A SUA LINHA DE NOTÍCIAS

Tecnologia do Blogger.

Arquivo do blog

TWITTER

FACEBOOK

Premier League Brasil

Siga-nos nas redes sociais

Popular Posts

Quem sou eu

CLASSIFICAÇÃO

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Casillas salva, mantém tabu e FC Porto segue sequência de invencibilidade

A lei do ex funcionou mais uma vez. Ela não falha. O lateral-direito Maxi Pereira ex-Benfica fez o gol do empate do FC Porto contra a Águia, por 1x1, no Estádio da Luz. O goleiro Iker Casillas também foi fundamental para segurar as os encarnados, em Lisboa. Os Dragões não perdem do time vermelho a cinco jogos e seguem com mais vitórias na Luz do que o rival, no clássico. Sem perder na Liga NOS desde agosto de 2016.

Fonte: Site oficial do FC Porto
O jogo começou com os mandantes levando bastante perigo e sendo carregado pelo seu torcedor. Aos 6 minutos, Jonas caiu na área e sofreu o pênalti, duvidoso, mas assinalável. O aniversariante do dia (Jonas) cobrou no meio do gol e fez 1x0 para o Slb. Os encarnados continuavam melhores até os 20 minutos. O Porto foi se encontrando na partida, tendo mais a posse da bola e chegando com algum perigo ao gol de Ederson.

No segundo tempo, o Porto mostrou para que foi a Luz, começou levando muito perigo para os benfiquistas e com menos de 10 minutos empatou o jogo com Maxi Pereira. O lateral jogou muito tempo no time de Lisboa, mas provocou o rival portista na comemoração do gol. Os Dragões tiveram chances para virar o jogo, mas não conseguiu ser eficaz. As águias não demoraram a responder e colocou Iker para trabalhar várias vezes. O goleiro do Porto fez defesas impressionantes. Numa delas, mandou a torcida mandante fazer silêncio.

Só se ouvia a torcida do Porto, tanto que Júlio César teve que sair do banco de reservas para pedir o apoio dos encarnados. Aos 70 minutos, um lance bizarro da arbitragem, Diogo Jota recebeu passe em posição legal, a meio metro do assistente e ele assinalou o impedimento. O atacante portista sairia na cara do gol. Treze faltas marcadas para o Benfica e nada de cartão, colinho? Não sei, sei que ainda vão enfrentar o Sporting em Alvalade. É bom se cuidarem, pois o Dragão está colado, esperando por um vacilo. Cuidado para não ser aos 92.

Fonte: Site oficial do FC Porto

Já classificado, Vila Nova vacila e perde para o Itumbiara no Serra Dourada

No último domingo (2), o Vila Nova recebeu o ameaçado Itumbiara, no Serra Dourada. Jogando mal o Tigre foi derrotado por 3x2, Vanilson ex-jogador do Vila Nova e Gilmar marcaram para o Itumbiara. Alemão e Moraes Júnior descontaram para o Tigrão.

Mesmo com a derrota, o Vila Nova continua na vice-liderança do grupo com 21 pontos, atrás do Goiás com 22. Já classificados, Vila e Goiás que apenas cumpre tabela na última rodada aguarda o resultado dos jogos para saber quem será seus adversários nas semifinais.

(Foto: Comunicação Vila Nova / Paulo Massad).
O jogo

No início da partida, o Vila começou bem levando perigo pelo lado direto com Maguinho. Mas, mal posicionado no esquema com três atacantes. Wallyson, Moisés e Stefano Yuri perdidos em campo não conseguiram entender o esquema do técnico Mazola Jr. Pela lateral, Jonathan totalmente perdido, o Vila não ameaçava o adversário.

Aos 9' da primeira etapa, o Vila foi surpreendido. Vanilson ex-jogador colorado recebeu um belo lançamento de Magrão. O atacante dominou e chutou: 1x0 Itumbiara. O dia era mesmo do camisa 9 do Gigante do Vale. Com 25 minutos de jogo, Vanilson recebeu nas costas da zaga colorada, dominou e chutou forte marcando o segundo gol dele na partida: 2x0 Itumbiara. 

