pouco. Na final, venceram as dinamarquesas K.R. Juhl e C. Pedersen por 2x1, mas chegaram a estar perdendo o último set por 19-15, virando o placar no finalzinho, com seis pontos em sequência. Na disputa pelo bronze, deu Coréia do Sul: S.C. Shin e K.E. Jung derrotaram uma dupla chinesa.

Duplas masculinas:

Os chineses H.F. Fu e N. Zhang ficaram com o ouro nas duplas masculinas, W.K. Tan e V. S. Goh da Malásia ficaram com a prata. Após perderem o primeiro game para os malásios por 21-16, os chineses levaram o segundo e o terceiro (21-13 e 23-21), garantindo o ouro em uma emocionante disputa que durou mais de uma hora. O bronze ficou com os britânicos M. Ellis e C. Langridge.

Duplas mistas:

A medalha de ouro foi para a Indonésia. Sem dificuldades, a dupla Natsir e Ahmad derrotou os malásios Chan e Go por 2 sets a 0. Na disputa pela medalha de bronze, enfrentaram-se duas duplas chinesas: Ma Jin e Xu Chen contra Zhang e Yunlei. Em partida apertada, a dupla Zhang e Yunlei, que era, inclusive, favorita ao ouro, venceu os conterrâneos.

Janaína Wille, @janainawille

Dignidade

Goiás e Londrina se enfrentaram nesta última terça-feira (23) pela 21ª rodada da Série B. Em um jogo "travado", o time esmeraldino conseguiu escapar das excessivas faltas cometidas pelo adversário e coube a Patrick, com um chute desviado no zagueiro Everton Sena, marcar o gol solitário da partida. Com essa vitória, o Goiás começa a dar sinais de uma ascensão na Série B, recuperando a dignidade do torcedor goiano que vê agora o seu time na 13ª posição.

Patrick fez o gol que deu a vitória ao Goiás. foto: globoesporte.com
Confesso que fiquei satisfeito com a escalação inicial feita por Léo Conde. Pela primeira vez o técnico abrira mão de Daniel Carvalho no time titular, usando Léo Sena para dar mais velocidade no meio campo e armar contra-ataques, que, aliás, foi o nosso principal objetivo durante o jogo. No primeiro tempo o time esmeraldino usou muito o lado esquerdo, e a velocidade de Carlos Eduardo para atacar, mas somente na bola parada de Ednei que conseguimos levar algum perigo para o Londrina. Foi aos 23 minutos que Patrick pegou o rebote do escanteio e contou com a sorte para encobrir Marcelo Rangel e tirar da garganta do torcedor o grito de gol.

Ainda no primeiro tempo, conseguimos levar perigo nas bolas paradas de Ednei que obrigaram o goleiro Marcelo Rangel a fazer duas defesas difíceis. Porém, foi o Londrina quem mais teve volume de jogo, dessa vez presenciamos uma atuação consistente da zaga que afastou diversas tentativas do Londrina, o time paranaense abusava dos lançamentos em profundidade para chegar ao gol de Ivan. Aos 29’, o goleiro esmeraldino salvava o chute perigoso de Germano, e a partir do minuto 44 até o final da primeira etapa, Ivan conseguiu operar três grandes defesas a nosso favor, decisivas para o resultado final.

Na etapa final, o Goiás se fechou e buscou segurar o resultado de 1x0 para arrumar um gol nos contra-ataques. Para isso, o time contava com a armação de Daniel Carvalho (que entrou no lugar de Léo Lima) e a velocidade de Carlos Eduardo. A falta de qualidade no meio campo do Londrina nos proporcionou um segundo tempo morno, sem grandes chances para os dois lados. O Goiás ainda teve um gol marcado por Rossi anulado de forma incorreta, mas o placar permaneceu o mesmo. Goiás 1x0 Londrina.

No segundo tempo, o esmeraldino se fechou e conseguiu trazer a vitória pra casa. foto: globoesporte.com
Não há quem não goste de vencer, isso é óbvio. Contudo, o torcedor goiano ficou com a sensação que a equipe poderia ter feito mais, já que houve muita "cera" por parte dos jogadores, além de pouco esforço para chegar ao segundo gol e definir o jogo. Deixando de lado tal aspecto negativo, agora a mudança de postura da equipe é perceptível, se antes éramos inseguros com nosso elenco, agora vejo que temos qualidade e confiança o suficiente para trazer alegria à nossas arquibancadas, e finalmente dar ao nosso torcedor o que ele mais quer de volta... A dignidade.


