A SUA LINHA DE NOTÍCIAS

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

TWITTER

FACEBOOK

Premier League Brasil

Siga-nos nas redes sociais

Popular Posts

Quem sou eu

CLASSIFICAÇÃO

segunda-feira, 20 de março de 2017

No Sábia, Uberlândia jogou para vencer

Uberlândia, MG, 20 - Em tarde agradável, UEC conseguiu se recuperar na competição. Jogando em casa e com dois gols ainda na primeira etapa, o Verdão voltou à briga por semifinal.

Equipes perfiladas, UEC jogou de Verde. Crédito: Reprodução/Twitter Oficial da FMF.

Buscando fazer as pazes com a torcida após dois resultados negativos, o Uberlândia entrou em campo disposto a manter o tabu de não ter perdido para a Caldense, desde que, voltou à elite do estado. Além de uma natural desconfiança devido às últimas apresentações, havia outra dúvida que pairava no gigante do Parque, será que o UEC manteria a escrita de não empatar há mais de dois anos em jogos oficiais.

Pelo menos a expectativa era de que sim, que a escrita se mantivesse, logicamente com mais uma vitória do "verde que te quero verde". No que dependesse da torcida não faltaria apoio, e realmente não faltou, os jogadores trataram de ajudar a levantar o ânimo dos torcedores, demonstrando determinação, foco e espírito de luta, junto a tal atitude, veio também um futebol envolvente, que pouco cedeu espaços ao adversário na etapa inicial.

O Periquitão começou dominando a partida e criando as melhores oportunidades para abrir o placar, quando a Caldense teve a bola, encontrou dificuldades na saída de bola, o articulador da equipe, Éwerton Maradona foi anulado na primeira etapa. O confronto tinha um caráter decisivo, valia a disputa por uma vaga na Série D do Campeonato Brasileiro e uma vaga na semifinal do Campeonato Mineiro. Alguns dirão que as excessivas cobranças durante a semana de trabalho, surtiram efeito, particularmente não compactuo com tal ideia.

O fato é que os jogadores do Uberlândia encararam o confronto com a devida atenção que ele exigia. A força de vontade, voluntariedade e o jogo envolvente, foram recompensados, apesar de o jogo ainda estar relativamente igualado, o gol do UEC saiu logo cedo, com 15 minutos, levantamento dentro da grande área, a defesa da Caldense afastou mal, Rodney pegou o rebote na entrada da área e ainda contou com desvio pra marcar o primeiro do Verde.

Com a abertura do marcador, o Furacão da Mogiana se animou, as chances começaram a se sucederem, cada vez mais perigosas, obrigando o arqueiro da Caldense a se esforçar para evitar o segundo gol, a Caldense seguia sem conseguir sair jogando, tendo dificuldades gritantes na construção das jogadas, apesar de chegar, ainda poucas às vezes com certo grau de periculosidade.

O Uberlândia seguia assustando mais que os visitantes, ora esbarrávamos em boas intervenções de Neguete, ora em nossas próprias finalizações insuficientes. Aos 32 minutos, Rodney ganhou a disputa pela ponta direita e foi em direção à Linha de Fundo, o cruzamento de perna direita foi diretamente de encontro com a cabeça do pequenino Diogo Peixoto, que na segunda trave completou mais um gol de cabeça para a sua conta. Na comemoração ocorreu algo um tanto quanto curioso, Diogo tirou a camisa e na empolgação lançou o fardamento para o alto, detalhe; a mesma foi parar dentro do fosso, um dos jogadores suplentes desceu para buscá-la.

O restante da etapa inicial seguiu com pressão do UEC, mas o placar não se alterou, 2-0. O segundo tempo pode ser definido em uma palavra: Administração, foi o que o Verde fez, jogou com o resultado, já não conseguiu assustar como anteriormente ou não se via obrigado, nem tampouco era abruptamente pressionado, assim o tempo foi passando e o resultado se manteve inalterado, 2-0 UEC, novamente voltamos a ganhar e diante de um concorrente direto. Os pouco mais de 3400 espectadores saíram em êxtase.

