A SUA LINHA DE NOTÍCIAS

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

TWITTER

FACEBOOK

Premier League Brasil

Siga-nos nas redes sociais

Popular Posts

Quem sou eu

CLASSIFICAÇÃO

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Não basta ser goleiro - tem que ter reflexo

Bem amigos da Série B, passadas vinte e quatro rodadas, o G. E. Brasil continua firme e desapontando os que achavam que éramos candidatos a claustrofóbica moradia do Z4.

Quarenta pontos ganhos, onze vitórias, vinte e oito gols pró e Felipe Garcia de goleador da competição deixam os experts atarantados diante da consistência de resultados do Time Xavante. Mas não pensem que isto é obra do acaso. Não, aí tem o dedo de Rogério Zimmermann. O treinador Xavante derrubou todos os prognósticos de sites especializados em percentuar quem vai subir e quem vai descer. Agora, às pressas, começam a mudar seus palpites como quem troca de roupa. Alheio a tudo isto se deu bem quem apostou no Brasil.

Nesta vigésima quarta rodada, o G. E. Brasil abriu dois pontos de vantagem sobre o quinto colocado e começa a firmar posição no G4. Se ganhar a próxima, adeus tia Xica porque ninguém mais vai nos tirar da banda de cima.

Agora, o Paysandu foi um osso duro de roer. Não quero nem pensar no início da partida a não ser, claro, no quarto minuto quando Weldinho (numa jogada a la Pelé) tabelou com as pernas do goleiro Emerson e abriu o placar para o Time de Zimmermnn. Um a zero, gostinho de liderança e festa total em todos os lares Xavantes. Parecia que o Papão da Curuzu iria para o beleléu por antecipação.

Mas, “Virgem Maria!”, que sufoco! Este campeonato está trazendo novos ditados populares. Tipo “não basta ser goleiro; tem que ter reflexo”. O jogo recém chegara aos treze minutos e o atacante do Paysandu deu um tirambaço dois palmos adiante da marca penal e o goleiro Xavante espalmou a bola para escanteio fazendo jus ao cânone de São Eduardo Martins.

Quinze longos minutos de jogo e parecia que a Casa ia cair. Quem olhar o lance do gol do Paysandu há de perguntar: como este time está beirando o Z4? Realmente, foi um golaço. Tche! Depois vieram os minutos dezessete, vinte e um, vinte e quatro, vinte e sete e aquela infernidade de lances. Até que, aos trinta e um, o travessão deu o ar da graça a favor do Brasil. Que lance! Que colosso! Quase morri, mas e daí? O que importa é que os deuses do futebol finalmente resolveram jogar a nosso favor nestes últimos anos.

Ufa! Siscapamos! Aí, sim. O Brasil dá o troco com Ramon, Diogo Oliveira, Felipe Garcia, Marlon que mostram porque o Time Xavante está onde está. Fim do primeiro tempo. Meio bom prá Nós. Meio ruim prá eles.

Mal iniciou o segundo tempo e, quando parecia que Eduardo Martins ia falhar, lá estava Weldinho para salvar a situação confirmando a reza de que goleiro bom tem sorte.

Depois disso foi “administrar” como estão dizendo hoje em dia. Um ou dois lances bons para o Paysandu contra um ou dois lances bons para o Brasil. A ressaltar os eternos três minutos de acréscimo. Isto é uma tortura. Si bem que eu jurava que o Brasil mataria o Papão da Curuzu gordinho; ao apagar das luzes. Apesar de ver escapar o gostinho da liderança, o resultado deu pro gasto. Afinal, o G. E. Brasil vai bem. Obrigado! 



Desencantou e goleou

Na partida que antecedeu a duelo contra o Monaco, o Tottenham viajou até Stoke-on-Trent neste sábado (10), para enfrentar o time da cidade. Com atuações abaixo do esperado, os Spurs vinham conquistando os resultados, mas sem convencer. Porém, desta vez, foi diferente e o time conseguiu aplicar uma goleada.
Os Spurs golearam fora de casa (Foto: Getty)
Mesmo com a estreia na Champions batendo na porta, Maurício Pochettino mandou força máxima para a partida, escalando os principais jogadores. Entre eles, o capitão Lloris retornou de lesão, sendo a principal novidade. Outros dois setores também tiveram mudanças, com as entradas de Davies e Son nos lugares de Rose e Lamela, respectivamente. A formação foi mantida: 4-2-3-1  Lloris; Walker, Alderweireld, Vertonghen e Davies; Dier, Wanyama, Eriksen, Dele Alli e Son; Kane.

O JOGO

Se engana quem pensa que foi uma partida fácil durante os noventa minutos para o time de Londres. No início do jogo, o Stoke pressionou a saída de bola, demonstrando que iria ser uma partida difícil para o adversário. Só a partir dos 15', o Tottenham entrou definitivamente no jogo e impôs seu ritmo, chegando duas vezes com Dele Alli. Em uma delas, o jovem teve uma chance clara na área, mas chutou torto. 