Pecando na marcação, o Vila Nova errava muitos passes. E aos 41' em uma cobrança de escanteio batida por Wallyson, Alemão não desperdiçou e cabeceou para o gol, fazendo seu primeiro gol com a camisa do Vila: 2x1. Vila ainda teve a chance de empatar a partida no final do primeiro tempo com Wesley Matos que de baixo da trave deixou a bola escapar.

(Foto: Reprodução /  TV Anhanguera).
De volta para o segundo tempo, o Vila parecia aquele time horrível dos últimos jogos. Errando bastante. Jogadores estavam sem nenhuma vontade de se encontrar na partida, uma verdadeira vergonha sem fim. E o Itumbiara aproveitou para liquidar de vez o jogo. Aos 8' da segunda etapa, Vanilson recebeu um belo lançamento, o goleiro Elisson se antecipou tentando afastar a bola. Elisson acabou derrubando o atacante, pênalti. Poderia ter sido o terceiro gol do camisa 9 do Gigante do Vale. Porém, Gilmar artilheiro do Goianão bateu deslocando o goleiro colorado, 3x1 Itumbiara.

Após o terceiro gol do Itumbiara, o Tigre mostrou um esboço de que ia reagir na partida. Vandinho e Moraes Jr entraria para mudar o jogo para o Vila. Aos 27' Vandinho faz uma boa jogada, Moraes em seu primeiro toque de bola recebeu livre no meio da área, e bateu: 3x2. Vila por pouco não empata a partida após uma cabeçada do atacante Vandinho. Mas, não passou disso.

Cumprindo tabela na última rodada o Vila Nova vai até Catalão enfrentar o já rebaixado Crac no próximo domingo (9), no Estádio Genervino da Fonseca às 16h. Enquanto isso Vila fica de olho no seu possível adversário na próxima fase. Mesmo com a derrota o Tigre permaneceu na terceira colocação no geral com 21 pontos, atrás da Aparecidense com 25 e Goiás com 22 pontos. Atlético fecha em quarto com 19.

Opinião

A falta de vontade na derrota do último domingo vista por muitos de nós como corpo mole para escolher adversário na próxima fase. Nos últimos anos quando o Vila se classificou essa mesma desculpa veio a tona. Hoje ela não convence mais, o nosso time é realmente limitado. Não assusta ninguém.

Sofremos derrotas repentinas para times do interior que era considerados tecnicamente inferiores ao Vila. As derrotas para Goianésia e Itumbiara deixou um alerta. Será mesmo que o problema somente esse? Essa é a pergunta que o torcedor se faz todo ano.

O técnico Mazola Jr continua levando toda a culpa por essas derrotas. Por opção dele a diretoria não contratou mais. Após isso a falta de um meia de referência na equipe foi bastante contestado. Na função temos Hiroshi e o garoto Everton. Jogaram uma responsabilidade que não deveria em cima de um garoto da base, achando que ele seria a solução dos problemas. Ajudou, mas não resolveu.

Hiroshi ainda está devendo muito, chegando até a receber duras críticas vindo do presidente e do treinador do clube. Coisas que nessa altura da competição não deveria ser ditas. Vila sendo Vila meus amigos. Uma vergonha.

Outro grande problema seria a falta de um camisa 9. Stefano Yuri vindo do Santos, chegou para acabar com a seca de gols do ataque. Sem um meia de armação isso não se resolveria assim mesmo a intenção de ajudar sendo grande. Sem um meia nada disso vai acontecer.

Se o treinador continuar insistindo em jogadores sem vontade nenhuma dentro de campo, o torcedor pode desistir e começar a se preocupar do que será feito do clube no Brasileirão deste ano.

Foi de dar sono...

Foto: divulgação (agência botafogo)


Em um embate que tinha todos os ingredientes de ser uma grande partida, e em meio a um clima de euforia por parte de ambas as torcidas, Botafogo-SP e Corinthians começaram a decidir uma vaga nas semifinais do Campeonato Paulista no último sábado, 2, com uma partida muito monótona.