Torcida do Verde na Geral atrás da baliza onde saíram os dois gols. Crédito: Lucas Papel.
Com o resultado, chegamos ao 5º posto da competição, entrando de vez e embolando a briga por uma vaga na semifinal, agora a campanha é de 50%, em oito partidas agora são, quatro vitórias e quatro derrotas. O próximo compromisso é parada duríssima, receberemos no Gigante do Parque do Sábia, o Cruzeiro. Torcedor vá ao estádio torcer pelo time da sua cidade, o jogo não será transmitido para o grande público via televisionamento, portanto o Uberlândia precisa de todo o apoio possível na tentativa de igualar as forças com um gigante do futebol brasileiro.

Uberlândia: Thiago Braga, Cesinha, Mauro Viana, Bruno Costa, Rogério, Bruno Moreno, Alê, Rodney, Diogo Peixoto (Saulo), Jeffersom Berger (Marco Goiano) e Shumacher (Caio Dantas). Tec. Paulo Cézar Catanoce.

Próximo Jogo pelo Campeonato Mineiro:
27 de Março - 20h (hora Brasília) - Parque do Sábia.
Uberlândia x Cruzeiro.

Por: @carlosjr92educa
Carlos Alberto de Sousa Júnior - Colunista do Uberlândia

Exigimos mudanças

No último domingo (20/03) o Goiás não saiu do empate jogando em seus domínios contra a equipe do Anápolis. Com a ausência do artilheiro Léo Gamalho, e uma atuação apática, (diferente do que foi mostrado nos últimos jogos) a equipe esmeraldina desperdiçou muitas chances no primeiro tempo, e correu atrás do resultado na segunda etapa tendo ainda um pênalti perdido pelo camisa 10 Juan.

Foto que reflete muito do que foi o jogo, Juan e Tiago com
uma expressão facial não muito agradável. Foto: Goiás Esporte Clube
Serrinha é uma atmosfera sensacional, eu confesso que prefiro lá a qualquer outro estádio. Ontem fui levar meu primo de seis e outro de oito anos pela primeira vez no estádio para ver os jogadores de perto, chega ser prazeroso ver os olhos da garotada brilhando quando veem seus jogadores favoritos por perto, são essas experiências, essa atmosfera que marcam a vida de um torcedor e o faz amar seu clube... E ontem eu senti uma falta desse clima. Não por parte da torcida, mas sim dentro de campo.

O que falar do primeiro tempo? O time se cansou de desperdiçar gols e mais gols, uma chance atrás da outra, e por mais uma vez venho aqui dizer que Carlos Eduardo não é DIGNO de usar nossa camisa, e desta vez sou obrigado a listar meus argumentos:

Carlos Eduardo se vê pressionado, e não consegue render ao nível da expectativas criadas
quando ele atingiu o profissional. Foto: Goiás Esporte Clube
- Carlos Eduardo subiu com status de promessa das categorias de base, pouquíssimo tempo de jogo e um gol salvador contra o Sport em 2015 o colocaram como "o novo Bruno Henrique", e ele passa muito longe disso.

- Carlos tem velocidade? Tem, claro. Tem drible? Também, mesmo errando muitos. Mas atacante tem que ter duas coisas essenciais pra dar certo dentro de campo, frieza e pontaria. Eu pergunto a você torcedor quantos gols e grandes chances, cruzamentos, passes você já viu ele errar? Sinceramente eu perdi a conta, a falta dessas características fica claro que Carlos subiu ao profissional de forma precoce e foi pessimamente trabalhado na gestão passada da base (sim, aquela mesma dos 11x1 contra nosso rival) e creio fortemente que ainda estaria lá se tivesse sido trabalhado pela gestão atual.

- “Ah Artur, mas quando ele sai de campo o time morre, ele é a única peça de velocidade que a gente tem". Será? Eu garanto a você torcedor, não pelo que Thales fez contra o Anápolis, mas sim contra Vasco e Ceará ano passado (muitos se esqueceram disso) que ele é muito melhor que Carlos, e pode sim atuar na mesma posição que ele, mesmo subindo ao profissional como meia-atacante. E se quiser arriscar o Jarlan, Mael, Medina... Que arrisque! Mas por esses não coloco minha mão no fogo.

