A SUA LINHA DE NOTÍCIAS

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

TWITTER

FACEBOOK

Premier League Brasil

Siga-nos nas redes sociais

Popular Posts

Quem sou eu

CLASSIFICAÇÃO

domingo, 28 de agosto de 2016

Rádios devem passar a pagar por direitos do Brasileirão


Tche! Essa eu li na internet.

Com isto acontecendo, vejo os clubes de futebol cuspindo no prato que os sustentou durante décadas. Não tenho dúvidas em afirmar que, sem as rádios, o futebol brasileiro não seria a metade do que se tornou em termos de “preferência nacional”. Soma-se a essa força os jornais. Agora a TV que hoje banca as grandes competições futebolísticas está dando um novo arranjo ao esporte e trazendo à baila outros que outrora nem passava pelas nossas ideias em assistí-los, entre eles o vôlei, para citar apenas um. É claro que não sou contra o advento de outros esportes e quanto mais oportunidades de assistir competições de nível, melhor.

A questão está na exclusividade, na possessão do “mercado” futebolístico como um todo, no alijamento de muitos em benefício de poucos. Direitos são comprados e entidades centenárias curvam-se como cordeirinhos no altar dos vendilhões. O lucro imediato impede a maioria de enxergar o sacrifício que abraçará a muitos. Soma-se a essa avalanche televisiva o fato de que meia dúzia de clubes ganham centenas de milhões a mais do que outros, criando um buraco negro onde muitos sucumbirão em uma partilha desigual e discriminatória.

Sinal dos tempos em que penteados, tatuagens e chuteiras coloridas dão o ar da graça em uma viagem sem volta, porque “o futebol moderno” realmente vai desbancar a garra, o improviso e a paixão. Ainda tem a questão do torcedor. O verdadeiro motivo de tudo isso aconchega-se mais e mais às poltronas e camas residenciais, perdendo a verdadeira emoção, o delírio e a sensação de ser parte integrante do espetáculo. Submetem-se ao plin plin, enclausurados no apelo global de tudo ver e nada ser. Entregam-se a clubes de além-mar, enquanto equipes de sua própria cidade pede socorro nesta luta desigual. O resultado disso sabemos desde aquele 7 a 1.

Escrevam aí: “O futebol do futuro será holográfico e os resultados ditados por quem pagar mais”. Imagens balançando daqui para ali, enquanto os verdadeiros robots assistirão hipnotizados até a alma. E as rádios? Bem, essas que sustentaram o espetáculo narração a narração, entrevista a entrevista, realmente tendem a desaparecer do cenário a vingar essa cobrança. Serão temas de programas exibidos pela própria TV. Um troféu, um escalpo a confirmar a vitória da telinha. Uma pena.


Em tempo: Este texto foi inspirado pela matéria publicada na coluna de Flavio Ricco.

Dudu faz gol acrobático, Palmeiras joga bem e bate Fluminense

Por cinco anos, enfrentar o Fluminense era sinônimo de derrota para os palmeirenses. Nesse período, foram vários jogos com muitas derrotas (sete consecutivas) e apenas um empate. Em 2015, essa chave virou: uma única derrota que acabou respondida no jogo da volta da Copa do Brasil e quatro vitórias alviverdes antes da quinta, conquistada neste domingo (28).

A missão acabou facilitada diante de um Mané Garrincha tomado de verde, tão verde quanto seria o Allianz Parque. Brasília abraçou o Palmeiras que, por sua vez, abraçou a bola do jogo. Com domínio quase total da partida, não foi difícil garantir a vitória diante do antigo algoz.

Os primeiros minutos até mostraram certo equilíbrio em um jogo mais faltoso do que jogado. Quando já dominava as ações no meio de campo reforçado com a volta de Gabriel, o Verdão aproveitou para matar o jogo em cinco minutos. Primeiro com uma acrobacia incrível de Dudu, aproveitando uma saída bizarra do ex-palmeirense Diego Cavallieri. Depois, com um golaço de Jean, pegando de primeira e colocando na gaveta.

Jesus foi caçado em campo, mas ajudou a criar espaços para o ataque alviverde.
(Foto: Globo Esporte)
Com um placar amplamente favorável, o time de Cuca conseguiu fazer o que mais gosta: aproveitar os contra-ataques com seu trio de ataque muito veloz formado por Dudu, Gabriel Jesus e Erik (depois substituído pelo antigo titular Roger Guedes). Foram inúmeras chances perdidas ainda no primeiro tempo para ampliar o marcador. Susto apenas em um lance isolado em que Jailson fez grande defesa.

O segundo tempo manteve o ritmo do primeiro. Os mandantes, nem tão mandantes assim, tentavam a todo custo assustar a meta alviverde, coisa que só conseguiam nas bolas paradas. Os contra-ataques palmeirenses, porém, eram inúmeros. Faltou capricho e, principalmente, simplicidade. O placar poderia ter sido ainda mais elástico, contudo longe de estragar a ótima e segura atuação palmeirense.

O DESTAQUE: Discreto, como sempre, mas fundamental. Foi assim que Tchê Tchê colaborou – e muito – para o domínio palmeirense. Com ótima movimentação e controle de bola, contribuiu para a posse de bola alviverde e encontrar os espaços na defesa do Fluminense.