Entretanto, o lance foi isolado e a primeira etapa foi de poucas chances claras, até que o placar foi inaugurado. Aos 40', Eriksen recebeu na direita, limpou o marcador e cruzou para Son, que teve toda a liberdade para finalizar e colocar os visitantes em vantagem. E o primeiro tempo terminou assim: Stoke City 0 x 1 Tottenham.

Na etapa complementar, uma jogada foi crucial para que o placar fosse construído: o contra-ataque. Com a necessidade de buscar o empate, o Stoke City atacou de forma desordenada, deixando espaços na defesa. Logo aos 2 minutos, Eriksen bateu de perna esquerda e Given salvou, espalmando para escanteio. 3 minutos depois, Shawcross teve a chance do empate dentro da área, mas mandou para fora.

Em seguida, Maurício Pochettino mexeu pela primeira vez, colocando Lamela no lugar de Wanyama. Porém, a exemplo do primeiro gol, foi a dupla Eriksen/Son que apareceu mais uma vez. Aos 12', o dinamarquês serviu o coreano, que acertou um belo chute no ângulo. No lance seguinte, Walker cruzou para Dele Alli, que fez 3 a 0 e praticamente garantiu a vitória a favor dos visitantes.


Kane marcou o primeiro dele e o quarto dos Spurs (Foto: PA)
Após o terceiro gol, os Potters não demonstraram em momento nenhum que poderiam reagir, enquanto os Spurs controlavam o jogo e pareciam satisfeitos com o resultado. Porém, Kane buscava quebrar o jejum, já que ainda não havia marcado na competição. E quebrou, o artilheiro fez o seu gol de número 50 em todas edições e transformou a vitória em goleada, antes de ser substituído por Janssen.

Já no fim da partida, o Stoke ainda tentou diminuir, mas quando Lloris não defendeu, Walker salvou em cima da linha. Aos 33', Eriksen deixou o campo depois de uma grande atuação, dano lugar a Sissoko. O estreante quase marcou, quando a bola foi desviada na defesa e Given teve que se esticar todo, para salvar o quinto gol. Entretanto, o placar de 4 a 0 foi mantido, até o apito final.

O resultado foi importantíssimo para o Tottenham, que chegou aos 8 pontos, manteve a invencibilidade e entrou no G-4  pelo menos momentaneamente, já que o Everton ainda joga na rodada. Na próxima rodada, o time londrino grandes chances de se consolidar ainda mais entre os primeiros colocados, já que recebe o Sunderland. Antes disso, tem a estreia na principal competição de clubes do planeta, a Champions.

#COYS

Por: Marcelo Júnior || Twitter: @marcelinjrr / @SiteLF / @PLBrasil_LF

Minutos finais inimigo do Oeste

Oeste começa bem mas vacila no final do jogo e perde pro líder no São Januário.


Desde o começo da partida, o Oeste tinha noção de que teria que tomar cuidado, pois estaria enfrentando um adversário muito difícil e fora de casa. E começou não dando mole pro adversário com uma marcação firme e com uma formação mais ofensiva, porém aos 24 minutos, em uma bola parada o Vasco da Gama abriu o placar, sem chances para o arqueiro rubro-negro e aos 27' minutos o time carioca ampliou.

A reação do Oeste começou a partir do segundo gol, em um bom cruzamento na grande área, o artilheiro Ricardo Bueno, não desperdiçou e diminuiu para o Rubrão de cabeça. O jogo começou a ficar mais pegado, truncado com as duas equipes indo atrás do resultado, que era importante para ambos. Na volta do segundo etapa, o time de Itápolis, voltou com ânimo, tanto que aos 16' minutos, Crysan em um belo chute de fora da área, no ângulo empatou para o Oeste.

Até então, um empate pro Oeste estava de bom tamanho, time estava contente com o resultado, mas em uma desacordada da defesa oestina, o time Carioca conseguiu voltar a frente do placar, nos minutos finais, sem ânimo para tentar reagir naquela altura do jogo. O time não vem jogando tão mal, é a defesa que não está se encontrando dentro de campo, fazendo que o time tome tantos gols. Um dado interessante do Oeste nesses dois últimos jogos é que a equipe marcou 5 gols, porém tomou 6. Mostra que a equipe está correndo atrás do placar, apenas precisar acordar dentro de campo e parar de vacilar nos minutos finais e segurar o jogo quando realmente precisa.

A situação está se complicando, a zona do Rebaixamento é logo ali, será que querem amargar mais um descenso em 2016? Esperamos que reaja logo, e à partir desta terça-feira, quando enfrenta o Criciúma, em Santa Catarina às 20h30.


VAMOS OESTE! 

Césare Boralli || @cesareboralli
Linha de Fundo || @SiteLF

De Bruyne barbariza e City vence o dérbi

De Bruyne foi o grande jogador do derbi (MirrorUk)
Em seu primeiro derbi de Manchester, Pep Guardiola levou a melhor sobre o United de seu rival Mourinho por 2 a 1 em Old Trafford. Ingredientes não faltaram a essa partida. Ibrahimovic x Guardiola, De Bruyne x Mourinho, antigos desafetos se encontraram novamente e o lado azul saiu vencedor.