Nem preciso dizer a vocês que ontem no início do jogo ele desperdiçou mais uma chance cara a cara com o goleiro, mas não foi só ele que foi extremamente mal. Aylon entrou em campo com a camisa 9 pra jogar na lateral, e tocar a bola no meio campo como se fosse um volante. Muitos nesse momento culpariam o treinador, mas eu mesmo o vi "berrando" para que o atacante centralizasse mais dentro de campo. Todos nós sabemos que em certa fase no Internacional ele jogou assim, e por que não ontem?

O castigo pelo futebol de ''corpo mole'' foi um gol do Anápolis no início da segunda etapa. Aí vem uma coisa que percebo desde o início do campeonato, que vem de deixando intrigado: Se você está perdendo e sendo pressionado, colocaria três garotos inexperientes no jogo? Sendo a estreia de dois deles?

Muitos diriam não, eu não faria isso, a não ser que eu use o estadual como um mero teste. E agora percebo que Gilson está usando o Goianão para testar e dar uma identidade a equipe esmeraldina, um truque de ''mestre'' (incompreendido por muitos) que costuma dar certo, pois o nível técnico é baixo, e bom para os garotos ganharem tempo de jogo e experiência. Além de testar a garotada, ele mudou constantemente de formação, até se encaixar melhor com a atual, agora está testando os titulares e reservas, tudo faz parte de um processo de criação de identidade, mas creio eu que ele não pode ser longo demais, até a final do Campeonato Goiano precisamos estar com os 11 titulares definidos.

Para comprovar minha teoria, bastam olhar as mudanças (Pedro Bambu e Patrick) nas laterais e no meio campo (Juan e Tiago Luís, Jean virando reserva), além do desempenho da equipe no estadual comparado com o da Copa do Brasil e os dois clássicos contra o Atlético. Gilson já ganhou o vestiário e uniu o elenco, e achou a formação certa, falta a ele achar a escalação.

São até agora cinco mudanças no time titular, duas mudanças de posição se comparado com o time da estreia, não considerei todas as outras formações iniciais do Kleina. Além disso, já entraram em campo 11 jogadores que hoje são reservas.

Kleina está muito critiado, com toda a razão. Mas seu trabalho ainda pode
render bons frutos a torcida esmeraldina. Foto: Goiás Esporte Clube
E foi testando a garotada que ontem o time foi em busca do empate. Mudanças totalmente ofensivas, e uma extremamente equivocada (a troca de Léo Sena por Jarlan, perdendo em técnica) deixaram o time com o domínio total do jogo, ainda mais após o adversário perder um jogador. Brilhou a estrela de Otacildo Sabino, cria esmeraldina, que joga pelo clube desde os quatro anos de idade, mostrou durante seus poucos minutos em campo raça e enorme dedicação, e em seu primeiro toque na bola fez muito mais que Aylon em toda a partida, um gol. E sim, se derem mais tempo a ele, creio que chega pra competir com Aylon pela reserva de Gamalho. O Goiás ainda perdeu um pênalti com Juan e ficou por isso, 1x1.

Otacildo Sabino, de apenas 18 anos, brilhou e salvou a tarde esmeraldina. foto:Goiás Esporte Clube
Conclusão:

Não sou defensor de Gilson Kleina, ele erra muito (principalmente insistindo com Carlos Eduardo) e pra mim o que for melhor para o clube é o que vale a pena. Se for o caso dele ficar, temos muitos pontos positivos que por mim compensa sua permanência, dentre eles o fato de manter o vestiário e estar começando dar uma "cara" ao seu trabalho, que começou este ano (visto que o tempo que ele passou aqui ano passado não foi aproveitado devido à reformulação). É só você lembrar que em muitos anos não vemos um elenco tão unido, onde todos se esforçam dentro de campo, demonstrando prazer com o que estão fazendo, sem estrelismo (que é o que Walter carregava com seus 106 kg). E isso ficou muito mais visível após a saída de Walter no jogo contra o Goianésia.

Mesmo diante tanta "crise", elenco permanece reunido. Foto: Goiás Esporte Clube
Meu período de cinco jogos-teste pra Kleina se foi, e pelo futebol apresentado em geral, principalmente nas goleadas e no clássico demonstram que ele merece ficar, mas como nem tudo é mil maravilhas, está na hora dele perceber que mudanças são necessárias na escalação. Que tal começar com quem mais atrapalha do que ajuda jogando lá na frente? Acho que vocês sabem de quem estou falando, saudações esmeraldinas.