BOLA MURCHA: Em uma partida sem destaques negativos, o puxão de orelha fica para Roger Guedes. Entrou no jogo na segunda etapa e poderia ter sido menos egoísta em pelo menos duas oportunidades que poderiam definir o jogo com ainda mais tranquilidade para o Verdão.

Cada vez mais "a cara de Conte"

No último sábado (27), Chelsea e Burnley se enfrentaram pela 3ª rodada da Premier League, no Stamford Bridge, em Londres. Os Blues vinham de uma vitória sofrida contra o Watford, já os Clarets vinham de uma grande e surpreendente vitória frente ao Liverpool. E o time da casa não teve dificuldades para vencer a partida.

O Chelsea venceu e convenceu (Foto: Reuters)
O favoritismo do jogo era do time de casa, que estava resgatando a confiança, mas sem jogar tão bem. E esse favoritismo começou a se confirmar com apenas 9 minutos, quando Hazard recebeu uma bola ainda no campo de defesa e arrancou com muito espaço até cortar para o meio e chutar forte para abrir o placar. 

Mesmo em vantagem, o controle de jogo era todo do Chelsea, enquanto os visitantes mal passavam do meio de campo e muito menos ameaçavam. Dessa forma, surgiram mais duas boas chances de ampliar: uma aos 15 minutos, com um chute perigoso de Willian; e outra aos 36', com Diego Costa obrigando Heaton a fazer uma boa defesa. O segundo gol só veio aos 41', quando Willian recebeu e chutou cruzado para ampliar a vantagem. 

No segundo tempo, a diferença entre as duas equipes só aumentou. Antes dos 20 minutos, o Chelsea teve pelo menos quatro oportunidades para ampliar. Na principal delas, Hazard exigiu uma boa defesa de Heaton, que espalmou e Terry perdeu uma chance clara no rebote. Após a pressão do começo da etapa final, os Blues passaram a administraram o jogo, enquanto os Clarets não davam nenhum sinal que poderiam reagir e já parecia aceitar o resultado. O golpe de misericórdia veio em mais um contra-ataque, aos 44 minutos. Em jogada entre dois jogadores que haviam entrado no decorrer do confronto, Pedro foi lançado e cruzou para Moses, que não titubeou e fechou o caixão em 3 a 0. 
  
O camisa dez foi um dos principais destaques da partida (Foto: Reuters)
Com a vitória, o Chelsea se manteve entre os times com 100%, junto com as equipes de Manchester. Além da invencibilidade, a equipe londrina apresenta uma consistência que não se viu durante a temporada passada e conta com o seu craque, Hazard, voltando a jogar um futebol que o fez melhor do campeonato na temporada do título, para seguir vencendo. Na próxima rodada, o Chelsea visita o Swansea, tentando mostrar mais uma vez que o campeão está de volta. 

Gabriel Rezende// Twitter- @gabridosanto

Rio 2016: Britânicos dominam o triatlo

Um dos esportes de mais exigência física nos Jogos Olímpicos do Rio, o Triatlo teve domínio britânico com três medalhas, duas no masculino e uma no feminino. Essa modalidade engloba 10km de corrida, 1,5km de natação em mar aberto e 4km de ciclismo. As provas foram disputadas no belíssimo cenário carioca, com ponto principal sendo o Forte de Copacabana.

Os irmãos Alistair e Jonathan Brownlee (Foto: The Telegraph)
A prova masculina foi disputada por um total de 50 competidores, dentre eles, o brasileiro Diogo Sclebin, que terminou a prova na 41ª posição, com 1h52m32s. Os irmãos Brownlee, da Grã-Bretanha, deixaram a família orgulhosa, já que Alistair ficou com a medalha de ouro com o tempo total de 1h45m01s, e Jonathan ficou com a prata com 1h45m07s. Completando o pódio, o sul-africano Henri Schoeman conquistou o bronze, terminando o circuito em 1h45m43s.

Disputaram a prova feminina 48 mulheres e a brasileira Pâmella Oliveira ficou em 40º lugar, com 2h04m03s. No lugar mais alto do pódio, Gwen Jorgensen, dos Estados Unidos, terminou o circuito em 1h56m16s e ficou com o ouro. Nicola Spirig, da Suíça, chegou em segundo com 1h56m56s, conquistando a prata. Fechando o quadro de medalhas do triatlo, mais um atleta da Grã-Bretanha, Vicky Holland ficou com o bronze depois de 1h57m01s de prova.

O triatlo é uma modalidade recente dos Jogos Olímpicos, entrando no programa em Sidney, no ano 2000. O Rio apresentou um cenário perfeito para a prática e a tendência é que o gosto por esse esporte aumente ainda mais até os próximos jogos, em Tokyo, 2020.

Lucas Felipe (@lsouza73)

São Paulo empata com Coritiba e se complica (ainda mais) com a torcida

Não é assim, Chavez: Argentino erra gols incríveis e São Paulo empata, sem gols, no Morumbi



No meio de derrotas e torcedores furiosos com a atual situação, o São Paulo entrou em campo no Morumbi vazio contra o Coritiba pela 22ª rodada do Campeonato Brasileiro. Mesmo com muita pressão do time da casa, o jogo acabou sem gols.

Tanto na primeira como na segunda etapa, o estilo do jogo foi o mesmo. O São Paulo jogou sem tática, apenas na raça, tinha momentos em que até Lyanco saía da zaga para tentar armar jogadas no meio de campo, mostrando como está difícil uma bola passar do meio para o ataque em condições reais de gol. O Tricolor teve ao todo 17 finalizações contra 6 do Coritiba. Destas, duas foram gols incríveis perdidos por Chávez. O time da casa tentava de toda maneira chegar ao gol de Wilson, porém as finalizações ou paravam no próprio goleiro, ou passavam por cima do gol.

