A SUA LINHA DE NOTÍCIAS

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

TWITTER

FACEBOOK

Premier League Brasil

Siga-nos nas redes sociais

Popular Posts

Quem sou eu

CLASSIFICAÇÃO

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Com gol de Neilton, Botafogo vence o Flu e sobe mais na tabela

Artilheiros dançarinos, Sassá e Neilton comemoram (Foto: Satiro Sodré/ SS Press/ Botafogo)

Em 2016, vencer o Fluminense virou rotina. E na tarde desta quarta-feira (7), feriado nacional, não foi diferente. Com gol de Neilton, o Alvinegro derrotou o Tricolor e agora figura na parte de cima da tabela, na 10ª posição do Campeonato Brasileiro, com 32 pontos. O Botafogo entra em campo já no próximo domingo (11), diante do Cruzeiro, fora de casa, às 16h. 
O JOGO

O primeiro tempo foi tecnicamente fraco. Tirando alguns lances de efeito (vários), Fluminense e Botafogo pouco criaram. Cada time levou perigo, chance concreta de gol mesmo, apenas uma vez. O Tricolor, quase marcou aos 11 minutos, quando Wellington chegou na linha de fundo e cruzou. A bola foi na direção do gol e acertou a trave. Sidão respirou aliviado. Já o Glorioso, teve a chance de abrir o placar somente aos 37 minutos, quando Camilo, após cobrança de lateral, aproveitou vacilo da zaga adversária, girou e acertou o travessão. A etapa inicial destacou-se pelas poucas finalizações. Foi um jogo truncado. 

O segundo tempo foi diferente. Com apenas 4 minutos, Sassá cruzou para Bruno Silva, que se esticou todo e de forma sutil deu um passe que enganou a zaga do Fluminense (com ajuda do gramado, vale lembrar). A bola então sobrou para Neilton, que finalizou e abriu o placar. 1 a 0  para o Glorioso. 

O Fluminense respondeu aos 14 minutos. Cícero recebeu na área e tocou para William Matheus, que de primeira, carimbou a trave do goleiro Sidão. Um susto e tanto. Aos 17', Sassá recebeu lançamento, dominou e chutou forte na direção do gol. A bola quicou pouco antes de chegar no goleiro Júlio César, que deu rebote. Aos 19', Airton sentiu e foi substituído por Victor Luis. Aos 35', foi a vez do jovem Diego deixar o gramado. Marcelo, da base, recebeu oportunidade e entrou na partida. Aos 38', Sassá pediu para sair. Vinicíus Tanque foi o substituto. No fim do jogo, a pressão era do time comandado por Levir Culpi. Aos 47', por exemplo, Gustava Scarpa bateu falta na área, a bola quicou e atrapalhou Sidão, que soltou. Samuel perdeu o tempo da bola e por pouco não empatou o placar. Aos 49', Magno Alves dominou na entrada da área e bateu. A bola passou perto da trave, indo para fora. Aos 51', o árbitro encerrou o clássico. Vitória suada e importantíssima do Glorioso. 

OBSERVAÇÕES

O segundo turno do Botafogo supera expectativas. Já são três vitórias e apenas uma derrota, sendo que no revés, foi superior e poderia ter ao menos empatado. (O triunfo sobre o Grêmio não entra nessa contagem, pois foi válido pelo primeiro turno). 

Airton sentiu e foi substituído. Sabemos que o problema dele é crônico. Sassá pediu para sair, mas acredito que não preocupa. Neilton sentiu um leve incômodo e também não deve preocupar. Rodrigo Lindoso e Luis Ricardo estão fora. O Departamento Médico do Botafogo continua deixando a desejar. Pelo visto a postagem destacando os dias sem lesão agorou. Preocupa e muito as carências do elenco causadas por lesões. 

Neilton marcou e Sassá participou do lance decisivo. Fica claro que a dupla, cada vez mais entrosada, é fundamental para o bom momento da equipe. 

FICHA DO JOGO

Botafogo 1
Sidão, Diego (Marcelo), Joel Carli, Emerson Silva, Diogo Barbosa; Airton (Victor Luis), Bruno Silva, Dudu Cearense, Camilo; Neilton, Sassá (Vinícius Tanque). Técnico: Jair Ventura. 

Fluminense 0
Diego Cavalieri (Júlio César), Wellington Silva, Gum, Henrique, William Matheus; Pierre (Magno Alves), Edson (Douglas), Cícero, Gustavo Scarpa; Wellington e Samuel. Técnico: Levir Culpi. 