Link para a campanha da Juju, cadeirante da foto que precisa de ajuda (eu já ajudei, faça sua parte!): https://www.facebook.com/tdspelajuju/?fref=ts

Artur Pinheiro ll Facebook
Linha de Fundo ll @SiteLF

Mais uma "chuva de gols perdidos" do Corinthians

Contra a Ferroviária, Corinthians já entrou classificado para as quartas de finais do Paulistão, após o empate do São Paulo frente ao Ituano. O jogo foi em Araraquara, no estádio Fonte Luminosa. Totalmente oposto do Timão, a Ferroviária brigou para não cair, e venceu apenas um jogo em todo o campeonato.

Embora tenha perdido muitos gols, Jo teve apenas uma chance de fazer o seu. Fonte (GE.com)
Como o time já garantiu sua vaga, Fabio Carille promoveu quatro mudanças no time titular, Moisés, Guilherme, Camacho e Marlone entraram na vaga de: Arana, Maycon, Rodriguinho e Romero. No resto, o time era o mesmo que empatou com a Luverdense, pela Copa do Brasil.

À primeira etapa de jogo foi muito ruim, um jogo sonolento, o Corinthians levou perigo duas vezes ao gol de Tadeu, e os mandantes não assustaram Cássio. Como em quase todos os jogos da temporada, faltava criação ao time alvinegro, Guilherme teve sua oportunidade, mas cada vez mais, mostra que não vai engrenar no time.

O segundo tempo foi totalmente o inverso primeiro. Se no primeiro tempo os torcedores podiam dormir, que nada perderiam, o segundo foi bem elétrico. Com apenas um minuto, Marlone chutou com muito perigo. Aos 3 minutos, veio à polêmica do jogo. Fagner fez pênalti claro em Alan Mineiro, o próprio meia cobrou, a bola bateu na trave e voltou para o camisa 10 da Ferroviária, que abriu o placar. Após o gol uma grande confusão se instalou. A reclamação dos Corinthianos não era pelos "dois lances" (se um jogador cobra uma penalidade máxima na trave, o mesmo não pode tocar na bola, pois se caracteriza dois lances, a não ser que a bola toque antes em outro jogador). De fato a bola resvalou em Cássio, porém, Alan ajeitou a bola com o braço para fazer o gol. 

Após ajeitar com o braço, Alan Mineiro fez o único gol do jogo. Fonte (GE.com)
Depois de sofrer o gol, o jogo se tornou um verdadeiro "bombardeio" do Corinthians. Guilherme, Jadson duas vezes, Marlone... Mas todas sem sucesso, mais uma vez, assim como aconteceu contra a Luversense, o time alvinegro criou diversas oportunidades. Temos de dar méritos a Tadeu, que fez lindas defesas, porém a falta de pontaria do Corinthians é inacreditável.

O Timão conheceu sua segunda derrota na temporada, e agora já embala uma sequencia de três jogos sem vitória. Nada que coloque em dúvida o trabalho de Carille, mas o time desde o inicio do ano apresenta problemas de criação e finalização. A noticia boa do jogo foi a entrada de Pedrinho, garoto que foi o grande destaque da última Copinha. O Corinthians volta a campo nesta quinta-feira, na Arena Corinthians, contra o RB Brasil.

Gabiru // Twitter: @gabridosanto

Mais um difícil passo rumo ao hexa

No último sábado (18), o Chelsea deu mais um passo rumo a mais um título na Premier League, dessa vez o adversário foi o Stoke City, no Estádio Bet365. À expectativa era de um jogo muito complicado para os líderes, já que o time da casa vinha de oito jogos sem perder em seus domínios, além de ter empatado com Manchester City, fora de casa na última rodada.

Apesar de suas mudanças não darem certo, mais uma vitória na conta de Conte. Fonte (Getty Images)
O técnico Antonio Conte foi obrigado a fazer uma mudança, Hazard lesionado não pode jogar, dando lugar a Pedro. Os Blues vieram a campo com: Courtois; Azpilicueta, David Luiz e Cahill; Moses, Kante, Matic e Alonso; Willian, Pedro e Diego Costa. No 3-4-3 que todos os times já conhecem.