No segundo tempo, o Coxa decidiu "fechar a casinha" e foi quando as coisas complicaram ainda mais para o Tricolor. O São Paulo tentava se infiltrar dentro da área para depois chutar, em vez de tentar chutar de fora da área. Obviamente, em resultado a isso, 99% das vezes que a equipe tentava armar jogada, era desarmada. Assim, com eficiência da defesa paranaense e do desastre do ataque paulista, a partida acabou em empate sem gols.

Com esse resultado, o São Paulo permanece em 11º na tabela e chega a 49 dias sem vencer no Morumbi, vai completar dois meses até a partida contra o Figueirense, dia 11/09. O próximo desafio do Tricolor é contra o Palmeiras, no Allianz Parque, quarta-feira (07/09), às 21h45. Além de ser desafiador por ser um clássico, o clube também terá que "se virar nos 30" na escalação, já que terá sete desfalques. São eles Buffarini (suspenso); Rodrigo Caio, Mena, Cueva, Lyanco, Lucão e Auro (todos por conta de seleção); e Bruno e Gilberto, que estão lesionados e são dúvida.

FICHA TÉCNICA 
Local: Estádio Cícero Pompeu de Toledo, Morumbi - SP
Cartões amarelos: Buffarini  e Mena (SPO); Edinho (CFC)
Arbitragem: Francisco Carlos do Nascimento (AL), auxiliado por Esdras Mariano de Lima Albuquerque e Pedro Jorge Santos de Araújo (ambos de AL)

SÃO PAULO:
Denis; Buffarini, Maicon, Lyanco e Mena; Hudson, Thiago Mendes e Cueva; Michel Bastos (Luiz Araújo), Kelvin (Pedro) e Chávez. Técnico: Ricardo Gomes

CORITIBA
Wilson Jr, Dodô, Luccas Claro, Juninho e Cesar Benítez; Edinho, João Paulo (Walisson Maia), Raphael Veiga e Juan; Vinicius (Iago) e Neto Berola (Jorge Ortega). Técnico: Carpegiani

Real sofre, mas vence Celta em casa

Kroos comemora com Vázquez e Carvajal o gol da vitória (Getty Imagens)
O Real Madrid recebeu o Celta de Vigo no Santiago Bernabéu e sofreu mais do que o esperado para arrancar uma vitória do clube celeste. Ainda com desfalques, o time merengue contou apenas com a volta de Luka Modric ao elenco principal: Cristiano, Benzema e Navas ainda fazem recuperação. 

Com uma marcação alta e sem deixar espaços para o time blanco, o Celta fez o Real Madrid penar para chegar ao ataque. As primeiras chances vieram de Morata, que aproveitou a sobra, invadiu a área, fez boa jogada, mas chutou para fora. Modric aproveitou para chutar na falha do goleiro, que acabou se recuperando e defendeu. 

As coisas só começaram a melhorar no segundo tempo. Ainda preenchendo os espaços em campo, o time de Vigo começou assustando a defesa merengue, mas aos 60 minutos Modric dominou a bola e tocou para Marco Asensio que chutou no goleiro e, no rebote, Alvaro Morata aproveitou para encher o pé, marcando seu primeiro gol nessa temporada da La Liga. Pouco tempo depois, Morata teve outra chance porém, a bola parou na trave.

Aos 64, Asensio deu lugar para Lucas Vázquez. Dois minutos depois, aos 66, Orellana recebeu de fora da área, após uma serie de troca de passes entre os célticos, e livre encontrou espaço para guardar uma lindo chute no ângulo, empatando o jogo. Com o empate, Zidane mexeu na equipe, saiu Modric - que tinha acabado de voltar ao time titular após pré-temporada - e entrou James Rodriguez. O colombiano criou bem, mas não atingiu o objetivo, então o tecnico francês voltou a mexer, tirando Morata para a entrada do conterrâneo Mariano Díaz.
Os gols do jogo



Na insistência de uma jogada pela lateral, Vázquez brigou pela bola e encontrou Toni Kroos sozinho para bater de primeira e anotar o gol da vitória aos 81 minutos. 2x1, festa no Bernabéu. Nos acréscimos ,Bale ainda recebeu sozinho frente a frente com o goleiro, o galês tentou um chute por cobertura, mas a bola saiu. 

Um jogo sofrido por mérito do Celta, já que o time celeste fechou os espaços e obrigou o Real Madrid a buscar alternativas, sem se intimidar no Santiago Bernabéu. O excelente trabalho de Berizzo deu dor de cabeça a Zinedine Zidane, que tirou do banco suas cartas na manga. Não existe reservas no Real, qualquer um do banco tem a capacidade para ser titular. Não perder jogos como esse é o que garante um campeonato de pontos corridos. O sufoco não incomoda, o importante é vencer. 

Ceará empata em casa e liga o sinal de alerta

O alvinegro de Porangabuçu enfrentou o CRB pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série B e decepcionou. A partida era um confronto direto, e caso obtivesse a vitória o Vozão iria se consolidar mais ainda no G4, mas sem peças a altura para substituir os desfalques na partida, empatou e deixou a desejar em quase toda a partida, principalmente por ter um jogador a mais em boa parte do segundo tempo de partida.

