A SUA LINHA DE NOTÍCIAS

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

TWITTER

FACEBOOK

Premier League Brasil

Siga-nos nas redes sociais

Popular Posts

Quem sou eu

CLASSIFICAÇÃO

domingo, 19 de março de 2017

Foi lindo, mas faltou vencer

O torcedor do Taubaté fez bonito na Rua Javari. A previsão de invadir a casa do Juventus na manhã de domingo foi cumprida a risca. Centenas e centenas de taubateanos deixaram suas casas rumo a capital para apoiar o Burro da Central diante do Moleque Travesso. A festa fora de campo foi de arrepiar. Quem cantou alto na Mooca foram os torcedores visitantes. Foi lindo ver nossos amigos tomando conta das arquibancadas.

Dentro de campo, o tabu de 54 anos sem derrotar o Juventus em seus domínios parecia que finalmente iria ser quebrado. O Taubaté dominava a partida. O artilheiro Caíque, com o gol aberto, perdeu uma grande chance de abrir o placar. O Moleque Travesso acuado foi quem fez o primeiro gol na fria manhã de São Paulo. No primeiro ataque da equipe, Filipe aproveitou rebote do goleiro e marcou.

O Taubaté reagiu rápido. Não deu nem tempo de sentir o baque, e três minutos depois o placar já estava novamente igual. Éverton aproveitou jogada ensaiada em cobrança de falta e voltou a balançar as redes após pequeno jejum, chegando a cinco tentos na competição. Um atrás dos goleadores Caíque e Robert.

Torcedor taubateano invadiu a Rua Javari. Foto: Pedro Nogueira
No segundo tempo, o Juventus melhorou e passou a ter mais o controle da bola. Foi então que apareceu outra figura em campo, o árbitro Leandro Bizzio Marinho, que conseguiu desagradar ambos os lados. Os taubateanos reclamam do excesso de faltas marcadas a favor do Juventus, uma delas deixando a equipe com dez em campo com a expulsão do zagueiro Júnior Campos. Já no lado juventino, a reclamação de dois supostos pênaltis já nos minutos finais.

O 1x1 persistiu até o final. Ruim para os dois. O Taubaté que perdeu uma posição na tabela, e o Juventus que volta a ficar zona de mira para retornar ao grupo dos seis últimos colocados.

Após a partida, mais uma vez torcedores de Taubaté e Juventus, juntos, mostraram a união que juntam os dois lados. A cerveja e o churrasco no pós-jogo na Rua Javari mostram a verdadeira missão do futebol: Rivais com a bola em campo, amigos do lado de fora.

West Bromwich 3-1 Arsenal: Nova derrota, velhas críticas

Protestos, falhas, derrotas e incertezas. Por pior que seja admitir isso, essa tem sido a melancólica rotina vivida pelo Arsenal nas últimas semanas. Esse infeliz roteiro novamente nos acompanhou na partida contra o West Bromwich, onde saímos com mais uma derrota, nosso quarto revés nos últimos seis jogos. E é dessa forma que, a cada jogo, a crise que passamos se torna cada vez maior e mais aparente.
Um dos gols marcados por Dawson. (Foto: Twitter West Bromwich).
O jogo por si só, foi dominado pelo Arsenal do início ao fim; terminamos a partida com incríveis 77% de posse de bola, mas mesmo fazendo o adversário ter que correr atrás da bola quase que o jogo todo, conseguimos finalizar menos vezes (12x11, sendo que dos onze, somente dois foram à gol). Com o pouco tempo que teve com a bola, a equipe de Tony Pullis soube aproveitar muito bem suas oportunidades para vencer o jogo.

Uma das marcas mais características dos donos da casa é o forte jogo aéreo da equipe; e foi justamente dessa forma que sofremos dois gols muito parecidos: escanteio na área, falha de marcação de Ramsey e gol do zagueiro Dawson. O outro gol do West Brom foi marcado por Robson-Kanu, após uma falha bizarra do goleiro Ospina (entrou no lugar de Cech, contundido), já nosso gol foi marcado por Sanchéz - sempre ele -, onde após linda assistência de Xhaka, driblou o goleiro para, no momento, empatar o jogo; mas paramos por aí mesmo, o baque que o time sofreu após tomar o segundo gol foi impressionante, mesmo tendo a bola, não criamos quase nada.