O jogo começou muito truncado, inclusive com Diego Costa travando uma verdadeira batalha com Indi, zagueiro do Stoke. Mas aos 13 minutos, após falta sofrida por Alonso, Willian surpreendeu a todos, cobrando a falta do bico da área direto para o gol. Era o primeiro gol azul. O time da casa sentiu demais o gol, passando a ser amplamente dominado pelos visitantes. Os Potters assustaram novamente aos 35', com gol anulado de Indi, devido à falta de Berahino. Dois minutos depois, Walters sofreu pênalti de Cahill, o próprio bateu e empatou o jogo.

O segundo tempo foi de amplo domínio do Chelsea, mas o time mostrava que sentia muita falta de Hazard para criar suas jogadas. O líder do campeonato foi levar perigo pela primeira vez apenas aos 20 minutos, quando Alonso cobrou uma falta no travessão. Pedro voltou a assustar aos 30'. Mas quem marcou o gol da vitória foi Cahill. Após escanteio na área, David Luiz cabeceia fraco, Pieters cortou mal e a bola sobrou para o zagueiro dar uma difícil e importante vitória aos Blues.

Na raça, mais um passo rumo ao sexto título. Fonte (Reuters)
O Chelsea não fez uma grande atuação, as mudanças de Conte não deram resultado e a falta que Hazard fez em um jogo onde o Chelsea precisou criar, foi muito grande. Mas, o resultado foi muito importante, chegamos a 69 pontos, 10 a mais que o vice-líder Tottenham, além de incríveis 82% de aproveitamento. Na próxima rodada, os azuis de Londres pegam o Crystal Palace, em Stamford Bridge.

Gabiru // Twitter: @gabridosanto

Uniclinic 1 x 3 Ceará: O 3º maior artilheiro do mundo resolveu

Em tarde inspirada de Magno Alves, Ceará venceu o Uniclinic por 3 a 1 e tem vantagem no jogo de volta das quartas de finais do estadual. Partida marcou o retorno do meia Ricardinho aos gramados, após seis meses tratando de uma cirurgia no joelho.

Finalmente o Ceará venceu e convenceu o seu torcedor, mesmo com certa dificuldade na primeira etapa o time alvinegro demonstrou evolução principalmente no setor mais criticado até então, o ataque. Pela primeira vez na temporada, o Vozão conseguiu marcar três vezes em uma partida, graças aos dois belos gols de Magno Alves e outro de Tiago Cametá.

Magno Alves decide a partida para o Ceará. FOTO: Tiago Gadelha
1º Tempo: A bola no pé de quem sabe

O inicio da partida foi horrível jogo foi truncado e com muitas faltas, o Ceará por sua vez tentava, mas acabava esbarrando na defesa adversária. A primeira chance de perigo foi do Uniclinic, aos 32 minutos o atacante Edson Cariús (vice-artilheiro do estadual com nove gols) recebeu na pequena área e chutou para fora, três minutos mais tarde a Águia da Precabura voltava ao ataque, Netinho arriscou de longe e a bola passou perto da meta alvinegra. Com o adversário gostando do jogo o Ceará criou sua primeira e única chance de gol, aos 38 minutos Felipe Menezes lançou Magno Alves que ganhou na corrida do zagueiro e tocou na saída do goleiro, era o 97º gol do Magnata com manto alvinegro.

2° Tempo: Magno Alves decide novamente

Na segunda etapa o Ceará tentou aumentar a vantagem no placar e conseguiu aos 25’ depois de jogada de Maxi Biancucchi a bola sobrou no pé de Magno Alves que mandou para as redes. O próprio Magnata ainda teve outras duas ótimas oportunidades de marcar, na primeira driblou a zaga e chutou por cima, já na segunda esbarrou no goleiro Dionantan. Aos 31 minutos a torcida alvinegra comemorou uma substituição como fosse um gol, tudo isso por conta do retorno aos gramados do ídolo Ricardinho. O Uniclinic descontou aos 36 minutos, após erro do zagueiro Luis Otávio, Preto mandou um chute cruzado e a bola passou por debaixo do braço do goleiro Everson. O alvinegro não sentiu o gol e conseguiu marcar o terceiro com Tiago Cametá, depois de receber um belo passe de Magno Alves o lateral direito empurrou para as redes.

