A SUA LINHA DE NOTÍCIAS

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

TWITTER

FACEBOOK

Premier League Brasil

Siga-nos nas redes sociais

Popular Posts

Quem sou eu

CLASSIFICAÇÃO

domingo, 4 de dezembro de 2016

Goleada, alívio e por que não pés no chão?

Em partida válida pela 14ª rodada, o Tottenham recebeu o Swansea neste sábado (03) e buscava a recuperação, após perder a primeira na Premier League. A queda de invencibilidade parece não ter abalado os Spurs, que conseguiram a sua maior goleada na competição até o momento, se mantendo sem derrotas pelo menos no White Hart Lane.


O Tottenham se impôs e venceu com autoridade (Foto: Reuters)
Com o retorno de Rose, Maurício Pochettino teve a maioria dos titulares a disposição no confronto e escalou o que tinha de melhor no 'onze inicial', que foi alinhado no tradicional 4-2-3-1  Lloris; Walker, Dier, Vertonghen e Rose; Wanyama, Dembélé, Eriksen; Alli e Son e Kane. A principal novidade esteve no banco de reservas, o francês Sissoko, finalmente voltou a ser relacionado.

Os primeiros minutos não mostraram grandes mudanças em relação aos jogos anteriores. Como era de se esperar, o Tottenham foi um time possessivo e teve todo o controle do jogo, enquanto o Swansea nem contra-golpear conseguia. A soberania na posse de bola, contudo, não refletiu em chances e a "típica" dificuldade para conseguir furar retrancas se fez valer mais uma vez.

grande diferença foi o maior protagonismo de dois jogadores fundamentais: todos sabem a importância dos laterais na construção de jogadas da equipe e os mesmos não vinham exercendo este papel nos últimos jogos. Desta vez, ambos estiveram mais presentes no campo ofensivo e deram mais amplitude a equipe, sobretudo Walker pelo flanco direito.

Antes do placar ser alterado, o camisa 2 contribuiu para que duas boas chances fossem criadas, mas os gols viriam no fim da etapa inicial. Depois que Alli foi derrubado dentro da área, Kane deslocou o goleiro Fabianski e abriu o placar, aos 39 minutos. Já nos acréscimos, Son acertou um voleio, marcou o gol mais bonito da peleja e fez 2 a 0, tranquilizando os seus torcedores antes do intervalo.


Os Spurs conseguiram a sua maior goleada na competição (Foto: Reuters)
A etapa final pareceu um "treino de luxo" e a maior parte dos gols vieram nesta parte. Com a vantagem, o jogo se tornou mais fácil para os Spurs, que se aproveitaram da fragilidade do adversário e construíram a goleada. O terceiro veio logo aos 4', quando Son fez o corte, Kane chegou finalizando e marcou novamente, sendo este o primeiro jogo depois de renovar até 2022.


Mesmo com jogo praticamente definido, o Tottenham não acomodou, pelo contrário, parecia que precisava de uma vitória ainda maior. E, de fato, precisava  a eliminação na competição da temporada ainda não foi engolida. Azar do time galês e do goleiro ex-Gunner, que viu Eriksen marcar um gol meio "sem querer", aos 25 minutos.


Eriksen marcou seu segundo gol e fechou o placar em Londres (Foto: Reuters)
Após o quarto gol, o Tottenham apenas deixou o tempo passar, o jogo ficou morno e Maurício Pochettino deu alguns minutos aos jogadores que atuam com menos frequência. Entre eles, Sissoko entrou e ainda não mostrou a que veio, já foi uma das contratações mais caras da última janela. E nos acréscimos, ainda deu tempo de Eriksen marcar o segundo gol e o quinto do time, dano números finais a partida. 

Tottenham 5-0 Swansea. O placar, por incrível que pareça, foi justo e não serviu para me deixar nenhum torcedor empolgado  pelo menos eu mantenho os pés no chão. Diante do agora lanterna da competição, não dava para esperar nada que não fosse a vitória e, a goleada, foi consequência da disparidade entre as equipes. Uma estatística serve para mostrar isto: Lloris não fez nenhuma defesa ao longo dos 90 minutos.

Com a vitória, o Tottenham chegou aos 27 pontos e mantém uma distância considerável do Manchester United, que, inclusive, será o seu próximo adversário pela Premier League. Antes disso, o time de Londres encerra a sua participação na Champions na próxima terça-feira (06), contra o CSKA, no Wembley.