A primeira etapa foi amplamente dominada pelo City, a já característica “Guardiolice” foi evidente mais uma vez. Posse da bola total do City, recuperação rápida da posse, não deixando espaço para o United. Destaque para as atuações monstruosas de Fernandinho e De Bruyne que parece que jogou tudo que sabe para jogar na cara de Mourinho que o dispensou nos tempos de Chelsea.

City podia ter feito 3,4 e até 5 no primeiro tempo, mas conseguiu fazer apenas dois. De Bruyne e Iheanacho (Gabriel Jesus nigeriano) marcaram pro City. Porém, “graças” ao estreante Bravo, o United diminuiu no fim da primeira etapa. O início de jornada do goleiro chileno na Inglaterra foi para se esquecer, além de ter sido o principal culpado pelo gol, ainda passou sufoco mais umas 5 vezes em suas saídas com os pés. Ainda nos acréscimos da primeira etapa, em mais uma saída errada de Bravo, os vermelhos quase empataram em finalização de Ibra.

Jogadores comemoram o gol (MirrorUk)
O drama continuaria na segunda etapa. United foi no embalo da torcida e pressionou o City, que por sua vez, provou que não era só de posse de bola que se vivia Guardiola. City obteve ótimos contra-ataques e quase chegou ao terceiro mais uma vez com De Bruyne. No fim foi só segurar a mediana pressão imposta pelo United e comemorar a baita vitória dentro do estádio do rival.

Não é querendo gabar não, mas só que já começo a ver um desnivelamento. Do jeito que o Citão vem, e pelo tanto que ainda tem por evoluir, pode não ser um campeonato tão equilibrado como os recentes. Esse palpite é 70% de analista e 30% de torcedor (ou vice versa). Para finalizar, VAI CITY.

West Ham leva virada surpreendente em casa

Os Hammers enfrentaram o Watford pela 4ª rodada da Premier League e buscavam fazer as pazes com a vitória. Era esperado um bom jogo do West Ham, esperado também uma vitória, não importa a forma que ela fosse, mas surpreendentemente o Watford venceu por 4-2, revertendo uma boa vantagem da equipe da casa.

Michael Antonio foi mais uma vez o melhor jogador dos Hammers em campo, (Foto: Reuters)
Os Hammers começaram bem a partida, em um bom ritmo e logo aos 5 minutos Antonio abriu o placar e ele novamente abriu uma vantagem de 2-0 em 33 minutos de partida. O que era céu até ai virou inferno, em doze minutos o Watford foi bastante seguro, soube se reorganizar e marcou três gols, virando a partida para 3-2, os autores dos gols foram: Ighalo, Deeney e Capoue. Foi um baque enorme para o West Ham que sofreu e a partir daí não se conseguiu mais impor seu ritmo de jogo, e logo aos 63 levou o quarto gol, marcado por Holebas para decretar a vitória dos Hornets.

O jogo teve a volta de Payet, Feghouli e a estreia de Zaza, era esperado mais dos Hammers nesse jogo, pelo menos uma vitória, mesmo que fosse apertada. Bilic precisa repensar a forma de jogar do West Ham que não vem dando nada certo desde a eliminação precoce na Liga Europa. São três derrotas em quatro partidas na Premier League, algo que não era de se esperar, já que eram depositadas esperança que os Irons fossem brigar sempre lá na ponta da tabela, já que montou um plantel maravilhoso, uma mudança de postura é fundamental na próxima partida para já começar uma arrancada em busca do topo.

O West Ham volta a jogar dia (17/09), contra a equipe do West Bromwich, às 11h. Que a mudança de postura venha dessa partida, já que as principais peças já estão a disposição de Slaven.

Thomaz Gomes | @thomazgomes_
Linha de Fundo | @SiteLF

Está na hora de fazer as pazes com a vitória

O alvinegro enfrentou o Goiás pela 24ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série B e como era esperado infelizmente, não apresentou um bom futebol e foi derrotado por 2-0. Foi apenas mais uma péssima atuação do Vozão que vem devendo desde o começo do segundo turno do campeonato.

O Ceará infelizmente foi o mesmo, sem raça, parece está realmente está acontecendo algo nos bastidores do clube, ou então é verdadeiro o que todos os torcedores pensam, que a maioria dos jogadores que estão ali no elenco estão jogando apenas por dinheiro. As contratações recém chegadas são uma incógnita, não se pode pensar que os jogadores que chegaram são a salvação da pátria. É preciso voltar ao primeiro turno, aonde com dificuldades e muitas limitações e que mesmo assim a equipe conseguiu terminar na segunda colocação 


(Foto: Rosiron Rodrigues/Goiás)
Sobre a partida só tem a se dizer que mais uma vez o adversário do Vovô consegue jogar livremente, sem dificuldades, venceu por dois a zero com uma certa facilidade, ainda mais com um jogador a mais, já que Ricardinho foi expulso pela equipe alvinegra aos 5 minutos do segundo tempo, ali o Esmeraldino marcou o segundo gol poucos minutos depois e apenas administrou o jogo, mérito do Goiás que soube fazer muito bem sem papel, e anular qualquer chance clara do fragilizado Ceará que não faz uma boa partida a jogos.