Algumas considerações...

Depois de 15 dias treinando o Ceará apresentou uma evolução na sua parte ofensiva, no primeiro tempo o time pouco criou, mas na única chance que teve conferiu. Já na segunda etapa, o time foi mais incisivo, buscou garantir o resultado e assim o fez. Tivemos o controle da partida, o Uniclinic teve um único momento bom no jogo, aqueles três minutos no primeiro tempo onde criaram duas boas chances.

O ponto positivo dessa partida tem que ser do cara do jogo, Magno Alves no auge dos seus 41 anos mostrou que joga mais bola que muitos garotos que tem por ai, a prova disso foi a arrancada que o camisa 11 do Vovô deu no lance do primeiro gol. Durante o segundo tempo ele quase chegava a tão sonhada marca de 100 gols pelo Ceará, falta pouco, apenas dois para o Magnata chegar lá. Atualmente Magno Alves é o terceiro maior artilheiro do mundo em atividade, só está atrás de Lionel Messi e Cristiano Ronaldo.

Magno é o 3º maior artilheiro no mundo em atividade. FOTO: Evilásio B
Também considero como ponto positivo o retorno do maestro Ricardinho aos gramados, depois de tanta luta após a cirurgia do joelho e todo o tratamento ele enfim entrou em campo. Os quase vinte minutos em campo deu para perceber que é questão de tempo para Ricardinho figurar entre os titulares do Ceará.

Ricardinho ''o maestro'' retornou aos gramados. FOTO: Mateus Dantas
Próximo jogo

O jogo de volta das quartas de finais do estadual acontece no próximo sábado as 16h00min na Arena Castelão, um empate garante o Ceará na semifinal do Cearense, onde seu adversário poderá ser Maranguape ou Guarani de Juazeiro. Para essa partida Givanildo Oliveira terá a disposição o meia Pedro Ken, contratado na ultima semana junto ao Terek Gronzy/RUS.

FICHA TÉCNICA - UNICLINIC 1 X 3 CEARÁ

UNI: Dionathan, João Neto (Paulista), Luiz Fernando, Airton Júnior e Anderson Sobral; Lincol, Leylon e Vanim; Moré (Preto), Edson Cariús e Netinho. T: Anderson Batatais

CEA: Éverson; Tiago Cametá, Rafael Pereira, Luiz Otávio e Romário; Raul, Richardson e Felipe Menezes (Ricardinho); Maxi Biancucchi (Éverton Silva), Victor Rangel (Lelê) e Magno Alves. T: Givanildo Oliveira

CARTÕES AMARELOS: UNI: Vaninho, Anderson Sobral e Preto / CEA: Victor Rangel, Magno Alves e Lelê.
GOLS: Magno Alves (38/1T) (25/2T); Preto (36/2T); Tiago Cametá (41/2T)

Davi Maia | @Davims  

Buffon, Barcelona e Sampdoria

Você com certeza já ouviu a seguinte frase: “quem quer ser campeão não pode escolher adversário”. Pois é, seja na Champions, na Copa do Mundo, na Libertadores, enfim, em qualquer competição que tenha uma fase eliminatória alguém solta essa pérola. Para você, ela faz sentido? Para mim, apesar do espírito da frase residir no óbvio, prefiro ignorar e pensar na realidade.

Em meu texto passado disse que: “sou mais conservador em dizer que, na ordem, preferia não enfrentar (neste momento) Barcelona, Bayern, Real e Atlético”. Justamente o pior adversário dos que elenquei será o nosso. Pelo histórico recente, não é absurdo que os cronistas apontem (com méritos) o Barcelona como favorito. Cabe a nós, em campo, provar o contrário.

Eu preferiria enfrentar o Leicester e Borussia. Acredito que mais o aurinegro do que o inglês. Entretanto, penso que se tem um bom momento da temporada para enfrentar o Barcelona, esse momento é agora. A análise deste confronto, deixo para um momento mais próximo ao dos embates.