Linha de Fundo ll @SiteLF

Sampaio perde em casa para o Avaí e empaca na lanterna

Diante de sua torcida, no Estádio Castelão, o Sampaio recebeu o Avaí, valendo a 21ª rodada da Série B. O resultado do jogo, 2 x 1, foi longe do que a massa boliviana esperava e mais uma vez o tricolor foi derrotado, a sua 11ª na competição.

Sampaio perde mais uma em casa (Foto: Elias Auê)


Com a suspensão de sua zaga titular, o torcedor boliviano teve calafrios ao ver a escalação do péssimo Rodrigo Arroz. Héverton completou a dupla. Edgar ainda lesionado foi mais uma baixa importante. Enercino fez sua segunda partida como titular em seu lugar.

O Sampaio precisava mais do que nunca vencer e mostrar poder de reação para sair da lanterna e futuramente da zona de rebaixamento. O jogo teve um início de muita marcação de ambas às equipes. Quem fez a primeira investida no ataque foi o Avaí, aos 14 minutos. Rômulo recebeu lançamento do meio de campo e tocou para Lucas Coelho, que chutou forte da entrada da área, mas Rodrigo Ramos espalmou para o lado.

O Avaí quase abriu o placar aos 20 minutos. Após cruzamento da esquerda, a bola passou por todo mundo na área e Renato chegou para finalizar bem perto do gol, mas pegou muito mal na bola e mandou para fora, passando muito próximo ao gol e assustando a torcida da casa.

O primeiro gol da partida saiu aos 27 minutos. Na saída de bola errada do Sampaio, a bola sobrou para Rômulo, após um chute despretensioso de Renato. O atacante avaiano entrou na área e finalizou na saída de Rodrigo Ramos para abrir o placar.

No segundo tempo esperava-se que o Sampaio voltasse mais objetivo, mas a falta de criatividade era a mesma do primeiro tempo. Muitas bolas alçadas na área sem sucesso de conclusão. Aos 10 minutos, o tricolor maranhense teve a sua primeira chance. Após cruzamento da esquerda, Tássio desviou de cabeça e Renan espalmou. Na sobra, Rodrigo Arroz tentou empurrar para o gol, mas esbarrou no defensor quase na linha.

Aos 14 minutos, o Avaí ampliou o placar com Lucas Coelho, após cruzamento da esquerda de Capa. O atacante apenas desviou com o pé direito para o fundo das redes. Falha da defesa boliviana e bom posicionamento do jovem centroavante. Os dois zagueiros estavam no lance e nenhum interceptou o passe. O jogador avaiano recebeu entre os dois sem ser incomodado.

O Sampaio só conseguiu chutar a gol aos 21’. Guilherme Lucena, que entrou no lugar de Sciola, arriscou de longe, mas Renan defendeu tranquilamente. O lateral voltou a aparecer ao cobrar falta lançando na área, mas Héverton testou por cima do gol.

A Bolívia Querida esboçou uma reação aos 41 minutos. Tássio dominou a bola no bico esquerdo da grande área e foi derrubado por Alemão. Elias foi para a cobrança e diminuiu o placar. Mas a reação ficou somente no esboço. O 2 x 1 adverso se confirmou e mais uma derrota vexatória para a conta do senhor Presidente Sérgio Frota.

Durante quase o jogo inteiro, o Sampaio rodou a bola à frente da defesa adversária, mas não conseguiu ser efetivo em suas ações ofensivas. Pimentinha foi o jogador mais incisivo. Na verdade, o único a tentar surpreender a boa marcação do Avaí. O atacante fez algumas boas jogadas de Linha de Fundo, mas não finalizou e nem fez o passe em nenhuma delas, até mesmo porque em quase todas não houve um companheiro que o acompanhasse. Apesar de muito previsível, a única jogada do Sampaio sempre incomodava a defesa do time catarinense. Em uma jogada assim, o atacante foi claramente calçado por trás pelo lateral Capa dentro da área e o árbitro não marcou o pênalti. No lance seguinte, ainda no mesmo minuto, o Avaí abriu o placar. Já é o quarto jogo em que o Sampaio é prejudicado pela arbitragem. Em quase todo o jogo, o tricolor não conseguiu levar perigo ao gol defendido por Renan. Foi apenas uma finalização ao gol. O técnico Flávio Araújo, infelizmente, não pode olhar para o banco com a certeza de que algum jogador ali possa mudar o panorama do jogo. A entrada de Henrique no segundo tempo não melhorou o desempenho da equipe, provando mais uma vez a sua incapacidade de atuar em uma competição de nível mais elevado. Gustavo Marmentini, completamente fora de ritmo, também não acrescentou em nada.