O jogo foi uma breve descrição de 90min, do que foi o Estadual para ambas as equipes até a primeira partida da decisão. Ambos com um futebol preguiçoso, cheio de erros bobos, e com uma inexpressividade enorme no que se diz em relação à ofensividade nas jogadas. O Botafogo, novamente pecando nas chances que deveria aproveitar enfrentando uma equipe de grande expressão, e o Corinthians com o típico futebol de Fábio Carrile, cheio de oscilações.

Desaprovação a parte, os times não são ruins. O Corinthians tem um elenco forte, mesmo sendo o mais frágil das quatro grande forças do futebol de SP. Um time que tem um goleiro como Cássio, um lateral como Fagner, um meia de armação do peso de Jadson, e um atacante como Jô, que jogou a última Copa do Mundo aqui no Brasil, não pode ser considerado um time qualquer.

Por outro lado, o Botafogo que por ser um time do interior, tem um elenco bem acima de algumas outras potencias do futebol fora da capital. Neneca é consagrado no gol Botafoguense, Samuel Santos há tempos vem fazendo boas temporadas, Bernardo atuou por grandes como Vasco, Cruzeiro, Santos e Palmeiras, e ainda tem Rafael Bastos que jogou a Série A do ano passado no América-MG, e o sempre matador, atacante Marcão.

O jogo no Santa Cruz foi desagradável aos olhos de quem viu pela TV, e salgado aos bolsos de quem foi ao estádio. O torcedor Corintiano que quisesse acompanhar o Timão de perto em Ribeirão Preto teria que desembolsar R$ 200,00 para ficar no setor reservado aos visitantes. Obviamente, uma estratégia da direção tricolor em conseguir bons lucros em cima da sempre maciça presença da torcida alvinegra.

Eu ainda não falei do jogo, porque em meio a todas essas informações, o futebol foi o que menos teve, e o que de mais chato aconteceu. Neneca e Cássio ficaram estáticos quase o jogo inteiro. Fora uma cobrança de escanteio com perigo, e um cruzamento fechado de Bernardo, Cássio não trabalhou quase nada mais no jogo. Do outro lado, Neneca também esteve pouco ativo nas investidas do Corinthians. O placar, justificando o baixo nível jogado, não poderia ser outro. Um 0 a 0 cheio de tédio.

O Fogão volta a enfrentar o Corinthians no próximo domingo, dia 9, agora dentro da casa dos alvinegros em Itaquera. Moacyr Junior sabe, e irá passar para seus jogadores que a postura deve ser alterada caso o elenco queira ir as semifinais. Dentro de sua Arena, e com o apoio da torcida, o time Corintiano costuma ser quase imbatível. Em números estatísticos o Corinthians não se dá bem quando se trata de mata-mata, com a decisão sendo dentro de sua casa. Entretanto, é bom o Botafogo não se escorar nisso, futebol é futebol!

Nenê, Douglas e a "briga"

Fala, Turma da Fuzarca!!

Ontem, em Bangu, após a vitória do Vasco por dois a zero contra o Nova Iguaçu, o ênfase da imprensa foi na reclamação do Nenê com o Douglas.

Quem já jogou futebol, sabe: Discussão é normal.

A função da imprensa é apurar e noticiar os fatos, entretanto, há tempos estamos vendo a mesma querendo apenas “cliques”.

(FOTO: NetVasco)
A posição da maioria dos jornalistas não me surpreendeu, o que mais me preocupou foi a tomada de lados por parte da torcida, como fosse um duelo na qual tem que existir um vencedor.

Os dois jogadores fazem parte da base do time do Vasco e estavam discutindo em prol de melhorar a qualidade do jogo, a fim de vencer a partida. Pensar um meio campo sem os mesmos é um grande desafio. Ambos têm o seu destaque; Nenê é fundamental. Douglas é a esperança.

Nós sempre lutamos contra tudo e todos, o Vasco não precisa que a própria torcida rache seja por jogador, diretoria ou organizada.