O maior goleiro da história agora é o jogador que mais atuou com a camisa da Juventus no Campeonato Italiano. Foto: página oficial da Juventus no Facebook
Antes de pensar no time catalão, temos jogos importantes do campeonato e da copa. O primeiro jogo após o sorteio da semana passada foi ontem, 19, contra a Sampdoria no tradicional Luigi Ferrari, em Gênova. Gênova é uma cidade muito importante, banhada pelo Mar da Liguria e historicamente, o porto genovês é um dos principais de toda a Europa, sendo fundamental na dominação da navegação no Mar Mediterrâneo durante toda a Idade Média.

Allegri continuou com o 4-2-3-1, mexendo na escalação do time, rodando o elenco. Entramos em campo com: Buffon; Dani Alves, Barzagli, Rugani, Asamoah; Khedira, Pjanic; Cuadrado, Dybala, Mandzukic; Higuain. Barzagli havia ficado de fora dos titulares nos últimos jogos por opção, teve nova oportunidade para mostrar seu futebol sempre confiável.

Do outro lado tínhamos um velho conhecido da torcida: Fábio Quagliarella, crescido em Nápoles, venceu três scudetti conosco e sempre teve uma relação respeitosa com a torcida bianconera e uma relação mais turbulenta com a napolitana (Fábio era torcedor napolitano, e teve alguns problemas pessoais que ajudaram o Napoli a negociá-lo com a Juventus).

Logo aos 6 minutos do primeiro tempo, Asamoah cruzou pela esquerda e Cuadrado mergulhou, ganhando do zagueiro da Samp, abrindo o placar da partida. O colombiano se encontrou na nova posição e vem fazendo bons jogos, sendo importante tanto ofensivamente quanto defensivamente.

"Gigante", Cuadrado sobe mais alto para marcar o único gol da partida. Foto: Juventus.com
Após isso tivemos outras oportunidades, como a de Higuaín em falha da defesa, a Sampdória teve chances com Quagliarella (tentou duas bicicletas), Praet incomodou, mas apesar do bom jogo do time genovês, a consistência da Juventus falou mais alto. Fomos incompetentes também ao não saber matar o jogo nos contra-ataques oferecidos pelo time da casa, motivo de insatisfação de Allegri.

A vitória magra da Juventus foi importante, pois Roma e Napoli também venceram seus confrontos. Nosso próximo jogo é contra o Napoli, no San Paolo, no dia 02 de abril, após as datas FIFA. O duelo promete ser quente, a diretoria do time do sul fez algumas promoções, o estádio estará lotado e esta poderá ser a primeira oportunidade dos torcedores verem o retorno de Higuaín com a camisa bianconera.

Um ponto negativo será a dificuldade do elenco e da torcida da Juventus na sua estada em Nápoles. Cogita-se que o time possa permanecer em local um pouco mais afastado da cidade, para que não haja problemas com a torcida. Esperamos que não tenhamos cenas que manchem o espetáculo.

A temporada vai afunilando e os grandes jogos estão na nossa frente. Allegri tem a tarefa de fazer com que o time continua evoluindo, sem correr riscos de lesionar um jogador e perdê-lo para o restante da temporada. Dybala acabou saindo no jogo de ontem, pois sentiu algo na coxa. Pelo que parece não é lesão e foi mais uma precaução. Melhor assim.

Super Gigi Buffon

O maior goleiro da história do futebol acaba de bater mais um recorde: Buffon é o jogador que mais atuou na Série A vestindo a camisa do time mais vitorioso da Itália. São 39.681 minutos jogados, em 446 jogos, estreou com nossa camisa em 26/08/2001 contra o Venezia, tem sete títulos italianos, incríveis 214 jogos sem sofrer gols, 11 vezes o goleiro do ano do campeonato e na temporada de 2015/2016 ficou 976 minutos sem sofrer gols.

Buffon ultrapassou o não menos lendário Giampiero Boniperti, que tem 39.680 minutos jogados na Série A com a camisa bianconera e já havia passado o terceiro colocado Gaetano Scirea, que tem 33.328 minutos. Todo o respeito e gratidão pelos jogadores do passado e do presente que fizeram a história da Juventus. Que nos fizeram amar este clube!

Fino alla fine, FORZA JUVENTUS!

FORZA SUPER BUFFON!