Na próxima rodada o Ceará enfrenta o Sampaio Corrêa às 21h30 na Arena Castelão. Chegou a hora de mostrar porque esse time estava nas primeiras colocações no primeiro turno, aproveitando que enfrenta o último colocado da Série B. A vitória é quase que uma obrigação e os 3 pontos super fundamentais.

Thomaz Gomes | @thomazgomes_
Linha de Fundo | @SiteLF

Três pontos na última volta do ponteiro

Na tarde do último sábado (10), o Arsenal recebeu o Southampton, no Estádio Emirates, em partida válida pela 4ª rodada da Premier League. O jogo teve lance de falta de sorte do goleiro Petr Cech, golaço do capitão Koscielny e virada no apagar das luzes com Cazorla convertendo um pênalti.

Koscielny marcou um belo gol para o Arsenal, Foto: The Guardian

Os Gunners têm um compromisso no meio de semana pela Liga dos Campeões, o que fez o técnico Arsène Wenger poupar alguns de seus titulares. Xhaka, Alexis e Giroud começaram no banco, em contrapartida, Wenger promoveu as estreias de Mustafi, na defesa e Lucas Pérez, no comando de ataque.

Aos 18 minutos, um lance inusitado e de azar do goleiro Petr Cech, Tadic cobrou uma falta, Cech tocou na bola, que bateu no travessão, voltou nas costas do camisa 33 e entrou no gol. Dez minutos depois, em uma bola jogada na área, Koscielny acertou uma bela bicicleta para igualar o marcador em Londres.

Quando o empate parecia certo, Giroud disputou uma bola na área e foi puxado. O juiz marcou pênalti já nos acréscimos do segundo tempo, Santi Cazorla foi para a cobrança e converteu, virando o jogo para o Arsenal e dando números finais ao jogo.

Com a vitória, os Gunners chegaram aos 7 pontos, na sexta posição na tabela. Na próxima terça-feira (13), os comandados de Wenger vão até Paris, enfrentar o PSG, confronto válido pela primeira rodada da Liga dos Campeões.


Lucas Felipe (@lsouza73)

Atalanta sai atrás no placar, mas vence Torino no Italiano

Depois de dois jogos e duas derrotas, a Atalanta venceu o Torino em casa pelo placar de 2 a 1.


O primeiro tempo foi bastante movimentado, porém não saiu gol e quem começou atacando foi a equipe da casa. 

Aos sete minutos, Alejandro Gomez l finalizou com o pé direito, mas a bola foi para fora. Três minutos depois, o Torino atacou com Cesare Bovo, que teve sua finalização bloqueada. A partir dos 11 minutos, três finalizações passaram perto de abrir o placar, uma da Atalanta e duas do Torino. Gomez finalizou com o pé direito de fora da área, no outro lado, Lorenzo De Silvestri cabeceou do meio da área após escanteio. Por fim, Marco Benassi quase deixou os visitantes na frente com uma finalização perigosa.

Aos 20, Abdoulay Konko finalizou com o pé direito do meio da área. Seis minutos depois, Mauricio Pinilla bateu em direção ao gol, mas o goleiro defendeu. Aos 27, foi a vez de Kessié levar perigo ao gol do Torino.

Já no final do primeiro tempo, Cristian Molinaro arriscou com o pé esquerdo e assustou os mandantes, que responderam com Remo Freuler para encerrar a primeira etapa.

O jogo marcou a estreia de Joe Hart pelo Torino. Foto: Divulgação.
O segundo tempo terminou como o primeiro, muitas finalizações de fora da área que levaram e outras que não levaram perigo. Aos 48,  Bovo cabeceou do meio da área após cruzamento de Mirko Valdifiori. Dois minutos depois, em um lance parecido, Pinilla quase abriu o placar. Aos 50, Iago Falque cobrou bela falta e fez 1 a 0 Torino. Sem dar nem tempo de comemoração, os donos da casa empataram. Andrea Masiello finalizou no meio do gol após escanteio.
Chegando ao minuto 65, Marco D'Alessandro finalizou com o pé direito de fora da área, mas foi bloqueado. Aos 70, o mesmo D'Alessandro perdeu grande chanve após contra ataque rápido. Já na casa dos 80 minutos, Lorenzo De Silvestri cabeceou forte, mas o goleiro estava atento e fez a defesa para evitar o segundo gol dos visitantes. Porém, a virada da Atalanta veio dois minutos depois com Kessié, de pênalti.

Final de jogo, Atalanta 2 a 1 Torino.

Melhor do que as outras duas partidas, a Atalanta teve posse e atacou muito bem, porém apresenta falhas na marcação. Sabemos que o campeonato é longo, mas esse é um problema que o quanto antes arrumar, melhor para a equipe.