Como já dito, o jogo foi novamente marcado por críticas à Wenger. Antes mesmo de o jogo começar, um avião carregando a frase "No contract #WengerOut" sobrevoou o estádio. Curiosamente, quando o jogo já estava rolando, outro avião sobrevoou o estádio, dessa vez com a mensagem "In Arsene we trust "RespectAW". Após o término do jogo, Wenger declarou que já sabe qual será seu futuro no clube, mas que só revelará em breve. Na imprensa inglesa, foi noticiado que o técnico francês continuará no cargo, mas ainda é cedo demais para confirmar a veracidade dessa informação. Minha visão é que simplesmente não há mais clima nenhum para Wenger permanecer no clube, é hora de ter humildade e reconhecer que sua era acabou, e se sua decisão realmente for deixar o clube, o ideal seria anunciar o quanto antes, ajudaria a melhorar o astral dentro e fora de campo, poderia servir para dar um gás no plantel nessa reta final de temporada, além de transformar as críticas em homenagens à Wenger e todos os seus feitos no clube.

E como se não bastassem as críticas, os números também não falam mais a nosso favor. Lembra-se de quando disse que vencemos apenas dois dos últimos seis jogos? Pois bem, ambos foram contra times da 5ª divisão. Foi também a primeira vez nessa Premier League que o West Brom venceu um dos sete primeiros colocados. E para finalizar, ainda fomos ultrapassados pelo Manchester United, e hoje ocupamos somente a sexta posição, empatados em pontos com o Everton, atual sétimo colocado.

Voltaremos a jogar daqui duas semanas, em jogo em casa contra o Manchester City. É certo que muitas coisas ocorreram nesse meio tempo e espero que uma delas seja a equipe voltar a ter confiança em seu potencial, para que possamos terminar com um mínimo de dignidade essa temporada tenebrosa.

Por: Matheus Moraes // Twitter: @mathmoraees

Sem poder de reação, Tigrão sofre nova derrota no Goianão

Na tarde do último sábado (18) abrindo a 10° rodada, o Vila Nova recebeu a Aparecidense no Serra Dourada precisando vencer e se livrar do vexame que foi na rodada passada quando foi goleado pelo Goianésia. O Camaleão aproveitou a boa fase para desbancar o Tigrão que ainda teve a oportunidade de vencer a partida mais desperdiçou dois pênaltis que foram mal batidos por Hiroshi e Wallyson. Não era mesmo o dia. Vila ainda teve um gol legal anulado. O único gol da partida foi marcado pelo zagueiro Mirita.

Vila Nova perde dois pênaltis e sofre nova derrota no Goianão 2017. (Foto: Divulgação / Globo Esporte GO).
A equipe que não vem jogando como se espera o técnico Mazola Jr e que vinha de derrota foi modificada, o zagueiro Brunão e o volante Marcos Serrato deram lugar para Alemão e Geovane. Mas, as coisas novamente não saíram como o previsto. A Aparecidense vinha de cinco vitórias seguidas no estadual, era bastante complicado vencer e reerguer a equipe após a goleada humilhante para o Goianésia na última rodada era mais complicado ainda. Não foi fácil, Mazola estava ciente do bom momento da equipe adversária. Vila se descuidou.

O único gol do jogo saiu ainda no primeiro tempo. Aos 11' após uma cobrança de escanteio o zagueiro Mirita ganhou de Geovane na marcação e abriu o placar, 1x0. Saindo atrás do placar, o Vila chegou a melhorar muito com a entrada do atacante Mateus Anderson. Mas, não foi o suficiente.