Ficou para o clássico

Fonte: Site oficial do FC Porto
Com mais de 50 mil torcedores no Dragão, FC Porto deixou a liderança bater na trave, literalmente. O zagueiro Marcano e André Silva acertaram o poste e não conseguiram dar a vitória aos Dragões, no empate diante do Vitória de Setúbal, por 1x1. No sábado, o líder Benfica ficou no empate, fora de casa, diante do Paços de Ferreira. Era a chance do Porto assumir a liderança, mas acabou dividindo pontos com a equipe visitante. Na próxima rodada, os tripeiros visitam os encarnados, no Estádio da Luz, valendo a liderança da Liga NOS.

No primeiro tempo, o Porto foi avassalador. A equipe azul e branca pressionou em 45 minutos, tiveram ataques que foram cinco finalizações em menos de um minuto. Jesus Corona conseguiu abrir o placar no fim da primeira parte e fez o Estádio do Dragão pulsar. No intervalo, a atmosfera do Dragão estava fantástica. Na segunda etapa, os tripeiros começaram melhor, mas o Vitória acabou empatando com João Carvalho.

A equipe azul e branca pressionou, teve três pênaltis não assinalados pela arbitragem. O Porto até se manifestou em suas redes sociais com o erro. Os tripeiros insistiram no jogo aéreo, mas não a zaga do Vitória estava muito bem pelo alto. O antijogo dos visitantes foram irritantes e o juiz deu sete minutos de acréscimo, mas três minutos foram gastados com o retardo do jogo dos atletas do time de Setúbal. Enfim, o jogo acabou mesmo em 1x1 e o FC Porto continua na cola no Benfica.

Antes do jogo, o atacante Tiquinho Soares foi homenageado por ter sido eleito o melhor jogador da Liga NOS no mês de fevereiro. O meio-campista Rúben Neves teve o gol mais bonito do mesmo mês e também foi premiado.

Miami Heat vence e encosta na briga pelos playoffs

A noite desta quarta-feira (15) foi quase perfeita para o torcedor do Miami Heat. As derrotas de Chicago Bulls e Detroit Pistons fariam com que o time da Flórida encostasse-se à oitava posição do Leste e última vaga para os Playoffs da NBA. Porém, o Heat precisaria ganhar do New Orleans Pelicans e as suas "torres gêmeas" Demarcus Cousins e Anthony Davis em casa.

O jogo começou com o Miami Heat bem no ataque, com seu armador Goran Dragic, voltando de uma lesão no olho, após tomar uma cotovelada no olho de Cory Joseph no jogo contra o Toronto Raptors, anotando 12 pontos no primeiro quarto. Além de Dragic no setor ofensivo, Luke Babbitt foi importantíssimo na defesa e forçou vários erros da dupla "Fogo e Gelo", como são conhecidos Cousins e Davis, e o quarto terminou em 28-21 para Miami.

Goran Dragic anotou 33 pontos em sua volta ao time e ajudou o Miami Heat a ganhar do New Orleans Pelicans (Foto: Miami Heat official Twitter)
O segundo quarto foi marcado por duas partes, uma com dominância do Miami Heat, quando a diferença chegou a estar em 14 pontos, e outra com dominância do New Orleans Pelicans, quando cortaram a liderança para 54-52 no intervalo. No terceiro quarto, o Pelicans continuou a dominar e colocou sete pontos à frente, até o pedido de tempo do técnico Erik Spoelstra.  Foi então que o Miami Heat virou e manteve a vantagem até o final do terceiro quarto, que terminou em 85-79 para o time da casa. O ponto mais alto desse quarto foi o toco sensacional do Whiteside em cima de Cousins.

O último quarto foi disputado, chegando a estar empatado em certa parte, mas com uma equipe formada por Goran Dragic, Tyler Johnson, Dion Waiters, James Johnson e Hassan Whiteside, o Miami Heat conseguiu impor boas defesas e com duas bolas de três de James Johnson, o time conseguiu ganhar o jogo por 120-112 e encostou na oitava colocação.

Goran Dragic - 33 pontos, 5 rebotes
Hassan Whiteside - 20 pontos, 17 rebotes, 2 tocos
Wayne Ellington - 19 pontos
Dion Waiters - 14 pontos, 2 roubos

GO HEAT!

Gabriel Barros
←  Anterior Proxima  → Inicio

Inscreva-se no canal LFTV

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Mais lidas da semana