Estádio: Arena Botafogo (RJ). 
Árbitro: Rodolpho Toski Marques (PR). 
Assistentes: Rafael Trombeta (PR) e Ivan Carlos Bohn (PR)
Gol: Neilton (4' do 2º T). 
Cartões amarelos: Sidão, Diego, Joel Carli, Victor Luis e Bruno Silva (Botafogo); Pierre e Edson (Fluminense). 
Público: 10.156. 
Renda: R$ 323.060,00. 

Por: Gabriel De Luca (@biel_dluca).

Empate para ser lamentado

Depois da folga no último final de semana, Chapecoense e Santa Cruz voltaram a campo na tarde desta quarta-feira (7), em partida válida pela 23 rodada do Campeonato Brasileiro, na Arena Pernambuco. O resultado de 2x2 poderia ter sido bom para o Verdão, mas o gostinho da vitória faz com que seja lamentado a perda de mais dois pontos na tabela, já que saiu na frente e ainda ficou com um jogador a mais por grande parte da segunda etapa.

Foto: Cleberson Silva
Sem contar com Caio Júnior, suspenso pela expulsão contra o Flamengo, a Chape foi comandada pelo auxiliar técnico Almir Domingues, na escalação nenhuma surpresa, sem contar com Hyoran e Martinuccio, Arthur Maia e Lucas Gomes voltaram a equipe titular.

No primeiro tempo, sem vencer a sete rodadas no Brasileirão e na vice-lanterna, fez com que os donos da casa partissem para o ataque. Logo no inicio, Danny Morais cabeceou, mas Danilo fez grande defesa. O jogo seguia com pressão do Santa, enquanto o Verdão apenas se defendia, e apostava no contra-ataque em velocidade.

Foi assim que Kempes aproveitou a abriu o placar aos 27 minutos, Gil arrancou e tocou para o atacante, que tirou do goleiro Tiago Cardoso e rolou para o fundo das redes. Tiago ainda foi responsável em impedir com que a Chape amplia-se ainda no primeiro tempo, quando Cleber Santana cobrou falta forte e rasteira, que o goleiro espalmou em escanteio.

Para a segunda etapa, Arthur Maia deixou o gramado para entrada de Ananias, que voltou de contusão. A substituição dava cara que o Verdão fosse para o ataque, mas não foi o que vimos em campo.

Demostrando os mesmos problemas como foi contra o São Paulo, Flamengo e tantas outras partidas, a equipe recuou, e foi bombardeada por uma pressão tricolor. Primeiro aos 6 minutos, João Paulo chutou forte, mas Danilo bem colocado fez grande defesa, em seguida o meia voltou a assustar, desta vez a bola passou por todo mundo e se perdeu em tiro de meta.

A pressão não demorou para ter resultado, Léo Moura cruzou na medida para Arthur, sozinho de marcação, para empurrar para o fundo das redes, sem chances para o goleiro Danilo e empatar a partida.

Aos 13 minutos o balde de água fria para os donos da casa, o zagueiro Luan Peres fez falta em Gimenez, recebeu o segundo amarelo e foi expulso. Só esqueceram de avisar a Chapecoense, que não se encontrava em campo, e parecia ela estar com um a menos.

A virada do Santa não demorou muito, João Paulo cruzou para Bruno Moraes, que tinha acabado de entrar no lugar de Grafite, o atacante completou para o fundo das redes, e fez a festa com seu torcedor que respirava aliviado.

Com a virada, Sergio Manoel e Bruno Rangel entraram nos lugares de Gimenez e Gil, com a virada no placar, as equipes inverteram as táticas, o Verdão saiu para o ataque, enquanto o Santinha recuou, tentando segurar a vitória.

Bruno Rangel que entrou no segundo tempo, teve duas chances de empatar a partida, na primeira o atacante girou e chutou colocado, mas para fora. Já na segunda, não desperdiçou, Kempes foi derrubado na área, o árbitro marcou pênalti, Rangel foi para a cobrança e empatou novamente.

A pressão voltava para o Santa Cruz, que tentou nos minutos finais o gol da vitória, quando João Paulo chutou, a bola desviou no zagueiro Filipe Machado e foi em direção do gol, Danilo bem colocado ficou com a bola e garantiu pelo menos um ponto na bagagem.