A equipe desperdiçou duas grandes chances de sair vitorioso do Serra Dourada. Duas penalidades que não foram aproveitadas, o meia Hiroshi de cavadinha isolou a bola por cima do gol do goleiro Pedro Henrique. Já na cobrança do atacante Wallyson a bola bateu na trave.

Aos 12' da etapa final o camaleão chegou a levar perigo ao gol de Wendell após uma jogada individual de Helder, a bola sobrou para Murilo que rolou para trás. Foguinho chutou por cima da zaga vilanovense perdendo a chance de fazer o segundo gol. Logo em seguida Mateus Anderson em posição legal, chegou a mandar a bola para o fundo das redes, mas o assistente marcou impedimento. Gol anulado.

Após cometer o segundo pênalti em Moisés o goleiro da Aparecidense, Pedro Henrique sentiu a trombada na disputa e foi substituído sendo encaminhado em seguida para o hospital. O Vila com um jogador a mais devido a expulsão de Aleilson, procurava chegar ao gol de empate, mas já era tarde demais, a equipe ficou sem poder de reação. Com a derrota o técnico Mazola Jr balançou no cargo.

Com essa derrota o Vila Nova estacionou na segunda colocação do Grupo A com 17 pontos. Na classificação geral do estadual, a Aparecidense lidera com 20 pontos, seguido pelo Goiás com 18, Atlético e Vila Nova com 17.

Na próxima quarta-feira (22), o Tigrão visitará o Iporá no Estádio Municipal Francisco José Ferreira, o Ferreirão ás 15h30. O jogo que está marcado para o período da tarde pode ser que mude de horário, sendo assim poderá acontecer ás 19h30. Mas, a FGF ainda não confirmou essa mudança. 

Tabela começa a ser cumprida, mas os passos terão de ser alargados

Apenas cobrindo tabela em Boca da Mata, o Regatas foi visitar a equipe do Santa Rita. A equipe da casa ainda está na briga para se classificar para o hexagonal, já o CRB classificado e líder de seu grupo levou time alternativo para a partida. Muitas críticas ainda são feitas para o jogador Neto Baiano que ainda não balançou as redes após seu primeiro gol na temporada contra a equipe do CSE na estreia da equipe no ano de 2017.

Foto: Globo Esporte
Se fosse possível, esta partida não seria realizada. Mas Léo Condé mais uma vez teve oportunidade de observar alguns jogadores do time reserva e titular. Talvez os únicos titulares em campo tenham sido Juliano, Danilo Pires e Neto Baiano. Os outros atletas fazem parte do time reserva. Não foi necessário muito esforço em campo por parte dos atletas, diferente do camisa 9 do Galo que se não faz gol, tem de mostrar vontade dentro de campo para não receber reclamações também por isto, além de não balançar as redes.

A defesa foi composta por jogadores do time reserva, Edson Ratinho recebeu oportunidades na ausência de Marcos Martins no time titular em algumas partidas. Juliano atuou em todas as partidas do CRB nesta temporada, não há reserva a altura para o goleiro do Regatas, enquanto ainda na defesa, zagueiros do time reserva pouco levaram gols quando atuaram.

Chances na partida foram criadas com certa frequência, Clebinho, meia que está vivendo sua terceira passagem pelo CRB não consegue demonstrar um só motivo de aprovação em sua volta. Outros atletas vivem altos e "médios" no elenco, caso de Chico, Jorginho e Jocinei. Bem diferente de João Paulo Penha, jogador que chegou na equipe para ser um dos titulares e não jogou bem nenhuma partida das que disputou, seja no Alagoano e outras competições.

Números

Lá se foi o 15º jogo do CRB na temporada. Os números convencem uns e outros, mas tudo deve ser definido na próxima quarta-feira, jogo contra o Itabaiana pela Copa do Nordeste. Se a vitória for conquistada, o momento poderá ser melhor. Caso não consiga vencer o Itabaiana, restam aos torcedores, diretoria, jogadores e outros lamentarem e tentar a conquista de Estadual e acesso para a Série A.