Problemas internos são resolvidos internamente e Milton acertou em fazê-los se abraçarem ainda dentro de campo e ter conversado com os dois no vestiário. Isso que um treinador faz, imagina se fosse o técnico anterior...

A próxima partida será o clássico contra o Flamengo, pela semifinal da Taça Rio.

Abraços, Galera,

Matheus Freitas @_MFreitas9_
Linha de Fundo @sitelf

A primeira decisão bianconera

Em todo início de temporada há o planejamento feito pela diretoria, que faz as contratações necessárias para o elenco, utilizando um binômio necessidade e possibilidade. Necessidade significa suprir as carências do elenco e a possibilidade significa executar essas contratações de acordo com o orçamento estabelecido.

Além disso, temos as vendas, as dispensas, as expectativas dos torcedores, da imprensa, dos adversários, enfim, todo um enredo que nos leva a este momento que estamos vivendo agora. O mês de abril, para a maioria dos clubes europeus com ambições, é decisivo em praticamente todas as partidas.

A nossa primeira decisão foi a tão aguardada partida em Nápoles, no dia de ontem (02) contra o time da casa. Ingredientes não faltavam: Primeira vez que Higuaín retornava ao San Paolo, clima de final de Taça Libertadores para os torcedores da casa, escolta policial para a Juventus no melhor estilo sul-americano: A Itália respirava o grande jogo!

A Juventus entrava em campo sabendo que a Roma havia vencido seu jogo no dia anterior, diminuindo a diferença para cinco pontos, em caso de derrota o Napoli se aproximaria um pouco menos, ficando a seis pontos.

O vírus data FIFA novamente assolou a Juventus com a contusão no joelho de Marko Pjaca. Em padrões italianos nosso elenco é o melhor, mas em padrões europeus podemos considerar que não temos tantas opções assim para a função de Pjaca. O croata dava profundidade quando entrava no segundo tempo, tentava desestabilizar a defesa adversária com dribles e bons arremates. Uma péssima notícia, pois Pjaca perderá o restante da temporada. Forza, Marko!

Khedira marcou o único gol da Juventus na sua especialidade: a tabela! Foto: Juventus.com
Entramos em campo com Buffon; Lichsteiner, Bonucci, Chiellini, Asamoah; Marchisio, Khedira, Lemina, Pjanic, Mandzukic; Higuaín. Allegri deixou Dybala, Cuadrado e Alex Sandro no banco, provavelmente pensando na forte sequencia que teremos. Importante ter os jogadores saudáveis para tantos confrontos importantes. Dybala vem se recuperando de lesão e Cuadrado atuou nas duas partidas das eliminatórias Sul-americanas pela Colômbia.

Logo no início do jogo Khedira tabelou com Pjanic (que fez a função de Dybala na partida) e abriu o placar. Khedira entrou tabelando na área me fez lembrar o fatídico 7x1 da última Copa do Mundo em pleno Mineirão. O alemão tem gosto por essa jogada em velocidade, rompendo o sistema defensivo adversário.

Os torcedores napolitanos pareciam atordoados: “Não é possível que depois de toda a pressão que fizemos eles vão vir aqui e vencer na nossa casa”. Com o gol a Juventus pareceu estar satisfeita, recuou e esperou uma oportunidade de contra-ataque para matar o jogo.

O Napoli dominava as ações, Hamsik, Insigne e Mertens tentavam de todas as maneiras romper o sistema defensivo da Juventus. Higuaín teve um bom primeiro tempo, inclusive com uma grande jogada na Linha de Fundo, driblando Hysaj e quase deixando Khedira na cara do gol. Já no segundo tempo Pipita não fez um bom jogo, muito por causa das poucas oportunidades construídas pela Juventus.

O Napoli sempre esteve mais próximo do primeiro gol do que a Juventus do segundo. Apesar do notório poder de contra-atacar, Alex Sandro, Dybala e Cuadrado fizeram muita diferença nesse arranque. Lemina muito mal na posição de Cuadrado.