A falta de opções é a prova da deficiência do elenco tricolor e os erros no planejamento da diretoria, em especial o senhor Sérgio Frota, presidente do clube. Está cada vez mais difícil acreditar em uma reviravolta com um elenco tão pífio e sem brilho. A Série C de 2017 está logo ali e quem vai pagar essa conta?

O próximo confronto do Tubarão será contra o Paraná, em Curitiba, no dia 30/08, às 19h15, no Estádio Durival de Brito.

FICHA DO JOGO:
SAMPAIO CORRÊA 1 X 2 AVAÍ

Local: Estádio Governador João Castelo, São Luís (MA)
Data/Hora: 23 de Agosto de 2016, às 19h15
Gols: Elias, aos 41’ 2ºT (Sampaio); Rômulo, aos 27’ 1ºT e Lucas Coelho, aos 14’ 2ºT
Cartões amarelos: Rodrigo Arroz, Elias e Pimentinha (Sampaio); Lucas Coelho, Renan, Tatá e Luan (Avaí)
Árbitro: Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza (SP)

Sampaio Corrêa: Rodrigo Ramos; Éder Sciola (Guilherme Lucena), Rodrigo Arroz, Héverton e Renan Luís; Diogo Orlando, Tássio, Rayllan (Marmentini) e Enercino (Henrique); Pimentinha e Elias. Técnico: Flávio Araújo

Avaí: Renan; Fagner Alemão, Betão, Fábio Sanches e Capa; Luan, Menezes (Judson) e Renato; Rômulo, Lucas Coelho (João Filipe) e Tatá (Caio César). Técnico: Evando Camillato (interino)

Marcos Fernandes || Twitter: @poetafernandes
Linha de Fundo || @SiteLF

Magno quebra a invencibilidade do Xavante em Casa

Não pude ir ao jogo e nem me concentrar muito no radinho, mas até o final achei que iríamos empatar e ainda ganhar. Zebrou. Uma pena porque eu acreditava no G4 ainda hoje. Tivemos um salvo-conduto com a derrota do Londrina e isto nos deixa ainda na quinta posição da tabela.

Primeiro tempo amargo. Um a zero pros caras e o Xavante ficou no prejuízo porque não conseguiu vazar a defesa do Atlético-GO. E o segundo tempo? O que foi aquilo? É, hoje a mandinga pesou contra nós. Na verdade foi uma terça-feira negra para os mandantes porque além do Brasil, Sampaio Corrêa e Londrina também perderam jogando em seus redutos. Para mim está meio esquisito falar do jogo de hoje porque foi a primeira derrota Rubro-Negra dentro de casa nesta competição. Como estamos na vigésima primeira rodada do Campeonato Brasileiro – Série B não é pouca coisa.

Até posso falar do “gol de bicicleta” que o Felipe Garcia quase marcou ou do inacreditável gol perdido por Ramon, mas isso é fichinha diante da enormidade que o Klever jogou. Realmente o goleiro do Atlético/GO foi o “Muralha” da noite e garantiu os três pontos para às bandas de Goiás.


O gol marcado pelo Magno foi outra pancada nada agradável para mim porque ainda tenho vivo na lembrança os tempos em que esse craque vestiu a camisa do Brasil. Grande jogador e deixou saudade. Acho que ele também tem saudade da nossa torcida e por isso não festejou muito hoje aqui no Bento Freitas.


Enfim, para mim, ficou aquele gostinho tipo: “Se eu estivesse no Bento Freitas o Brasil não teria perdido”. Foi-se a invencibilidade em casa. Sei que isto não significa muito porque o que conta é a campanha. Na soma geral de pontos que o campeonato apontará os quatro felizardos que irão para a Série A e o G. E. Brasil segue ali, no cangote do G4. Agora temos uma semaninha para descansar, treinar, treinar e treinar a fim de encarar o Clube Atlético Bragantino e recuperar esses três pontos perdidos.