INFORMAÇÕES SOBRE A PARTIDA:

Data: Domingo, 11 de setembro de 2016
Horário: 12h (horário de Brasília)
Local: Estádio Atleti Azzurri d'Italia.

Atalanta: Marco Sportiello, Rafael Toloi, Andrea Masiello, Ervin Zukanovic, Abdoulay Konko, Remo Freuler, Franck Kessie, Jasmin Kurtic, Marco D'Alessandro, Alejandro Gomez e Mauricio Pinilla.

Torino: Joe Hart, Cristian Molinaro, Leandro Castan, Cesare Bovo, Lorenzo De Silvestri, Daniele Baselli, Marco Benassi, Mirko Valdifiori, Maxi Lopez e Iago Falque.

O próximo jogo será contra o Cagliari no dia 18 de setembro.

Uma partida para se esquecer

Fala, nação azul. Confesso que estava mal acostumada com a sequência de invencibilidade da Raposa e perder para o Botafogo dentro de casa foi decepcionante. Porém, essa derrota veio com o gostinho de “calma, torcedor, o nosso objetivo não é G4 e sim não ser rebaixado”. Esquecemos rápido demais do nosso principal propósito e nosso foco é a Copa do Brasil e a permanência na elite do campeonato.

Podemos dizer que desde que Mano Menezes chegou, o Cruzeiro teve sua pior atuação, foi abaixo da média, sem criatividade e cometeu falhas que custaram os três pontos.

@Cruzeiro
A derrota não significa que o time irá regredir, pelo contrário. Se encaramos com um ponto positivo, pode servir como aprendizado para a equipe, essa é a chance de concertar os erros grotescos e desnecessários, mas em poucas palavras Mano Menezes conseguiu resumir o jogo: “Não dá para separar o sistema defensivo do ofensivo. Não fomos bem como equipe, fizemos um jogo abaixo, tivemos dificuldade para encontrar soluções, para um time que propôs uma marcação mais baixa. Não estávamos inspirados”.

Pela frente, o Cruzeiro tem adversários difíceis, entre eles: São Paulo, Atlético- MG e Flamengo, se meu coração vai aguentar? Com certeza, não. O próximo confronto é contra o São Paulo e quando o assunto é pontos corridos o Cruzeiro não tem muita sorte ao enfrentar a equipe, então já preparem para pedreira que temos na quinta-feira às 21h.

E um último detalhe, porém não menos importante, a Raposa tem dois desfalques para esse duelo: Arrascaeta e Ábila, que receberam o terceiro cartão amarelo (que todo mundo sabe, que eles forçaram o terceiro cartão, para não desfalcar no clássico, mas essa parte ninguém conta).

Sobre o jogo:

O confronto entre Cruzeiro e Botafogo era para testar a paciência do jogador e principalmente dos torcedores, a equipe carioca veio com uma proposta defensiva que estava quase impossível, se não impossível de se infiltrar.

O primeiro tempo celeste foi decepcionante, vimos um Cruzeiro apático e as melhores oportunidades da Raposa eram sempre em falta ou escanteio e apesar do Maior de Minas não estar em uma tarde inspirada, conseguia pressionar o elenco visitante, ou seja, uma primeira etapa totalmente equilibrada.

A etapa complementar, sem duvida começou melhor que a primeira, ao contrario da primeira etapa, a Raposa estava com mais eficiência e tinha mais cautela ao criar suas jogadas.

@Cruzeiro
Entretanto, a sorte não estava a favor do grupo celeste, para vocês terem noção do quanto a situação estava ruim, no jogo ontem até Wanchope Ábila perdeu gol, meus amigos, e quando fez um humilde gol, o famoso gol da misericórdia  a arbitragem anulou o tento legal da Raposa.

Enquanto a equipe azul e branca brincava com o azar, o Botafogo aproveitou as duas boas oportunidades para balançar as redes, a primeira foi aos 20’ com Canales e o time carioca ampliou sua vantagem aos 34’ com um golaço de Camilo.


Paula Fernandes @Paulinha_CEC

Em sua melhor atuação no campeonato, Chelsea perde 100%

Neste domingo (11), o Chelsea perdeu o 100% de aproveitamento no Campeonato Inglês após empatar fora de casa frente ao Swansea. Os Blues dominaram o primeiro tempo abriram o placar e tiveram algumas chances de ampliar a vantagem e ter um segundo tempo tranquilo, mas a virada em dois minutos do Swansea fez com que o empate se tornasse um bom resultado.

Fonte: Chelsea.com
O primeiro tempo foi amplamente dominado pelo Chelsea, o time comandado por Antonio Conte teve a pose de bola e contando com uma ótima atuação dos seus meias, Oscar, Hazard e Willian e contando com muitos desarmes de Kante, o time de Londres teve algumas oportunidades. A primeira delas já aos 4 minutos, Kante desarmou no meio e lançou Willian que chutou para boa defesa de Fabianski. O gol não demorou a sair, aos 17 minutos após Fernandez afastar mal, Oscar dominou, protegeu e rolou para Diego Costa abrir o placar. Depois do gol o Chelsea teve mais oportunidades, Hazard em um contra ataque e defesa de Fabianski e Diego Costa perdeu uma chance inacreditável após escanteio, os donos da casa tiveram apenas uma boa chance com Sigurdsson. 