O torcedor que foi ao Castelão na sexta-feira (26/08), se decepcionou e se irritou com o que viu. Na partida ficou claro como o elenco é limitado, as substituições foram equivocadas, e a raça está em falta. O elenco alvinegro passou maior parte do segundo tempo com um a mais e não soube aproveitar disso, pouco chutou ao gol e quando chutou foi sem perigo, Rafael Costa, William Henrique e Robinho foram totalmente nulos em campo, três péssimas substituições, mesmo que uma tenha sido forçada, mas nós mostra que precisamos de reforços a altura e o único que parece não perceber isso é o presidente do clube.

(Foto: Christian Alekson/CearaSC.com)


O Ceará não tem total culpa no empate, até pois estávamos jogando com uma equipe que não teve interesse em jogar em momento nenhum, foram inúmeras as vezes que pararam a partida, fazendo cera ou com entradas violentas. O empate foi justo para a péssima partida que foi apresentada, Bill marcou para o Ceará e Zé Carlos para o CRB. E a partida foi sem muita objetividade e uma partida que mais ficava parada, do que com a bola rolando.

E cabe ao torcedor do Vovô a preocupação dobrada, já que o atacante Ciel saiu logo no começo de partida após sentir uma lesão. Esta mais na hora do que nunca de irmos ao mercado buscar peças para reposição quando tivermos jogadores suspensos ou contundidos.

Na próxima rodada o Vozão enfrenta o Atlético-GO na segunda-feira, (29/08), às 20h. São apenas dois de intervalo entre os jogos, o time alvinegro ainda teve de viajar para Goiania, mas é isso, Ceará é contra tudo e contra todos.

FICHA TÉCNICA:
Local: Arena Castelão
Árbitro: Alisson Sidnei Furtado (TO)
Assistentes: Fabio Pereira (TO) e Natal da Silva Ramos Júnior (TO)
Cartões amarelos: CEARÁ: Charles, Richarlyson, Rafael Costa.CRB: Marcos Martins, Flávio Boaventura, Somália (2) e Zé Carlos, Wellington Júnior. 
Cartão vermelho: CRB: Somália.
Público: 9.132 pagantes (703 não pagantes)
Renda: R$ R$ 86.593,00
CEARÁ: Éverson; Tiago, Valdo, Charles e Eduardo; Richardson, Diego Felipe (Robinho), Wescley e Serginho (Rafael Costa); Bill e Ciel (William Henrique)
Técnico: Sérgio Soares
CRB: Júlio César (Juliano); Marcos Martins, Diego Jussani, Flávio Boaventura e Diego; Somália, Geandro, Gerson Magrão e Luidy (Glaidson); Zé Carlos e Wellington Júnior (Roger Gaúcho)
Técnico: Mazola Júnior

Thomaz Gomes | @thomazgomes_
Linha de Fundo | @SiteLF

Em jogo cheio de erros, Paysandu perde invencibilidade

Na tarde deste sábado (27), o Paysandu enfrentou o Oeste na Arena Barueri, jogo válido pela 21° rodada da Série B, buscando permanecer com sua invencibilidade no Campeonato.

O Oeste foi quem começou atacando logo aos 2 minutos, Rodolfo recebeu passe pela direita e tocou para Crysan, que acabou pegando mal na bola e chutou fraco para o gol. Três minutos depois, Tiago Luís foi derrubado na área, mas o juiz não deu nada.


O Oeste pressionava e mantinha a maior posse, enquanto o Paysandu só se defendia e nem mesmo aproveitava para contra atacar. Aos 22 minutos, Danielzinho deu belo passe para Marquinhos nas costas de Capanema, porém o rubro-negro acabou isolando.

No segundo tempo, o Paysandu teve sua melhor oportunidade. Aos 10 minutos, Tiago Luís arriscou de longe e deu trabalho para Felipe Alves, que conseguiu espalmar o perigo. O Oeste respondeu com Felipe Diadema, que mandou uma linda bicicleta pra o gol, mas viu Emerson fazer a defesa. Aos 29', Leo Artur tentou passar por Roniery, tropeçou no pé e foi ao chão, entretando o árbitro entendeu como um pênalti. Crysan bateu no canto esquerdo e converteu, Emerson até acertou o canto, mas não conseguiu evitar. O alviazul, então, resolveu pressionar em busca do gol de empatem com Tiago Luís, aos 41', arriscando de fora da área e, aos 48', com Ricardo Capanema da meia lua. Ambas as tentativas em vão.

Palavra da colunista: Teve pênalti não marcado e teve gol do adversário saindo de um pênalti mal assinalado. Mas não dá para culpar o juiz pela derrota ou pela passividade do Paysandu neste jogo, que só assistiu o Oeste jogar durante praticamente toda a partida. O alviazul só resolveu jogar quando percebeu que sairia com a derrota e já era tarde demais. Maílson teve uma atuação para se esquecer. Celsinho não apareceu e não assumiu a responsabilidade. João Lucas ficou o jogo inteiro só sendo ultrapassado, levando bola nas costas e piorando as coisas para a zaga.

Próximo jogo: O Paysandu volta aos gramados nesta terça-feira (30), às 19h15, enfrentando o Tupi-MG. No primeiro turno, o time alvinegro foi responsável pela maior goleada sofrida pelo Papão no ano. O jogo ocorrerá na Curuzu.