Hoje o G4 escapou, mas gostei dessa história de pontear a tabela. Que Padim Ciço dê uma força ao Ceará no confronto contra o CRB para que não próxima rodada o Brasil possa abraçar de vez este seleto grupo.


Em tempo: o G. E. Brasil estreou hoje um novo fardamento e isto é que nem sapato novo, todo o mundo quer batizar. Infelizmente o Atlético/GO carimbou o nosso uniforme, mas não dá nada; faz parte. Vamos avante. Agora é Topper!



Sem mudanças, a angústia continua

A Série B está de volta e o pesadelo do torcedor carijó também. Após um primeiro turno pífio, fazendo apenas 18 pontos e ficando a maior parte do campeonato entre os quatro últimos, o Tupi chegou a metade do campeonato na 18ª colocação. A campanha até então, só serviu para confirmar uma realidade que já era esperada: a luta será na parte de baixo da tabela.

A 'intertemporada' que o time teve com a pausa na competição, por conta dos Jogos Olímpicos, pode ter sido a última chance de evitar um rebaixamento. Para isso, havia a necessidade de contratações e a expectativa – pelo menos a minha – era que a diretoria se mexesse, entretanto, não foi o que aconteceu. Nenhum reforço chegou durante o período e Estevam Soares terá que continuar tirando "leite de pedra".

O Galo Carijó voltou a ser derrotado na Série B (Foto: Reprodução/Premiere)
Na rodada que abriu o returno, o Galo Carijó teve a chance de deixar a zona de rebaixamento, o que não acontecia desde a 12ª rodada, quando recebeu o Avaí e só dependia de si, mas falhou. Desta vez não foi diferente, em um confronto direto contra o Goiás, o time voltou a ser derrotado fora de casa e segue sem vencer longe de Juiz de Fora.

O JOGO

Para a partida, Estevam Soares mais uma vez teve problemas para escalar a equipe, que sofreu vários desfalques. Entre os mais importantes, o capitão Renan Teixeira com um problema estomacal e Jonathan cumprindo suspensão, sequer viajaram para Goiânia. A equipe foi a campo no 4-3-2-1 – Rafael Santos; Vinícius Kiss, Bruno Costa, Gabriel Santos e Luiz Paulo; Filipe Alves, Recife e Marcos Serrato; Octávio e Thiago Espíndola; Giancarlo.

A partida começou e o Tupi deu a – falsa – impressão de que teria uma postura diferente fora de casa. Logo aos 3 minutos, Vinícius Kiss fez bela jogada e cruzou para Thiago Espíndola, que perdeu uma boa chance de abrir o placar. Após o lance, a partida ficou morna e as equipes fizeram jus as suas posições na tabela, proporcionando um péssimo primeiro tempo. 

A defesa do Tupi falhou e o Goiás abriu o placar (Foto: Benedito Braga/O Popular)
Mais emoções apenas no fim da primeira etapa, quando a zaga carijó voltou a cometer falhas, dano chances para que o placar fosse aberto. Aos 45', Carlos Eduardo arriscou uma jogada individual e não teve dificuldades para passar pelos adversários, batendo na saída de Rafael Santos. Fim do primeiro tempo: Goiás 1 a 0 Tupi.

Na etapa complementar, quando se esperava que a partida pudesse melhorar, nada mudou. Em desvantagem no placar, o Alvinegro tentou o empate, mas esbarrou nas suas próprias limitações e sentiu o desfalque de Jonathan. O Esmeraldino, por sua vez, se fechou e tentou administrar a vantagem.

Buscando mudar o panorama da partida, Estevam Soares mexeu na equipe e colocou Pedrinho no lugar de Thiago Espíndola, aos 13 minutos. A alteração não surtiu efeito e o técnico logo mexeu outra vez. Aos 25', Recife deu lugar a Hiroshi, que voltou a atuar depois da lesão. Mesmo abaixo fisicamente, o jogador mostrou porque é peça fundamental do time, aproveitando os poucos minutos que teve.

Porém, as coisas ficaram mais difíceis com a lesão de Filipe Alves, aos 31 minutos. O volante deixou a partida e o time não tinha mais alterações para fazer. Apesar da vantagem numérica, o adversário não conseguiu ter superioridade na partida e só chegou a um erro na saída de bola carijó, aos 38 minutos.