 O começo do segundo tempo não foi diferente do primeiro, Chelsea controlando o ritmo de jogo e não correndo nenhum risco, mas tudo mudou em 2 minutos. Depois de um grande contra ataque puxado pelo Swansea, Courtois tenta cortar a bola mas apenas acerta Sigurdsson, fazendo pênalti que o próprio Sigurdsson cobrou e empatou o jogo, 2 minutos depois, Fer faz falta em Cahill, arbitro não marcou e Fer saiu frente a frente com Courtois e tocou por baixo para virar o jogo. Depois da virada o jogo foi de ataque contra defesa, Oscar perdeu uma boa chance cabeceando livre por cima, Hazard foi travado por Fabianski que pouco depois defendeu chute de Oscar. O empate saiu aos 35, Ivanovic fez linda jogada pela direita e cruzou para Diego Costa, de bicicleta, empatar o jogo. Diego ainda teve a chance da virada mas o melhor do Swansea no jogo, Fabianski defendeu. 

Fonte: Globoesporte.com
Com o empate, os Blues perderam o 100% no campeonato, chegaram aos 10 pontos se isolando na vice liderança do campeonato, apenas atrás do Manchester City, que tem 12 pontos. A vitória não veio por questões de detalhes, um pouco mais de capricho e calma na hora de fazer o gol, mas também não contava com uma ótima atuação de Fabianski, o importante foi ver que o time está encorpando e voltando a ter uma forma de jogar, o próximo adversário é o Liverpool em Stamford Bridge, primeiro grande jogo de Conte pelo Chelsea, que o espírito italiano vença o alemão.

Sem pânico, o campeonato é longo


Quatro jogos, quatro gols, que cartão de visita! (Getty Images)
"Old Trafford lotado e tudo para uma grande festa, mas faltou combinar com De Bruyne".

Vou logo começar discordando dos especialistas que apontam um domínio do City. Com Van Gaal, todo jogo tínhamos a posse de bola acima dos 70%, mas isso não refletia em vitórias, então nem me venham com a posse do City e bla, bla, bla. Achei o jogo espetacular. Os gols saíram em falhas individuais de Blind nos dois do timinho vencedor e de Bravo no golaço de Ibra, que, inclusive, junto com Saha e Van Persie marcou nos quatro gols nos quatro primeiros jogos da Premier League. Fora isso, foi um jogo lá e cá, com boas oportunidades para ambos os times.

Não vou falar de erros de arbitragem, dois pênaltis, amarelos só pra gente, todo jogo é isso. Vou pontuar alguns fatos que me chamaram a atenção, logicamente sobre o Manchester United:

Será que Pogba renderia melhor jogando mais a frente? (dolce-sport)
Pogba começou a chamar atenção jogando de meia armador na Juventus, como volante ele não se destaca tanto, está aí a França que não me deixa mentir. A impressão que tenho é que ele se sente melhor armando, sem a obrigação de destruir as jogadas adversárias. Vamos ver como vai ser durante a temporada.

Não vejo razão de jogar com Blind improvisado quando temos Smalling, que é titular da seleção e, o mais importante, zagueiro de ofício. Tudo bem utilizá-lo durante uma partida, mas não pode ser o titular. 

Rashford, como esse garoto joga e tem estrela. O futuro do nosso ataque está em boas mãos, ainda fez um gol que foi anulado. Bonito de se ver jogar.

A meu ver, Mourinho errou apenas em não entrar com Mata no lugar de Lingard. Poderia ter entrado também com Martial em vez de Mkhitaryan, mas aí vejo como uma opção diferente. 

Ibra vem dando muito certo no Manchester, me lembra um pouco Cantona. (Getty Images)
Vou terminar por aqui com um sentimento de esperança nesta temporada, até o próximo jogo do Manchester. 

Em jogo de pouca inspiração, Palmeiras conquista ponto importante diante do Grêmio

Pressionado pela vitória do Flamengo, o Palmeiras foi até Porto Alegre enfrentar o sempre encardido Grêmio, um dos melhores mandantes do campeonato. Em uma tarde pouco inspirada, restou ao palmeirense se apegar ao histórico positivo diante do rival: nos últimos doze jogos entre os times, apenas duas derrotas.

Com Jean e Mina suspensos por cartão amarelo, o lado direito da defesa palmeirense acabou sendo o principal foco de preocupação para o técnico Cuca. Quando todos esperavam o deslocamento de Tchê Tchê para a lateral, o treinador palmeirense optou por improvisar Gabriel. A decisão mostrou-se acertada.