15 jogos
7 vitórias
5 empates
3 empates
19 gols marcados
8 gols sofridos

Próximo jogo

A partida que servirá como divisor de águas no ano do CRB em 2017 será contra nesta quarta-feira (22) contra o Itabaiana/SE no Estádio Rei Pelé às 21h45. Jogo este de extrema importância valendo vaga na próxima fase da Copa do Nordeste. E também já em semana de clássico, no domingo (26) a partida contra o CSA no Estádio Rei Pelé será válida pela 10ª e última rodada de classificação no estadual.

Não tem pra ninguém na Vila Capanema

Mais um jogo com vitória no Durival Britto em 2017, o que já tem se tornado rotina. A vitória contra o Prudentópolis por 3x1 nesse domingo (19) consolidou o Tricolor na liderança por, pelo menos, mais duas rodadas.

Zezinho e Bentacourt na comemoração do primeiro gol paranista (Foto: Gazeta do Povo)
O Paraná começou pressionando. Aos 2 minutos, Jhony chutou firme para a defesa do goleiro adversário. Aos 10', Zezinho cobrou falta com perfeição, mas o goleiro fez uma bela defesa antes de a bola tocar na trave. Mesmo assim, não demorou para o Paraná abrir o placar: Zezinho cabeceou após cruzamento de Felipe Alves fazendo a alegria da torcida Tricolor. 

Com o recuo do time comandado por Wagner Lopes, o Prude começou a chegar na área adversária, mas sem a eficiência de seus atacantes, não conseguiu furar a defesa paranista. 

O Tricolor começou o segundo tempo pressionando. Aos 7 minutos, Artur cabeceou à queima-roupa, mas Vitor Paiva conseguiu defender. Não adiantou muito, pois um minuto depois, após toque de Ruben Bentacourt, Felipe Alves foi até a Linha de Fundo e tocou para trás, onde estava Nathan Cachorrão, que mandou a bola pro fundo do gol. De praxe, fez sua comemoração imitando um cachorro na bandeirinha de escanteio.

O jogo começou a ficar truncado até Wagner Lopres pôr Bruno Cantanhede. Um minuto depois de sua entrada, Jhony lançou uma linda bola para ele, que só dominou e finalizou por cima do goleiro: 3x0. Nos acréscimos, o Prudentópolis conseguiu seu gol (o primeiro gol sofrido pelo Paraná em casa esse ano) em um chute de Thomas, que foi no travessão, mas acabou batendo no goleiro Marcos, que nada pôde fazer, a não ser lamentar o gol sofrido. 

Mas não importa que o Paraná tenha levado o primeiro gol na Vila esse ano, mas sim que mais uma vitória foi garantida. O Tricolor é o líder absoluto com 21 pontos, sendo perseguido pelo J. Malucelli, que recuperou 16 pontos no tribunal, que tem 17 pontos.

DESTAQUES

O homem das assistências de hoje foi o atacante Felipe Alves. Fez o cruzamento pra o primeiro gol e o passe para o segundo, além de quase ter feito um golaço no segundo tempo (que pena que a bola não entrou). É válido dar um destaque para o Zezinho, tão criticado, que fez seu segundo gol com a camisa paranista e quase fez um golaço de falta, além de ter lutado bastante no jogo.

PRÓXIMO CONFRONTO

O Paraná enfrentará o Londrina no Estádio do Café na próxima quarta-feira (22), pelo Campeonato Paranaense, e vai tentar abrir mais diferença para o segundo colocado e consolidar essa liderança até o final da primeira fase. O jogo será realizado às 21h45. 

Camisa linda e futebol de arder os olhos

Na tarde deste último sábado, o Figueirense recebeu dentro de seus domínios, a equipe do Joinville em mais uma rodada do Campeonato Catarinense. Vindo de maus resultados, o Figueirense queria amenizar o clima ruim com a torcida, e aproveitou para estrear seu novo uniforme produzido pela alemã Adidas.