Calejon fez um gol em impedimento, bem anulado pela arbitragem. Era um prenúncio: Logo depois Mertens descolou ótimo lançamento para Hamsik, que igualou a partida. A partir de então não houve um domínio de nenhuma das partes, apesar das chances surgirem mais para o time da casa. Cuadrado, Dybala e Rincon entraram, mas pouco puderam fazer.

Com o resultado final de 1x1 a Juventus não sai insatisfeita com o trabalho realizado, muito por causa da ótima temporada até aqui realizada. Vê a vantagem para a Roma ficar nos seis pontos e a vantagem para o Napoli permanecer nos 10 pontos. Mais um passo para a esperança do hexa campeonato.

Apesar do gol sofrido o sistema defensivo se comportou muito bem na partida de ontem. Foto: Juventus.com
A próxima partida da Juventus é pelo retorno da Copa da Itália, novamente contra o Napoli no San Paolo. Há de se recordar que a partida de ida no Juventus Stadium foi 3x1 para nós, com os napolitanos reclamando (como sempre) por conta da arbitragem. Outro jogo com cara (e que cara) de decisão.

Além disso, impossível não comentar que a partida de ida das quartas de final da UEFA Champions League contra o Barcelona será na semana que vem. Nossa torcida é para que nossos jogadores chave estejam em um ótimo momento físico e técnico, torcendo para que não haja nenhuma baixa por conta de lesão.

Todo o planejamento será posto em cheque pela imprensa e parte da torcida neste mês de abril. Acredito que tudo tenha sido feito da melhor maneira possível, mas no esporte de alto rendimento o que dita é sempre o resultado. Entretanto, quando se ganha nem sempre tudo está bom e quando se perde nem sempre tudo está uma porcaria. Começamos de um bom jeito, vamos em frente!

Fino alla fine, FORZA JUVENTUS!

Derrota no clássico e adeus à semifinal

Uberlândia, MG, 03 - Em jogo bastante movimentado, marcado por união das torcidas fora do estádio, URT x UEC representou a força do Triângulo neste domingo.

Thiago Braga se estica todo para tentr fazer a defesa. Créditos:Vilmar Silva/Garra Esportes.
Domingo de sol, esplêndida oportunidade para pegar o carro e ir a Patos de Minas. O clássico do Triângulo na elite do Campeonato Mineiro pelo segundo ano consecutivo foi, UEC e URT. Os Azuis de Patos e o Furacão Verde de Uberlândia.

Antes da partida o que se viu por parte dos adeptos em redes sociais, foi uma manifestação pacífica, amigável e saudável ao ambiente do futebol. Torcidas das duas equipes estreitaram seus laços, integrantes dos lados opostos dividiram mesas de bares e restaurantes, sem nenhuma imbecilidade, sem afrontas, sem desinteligências, mostrando que o adversário. É sim, rival durante a partida, jamais inimigo, sobretudo amigos do esporte, amigos do triângulo.

Torcida do UEC compareceu em peso ao Zama Maciel. Créditos: Lucas Papel.
Após uma exibição briosa frente ao Cruzeiro, onde merecíamos a vitória, um clássico regional e decisivo se apresentou para nós. Em jogo estava uma possível vaga à semifinal, vaga à Copa do Brasil, garantia de Série D em 2018 e o título do interior. Com o ânimo e euforia latentes, vividos nos corações verdes de Uberlândia, uma verdadeira caravana partiu para terras patenses, os 400 ingressos destinados ao torcedor do UEC foram bem ocupados, fazendo barulho, dando voz ao sentimento de orgulho recém-confirmado.

Dentro de campo a recente pedra em nosso sapato, jogando em casa, com o apoio da torcida, casa lotada. O Uberlândia lutava para acabar com um jejum de três partidas sem vitória contra o rival, a última foi pelo Módulo II de 2012 no Parque do Sábia. No início o Verdão tratou de propor o jogo, buscando o gol e sendo mais perigoso nos primeiros 10 minutos, tendo carimbado a trave da URT. O confronto era aberto, alucinante, as duas equipes demonstrando consciência da importância do embate, apesar da pressão do Verdão, foram os donos da casa que abriram o placar, Cascata cobrando falta deixou os Azuis em vantagem.