#COYS

Por: Marcelo Júnior

Twitter: @marcelinjrr / @SiteLF / @PLBrasil_LF

West Ham 1x5 Arsenal: Para chileno ver

(Foto: Getty Images)

O mês de novembro não tinha sido um dos melhores. Atuações ruins, resultados "achados" e muita insatisfação.. Enfim, mês novo, vida nova. Enfrentamos o West Ham no novo London Stadium,e literalmente mostramos um futebol com uma nova vida. 

Os Hammers estavam perdidos em campo jogando em um confuso 3-4-3. A chave para vencer o jogo se apresentou cedo: o lado direito da defesa do time da casa era formado por Edmilson Fernandes e Arbeloa, o que representava que aquela parte do campo seria essencial para nossas ações na partida, já que os dois jogadores não conseguiam se entender. Não foi à toa que Chamberlain e Monreal fizeram a festa jogando por ali e criaram as principais chances de gol no primeiro tempo. 

Özil apenas completa para o gol após receber passe de Alexis. (Foto: Getty)

Nosso gol, porém, veio por causa de um erro forçado da defesa do West Ham. O Arsenal pressionou, e Coquelin interceptou um passe de Obiang. A bola caiu no pé de Alexis, que driblou o zagueiro e, cara a cara com o goleiro, apenas tocou para o lado para Özil marcar com o gol vazio. O placar fora aberto e esse era apenas o começo do show de Sanchez. 

No segundo tempo, as coisas não mudaram muito: o Arsenal criava chances, mas desperdiçava todas. Em até certo momento o West Ham começou a gostar do jogo e isso representava um perigo por que se os Hammers marcassem naquele momento provavelmente iriam gostar do jogo e talvez a história seria diferente. Mas o show deveria continuar, e, no momento em que o West Ham mais gostava do jogo, Alexis Sanchez deu conta do recado. Após receber um passe vindo da defesa, o chileno fintou Masuaku e Ogbonna sozinho e marcou um belo gol.

Alexis deu um show para qualquer chileno se sentir orgulhoso e aplaudir. (Foto: Getty)

A porteira iria se abrir. Após alguns minutos, Alexis marcaria de novo. Xhaka tentou um passe em profundidade para Monreal, porém a bola bateu na defesa do West Ham. Então, nosso camisa 7 ajeitou seu corpo e bateu nela do jeito que ela tava. 3 a 0 para o Arsenal. 

Mas nem ficamos com aquele gostinho de "partida resolvida" por muito tempo. Três minutos depois, Payet cobrou uma falta na trave e no rebote Andy Carroll - pra variar - fez um gol de cabeça. Mas, a alegria do time da casa durou pouco já que no lance seguinte Chamberlain acertou um lindo chute para colocar a vantagem do Arsenal em 3 gols de diferença de novo. Logo após, Alexis recebeu um passe entre os zagueiros, deixou o goleiro no chão e deu um toquinho por cima para finalizar o seu show. Três gols, uma assistência e uma vontade enorme de colocar o Arsenal no topo.

Alexis deixa Randolph no chão para marcar o seu Hat-trick. (Foto: Reuters)

Essa goleada pode ser um sinal de um dezembro brilhante que está por vir pela frente. O West Ham, mesmo em má fase, é um time perigoso e essa foi uma boa vitória. Senti falta de Walcott, que poderia ter aproveitado esse jogo que estava com uma defesa fraca para deixar sua marca. Após um começo estrelar de temporada, parece que sua última lesão atrapalhou-o demais e até agora o inglês não voltou a apresentar aquilo que vimos nas primeiras rodadas. 

O destaque da partida foi sem dúvidas Alexis Sanchez. O chileno mais uma vez deu show e agora é o artilheiro e jogador do Arsenal com mais assistências no campeonato, 11 e 4, respectivamente. Se mantiver o que está jogando até agora, ele tem tudo para lutar pelo melhor jogador da Premier League.

Nosso próximo compromisso é pela Champions League. Na terça, enfrentaremos o Basel no St. Jakob-Park. Pela Premier League, temos um compromisso contra o Stoke City no sábado no Emirates Stadium. 

@SiteLF / @PLBrasil_LF
Autor: @sergiostn_




←  Anterior Proxima  → Inicio

Inscreva-se no canal LFTV

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Mais lidas da semana