Apesar de nitidamente perdido na nova função, especialmente no apoio, o volante conseguiu dar um suporte defensivo importante para um jogo fora de casa, além de manter a sempre importante movimentação de Tchê Tchê no meio-campo que, inclusive, esteve em um dia de baixa inspiração, errando muitos passes.

No lugar de Gabriel no meio, entrou Thiago Santos. A opção reforçou o poder de marcação e desarmes, quesitos nos quais Thiago é mestre, porém prejudicou muito a saída de bola palmeirense. O resultado foi uma enorme quantidade de passes errados e bolas longas que tornaram o Grêmio dono da posse na primeira etapa.

Edu Dracena disputa jogada contra Bolaños.
(Foto: Globo Esporte)
É bem verdade que foram raras as chances de gol para os dois lados. O Palmeiras só chegou na bola parada e o Grêmio teve a melhor chance do primeiro tempo quando Pedro Rocha saiu na cara do gol e Jailson, cada dia mais seguro, salvou com uma grande defesa. O jogo truncado e de muito contato era o que queria o Palmeiras para fazer o tempo passar.

Apesar de melhorar após o intervalo, o Verdão seguiu sem incomodar por boa parte do segundo tempo. A bola era gremista novamente, mas as chances de gol continuaram raras. A melhor delas veio em uma cobrança de falta espetacular de Edilson para uma defesa ainda mais espetacular de Jailson, salvando mais um vez o alviverde de levar o gol.

Com o passar do tempo, o Grêmio foi se jogando cada vez mais ao ataque e deixando um campo aberto para contra-ataques. Mesmo em uma partida muito abaixo da média, o Palmeiras poderia ter saído com a vitória caso caprichasse um pouco mais nas duas chances que se apresentaram: Dudu mandou um bonito voleio na trave e, pouco depois, Rafael Marques tentou tirar do goleiro e viu Marcelo Grohe fazer ótima defesa.

O empate, porém, ficou de ótimo tamanho para o desempenho palmeirense. O ponto conquistado devolveu a liderança isolada da competição com um confronto direto diante do Flamengo na quarta-feira. Caso vença, esse ponto pode ser muito comemorado: serão quatro de vantagem para o rival carioca e duas rodadas a menos restando. De qualquer forma, vale lembrar, o campeonato não acaba quarta-feira, independente do resultado.

O DESTAQUE: Novamente muito seguro, o Palmeiras só não saiu derrotado de campo graças ao goleiro Jailson. A cada dia melhor e passando mais confiança para o time e torcida, fez duas defesas espetaculares e salvou o Verdão no sul.

BOLA MURCHA: Recebendo nova oportunidade de começar jogando, Roger Guedes não fez uma grande partida. Em que pese a ausência de uma ajuda no apoio pela direita, poderia ter sido mais participativo para desafogar o time nos momentos de pressão. Acabou substituído no segundo tempo.

Na Torcida Xavante


Xavante Munhoso conta algumas de suas histórias a Cesar Porto, dando início à série Na torcida Xavante, que vem para oportunizar aos Rubro-Negros passar um pouco de suas experiências e emoção ao lado do G. E. Brasil e sua maravilhosa Torcida.

Este primeiro vídeo serviu de teste e, para as próximas histórias, vamos melhorar a apresentação do trabalho.

A certeza é uma só, a cada entrevista será convidado um torcedor diferente e a manifestação de integrantes de Núcleos e de Torcidas Organizadas fará parte dos vídeos que vem para mostrar às novas gerações um pedacinho da contribuição que cada um deu para a grandeza do nosso clube e da torcida Xavante.

Prestigie e passe adiante essa ideia. Você também poderá contar suas aventuras e experiências ao lado da maior e mais fiel Torcida do Interior do Rio Grande do Sul.

Xavante Munhoso
xavantche@gmail.com


Botafogo vence Cruzeiro no Mineirão, derruba tabu e segue subindo na tabela

Embalados, Cruzeiro e Botafogo enfrentaram-se na tarde deste domingo (11), no Mineirão, em partida válida pela 24ª rodada do Brasileiro. Com uma atuação segura, o Alvinegro derrotou o time mineiro por 2 a 0 e subiu novamente na tabela de classificação. Com 35 pontos conquistados, o Glorioso agora enfrenta o Santos, na Arena Botafogo, na próxima quarta (14), às 19h30. 