O Periquito mais querido e forte não se intimidou, partiu para o ataque e na sequência conseguiu o empate, Jefersom Berger cobrou falta que desviou na defesa deixando tudo igual no Zama Maciel, 1-1, a esta altura com os resultados estávamos cavando uma vaguinha no G4 do campeonato. A alegria durou pouco, praticamente na primeira tentativa de resposta, a URT conseguiu seu segundo gol com Alan Dias. Após o gol, a partida continuou acirrada, franca, com chances para os dois lados, mas o resultado final terminou mesmo no 2-1 para os mandantes, mantendo o tabu de agora quatro jogos sem vitória para o UEC.

Com o resultado, as chances de chegarmos à semifinal não existem mais, a vaga na fase decisiva não veio, porém ainda brigamos por vaga no Campeonato Brasileiro, um empate contra o Tupi no Monumental Parque do Sábia nos garante a volta ao rol de competições nacionais, por isso é muito importante levantarmos nossa cabeça e apoiar até o final para podermos no próximo domingo empurrar o Verde mais querido para o 5º lugar.

A competição vai chegando ao seu final e a torcida do Uberlândia mais uma vez mostrou toda sua força, temos a 3ª média de público da competição, apoiamos, cobramos, torcemos, secamos o adversário, sentimos o sabor de encurralar uma equipe da capital. No segundo ano de volta ao lugar que o UEC não pode sair jamais eu faço uma avaliação que estamos passo a passo nos recolocando no antro dos grandes de Minas. Agora na tabela estamos na 7ª posição com 13 pontos.

A escalada continua, não passamos o sofrimento de brigar contra o rebaixamento (como na temporada passada), sempre estivemos na parte de cima da tabela, temos chances de conseguir um calendário cheio para a próxima temporada, o que pode turbinar as receitas da equipe e gerar possibilidades de montarmos uma equipe mais forte, que brigue por objetivos ainda maiores. Vá ao estádio, apoie, cobre pela última vez no ano, nossa decisão é domingo, aliás, como para maior parte dos clubes brasileiros, 2017 para nós acaba no 1º semestre.

L'immagine può contenere: sMS
#FechadoSempreComOVerdão. Reprodução/Facebook Oficial Do UEC.
Uberlândia: Thiago Braga, Cesinha, Mauro Viana, Bruno Costa, Rogério, Bruno Moreno (Juninho Arcanjo), Rodney, Alê (Caio Dantas), Diogo Peixoto, Jerfersom Berger (Marco Goiano), Shumacher. Téc. Paulo César Catanoce.

Próximo Jogo pelo Campeonato Mineiro:
09 de Abril - 16h (hora de Brasília) - Parque do Sábia.
Uberlândia x Tupi.

Por: @carlosjr92educa
Carlos Alberto de Sousa Júnior - Colunista do Uberlândia

Arsenal 2x2 Manchester City: Um empate aceitável

Você deve estar se perguntando: Qual o lado positivo de um empate em casa, quando se é preciso vencer para se recuperar na temporada?

A verdade, é que, se analisarmos o atual momento do Arsenal, este empate, mesmo sendo em nossos domínios, não foi algo tão ruim assim. Infelizmente estamos vivenciando uma das crises mais espantosas da história do clube. Em todos estes anos acompanhando o Arsenal, nunca vi tanta bagunça como agora. A onda de protestos a Arsène Wenger têm sido a tônica dessas últimas semanas, mas, além disso, muitos de nossos jogadores encontram-se em má fase, temos sofrido com a falta de reação da equipe em seguidas derrotas, corremos o risco de perder nossos principais jogadores já na próxima janela de transferências e, na tabela, nos encontramos bem longe do top four – lugar em que o Arsenal sempre esteve durantes esses 20 anos da era Wenger.