Atlético empata com Leganés na segunda partida da La Liga

Atlético e Leganés ficaram no empate, por 0x0.
Na partida deste sábado (27), o Atlético de Madrid visitou o Leganés e voltou para casa com um empate de 0x0. Antes de dar início ao jogo, um gesto bonito aconteceu. Jogadores do Atlético e Leganés fizeram um minuto de silêncio, homenageando as vítimas do terremoto que aconteceu na Itália.

A primeira finalização do Atlético no jogo veio com o Griezmann. Depois de bola enfiada por Gabi, o francês finalizou bem, sem deixar a bola cair, mas o goleiro do Leganés fez uma bela defesa. No primeiro tempo, apesar de já ter dado cinco chutes ao gol, o lance de Griezmann foi o único que levou perigo, já que os outros quatros chutes foram para fora.

No segundo tempo, Gameiro recebeu a bola na esquerda e fez uma bela joga individual, mas a bola parou no goleiro Jon Ander. O Leganés teve seu primeiro lance de perigo após falta cobrada de Unai Lopez, quando Guerrero cabeceou e Oblak fez a defesa. Os Colchoneros até fizeram um gol, com Godín, porém foi anulado corretamente por impedimento. O Atlético teve a grande chance depois do cruzamento do brasileiro Filipe Luís que Fernando Torres cabeceou e Jon foi obrigado a fazer uma boa defesa.

Godín em posição irregular. 
O atacante Griezmann mostrou decepção com o empate e comentou sobre, citando até rebaixamento e falando sobre sua condição física: "Se continuarmos assim, vamos lutar contra o rebaixamento. Eu ainda não estou no meu melhor nível, me falta ritmo para isso".

Simeone culpou o azar pelos dois empates em dois jogos na La Liga 16-17: "Nesses dois empates, a sorte jogou contra. Vamos trabalhar, não resta outra opção". Em dois confrontos, o Atlético conquistou apenas dois pontos. As partidas foram contra times de menor expressão, sendo Alavés na primeira rodada, terminando em 1x1, e agora contra Leganés.

O jogo terminou assim e mais uma vez o Atlético foi melhor na partida, porém não venceu. É possível ver que o Atlético de Madrid foi melhor pelos números da partida:

Números da partida.
O próximo jogo do Atlético será contra o Celta de Vigo, fora de casa, dia 10 de setembro, às 8h (horário oficial de Brasília).⁠⁠⁠⁠

Pedro Paulo: @pedroATL234
Linha de Fundo: @SiteLF

A casa é do Vila Nova, mas o salão de festa é do adversário

Em mais uma tarde apagada do Vila Nova, em Goiânia, quem fez a festa foi o Náutico. Apesar de dominar o adversário no primeiro tempo, o Tigre não repetiu a mesma atuação na segunda etapa e foi derrotado pela equipe visitante por 2 a 0, com gols de Jefferson Nem e Hugo. A casa é do Vila, mas quem faz a festa é sempre o adversário. O time pernambucano não foi o primeiro a ganhar no OBA, já que, na volta do Tigre para casa, a equipe encontrou um Ceará pelo caminho que jogou água no chopp dos Vilanovenses, vencendo por 4 a 3.

Na estreia do seu terceiro uniforme, Vila é derrotado pelo Náutico, em Goiânia. Foto: Reprodução / Vila Nova FC
O Vila voltou a ser o Vila. A atuação horrível dos jogadores e do técnico Guilherme Alves preocupam a torcida, já que ele coloca quem quiser. Uma verdadeira panelinha, assim nada rende. É o momento para a diretoria sentar e ter uma conversar bem séria com o treinador. Perdemos jogos bobos em Goiânia que poderíamos ter vencido. É hora de ambas as partes se imporem e conversarem com os jogadores, antes que seja tarde demais. Nesse segundo turno não pode dormir no ponto.

O Náutico foi inteligente, já que no primeiro tempo apenas observou o Vila jogar, chegando poucas vezes ao ataque, mas todas sem perigo. O time voltou para a etapa final já com fome de gol, marcando logo quando chegou e, após isso, administrou a partida, dominando o Tigre. Fizeram o simples e preciso.

Com o segundo melhor ataque desta Série B, o Tigre não aproveitou as chances que surgiram no jogo. Moisés, coitado, só viveu de impedimento; Patrick, considerado atacante "matador", tem 26 anos e apenas oito gols na carreira, que começou em 2008. Como confiar em um centroavante com apenas oito gols em toda sua trajetória? Sempre terá um louco doente que confia e esse louco chama-se Guilherme Alves. O cara é triste de ruim, não creio que seja possível que Vandinho, Frontini e até mesmo Fabinho sejam piores do que ele. Não precisa ser torcedor para saber como funcionam as coisas dentro do Vila Nova.


A torcida tentou iniciar um protesto durante o segundo tempo contra a diretoria e o técnico Guilherme Alves e, com medo, o presidente logo chamou mais policiamento. Não satisfeita com a situação, a organizada do clube saiu com a partida ainda em andamento e foi para a porta da sede do clube protestar. Mas não adianta, dentro do Vila a torcida jamais terá voz, não vale a pena insistir. Espero que isto seja resolvido o quanto antes, o Vila Nova é maior que tudo isso.