O JOGO

O primeiro tempo foi bem equilibrado. Com problemas para escalar o time, o técnico Jair Ventura apostou nas improvisações para surpreender a equipe comandada por Mano Menezes. E conseguiu. O Alvinegro jogou de igual para igual e em nada lembrou aquele Botafogo que foi derrotado por 5 a 2 na Copa do Brasil. Os dois times criaram oportunidades e fizeram um duelo bem disputado, apesar do placar zerado na etapa inicial. Aos 15 minutos, por exemplo, Victor Luis arriscou chute de longe e a bola passou muito perto do gol. Excelente oportunidade. Aos 28', foi a vez do Cruzeiro levar perigo. Após bela troca de passes, Edimar cruzou rasteiro e, para sorte do goleiro Sidão, a bola passou por todo mundo até sair pela linha de fundo. Aos 36 minutos, de forma equivocada, o árbitro Rafael Traci marcou falta de Joel Carli sobre Arrascaeta. Não houve absolutamente nada. No minuto seguinte, Rafael Sobis bateu colocado, no ângulo, obrigando Sidão a espalmar. Aos 43', Bruno Rodrigo cabeceou com perigo. Segundos depois, Robinho foi acionado na área e tocou para Arrascaeta, que dominou e mandou de canhota. A resposta do Alvinegro veio no lance seguinte, em contra-ataque perigoso. Neilton recebeu a bola com liberdade dentro da área e chutou cruzado. O goleiro Rafael, no entanto, fez ótima defesa com os pés e evitou o gol. Aos 45', o primeiro tempo chegou ao fim. As melhores oportunidades foram, de fato, do Glorioso, que não facilitou a vida do Cruzeiro. 

O Botafogo retornou para a etapa final com modificação. Sassá, no intervalo, foi substituído por Canales. Logo aos 7 minutos, a equipe mandante assustou. Arrascaeta cruzou da direita e buscou Ábila, que não alcançou a bola. Aos 18', Dudu Cearense deu bobeira e perdeu a bola, que chegou na área. Ábila passou por Joel Carli e chutou. Sidão defendeu e salvou o Glorioso. No minuto seguinte, Arrascaeta bateu colocado, no meio do gol e Sidão, mais uma vez, fez bela defesa. Aos 20 minutos, Victor Luis avançou pela esquerda e tocou para Canales, livre na área e bem posicionado. O chileno só teve o trabalho de mandar a bola para o fundo das redes e abrir o placar no Mineirão. O Alvinegro ampliou, mais precisamente aos 33 minutos. Após cruzamento de Victor Luis, Camilo pegou de primeira, sem deixar a bola cair e fez um golaço. 


Camilo marcou no Mineirão e fez valer a lei do ex (Foto: Andre Yanckous/ AGIF/ Lancepress!)
O Cruzeiro tentou diminuir aos 38', com Lucas, que aproveitou sobra e arriscou de canhota. Sidão mais uma vez fez defesa providencial. Aos 41', outra chance do Cruzeiro. Arrascaeta cruzou e viu a bola passar por três jogadores na área. Na sequência, Jair Ventura fez a última mexida no Botafogo, tirando Victor Luis para dar lugar ao estrangeiro Yaca. O time mineiro pressionava, buscava o gol e aos 47' marcou. Ábila tocou e empurrou para o fundo do gol. O lateral Lucas, que participou do lance, com intenção ou não de tocar na bola, estava impedido e, portanto, o lance foi invalidado. Aos 50 minutos, o Glorioso pôde enfim comemorar. Vitória maiúscula que encerrou um incômodo jejum de 19 anos sem triunfo no Mineirão. 

OBSERVAÇÕES

Camilo caiu que nem uma luva nesse time do Botafogo. Arrisco dizer que foi a melhor contratação do ano. 

Jair Ventura foi extremamente inteligente. Ousou e deu solução aos vários desfalques do Botafogo ao improvisar jogadores. 

Detalhe para a atuação segura da zaga, assim como de Sidão, que foi primordial para a vitória. Victor Luis merece destaque também, afinal, foi responsável pelos passes nos dois gols. 

Confesso que não esperava uma reação tão boa do Alvinegro, que venceu seis dos últimos sete jogos no Campeonato Brasileiro. 

A arbitragem esteve extremamente mal intencionada. Marcou faltas inexistentes contra o Botafogo (uma delas provocou o terceiro cartão de Joel Carli). Além disso, deu inexplicáveis cinco minutos de acréscimo, com o Cruzeiro pressionando. 

FICHA DO JOGO

Cruzeiro 0
Rafael, Lucas, Manoel, Bruno Rodrigo, Edimar; Henrique, Ariel Cabral (Lucas Romero), Arrascaeta; Robinho (Willian), Rafael Sobis (Alisson), Ábila. Técnico: Mano Menezes. 

Botafogo 2
Sidão, Emerson Santos, Joel Carli, Emerson Silva, Victor Luis (Gervasio Nuñez); Diogo Barbosa, Bruno Silva, Dudu Cearense, Camilo; Neilton (Rodrigo Pimpão), Sassá (Canales). Técnico: Jair Ventura. 

Estádio: Mineirão (MG).
Árbitro: Rafael Traci (PR). 
Assistentes: Bruno Boschilia (PR) e Luciano Roggenbaum (PR). 
Gols: Canales (20' do 2º T); Camilo (33' do 2º T). 
Cartões amarelos: Lucas Romero, Arrascaeta, Willian e Ábila (Cruzeiro); Joel Carli e Bruno Silva (Botafogo). 
Público: 28.569. 
Renda: R$ 700.430,00. 

Por: Gabriel De Luca (@biel_dluca). 
←  Anterior Proxima  → Inicio

Inscreva-se no canal LFTV

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Mais lidas da semana