O resultado não foi bom, foram quatro pontos perdidos diante de uma equipe que dificilmente conseguirá se manter na série A, o velho problema de conseguir sair na frente do placar, e recuar a equipe é uma herança maldita da história da Chapecoense, já vimos isso com Guto Ferreira, agora com Caio Júnior, quando você deixa com que os adversários pressionem, já cansamos de ver resultados como de hoje, ou até piores, precisamos de mudanças, não de jogadores, mas da forma de atuação da equipe dentro das quatro linhas, são pontos importantíssimos perdidos por bobeiras.

A Chapecoense volta a campo no próximo domingo, na Arena Condá, quando recebe o Coritiba, as 11h. É um horário bom para as famílias, o ingresso baixou para R$ 50,00, não tem desculpas, a Chape precisa do apoio, mas também precisa que a equipe jogue, durante os 90 minutos, buscando a vitória e afastar de vez o fantasma do rebaixamento.


Marcelo Weber ||  @acfmarcelo

Em casa quem manda é a gente

De volta a liderança, nesta terça-feira (6) a seleção celeste goleou o Paraguai por 4 a 0, no estádio Centenário em Montevideu. Os craques uruguaios Suárez e Cavani fizeram a diferença no jogo válido pela oitava rodada das Eliminatórias para Copa do Mundo de 2018.


Aos 18 minutos, o atacante Edinson Cavani pegou de primeira um cruzamento e estourou no fundo do gol. Com maior domínio da partida, o Uruguai conduzia o jogo. Aos 41 minutos foi a vez do uruguaio Cristian Rodríguez acertar um cabeceio após cobrança de escanteio muito maldosa.

A primeira etapa do jogo ainda deu tempo para o atacante do Barcelona, Luis Suárez, sofrer e converter o pênalti cometido aos 45 minutos pelo zagueiro Pablo Aguilar que derrubou o uruguaio. O árbitro brasileiro Wilton Sampaio assinalou e assim terminou o primeiro tempo, 3 a 0 para o Uruguai.

O camisa 9 vive um dos melhores momentos da sua carreira. Neste jogo, ao fazer o gol de pênalti, ele assumiu a vice-liderança das Eliminatórias e está prestes a completar 100 jogos com a camisa do Barcelona com 88 gols anotados pelo time espanhol. Pela competição que garante vaga na Copa do Mundo de 2018, são 18 gols marcados, um atrás do maior artilheiro, Hernán Crespo, com 19 gols. Suárez ainda pode aumentar seus feitos na competição Sul-Americana este ano, nos jogos contra Venezuela, Equador e Chile.

Contudo, o artilheiro da noite foi o atacante do PSG, Cavani, com dois gols. Porém, a dupla formada com Luis Suárez tem mostrado muito resultado. O time se movimenta em campo e se mostra mais confiante nas jogadas desenvolvidas.

Assim como o primeiro tempo, a etapa final da partida começou com marcação fechada e pressão empreendida pela seleção uruguaia. Dessa maneira, o Uruguai administrou o jogo e aos oito minutos o craque Suárez surgiu entre os zagueiros paraguaios, seguiu até a linha de fundo para cruzar para sua dupla de ataque, Cavani que subiu e marcou para fechar o placar em 4 a 0.

O Paraguai não conseguia mostrar poder de reação, os uruguaios continuavam elaborando jogadas, contudo ao fim da partida, ambas as seleções estavam sonolentas.

A derrota para a Argentina na última partida gerou muitas críticas, porém a volta a primeira colocação da tabela com 16 pontos, trás a tranquilidade. O retrospecto é de cinco vitórias, um empate e duas derrotas. O próximo compromisso será em casa, em outubro, dia 10, contra a Venezuela.

Com carinho, Cássia Moura (@cassinha_moura)

Flu perde clássico e fica no meio da tabela

Botafogo x Fluminense  - 07/09/2016

O Fluminense entrou em campo de olho no G4 contra um rival cujas pretensões se limitam à permanência na série A depois de subir ano passado. Diante desse cenário, Levir Culpi decidiu colocar Edson e Samuel nos lugares de Douglas e Henrique Dourado. A primeira alteração parecia boa, já a segunda não se pode chamar de seis por meia dúzia pois nem isso eles valem, melhor chamar de nada por coisa nenhuma.

Os primeiros 10 minutos foram os únicos em que o Fluminense jogou futebol. Durante o resto da primeira etapa, o Tricolor não se achou e ficava tocando a bola de um lado para o outro sem objetividade. A entrada de Edson que serviu para segurar a velocidade dos contra-ataques de Neílton e Sassá, também acabou com a nossa saída de bola. Wellington jogou uma partida horrível assim como Gustavo Scarpa e Cícero. Samuel lá na frente fazia inveja aos zagueiros alvinegros com as bolas rebatidas. Cavalieri ainda se machucou e a torcida pôde satisfazer a vontade de testar Júlio César no gol.