Abatido e sem reação. A personificação do Figueirense 2017 (Foto: Março Fávero/Agência RBS)
Dominado pelo fraco Joinville, o Figueirense sucumbiu-se e foi derrotado com gols de Renan Teixeira e Marlyson. Dentro de campo, vimos o mesmo Figueirense de sempre. Aquele sem vontade, sem qualidade e sem a essência alvinegra que tanto era vista em times anteriores do Figueira. Times onde a raça compensava a falta de qualidade. Coisa que hoje não vemos.

Com a derrota, o presidente Wilfredo Brillinger decidiu pela demissão de dois nomes: Branco, Assessor da Presidência; e Léo Franco, Superintendente de Esportes. Para o lugar de Branco, não virá ninguém, o que atesta a inutilidade do cargo inventado por Wilfredo Brillinger somente para empregar um amigo. Para o lugar de Léo Franco, foi anunciado o nome de Carlos Arini. Conhecido em Santa Catarina, Carlito, como é chamado, já teve passagens pelo o Avaí, e pelo próprio Figueirense durante os anos de 2001 a 2004.

Wilfredo Brillinger ao lado dos agora demitidos, Léo Franco e Branco (Foto: Polidoro Junior)
As mudanças no Figueirense estão sendo feitas e estamos em março, o que é um atestado de extrema incompetência da diretoria. Cabeças estão rolando, e mais irão rolar. Espero que as cabeças de alguns jogadores rolem, como por exemplo: Dirceu e Bill. Dirceu porque é um jogador totalmente ridículo. Jogador circense. E Bill, pois é inadmissível que um centroavante esteja há 11 jogos sem marcar um gol e não fazer nada dentro de campo. Para ele, a desculpa de não ter um camisa 10, não cabe mais. Rafael Moura em 2016, também não tinha um camisa 10 para o alimentar, e rendia muito mais do que Bill, que veio com o grande status de artilheiro da última Série B.

De ponto positivo, os novos uniformes. Lançada no fim de fevereiro, a segunda camisa já havia sido revelada, e teve sua estreia nesta partida com o Joinville. Partida que também teve a estreia da terceira camisa, que não decepcionou o torcedor. Porém, o que está realmente decepcionando o torcedor, é o time dentro de campo. Hoje, temos uma camisa tão linda para um time horroroso.

Ficha Técnica | Figueirense 0x2 Joinville

Data: Sábado, 18 de março de 2017
Horário: 16h (horário de Brasília)
Local: Estádio Orlando Scarpelli, Florianópolis, SC
Público e renda: 4330 presentes; renda de R$ 54.165,00
Arbitragem: Sandro Meira Ricci (SC); Carlos Berkenbrock (SC), Eder Alexandre (SC)
Cartões amarelos: Dudu e Leandro Almeida (FIG); Danrlei, Gustavo e Júnior Sutil (JEC)
Cartão vermelho: Bill (FIG)
Gols: Renan Teixeira e Marlyson (JEC)

Figueirense: Thiago Rodrigues; Dudu (Weldinho), Dirceu, Leandro Almeida, Marlon; Patrick (Anderson Aquino), Hélder, Ferrugem, João Pedro (Matheus Fogaça); Elias, Bill | Técnico: Márcio Goiano

Joinville: Jhonatan; Caíque, Danrlei, Max, Gustavo (Juninho); Júnior Sutil (Roberto), Renan Teixeira, Breno (Fabinho Alves); Alex Ruan, Bruno Rodrigues, Marlyson | Técnico: Fabinho Santos

Patrick Silva | @figueiradepre

Mágoas declaradas de um vascaíno fanático

Hoje a coluna não será direcionada para a repetição de erros que vinham acontecendo no Vasco de Cristóvão, e que culminou na eliminação da Copa do Brasil pelo Vitória. Em mais um desafio de mata-mata contra uma equipe da Série A, o time apresentou o mesmo nível pífio de partidas anteriores e o resultado se tornou quase que esperado. Não havia consistência no trabalho e faltava muito para o que o time apresentava ser chamado de futebol profissional. O jogo acabou sendo uma réplica do primeiro jogo em São Januário: Um time inconstante, inconsistente e pouco efetivo nas chances que teve diante da meta.