Já no fim, quando parecia tudo decidido, o jogo chegou ao ápice de emoções. Aos 40', foi a vez do Goiás errar na saída de bola, só que dessa vez a chance foi aproveitada. Após passe de Vinícius Kiss, Hiroshi invadiu a área e contou com o desvio na defesa, deixando tudo igual. No entanto, o gol acordou o time da casa, que foi em busca de mais um gol. E ele veio, aos 45 minutos, Léo Lima aproveitou cruzamento da direita e cabeceou no cantinho. O gol deu números finais à partida: 2 a 1.

Com o resultado negativo, o Tupi permanece com 18 pontos e na zona de rebaixamento, ficando em situação ainda mais delicada. Como se não bastasse o "futebol barato" apresentado pela equipe, o torcedor ainda terá que pagar um ingresso mais caro na próxima partida, só por ser contra o Vasco. A partida diante do Cruzmaltino acontecerá no próximo sábado (27), no Estádio Radialista Mário Helênio, em Juiz de Fora.

Por: Marcelo Júnior || Twitter: @marcelinjrr

A sorte que nos favorece: Galo firme no G4

O sortudo ou o momentâneo CRB? Boa pergunta. O Galo continua firme no G4 desde a 13ª rodada. Desde então, o Regatas conta com um tipo de sorte. Nos últimos jogos, o clube vem em uma fase não muito boa. Olívio, o jogador predileto dos torcedores, não está atuando por conta de problemas com a CBF. A suspeita de doping afastou o jogador dos campos nas quatro últimas partidas. Na última em que atuou, marcou um gol no empate diante do Paysandu em Belém por 2 a 2.

Resultado de imagem para CRB vence
Foto: Globoesporte.com
Alguns tabus vão sendo quebrados na competição, por parte do Galo. Não são poucos, e equipes como Goiás, Joinville e Náutico sabem como é.

A sorte

A 21ª rodada começou na noite de hoje e pra sorte do CRB, já podia acabar hoje mesmo. Foram três jogos abrindo a rodada, sendo dois de interesse do Galo. A outra partida, sem muito interesse no momento foi entre Sampaio Corrêa e Avaí. As equipes se enfrentaram na casa do tricolor maranhense, mas a vitória foi da equipe catarinense por 2 a 1.

Mas os confrontos que interessavam mesmo para o Regatas eram os jogos entre Brasil de Pelotas e Atlético de Goianiense, e Londrina contra o Goiás. Nos dois jogos, as equipes visitantes venceram pelo placar mínimo de 1 a 0. Sendo assim, favorecendo o Galo, e deixando o G4 do mesmo jeito, sem alterações.

A rodada começou boa, com o clube já garantido no G4, e podendo até perder para o Ceará. Isso é coisa que a torcida e jogadores não querem. O Galo tem ótima sequência fora de casa, a última derrota foi para o Bahia na 8ª rodada. Desde então, são três vitórias e dois empates. O Regatas não sabe o que é perder fora de casa há muito tempo, e conta com essa boa estatística para o confronto de logo mais conta o Ceará.

Os ventos continuarão levando o CRB para o bom caminho?

Uma pergunta boa e que com certeza o torcedor quer saber realmente a verdadeira intenção do clube na reta final da Série B.

Para continuar com chances do acesso, o Galo só pode perder, quando seus adversários diretos perderem. Podendo até jogar fora de casa já garantido no G4 nesta rodada (caso atual). Pode ir sem muita esperança, e em casa abater o adversário na rodada seguinte. Se o Regatas tivesse vencido o Londrina e o Brasil de Pelotas nas duas últimas oportunidades que teve em seus domínios, poderia hoje estar brigando pela primeira colocação. Mas como a Série B é famosa por conta dos altos e baixos, o torcedor tem que ter cobrar mais antes dos jogos, e não "ao vivo".

Foto: Aílton Cruz
Vencendo o Ceará assumirá a terceira posição novamente. E na próxima rodada contra o Oeste em casa, é passar a equipe do Atlético de Goiás. Caso isso aconteça, o CRB pode caminhar livremente para o acesso, apenas vencendo seus jogos em casa e beliscando no máximo empates fora de casa. Para isso acontecer, é só torcer com derrotas de seus adversários fora de casa, e em confrontos diretos, acontecer o empate.
←  Anterior Proxima  → Inicio

Inscreva-se no canal LFTV

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Mais lidas da semana