Botafogo x Fluminense  - 07/09/2016
Está cego, Levir? O time não consegue jogar duas partidas bem
Foto: Nelson Perez/Divulgação FFC
Veio o segundo tempo e Levir tentou corrigir o erro do meio de campo. Douglas entrou no lugar de Edson e nem teve tempo de sentir o jogo, uma vez que em quatro minutos o Botafogo marcou seu gol com direito a bola quicando na frente do zagueiro Henrique. 1-0 e já dava para imaginar que o placar seria esse. Nosso treinador ainda tentou mandar o time para o ataque com a saída de Pierre e entrada de Magno Alves. Conseguimos uma ou outra jogada de linha de fundo e uma bola na trave de William Matheus. O time da casa foi fazendo cera, os jogadores do Flu se irritando e o jogo acabou mesmo 1-0.

Botafogo x Fluminense  - 07/09/2016
A torcida compareceu mas o time não correspondeu
Foto: Nelson Perez/Divulgação FFC
Mais uma vez o Fluminense decepcionou e fica difícil acreditar em três pontos segunda contra o Atlético-MG. O Galo venceu o Vitória por 2-1 e já tem 42 pontos. Mesmo em Edson Passos, os mineiros são favoritos.

Vale lembrar que o Flu gastou 15 milhões de reais para comprar Henrique Dourado e Richarlison. Estamos nos especializando em fazer maus negócios.

Saudações Tricolores

Matheus Garzon

Mundial de Futsal: História, curiosidades e 2016

(Foto: Divulgação)
Começa neste sábado, dia 10 de setembro, a maior competição no âmbito mundial para o Futsal: A Copa do Mundo da FIFA, que este ano será disputada na Colômbia. O torneio marca a oitava vez que a entidade máxima do futebol organiza a competição, tendo tido nas outras vezes organizações de órgãos próprios do meio da modalidade.

História

O maior órgão de futebol no mundo, a partir de 1989, assumiu de forma unilateral as obrigações e organizações do Futsal, fazendo no mesmo ano a primeira Copa do Mundo com carimbo da entidade. Realizado na Holanda, o torneio inicial teve como vencedor a Seleção Brasileira.

Por falar na nossa Canarinho, ela é a maior vencedora do torneio desde que a FIFA assumiu de vez as organizações dos mundiais da modalidade. De todas as Copas jogadas desde 1989, sete no total, o Brasil venceu em cinco oportunidades, se igualando ao número de títulos que a seleção do país tem no futebol de campo. Apenas nos anos de 2000 e 2004 a Seleção Brasileira não venceu, sendo derrotada em ambas as oportunidades pela Espanha. Outra força evidente e em constante crescimento no Futsal.

A seleção espanhola detém o recorde inacreditável de ter participado de cinco finais seguidas de mundiais. Fato que nem a maior vencedora do torneio, a equipe brasileira, conseguiu. Isso porque, em 2004, em Mundial disputado na Taipé Chinesa, a decisão ocorreu entre Espanha e Itália.

Manoel Tobias (Foto: esporte.uol.com.br)
Nossa seleção tem o maior goleador de todos os tempos da competição, o ala Manuel Tobias, com 44 gols. Uma lenda do Futsal de todos os tempos, que hoje trabalha como auxiliar, e estará presente na Colômbia para dar instruções à seleção que representará a nossa camisa esse ano. De geração para geração, ele passou o bastão para Falcão, que também já escreveu sua história no painel mundial. Em quatro participações, o gênio das quadras venceu duas vezes o mundial e em duas oportunidades foi o Bola de Ouro, título dado ao melhor da competição.

O Mundial de 2016 

(Foto: fifa.com/futsalworldcup/)

Para esse ano, a FIFA aumentou o número de seleções participantes, elevando a 24 o número de selecionados. Com isso, teremos seis grupos, onde os dois primeiros irão se classificar e os quatro melhores terceiros colocados também. Por seguinte teremos as fases oitavas de final, e consecutivamente as outras, até a final.

A vencedora da licitação para sediar o Mundial, a Colômbia, venceu na disputa pela sede outros quatro países. Junto do país sul-americano, Espanha, França, Porto Rico e República Tcheca também brigavam pelo direito de sediar a oitava Copa do Mundo FIFA de Futsal.