Na próxima rodada, o Vila vai até o Rio de Janeiro enfrentar nada menos do que o líder Vasco, que vem de um empate por 2 a 2 contra o Tupi, em Minas. Um jogo completamente complicado, um empate será goleada para o Tigre. Isto é, se não levar a goleada.

Arsenal resolve em 45 minutos contra o Watford

Na tarde de sábado (27), o Arsenal foi até o Vicarage Road enfrentar o Watford, em partida válida pela terceira rodada da Premier League. Após uma derrota para o Liverpool na estreia e um empate diante do Leicester na rodada passada, os Gunners partiram em busca da primeira vitória no campeonato.

Mesut Ozil comemora o 3º gol do Arsenal contra o Watford. Foto: The Guardian
Wenger escalou um meio de campo mais criativo com o recém-chegado Xhaka e, protegendo a defesa, Santi Cazorla atuando como um segundo volante e Mesut Ozil, responsável pelas principais armações ofensivas. Theo Walcott e Oxlade-Chamberlain foram os pontas e Alexis Sanchez jogou novamente centralizado entre os zagueiros adversários.

Qualquer dificuldade que o Watford poderia oferecer foi minimizada logo aos 9 minutos de jogo. Alexis sofreu pênalti e Santi Cazorla foi para a cobrança, o camisa 19 esperou o goleiro brasileiro Gomes cair e bateu no meio do gol para abrir o marcador para os visitantes. No final do primeiro tempo, aos 40', Alexis Sanchéz completou um cruzamento da direita e tentou colocar a bola na área, porém, com um efeito inesperado, a bola acabou entrando e o segundo gol dos Gunners foi confirmado.

Logo no primeiro minutos da etapa complementar, Ozil, de cabeça, marcou o terceiro do Arsenal e praticamente garantiu os três pontos. O Watford ainda tentou uma reação com Roberto Pereyra, aos 7 minutos, mas os donos da casa não conseguiram pressionar o Arsenal e o placar final ficou em 3 a 1 para os londrinos.

O Arsenal chegou aos 4 pontos, na oitava colocação da Premier League. A próxima rodada é só depois da Data FIFA, quando os Gunners recebem o Southampton, no Estádio Emirates, às 11h, no sábado, dia 10 de setembro.


Lucas Felipe (@lsouza73)

Se não é sofrido...

Depois de um empate frustrante diante do Pescara, o Napoli desencantou contra o Milan em um bela partida com alguns erros de arbitragem. Sarri novamente mandou o básico 4-3-3 com a estreia de Milik e o descarte de Insigne, substituído por Mertens que, mais uma vez, fez a diferença no jogo.

Falando da partida, o Milan começou até melhor com uma chance clara, mas como sempre o time de Nápoles botou a bola no chão e trocou muitos passes. Com isso, aos 18 minutos, o atacante polaco pegou o rebote de uma bela jogada do belga Mertens e abriu o placar. O momento era napolitano e isso se confirmou com o segundo gol de Milik na assistência de Callejon, e o primeiro tempo acabou assim.


O segundo tempo... não, pera. O que começou realmente foi o apagão do clube de Nápolis, já que a equipe levou dois gols em quatro minutos. Depois das luzes se acenderem, o time napolitano botou a bola no chão e mais uma vez trocou passes. Em mais uma jogada do ponta esquerda belga, Callejon pegou o rebote e colocou o Napoli na frente de novo.

Desta vez, o apagão foi do adversário, que acabou tendo dois jogadores expulsos por bobagem. Já no final do jogo, em um erro muito lamentável da arbitragem, Romangnoli tirou a bola com a mão quando ela estava praticamente dentro das redes. Para variar, Calleti empurrou para o gol e terminou a partida com números excelentes, dois gols e uma assistência. 

A próxima partida do Napoli é fora de casa contra o Palermo, no Estádio La Favorita (11/09), às 12h (horário de Brasília).

apesar de tudo Forza Napoli Sempre!

@gabrielcec__

Tottenham sai atrás, arranca empate, mas perde os 100% no WHL

Na partida que abriu a 3ª rodada da Premier League, o Tottenham recebeu o Liverpool neste sábado (27), no White Hart Lane, em Londres. Os Spurs fizeram a segunda partida consecutiva em casa, buscando mais uma vitória para embalar na competição, mas saíram atrás do placar e o máximo que conseguiram foi o empate.


Os Spurs mantiveram a invencibilidade (Foto: Getty)
Nos onze iniciais, Maurício Pochettino armou um time mais conservador em relação à partida contra o Crystal Palace. Sem os dois centroavantes, a equipe foi menos ofensiva e Janssen foi sacado da equipe titular, enquanto Kane foi mantido. Por outro lado, o meio campo foi preenchido com a presença de Dele Alli ao lado de Dier, Wanyama, Eriksen e Lamela. Já a defesa foi mantida com Vorm; Walker, Alderweireld, Vertonghen e Rose, ainda sem o capitão Lloris, lesionado. Entretanto, não demorou muito para que a estratégia fosse mudada, mais precisamente aos 27 minutos. 

O JOGO

Nos primeiros minutos de jogo, o Tottenham até dominou em posse de bola e esteve mais presente no campo de ataque, só que não levou muito perigo adversário. O Liverpool, por sua vez, deu seu cartão de visitas e já criava boas chances no início. Logo aos 4 minutos, Coutinho recebeu de Firmino e ficou cara a cara com Vorm, mas o goleiro holandês evitou o gol com a perna direita. 