Voltando ao dito inicialmente, peço licença ao leitor para informá-lo de que a partir do próximo parágrafo, me desloco da visão crítica e, por muitas vezes, técnica e adentro na torcida vascaína para escrever um verdadeiro desabafo sobre o que está precisando ser dito há muito tempo. Isto não está preso só em minha garganta, mas na garganta de 11 milhões de torcedores que sofrem junto com o desmoronamento de um dos maiores clubes do planeta.

"Não deixe o Vasco morrer". Começo parafraseando a grande sambista Alcione que com esta frase conseguimos descrever o que acontece diariamente na gestão Eurico Miranda. Uma administração feita com muita garganta e pouquíssimas ações realmente efetivas. "Salários nunca estão atrasados dentro do Vasco!", "Comigo no Vasco, o time nunca será rebaixado!", "Se o Vasco for rebaixado, eu me mudo para a Sibéria!", "O Respeito voltou" e a mais célebre das últimas de suas frases "O Vasco vai para as cabeças!". Sobre algumas delas, já foi visto que o próprio teve que se contradizer e, com isso, engolir toda a sua arrogância e, também, ignorância de como se gerir uma equipe de futebol na Era Moderna.

Site: Cruzada Vascaína
"Eu voltei pro Vasco, porque o Vasco precisava de mim", de todas as frases, essa é a mais errada. Não, Doutor Eurico, o Vasco não precisa e não mais quer você nos comandando. Não queremos mais você sentado na poltrona de Presidente, fumando o seu charuto e posando de Todo Poderoso com o auxílio dos seus filhos. Não é mais plausível esconder este nepotismo evidente como "eles são os mais preparados para exercerem tais cargos". Chega até ser ultrajante duvidar do discernimento de qualquer pessoa ao confrontar o que foi feito no clube com as suas afirmações. Não mais queremos essa sua velha forma de gestão. Não mais queremos ser motivo de chacota e perder para times que não têm um terço da grandeza desta Instituição chamada Club de Regatas Vasco da Gama. Não mais rastejar diante da Caixa por valores que não irão ser suficientes para cobrir suas loucuras de final de mandato e deixar as contas mais vermelhas do que já estão. Basta! Um basta precisa ser dado a essa sua incompetência e falta de profissionalismo ao gerir este clube.

Não existe mais um patrocinador, em sã consciência, que deposite fé em investir na marca CRVG. O medo de não haver retorno com o seu staff gerindo essas quantias afastam qualquer possibilidade de reerguimento do Vasco deste fundo de poço que o senhor nos afunda a cada dia mais. É patético termos que chegar a um acordo por 10 milhões de reais por um Patrocínio Master, quando este valor deveria ser dado a outras áreas do uniforme. Esta consequência direta é reflexo de tudo aquilo que este novo futebol enxerga sobre suas arcaicas práticas de gestão.

Doutor Eurico Miranda, pelo bem deste time que o senhor tanto diz amar, desista. Entregue o poder a quem é capacitado e torça pelo melhor acontecer com o clube. Tire seus parasitas de dentro desta instituição que não é seu Império particular e deixe somente as lembranças das equipes do final do século passado residirem quando pensarmos na sua pessoa. Esta é a melhor saída não para mim, que sou um mero torcedor; essa é a única saída que o Vasco tem para poder se intitular Gigante novamente.

Saudações Vascaínas e um grande abraço,

J.P.Alves || @8_joaopedro
Site LF || @SiteLF

Casemiro, o Makélélé das terras tupiniquins

Neste sábado (18), o Real Madrid viajou até o País Basco, na cidade de Bilbao, onde enfrentou o Athletic Bilbao. Em jogo válido pela 28ª rodada do Campeonato Espanhol, a equipe merengue derrotou os 'Leones' em pleno San Mamés, e se consolidou na liderança por mais uma rodada.