Escolhida em meados do fim de 2014, a Colômbia anunciou suas sedes para as partidas a um ano atrás, em setembro de 2015. Bucaramanga, Medellín, Ibagué e Cali foram as escolhidas. Em meio ao processo de escolhas, cidades como Cúcuta e Bogotá, desistiram e foram descartadas, respectivamente.

O torneio tem início no próximo sábado (10) e vai até o dia 1 de outubro. No dia 10, Cuba e Egito abrem a Copa, 18h. Às 20h, Tailândia e Rússia se enfrentam; e no mesmo horário Uzbequistão e Panamá estarão em quadra. Somente às 22h a dona da casa Colômbia fará sua estreia frente a Portugal. A Seleção Brasileira joga no domingo (11), contra a Ucrânia, às 20h.


Gabriel Campoy || 
Linha de Fundo || 

Unanimidades - #23

     Alô, galera, mais uma rodada chegando (demorou, porém, chegou) e ainda é feriado, ou seja, não pode ter uma quarta melhor. No dia 7 de setembro de 1822, Dom Pedro I, as margens do Rio Ipiranga gritou: “por que você me estressa, Cartola?”.


Na última rodada, o primeiro a ser escolhido foi o santista Vitor Bueno. O jogador jogou muito mal e foi o primeiro a nos decepcionar com seus 0.8 pontos, desvalorizando 0.49 cartoletas. O segundo a decepcionar foi o cruzeirense Rafael Sóbis em pleno Mineirão com todos mitando. A maior frustração da rodada fez menos 2.3 e perdeu 1.45 cartoletas do seu valor. Nada era tão ruim que não podia piorar. Jesus entrou com a missão de abençoar o nosso quadro, mas não foi dessa vez que mitamos. O palmeirense fez 0.2 pontos e desvalorizou 1.62 cartoletas.

Terminada a resenha da vigésima segunda rodada, vamos esquecer, lançar o MIM ACHER e partir para as próximas três unanimidades: Diego, Ábila e Robinho.

Já começaremos com a maior aposta dessa rodada. Diego, o meia do Flamengo, é a maior esperança do time carioca, que vai jogar contra a Ponte Preta, em Cariacica. O camisa 35 fez dois gols em duas partidas e uma média de 9.45. Tem certeza que não vai escalá-lo?


Nome: Diego
Posição: Meia
Time: Flamengo
Valor: C$ 11.42

O segundo escolhido foi um parceiro do Diego no Santos, o Rei das Pedaladas. Diante do Vitória, o terceiro visitante que sofre mais gols, menino Robson tem a missão honrosa de ser o principal nome do Unanimidades #23, sendo que ele já tem dez gols e quatro assistências em 18 jogos com a camisa do Galo no Brasileirão.


Nome: Robinho
Posição: Atacante
Time: Atlético Mineiro
Valor: C$ 22.68

Para fechar com chave de ouro as nossas dicas, encerraremos com ele,  o artilheiro nato Ábila. O jogador da Raposa é um dos melhores atacantes desse Brasileirão e, mesmo com apenas oito jogos, o goleador já tem cinco gols e uma média de 5.31 pontos por jogo.


Nome: Ábila
Posição: Atacante
Time: Cruzeiro
Valor: C$ 10.42

                                    Que a sorte esteja com vocês, amigos Cartoleiros

Por: Matheus Freitas @_MFreitas9_ // Marcelo Weber @acfmarcelo // Matheus Fernandes @Mhfernandes89

Xepa LF - #23

  Fala, Cartoleiros e Cartoleiras

  Senhoras e senhores, meninos e meninas, quanta honra estar com vocês, brincar com vocês, mitar com vocês.


A pior rodada do Campeonato afetou o bom desempenho do Xepa LF. Entretanto, com 37 pontos, ficamos acima da média dos demais. Em primeiro lugar – Fora T.... – ficou o SiteLF com 47 na pontuação; o Chuck Norris LF veio logo atrás fazendo um ponto a menos. A decepção ficou com as três Unanimidades negativando um ponto.
  
A vigésima terceira rodada demorou a chegar, mas veio. Desta vez, reunimos os melhores treinadores e montamos todos os quadros do Linha de Fundo com uma só corrente: fazer mais de 50 pontos em todas.

  Sem mais delongas, vamos ao que interessa:

XEPA LF


Tiago Cardoso – Goleiro
No Mundão do Arruda, Santinha e a Chape Querida vão fazer um jogo aberto, ótima oportunidade para os goleiros pontuarem bem.  