Aos 27', Walker sentiu lesão e teve que se substituído, dando lugar à Janssen. A alteração deixou time da casa mais ofensivo, porém, mais vulnerável. Dele Alli teve que ser recuado para que Dier passasse a atuar improvisado na lateral-direita. E as melhores chances do adversário surgiram pelo lado direito da defesa. Em uma delas, Firmino apareceu, invadiu a área e foi derrubado por Lamela, que cometeu o pênalti aos 43 minutos. Na cobrança, Milner deslocou Vorm, que fazia grande partida, mas não conseguiu evitar que o placar fosse inaugurado. O primeiro tempo terminou com o Liverpool vencendo por 1 a 0.

Na volta do intervalo, os mandantes passaram a ter mais volume de jogo, mas os visitantes abusaram da velocidade e estiveram mais próximos de ampliar. Aos 7 minutos, Milner cobrou escanteio e Matip meteu a cabeça na bola, que passou rente ao travessão. Aos 10', Dier errou passe e Winaljdum puxou contra-ataque, que surtiu no cruzamento de Lallana e gol anulado por impedimento de Mané. 

Só a partir dos 15 minutos o Tottenham cresceu no jogo e teve boas chances de empatar, mas o goleiro adversário começou a aparecer. Aos 17', a bola foi rolada para Eriksen, que desperdiçou boa chance da entrada da área. No minuto seguinte, Lamela teve falta para cobrar e deu trabalho para Mignolet, que espalmou pela linha de fundo. Na cobrança do escanteio, Alderweireld cabeceou, mas novamente o goleiro compatriota conseguiu evitar o empate.


Rose garantiu pelo menos um ponto para os Spurs (Foto: Reuters)
Porém, não demorou muito para que as chances fossem convertidas em empate, que já parecia justo. Aos 27 minutos, Dier se redimiu da péssima partida que fazia ao cruzar para área e a bola ser desviada, antes de sobrar para Rose dentro da área. O lateral-esquerdo recebeu livre e não deu chances à Mignolet, que desta vez viu a bola entrar, deixando tudo igual. 

Não satisfeitos com o empate, os Spurs seguiram buscando mais um gol, mas as chances ficaram escassas. Já no fim, Maurício Pochettino fez duas alterações, colocando Onomah e Winks nos lugares de Kane e Eriksen, respectivamente. Ambos saíram depois de uma partida sem brilho, assim como toda a equipe, que pode render mais.

Situação na tabela e próximo compromisso: Com o resultado, os Spurs perderam os 100% de aproveitamento em casa, mas mantiveram a invencibilidade e estão na 6ª colocação da Premier League. A próxima rodada só acontece após a data FIFA, quando o Tottenham visita o Stoke City, no dia 10/09. 

#COYS

Por: Marcelo Júnior || Twitter: @marcelinjrr / @SiteLF / @PLBrasil_LF

Na estreia da Bundesliga, Bayern massacra Werder Bremen

Na abertura da Bundesliga 2016/2017, o Bayern de Munique entrou em campo contra o Werder Bremen, na Allianz Arena. O que se viu foi um show à parte de Lewandowski.

Foto: AFP/Getty Images
O polonês não entrou brincando, mas a estrela inicial foi para Alonso, já que o espanhol, ao pegar uma sobra da defesa, encheu o pé e acertou um belo chute no ângulo do arqueiro Drobny, deixando o Bayern na frente. Não demorou muito para Lewandowski aparecer e, três minutos após o golaço de Xabi, o jogador apareceu depois de um lançamento excepcional de Müller, carregou e chutou para o gol, marcando seu primeiro gol no jogo. 

Ainda não satisfeito com isso, Lewandowski apareceu mais uma vez. Müller novamente cruzou para o polonês, que ao estilo Ibrahimovic marcou, deixando o placar em Bayern 3-0 Werder. Nos meados dos 66 minutos, Müller saiu da marcação e tocou para Lähm, que ao ver o alemão desmarcado retornou a bola e entrou na área, recebendo o passe de volta e marcando o quarto gol dos bávaros na partida. 

Com três assistência até aquele momento, Thomas Müller não se sentiu satisfeito e queria mais. Foi aí que surgiu a chance e, após receber passe, ele entrou com a bola na área e tocou para o experiente Riberý, que chutou com categoria e marcou o quinto do Bayern. O sexto gol foi marcado novamente por Lewandowski, este em cobrança de pênalti. 

A Bundesliga agora dá uma parada para seguir daqui a duas semanas, quando o Bayern enfrenta o S04 em um clássico alemão.

Milan perde no emocional e no campo para o Napoli

Neste sábado (27), o Milan foi a Nápoles enfrentar o Napoli pela segunda rodada do Campeonato Italiano.

O jogo começou pegado, os mandantes precisavam da vitória e foram pra cima, mas paravam nas saídas de Donnarumma e desarmes de Romagnoli. Eis que, em um contra-ataque aos 7 minutos, Niang recebeu na entrada da área, passou por Hysaj, foi até a linha de fundo e cruzou rasteiro para Abate, que, sozinho e de frente para Pep Reina, chutou por cima do gol, perdendo a melhor chance dos rossoneri na primeira etapa.