Com todos estes agravantes, recebemos o Manchester City neste domingo (02), em partida válida pela 30ª rodada da Premier League, com um certo favoritismo dos Citizens, que vinham de uma excelente apresentação da partida contra o Liverpool, antes da pausa internacional. Eles vieram nos enfrentar com um time extremamente ofensivo, praticamente sem jogadores de marcação no meio-campo e apostando no bom momento de seus homens de frente. O Arsenal, com alguns desfalques: Petr Cech, Aaron Ramsey, Lucas Perez e Oxlade-Chamberlain, todos lesionados – além de Cazorla, fora da equipe há algum tempo.

Como já era previsto, a equipe de Manchester apostou em uma pressão inicial com bastante volume de jogo, logo aos cinco minutos, Leroy Sané aproveitou o espaço deixado por Mustafi, invadiu a área após lançamento de De Bruyne, driblou Ospina e abriu o placar no Emirates. Seguimos sofrendo com a pressão adversária e sem muitas variações. Nossas principais jogadas saiam da esquerda, com Alexis e Monreal. Do lado direito, pouco se viu em jogadas ofensivas, Walcott pouco fez por lá, contudo, foi o autor do gol de empate do Arsenal, após vacilo da defesa do City; Theo, mesmo com um chute sem tanta precisão, venceu Caballero e igualou o marcador, aos quarenta minutos. Mal tivemos tempo para comemorar, já que em seguida, aos quarenta e dois minutos, após um tremendo vacilo do Arsenal, Sérgio Agüero recebeu sozinho na área e chutou cruzado para por os visitantes novamente em vantagem.

Na segunda etapa – sem Koscielny, que saiu lesionado dando lugar a Gabriel – o Arsenal conseguiu logo nos primeiros minutos impor alguma pressão e criar oportunidades. Logo aos noves minutos do segundo tempo, Shkodran Mustafi empatou novamente a partida, com gol de cabeça, após cobrança de escanteio de Özil – com este gol, o Arsenal se tornou a equipe com mais gols de cabeça (14) na atual edição da Premier League. Özil por sua vez, com esta assistência, chegou a 38 desde a sua estreia na competição, mais do que qualquer outro jogador neste período.

Uma dupla que dá certo nas bolas paradas (Foto: Stuart MacFarlane)
O que se viu após o gol, foram os Gunners tentando a virada, com quase todas as jogadas passando pelo lado esquerdo do ataque. O City, entretanto, conseguiu diminuir tal ímpeto do Arsenal, através da posse de bola, que chegou a ser de mais de 60% na metade do segundo tempo. Eles chegaram a oferecer perigo, mas pararam em Ospina, que desta vez, teve uma boa atuação, assim como Nacho Monreal, que fez uma partida que merece elogios, sendo se não o melhor, um dos melhores em campo pelo Arsenal. Com o empate, o Arsenal segue em 6º lugar na Premier League, distante dos quatro primeiros.

O time continua bem longe de sua forma ideal, nossa defesa apesar de formada por defensores de bom nível, continua sofrendo muitos gols e permitindo muitas chances ao adversário – algo necessário a ser corrigido. Com os desfalques de Cazorla, Ramsey e Ox, tivemos volantes de difícil transição para o terço final do campo e com pouca influência nas jogadas ofensivas. Xhaka e principalmente Coquelin se limitaram apenas a marcar e a sair jogando, com muitos erros de passe – além dos cartões que ambos levaram. Özil, apesar da assistência, se mostrou muito longe de seu bom nível, principalmente por estar voltando à equipe neste domingo. No ataque, tanto Welbeck, quanto Theo Walcott pouco fizeram, mesmo o camisa 14 sendo autor de um dos gols do time. Alexis Sanchez como sempre, lutou e tentou muito, mas desta vez não teve a mesma felicidade de outros jogos.