Fábio Santos – Lateral
QUE LATERAL! Defende bem e ataca demais, só vai na boa. Deixou chegar, ele aproveita. No Horto, contra o Vitória, pode sair com SG e fazer uma ótima pontuação.

Lucas – Lateral
Muito barato e começa a entrar no eixo depois de um início muito conturbado na Raposa. Mesmo sendo um clássico, o Cruzeiro é o franco favorito da rodada. Lucas é aposta para quem quer montar um sistema defensivo barato e um ataque poderoso.

V. Hugo – Zagueiro
O defensor mais procurado do Xepinha, quase sempre está no nosso time. O próximo jogo é contra o São Paulo, na Arena, e o zagueiro pode aparecer como destaque diante da incógnita rival.

Réver – Zagueiro
Um dos mais escalados da rodada, Réver tem a obrigação de não nos decepcionar tendo pela frente a Ponte Preta.

Marlone – Meia
A aposta da rodada. Marlone vem jogando bem, decidiu sozinho o último jogo do Corinthians na Arena e ainda vem com a famosa Lei do Ex diante do Sport.

Diego – Meia
Chegou na hora certa para fazer a nação rubro-negra feliz e sonhar com o título nesse ano. Fazendo gol em todos jogos, Diego tem a missão de mitar contra a Ponte.

Juan – Meia
O cara do Coritiba. Rouba muitas bolas, chega com perigo ao ataque e ainda cobra todas as bolas paradas. Diante do Grêmio, no Couto Pereira, Juan é uma boa aposta para a meiuca.

Ábila – Atacante
Goleador nato, só isso basta.

Sassá – Atacante
SASSALOTELLI! O Negro Maravilhoso do Botafogo está fazendo mais gol do que o Catra tem de filho. É a esperança de gol do Glorioso no clássico Vovô.

Robinho – Atacante
O atacante mais escalado da rodada jogará diante do Vitória, no Horto. O Rei das pedaladas tem que mitar.

Mano – Técnico
Chegou e botou ordem na casa. Seguindo a lógica “mais jogadores de um time, escale o treinador desse time”

Com esses jogadores, com esses mitos, O XEPA VAI MITAR!

Abcs, Galera,

Matheus Freitas  @_MFreitas9_


Linha de Fundo  @SiteLF

Após início elétrico, Atlético-GO domina e vence o Luverdense

O Luverdense tem feito bem a sua parte nos jogos fáceis, ou ao menos naquelas partidas cuja obrigação de vencer é do Verdão do Norte. Em um campeonato nivelado, como é a segundona, fazer apenas a obrigação funciona, porém, não permite sonhar com o acesso. É preciso ganhar confrontos difíceis também.

Diante de um dos líderes do campeonato (e líder provisório ao menos até sábado) e fora de casa, a missão não seria fácil. O Atlético-GO é um dos melhores times do Brasileiro e a vitória colocaria o Luver apenas quatro pontos atrás do G4. E foi com esse espírito que o time alviverde entrou em campo.

Viçosa marcou o primeiro gol do Atlético. O uniforme azul não deu sorte para o Luverdense.
(Foto: Divulgação/Atlético-GO)
A mútua vontade de vencer tornou o começo de jogo elétrico. Os goianos colocaram uma bola na trave com menos de dois minutos e viram Hugo perder uma chance incrível para os visitantes pouco depois. Se o artilheiro tivesse rolado a bola para a esquerda, encontraria dois companheiros livres de marcação. O castigo veio imediatamente e, antes do relógio marcar dez minutos, Junior Viçosa abriu o placar.

O golpe não foi bem digerido pelo Verdão do Norte que, exceção feita a um chute fora da área logo na sequência do gol, deu-se por satisfeito de virar apenas perdendo por 1x0. Diogo ainda fez uma defesa espetacular, além de defender com os olhos dois outros chutes perigosos do Dragão.

Se a esperança era de um ajuste no intervalo para ao menos empatar o jogo, ela foi para o espaço no começo da segunda etapa. Michel, de cabeça, ampliou para os donos da casa. E o resto do jogo foi administrado pelo Atlético contra um Luverdense praticamente sem forças para reagir. 

Peru se impõe e vence Equador em casa nas Eliminatórias

Peru e Equador se enfrentaram em Lima na noite desta terça-feira (7) e os donos da casa saíram vitoriosos. Disputando a oitava rodada das Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2018, os equatorianos se esforçaram para encostar nos líderes da tabela, mas pararam na defesa peruana e não conseguiram evitar dois gols.