Aos 10 minutos, após escanteio cobrado por Bonaventura, a zaga do Napoli afastou, a bola voltou a área com um chute mascado de Montolivo e Romagnoli anotou gol do Milan, mas este foi anulado, já que o jogador estava em posição irregular. Após o gol perdido, o jogo foi de total controle dos napolitanos, que aos 17 minutos abriram o placar. Mertens veio pela esquerda, cortou o estreante Gustavo Gomez e, em um chute com efeito, acertou a trave. Em sua primeira chance como titular, Arkadiusz Milik pegou o rebote sozinho na área e, com Donnarumma no chão, não desperdiçou. Napoli 1x0.

Não parou por aí. Aos 28 minutos, Mertens, de novo, chutou da entrada da área e Donnarumma foi no alto buscar o que seria o segundo dos mandantes. Lance idêntico em seguida, mas dessa vez Mertens bateu rasteiro e o jovem goleiro espalmou para fora, cedendo o escanteio, que foi fatal. Cobrança para o meio da área, o polonês Milik subiu mais do que todo mundo e novamente marcou. 2x0 para os mandantes aos 36' do primeiro tempo.
Vicenzo Montella já irritado no primeiro tempo
O jogo começou pegado, os mandantes precisavam da vitória e foram pra cima, mas paravam nas saídas de Donnarumma e desarmes de Romagnoli. Eis que, em um contra-ataque aos 7 minutos, Niang recebeu na entrada da área, passou por Hysaj, foi até a linha de fundo e cruzou rasteiro para Abate, que, sozinho e de frente para Pep Reina, chutou por cima do gol, perdendo a melhor chance dos rossoneri na primeira etapa.

Aos 10 minutos, após escanteio cobrado por Bonaventura, a zaga do Napoli afastou, a bola voltou a área com um chute mascado de Montolivo e Romagnoli anotou gol do Milan, mas este foi anulado, já que o jogador estava em posição irregular. Após o gol perdido, o jogo foi de total controle dos napolitanos, que aos 17 minutos abriram o placar. Mertens veio pela esquerda, cortou o estreante Gustavo Gomez e, em um chute com efeito, acertou a trave. Em sua primeira chance como titular, Arkadiusz Milik pegou o rebote sozinho na área e, com Donnarumma no chão, não desperdiçou. Napoli 1x0.

Não parou por aí. Aos 28 minutos, Mertens, de novo, chutou da entrada da área e Donnarumma foi no alto buscar o que seria o segundo dos mandantes. Lance idêntico em seguida, mas dessa vez Mertens bateu rasteiro e o jovem goleiro espalmou para fora, cedendo o escanteio, que foi fatal. Cobrança para o meio da área, o polonês Milik subiu mais do que todo mundo e novamente marcou. 2x0 para os mandantes aos 36' do primeiro tempo.


Na segunda etapa, não tivemos substituições, mas no campo tudo mudou. Aos 50 minutos, Niang recebeu de Suso, passou por Hysaj, entrou na área e bateu cruzado, sem chance para Pep Reina, colocando os Rossoneri no jogo. Em seguida, Sarri, treinador do Napoli, foi expulso, reclamando de uma falta no lance da jogada. A partida seguiu e, antes mesmo de Sarri deixar o lado do campo, Susso, cortou para o meio e acertou um belo chute no ângulo esquerdo do goleiro espanhol. Era o empate do Milan em 10 minutos de segundo tempo.
Suso comemora seu primeiro gol em partidas oficiais pelo Milan
Após o empate, o Napoli  saiu para o jogo, buscando os dois pontos que estava perdendo até o momento. A equipe do norte da Itália se retraiu, satisfeita com o empate até o momento. Muita pressão e posse de bola dos azuis resultou em gol. Callejon aproveitou rebote de Donnarumma após finalização de Mertens e colocou o Napoli na frente. 3-2.

O Milan sentiu o golpe e se perdeu emocionalmente, tanto que, dois minutos após o gol, Kucka levou o segundo amarelo após dura falta em Mertens, deixando assim o Milan com dez. Mesmo assim, os rossoneri não desistiram, mas com menos jogadores do que o mandante, não conseguia chegar com perigo. O Napoli começava a tomar controle do resultado aos poucos e, exatos dez minutos depois da expulsão de Kucka, Niang fez falta boba em Reina e, já com amarelo, o francês foi pro chuveiro mais cedo e o Milan jogaria os minutos finais com nove em campo.

Com dois a mais, o Napoli tocava bola e, após lançamento, Insigne cruzou e a bola bateu em Romagnoli, que nada pôde fazer mesmo saltando e tirando a bola com as mãos, mas ela já tinha entrado e foi gol contra do italiano. Fim de jogo, Napoli 4-2 Milan.



8 dos 9 que ficaram. Faltou emocional.
Escalações: Napoli (4-3-3): Reina; Hysaj, Albiol (Chiriches), Koulibaly, Ghoulam; Allan (Zielinski), Jorginho, Hamsik; Callejon, Milik e Mertens (Insigne)

Milan: Donnarumma; Abate (Calabria), Gomez, Romagnoli, Antonelli; Kucka, Montolivo, Bonaventura; Suso (Lapadula), Bacca (Sosa), Niang

Milan e Napoli só retornam ao campo após a data FIFA. O time rubro-negro enfrenta a Udinese em casa, já a equipe de Nápoles vai visitar o Palermo, ambos os jogos são dia 11 de setembro.
 

POR: @acm_vinicius
←  Anterior Proxima  → Inicio

Inscreva-se no canal LFTV

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Mais lidas da semana