Jogar no San Mamés é sempre uma pedra no sapato de qualquer time, e hoje não foi diferente. O Athletic Bilbao não perdia em seus domínios desde agosto do ano passado, quando havia perdido por 1-0 pro Barcelona. Felizmente, não tomamos conhecimento dessa invencibilidade e vencemos mais uma no campeonato — mais três pontos, líderes e ainda invictos contra clubes bascos.

Utilizando o tradicional 4-3-3, o Real Madrid foi à campo com: Keylor Navas; Marcelo, Sérgio Ramos, Nacho e Carvajal; Kroos, Casemiro e Modric; Cristiano Ronaldo, Benzema e Bale.

O Athletic Bilbao não perdia em casa há 19 jogos. (Fonte: Espnfc.com)
Nos primeiros 15 minutos da primeira etapa, o Athletic Bilbao ditava o ritmo do jogo. Marcava com muita intensidade, pressionava a saída de bola e ofereceu perigo algumas vezes à Keylor Navas - era notória a dificuldade da equipe merengue em desafogar uma jogada, trocar passes e ser efetivo nos contra-ataques. Um alento veio quando Carvajal avançou pela direita, penetrou a defesa adversária em diagonal como se fosse um ponta, tocou para Cristiano Ronaldo, que marcou o gol, porém estava impedido. O lateral espanhol pecou em não ter finalizado a gol, mas o lance fez a equipe se estabilizar e ter melhor compostura em campo.

O Real Madrid passou a obter mais posse de bola, pressionou a equipe adversária com frequência e não demorou muito para abrir o placar. Aos 25', Cristiano Ronaldo avançou pela esquerda, e no bico da área deu belo passe para Benzema, que chutou cruzado e assinalou o primeiro gol da partida.

No decorrer do primeiro tempo, os jogadores começaram a perder a cabeça e o jogo passou a ficar mais pegado - em um clássico como esse, confusão é o que não falta. Aos 28', Aduriz e Carvajal se estranharam e ambos tomaram cartão amarelo. Casemiro chamou a responsabilidade diversas vezes e não afinou pros jogadores da equipe basca, teve atitude de um exímio capitão. Além de se empenhar no quesito 'liderança', também foi essencial na partida de hoje — com oito desarmes, quatro interceptações, 15 duelos vencidos, um gol marcado e com toda sua onipresença no meio-campo, novamente foi "doutrinador" e sem dúvidas foi o grande destaque da partida.

Cristiano Ronaldo também foi um dos destaques, duas assistências na partida de hoje. (Fonte: Sky Sports)
No segundo tempo, o jogo ficou mais parelho. O Athletic Bilbao equilibrou a posse de bola, se postou melhor em campo e consequentemente empatou a partida. Aos 65', Iñaki Williams alçou a bola na área, Raúl Garcia cabeceou e encontrou Aduriz livre, que cabeceou para o gol, empatando a partida.

Não demorou muito para voltarmos à frente do placar — Aos 68', Kroos bateu escanteio, Cristiano Ronaldo desviou de cabeça, Casemiro recebeu a bola sem marcação, dominou e chutou para o gol, fazendo o gol da vitória. Zidane fez algumas substituições, tirando Cristiano Ronaldo, Modric e Benzema, para entrada de Isco, Lucas Vázquez e Morata. A equipe adversária pressionou até o fim da partida, mas de nada adiantou - mais uma vitória dos blancos e liderança isolada do Campeonato Espanhol. FT: Athletic Bilbao 1-2 Real Madrid.

O Real Madrid volta à campo no dia 02/04, contra o Alavés, pelo Campeonato Espanhol. Jogo será realizado no Santiago Bernabéu, válido pela 29ª rodada. Já pela Champions League, enfrentaremos o Bayern de Munique, no dia 12/04 na Allianz Arena, e o jogo da volta no dia 18/04, no Santiago Bernabéu. #HalaMadrid

Por: Kayo Henrique | | Twitter: @Heenrique010
←  Anterior Proxima  → Inicio

Inscreva-se no canal LFTV

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Mais lidas da semana