(Foto: AFP/CRIS BOURONCLE)
Foi um jogo disputado e duro, com as duas equipes criando oportunidades. Ainda no primeiro tempo, Cueva abriu o placar para o Peru e Achilier empatou para o Equador. Entretando, Tapia acabou com a festa dos visitantes e marcou o segundo, fechando o marcador em 2 a 1 para os peruanos.

Com o resultado, o Peru segue em nono lugar com cinco pontos, mas se afasta um pouco mais da laterna Venezuela. Já o Equador segue no bolo da zona de classificação para a Copa e, com treze pontos, está em quinto lugar.

Após mais duas rodadas de competição, as seleções só voltam a campo pelas Eliminatórias do dia 7 de outubro. O Peru receberá a forte Argentina, que lutará para voltar a liderança. Já o Equador, em Quito, enfrentará o Chile.

Peru: Melhorou, mas falta objetividade

A derrota diante da Bolívia, que já estava sem vencer há dez meses, foi um duro golpe na seleção peruana. A altitude de La Paz interferiu nos planos da equipe que, sem Guerrero, poupado no início do duelo e sem oportunidades no segundo tempo, levou dois gols e não teve chances diante dos bolivianos.

Voltando para casa, o panorama não foi exatamente bom, já que a equipe precisa melhorar em diversos pontos, mas foi suficiente para conquistar a vitória diante de uma seleção que disputa diretamente a classificação para a Copa do Mundo. O Peru dominou as ações ofensivas, porém, a falta de objetividade do ataque preocupou e, mesmo com Cueva tentando, o time sofreu até acertar a meta. Gareca precisa melhorar urgentemente esse setor se quiser sonhar com alguma coisa nas Eliminatórias.

Aos 19 minutos, o Peru ganhou um pênalti depois que Achilier tocou com a mão na bola dentro da área. Cueva não desperdiçou e marcou, abrindo o placar em Lima. Entretanto, foi neste momento que o Equador saiu em busca do empate e as equipes acabaram se esbarrando, sem muitas chances criadas.

O empate equatoriano aos 30 minutos do primeiro tempo não desanimou, já que o Peru voltou do intervalo com mais vontade e melhor graças à entrada de Ruidíaz. O jogador peruano melhorou as ações ofensivas e o gol era questão de tempo, já que, mesmo com o duelo aberto, os donos da casa jogaram mais a bola na área.

Domínguez, goleiro do Equador, trabalhou bastante, mas não conseguiu segurar a pressão peruana e, aos 32 minutos, ele afastou mal o chute de Cuva para o meio da área e a bola sobrou para Tapia, que só teve o trabalho de mandar direto para o fundo da rede. Após o 2 a 1, a defesa funcionou e Gallese segurou as melhores oportunidades.

(Foto: AFP/ERNESTO BENAVIDES)
Equador: Má fase preocupa para o resto das Eliminatórias

A boa fase da arrancada inicial ficou no passado. Com atuações ruins nos jogos dessa rodada dupla, a seleção equatoriana não somou nenhum ponto e despencou para o quinto lugar com treze pontos. A classificação ainda não assusta (especialmente considerando que um dos adversários era o Brasil), mas a queda de rendimento sim.

Diante da frágil seleção peruana, a La Tri não conseguiu se impor em praticamente nenhum momento do jogo e pouco criou para sair com um resultado diferente da derrota por 2 a 1. Nem mesmo os tradicionais contra-ataques foram vistos diante de um Peru que tinha apenas uma vitória até o confronto desta noite.

Pior do que isso, as falhas defensivas que vem se repetindo jogo após jogo voltaram a aparecer contra a seleção peruana. Foi através de um pênalti infantil que os donos da casa abriram o placar. O empate acabou caindo dos céus em um lance isolado de bola parada, muito pouco para quem sonha com a vaga na Copa do Mundo.


Quinteros tem pouco mais de um mês para pensar em uma estratégia que repita as boas atuações das primeiras rodadas. Em outubro, a La Tri enfrenta um irregular Chile dentro de casa e precisa vencer para tentar buscar pontos na altitude boliviana no jogo seguinte. É preciso voltar a pontuar para não ser apenas um coadjuvante na reta final das Eliminatórias.