Temos muito a melhorar, precisamos reagir e sair desta crise estabelecida na equipe, é o momento de dar uma trégua a toda esta onda de protestos, ao menos durante os noventa minutos de cada jogo. É preciso apoiar, torcer e passar confiança aos jogadores. Podemos terminar de forma digna esta temporada, lutando para voltar ao top four e brigar em possíveis dois jogos cruciais em Wembley, para conquistar mais uma taça de FA Cup. Não seria suficiente para salvar a temporada, longe disso, mas seria um bom suporte para um recomeço na próxima temporada, independente das incertezas que temos hoje. É hora de reagir, a começar pela próxima quarta-feira (05), em duelo londrino contra o West Ham, novamente no Emirates Stadium.

Por: Thalles Monari // Twitter: @_thallesmonari

Fortaleza 0 x 2 Ferroviário : Incompetência, ruindade e falta de vergonha na cara

Caros tricolores, o jogo da tarde desse domingo, trouxe à tona a mediocridade do nosso time, que não acertou nada, sem inspiração, sem vontade, sem empenho, pragmático que reflete a nossa diretoria, que é vaidosa, egoísta, incompetente e amadora, que somente visa lucrar com a paixão da torcida e que sabe muito bem vender camisa e pedir o torcedor apoiando o time, mas, que é tão fraca não sabendo o que está fazendo.

Sem meio-campo, mais uma vez, culpa do técnico Marquinhos Santos, que foi à campo com três volantes e dois atacantes mais fixos, sendo presa fácil para a marcação do rival, jogamos de forma lenta e preguiçosa, não acertando nada, e sucumbimos para um adversário bem organizado e que sabia o que fazer em campo. Desorganizado o Fortaleza mais uma vez fez muita raiva aos torcedores presentes no estádio. Tomou olé do Ferroviário, isso resume a situação do time.

Fracassos no começo da temporada, derrotas vergonhosas, eliminações precoces na Copa do Brasil e Copa do Nordeste e essa derrota diante do Ferroviário, escancaram o péssimo trabalho da diretoria, em especial, do presidente Jorge Mota e do seu Vice Ênio Mourão, somando a isso o trabalho pífio do departamento de futebol. Montaram um elenco todo novo em 2017, prometendo novos resultados e atitudes e agora temos um time ruim e que não tem nenhuma esperança de evolução.

Temos que aturar vários craques jogando no Fortaleza: Pablo, Jefferson, Heitor, Ligger, Bruninho, Leandro Lima, Renatinho, Bruno Melo, Patuta, Max Oliveira (acima do peso). Outra ressalva, não pode chover que não temos campo para treinar, temos que apelar para campos sintéticos, treinar na academia da Marinha. Acho que se chover durante algum jogo, o time saí de campo, por não saber jogar em campo molhado.

Estamos correndo o risco de ficar de fora da Copa do Brasil e da Copa do Nordeste de 2018, no ano do nosso centenário, seria uma vergonha gigantesca e iria dificultar as finanças do clube. Pela situação que estamos se não cair para a Série D nesse ano, vai ser um milagre.

A TORCIDA NÃO AGUENTA MAIS SERVIR DE CHACOTA PARA OS RIVAIS, APOIAR, GRITAR, INCENTIVAR E O TIME NÃO CORRESPONDER, NÃO AGUENTAMOS MAIS SERMOS FEITOS DE PALHAÇOS PELA DIRETORIA, NÃO MERECEMOS MAIS UM ANO DE DERROTAS E FRACASSOS. EXIGIMOS RESPEITO PELA NOSSA HISTÓRIA.

SE A TORCIDA NÃO TOMAR O CONTROLE DO CLUBE, IREMOS NOS APEQUENAR AINDA MAIS. O FORTALEZA É MAIOR QUE QUALQUER EGO, VAIDADE OU VONTADES PESSOAIS. CUIDA-TE FORTALEZA! 


Dois jovens que poderiam ajudar o time hoje, mas não entraram. Bola para frente, domingo tem mais (divulgação/fortalezaec.net)
Por: Gabriel Viana / @GabrielVianaSo3

Canary Review - Novidades pela frente

Música de fundo: Jim Yosef - Journey



Redes Sociais:
Antigo canal | Old YouTube Channel: http://goo.gl/IObBKP
←  Anterior Proxima  → Inicio

Inscreva-se no canal LFTV

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

Mais lidas da semana