Por Mariana Sá (@marigarboggini) e Stéfano Bozza (@stebozza)

A Nação Xavante está em festa


Tche! Este texto de 2014 continua atual e por muito e muito tempo assim permanecerá. Neste ano de 2016, acrescento nas lutas e conquistas do G. E. Brasil a reconstrução do Estádio Bento Freitas e esta excepcional campanha que o time faz no Campeonato Brasileiro da Série B. É mais uma epopeia na vida deste clube guerreiro. Em um recomeço contínuo, a metamorfose em busca da perfeição continua. Esta perfeição pode até não existir, mas e daí? O que conta é a busca, a luta, a certeza de que nada é impossível para quem tem “A maior e mais fiel Torcida” do interior do Rio Grande do Sul. Enfim, Brasil País e Brasil Clube continuam sua senda em busca da felicidade plena. Ora se alcança, ora não, mas o que importa realmente é a luta. Parabéns Pátria amada! Parabéns Xavantes!


A Nação Xavante está em festa
Sete de Setembro, data gloriosa para o país e para o G. E. Brasil. 1822 e 1911 estão intimamente ligados para os torcedores do Xavante da Princesa do Sul. Embalados pelo orgulho de ser brasileiro, cultuam esta data a cada ano que passa. Não é por acaso que os tremores da Nação assemelham-se aos tropeços desse Rubro Negro tão festejado. Mas também salta aos olhos a alegria que cada torcedor sente na hora da festa. Tal qual o país, batucam e sambam como ninguém. Inúmeras são as semelhanças onde cor e religião transitam naturalmente como se todos fossem um só. Da ostentação da vitória à cura das feridas de guerra Brasil – Nação e Brasil Clube , vivem o dia a dia na maior algazarra.

Em uma sentença abençoada, um torcedor do maior adversário taxou: “Eles são uns Xavantes!”. Não deu outra, tal qual os guerreiros do Mato Grosso, os Índios de Pelotas partem em busca das vitórias como se fosse a última coisa a fazer. Por onde andam fica a certeza de que realmente esta é “A Maior e a Mais Fiel”. Manchetes e mais manchetes de jornais, rádios e televisão registram as façanhas dos “Negrinhos da Estação”.

Os Xavantes galhardamente estufam o peito quando falam do Primeiro Campeão Gaúcho. Mas é difícil afirmar que essa é a maior glória porque, além das centenas de Taças, marcaram terreno no Campeonato Nacional de 1985 com um honroso terceiro lugar. Flamengo, Santos, Cruzeiro e Atlético, entre outros sentiram a força do Estádio Bento Freitas e testemunharam a grandeza dessa paixão desenfreada que cada Torcedor tem pelo Brasil. Na verdade, a Baixada é um verdadeiro Caldeirão a dissolver os oponentes que por aqui passam.

Não pense que este clube vive apenas de jogos local e nacional. Não. A Seleção do Uruguai que o diga, porque está marcada com um homérico 2x1 em pleno Centenário de Montevidéu no dia 19 de maio de 1950. Esta partida carimbou o passaporte para jogos no continente e, em 1956, aconteceu a maior excursão que um clube brasileiro já fez em solo latino. Foram mais de 100 dias e milhares de quilômetros pelo continente com jogos em nove países. Em 28 partidas, a “Excursão pelas Américas” reafirmou o espírito aventureiro das equipes formadas pelo G. E. Brasil e trouxe na bagagem um saldo de 16 vitórias, 6 empates e apenas 6 derrotas. 75 gols a favor e 50 contra atestaram a qualidade do futebol apresentado pela equipe treinada por Gastão Leal. Em uma época em que o meio de transporte primava por navios a vapor e trens, o “Trem Pagador” passou por Paraguai, Bolívia, Peru, Equador, Colômbia, países da América do Sul e Panamá, Costa Rica, Honduras, El Salvador e países da América Central. A ressaltar nessa verdadeira epopeia o jogo Olímpia 2x3 Brasil. Esta vitória acabou com uma imensa invencibilidade do time portenho que não perdia para um clube estrangeiro fazia 20 anos e estava prestes a se tornar campeão nacional.

Poderia passar dias e dias escrevendo sobre o Brasil – País e o Brasil Clube  e não conseguiria destacar todas as semelhanças desses gigantes. Em uma mensagem resumida, destaco as palavras que Tufi Salomão repetia diariamente em seu programa radiofônico Manhã Alegre: “Se o Brasil não fosse o Brasil; o Brasil não seria o Brasil. Mas como o Brasil é o Brasil; então o Brasil é o Brasil”.

Salve Sete de Setembro de 1822!
Salve Sete de Setembro de 1911!
Salve o Brasil – o Campeão do bem querer!
Xavante Munhoso



←  Anterior Proxima  → Inicio

Inscreva-se no canal LFTV

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Mais lidas da semana